Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com"

Transcrição

1 Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos nos seres vivos Fármaco Qualquer substância alterar função de organismos vivos Tratamento de doenças curativo ou sintomático 1

2 Remédio Qualquer substância ou recurso utilizado para obter cura ou alívio Remédio Princípio Ativo Fármaco Medica mento Droga Medicamento Produto farmacêutico,uma forma farmacêutica que contém o fármaco, geralmente em associação com adjuvantes farmacotécnicos. Fármaco Substância química conhecida e de estrutura química definida dotada de propriedade farmacológica. Sinônimo de princípio ativo. 2

3 Droga Toda substância, natural ou sintética que ao ser introduzida no organismo modifica suas funções, com exceção para os alimentos. Farmacologia Divisão Farmacognosia Farmacotecnica Farmacologia Farmacologia Clinica Farmacocinética Farmacodinâmica Farmacogenômica Toxicologia Farmacologia - Divisão Farmacologia - Divisão FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA ABSORÇÃO DISTRIBUIÇÃO FARMACODINÂMICA BIOTRANSFORMAÇÃO ELIMINAÇÃO 3

4 Farmacologia - Divisão FARMACODINÂMICA LOCAL DE AÇÃO MECANISMO DE AÇÃO EFEITOS Farmacologia Conceitos Fármaco Princípio Ativo Receptor: componente de uma célula que interage com uma droga e dá início à cadeia de eventos bioquímicos que levam aos efeitos observados do fármaco. Farmacologia Conceitos Fármaco (F) + Receptor(R) F-R Efeito(s) NOMENCLATURA DE FÁRMACOS SIGLA : SKF NOME QUÍMICO : Ester metilico do acido (5- propiltil-1h benzimidazol-2-il ) carbâmico Nome Registrado: Zentel, Zolben Nome Generico: Albendazol 4

5 NOMENCLATURA DE FÁRMACOS Nome químico Nome genérico Nomes comerciais 2H-1,4-benzodiazepin-2-ona Diazepam Calmociteno Diempax Valium 7-cloro-1,3-diidro-1-metil-5-fenil- 1-fenil-2,3-dimetil-5-pirazolona-4- metilamino metanossulfonato de sódio monoidratada Dipirona Baralgin Conmel Novalgina Fármacos e Número Ideal Fármacos e Número Ideal OMS medicamentos Brasil MS apresentações comerciais principios ativos Rename - Brasil medicamentos Diclofenaco > 50 nomes comerciais Análise crítica 5

6 ENSAIOS FARMACOLÓGICOS E CLÍNICOS ENSAIOS FARMACOLÓGICOS E CLÍNICOS ENSAIOS EM ANIMAL TOXICIDADE AGUDA, SUBAGUDA E CRÔNICA (CARCINOGENICIDADE) TERATOGENICIDADE ENSAIOS NO HOMEM FASE I TOLERÂNCIA EM VOLUNTÁRIOS FASE II PACIENTES II-A 50 PACIENTES ABERTO II-B 50 A 100 PACIENTES - CONTROLADO COM PLACEBO FASE III NÚMERO MAIOR DE PACIENTES FASE IV APÓS COMERCIALIZAÇÃO Controle de Medicamentos EUA - FDA (Food and Drug Administration) Europa - EMEA (European Agency for the Evaluation of Medicinal Products) Brasil- ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Atuação da Indústria Farmacêutica Atuação Governamental Atuação do prescritor Posologia Forma de utilizar os medicamentos Número de vezes e quantidade de medicamento a ser utilizada a cada dia Variável em função do paciente, da doença que está sendo tratada e do tipo de medicamento utilizado. 6

7 Efeito Benéfico - Efeito Desejável Efeitos Adversos - Efeitos Indesejáveis Efeitos Colaterais Efeito Placebo Ação que não decorre da atividade farmacológica Conhecimentos sobre farmacologia são essenciais para a utilização racional das drogas. Interação Iatrogenia alteração do efeito de um medicamento quando na presença de outra substância (outro medicamento ou alimentos). Quando um medicamento é administrado a um indivíduo e produz lesão ou doença de forma não intencional. 7

