CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA"

Transcrição

1 CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1

2 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia Bioquímica Fisiologia Biologia Fundamento da Toxicologia Analítica Clínica Experimental 2

3 OBJETIVO: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE INTOXICAÇÕES avaliar investigar identificar e quantificar determinar níveis toleráveis avaliação de risco estabelecer condições seguras para uso de substâncias Definição: AGENTE TÓXICO 3

4 TOXINA: VENENO: DROGA: 4

5 FÁRMACO: TOXICIDADE: AÇÃO TÓXICA: Efeito tóxico: Efeito tóxico agudo: Efeito tóxico sub-agudo: Efeito tóxico crônico: 5

6 Efeito tóxico local: Efeito tóxico sistêmico: i Efeito tóxico reversível e irreversível: ANTÍDOTO: INTOXICAÇÃO: RISCO: SEGURANCA: 6

7 Reações idiossincráticas Reatividade anormal do organismo a um agente químico, determinada geneticamente. Efeito adverso Efeito colateral indesejado nocivo - efeito farmacológico - efeito colateral - desejado -indesejado - nocivo -não nocivo 7

8 CLASSIFICAÇÃO DO AGENTE TÓXICO Quanto à origem Quanto à forma em que atingem um sistema biológico Quanto ao efeito Reações alérgicas ao agente químico Efeito tóxico produzido por intermédio de um anticorpo formado como conseqüência de uma pré-exposição. 8

9 ÁREAS DE APLICAÇÃO Toxicologia de medicamentos Toxicologia social Toxicologia de alimentos Toxicologia ambiental Toxicologia ocupacional ASPECTOS DA TOXICOLOGIA Toxicologia i forense: legislação Toxicologia descritiva: descreve o agente tóxico e seus efeitos Toxicologia regulatória: fiscalização Toxicologia genética: efeitos teratogênicos 9

10 AÇÃO TÓXICA E SUAS FASES I- Fase de exposição II- Fase Toxicocinética III-Toxicodinâmica IV- Fase Clínica I- FASE DE EXPOSIÇÃO Disponibilidade química Vias de introdução Dose / concentração Tempo / freqüência Propriedades físico-químicas Suscetibilidade individual 10

11 Vias de introdução Dose / concentração nt Tempo / freqüência Exposição aguda X exposição crônica Agente Exposição Exposição tóxico aguda crônica Benzeno neurotóxico mielotóxico Hg ++ nefrotóxico neurotóxico Solventes neurotóxico hepatotóxico 11

12 Propriedades físico-químicas: interferem na toxicocinética Solubilidade: Tamanho das partículas Pressão de vapor (volatilidade) Suscetibilidade individual hiporreativo, i hiperreativoi II- FASE TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Absorção, distribuição, biotransformação e excreção III-TOXICODINÂMICA Interação com o sítio de ação Ação tóxica IV- FASE CLÍNICA Efeito nocivo Sinais e sintomas 12

13 Questão: O registro de produtos fitoterápicos é normatizado pela ANVISA (RDC nº17/2000), que exige, dentre outros, identificação da espécie utilizada, protocolo detalhado do(s) método(s) de preparação e obtenção, e resultados s dos ensaios s farmacológicos e toxicológicos que comprovem a eficácia e o baixo risco do medicamento. Desconsiderando as bases da biofarmacotécnica, da legislação vigente e do Código de Ética, o farmacêutico produziu um fitoterápico à base do extrato alcóolico das folhas de uma planta, cujo uso é consagrado na "medicina popular" como "calmante", quando preparadas na forma de chá. Várias pessoas, que fizeram uso contínuo desse extrato alcóolico, apresentaram icterícia, edema e anúria. Diante dessas informações, pode-se sugerir que essa preparação apresentou ação: (A) hepatotóxica e cardiotônica em decorrência de modificações qualitativas e/ou quantitativas nos fitoconstituintes. (B) hepatotóxica e nefrotóxica em decorrência de modificações qualitativas e/ou quantitativas nos fitoconstituintes. (C) hepatotóxica e hemostática em decorrência de modificações qualitativas e/ou quantitativas nos fitoconstituintes. (D) nefrotóxica e hemostática em decorrência das modificações causadas pelo teor alcóolico nos fitoconstituintes. (E) nefrotóxica e cardiotônica em decorrência da concentração alcóolica e de modificações nos fitoconstituintes. 13

