Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis"

Transcrição

1 Farmacologia e Enteral (oral) tubo digestivo Parenteral - Injetaveis Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Oral V (vantagens) - mais conveniente, econômica e segura D (desvantagens) Cooperação Absorção variável Biodisponibilidade incompleta Sublingual V- Boa vascularização Veia cava superior Não metabolização hepática de 1ª passagem Níveis séricos rápidos D - Substância neutra, não irritante e apropriada 1

2 Retal V - 50% não passam pelo metabolismo de primeira passagem Intravenosa V - Precisão, rapidez Biodisponibilidade completa Grande volume Titulação da dose D- Absorção Irregular e incompleta irritação da mucosa D - Dor, infecção Fármacos que formam precipitados, substâncias oleosas Intramuscular V - Efeito rápido Boa biodisponibilidade D - Dor, infecção Inadequada para grandes volumes Contra indicada durante tratamento com anticoagulante Aumento de CK Subcutânea V - Absorção lenta e constante efeito prolongado Absorção imediata soluções aquosas Lenta preparações de depósito D - irritação, risco de necrose e infecção 2

3 Transdérmica V - Facilidade de administração D - Lipossolubilidade e integridade da pele Via Respiratória Inalação V localizada Redução de Efeitos Adversos Sistêmicos Nebulizador Via Respiratória D Infecções oportunistas Spray Intra-arterial Não usada na rotina Exames 3

4 Anestesia Intratecal (subaracnóide) Intra-articular Tratamento localizado Efeitos locais Oftálmica Efeitos locais Nasal 4

5 Via Vaginal Efeitos locais Não usada com finalidades de absorção sistêmica Via intracardíaca Raramente utilizada Forma de apresentação do medicamento Comprimidos Formas Cilíndricas ou redondas, que resultam da compressão de um pó cristalino ou de um granulado em máquinas apropriadas. 5

6 Drágeas Cápsulas São comprimidos revestidos por uma camada de esmalte resistência a secreção gástrica medicamentos em pó, grânulos ou líquido, envolvido em gelatina solúvel, que deve ser dissolvido no intestino. Liberação prolongada Fármaco é liberado lentamente V- Redução da frequência posológica Efeito terapêutico constante Melhor obediência Xarope medicamento + açúcar + água. (1 parte de água para 2 partes de açúcar). Cuidado em diabéticos 6

7 Suspensão medicamento obtido pela associação de dois componentes que não se misturam. Deve ser agitado antes de usar Supositórios Forma cónica ou ovóide, destinadas a serem introduzidas na ampola retal. Os excipientes usados podem ser Lipossolúveis ou Hidrossolúveis (gelatina glicerinada ou polietilenoglicois de peso molecular elevado). Óvulos São preparações destinadas a serem introduzidas na vagina. Substâncias hidrossolúveis ou lipossolúveis. Clisteres Enemas Destinadas a serem introduzidas na porção terminal do intestino (ampola retal). 7

8 Cremes Consistência mole destinada ao uso tópico e difere das pomadas por possuir grande quantidade de água em sua formulação, e por isso apresenta absorção mais rápida. Ideal para lesões úmidas. Pomadas Consistência mole e oleosa destinada ao uso tópico. Devido a sua oleosidade, a absorção do princípio ativo pode ser mais lenta, porém de efeito local mais prolongado. Possui poder hidratante e é ideal para lesões secas. Gel Possui grande quantidade de água em sua formulação, o que proporciona uma absorção mais rápida se comparado com creme e pomada. 8

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E FORMAS FARMACÊUTICAS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO Introdução o que são VIAS DE ADMINISTRAÇÃO?