8 Intoxicação - Causas Idiossincrasia Reações particulares ou especiais de um organismo à droga. São nocivas, às vezes fatais e relacionadas à fatores INDIVIDUAIS. Tentativas de autoexterminio Automedicação Erro de administração Prescrição médica inadequada Abuso Uso Racional de Medicamentos Existe uso racional quando os pacientes recebem medicamentos apropriados a suas necessidades clínicas, em doses adequadas a suas particularidades individuais, por período de tempo necessário e com baixo custo para eles e sua comunidade. Conferência Mundial sobre Uso Racional de Medicamentos, Nairobi, 1985 Por que promover uso racional de medicamentos? 50-70% das consultas médicas geram uma prescrição medicamentosa. 50% de todos os medicamentos são prescritos, dispensados ou usados inadequadamente % do gasto em saúde nos países em desenvolvimento correspondem a medicamentos, menos de 15% nos países desenvolvidos. 8

9 Por que promover uso racional de medicamentos? 75% das prescrições com antibióticos são errôneas. Somente 50 % dos pacientes, em média, tomam corretamente seus medicamentos. A metade dos consumidores compra medicamentos para tratamento de um só dia. Brundtland, Gro Harlem. Global partnerships for health. WHO Drug Information 1999; 13 (2): ANOS O-4 ANOS METILFENIDATO ANOS AMOXICILINA ANFETAMINAS ANOS ANOS ENERGÉTICOS OMEPRAZOL ANOS + 65 ANOS FLUOXETINA TODOS ELES Uso racional de medicamentos Indicação apropriada Esquema de administração adequado Ausência de contra-indicações e menor possibilidade de efeitos adversos Dispensação correta, incluindo informação adequada para o paciente Seguimento do paciente Questionamentos Importantes É realmente necessário um fármaco para alterar o curso clínico da doença? Estabelecida esta necessidade, que fármaco indicar? Como o fármaco deve ser administrado ao paciente? O paciente já usa outros medicamentos? Quais são os efeitos benéficos e adversos esperados? O paciente está devidamente informado sobre a terapêutica proposta? 9

10 Medicamento é como gente Tem qualidades e defeitos. As qualidades a gente admira Os defeitos a gente agüenta ou não Por isso, podemos ficar, (usar eventualmente) Namorar, (usar por determinado tempo) ou até casar com algum medicamento. (para o resto de nossas vidas) Mas ele deve atender ao nosso jeito de ser. (eficácia para a condição clínica), Deve ter uma convivência regrada. (dose e tempo de tratamento) Não deve proporcionar mais problemas do que aqueles que já temos. (custo econômico e reações adversas). 10

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais

BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS

BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS Mai-Jun/2013 Márcia Sayuri Takamatsu Freitas Introdução 1999 Criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Lei no. 9782, de

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA

ESTUDO DA FARMACOLOGIA NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que se sabe menos ainda. Voltaire(1694-1778)

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO Gabriela B. G. Mosegui Departamento de Saúde e Sociedade/ISC/UFF Adaptado de Fernanda d Athayde Rodrigues, James Fitzgerald (OPAS, Brasil) INTRODUÇÃO

Leia mais

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 ANVISA Site Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/r DC_98_2016.pdf/32ea4e54-c0ab-459d-903d- 8f8a88192412 Apresentação: Andressa Daron Giordani Conceito

Leia mais

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA História da Farmacologia Pharmakon (grego) veneno (substância terapêutica) (129-200) Galeno 1o. a considerar a teoria das doenças (1493-1541) Paracelsus conhecia os ingredientes

Leia mais

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA Bases Farmacológicas Marcio Toledo Curso de Formação Jan, 2011 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 2 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 3 1 Farmacologia

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS

A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS A QUIMICA E OS MEDICAMENTOS Bolsista: Julia Eisenhardt de Mello O corpo humano poderia ser chamado de corpo químico. Na realidade qualquer material do universo poderia ser chamado de material químico.

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Seminário Nacional Sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Regional Sudeste USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Maria Beatriz Cardoso Ferreira Docente do Departamento de Farmacologia ICBS/UFRGS Pesquisadora

Leia mais

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação [...] As pessoas, em grande número, estão conscientes quanto ao controle ou tratamento de certos tipos de doenças, sem auxílio de médico

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35 Índice Parte 1 - Bases para a terapêutica com fármacos antiepilépticos Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica... 19 Classificação das Crises Epilépticas (1981)... 20 Classificação

Leia mais

MANSIL. Cápsula. 250 mg

MANSIL. Cápsula. 250 mg MANSIL Cápsula 250 mg Mansil oxamniquina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Mansil Nome genérico: oxamniquina APRESENTAÇÕES: Mansil cápsulas de 250mg em embalagens contendo 6 cápsulas. USO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM TÉCNICO EM FARMÁCIA

Leia mais

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a Fases da pesquisa clínica na indústria farmacêutica Eduardo Motti Sumário Por que das Fases de pesquisa clínica Fase 1 a 4 Outros conceitos: Fase 0, Fase 5 Para onde vamos Objetivos da Pesquisa Clínica