14 Questão: Atualmente, não só no Brasil como em outros países do mundo, observam-se vários casos de contaminação ambiental, em decorrência da intensa atividade industrial ocorrida nas décadas de 50 a 70 do século XX, e do uso indiscriminado de compostos químicos. A imprensa leiga anuncia esses casos sem levar em consideração, muitas vezes, conceitos básicos de Toxicologia, que poderiam auxiliar a população quando, por exemplo, da construção de moradias em locais usados anteriormente como lixões, e de zonas residenciais i i e rurais contaminadas por poluentes orgânicos persistentes (POPs). As afirmações abaixo reproduzem alguns desses conceitos, extraídos de entrevistas, transmitidas pela mídia. I. "A dose ou a concentração, e a solubilidade do toxicante são fatores importantes ao se avaliar o risco de exposição pela população". II. "As condições da exposição desempenham um papel fundamental na determinação do risco à saúde e ao meio ambiente causado por agentes químicos". III. "O risco de aparecimento de um efeito nocivo, após a exposição a um agente químico, relaciona-se às características físico-químicas, ao tempo, à freqüência e à via de exposição, mas, pouco relaciona-se à espécie e ao sexo". IV. "A segurança ou o risco no uso de um composto químico depende exclusivamente da toxicidade desse composto. E esta toxicidade é que deverá ser analisada". V. "Tanto o risco quanto a segurança de um toxicante estão relacionados à dose, à via de exposição, ao metabolismo, à suscetibilidade que cada indivíduo apresenta, sem deixar de mencionar o tempo de exposição". 14

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas Prof. Dr. Fábio Kummrow fkummrow@unifesp.br 20/01/2017 Definição de área contaminada (CETESB): Uma área contaminada pode ser definida como uma

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Exercícios Parte I 11.02.2012 Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Questão Prova Perito Polícia Civil 1-( ) No âmbito forense, muitas vezes a verdadeira versão de um crime só pode ser descoberta

Leia mais

Arsênio e os efeitos à saúde humana

Arsênio e os efeitos à saúde humana Arsênio e os efeitos à saúde humana Eduardo M. De Capitani Centro de Controle de Intoxicações FCM HC UNICAMP Agente tóxico Organismo vivo DOSE EFEITO TÓXICO 1- FASE de EXPOSIÇÃO Vias de ABSORÇÃO / dose

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMÁCIA Disciplina:Toxicologia Professor(es): Maria de Fatima M. Pedrozo Núcleo Temático: Análises Clínicas DRT: 113037-5 Código da

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA Toxicologia Estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações entre as substâncias químicas com o organismo. Agente tóxico Organismo vivo Efeito

Leia mais

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Unidade Universitária: :CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMACIA Disciplina:TOXICOLOGIA Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Ementa: DRT: 113037-5

Leia mais

Curso: Farmácia-Bioquímica

Curso: Farmácia-Bioquímica SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 2ª 08:00 09:00 0900112 História da Farmácia, Saúde e Sociedade --- --- 02 30 3ª 08:00 10:00 0900113 Biossegurança e

Leia mais

MERCÚRIO. José Roberto Teixeira. Outubro/2007. PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional

MERCÚRIO. José Roberto Teixeira. Outubro/2007. PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional MERCÚRIO José Roberto Teixeira Outubro/2007 PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional Toxicologia Todas as substâncias são venenos. A dose correta diferencia o veneno de um remédio. Paracelsus

