Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842)"

Transcrição

1 Zootecnia Trop., 21(4): Influência do sexo no desempenho de lambari prata (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842) Rodrigo Diana Navarro 1 ; Oswaldo Pinto Ribeiro Filho 2* ; Rodrigo Da Silva Fortes 3 ; Leonardo Luiz Calado 4 ; Cynthia Siqueira Silva 3 ; Fabrício Pereira Rezende 5 e Luiz Carlos Santos 2 RESUMO O objetivo do presente estudo foi avaliar a influência do sexo no desempenho de lambari. Foram utilizados 300 alevinos de Lambari prata (Astyanax scabripinnis), com peso médio inicial 5,07 ± 0,14 g e comprimento médio de 5,88 ± 0,033 cm para machos e as fêmeas com peso inicial 6,67 ± 0,07g e comprimento médio de 6,28 ± 0,08 cm, em um experimento inteiramente casualizado, com 3 tratamentos: T1: macho separado da fêmea; T2: fêmea sem a presença do macho e T3: macho e fêmea junto, com 3 repetições e 30 alevinos que foram alojados por caixa de amianto de l. A temperatura da manhã ficou em média em 24,0 ± 3,46 o C e da tarde ficou em média de 30,0 ± 0,67 o C. Os resultados obtidos demostram que os machos cultivados sozinhos obtiveram desempenho inferior aos machos cultivados juntos a fêmeas. As fêmeas cultivadas sozinhas obtiveram melhor desempenho em relação a fêmeas na presença de machos, mas para o comprimento total não 1 Zootecnista, Pós-graduando em Zootecnia. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, Brasil. 2 Prof. Adjunto do Departamento de Biologia Animal. Av: P.H. Rolfs, s/n. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, Brasil. *Correo electrónico: 3 Graduando em Zootecnia. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, Brasil. 4 Zootecnista. 5 Engenheiro Agrônomo. Recibido: 15/09/03 Aceptado: 18/02/04 359

2 Vol. 21 (4) ZOOTECNIA TROPICAL 2003 houve diferenças estatísticas significativas. O comprimento total foi significativo no T3 em relação aos animais do T1. O índice viscerossomático obteve resultado significativo nos animais cultivados separados em relação aos animais cultivados juntos. Para rendimento de carcaça dos animais do T1 obtiveram resultado superior e significativo aos demais tratamentos. A taxa de crescimento específico dos animais do tratamento 2 foi superior e a sobrevivência foi estaticamente significativa nos animais do tratamento 1. Para a produção de Lambari, é recomendado cultivar machos de lambaris separados das fêmeas. Palavras chave: Lambari, Astyanax scabripinnis, Sexo, Desempenho. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de sistemas intensivos de cultivo de peixes na aqüicultura brasileira vem sendo cada vez mais necessário para atender as exigências impostas pelo mercado consumidor, procurando melhorar tanto a quantidade quanto a qualidade de produto produzido e comercializado. Dentre estas, destaca-se o estudo de espécies nativas com potencial zootécnico que apresentam característica relacionadas a qualidade da carne e sua capacidade de adaptação a sistema de cultivo (Navarro et al., 2002). Os lambaris do gênero Astanax caracterizam por serem onívoros, pertencentes à subfamília Tetragonopterínae que vem a ser subfamília de maior número de espécie dentro da família Characidae. Formam um grupo bem diversificado de mais de 75 espécies e subespécie e um dos mais complexos gêneros de Characiformes. Essa ordem é a maior dentre dos peixes tropicais de água doce. Cerca de 170 gêneros e mais de 880 descritas (Pereira Filho, 2000). Além de o Lambari ter um mercado consumidor próprio, pois é apreciada como petisco e como isca para a pesca esportiva (Hayashi et al., 2002). Dentre dos grupos de animais, inclusive o de peixe existe diferença entre a presença do sexo oposto referente a velocidade de crescimento, em particular aos tecidos, órgãos ou partes do corpo, podendo produzir trocas nas 360

