Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)"

Transcrição

1 UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET1 COLEGIADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDUARDO JORGE Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM) EQUIPE: Alexandre Magno Cintia Rejane Felipe Simões Ícaro Pereira Lennon Simões Salvador 2011

2 Modelos de Maturidade Compreendendo como os modelos de maturidade facilitam no desenvolvimento de projetos. Conheça o que é, como podem ser úteis para orientar a empresa na melhoria da qualidade e produtividade de seus projetos, e saiba como estes modelos são aplicados numa empresa. ALEXANDRE MAGNO, CINTIA REJANE, FELIPE SIMÕES, ÍCARO PEREIRA E LENNON SIMÕES Os Modelos de Maturidade de Processos fornecem informações que orientam as empresas na definição de seu plano de melhoria da qualidade e produtividade. A maturidade de uma empresa se tratando de Engenharia de Software mede a capacidade técnica, gerencial, a competência que essa organização possui para o desenvolvimento de softwares. Vários Modelos de Maturidade têm sido propostos ao longo do tempo, quer para a evolução geral das organizações, quer para a evolução particular da função Gestão de Sistemas de Informação. Embora seja conhecida toda essa necessidade de se implantar melhorias na organização, nem todas as empresas conseguem definir estratégias adequadas para obter resultados satisfatórios. Os Modelos de Maturidade fornecem orientações na escolha e na melhor combinação das diversas técnicas de melhoria disponíveis, orienta a empresa na formulação de uma estratégia de melhoria em longo prazo, direcionada pelos objetivos do negócio e sustentada por avanços gradativos no amadurecimento de suas práticas gerenciais. Neste artigo iremos abordar três diferentes tipos de modelos de maturidade: CMMI (Capability Maturity Model Integration), MPS-BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) e PMMM (Project Management Maturity Model). Verificaremos que eles se diferem, sobretudo no número de estágios, variáveis de evolução e áreas de foco, além de identificar características que os tornam uma ferramenta muito útil quando tratamos da maturidade de uma empresa. O objetivo dos modelos de maturidade organizacional de gerenciamento de projetos é baseado na identificação e desenvolvimento do nível de maturidade, alcançado os objetivos estratégicos por meio de projetos. A maturidade em projetos requer tempo e por muitas vezes é realizada somente em longo prazo, dentro de uma empresa ela deve ser realizada de forma coordenada, buscando o gerenciamento e implementação das ações propostas de forma gradativa, começando por um setor ou departamento da empresa. A identificação de um modelo ideal para cada organização se baseia no conhecimento de cada modelo e o retorno esperado pela empresa para que possa atingir seus objetivos estratégicos de forma efetiva. Independente do modelo de maturidade adotado, a alta gerência deve reconhecer a necessidade, benefícios e aplicabilidade do gerenciamento de projetos.

3 Entendendo como funciona os Modelos de Maturidade Maturidade é como uma extensão no qual o processo é explicitamente definido, gerenciado, medido, controlado e eficaz. O conceito básico sob o termo maturidade é de que as organizações maduras fazem as coisas de modo sistemático e de que as imaturas atingem seus resultados graças aos esforços heroicos de indivíduos usando abordagens que eles criam mais ou menos espontaneamente. Organizações maduras atingem seus objetivos de qualidade, prazos e custos de forma consistente e eficiente. Organizações imaturas criam objetivos, mas com muita frequência, perdem seus objetivos por largas margens de erros. Em muitos casos, a qualidade não é a desejada e os prazos e custos podem ser muito maiores do que os planejados. Organizações maduras têm processos sistematizados e métodos documentados de realizar suas atividades. Dados são sistematicamente coletados e usados para analisar, controlar, prever e planejar seu desempenho. Por outro lado, as organizações totalmente imaturas não pensam em termos de processos e seus métodos variam conforme as circunstâncias e as pessoas que executam as tarefas. Seus resultados são imprevisíveis e inconsistentes. Os Modelos de Maturidade de Processos são um referencial usado para: Avaliar a capacidade de processos na realização de seus objetivos; Localizar oportunidades de melhoria de produtividade e qualidade e de redução de custos; Planejar e monitorar as ações de melhoria contínua dos processos empresariais. Modelo CMMI (Capability Maturity Model Integration) O CMMI é um modelo de referência que define práticas sejam elas genéricas ou específicas necessárias para o desenvolvimento e avaliação de maturidade no desenvolvimento de softwares em uma organização. As práticas que são abordadas neste modelo são: gerenciamento de requisitos, manipulação de riscos, medição de desempenho, planejamento de trabalho, tomada de decisão, entre outros. O modelo CMMI não pode ser considerado uma metodologia, pois não orienta como deve ser feito, e sim o que deve ser feito. Esse modelo foi desenvolvido pelo SEI( Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon. É uma evolução do CMM, que foi baseado em algumas das ideias mais importantes dos movimentos de qualidade industrial das últimas décadas. No CMMI uma organização opta por duas representações para a melhoria dos seus processos; Por estágios e contínua. A representação por estágios fornece um caminho pré-definido para melhoria por meio de implementação sequencial onde cada nível é base para o próximo. Permite comparações interna, em uma organização, e externa, entre diferentes organizações pelo uso de níveis de maturidade, como vemos na Figura 1. Permite classificações únicas resumindo resultados e avaliações. É divido em cinco níveis: Otimizado Gerenciado Quantitativamente Definido Gerenciado Inicial