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia EMENTA

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia EMENTA Turno: Integral Currículo 2014 CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia Departamento Farmácia Período 7º Teórica 54 Carga Horária Prática Total 54 Código CONTAC FA053 Tipo Habilitação

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PERÍODO INTEGRAL HORÁRIO DE AULAS

CURSO: FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PERÍODO INTEGRAL HORÁRIO DE AULAS CURSO: FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PERÍODO INTEGRAL 1º ANO - 1º SEMESTRE 09-12 - 40 T Histologia 13h45-15h45-306 T Introdução às Ciências Farmacêuticas 16-18 - 306 T Introdução ao Direito Sanitário 07h45-09h45-07

Leia mais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais FARMACOTÉCNICA INTRODUÇÃO À FARMACOTÉCNICA Tópicos abordados: Definições em Farmacotécnica. Classificação dos Medicamentos. Legislação vigente. POSIÇÃO DA FARMACOTÉCNICA ENTRE AS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007

TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007 TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007 TOXICOLOGIA RAMOS DE ESTUDO Toxicologia Experimental Toxicidade - Prevenção Toxicologia Analítica Toxicante - Diagnóstico químico Toxicologia Clínica Intoxicação - Tratamento

Leia mais

Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias. Programa teórico da disciplina de Toxicologia

Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias. Programa teórico da disciplina de Toxicologia T1 Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias Programa teórico da disciplina de Toxicologia Ano Lectivo de 2003/2004 Disciplina semestral, do primeiro semestre do quinto ano da licenciatura em Medicina

Leia mais

TOXICOCINÉTICA TOXICOCINÉTICA TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA

TOXICOCINÉTICA TOXICOCINÉTICA TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA TOXICOLOGIA - Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM PROPRIEDADE

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS S 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02 30 5ªf 08 às 10 h 0900113

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR

AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR Nomário Pedrosa Lacerda Jennifer de Morais Alves Luana Martins de Sousa Hemerson Iury Ferreira

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA-BIOQUÍMICA - NOTURNO HORÁRIO DE AULAS

CURSO: FARMÁCIA-BIOQUÍMICA - NOTURNO HORÁRIO DE AULAS 1º ANO - 1º SEMESTRE 19-20 - 40 T Histologia 20-23 - 40 T Biofísica 19-21 - 40 T Anatomia - 21-23 BIO P2 Anatomia - 19-21 07 T Histologia - 21-23 BIO P2 Histologia 19-23 - IQ T Fundamentos de Química Sexta-feira

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA FIBRA PRIMEIRO PERÍODO - EIXO TEMÁTICO: O HOMEM COMO SER BIOLÓGICO E SOCIAL ANATOMIA HUMANA FISIOLOGIA HUMANA BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR PROFISSIO

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS SCIPLINAS SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS SCIPLINAS SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- 5ªf 08

Leia mais

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016 08INTEGRAL 1º SEMESTRE 2ª 0900113 Biossegurança e Primeiros Socorros - Sala de Aula do QFL0137 Química Geral IQ - Laborátorio / Bl. 01 inf. 3ª 4ª 5ª 6ª QFL0137 Química Geral IQ -774 / Bloco 07 sup 0900100

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS QBQ0215 QBQ0316

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS QBQ0215 QBQ0316 SCIPLINAS SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho. Raphael Mendonça Guimarães

O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho. Raphael Mendonça Guimarães O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho Raphael Mendonça Guimarães Saúde do Trabalhador (Brasil, 2001a) Campo de atuação que visa

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 AULA n.º: 1 Dia 27-09-2016 das 14:00 às 17:00 Ana Leonor Alves Ribeiro Apresentação: disciplina, docente, avaliação, programa, bibliografia. I - FARMACOLOGIA GERAL: 1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA FARMACOLOGIA

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 260/2008 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Farmácia O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA da UNIVERSIDADE