3 Navarro et al. Influência do sexo no desempenho de lambari... proporções corporais durante o curso do desenvolvimento e com isso acarretando significastes alterações na forma do corpo (Camargo e Pouey, 2000). Algumas das espécies de lambari se reproduzem em ambientes de cultivo, o que não é comum à maioria dos organismos aquáticos empregados na aqüicultura. Este fato pode acarretar diversos problemas dentro de populações cultivadas devido a sua estratégia reprodutiva, provocando problema de superpopulação, competição por alimento e crescimento desuniforme (Bombardelli et al., 2000). Na tentativa de se minimizar estes problemas com relação a superpopulação e melhor aproveitamento de rendimento de carcaça para empresas frigoríficas, tem sido empregado várias práticas de produção de lotes de indivíduos monossexuais. Várias técnicas são utilizadas nestes processos, como hibridação, manipulação cromossômica, inversão sexual e verificação através de sexagem em Astyanax sp com utilização de verificação de característica secundária onde a presença de espícula na nadadeira anal dos machos (Andrade et al., 1984; Bombardelli et al., 2000). Em vista de tais observações, e verificando-se que tem sido encontrado na literatura relatos referentes apenas de nutrição animal e comportamento reprodutivo, faz-se necessário o conhecimento do desempenho do macho sem e com a presença da fêmea. Objetivou-se com este trabalho determinar a influência do sexo no desempenho de Lambari prata Astyanax scabripinnis. MATERIALES Y MÉTODOS O experimento foi realizado no Ranário experimental, no setor de Girinagem do Departamento de Biologia Animal da Universidade Federal de Viçosa, no período de 22/10/2002 a 22/01/2003, totalizando 90 dias. Foram utilizados 300 alevinos de Lambari prata (Astyanax scabripinnis) com peso médio inicial 5,07 ± 0,14 g e comprimento médio de 361

4 Vol. 21 (4) ZOOTECNIA TROPICAL ,88 ± 0,033 cm para machos e as fêmeas com peso inicial 6,67 ± 0,07g e comprimento médio de 6,28 ± 0,08 cm em um experimento inteiramente casualizado, com 3 tratamentos: Tratamento 01: macho separado de fêmeas; Tratamento 02: fêmea separados de machos e Tratamento 3: machos e fêmeas juntos, com 3 repetição, que foram alojados em caixa de amianto de l, com densidade de 0,03 peixe/m 3, num total de 30 alevinos por caixa. O monitoramento da temperatura da água foi realizado diariamente nos horários de 9:00 horas e 16:00 horas. O ph, oxigênio dissolvido e a condutividade elétrica, foram monitorados a cada 7 dias. A renovação de água foi feita pela manhã e os aquários foram sifonados, a cada dois dias, para retirar sobras de ração e fezes. Os animais foram alimentados duas vezes ao dia, nos horários de 9:00 horas e 16:00 horas, utilizando-se ração comercial com 42% de PB, com granulometria de 3mm, sendo ofertado 5% do peso vivo. A cada 7 dias foi realizado biometrias, onde 15% dos animais foram capturados com puçá 3 cm de malha entre nós. Os animais foram colocados sobre uma bancada e com auxílio de um paquímetro de precisão 0,005 cm verificou-se o comprimento. Para verificação do peso utilizou-se balança de precisão 0,001g. De posse dos dados realizou-se o ajuste da ração. Ao final do experimento todos os animais foram insensibilizados em gelo, pesados, medidos e abatidos. Após o abate os mesmo foram eviscerados. E posteriormente a carcaça e vísceras foram pesadas em balança de precisão 0,001g. Foi calculado o índice viscerossomático: IVS = WV/Wt x 100, onde WV = peso das vísceras e Wt = peso total do animal. O ganho de peso dos peixes (GP) foi calculado pela diferença dos pesos médios da parcela final e inicial. A taxa de crescimento específico foi determinada pela fórmula TCE = (ln) peso total final (ln) peso total inicial dividido pelo tempo de experimento. Os resultados estatísticos foram analisados pelo programa SAS. 362

