Porto Alegre/RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porto Alegre/RS"

Transcrição

1 UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA.

2

3 A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR

4 Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente UM em cada MIL produtos chegam a Pesquisa Pré- Clínica e Clínica. Aproximadamente UM em CINCO produtos que realizaram Pesquisa Clínica, chegam ao Mercado.

5 Da Molécula ao Mercado. O desenvolvimento de uma droga, é um processo lento que leva de 10 a 15 anos. Aproximadamente 300 milhões de dolares são necessários para colocar uma nova droga no Mercado.

6 Da Molécula ao Mercado. Fase de Desenvolvimento: (Quimica, Síntese, Formulação, Farmacologia Animal, Farmacocinética Animal e Toxicidade Animal) TEMPO MÉDIO: 4 anos. CUSTO MÉDIO: $ 200 milhões. Fase de Desenvolvimento Clínico: (Fase I, Fase II, Fase III) TEMPO MÉDIO: 6 anos. CUSTO MÉDIO: $ 100 milhões.

7 Da Molécula ao Mercado. O período de proteção de uma nova droga é normalmente de 20 anos, e inicia no momento do registro da patente, e não quando o medicamento chega no mercado.

8 Estudo Clínico Investigação em seres humanos objetivando descobrir ou verificar: Efeitos farmacodinâmicos (reação entre droga e estrutura viva incluindo respostas físicas). Efeitos farmacológicos (características, efeitos, uso das drogas e suas interações com organismos vivos).

9 Estudo Clínico Investigação em seres humanos objetivando descobrir ou verificar: Efeitos Clínicos e/ou outros efeitos de produto(s) e/ou identificar reações adversas ao(s) produto(s) em investigação com objetivo de averiguar sua segurança e/ou eficácia. (EMEA, 1997)

10 Estudo Clínico Pretende responder perguntas sobre um determinado medicamento, vacina ou forma de tratamento: 1. Funciona nos seres humanos para combater determinada doença? 2. É seguro? 3. É melhor que o tratamento disponível atualmente?

11 Fases do Estudo Clínico Fase Pré-Clínica. Fase Clínica: Fase I Fase II Sub-fase IIa e IIb Fase III Sub-fase IIIa e IIIb Fase IV

12 Fase Pré-Clínica Avaliação do produto em investigação em animais, após comprovação de potencial terapêutico em experimentações in vitro. Objetivo: Informações sobre atividades farmacológicas e segurança.

13 Fase Pré-Clínica Farmacologia específica e perfil de toxicidade aceitável em animais Fase Clínica Fase da verificação da segurança Estudo Clínico Fase I

14 Estudo Clínico Fase I Primeira avaliação em humanos. Tolerância de um novo princípio ativo ou nova formulação em voluntários saudáveis. Objetivo: Estabelecer uma evolução preliminar da segurança e do perfil farmacocinético (como o organismo reage a esta droga) e, se possível farmacodinâmico.

15 Conhecimento do perfil de segurança do fármaco Fase da verificação da Eficácia Clínica Estudo Clínico Fase II

16 Estudo Clínico Fase II Envolve voluntários de pesquisa afetados por uma determinada enfermidade ou condição patológica (inicialmente com indivíduos acometidos de formas mais leves da doença) Amostra pequena.

17 Estudo Clínico Fase II Objetivo: Verificação da eficácia do fármaco. Confirmação da segurança (repete-se todo o perfil da pesquisa realizado na fase I). Biodisponibilidade e bioequivalência de diferentes formulações.

18 Estudo Clínico Fase II Abrangem aspectos como: - Administração de dose única e em períodos com doses de concentrações crescentes. - Determinação do perfil farmacodinâmico e farmacocinéticos médios dos doentes.

19 Sub-fases da Fase II Fase IIa Determinação do perfil de segurança do novo produto em doentes: Envolvem número reduzido de participantes. Período de tempo não superior a duas semanas. Fármaco em teste comparado com placebo.

20 Sub-fases da Fase II Fase IIb Neste ponto o propósito é a verificação da eficácia terapêutica do novo produto. Envolve número maior de participantes. Fármaco em teste comparado com um tratamento ativo padrão como controle.

21 Conhecimento aspectos de segurança e eficácia. Fase do aprofundamento dos conhecimentos. Estudo Clínico Fase III

22 Estudo Clínico Fase III Envolve um número maior de indivíduos (500 e sujeitos de pesquisa); Estuda as possibilidades de ampliar as indicações terapêuticas; Comparações de potência e segurança com outro fármaco de mesma família bioquímica ou mesma indicação terapêutica (vantagem terapêutica);

23 Estudo Clínico Fase III Normalmente são estudos multicêntricos (diferentes populações) e internacionais (suporte científico para submissões regulatórias no mercado global).

24 Sub-fases da Fase III Fase IIIa Abrange ensaios apresentados para análise da Agência Reguladora visando aprovação e registro como: Medicamento novo na Anvisa ou NDA (New Drug Application) no FDA (Food and Drug Administration)

25 Sub-fases da Fase III Fase IIIb Abrange ensaios clínicos iniciados depois da solicitação de NDA (New Drug Application) mas antes do registro referido.

26 Após aprovação do fármaco para comércio pela Agência de Vigilância Sanitária Fase de Comércio: A Revisão, o Aprofundamento e a Vigilância Farmacológica Estudo Clínico Fase IV

27 Estudo Clínico Fase IV Com a aprovação do fármaco para comércio, NÃO existe mais necessidade de produção de trabalhos científicos (necessários para processos de registro).

28 Estudo Clínico Fase IV O interesse é: Expansão das indicações terapêuticas; Aprofundamento de conhecimentos farmacocinéticos e farmacodinâmicos; Incidências de eventos adversos. Vantagem: Acompanhar os efeitos dos medicamentos a longo prazo.

29 Dados Fase I Duração média de 1 anos Custa cerca de 8% dos gastos totais. Pesquisadores adquirem em média 50% de todo o conhecimento final sobre o fármaco. De cada 100 novos tratamentos, 70 irão para a fase II

30 Dados Fase II Duração média de 2 anos Custa cerca de 15% dos gastos totais Pesquisadores adquirem em média 65% de todo o conhecimento final sobre o fármaco De cada 70 novos tratamentos, 30 irão para a fase III

31 Dados Fase III Duração média de 3 anos. Custam cerca de 72% dos gastos totais. Pesquisadores adquirem de 85% a 90% de todo o conhecimento final sobre o fármaco.

32 Anvisa salienta Após medicamento ou especialidade medicinal ser comercializado, pesquisas clínicas desenvolvidas para explorar novas indicações, novos métodos de administração ou novas associações são consideradas como pesquisas de novo medicamento ou especialidade medicinal (não são de fase IV).

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família Meiruze Sousa Freitas Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos

Leia mais

Solicitação de registro dos novos medicamentos

Solicitação de registro dos novos medicamentos Terceiro Congresso das Hepatites Virais Solicitação de registro dos novos medicamentos Ricardo Borges Gerente Geral de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária -ANVISA João Pessoa, 18 de novembro

Leia mais

Registro e Pós-Registro de Medicamentos

Registro e Pós-Registro de Medicamentos Registro e Pós-Registro de Medicamentos Outubro - 2013 Consultora Técnica Chefe do Departamento de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz) Gerente de Projetos de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz)

Leia mais

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as chamadas fases do ciclo de vida de um PROJETO Planeamento a) Fase Inicial - concetual b) Fase de planeamento c) Fase

Leia mais

Desenvolvimento de novos medicamentos

Desenvolvimento de novos medicamentos Curso de Farmacovigilância Desenvolvimento de novos medicamentos Dr. Sergio Mengardo Farmacêutico do CVS-SES-SP Nos Estados Unidos háh 2900 moléculas em teste ou a espera de aprovação. HáH 20 milhões

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

O desenho de um protocolo clínico

O desenho de um protocolo clínico O desenho de um protocolo clínico Dra. Denise de la Reza Sanofi-Aventis Histórico O desenho de um protocolo clínico 1747: Dr. Lind - Primeiro ensaio clínico publicado. Grupos de indivíduos duos com escorbuto

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

A GESTÃO DO RISCO EM ALIMENTOS

A GESTÃO DO RISCO EM ALIMENTOS A GESTÃO DO RISCO EM ALIMENTOS O Contexto: A busca da Intersetorialidade e Integralidade da ação Uma nova prática de vigilância sanitária orientada ao enfrentamento do risco Fortalecimento do processo

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas.

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. PROJETO MULTIDICIPLINAR Professor: Roberto César O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. É a Atividade básica das ciências na sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA. No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA. No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA No.09/2016 BOLSA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Área de Concentração em Desenvolvimento Científico e Tecnológico Linha de Desenvolvimento de CTI

Leia mais

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel Parizi Revisão Textual: Profa.

Leia mais

Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG

Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG Marco Polo Dias Freitas Presidente da SBGG-DF Doutor em Saúde Coletiva/Epidemiologia Mestre em Clínica Médica Membro do Comitê Assessor da Coordanação

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses Aula 1 e 2 ENQUETE Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses ESTRUTURA / PLANO DE AULA Horário: 19H00 às 23H00 com intervalo das 20H45 às 21H00 FALTAS A chamada será realizada antes e após

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos Projeto Clube de Nutrição julho de 2013 1. Enquadramento A Obesidade é provavelmente o maior problema, relacionado com a saúde, que a sociedade moderna apresenta.

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A anticoncepção hormonal de emergência é um método que utiliza concentração de hormônios para evitar gravidez após a

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

ÍNDICE - 03/08/2004 O Dia (RJ)... 2 Ciência...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 3 Cartas...3 A Gazeta de Cuiabá (MT)... 4 Economia...

ÍNDICE - 03/08/2004 O Dia (RJ)... 2 Ciência...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 3 Cartas...3 A Gazeta de Cuiabá (MT)... 4 Economia... ÍNDICE - O Dia (RJ)...2 Ciência...2 Tuberculose ganha inimiga em gotas...2 Jornal de Santa Catarina (SC)...3 Cartas...3 Cartas...3 Navegantes...3 A Gazeta de Cuiabá (MT)...4 Economia...4 Legislação que

Leia mais

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos Sumário Farmacodinamia. Conceito de receptor. Afinidade e eficácia; constantes de afinidade. Tipos e subtipos de receptores. Mecanismos transductores / efectores; família da proteína G, receptores ligados

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula de gelatina dura de libertação

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

Índice. Contacto G R Ü N E N T H A L S. A. D O S S I E R D E I M P R E N S A 2 0 1 6. Informação Geral... 2. Perfil da empresa...

Índice. Contacto G R Ü N E N T H A L S. A. D O S S I E R D E I M P R E N S A 2 0 1 6. Informação Geral... 2. Perfil da empresa... Índice Informação Geral... 2 Perfil da empresa... 3 Grünenthal Portugal... 4 Investigação & Desenvolvimento... 5 Responsabilidade Social... 7 Contacto Grünenthal Portugal Elisabete Godinho elisabete.godinho@grunenthal.com

Leia mais

EXPEDIENTE. REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL Centro Capixaba de Oncologia (Cecon) EQUIPE Lívia Fernandes Probst Coordenadora de Estudos Clínicos

EXPEDIENTE. REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL Centro Capixaba de Oncologia (Cecon) EQUIPE Lívia Fernandes Probst Coordenadora de Estudos Clínicos Pesquisa Clínica NO TRATAMENTO DO CÂNCER O PRIMEIRO REMÉDIO É A INFORMAÇÃO TIRE SUAS DÚVIDAS EM FONTES SEGURAS E NUNCA DEIXE DE CONSULTAR A SUA EQUIPE TRANSDISCIPLINAR 1 EXPEDIENTE REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO

Leia mais

Data Mining. Rodrigo Leite Durães

Data Mining. Rodrigo Leite Durães Rodrigo Leite Durães rodrigo_l_d@yahoo.com.br Processo de mineração de dados e descoberta de informações relevantes em grandes volumes de dados. "... processo não-trivial de identificar, em dados, padrões

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Visando subsidiar a proposição de propostas a CHAMADA INTERNA DA PROPI/IFTM EDITAL MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 02/2014, apresentamos a seguir os critérios a serem considerados quando da avaliação das mesmas:

Leia mais

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria ELBI ELÉTRICA LTDA Betim/MG Proposta_ELBI-Betim-7_2015_((Criatividade))_rev.B Este relatório contem um resumo das atividades desenvolvidas na ELBI Betim/MG desde o início das atividades de consultoria

Leia mais

Alterações no Sistema Pesquisa Registro e processo de análise dos projetos de pesquisa Março de 2014 Sumário

Alterações no Sistema Pesquisa Registro e processo de análise dos projetos de pesquisa Março de 2014 Sumário Alterações no Sistema Pesquisa Registro e processo de análise dos projetos de pesquisa Março de 2014 Sumário Situações... 2 Adendos... 3 Interfaces... 4 Pesquisador... 4 Aluno... 5 Comissão de Pesquisa...

Leia mais

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos O SETOR Antes de 1993, a situação global dos serviços de abastecimento público

Leia mais

INOVAÇÃO FOCO NO ALUNO. Maron Guimarães

INOVAÇÃO FOCO NO ALUNO. Maron Guimarães INOVAÇÃO FOCO NO ALUNO Maron Guimarães PROGRAMA DGA O ALUNO COMO PROTAGONISTA DA MUDANÇA Papel da DGA A DGA é a DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS da Kroton É o 1º CSC do ramo Educacional voltado para a vida

Leia mais

Manual de Acesso do Aluno

Manual de Acesso do Aluno Manual de Acesso do Aluno www.unip.br Sumário MANUAL DE ACESSO DO ALUNO 1. ACESSO AO SISTEMA DE DISCIPLINAS ON-LINE...2 2. AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA)...4 2.1 Vídeos Instrucionais...4 2.2 Atualização

Leia mais

Menu Pesquisador. o Inscrição em Novo Projeto. Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto. A seguinte tela aparecerá:

Menu Pesquisador. o Inscrição em Novo Projeto. Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto. A seguinte tela aparecerá: Menu Pesquisador o Inscrição em Novo Projeto Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto A seguinte tela aparecerá: Clique no botão Criar novo Projeto obs: cada pesquisador só poderá

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

Classificação. Os meios de cultura são classificados em alguns tipos, que seguem abaixo: Seletivo; Diferencial; Enriquecimento; Transporte;

Classificação. Os meios de cultura são classificados em alguns tipos, que seguem abaixo: Seletivo; Diferencial; Enriquecimento; Transporte; Meios de Cultura Introdução Os meios de cultura são preparações nas quais, ao longo de suas formulações, contêm nutrientes necessários para proporcionar o crescimento de microorganismos; Os mesmos podem

Leia mais

100 g de Elás contêm: Extrato líquido de raiz de Symphytum officinale (consolda) (1:2): 35 g (extração: etanol 60% (v/v)).

100 g de Elás contêm: Extrato líquido de raiz de Symphytum officinale (consolda) (1:2): 35 g (extração: etanol 60% (v/v)). RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Elás 350 mg/g creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 100 g de Elás contêm: Extrato líquido de raiz de Symphytum officinale (consolda)

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL)

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL) SECRETÁRIA-GERAL DA UNASUL Ficha para a identificação de Iniciativas Conjuntas da UNASUL (PIC-UNASUL) I Nome do projeto: Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas

Leia mais

Qual é a importância da farmácia: A fundamental importância da farmácia de manipulação é o fracionamento das substâncias para cada caso clínico.

Qual é a importância da farmácia: A fundamental importância da farmácia de manipulação é o fracionamento das substâncias para cada caso clínico. Farmácia de Manipulação O que é Farmácia de Manipulação: A farmácia de manipulação ou magistral, é aquela que manipula fórmulas atendendo a diversas especialidades médicas. Qual é a importância da farmácia:

Leia mais

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003.

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

anped Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação

anped Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação RESOLUÇÃO N º01 /2010-ANPED, de 19 de outubro de 2010 Aprova texto do Regulamento do Comitê Científico da ANPEd A Presidente da ASSOCIAÇÃO NACIONAL

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 39

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 39 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 39 CRIATIVIDADE NORMATIVA Autor - Marcos Lobo de Freitas Levy Pela Portaria 2.048, publicada no Diário Oficial da União no dia 4 de setembro de 2009, com vigência determinada para

Leia mais

Ambiente de Marketing

Ambiente de Marketing Ambiente de Marketing Mercado: Mercado deve ser definido com base na existência de uma necessidade; Se não há necessidade, não há mercado; Condições básicas para que exista um mercado: Que o consumidor

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS Anexo 2 BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS O núcleo principal da produção científico

Leia mais

Unidade: Introdução à Sociologia

Unidade: Introdução à Sociologia Unidade: Introdução à Sociologia Construção do conhecimento em sociologia Senso comum: conjunto de opiniões, recomendações, conselhos, práticas e normas fundamentadas na tradição, nos costumes e vivências

Leia mais

Aprovado por Márcia Rangel

Aprovado por Márcia Rangel Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Realização de Eventos por Edital de Pregão Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan, que é alimentado

Leia mais

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 CALENDÁRIO PED LIBRAS SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

Avaliação Económica. Bruno Costa Economista. DEMPS/AER, INFARMED, I.P. Lisboa, 19 de Junho de 2008

Avaliação Económica. Bruno Costa Economista. DEMPS/AER, INFARMED, I.P. Lisboa, 19 de Junho de 2008 Avaliação Económica Bruno Costa Economista DEMPS/AER, INFARMED, I.P. Lisboa, 19 de Junho de 2008 1 Procedimento de avaliação Parecer negativo Mais valia vs comparador (VTA) Equivalência clínica Análise

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Seminário Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Uma proposta para os NITs do NE Teresa Lenice Mota (UECE) Colaboração: André Luiz Araújo (CEFET-CE) Aritomar Barros (UFC) BNB, 10 de abril de 2007

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FARMACÊUTICA JUNHO DE 2016 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS 2011 Vendas Internas US$ 25.733 milhões US$ 1.453 milhões 5,6% exportação 13,5% Argentina

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul Sul - CELAFISCS

Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul Sul - CELAFISCS Participantes DRS-1 Grande São Paulo; DRS-2 Araçatuba; DRS-4 Baixada Santista; DRS-7 Campinas; DRS-11 Presidente Prudente; DRS-14 São João da Boa Vista; Diretoria de Ensino Regional de Cubatão; Secretaria

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API)

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Estas Diretrizes tem por

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO A QUÍMICA MEDICINAL

INTRODUÇÃO A QUÍMICA MEDICINAL INTRODUÇÃO A QUÍMICA MEDICINAL gustavo.silveira@iq.ufrgs.br Sala 201A Bloco E 1 O que é droga? Existem drogas boas e drogas ruins? 2 O que é droga? Compostos que interagem com sistemas biológicos para

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro

Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro Brinquedos e artigos escolares Engº Anselmo Alves Cabral e Engª Paula Silva Pinto Inmetro / DQUAL / DIPAC Inmetro Missão Prover confiança

Leia mais

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA OFÍCIO 169 2010 CEP Número de Protocolo: 2896/2010 Anápolis, 2 de setembro de 2010. Título do projeto Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007

TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007 TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007 TOXICOLOGIA RAMOS DE ESTUDO Toxicologia Experimental Toxicidade - Prevenção Toxicologia Analítica Toxicante - Diagnóstico químico Toxicologia Clínica Intoxicação - Tratamento

Leia mais

PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Klecius Ellera Gomes

PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Klecius Ellera Gomes PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS Klecius Ellera Gomes Por que elaborar um projeto? Qual a necessidade de elaborar um projeto? Principais aspectos de um projeto Foco definido/problema Objetivo

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

INFORMATIVO O QUE O SERVIDOR MUNICIPAL DEVE CONHECER SOBRE A ENTREGA DE ATESTADOS MÉDICOS

INFORMATIVO O QUE O SERVIDOR MUNICIPAL DEVE CONHECER SOBRE A ENTREGA DE ATESTADOS MÉDICOS INFORMATIVO O QUE O SERVIDOR MUNICIPAL DEVE CONHECER SOBRE A ENTREGA DE ATESTADOS MÉDICOS Decreto Municipal 4.729/2015 O QUE É ATESTADO MÉDICO? Considera-se Atestado Médico aquele emitido por profissional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA

Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA - 2015 AGENDA 2 COMO SOMOS VISTOS? NECESSIDADE DE INTEGRAÇÃO: MACROPROCESSOS E A ÁREA ATUARIAL NOSSO CONTEXTO: DIVULGAÇÃO

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Artigo 1º (Objeto) O presente Regulamento visa estabelecer as regras de funcionamento do Concurso AMELHORPAP Nacional que tem por objectivo escolher e premiar em cada ano lectivo,

Leia mais

A saúde do tamanho do Brasil

A saúde do tamanho do Brasil A saúde do tamanho do Brasil BREVE HISTÓRIA DE UMA LONGA CAMINHADA A saúde é um direito de todos e um dever do estado. Essa conquista social, incorporada à Constituição Federal de 1988 e construída a partir

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INFORMAÇÕES:

MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INFORMAÇÕES: MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INFORMAÇÕES: 1. Breve histórico O Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde PROCISA, mantém em atividade o mestrado profissional em Ciências da Saúde, recomendado

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Venoruton (com sabor a laranja), 1000 mg, pó para solução oral

Venoruton (com sabor a laranja), 1000 mg, pó para solução oral RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venoruton (com sabor a laranja), 1000 mg, pó para solução oral 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta contém 1000 mg de Oxerrutinas.

Leia mais

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores;

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores; RESOLUÇÃO CONAMA Nº 005, de 15 de junho de 1989 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII, do Art. 8º, da Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981 e

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2015) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA ESTATÍSTICA APLICADA CARGA HORÁRIA 46 CURSO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 107/2013

RESPOSTA RÁPIDA 107/2013 RESPOSTA RÁPIDA 107/2013 SOLICITANTE Emerson de Oliveira Corrêa Juiz de Direito Município de Candeias - MG NÚMERO DO PROCESSO 0120.13.000607-1 DATA 15/06/2013 SOLICITAÇÃO O autor, pessoa de poucos recursos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

PACOTE DE PARTICIPAÇÃO

PACOTE DE PARTICIPAÇÃO REALIZADO POR: PACOTE DE PARTICIPAÇÃO 7, 8 e 9 de maio de 2015 Centro de Convenções Rebouças São Paulo/SP www.cnremax.com.br Convenção Nacional RE/MAX 2012 Convenção Nacional RE/MAX 2013 Convenção Nacional

Leia mais

Capital Humano. Programa de Desenvolvimento em. Um novo Mercer College para você!

Capital Humano. Programa de Desenvolvimento em. Um novo Mercer College para você! Programa de Desenvolvimento em Capital Humano Um novo College para você! O College mudou para se adequar à sua necessidade e de sua empresa. Muito mais completo e flexível, nosso programa apresenta os

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Daflon 500 500 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA e QUANTITATIVA Bioflavonoides (Fração flavonóica purificada

Leia mais

ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS

ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS MOREIRA, Paula.T.D* 1 ; ROMERO, Catarina * 1 ; TACCONI, Isabella D.R.G.B. *1 ; FARIA, Luciane G. *2 *1 Estudante do Curso de Farmácia

Leia mais

Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior

Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior EDITAL São João del-rei, 08 de Maio de 2015 Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior A Empresa Júnior Atomic Jr., da Universidade Federal de São João del-rei, torna pública, por meio deste

Leia mais

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE 1 - INTRODUÇÃO 2 As alterações de sensibilidade no paciente portador de diabetes mellitus são responsáveis diretas pela considerável morbidade relacionada com as úlceras plantares e suas conseqüências.

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR GESTÃO EM FOCO Programa de Fortalecimento da Gestão Escolar Secretaria de Estado da Educação do Paraná Governo do Paraná Atribuições do professor-tutor da Seed/PR Pauta da Reunião a) Edital de seleção

Leia mais

GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL

GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Relações de Representação Perante a Segurança

Leia mais

DEZEMBRO DE 2012 Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013

DEZEMBRO DE 2012 Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013 Emancipação CONSELHO na NACIONAL luta pela DE equidade SAÚDE/ em pesquisas RESOLUÇÃO com Nº seres 466, humanos DE 12 DE Dirceu B. Greco Revista de Bioética. v. 21, n. 1, 2013 Para que o progresso científico

Leia mais