Leia mais

Farmacovigilância LEGISLAÇÃO SANITÁRIA O QUE É FARMACOVIGILÂNCIA? INÍCIO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FARMACOVIGILÂNCIA 21/11/2010

Farmacovigilância LEGISLAÇÃO SANITÁRIA O QUE É FARMACOVIGILÂNCIA? INÍCIO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FARMACOVIGILÂNCIA 21/11/2010 LEGISLAÇÃO INÍCIO Deborah Masano Cavaloti Manira Georges Soufia SANITÁRIA - PROF. PALUDETTI - Farmacovigilância O risco do uso de remédios é conhecido desde a Antiguidade. Entretanto, pode-se dizer que

Leia mais

Química Geral Química Geral Biologia Celular Anatomia Humana Métodos Físicos Aplicados à Farmácia

Química Geral Química Geral Biologia Celular Anatomia Humana Métodos Físicos Aplicados à Farmácia 1FAAD Introdução aos Estudos Farmacêuticos Química Orgânica I Biologia Celular Anatomia Humana Seminário Interdisciplinar em Bioética, Cidadania e Responsa Introdução aos Estudos Farmacêuticos Química

Leia mais

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35 Índice Parte 1 - Bases para a terapêutica com fármacos antiepilépticos Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica... 19 Classificação das Crises Epilépticas (1981)... 20 Classificação

Leia mais

Avaliação de risco toxicológico

Avaliação de risco toxicológico Avaliação de risco toxicológico UFVJM Mestrado SaSA Disciplina de Toxicologia ambiental e de alimentos Prof. Dr. Antonio Sousa Santos A avaliação do risco é dividida em quatro momentos: Identificação do

Leia mais

2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Horário de aula. Química Geral e Inorgânica. Biologia Celular e Tecidual.

2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Horário de aula. Química Geral e Inorgânica. Biologia Celular e Tecidual. CURSO: ANO: 2016 SÉRIE: 1 série SEMESTRE LETIVO DO ANO: ( X ) 1º SEMESTRE ( ) 2º SEMESTRE 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Horário de aula Biologia Introdução ao Geral e Biologia Celular e

Leia mais

DOENÇA TÓXICA DO FÍGADO

DOENÇA TÓXICA DO FÍGADO DOENÇA TÓXICA DO FÍGADO DISCIPLINA SAÚDE E TRABALHO Profa. Carmen Fróes Asmus REFERÊNCIA: Livro Doenças Relacionadas ao Trabalho. Manual de procedimentos para os Serviço de Saúde. Ministério da Saúde:

Leia mais

Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/05/2007

Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/05/2007 1 Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/5/27 A formação acadêmica do farmacêutico mudou, desde fevereiro de 22, quando foram aprovadas

Leia mais

MICF (5º ANO) 1º SEMESTRE

MICF (5º ANO) 1º SEMESTRE Dezembro Novembro (5º ANO) º SEMESTRE Hora Sala Biotecnologia Farmacêutica h,, 9 Farmacovigilância e Farmacoepidemiologia h,, 0 Preparações de Uso Veterinário h,, Intervenção Farmacêutica nos Autocuidados

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO AVALIAÇÃO DE RISCO. Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP

AVALIAÇÃO DE RISCO AVALIAÇÃO DE RISCO. Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP Profa. Dra. Isarita Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas TODA SUBSTÂNCIA, SEGUNDO A TOXICOLOGIA PODE SER CONSIDERADA UM AGENTE TÓXICO, DEPENDENDO

Leia mais

FARMACOCINÉTICA. Prof. Glesley Vito Lima Lemos

FARMACOCINÉTICA. Prof. Glesley Vito Lima Lemos FARMACOCINÉTICA Prof. Glesley Vito Lima Lemos (glesleyvito@hotmail.com) RESPOSTA TERAPÊUTICA Fase Farmacêutica MEDICAMENTO Liberação do princípio ativo da formulação Interação Fármaco Sítio alvo Fase Farmacodinâmica