5 Navarro et al. Influência do sexo no desempenho de lambari... RESULTADOS E DISCUSSÃO Os parâmetros de qualidade da água avaliados permaneceram normais e dentro das condições ótimas para o crescimento da espécie em todos os tratamentos de acordo Castagnolli (1992). Os valores médios observados para os parâmetros monitorados foram: ph 7,3 ± 0,14; oxigênio dissolvido 8,56 ± 0,78 mg/l; condutividade elétrica 79,16 ± 13,53 µs/l; a temperatura média da manha ficou em 24,0 ± 3,46 C e da tarde ficou em 30,0 ± 0,67 C. (Quadro 1). Quadro 1. Valores médios mensais dos parâmetros da água durante o período experimental de 90 dias na criação de lambari prata (Astyanax scabripinnis) Parámetros Dias ph O.D. Condutividade Elétrica Temperatura mg/l µs/l 0 C 30 7,30 8,14 79,16 25, , ,50 26, ,29 8,80 83, C.V. (%) 0,01 0,07 0,13 0,01 * Temperatura = média de manha e tarde O Lambaris machos cultivados separados apresentaram diferenças significativas em relação ao peso final aos lambaris machos cultivados na presença da fêmeas (Quadro 2), devido ao aumento de vísceras. Entretanto os lambaris machos cultivados na presença da fêmeas apresentaram o ganho de peso final e ganho de peso diário maior, mas não significativo em relação ao machos do tratamento 1 (Figura 1 e Quadro 02), ao contrário do observado em fêmeas cultivadas junta ao machos onde não obteve diferença significativa em relação a ganho de peso, e ganho de peso diário. Já as ocorreu cultivadas separadas obteve maior peso final significativo (P<0,01) 363

6 Vol. 21 (4) ZOOTECNIA TROPICAL 2003 daquelas cultivadas junto aos machos, e também as fêmeas separadas obteve melhor peso final, ganho de peso total e ganho de peso diário significativo (P<0,01) em relação ao tratamento 1 (Figura 1 e Quadro 2 ). Contrastando com Camargo e Pouey (2000), trabalhando com peixe rei (Odontesthes humensis) relataram que os pesos das fêmeas e machos não diferiram entre si. Ganho de peso (g) Tiempo, Dias Tratamento 1 Tratamento 2 Tratamento 3 Macho Tratamento 3 Fêmea Figura 1. Ganho de peso dos machos, fêmeas, machas e fêmeas aos 30, 60 e 90 dias de experimento. Para o macho cultivado junto com a fêmea apresentou um comprimento total superior e significativo (P<0,01) em relação aos machos cultivados separados (Quadro 2). O comprimento total não foi significativo para fêmeas cultivadas sozinhas em relação as fêmeas cultivadas na presença do macho (Quadro 2). Os animais do tratamento 2 obtiveram maior comprimento total que foi estatisticamente significativo (P<0,01) em ralação aos animais do tratamento 1 (Quadro 2). Segundo Camargo e Pouey (2000), a variação de peso e comprimento nos peixes é mais observada nas primeiras etapas de crescimento. (Camargo e Pouey, 2000) trabalhando com juvenis de 364