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA O QUE É FARMACOLOGIA? Palavra de origem grega Φαρµακολογίας FARMAKON LOGOS DROGA ESTUDO FARMACOLOGIA É a ciência ou disciplina que estuda

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Guronsan, comprimidos efervescentes 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um comprimido de Guronsan contém: Substância(s) Activa(s):

Leia mais

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta Prof a Marina G R Pitta O ciclo de inovação em Saúde Aspecto Econômico da Inovação: orientada para os países desenvolvidos Principais mercados farmacêuticos mundiais por zonas geográficas, em 2006, em

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

Laboratório de Albendazol Genérico. Referência de Albendazol Albendazol

Laboratório de Albendazol Genérico. Referência de Albendazol Albendazol Laboratório de Albendazol Genérico Referência de Albendazol Albendazol Apresentação de Albendazol Cadacomprimido contém:albendazol...400mg excipientes q.s.p...1 comprimido(lactose, amido prégelatinizado,

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia Aula 01 Conceitos Básicos de Farmacologia Vocês sabem definir Farmacologia? Podemos definir a Farmacologia como ciência que estuda a ação das substancias químicas, estruturalmente definidas e denominadas

Leia mais

KITNOS. Comprimido. 500 mg

KITNOS. Comprimido. 500 mg KITNOS Comprimido 500 mg KITNOS etofamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome comercial: Kitnos Nome genérico: etofamida APRESENTAÇÃO Kitnos comprimidos de 500 mg em embalagem contendo 6 comprimidos.

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II)

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II) Portaria nº 116/MS/SNVS, de 8 de agosto de 1996 DOU DE 12/08/96 O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto na Portaria nº 6,

Leia mais

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou parte dele, incluindo o

Leia mais

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família Meiruze Sousa Freitas Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÂO DO MEDICAMENTO Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: 4. Objetivos Específicos:

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: 4. Objetivos Específicos: PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Farmacologia Cód.: FCB00005 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 1ºS/2010/F1 Responsável: Prof.a. Etyene Castro

Leia mais

Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos

Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos 3ª ENIFarMed São Paulo, 16 de setembro de 2009 Pesquisa clínica como meio de inovação dos medicamentos Como se desenvolve um novo medicamento? Dr. Jorge Barros Afiune Diretor Médico Cristália Produtos

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO racecadotrila Medicamento genérico Lei

Leia mais

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX)

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX) VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Farma: Cartucho contendo frasco com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Apresentação de Tylenol Gotas (paracetamol) Solução oral 200 mg/ml em frasco plástico com 15 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO ORAL COMPOSIÇÃO

Leia mais

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada FARMACOTÉCNICA AULA 1 PROF: ERIKA LIZ HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada de propriedade

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Estudo das bases farmacológicas envolvendo a cinética e a prescrição de fármacos.

PLANO DE DISCIPLINA. Estudo das bases farmacológicas envolvendo a cinética e a prescrição de fármacos. PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Farmacologia Cód.: FCB00005 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 1ºS/2010/F1 Responsável: Profa. Dra. Etyene

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. SALSEP 360 cloreto de sódio APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. USO NASAL USO ADULTO e PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS É toda substância que, introduzida no organismo, vai atender a uma finalidade terapêutica. FINALIDADES: PREVENTIVA. Ex.: vacinas; PALIATIVA. Ex.: analgésico;

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 I Introdução No ano de 2009, o CIM-RS atendeu a 613 consultas formuladas por profissionais da saúde, realizou atividades de ensino e extensão, apresentou trabalhos em congressos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FARMACOLOGIA Período 4º PROFESSOR (a) Carga Horária: 90 Dr.

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas

Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas Odorico de Moraes Unidade de Farmacologia Clínica - UNIFAC Departamento de Fisiologia e Farmacologia

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP REDAÇÃO DE PATENTES Parte IV Patentes em Química Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA Sérgio Bernardo Pesquisador em Propriedade Industrial

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 30 ml ou 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 30 ml ou 50 ml. SALSEP cloreto de sódio APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 30 ml ou 50 ml. USO NASAL USO ADULTO e PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml

Leia mais

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula.

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula. Laboratório Prati, Donaduzzi Apresentação de Pratiprazol 10 mg em embalagem com 14, 30, 60, 90 ou 300 cápsulas. 20 mg em embalagem com 7, 14, 28, 30, 60, 90, 280, 300, 320, 350 ou 1400 cápsulas. 40 mg

Leia mais

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g.