Leia mais

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996 Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição Agente? População Quadro IV.2 - O que é a Avaliação da Exposição? A avaliação da exposição é a determinação ou estimativa da magnitude, frequência, duração

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT 129 N O M E TOXICOLOGIA DOS ALIMENTOS CARGA HORÁRIA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

Quadro II.1 - Componente 1. Identificação do Perigo. Fonte: OPS/EPA, 1996

Quadro II.1 - Componente 1. Identificação do Perigo. Fonte: OPS/EPA, 1996 Quadro II.1 - Componente 1. Identificação do Perigo Substância? Efeito Fonte: OPS/EPA, 1996 Quadro II.2 - IDENTIFICAÇÃO DO PERIGO Validade e significado da informação toxicológica Solidez científica da

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS MAT0143 QFL0406 TOTAL 28 4** 6º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS BMI0165 BMM0160 BMP0201

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS MAT0143 QFL0406 TOTAL 28 4** 6º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS BMI0165 BMM0160 BMP0201 SCIPLINAS SCIPLINA 2º SEMESTRE OBRIGATÓS INCAÇÃO BIO0228 Genética Humana --- BMC0116 Biologia Celular e Tecidual I --- INTEGRAL QBQ0215 Bioquímica: Estrutura de Biomoléculas e Metabolismo --- QBQ0316 12

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS 27 e 28 outubro 2017 Organização Instituto Universitário de Ciências da Saúde Sala 2206 Rua Central de Gandra,

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS SCIPLINAS SCIPLINA 2º SEMESTRE OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL BIO0228 Genética Humana --- --- 02 30 2ªf 10 às 12 h BMC0116 Biologia Celular e Tecidual I --- --- 02 30 2ªf 08 às 10 h QBQ0215 Bioquímica: Estrutura

Leia mais

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia Aula 01 Conceitos Básicos de Farmacologia Vocês sabem definir Farmacologia? Podemos definir a Farmacologia como ciência que estuda a ação das substancias químicas, estruturalmente definidas e denominadas

Leia mais

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA Bases Farmacológicas Marcio Toledo Curso de Formação Jan, 2011 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 2 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 3 1 Farmacologia

Leia mais

Curso de Farmácia UFJF/GV. Horário

Curso de Farmácia UFJF/GV. Horário Curso de Farmácia UFJF/GV Horário 2016.1 Atenção: Prezados(as) estudantes, ao se matricularem nas disciplinas PRÁTICAS (Turmas A ou B ou C...), estarão manifestando seu interesse pela turma de preferência.

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

Parte 2 Avaliação do perigo Avaliação PBT

Parte 2 Avaliação do perigo Avaliação PBT Webinar para Registante Principal CSA/CSR (I) Parte 2 Avaliação do perigo Avaliação PBT 9 de Março de 2010 George Fotakis, ECHA Estrutura da CSA Informação: disponível exigida/necessária Avaliação do Perigo

Leia mais

Introdução. *Susceptibilidade. * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL

Introdução. *Susceptibilidade. * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL NEFROTOXICOLOGIA Introdução Introdução *Susceptibilidade * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL Epidemiologia * Exposição ocupacional

Leia mais

Introdução. *Susceptibilidade. * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL

Introdução. *Susceptibilidade. * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL NEFROTOXICOLOGIA Introdução Introdução *Susceptibilidade * Unidade funcional e morfológica: néfron - glomérulo ( parte vascular) - túbulo ( parte epitelial) TÚBULO PROXIMAL Epidemiologia * Exposição ocupacional

Leia mais

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II)

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II) Portaria nº 116/MS/SNVS, de 8 de agosto de 1996 DOU DE 12/08/96 O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto na Portaria nº 6,

Leia mais

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e análises Toxicológicas EMENTA

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e análises Toxicológicas EMENTA Turno: Integral Currículo 2010 CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia e análises Toxicológicas Departamento Bioquímica Período Teórica 54 Carga Horária Prática 36 Total 90