4 Figura 1. Níveis de Maturidade CMMI (http://www.isdbrasil.com.br/o-que-e-cmmi.php) No Otimizado o foco é a melhoria contínua do processo, no Gerenciado Quantitativamente o foco é o gerenciamento quantitativo, no Definido o foco é a padronização do processo, no Gerenciado o foco é o gerenciamento de projetos, no Inicial o processo ainda é caótico e realizado ad-hoc. A representação Contínua reduz os riscos fornecendo maior foco nas áreas de processo escolhidas de acordo com os objetivos de negócio. Permite comparar áreas de processo dentro de uma organização e entre organizações. É dividido em seis níveis Otimizado Gerenciado Quantitativamente Definido Gerenciado Realizado Incompleto Aqui, no Otimizado o processo é gerenciado quantitativamente e feito para atender os objetivos de negócio e do projeto, no Gerenciado Quantitativamente o processo é definido e controlado com a ajuda de técnicas quantitativas e estatísticas, no Definido o processo é ajustado e gerenciado para o conjunto padrão de processos da organização de acordo com suas políticas internas de conduta, no Gerenciado há envolvimento dos principais stakeholders e de pessoas hábeis para produzir as saídas desejadas, no Realizado o processo satisfaz todos os objetivos específicos da área de processo e no Incompleto é parcialmente realizado ou não, onde um ou mais objetivos específicos do processo não são satisfeitos.

5 Modelo MPS-BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) MPS-BR significa Melhoria de Processo do Software Brasileiro, criado pelo Softex e patrocinado pelo MCT. O modelo de maturidade de processos e desenvolvimento de software conhecido como CMMI-DEV foi adaptado para empresas brasileiras, em especial para micro, pequenas e médias empresas, dando origem ao MPS-BR. Essa adaptação foi necessária por que o CMMI-DEV prevê o amadurecimento dos processos em apenas cinco níveis. E com o passar do tempo percebeu-se a necessidade de uma funcionalidade mais gradual aqui no Brasil, por isso foi quebrado os cinco níveis do CMMI-DEV em sete, com vemos na figura 2: Figura 2. Níveis de maturidade do MPS-BR (adaptada, O MPS-BR é dividido em três partes: MR-MPS (Modelo de referência para melhoria do processo de software), MA-MPS (Método de avaliação para melhoria do processo de software), MN-MPS (Modelo de negócio para melhoria do processo de software). No MR-MPS, em cada nível de maturação o processo possui um número de capacidades a serem analisadas, que são os resultados obtidos dos processos. São eles: AP O processo é executado; AP O processo é gerenciado; AP Os produtos de trabalho do processo são gerenciados; AP O processo é definido; AP O processo está implementado; AP O processo é medido; AP O processo é controlado; AP O processo é objeto de inovações; AP O processo é otimizado continuamente. Essas capacidades definem o nível de maturidade em que os processos de uma empresa se encontram. O MA-MPS Método de avaliação para melhoria do processo de software, que consiste em orientar e realizar as avaliações dos processos encaixando-os em um dos níveis de maturidade,

6 de acordo com as capacidades descritas acima, essa avaliação é feita de acordo com o regimento ISO/IEC e se dá da seguinte maneira: Equipe de avaliação, prazos e validade: - Equipe de 3 a 8 pessoas; - 1 avaliador líder; - No mínimo 1 avaliador adjunto; - No mínimo 1 técnico da empresa; - Duração: 2 a 4 dias; - Validade: 3 anos; Estruturação da Avaliação: - Planejar e preparar avaliação; - Descrever os indicadores de processo; - Conduzir a avaliação; - Relatar resultados - Registrar e publicar resultados no banco de dados Softex; A terceira parte do modelo MPS-BR é o MN-MPS Modelo de negócio para melhoria do processo de software. O MN-MPS descreve as regras de negocio para a implementação do modelo MPS-BR nas empresas ou grupo de empresas. O documento deve conter todos os dados da empresa contratante, desde o estado atual em que se encontra até as estratégias que serão utilizadas para implementação do modelo, assim como seleção e treinamento dos consultores, avaliadores e funcionários. O MPS-BR é um modelo que torna possível o desenvolvimento gradual dos processos de desenvolvimento de software, isso significa que o desenvolvedor pode realizar melhoras gradativas no software. Essa é a função dos processos de maturidade. O MPS-BR torna os processos mais transparentes e gerenciáveis o que facilita a supervisão desses processos pelos gerentes, pode-se controlar o que cada desenvolvedor está produzindo e se o projeto está dentro do prazo, à transparência e a gerenciabilidade dos processos evita que o término dos mesmos fique dependentes do trabalho de um desenvolvedor específico, pois qualquer outro desenvolvedor é capaz de entendê-lo e dar continuidade ao trabalho. O MPS-BR deixa o trabalho de cada desenvolvedor mais evidente o que facilita a identificação de funcionários bons e ruins, tornando mais fácil a composição de uma boa equipe. Um dos motivos de grande reclamação por parte dos desenvolvedores que utilizam o modelo MPS-BR, em qualquer nível, é a grande quantidade de documentos que devem ser produzidos. Porém essa documentação é importante para tornar os processos mais transparentes, evitando futuras situações conflituosas. É importante saber que existem muitas formas de fazer essa documentação, formulários manuais, formulários de preenchimento automático, entre outras. A empresa deve escolher a forma que mais se adeque as suas próprias características para evidenciar as atividades que estão sendo feitas. Da mesma maneira devem ser tratadas as

7 escolhas das outras ferramentas que serão utilizadas pela empresa. As ferramentas são peças importantes para desenvolvedores e gerentes de projeto, escolher e utilizar boas ferramentas pode reduzir bastante o tempo para realizar as atividades, consequentemente ocorrerá uma redução no custo. O mais importante é que todos da empresa estejam comprometidos com a implantação do modelo. Modelo PMMM (Project Management Maturity Model) O PMMM é uma ferramenta proposta pelo Dr. Harold Kerzne que detalha cinco níveis de desenvolvimento ver Figura 3. Cada estágio representa um grau diferente de maturidade do gerenciamento de projeto, quanto maior o nível no processo, maior a maturidade da empresa. Entre os principais benefícios de melhorar a maturidade de uma organização de gerenciamento de projetos estão aumento da satisfação, eficiência benefícios de desempenho e de clientes. Para avaliar a maturidade de uma organização de gerenciamento de projetos, o desempenho da organização em várias áreas do projeto de gestão do conhecimento é avaliado. Figura 3. Níveis de maturidade do modelo PMMM (Adaptada, Para o nível 1 Linguagem Comum A organização deve ativamente reconhecer a importância do gerenciamento de projetos e promover a partilha dos princípios de gerenciamento de projetos e terminologia associada. As características comuns das organizações em nível 1 do PMMM são: Uso inconsistente do gerenciamento de projetos; Poucas pessoas interessadas em gestão de projetos e nenhum compromisso sério pela organização a reconhecer a importância do gerenciamento de projetos. Falta de suporte da alta gerência; Não reconhecimento dos benefícios do gerenciamento de projetos; Tomada de decisões sem critério; Inexistência de investimentos em treinamentos em gerenciamento de projetos. As organizações devem tomar os seguintes passos para mudar para um maior nível de maturidade em gerenciamento de projeto: Oferecer treinamento em gestão de projetos e contratar gerentes de projetos certificados Apoiar o uso de projeto de gestão de terminologia em projetos Incentivar o uso de ferramentas de gerenciamento de vários projetos, modelos, listas de verificação e formulários.

8 Para o nível 2 Processos Comuns A organização deve fazer um esforço sincero para utilizar a metodologia de gerenciamento de projetos e estabelecer processos padrão para ser replicado em projetos futuros para garantir a repetição do sucesso. As características comuns das organizações em nível 2 do PMMM são: Uma compreensão dos benefícios do gerenciamento de projetos, Suporte ao gerenciamento de projetos em vários níveis, E um processo definido e metodologia para o gerenciamento de projetos. As organizações devem tomar os seguintes passos para mudar para um maior nível de maturidade em gerenciamento de projeto: Desenvolver um suporte para gerenciamento de projetos em toda a organização Reconhecer os benefícios em longo prazo de gestão de projetos Escolha uma das metodologias de gerenciamento de projeto e, em seguida, garantir que o processo definido é replicado em todos os projetos. Para o nível 3 - Metodologia Singular - A organização de nível 3 compreende o valor de combinar metodologias corporativas em uma metodologia singular para a gestão do projeto. As características comuns das organizações em nível 3 do PMMM são: Processos integrados, dando todo apoio à organização para a metodologia singular de gerenciamento de projetos. Menos burocracia para as políticas e procedimentos rígidos. As organizações devem tomar as seguintes medidas para mudar para um maior nível de maturidade em gerenciamento de projeto: Integrar todos os processos em uma metodologia universalmente aceita de gerenciamento de projetos Desenvolver um senso de responsabilidade compartilhada para os princípios de gerenciamento de projetos Para o nível 4 - Benchmarking - As organizações compreendem a essência da melhoria contínua do processo para manter a competitividade no mercado. Estas organizações continuamente comparam a sua gestão do projeto com os dos líderes no mercado para estabelecer padrões de referência. As características comuns das organizações em nível 4 do PMMM são: A existência de um escritório de gerenciamento de projetos dedicada a melhorar os processos e desempenho de aferição quantitativa e qualitativa. As organizações devem tomar as seguintes medidas para mudar para um maior nível de maturidade em gerenciamento de projeto: Criar uma cultura de benchmarking dentro da organização. Montar um projeto de gestão como processo de benchmarking utilizado em projetos Seis Sigma. Compreender os benefícios do benchmarking.

9 Para o nível 5 - Melhoria Contínua - As organizações continuamente analisam as informações obtidas a partir de benchmarking, visando implementar as mudanças necessárias para melhorar seu processo de gerenciamento de projetos. As características comuns das organizações do nível 5 do PMMM são: A criação de lições aprendidas após cada projeto e aplicação das lições aprendidas de projetos anteriores em projetos subseqüentes. O alcance dos níveis 3, 4 e 5 de maturidade do modelo PMMM representa um grande desafio a ser perseguido pelas organizações. Atualmente, as organizações que têm atingido os maiores níveis de maturidade são aquelas que atuam em setores onde a própria natureza das atividades exige uma atenção e dedicação maiores à execução de projetos, tais como, aeroespacial, petrolífero, petroquímico, construção civil, armamento militar e telecomunicações. Aplicando modelo de maturidade em uma empresa Foi realizada uma entrevista de opinião e auxilio através de um questionário, ao conteúdo de gestão de projetos e de modelos de maturidades, em especial o MPS-BR. Contactamos uma especialista na área de gestão de projetos, que nos forneceu algumas informações, e retirou algumas dúvidas sobre a estrutura, vantagens e desvantagens deste modelo aplicado na empresa a qual trabalha. Dados da entrevistada. Nome: Daniela Bacellar e Silva Empresa: Instituto Recôncavo de Tecnologia Cargo: Analista de Ciência e Tecnologia - Qualidade Conhecimento sobre o assunto proposto: Implementador e Avaliador do modelo MPS-BR certificado pela Softex. 1. A empresa reconhece a necessidade da gestão de projetos? Essa necessidade é reconhecida em todos os níveis da gerência, inclusive pela alta administração. Sim. Todos os níveis da gerência reconhecem a necessidade da gestão de projetos, como sendo de fundamental importância no controle de qualidade. 2. Quais as vantagens possíveis de serem alcançadas através da implementação da gestão de projetos? As principais vantagens alcançadas são: Melhor controle dos prazos, de recursos, de custos e de qualidade dos projetos. 3. A alta administração da empresa reconhece e apóia ostensivamente a gestão de projetos? Sim. É inerente para o sucesso de uma empresa uma gestão de projetos de qualidade. 4. A empresa tem compromisso com o planejamento antecipado visando à qualidade? Sim. O planejamento antecipado viabiliza um melhor andamento do projeto e uma melhor qualidade no produto final.

10 5. A empresa faz o possível para minimizar os desvios de escopo (ex. mudanças de escopo) nos projetos? Existe uma melhor maneira de lidar com estas mudanças? Sempre que possível. Através de uma definição detalhada do escopo do projeto e um levantamento de requisitos bem detalhado para tentar incluir todos os requisitos no início do projeto. 6. Quais as principais características da implantação do modelo MPS-BR na empresa? Projetos bastante diversos, fase de pesquisa tecnológica 7. Entre os modelos de maturidade CMMI, MPS-BR, PMMM, qual seria mais indicado trabalhar numa empresa de grande porte? Depende do perfil da empresa e dos objetivos dela. Se ela quer uma certificação internacional ou uma tenha etapas menores. Qualquer modelo se adéqua quando adaptado as necessidades da organização. 8. Descreva como funciona na prática o modelo de maturidade na gestão de qualidade da empresa. Os projetos iniciam a partir da aprovação da proposta executiva, que contem o escopo do projeto, cronograma, orçamento, riscos, recursos, WBS e outros. A partir disso o coordenador do projeto acompanha e monitora o projeto de acordo com o que foi planejado. Cada coordenador reporta o status do seu projeto para o seu diretor. O acompanhamento dos requisitos e parte técnica do projeto segue de acordo com o que foi planejado. A partir dos conhecimentos adquiridos ao decorrer dos estudos sobre gerência de projetos, vimos o quão importante é o reconhecimento de todas as partes da empresa, incluindo a alta administração, sobre a necessidade da gestão de projetos. Com a implantação desta, a organização tende a conseguir vantagens, como: o melhor controle dos prazos, de recursos, de custos e de qualidade dos projetos. Durante o desenvolvimento do projeto, mudanças imprevistas podem vir a ocorrer. Para que evitar tais atrasos, deve-se detalhar o escopo do projeto e levantamentos de requisitos de forma que inclua todos os requisitos no inicio do projeto. Além disso, a empresa pode optar por utilizar um dos modelos de maturidade propostos no artigo. O modelo a ser utilizado dependerá do perfil da empresa e dos objetivos dela. Definido o modelo de maturidade a ser utilizado, o projeto se inicia a partir da aprovação da proposta executiva, que contém o escopo do projeto, cronograma, orçamento, riscos, recursos, WBS e outros. Através dos conceitos do modelo (seja CMMI, MPS-BR, PMMM ou outro) o coordenador do projeto acompanha e monitora este processo, reportando o status para o seu diretor e em busca de uma melhor qualidade no produto final.

11 Conclusão Este artigo teve como objeto o estudo e a definição dos modelos de maturidade e sua aplicação em empresas através de um exemplo prático que foi concebido através de um questionário para um especialista em gestão de processos de sistemas. Neste trabalho vimos como ocorreu o surgimento dos modelos de maturidade para formar unidade ao processo de desenvolvimento de sistemas, aprendeu-se um pouco mais sobre um dos principais modelos internacionais (CMMI) comparado ao modelo adaptado à realidade brasileira (MPS.BR). Podemos observar que devido à complexidade dos projetos de sistemas, se tornou imprescindível o surgimento de várias novas tecnologias. Existe uma necessidade clara de mudança nos processos de produção. Então a computação foi em busca de um modelo de engenharias de software a fim de formalizar uma unidade ao processo de desenvolvimento de sistemas. O Modelo de Maturidade é uma estrutura conceitual, composta por processos bem estabelecidos, através do qual uma organização desenvolve-se de modo sistêmico a fim de atingir um estado futuro desejado. Eles fornecem aos gestores das organizações um poderoso instrumento para determinarem em que estágio de maturidade se encontra e planejarem as ações necessárias para progredirem em direção a uma maturidade superior e, por conseqüência, alcançarem os objetivos desejados. Alexandre Magno é graduando em Análise de Sistemas pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB) Cíntia Costa é graduanda em Sistemas de Informação pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB) Felipe Simões é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB)

12 Ícaro Pereira é graduando em Sistemas de Universidade Estadual da Bahia (UNEB) Informação pela Lennon Simões é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB) Referências: Santos, Danilo, CMMI(Capability Maturity Model Integration) e MPS.BR. Couto, Ana Brasil, Livro CMMI modelo de maturidade, Editora Ciência Moderna (Resumo executivo). Paula Filho, Wilson De Pádua, Engenharia de Software: Fundamentos, Métodos e Padrões, Editora LTC, 2 Edição Ruy Bouer; Marly Monteiro de Carvalho, Metodologia singular de gestão de projetos: condição suficiente para a maturidade em gestão de projetos?. Herlaine Silva, Sidney Melo, Modelo de Maturidade do Dr. Kerzner. Álvaro Rocha, José Vasconcelos, Os Modelos de Maturidade na Gestão de Sistemas de Informação. odelos_de_maturidade_na_gestao_de_sistemas_de_informacao.pdf

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade.

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. Jairo Siqueira 1 Resumo Este estudo apresenta um modelo para avaliação do grau

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Modelos de Maturidade: MPS.BR. Aécio Costa

Modelos de Maturidade: MPS.BR. Aécio Costa Modelos de Maturidade: MPS.BR Aécio Costa Criado em 2003 pela Softex para melhorar a capacidade de desenvolvimento de software nas empresas brasileiras. Objetivo: Impulsionar a melhoria da capacidade de

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY FABRÍCIO DE ALMEIDA OLIVEIRA ANA CRISTINA ROUILLER UFLA - Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration)

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) CMM CapabilityMaturityModel O CMM é um modelo desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) em parceria

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Qualidade de software com MPS.BR nos níveis de maturidade G e F

Qualidade de software com MPS.BR nos níveis de maturidade G e F Qualidade de software com MPS.BR nos níveis de maturidade G e F Marcelo Augusto Resende Cunha Graduado em Sistemas de Informação pela Libertas Faculdades Integradas Alysson Alexander Naves Silva Mestre

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa Palestrante: Leon Herszon F.,MSc, PMP Leon Herszon F., MSc, PMP Diretor Executivo

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI.

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. MPS.BR O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. ISO - 12207 para desenvolvimento de software. ISO - 15504 para avaliação

Leia mais

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Debora Athayde Herkenhoff (Latec/UFF) Moacyr Amaral Domingues Figueiredo (Latec/UFF) Gilson Brito de Lima (UFF)

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Maturidade e escritório de projetos: um caso real

Maturidade e escritório de projetos: um caso real Maturidade e escritório de projetos: um caso real Adriane Cavalieri 1 Lélio Varella 2 Giovana Magalhães 3 Ana Cláudia Baumotte 4 adrianec@int.gov.br lvarella@domain.com.br giovana.magalhaes@br.inter.net

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Danilo Scalet dscalet@yahoo.com.br Editor do Guia de Aquisição 1 2 1 MPS.BR: Desenvolvimento e Aprimoramento do Modelo Realidade

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

Melhoria do Processo de Software MPS-BR

Melhoria do Processo de Software MPS-BR Melhoria do Processo de Software MPS-BR Fabrício Sousa Pinto fabbricio7@yahoo.com.br O que é Qualidade? O problema da gestão da qualidade não é que as pessoas não sabem a respeito dela. O problema é que

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional

Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional (AMP) Alinhada ao MPS.BR e PGQP Isabel Albertuni isabel.albertuni@qualita.inf.br Graduada em Análise de Sistemas pela FARGS em 2008. Autora de artigos na

Leia mais