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. TETMOSOL Sabonete sulfiram I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TETMOSOL Sabonete sulfiram APRESENTAÇÕES Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico Medicamento Da Administração Oral Administração Ao Efeito Terapêutico Desintegração Desagregação Dissolução ETAPA BIOFARMACÊUTICA Fármaco em solução Absorção Distribuição Eliminação FARMACOCINÉTICA Fármaco

Leia mais

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA.

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA. VITER C Natulab Laboratório SA. Solução Oral 200 mg/ml VITER C APRESENTAÇÕES Cartucho contendo frasco com 20 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 52, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 52, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 52, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a proibição do uso das substâncias anfepramona, femproporex e mazindol, seus sais e isômeros, bem como intermediários e medidas de controle da

Leia mais

CPHD Bicabonato de Sódio 8,4%

CPHD Bicabonato de Sódio 8,4% CPHD Bicabonato de Sódio 8,4% Fresenius Medical Care Ltda Solução para Hemodiálise 8,4% MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD BICARBONATO DE SÓDIO 8,4% bicarbonato de sódio FRAÇÃO BÁSICA APRESENTAÇÃO

Leia mais

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato

Leia mais

EUPHON. Pastilhas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Erísimo (extracto seco aquoso)...10,000 mg Excipientes, ver 6.1

EUPHON. Pastilhas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Erísimo (extracto seco aquoso)...10,000 mg Excipientes, ver 6.1 EUPHON Pastilhas RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO EUPHON, pastilhas EUPHON pastilhas sem açúcar 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Erísimo (extracto seco aquoso)...10,000

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Excipientes: cada comprimido contém 268,36 mg de sacarose e 102,99 mg de glucose.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Excipientes: cada comprimido contém 268,36 mg de sacarose e 102,99 mg de glucose. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Xonkor 450 mg Comprimidos revestidos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido contém 450 mg de extracto (sob a

Leia mais

Inovação de medicamentos no Brasil. desenvolvimento

Inovação de medicamentos no Brasil. desenvolvimento 4º ENIFarMed São Paulo, 24 de agosto de 2010 Inovação de medicamentos no Brasil Pesquisa Clínica como fator de desenvolvimento Dr. Jorge Barros Afiune Diretor Médico Cristália Produtos Químicos e Farmacêuticos

Leia mais

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato

Leia mais

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos Sumário Farmacodinamia. Conceito de receptor. Afinidade e eficácia; constantes de afinidade. Tipos e subtipos de receptores. Mecanismos transductores / efectores; família da proteína G, receptores ligados

Leia mais

Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil

Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil Flávia Regina Souza Sobral Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária GGMED/ANVISA EVOLUÇÃO DO DESCOBRIMENTO DE MEDICAMENTOS Início do Século: Observação na

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

Mara Rúbia Keller Sartori

Mara Rúbia Keller Sartori Curso De Atualização Em Boas Práticas De Farmácia Hospitalar Modulo I Comissão de Farmácia Hospitalar - 2012 Modulo 1 SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS E MATERIAIS PARA A SAÚDE Mara Rúbia Keller Sartori Comissão

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

208,3% 315,8% 254,2% 169,5% FÓLICO. 0,3 mg % IDR = Porcentagem em relação à Ingestão Diária Recomendada

208,3% 315,8% 254,2% 169,5% FÓLICO. 0,3 mg % IDR = Porcentagem em relação à Ingestão Diária Recomendada AFOLIC INFANTIL ácido fólico FORMA FARMACÊUTICA Solução Oral gotas APRESENTAÇÕES Linha Hospitalar: Caixa contendo 100 frascos plástico âmbar com 30mL + contagotas. USO ORAL USO PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO: Cada

Leia mais

Inthos BULA PACIENTE. Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

Inthos BULA PACIENTE. Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO BULA PACIENTE Inthos Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOMENCLATURA BOTÂNICA OFICIAL: Polypodium leucotomos NOMENCLATURA POPULAR: Polypodium FAMÍLIA: Polypodiaceae PARTE DA PLANTA UTILIZADA:

Leia mais

Bibag. Fresenius Medical Care Ltda 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G

Bibag. Fresenius Medical Care Ltda 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G Bibag Fresenius Medical Care Ltda Pó 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G MODELO DE BULA (Profissionais de saúde) BIBAG bicarbonato de sódio APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Bolsa de polietileno com 650g, 700g,

Leia mais

EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA, BIOEQUIVALÊNCIA, EQUIVALÊNCIA TERAPÊUTICA E INTERCAMBIABILIDADE DE MEDICAMENTOS

EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA, BIOEQUIVALÊNCIA, EQUIVALÊNCIA TERAPÊUTICA E INTERCAMBIABILIDADE DE MEDICAMENTOS EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA, BIOEQUIVALÊNCIA, EQUIVALÊNCIA TERAPÊUTICA E INTERCAMBIABILIDADE DE MEDICAMENTOS Profa. Associada Sílvia Storpirtis Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 08/2013

RESPOSTA RÁPIDA 08/2013 RESPOSTA RÁPIDA 08/2013 Assunto:Opção entre genérico e similar SOLICITANTE Dr. Damião Alexandre Tavares Oliveira Juiz de Direito - 1ª Vara Cível -Ponte Nova-MG NÚMERO DO PROCESSO Processo nº 0521.13.014435-0

Leia mais

I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17. Prescrição Farmacêutica em Homeopatia

I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17. Prescrição Farmacêutica em Homeopatia I Simpósio de Farmácia Clínica Homeopática, CRF-RJ 10/03/17 Prescrição Farmacêutica em Homeopatia ABFH - Associação Brasileira de Farmacêuticos Homeopatas Diretora DNA de placa nos dentes revela que Neanderthal

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

Registro e Pós-Registro de Medicamentos

Registro e Pós-Registro de Medicamentos Registro e Pós-Registro de Medicamentos Outubro - 2013 Consultora Técnica Chefe do Departamento de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz) Gerente de Projetos de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz)

Leia mais

Panotil sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína

Panotil sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína Panotil sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína SOLUÇÃO OTOLÓGICA Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 8 ml com

Leia mais

BIOEXPECTO. Mikania glomerata

BIOEXPECTO. Mikania glomerata Bioexpecto BIOEXPECTO Mikania glomerata Leia com atenção antes de usar o produto. AGITE ANTES DE USAR FITOTERÁPICO NOME CIENTÍFICO: Mikania glomerata Sprengel NOME DA FAMÍLIA: Asteraceae NOME POPULAR:

Leia mais

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante BARBITÚRICOS 1 INTRODUÇÃO Breve Histórico Introduzida na terapêutica em 1903 barbital Fenobarbital usado como anticonvulsivante Amobarbital sódico em 1928, como anestésico geral I.V. Início da década de

Leia mais

Material exclusivo para pacientes.

Material exclusivo para pacientes. Material exclusivo para pacientes. O que você deve saber sobre o risco de malformações fetais e ações mandatórias para prevenção de gravidez durante o tratamento com Roacutan (isotretinoína) 1 2 Volta

Leia mais

tudo sobre MEDICAMENTOS O que é um medicamento? Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1

tudo sobre MEDICAMENTOS O que é um medicamento? Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1 tudo sobre MEDICAMENTOS Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1 O que é um medicamento? 1. O que é um medicamento? É fato que desde a pré-história o homem já fazia uso de recursos da

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA ORIGEM E EVOLUÇÃO DA FARMÁCIA Introdução Introdução O documento farmacêutico mais antigo é uma tábua

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA Código da Disciplina: ODO122 Curso: Odontologia Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

Ascaridil (levamisol) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Comprimidos. 150 mg /80 mg

Ascaridil (levamisol) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Comprimidos. 150 mg /80 mg ATUALIZAÇÃO DE TEXTO DE BULA Ascaridil (levamisol) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Comprimidos 150 mg /80 mg MODELO DE BULA (CCDS0713) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Ascaridil cloridrato de levamisol Terapêutica

Leia mais

Vigilância Sanitária ANVISA (Lei 9782, 1999)

Vigilância Sanitária ANVISA (Lei 9782, 1999) LEGISLAÇÃO EM FARMÁCIA DE Os medicamentos e a vigilância sanitária. Vigilância Sanitária ANVISA (Lei 9782, 1999) ANVISA: É uma agência com independência administrativa, estabilidade de seus dirigentes

Leia mais

XVIII CONGRESSO MUNDIAL DE EPIDEMILOGIA VII CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA

XVIII CONGRESSO MUNDIAL DE EPIDEMILOGIA VII CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA XVIII CONGRESSO MUNDIAL DE EPIDEMILOGIA VII CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA PORTO ALEGRE SETEMBRO 2008 Dr Paulo Rogério Affonso Antonio Dra Diva Leonor Correa Longa Permanência Causada por Reações

Leia mais

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS 1 Tem a finalidade de tornar a droga que foi absorvida e distribuída em substâncias mais solúveis para que assim possam ser BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS facilmente eliminadas pelos rins. Se não houvesse

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 6/5/2013 08:50

Leia mais