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Campos dos Goytacazes Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos com visão generalista e humanista capazes de exercer atividades

Leia mais

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 1 Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 2 Tema: Seminário: Como Minimizar os riscos no Trabalho Questões Geradoras:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SOLUÇÃO TAMPÃO ph 7 - Código interno de identificação do produto: S1036 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade 9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade Existem certos riscos associados ao uso de produtos químicos: Danos materiais Danos à saúde humana Danos ambientais (seres vivos

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA

ESTUDO DA FARMACOLOGIA NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que se sabe menos ainda. Voltaire(1694-1778)

Leia mais

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA História da Farmacologia Pharmakon (grego) veneno (substância terapêutica) (129-200) Galeno 1o. a considerar a teoria das doenças (1493-1541) Paracelsus conhecia os ingredientes

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

HEPATOPATIAS TÓXICAS. DISCIPLINA SAÚDE E TRABALHO 2006/1 Profa. Carmen Fróes Asmus

HEPATOPATIAS TÓXICAS. DISCIPLINA SAÚDE E TRABALHO 2006/1 Profa. Carmen Fróes Asmus HEPATOPATIAS TÓXICAS DISCIPLINA SAÚDE E TRABALHO 2006/1 Profa. Carmen Fróes Asmus TOXICIDADE HEPÁTICA Hepatotoxinas naturais produtos de plantas e minerais Produtos da indústria química ou farmacêutica

Leia mais

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia.

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. Com ênfases especialmente fortes em e Celular, e Bioinformática, o profissional em Biotecnologia formado pela UFRGS irá ocupar uma ampla lacuna existente

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Petrópolis Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Graduação em Nutrição Bacharelado.

Matriz Curricular do Curso de Graduação em Nutrição Bacharelado. NUTRIÇÃO, SAÚDE E SOCIEDADE Matriz Curricular do Curso de Graduação em Bacharelado. COMPONENTE CURRICULAR DIMENSÃO / CAMPO DE FORMAÇÃO CARGA HORÁRIA PRÉ REQUISITO 1º SEMESTRE Biologia Celular Anatomia

Leia mais

CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e Análises Toxicológicas EMENTA

CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e Análises Toxicológicas EMENTA Turno: Integral Currículo 2010 CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia e Análises Toxicológicas Departamento Bioquímica Período ----- Teórica 54 Carga Horária Prática 36 Total

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel Marcílio Franco, 1063 São Paulo S.P. Telefone da empresa: (11) 6901-5522 /

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA - ME 1 (2/8/2016) PONTO 10 - Fisiologia do Sistema Respiratório I 10.1. Funções respiratórias e não

Leia mais

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 ANVISA Site Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/r DC_98_2016.pdf/32ea4e54-c0ab-459d-903d- 8f8a88192412 Apresentação: Andressa Daron Giordani Conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 -CEP Lages - SC - Cx. P Fone (0XX49) Fax

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 -CEP Lages - SC - Cx. P Fone (0XX49) Fax UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 -CEP 88.509-900 - Lages - SC - Cx. P. 525 - Fone (0XX49) 251-1022 Fax 251-1051 EDITAL N.º 154/2005 Publica o sorteio dos ítens das ementas disciplinas

Leia mais

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s).