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais:

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais: Farmacologia Farmacologia Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos efeitos dos fármacos Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle É dividida em duas áreas principais: Farmacocinética Farmacodinâmica 1 Farmacocinética

Leia mais

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

Conceitos importantes. Farmacocinética

Conceitos importantes. Farmacocinética Conceitos importantes Farmacocinética Fatores Farmacocinéticos que Afetam o Efeito de Fármacos 1) Absorção 2) Distribuição 3) Eliminação Metabolização e Excreção Etapas entre a administração oral de um

Leia mais

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração DROGA ORGANISMO Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA Local de ação Mecanismo

Leia mais

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia Aula 01 Conceitos Básicos de Farmacologia Vocês sabem definir Farmacologia? Podemos definir a Farmacologia como ciência que estuda a ação das substancias químicas, estruturalmente definidas e denominadas

Leia mais

SUPOSITÓRIOS, ÓVULOS E VELAS

SUPOSITÓRIOS, ÓVULOS E VELAS SUPOSITÓRIOS, ÓVULOS E VELAS I) SUPOSITÓRIOS Preparações farmacêuticas de consistência firme, forma cônica ou ogival destinadas à aplicação retal. São inseridos com os dedos. I) SUPOSITÓRIOS Obtenção:

Leia mais

Objetivos. Farmacocinética. Farmacocinética. Princípios Farmacocinéticos

Objetivos. Farmacocinética. Farmacocinética. Princípios Farmacocinéticos Objetivos Princípios Farmacocinéticos Marcos Moreira Absorção, distribuição, metabolismo e excreção de fármacos. Metabolismo de primeira passagem. Meia-vida plasmática. Concentração no estado de equilíbrio.

Leia mais

PLANO DE ENSINO semestre DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA SEMESTRE 2011/2 Nome da disciplina ODT 7111 Terapêutica Medicamentosa I

PLANO DE ENSINO semestre DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA SEMESTRE 2011/2 Nome da disciplina ODT 7111 Terapêutica Medicamentosa I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade

Leia mais

Farmacologia. FARMACOCINÉTICA Vias de administração Absorção Distribuição

Farmacologia. FARMACOCINÉTICA Vias de administração Absorção Distribuição Farmacologia FARMACOCINÉTICA Vias de administração Absorção Distribuição Dose da droga administrada Formas de veiculação dos fármacos e vias de administração ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação

Leia mais

Administração de medicamentos I. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos I. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos I Profª Leticia Pedroso Um dos procedimentos de maior complexidade e que requer maior atenção e responsabilidade da enfermagem. O código de ética do COREN: Cap.II - Responsabilidades

Leia mais

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos.

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Absorção e distribuição de drogas Medicamentos Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Droga é qualquer substância que, administrada no organismo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS 1 Tem a finalidade de tornar a droga que foi absorvida e distribuída em substâncias mais solúveis para que assim possam ser BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS facilmente eliminadas pelos rins. Se não houvesse

Leia mais

CÁPSULAS. Profª: Erika Liz

CÁPSULAS. Profª: Erika Liz CÁPSULAS Profª: Erika Liz DEFINIÇÃO As cápsulas são formas farmacêuticas sólidas nas quais uma ou mais substâncias medicinais e/ou inertes são acondicionadas em um pequeno receptáculo, em geral preparado

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

domingo, 10 de abril de 2011 FARMACOCINÉTICA

domingo, 10 de abril de 2011 FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho percorrido pelo medicamento no organismo, desde a sua administração até a sua eliminação. Pode ser definida como o estudo quantitativo dos processos de

Leia mais

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS PREPARAÇÕES NASAIS Maioria das preparações intranasais contém agentes adrenérgicos, devido sua ação vasoativa (descongestiona a mucosa nasal) Grande parte se encontra na forma de solução, sendo administrada

Leia mais

BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos. Sílvia Storpirtis

BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos. Sílvia Storpirtis BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos Sílvia Storpirtis Professora Associada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) Conteúdo Biodisponibilidade

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 3 VIAS DE ADMINISRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Conhecimentos a adquirir: Conhecer as vias de administração de medicamentos Dominar a respectiva técnica de administração Vias

Leia mais

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Formas farmacêuticas e administração Prof. Raimundo Jr, M.Sc Desenvolvimentos dos fármacos 1. Síntese

Leia mais

23/10/2009. Introdução. Soluções Farmacêutica. Xarope. Soluções Orais

23/10/2009. Introdução. Soluções Farmacêutica. Xarope. Soluções Orais Introdução Soluções são classificadas de modo geral como: Soluções Orais; Soluções Tópicas; Soluções Estéreis; As soluções são caracterizadas, basicamente, pela mistura homogênea de um soluto e um solvente;

Leia mais

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Nutrição - 4º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz sobre

Leia mais

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Nutrição - 4º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Dacarb (Dacarbazina) Motilium (Domperidona) Imovane(zopiclona) Esta disciplina tem por finalidade ensinar os princípios que regem o mecanismo

Leia mais

SUPOSITÓRIOS. 3- CARACTERÍSITCAS supositórios retais - peso: 2g (adulto) e 1g (criança) - forma: cilíndrica alongada com extremidade afiladas

SUPOSITÓRIOS. 3- CARACTERÍSITCAS supositórios retais - peso: 2g (adulto) e 1g (criança) - forma: cilíndrica alongada com extremidade afiladas 1 SUPOSITÓRIOS 1- DEFINIÇÃO São preparações farmacêuticas sólidas, de forma e peso adequados que se destinam a serem aplicados nas cavidades inferiores do corpo (reto, vagina, e uretra), onde devem fundir,

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Fusextrine.

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Fusextrine. Folheto Informativo: Informação para o utilizador Fusextrine 20 mg/g creme Ácido fusídico Fusextrine 20 mg/g pomada Sal sódico do ácido fusídico (Fusidato de sódio). Leia com atenção todo este folheto

Leia mais

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA História da Farmacologia Pharmakon (grego) veneno (substância terapêutica) (129-200) Galeno 1o. a considerar a teoria das doenças (1493-1541) Paracelsus conhecia os ingredientes

Leia mais

PREPARO E ADMINISTRAÇÃO POR VIA SUBLINGUAL E BUCAL

PREPARO E ADMINISTRAÇÃO POR VIA SUBLINGUAL E BUCAL Revisão: PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos por meio da mucosa da boca produzindo efeitos locais ou sistêmicos quando deglutido junto com a saliva, evitando efeitos lesivos dos sucos

Leia mais

CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás

CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás 15;10) SEMESTRE/ANO: 2011.1 PROFESSORA: Erika Lizette

Leia mais

DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS

DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS DISPENSAÇÃO MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS Formas Farmacêuticas: são preparações resultantes da manipulação de insumos ativos e inertes, de acordo com as regras da farmacotécnica homeopática. Profª Ivana Violante

Leia mais

Delineamento de formas farmacêuticas

Delineamento de formas farmacêuticas 1 Delineamento de formas farmacêuticas Peter York CONTEÚDO Fundamentos do delineamento de formas farmacêuticas 17 Aspectos biofarmacêuticos no delineamento de formas farmacêuticas 18 Vias de administração

Leia mais

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL Revisão em 2010 Prof Solange Maria Dieterich

Leia mais

Fluitoss. Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL

Fluitoss. Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL Fluitoss Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Fluitoss carbocisteína APRESENTAÇÕES Xarope adulto 50mg/mL Embalagem contendo 01 frasco com 100mL +

Leia mais

Relação Droga Formas Extrativas. Formas Farmacêuticas. Exercícios

Relação Droga Formas Extrativas. Formas Farmacêuticas. Exercícios Relação Droga Formas Extrativas Formas Farmacêuticas Exercícios Farm. Elisabeth Prado março 2011 Relação Droga Formas Extrativas: Droga: parte(s) da planta que contém os princípios ativos, sob a forma

Leia mais

Vibral dropropizina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Vibral dropropizina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vibral dropropizina APRESENTAÇÕES VIBRAL (dropropizina) Xarope Adulto (3 mg/ml): frasco de 120 ml. VIBRAL (dropropizina) Xarope Pediátrico (1,5

Leia mais

Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Nº MEDICAMENTOS SITUAÇÃO CLÍNICA (CID-10)

Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Nº MEDICAMENTOS SITUAÇÃO CLÍNICA (CID-10) MINISTÉRIO DA SAÚDE Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Relação de Medicamentos contemplados pelo Componente Especializado da Assistência

Leia mais

FARMACOLOGIA. RingoStarFernandesGuimarãeseClariceCunhaTaveira

FARMACOLOGIA. RingoStarFernandesGuimarãeseClariceCunhaTaveira FUNDAMENTOSDE FARMACOLOGIA RingoStarFernandesGuimarãeseClariceCunhaTaveira AMBIENTEESAÚDE Autores Ringo Star Fernandes Guimarães Farmacêutico Clínico e Industrial, formado pela Universidade de Brasília

Leia mais

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente Dropropizina Prati-Donaduzzi 1,5 mg/ml e 3 mg/ml Dropropizina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE dropropizina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES de 1,5 mg/ml ou 3 mg/ml em embalagem

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 2 FORMAS FARMACÊUTICAS Conhecimentos a adquirir: classificação das formas farmacêuticas principais características das formas farmacêuticas vantagens e desvantagens

Leia mais

16/05/2012. Patentes. Andrea Fernanda de Andres

16/05/2012. Patentes. Andrea Fernanda de Andres Patentes Andrea Fernanda de Andres 1 Proteções por patentes para uma molécula já conhecida, através de melhorias desenvolvidas por pesquisas posteriores. VS inovações radicais : não representam um salto

Leia mais

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Sumário SEÇÃO I Capítulo 1 A resposta integrada a uma refeição Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Objetivos / 1 Visão geral do sistema gastrintestinal e de suas

Leia mais

Parâmetros da Qualidade em Produto Acabado TESTES FÍSICOS, FÍSICO-QUÍMICOS E QUÍMICOS NA ANÁLISE DE MEDICAMENTOS

Parâmetros da Qualidade em Produto Acabado TESTES FÍSICOS, FÍSICO-QUÍMICOS E QUÍMICOS NA ANÁLISE DE MEDICAMENTOS Parâmetros da Qualidade em Produto Acabado TESTES FÍSICOS, FÍSICO-QUÍMICOS E QUÍMICOS NA ANÁLISE DE MEDICAMENTOS DETERMINAÇÃO DE PESO EM FORMAS FARMACÊUTICAS Comprimidos, drágeas, cápsulas, supositórios

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÂO DO MEDICAMENTO Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA 1 - (SESA/ES, 2013) Com relação ao processo de seleção de medicamentos e controle de infecção hospitalar, assinale a opção correta. (A) Dentro das atuações do farmacêutico, não se inclui fazer sugestões

Leia mais

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A Gel 10mg/g fosfato de clindamicina Medicamento genérico Lei n 9.787 de 1999 APRESENTAÇÕES Gel - Caixa contendo 1 bisnaga de 20g, 25g, 30g ou 45 g USO EXTERNO USO TÓPICO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFº MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Introdução a Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente.

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente. ANEXO I PLANO DE ESTUDO DE ESTABILIDADE REDUZIDO DE MEDICAMENTOS 1. INTRODUÇÃO Agrupamento e Matrização são modelos reduzidos de plano de estudo de estabilidade baseados em princípios diferentes. Entretanto,

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO PG 600, pó e solvente para solução injetável para porcas e primíparas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS PARA DISPENSAÇÃO NAS UNIDADES DE SAÚDE

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS PARA DISPENSAÇÃO NAS UNIDADES DE SAÚDE ACICLOVIR 200 MG COMPRIMIDO ACIDO ACETILSALICILICO 100 MG COMPRIMIDO ACIDO ACETILSALICILICO 500 MG COMPRIMIDO ACIDO FOLICO 5 MG COMPRIMIDO ACIDO VALPROICO 250 MG/5ML - FRASCO 100 ML ACIDO VALPRÓICO 250MG

Leia mais

Diclofenac Na. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações

Diclofenac Na. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações Material Técnico Diclofenac Na Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 10 Cl 2 NNaO 2 Peso molecular: 318.1 DCB / DCI: 02930 Diclofenaco sódico CAS 15307-79-6 INCI: Não aplicável. Denominação botânica:

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Fucidine H 20 mg/g + 10 mg/g Creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Ácido fusídico 20 mg/g e Acetato de hidrocortisona 10 mg/g.

Leia mais

À realizar-se: 16/02/2011. Nº Solicitação: 0686/09. Processo Nº: E-08/7135/2009. Quantidade

À realizar-se: 16/02/2011. Nº Solicitação: 0686/09. Processo Nº: E-08/7135/2009. Quantidade Licitação por: LICITACAO Nº À realizar-se: 16/02/2011 às 10:00 Nº Solicitação: 0686/09 PROPOSTA DETALHE Processo Nº: E-08/7135/2009 A firma ao lado mencionada propõe fornecer ao Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Despacho n.º 18694/2010, 18 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 242, de 16 de Dezembro de 2010)

Despacho n.º 18694/2010, 18 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 242, de 16 de Dezembro de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 242, de 16 de Dezembro de 2010) Estabelece as condições de comparticipação de medicamentos manipulados e aprova a respectiva lista O artigo 23.º do regime geral das comparticipações

Leia mais

BIO E (acetato de racealfatocoferol)

BIO E (acetato de racealfatocoferol) BIO E (acetato de racealfatocoferol) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Cápsula BIO E acetato de racealfatocoferol Cápsula IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsula : embalagem

Leia mais

Vita E. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Cápsula Mole. 400mg

Vita E. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Cápsula Mole. 400mg Vita E Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A Cápsula Mole 400mg Vita E_BU 06_VP 1 BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO VITA E acetato de racealfatocoferol

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA PROCEDIMENTOS OPERATÓRIOS Profa. Dra. Mariana Braga Isabela Floriano CASCATA DA DOR E INFLAMAÇÃO AINES E o ANTIBIÓTICO?? Prostaglandinas Prostaciclinas Tromboxanas

Leia mais

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml Sorine Adulto Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sorine cloridrato de nafazolina

Leia mais

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA

ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA ISOLAMENTO EM ESPUMA INJECTADA O MELHOR ISOLAMENTO PARA CASAS HABITADAS Classe 1 resistente ao fogo Economiza até 50% nas contas de energia Reduz o ruído exterior até 80% Amigo do Ambiente IS O L A M E

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

Indometacina. Identificação. de pó cristalino branco a amarelo contendo de 98,5 a 100,5 de Indometacina calculado em base anidra.

Indometacina. Identificação. de pó cristalino branco a amarelo contendo de 98,5 a 100,5 de Indometacina calculado em base anidra. Material Técnico Indometacina Identificação Fórmula Molecular: C 19 H 16 ClNO 4 Peso molecular: 357,8 DCB / DCI: 04889-Indometacina CAS: 53-86-1 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

BIO E (acetato de racealfatocoferol)

BIO E (acetato de racealfatocoferol) BIO E (acetato de racealfatocoferol) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Cápsula gelatinosa mole 400 UI BIO E acetato de racealfatocoferol Cápsula gelatinosa mole IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Processos de Revisão Excecional de Preço de Medicamentos com decisão do Secretário de Estado da Saúde (SES)

Processos de Revisão Excecional de Preço de Medicamentos com decisão do Secretário de Estado da Saúde (SES) 8024604 Endoxan Ciclofosfamida Comprimidso 50 mg 8969402 Hydrocortone Hidrocortisona Comprimido 10 mg 8969410 Hydrocortone Hidrocortisona Comprimido 20 mg 9257303 Dufine Clomifeno Comprimido 50 mg 8896423

Leia mais

- Solução: o soluto está dissolvido no solvente. Não há necessidade de agitar antes de usar.

- Solução: o soluto está dissolvido no solvente. Não há necessidade de agitar antes de usar. Terça-feira, 19 de setembro de 2006. Farmacocinética. Prof. Cabral. A farmacocinética estuda os princípios relativos ao processamento da droga: o que acontece com a droga desde o momento em que ela entra

Leia mais

Alimax. heparina sódica. Solução tópica UI/mL e UI/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Alimax. heparina sódica. Solução tópica UI/mL e UI/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Alimax heparina sódica Solução tópica 5.000 UI/mL e 10.000 UI/mL Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ALIMAX heparina sódica APRESENTAÇÕES Solução

Leia mais

Pomaderme (retinol + colecalciferol + óxido de zinco) Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. pomada dermatológica

Pomaderme (retinol + colecalciferol + óxido de zinco) Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. pomada dermatológica Pomaderme (retinol + colecalciferol + óxido de zinco) Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. pomada dermatológica 5000 UI/g + 900 UI/g + 0,15 g/g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pomaderme retinol + colecalciferol

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas. Lidosporin lidocaína 43,4 mg/ml sulfato de polimixina B 10.000 UI/ml Solução otológica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal Elaborado por: Lícia Mara Brito Shiroma Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Retal POP NEPEN/DE/HU Versão: 01 Próxima revisão:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 389/2013

RESPOSTA RÁPIDA 389/2013 RESPOSTA RÁPIDA 389/2013 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0335.13.2291.6 DATA 01/12/2013 Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica - MG SOLICITAÇÃO A Senhora Maria do Rosário

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO CEPOREX VET 180 mg/ml suspensão injetável para bovinos, cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância ativa:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA Comunicado nº 6, de 5 de setembro de 2013 (Publicado no DOU, de 10 de setembro de 2013, Seção 3, pág. 3) A Secretaria-Executiva da Câmara

Leia mais

Aula Prática. Enfª Marília M. Varela

Aula Prática. Enfª Marília M. Varela Aula Prática Enfª Marília M. Varela O A administração de medicamentos deve ser feita com eficiência, segurança e responsabilidade, para que sejam alcançados os objetivos terapêuticos implementados, mostrando

Leia mais

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato

Leia mais

MEDICAMENTOS E O AMBIENTE AEROESPACIAL

MEDICAMENTOS E O AMBIENTE AEROESPACIAL MEDICAMENTOS E O AMBIENTE AEROESPACIAL CONCEITO MEDICAMENTO: é o agente destinado a diagnóstico, tratamento, cura ou prevenção de doenças em seres humanos ou animais. MEDICAMENTO ALOPÁTICO FITOTERÁPICO

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

Treinamento Online 06/01 às 14:00 h. Arrase na Base

Treinamento Online 06/01 às 14:00 h. Arrase na Base Treinamento Online 06/01 às 14:00 h Arrase na Base Base Líquida TimeWise Acabamento Matte Acabamento Matte, ameniza a aparência de poros, controla o brilho e a oleosidade por horas; Microesferas de Silica

Leia mais

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos MODELO DE TEXTO DE BULA PARA OMCILON-A EM ORABASE BRISTOL-MYERS SQUIBB OMCILON-A acetonida de triancinolona em base emoliente para uso odontológico Em orabase APRESENTAÇÃO OMCILON-A EM ORABASE é apresentado

Leia mais

O PREDNIOCIL pomada oftálmica, possui na sua composição como única substância activa o Acetato de Prednisolona na concentração de 5 mg/g.

O PREDNIOCIL pomada oftálmica, possui na sua composição como única substância activa o Acetato de Prednisolona na concentração de 5 mg/g. PROJECTO DE FOLHETO INFORMATIVO PREDNIOCIL ACETATO DE PREDNISOLONA POMADA OFTÁLMICA Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

Leia mais

Bucal / Sublingual PROCEDIMENTO

Bucal / Sublingual PROCEDIMENTO INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - ADMINISTRAR MEDICAMENTOS POR VIA TÓPICA Bucal / Sublingual PROCEDIMENTO Objectivo: Administrar medicamento para absorção na mucosa oral Considerações Prévias/Avaliação Inicial:

Leia mais

Vecasten. Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO

Vecasten. Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO Vecasten Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 26,7mg em embalagens com 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO ACIMA

Leia mais

Pomada/ Creme de Iodofórmio a 2% associado com Óleo de Rosa Mosqueta Ioderm Plus1

Pomada/ Creme de Iodofórmio a 2% associado com Óleo de Rosa Mosqueta Ioderm Plus1 Pesquisa e Ação 1 (1): 121-129, junho de 2015 Pomada/ Creme de Iodofórmio a 2% associado com Óleo de Rosa Mosqueta Ioderm Plus1 Sueli Yoshida2 Claudia de Fátima Justo3 Danielle de Lima4 Thaís Arruda 5

Leia mais

FARMACOCINÉTICA CLÍNICA

FARMACOCINÉTICA CLÍNICA FARMACOCINÉTICA CLÍNICA Profa. Dra. Viviani milan vivimilan@uninove.br Farmacocinética Definida como o estudo qualitativo e quantitativo dos processos de: Absorção Distribuição Metabolização Excreção 1

Leia mais

MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) Ramal 207

MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) Ramal 207 MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS raetano@fca.unesp.br FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) 3811-7167 Ramal 207 FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FORMULAÇÃO: FITOSSANITÁRIOS ÃO: Tornar o produto na

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS SEMISSÓLIDOS

FORMAS FARMACÊUTICAS SEMISSÓLIDOS FORMAS FARMACÊUTICAS SEMISSÓLIDOS Semissólidos Cremes Pomadas Pastas Géis Generalidades Sistemas emulsionados fases aquosa, oleosa e emulsificante. Aplicação na pele ou mucosas com ação medicamentosa ou

Leia mais

Cotação :

Cotação : Pará Governo Municipal de Capitão Poço MAPA DE COTAÇÃO DE PREÇOS - preço médio Pag.: 1 Cotação : 20160115001 Código Descrição 025948 ÁCIDO TRANEXAMICO 250MG INJ 025949 ÁCIDO TRANEXAMICO 250MG INJ (ME/EPP)

Leia mais

Sumário. 1. Fase farmacêutica. 3. Fase farmacodinâmica. - o medicamento chega ao seu local de acção?

Sumário. 1. Fase farmacêutica. 3. Fase farmacodinâmica. - o medicamento chega ao seu local de acção? Sumário Administração i do medicamento 1. Fase farmacêutica - o medicamento chega ao utilizador? 2. Fase farmacocinética (BIO)DISPONIBILIZAÇÃO - o medicamento chega ao seu local de acção? 3. Fase farmacodinâmica

Leia mais

AAS. Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação

AAS. Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação AAS Ácido acetilsalicílico - Forma farmacêutica e de apresentação AAS comprimidos Adulto: embalagem contendo 200 ou 500 comprimidos. AAS comprimidos Infantil: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos.

Leia mais

PROTOCOLOS E NORMAS TÉCNICAS ESTADUAIS Relação de Medicamentos

PROTOCOLOS E NORMAS TÉCNICAS ESTADUAIS Relação de Medicamentos PROTOCOLOS E NORMAS TÉCNICAS ESTADUAIS Relação de Medicamentos (Atualizado em 15/02/2016) Ácido Folínico 15mg - comprimido Situações Clínicas Tratadas: Toxoplasmose em Gestantes (B36) Ácido ursodesoxicólico

Leia mais

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS 20 CAPÍTULO 5 Hugo Caire de Castro Faria Neto & Belmira Ferreira dos Santos FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS CONSIDERAÇÕES GERAIS: Nestas últimas décadas, a anestesia

Leia mais

Unidade 2: Psicofármacos

Unidade 2: Psicofármacos 1 2 Unidade 2: Psicofármacos Formas Farmacêuticas Farmacocinética e Farmacodinâmica 3 Formas Farmacêuticas Maneira como as drogas se apresentam para uso. De acordo com a forma farmacêutica, têm-se a via

Leia mais

Relação Municipal de Medicamentos Essenciais. REMUME Locais de Dispensação Página: 1/5

Relação Municipal de Medicamentos Essenciais. REMUME Locais de Dispensação Página: 1/5 Locais de Página: 1/5 BR0268370 ACICLOVIR, 200 MG COMPRIMIDO Farmácia Central S BR0268375 ACICLOVIR, 50 MG/G, CREME BISNAGA 10 G Farmácia Central S BR0267502 ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG COMPRIMIDO UBS

Leia mais