7 Navarro et al. Influência do sexo no desempenho de lambari... carpa e de salmão encontraram grandes variações em peso e comprimento. Já (Austreng e Refstie, 1979) citam que outros autores mostraramm uma variação menor nos animais alimentados com alta porcentagem de proteína. Quadro 2. Peso final, ganho de peso, ganho de peso diário, comprimento total (CT), índice viscerossamátco (IVS), em 90 dias de experimento com lambari prata (Astyanax scabripinnis) Parámetros Peso inicial Peso final Ganho de peso Ganho de peso diário CT IVS g cm % T1 Macho 4,97 5,80 a 0,83 b 0,009 b 7,65 a 9,04 a T2 Fêmea 6,69 9,63 b 2.94 a 0,032 a 8,48 b 22,94 b T3 Macho 5,29 6,70 c 1,41 b 0,015 b 7,90 c 10,80 c Fêmea 6,27 9,00 d 2,73 a 0,030 a 8,48 b 26,68 d CV 1 0,13 15,45 28,33 28,38 6,25 21,99 Letras distintas indican diferencia significativa (P<0,01) pelo teste de Duncan. Para o macho cultivado junto com a fêmea apresentou um comprimento total superior e significativo (P<0,01) em relação aos machos cultivados separados (Quadro 2). O comprimento total não foi significativo para fêmeas cultivadas sozinhas em relação as fêmeas cultivadas na presença do macho (Quadro 2). Os animais do tratamento 2 obtiveram maior comprimento total que foi estatisticamente significativo (P<0,01) em ralação aos animais do tratamento 1 (Quadro 2). Segundo Camargo e Pouey (2000), a variação de peso e comprimento nos peixes é mais observada nas primeiras etapas de crescimento. (Camargo e Pouey, 2000) trabalhando com juvenis de carpa e de salmão encontraram grandes variações em peso e comprimento. Já (Austreng e Refstie, 1979) citam que outros autores mostraramm uma variação menor nos animais alimentados com alta porcentagem de proteína. 365

8 Vol. 21 (4) ZOOTECNIA TROPICAL 2003 O índice viscerossomático que representa o percentual de vísceras em relação ao peso do corpo que foi estatisticamente significativo (p<0,01) nos animais do tratamento 1 e em relação aos machos do tratamento 3 (Quadro 2). Já as fêmeas cultivadas na presença do macho obteve um IVS superior e significativo (P<0,01) em relação à fêmeas cultivadas sozinhas (Quadro 2). Machos cultivados sozinhos obteve IVS diferente e significativo às fêmeas cultivadas sozinhas (Quadro 2). Esse resultado do IVS reflete no peso final que pode ser explicado pela variação individual observada para o peso, tamanho e volume das vísceras dos peixes. Esse resultado é acompanhado para rendimento de carcaça onde os lambari cultivados separados obtiveram melhores rendimento de carcaça do que os machos cultivados na presença da fêmeas (Quadro 2). Para fêmeas separadas os resultados foram significativamente superiores quanto ao rendimento de carcaça (P<0,01) em relação as fêmeas na presença do macho. Os machos separados obteve melhores rendimentos de carcaça do que as fêmeas (Quadro 3). Este resultado encontrado no tratamento 3 é comumente esperado, visto que ocorre uma mobilização de energia para o amadurecimento das gônadas durante seu desenvolvimento, este fato também foi relatado por Agostinho et al., (1990), Vazzoler (1996) e Costa (1999) onde verificaram a mobilização de reservas energéticas durante o desenvolvimento das gônadas. Quadro 3. Porcentagem de rendimento, taxa de crescimento, sobrevivência em 90 dias de experimento. Parámetros Tratamiento Sexo Rendimento de carcaça Taxa de crescimento Sobrevivência % % T1 Macho 90,94 a 0,0016 b 98,89 a T2 Fêmea 77,05 b 0,0040 a 84,33 ab T3 Macho 89,19 c 0,0025 ab 71,11 b Fêmea 72,97 d 0,0036 ab 95,55 ab CV (%) 4,42 34,07 15,16 Letras distintas indicam diferença significativa (P<0,01) pelo teste de Duncan. A taxa de crescimento específico dos animais obteve melhores resultados no tratamentos 2, mas não significativo em relação tratamento 3, e estaticamente significativo em relação ao tratamento 1 (Quadro 3). A 366