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). Workshop Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). 29 de Junho de 2016 Maria Manuel Garrão

Leia mais

Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos

Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos 3ª ENIFarMed São Paulo, 16 de setembro de 2009 Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos Como se desenvolve um novo medicamento? Dr. Jorge Barros Afiune Diretor Médico Cristália Produtos

Leia mais

REVIEW. DNA Topoisomerase I from parasitic protozoa: A potencial target for chemotherapy

REVIEW. DNA Topoisomerase I from parasitic protozoa: A potencial target for chemotherapy REVIEW DNA Topoisomerase I from parasitic protozoa: A potencial target for chemotherapy R.M. Reguera, C.M. Redondo, R. Gutierrez de Prado, Y. Pérez-Pertejo, R. Balaña-Fouce Dpto. Farmacologia y Toxicologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/029/2009. MODIFICA A RESOLUÇÃO UEPB/CONSEPE/08/2006, QUE APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA - BACHARELADO - DO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E

Leia mais

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo Riscos químicos Consideram-se agentes de riscos químicos aqueles cuja periculosidade é devido a um produto ou composto químico. Podem penetrar o organismo do trabalhador através a inalação (poeiras, fumos,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta Prof a Marina G R Pitta O ciclo de inovação em Saúde Aspecto Econômico da Inovação: orientada para os países desenvolvidos Principais mercados farmacêuticos mundiais por zonas geográficas, em 2006, em

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

I Workshop dos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem PERFIL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS EM UM HOSPITAL DO SUL DE MINAS GERAIS

I Workshop dos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem PERFIL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS EM UM HOSPITAL DO SUL DE MINAS GERAIS I Workshop dos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem PERFIL DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS EM UM HOSPITAL DO SUL DE MINAS GERAIS Linha de pesquisa: Materno Infantil Responsável pelo trabalho: CALIARI, T.M.

Leia mais

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família Meiruze Sousa Freitas Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos

Leia mais

Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional

Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional ENCONTRO NACIONAL DE SAÚDE OCUPACIONAL 17 NOVEMBRO 2016 ESTeSL CESALTINA RAMOS Âmbito O número e a diversidade dos fatores de risco

Leia mais

Antivirais. Profa Dra Mônica Santos de Freitas Sunday, December 2, 12

Antivirais. Profa Dra Mônica Santos de Freitas Sunday, December 2, 12 Antivirais Profa Dra Mônica Santos de Freitas 21.11.2012 As vacinas são ótimas na prevenção de doenças O que acontece quando o indivíduo esta doente? A vacina é o melhor tratamento? Existem aproximadamente

Leia mais

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de Alimentos Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de alimentos Indústria de alimentos: controle da qualidade, fabricação e armazenamento do produto acabado; Universidades e institutos de

Leia mais

RENACIAT. Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica. Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia)

RENACIAT. Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica. Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia) RENACIAT Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia) Fundação Oswaldo Cruz (SINITOX) Disque Intoxicação 0800-722-6001 RENACIAT

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÂO DO MEDICAMENTO Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal

Leia mais

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição xposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de xposição Profa. dna Maria Alvarez Leite Faculdade de Farmácia da UFMG Biomarcadores ou Indicadores Biológicos Lato sensu: qualquer parâmetro

Leia mais

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a Fases da pesquisa clínica na indústria farmacêutica Eduardo Motti Sumário Por que das Fases de pesquisa clínica Fase 1 a 4 Outros conceitos: Fase 0, Fase 5 Para onde vamos Objetivos da Pesquisa Clínica

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA O QUE É FARMACOLOGIA? Palavra de origem grega Φαρµακολογίας FARMAKON LOGOS DROGA ESTUDO FARMACOLOGIA É a ciência ou disciplina que estuda

Leia mais

Farmácia Clínica Farmácia Clínica

Farmácia Clínica Farmácia Clínica Farmácia Clínica Farmácia Clínica A evolução da FH e o surgimento da FC: Final da década de 1950 FDA e American Medical Association conscientização dos farmacêuticos no sentido de controlar as reações

Leia mais

Toxicologia Ocupacional

Toxicologia Ocupacional Toxicologia Ocupacional Introdução ACGIH NR 15 NR 9 Versão: Dezembro de 2016 1. Introdução / Conceitos básicos Toxicologia Ciência dos venenos Não existem substâncias inofensivas. O que diferencia um remédio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 067/2016 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SUBCARBONATO DE BISMUTO - Código interno de identificação do produto: S1039 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais