Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis"

Transcrição

1 Farmacologia e Enteral (oral) tubo digestivo Parenteral - Injetaveis Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Oral V (vantagens) - mais conveniente, econômica e segura D (desvantagens) Cooperação Absorção variável Biodisponibilidade incompleta Sublingual V- Boa vascularização Veia cava superior Não metabolização hepática de 1ª passagem Níveis séricos rápidos D - Substância neutra, não irritante e apropriada 1

2 Retal V - 50% não passam pelo metabolismo de primeira passagem Intravenosa V - Precisão, rapidez Biodisponibilidade completa Grande volume Titulação da dose D- Absorção Irregular e incompleta irritação da mucosa D - Dor, infecção Fármacos que formam precipitados, substâncias oleosas Intramuscular V - Efeito rápido Boa biodisponibilidade D - Dor, infecção Inadequada para grandes volumes Contra indicada durante tratamento com anticoagulante Aumento de CK Subcutânea V - Absorção lenta e constante efeito prolongado Absorção imediata soluções aquosas Lenta preparações de depósito D - irritação, risco de necrose e infecção 2

3 Transdérmica V - Facilidade de administração D - Lipossolubilidade e integridade da pele Via Respiratória Inalação V localizada Redução de Efeitos Adversos Sistêmicos Nebulizador Via Respiratória D Infecções oportunistas Spray Intra-arterial Não usada na rotina Exames 3

4 Anestesia Intratecal (subaracnóide) Intra-articular Tratamento localizado Efeitos locais Oftálmica Efeitos locais Nasal 4

5 Via Vaginal Efeitos locais Não usada com finalidades de absorção sistêmica Via intracardíaca Raramente utilizada Forma de apresentação do medicamento Comprimidos Formas Cilíndricas ou redondas, que resultam da compressão de um pó cristalino ou de um granulado em máquinas apropriadas. 5

6 Drágeas Cápsulas São comprimidos revestidos por uma camada de esmalte resistência a secreção gástrica medicamentos em pó, grânulos ou líquido, envolvido em gelatina solúvel, que deve ser dissolvido no intestino. Liberação prolongada Fármaco é liberado lentamente V- Redução da frequência posológica Efeito terapêutico constante Melhor obediência Xarope medicamento + açúcar + água. (1 parte de água para 2 partes de açúcar). Cuidado em diabéticos 6

7 Suspensão medicamento obtido pela associação de dois componentes que não se misturam. Deve ser agitado antes de usar Supositórios Forma cónica ou ovóide, destinadas a serem introduzidas na ampola retal. Os excipientes usados podem ser Lipossolúveis ou Hidrossolúveis (gelatina glicerinada ou polietilenoglicois de peso molecular elevado). Óvulos São preparações destinadas a serem introduzidas na vagina. Substâncias hidrossolúveis ou lipossolúveis. Clisteres Enemas Destinadas a serem introduzidas na porção terminal do intestino (ampola retal). 7

8 Cremes Consistência mole destinada ao uso tópico e difere das pomadas por possuir grande quantidade de água em sua formulação, e por isso apresenta absorção mais rápida. Ideal para lesões úmidas. Pomadas Consistência mole e oleosa destinada ao uso tópico. Devido a sua oleosidade, a absorção do princípio ativo pode ser mais lenta, porém de efeito local mais prolongado. Possui poder hidratante e é ideal para lesões secas. Gel Possui grande quantidade de água em sua formulação, o que proporciona uma absorção mais rápida se comparado com creme e pomada. 8

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais:

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais: Farmacologia Farmacologia Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos efeitos dos fármacos Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle É dividida em duas áreas principais: Farmacocinética Farmacodinâmica 1 Farmacocinética

Leia mais

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos.

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Absorção e distribuição de drogas Medicamentos Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Droga é qualquer substância que, administrada no organismo

Leia mais

domingo, 10 de abril de 2011 FARMACOCINÉTICA

domingo, 10 de abril de 2011 FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho percorrido pelo medicamento no organismo, desde a sua administração até a sua eliminação. Pode ser definida como o estudo quantitativo dos processos de

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 3 VIAS DE ADMINISRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Conhecimentos a adquirir: Conhecer as vias de administração de medicamentos Dominar a respectiva técnica de administração Vias

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Formas farmacêuticas e administração Prof. Raimundo Jr, M.Sc Desenvolvimentos dos fármacos 1. Síntese

Leia mais

SUPOSITÓRIOS. 3- CARACTERÍSITCAS supositórios retais - peso: 2g (adulto) e 1g (criança) - forma: cilíndrica alongada com extremidade afiladas

SUPOSITÓRIOS. 3- CARACTERÍSITCAS supositórios retais - peso: 2g (adulto) e 1g (criança) - forma: cilíndrica alongada com extremidade afiladas 1 SUPOSITÓRIOS 1- DEFINIÇÃO São preparações farmacêuticas sólidas, de forma e peso adequados que se destinam a serem aplicados nas cavidades inferiores do corpo (reto, vagina, e uretra), onde devem fundir,

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Treinamento Online 06/01 às 14:00 h. Arrase na Base

Treinamento Online 06/01 às 14:00 h. Arrase na Base Treinamento Online 06/01 às 14:00 h Arrase na Base Base Líquida TimeWise Acabamento Matte Acabamento Matte, ameniza a aparência de poros, controla o brilho e a oleosidade por horas; Microesferas de Silica

Leia mais

DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS

DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS Formas Farmacêuticas: são preparações resultantes da manipulação de insumos ativos e inertes, de acordo com as regras da farmacotécnica homeopática. Profª Ivana Violante

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 2 FORMAS FARMACÊUTICAS Conhecimentos a adquirir: classificação das formas farmacêuticas principais características das formas farmacêuticas vantagens e desvantagens

Leia mais

Indometacina. Identificação. de pó cristalino branco a amarelo contendo de 98,5 a 100,5 de Indometacina calculado em base anidra.

Indometacina. Identificação. de pó cristalino branco a amarelo contendo de 98,5 a 100,5 de Indometacina calculado em base anidra. Material Técnico Indometacina Identificação Fórmula Molecular: C 19 H 16 ClNO 4 Peso molecular: 357,8 DCB / DCI: 04889-Indometacina CAS: 53-86-1 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A Gel 10mg/g fosfato de clindamicina Medicamento genérico Lei n 9.787 de 1999 APRESENTAÇÕES Gel - Caixa contendo 1 bisnaga de 20g, 25g, 30g ou 45 g USO EXTERNO USO TÓPICO

Leia mais

Goma Guar- Produto Goma Guar

Goma Guar- Produto Goma Guar - Produto Importadora e Distribuidora de Produtos Insumos para Alimentos Home A empresa Produtos Expediente Links úteis Mapa do Site Fale Conosco e Goma Xantana NOSSA LOJA NOSSO SITE Goma guar 1Kg Quilo

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal Elaborado por: Lícia Mara Brito Shiroma Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Retal POP NEPEN/DE/HU Versão: 01 Próxima revisão:

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A anticoncepção hormonal de emergência é um método que utiliza concentração de hormônios para evitar gravidez após a

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 18 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO INTERGONAN 6000 UI pó e solvente para solução injectável para bovinos, ovinos, coelhos e cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral

Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral Leia atentamente este folheto antes de

Leia mais

cetoconazol dipropionato de betametasona Pomada 20mg/g+0,5mg/g

cetoconazol dipropionato de betametasona Pomada 20mg/g+0,5mg/g cetoconazol dipropionato de betametasona Pomada 20mg/g+0,5mg/g MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE cetoconazol dipropionato de betametasona Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN Prometazina APRESENTAÇÃO Creme 20 mg/g, bisnaga de 30 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Fucidine H 20 mg/g + 10 mg/g Creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Ácido fusídico 20 mg/g e Acetato de hidrocortisona 10 mg/g.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina

Leia mais

NOME: FERRINI FÓLICO (ferro aminoácido quelato + ácido fólico) FORMA FARMACÊUTICA: COMPRIMIDO REVESTIDO CONCENTRAÇÕES: 150MG + 5MG E 300MG + 5MG

NOME: FERRINI FÓLICO (ferro aminoácido quelato + ácido fólico) FORMA FARMACÊUTICA: COMPRIMIDO REVESTIDO CONCENTRAÇÕES: 150MG + 5MG E 300MG + 5MG NOME: FERRINI FÓLICO (ferro aminoácido quelato + ácido fólico) FORMA FARMACÊUTICA: COMPRIMIDO REVESTIDO CONCENTRAÇÕES: 150MG + 5MG E 300MG + 5MG Bula para o paciente de acordo com a RDC 47/2009 Comprimido

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 50, de 28 de maio de 2007. D.O.U de 30/05/2007 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO CAPÍTULO 17 InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO 1. CONCEITO Consiste em estimular artiicialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 5 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO PORCILIS APP, suspensão injetável para suínos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada dose de 2 ml contém:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nobilis TRT 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Por dose: Substância ativa: 2,5 log 10 TCID 50 de vírus

Leia mais

Solução de glicose 50% Forma farmacêutica: Solução injetável

Solução de glicose 50% Forma farmacêutica: Solução injetável Solução de glicose 50% Forma farmacêutica: Solução injetável MODELO DE BULA Solução de glicose 50% Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. Solução de glicose 50 % (glicose 500 mg/ml): Frasco

Leia mais

TEXTO PARA MEMENTO TERAPÊUTICO FURP. Creme Caixa com 50 bisnagas embalagem com 10 g de creme na concentração de 1 mg/g.

TEXTO PARA MEMENTO TERAPÊUTICO FURP. Creme Caixa com 50 bisnagas embalagem com 10 g de creme na concentração de 1 mg/g. TEXTO PARA MEMENTO TERAPÊUTICO FURP FURP-DEXAMETASONA 1 mg/g Creme acetato de dexametasona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Creme Caixa com 50 bisnagas embalagem com 10 g de creme na concentração de 1

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

cefalexina Pó para suspensão oral 250mg/5mL

cefalexina Pó para suspensão oral 250mg/5mL cefalexina Pó para suspensão oral 250mg/5mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE cefalexina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Pó para suspensão oral 250mg/5mL Embalagem contendo

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO Códigos internos: 12/200 ml: 7570 Aplicação: Proteger, dar brilho e revitalizar a madeira. Empresa: BOMBRIL

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA Professor Bruno Aleixo Venturi Farmacologia fármacon: drogas lógos: estudo É a ciência que estuda como os medicamentos

Leia mais

Unidade 2: Psicofármacos

Unidade 2: Psicofármacos 1 2 Unidade 2: Psicofármacos Formas Farmacêuticas Farmacocinética e Farmacodinâmica 3 Formas Farmacêuticas Maneira como as drogas se apresentam para uso. De acordo com a forma farmacêutica, têm-se a via

Leia mais

Solubilidade Solventes

Solubilidade Solventes Solubilidade Solventes Definição São misturas homogêneas de duas ou mais substâncias. Terminologia e Generalidades Dissolver um sólido ou um líquido, em um líquido, é fazer com que aqueles "desapareçam"

Leia mais

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/ http://www.fotos-imagens.net/sala-de-aula.html http://www.jonathanribas.com/blog/12-03-2012-segunda-aula-regras-dasala-de-informatica/ http://galeria.colorir.com/colegio/borracha-deapagar-pintado-por-pedro-883081.html

Leia mais

Peeling Químico - Superficial

Peeling Químico - Superficial Peeling Químico - Superficial Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero a) Que números indicam artérias e veias? b) Que números indicam vasos por onde circulam sangue

Leia mais

Kanakion MM (fitomenadiona) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 2 mg/0,2 ml

Kanakion MM (fitomenadiona) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 2 mg/0,2 ml Kanakion MM (fitomenadiona) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 2 mg/0,2 ml 5 Kanakion MM pediátrico fitomenadiona Roche Vitamina K Micelas Mistas APRESENTAÇÃO Solução injetável.

Leia mais

Módulo:Princípios de Farmacologia

Módulo:Princípios de Farmacologia Módulo:Princípios de Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Prof. Dr. Ronaldo A. Ribeiro! "! # ",-( $% & ' ADMINIS TRAÇÃO COM ABSORÇÃO ABSORÇÃO ADMINIS TRAÇÃO SEM ABS ORÇÃO Memb rana Tecidos: gordura,

Leia mais

Dicas de Manejo. Medicação via água de bebida CONSUMO DE ÁGUA

Dicas de Manejo. Medicação via água de bebida CONSUMO DE ÁGUA Medicação via água de bebida A administração de medicamentos para suínos criados sob o sistema de produção intensiva deve ser feita criteriosamente de acordo com as recomendações de uso dos produtos, levando

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA Unidade I Vida e ambiente Aula 3.2 Conteúdo: Diluição das soluções 2 Habilidades: Relacionar informações apresentadas em diferentes formas de linguagem e representação usada nas ciências químicas, como

Leia mais

Trimeb. (maleato de trimebutina)

Trimeb. (maleato de trimebutina) Trimeb (maleato de trimebutina) Bula para paciente Cápsula mole 200 mg Página 1 Trimeb (maleato de trimebutina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Cápsula mole FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Planeamento Familiar 2009

Planeamento Familiar 2009 Planeamento Familiar 2009 Planeamento Familiar: Conjunto de cuidados de saúde que visa ajudar a planear o nascimento dos filhos, a viverem a sexualidade de uma forma gratificante e sem o receio de uma

Leia mais

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção.

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção. Sistema excretor O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção efectuada por Órgãos de excreção Pele (glândulas sudoríparas) Pulmões Suor Dióxido

Leia mais

Simeco Plus. Bula para paciente. Suspensão. 600mg+300mg+35mg

Simeco Plus. Bula para paciente. Suspensão. 600mg+300mg+35mg Simeco Plus Bula para paciente Suspensão 600mg+300mg+35mg Simeco plus (hidróxido de alumínio + hidróxido de magnésio + simeticona) Suspensão FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Embalagens com frascos

Leia mais

APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml.

APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml. Therapsor propionato de clobetasol CREME 0,05% SOLUÇÃO CAPILAR 0,05% Uso adulto e pediátrico Uso externo APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO: Creme : Bisnaga com 25 g. Solução Capilar : Frasco com 25 ml. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA

UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 10º ano UNIDADE 2 NA ATMOSFERA DA TERRA: RADIAÇÃO, MATÉRIA E ESTRUTURA 1 TIPOS DE DISPERSÕES A atmosfera é uma solução gasosa com vários gases dispersos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 18 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Agalactivax, emulsão injetável para ovinos e caprinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada dose de

Leia mais

Em cada ano é necessário seleccionar o campo (ou campos) adequado para cada doente. Abcesso abdominal: documentado por ecografia, TAC, RMN ou cirurgia

Em cada ano é necessário seleccionar o campo (ou campos) adequado para cada doente. Abcesso abdominal: documentado por ecografia, TAC, RMN ou cirurgia Evolução Clínica: O protocolo pretende acompanhar a evolução clínica dos doentes com colite ulcerosa (CU) e doença de Crohn (DC) durante pelo menos cinco anos com inicio em Janeiro de 2007. Critérios de

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Duspatal Retard 200 mg cápsulas de libertação prolongada 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula de gelatina dura de libertação

Leia mais

Introdução a Farmacotécnica. Prof. Robson Miranda da Gama Prof. Luis Antonio Paludetti

Introdução a Farmacotécnica. Prof. Robson Miranda da Gama Prof. Luis Antonio Paludetti Introdução a Farmacotécnica Prof. Robson Miranda da Gama Prof. Luis Antonio Paludetti Definições Matéria-prima É toda a substância ativa, droga ou insumo farmacêutico empregado na produção dos medicamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II. Administração de Medicamentos. Vias Não Parenterais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II. Administração de Medicamentos. Vias Não Parenterais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Medicamentos Vias Não Parenterais Profª Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande 2012/1º semestre Via oral

Leia mais

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos ESCOLA SECUNDÁRIA DE TOMAZ PELAYO SANTO TIRSO 402916 MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Eletrónica Fundamental Prof.: Erika Costa Estrutura da Matéria

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) CALCIO CLORURO CRISTAL.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ Absorção

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

CORISTINA VITAMINA C. (ácido ascórbico)

CORISTINA VITAMINA C. (ácido ascórbico) CORISTINA VITAMINA C (ácido ascórbico) Hypermarcas S.A. Comprimido efervescente 1000mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CORISTINA VITAMINA C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO CORISTINA Vitamina C comprimidos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Dolenio 1500 mg, Comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um comprimido revestido por película contém

Leia mais

Medicamentos I MEDICAMENTOS I. Pág.:1

Medicamentos I MEDICAMENTOS I. Pág.:1 MEDICAMENTOS I Pág.:1 INTRODUÇÃO A administração de medicamentos é entendida como um cuidado de enfermagem, cabendo aos enfermeiros e técnicos de enfermagem assistirem ao cliente no que diz respeito à

Leia mais

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Yanna C. F. Teles yannateles@gmail.com FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho que os fármacos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

MODELO DE BULA DO PACIENTE

MODELO DE BULA DO PACIENTE MODELO DE BULA DO PACIENTE Vibral dropropizina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES VIBRAL (dropropizina) Xarope: frasco de 120 ml. VIBRAL (dropropizina) Xarope Pediátrico: frasco de 120 ml. VIBRAL (dropropizina)

Leia mais

EPITEZAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Pomada Oftálmica Estéril Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril

EPITEZAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Pomada Oftálmica Estéril Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril EPITEZAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Pomada Oftálmica Estéril Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril APRESENTAÇÃO Pomada Oftálmica Estéril Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO Página 1 N o CEUA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CEUA IDENTIFICAÇÃO (deve ser submetido um protocolo para cada aula) Disciplina(s) e curso(s) em que esta aula será ministrada: Nível: PROFESSOR RESPONSÁVEL Nome:

Leia mais

METHERGIN maleato de metilergometrina

METHERGIN maleato de metilergometrina METHERGIN maleato de metilergometrina Formas farmacêuticas e apresentações Solução injetável. Embalagens com 50 ampolas de 1 ml. Drágeas. Embalagens com 12 drágeas de 0,125 mg. USO ADULTO Composição Cada

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens.

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens. Parto Normal A importância de conhecer as vantagens. PARTO NORMAL Ser mãe é ter o prazer de se sentir especial não só durante os nove meses de gestação, mas pelo resto da vida. O momento do nascimento

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Vetalgin 500 mg/ml solução injetável para bovinos, suínos, equinos e cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO VIA ENTERAL VIA ORAL: Estômago e Intestino delgado VIA SUBLINGUAL: VIA RETAL: VIA PARENTERAL USO TÓPICO : - Mucosas: vaginal, conjuntival, nasal - Pele: INALAÇÃO: Uso tópico vs uso sistêmico IV, IM, SC:

Leia mais

Higiene: Lavagem das mãos; Desinfecção da bancada, onde os medicamentos serão preparados; Anti-sepsia do local de aplicação do medicamento; Uso de

Higiene: Lavagem das mãos; Desinfecção da bancada, onde os medicamentos serão preparados; Anti-sepsia do local de aplicação do medicamento; Uso de Administração de Medicamentos em Pediatria Josie Motta e Motta Regras gerais A prescrição deve ser escrita e assinada. Somente em caso de emergência, a enfermagem pode atender prescrição verbal, que deverá

Leia mais

GARGOJUICE BELFAR LTDA. Pastilha. 3 mg/pastilha

GARGOJUICE BELFAR LTDA. Pastilha. 3 mg/pastilha GARGOJUICE BELFAR LTDA Pastilha 3 mg/pastilha GARGOJUICE cloridrato de benzidamina APRESENTAÇÕES Pastilhas, caixa com 12 unidades USO ORAL USO ADULTO E USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 6 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada pastilha

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO

Leia mais

FURP-CEFALEXINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Pó para Suspensão Oral. 250 mg/5 ml

FURP-CEFALEXINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Pó para Suspensão Oral. 250 mg/5 ml FURP-CEFALEXINA Fundação para o Remédio Popular FURP Pó para Suspensão Oral 250 mg/5 ml BULA PARA O PACIENTE FURP-CEFALEXINA 250 mg/5 ml Pó Para Suspensão Oral cefalexina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE

Leia mais

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: Informação para o Utilizador. Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: Informação para o Utilizador. Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina Folheto informativo: Informação para o Utilizador Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: Informação para o Utilizador. Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: Informação para o Utilizador. Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina Folheto informativo: Informação para o Utilizador Bisolvon Linctus Adulto 1, 6 mg/ml Xarope Cloridrato de bromexina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém

Leia mais

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger)

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger) 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: Leca Mix (weber.floor light mix) 1.2. Aplicações: Enchimento de pisos térreos, pisos elevados, pisos técnicos e coberturas, em interior ou exterior.

Leia mais

Faculdade de Imperatriz FACIMP

Faculdade de Imperatriz FACIMP Faculdade de Imperatriz FACIMP Disciplina: Farmacologia Prof. Dr. Paulo Roberto da Silva Ribeiro 5 o Período de Farmácia e Bioquímica 1 o Semestre de 2007 Prof. Paulo Roberto 1 FARMACOLOGIA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Anexo C. (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente)

Anexo C. (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente) Anexo C (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente) ANEXO I CONCLUSÕES CIENTÍFICAS E FUNDAMENTOS RECOMENDANDO A ALTERAÇÃO AOS TERMOS DA(S) AUTORIZAÇÃO(ÇÕES) DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Conclusões

Leia mais

simeticona Medley Indústria Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg

simeticona Medley Indústria Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg simeticona Medley Indústria Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas moles de 125 mg: embalagens com 10

Leia mais

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo

Leia mais

cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml

cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml cefalexina Medicamento genérico, Lei n 9.787, de 1999. Pó para suspensão oral IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA Toxicologia Estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações entre as substâncias químicas com o organismo. Agente tóxico Organismo vivo Efeito

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nobivac DHPPi, suspensão injetável para cães (cachorros). 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Por

Leia mais