9 Navarro et al. Influência do sexo no desempenho de lambari... sobrevivência teve sua significância nos animais do tratamento 1 em relação a outros tratamentos (Quadro 3), indicando uma resistência maior ao cultivo. CONCLUSÃO Os resultados obtidos neste estudo permitem concluir que os machos separados das fêmeas apresentam desempenho inferior em relação a machos cultivados junto com as fêmeas, que pode ser explicado pelo grande variação do índices viscerossomático. Já as fêmeas separadas houve melhor desempenho em relação a fêmeas na presença do macho. Para a produção de Lambari prata para consumo, é recomendado cultivar machos separados das fêmeas. Influence of the sex in the performance of lambari silver (Astyanax scabripinnis, Jenyns, 1842) SUMMARY The objective of the present study was to evaluate the influence of sex in the lambari performance. Fingerlings (300) of Lambari silver (Astyanax scabripinnis) were used with initial mean weight 5.07 ± 0.14 g and an average length of 5.88 ± cm for males and the females had an initial weight of 6.67 ± 0.07g and a mean length of 6.28 ± 0.08 cm. A complete randomized experimental design was used with 3 treatments: T1: male separated from the female; T2: female separated from males presence, and T3: male and female together, with 3 repetition and 30 fingerlings in each aquarium, maintained in a aquarium of 1,000 l. The temperature of the morning had a mean of 24.0 ± 3.46 and 30.0 ± 0.67 ºC in the afternoon. The results demonstrate that the male cultivated alone obtained an inferior performance to the male and female together cultivated. The females cultivated alone showed a better performance in relation to the females in the presence of males, but for the total length there were no significant 367

10 Vol. 21 (4) ZOOTECNIA TROPICAL 2003 differences. The total length was significant in the T3 in relation to the T1.The viscerossomatic index obtained a significant result in the animals cultivated separated in relation to the animals cultivated together. For the carcass yield, the animals of the T1 resulted in higher and significant differences than the other treatments. The rate of specific growth of the animals in T2 treatment was the highest and the survival was significant higher for the T1 treatment. For the production of Lambari is recommended to cultivate lambaris males separated from the females. Key words: Lambari, Astyanax scabripinnis, sex, performance. BIBLIOGRAFÍA Austreng E. e Refstie, T Effect of varying dietary protein level in different families of rainbow trout. Aquaculture, 18: Andrade D. R., E. Menin e S. P. Ribeiro Periodicidade da característica sexual secundária em Astyanax bimaculatus. Revista Seiva, 44 (93): Agostinho A. A., G. Barbieri, J. R. Verani e N. S. Hahn Variação do fator de condição e do índice hepatossomático e sua relação com o ciclo reprodutivo em Rhinelepis aspera (Agassi, 1829) (Ostechthyes, Loricariidae) no rio Paranapanema, Ciência e Cultura, 42 (9): Bombardelli R. A., R. Campagnolo, L. F. Beux, S. Makrakis, R. V. Martin e H. Massago Determinação da presença de indivíduos machos, fêmeas e intersexuais quanto a análise de efetividade da reversão sexual em tilápias (Oreochromis niloticus) na Região Oeste do Paraná, Brasil. Anais do Simpósio Brasileiro de Aqüicultura, CD ROM. 368

11 Navarro et al. Influência do sexo no desempenho de lambari... Camargo S. G. e J. L. F. Pouey Efeito do peso e do sexo sobre as características biométricas do peixe-rei (Odontesthes humensis). Anais do Simpósio Brasileiro de Aqüicultura. CD ROM. Castagnolli N Piscicultura de água doce, Jaboticabal: Funep.189 p. Costa A. P. R Aspectos da biologia reprodutiva de fêmeas do Piauvermelho Leporinus copelandii Steindachner, 1875 (Pisces anastomidae), na bacia do baixo rio Paraíba do Sul (RJ). Dissertação de mestrado Universidade Estadual do Norte Fluminense, 113 p. Hayashi C, F. Meurer, W. R. Boscolo, L. C. B. Kavata e C. H. F. Lacerda Níveis de arraçoamento para alevinos de lambari (astyanax bimaculatus). Anais do Congresso da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Recife, PE, CD-ROM. Navarro R. D., E. A. T. Lanna, G. S. Yasui, O. P. Ribeiro Filho, S. L. P. Matta e E. C. S. Maciel Desempenho produtivo de alevinos de piauçu (Leporinus macrocephalus) em tanque de alvenaria, Anais XII Simpósio Brasileiro de Aqüicultura, Goiana,GO. Simbraq, pag. 173 (Resumo). Pereira Filho H. P Biologia reprodutiva de fêmeas de Lambari Prata (Astyanax scabripinnis Jenyns, 1842), em condições de cativeiro. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Viçosa,Viçosa, MG. 94 p. SAS Institute, Inc SAS User s guide: version th edition. Vazzoler A. E. A Biologia da reprodução de peixes teleósteos: Teoria e prática. Maringá: Nupélia, 169 p. 369

Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4, Arcângelo Augusto Signor 5, Fabio Bitencourt 6

Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4, Arcângelo Augusto Signor 5, Fabio Bitencourt 6 Rendimento corporal do jundiá (Rhamdia quelen), cultivados em tanques-rede no reservatório de Itaipu, alimentados com rações contendo diferentes níveis de proteína bruta Adilson Reidel 1, Elizabeth Romagosa

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

Frequency of feeding for fry piaparas Leporinus elongatus

Frequency of feeding for fry piaparas Leporinus elongatus 186 Freqüência de arraçoamento para alevinos de piaparas Leporinus elongatus Micheli Zaminhan 1, Elenice Souza dos Reis², Jakeline Marcela Azambuja de Freitas 2, Aldi Feiden 3, Wilson Rogério Boscolo 4,

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

Reprodução induzida de curimbatá (Prochilodus affinis) com uso de extrato bruto hipofisário de rã touro (Rana catesbeiana)

Reprodução induzida de curimbatá (Prochilodus affinis) com uso de extrato bruto hipofisário de rã touro (Rana catesbeiana) Zootecnia Trop., 25(2): 143-147. 2007 Nota Técnica Reprodução induzida de curimbatá (Prochilodus affinis) com uso de extrato bruto hipofisário de rã touro (Rana catesbeiana) Rodrigo Diana Navarro, Alessandro

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária CÂMPUS DE JABOTIBAL RELATÓRIO TÉCNICO I IDENTIFIÇÃO DO PROJETO A Título: Avaliação do desempenho de suínos suplementados com DBI Probiótico, fabricado por IMEVE Indústria de Medicamentos Veterinários Ltda,

Leia mais

Artigo Número 66 EFICIÊNCIA DO HORMÔNIO MASCULINO (17-α-METILTESTOSTERONA) NA INVERSÃO SEXUAL DE GIRINOS DE RÃ-TOURO (Rana Catesbeiana Shaw 1802).

Artigo Número 66 EFICIÊNCIA DO HORMÔNIO MASCULINO (17-α-METILTESTOSTERONA) NA INVERSÃO SEXUAL DE GIRINOS DE RÃ-TOURO (Rana Catesbeiana Shaw 1802). Artigo Número 66 EFICIÊNCIA DO HORMÔNIO MASCULINO (17-α-METILTESTOSTERONA) NA INVERSÃO SEXUAL DE GIRINOS DE RÃ-TOURO (Rana Catesbeiana Shaw 1802). EFFICIENCY OF THE MASCULINE HORMONE (17 -METILTESTOSTERONA)

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

Técnicas de manipulação cromossomica

Técnicas de manipulação cromossomica Técnicas de manipulação cromossomica Introdução Genética Contribuição Aquacultura Moderna Utilização de técnicas usadas em biotecnologia e engenharia genética Facilmente aplicadas nos peixes: Geralmente,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON

PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON Resumo Bruna Nayara Jorge Viola () Josiene Rocha Teixeira () Rodrigo Vezzani Franzé

Leia mais

Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146. v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 INCLUSÃO DE VIT. C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS

Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146. v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 INCLUSÃO DE VIT. C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS Revista Eletrônica Nutritime, Artigo 146 v. 8, n 05 p.1612-1618 Setembro/Outubro 2011 1612 Artigo Número 146 INCLUSÃO DE VITAMINA C EM RAÇÃO COMERCIAL PARA PÓS-LARVAS (Oreochromis niloticus) NA FASE DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013 INFLUÊNCIA DAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM NA QUALIDADE DA ÁGUA E NO DESEMPENHO PRODUTIVO DE ALEVINOS DE TILÁPIA (Oreochromis niloticus) CULTIVADOS EM TANQUES-REDE Josevaldo Alves dos Santos 1, Delka de Oliveira

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

[T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus. [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus

[T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus. [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Crescimento de quatro linhagens de tilápia Oreochromis niloticus [I] Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus [A]

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 PINTO*, G. S. 2 ; VARGAS JR., F. M. 3 ; MARTINS, C. F. 4 ; OLIVEIRA, M. V. M. 5 ; SANTIAGO FILHO A. 6 ; NOGUEIRA, L. M. L.

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen)

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen) DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen) Marcelo Augusto Moreira JUBINI 1 (Bolsista interno IFC-Campus Rio do sul); Marlon Guilherme Von PARASKI 2 (IFC/Rio do

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br Orientações para Arraçoamento (Ração) O consumo

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Eduardo Gianini Abimorad Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA abimorad@apta.sp.gov.br

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

O uso de novas tecnologias na produção sustentável de peixes

O uso de novas tecnologias na produção sustentável de peixes O uso de novas tecnologias na produção sustentável de peixes Prof. Dr. Rogério Salvador Universidade Estadual do Norte do Paraná Campus Luiz Meneghel Bandeirantes / Paraná Laboratório de ImunoPatologia

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell).

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Oscar José Smiderle 1 ; Moises Mourão Jr 1 ; Francisco Joaci de Freitas Luz 1. 1 Pesquisador Embrapa Roraima CP 133 CEP 691-97 Boa Vista

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO Francisco Rodrigues Leal 1 ; Jopson Carlos Borges de Moraes 2. 1 Universidade Federal do

Leia mais

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale

Palavras-chave: carpa comum; Cyprinus carpio; engorda; triticale REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet -http://revista.veterinaria.org Vol., Nº 07, Julio/200 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n07070.html Efeito da substituição

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus ambuí Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano Filipe Soares Nogueira¹; Jorge Estevão Machado Corrêa²; Ricardo Monteiro Corrêa³.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE Semana de Sustentabilidade 16 a 19 de setembro de 2014 CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE UMA ALTERNATIVA DE RENDA E DE INSERÇÃO SOCIAL, PARA PRODUTORES RURAIS DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UHE BARRA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

Anexo 1 Lista das instituições nacionais e internacionais, públicas e privadas.

Anexo 1 Lista das instituições nacionais e internacionais, públicas e privadas. Anexo 1 Lista das instituições nacionais e internacionais, públicas e privadas. INSTITUIÇÕES PÚBLICAS NACIONAIS REGIÃO NORTE Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 03/2014- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições regimentais e em conformidade

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO C. A. Soares 1 ; A. F. Rocha Júnior 2 ; N. S. da Silva 2 ; E. R. Gomes 3 ; F. E. P. Mousinho 4

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*)

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) Bruno Gonçalves dos Santos (UFG / bgssantos@yahoo.com.br), Vladia Correchel (UFG), Patrícia

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU)

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JULHO DE 2005 ISSN 1679-7353 ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM

Leia mais

Aquaponia: IFPB Campus Sousa

Aquaponia: IFPB Campus Sousa Aquaponia: IFPB Campus Sousa O longo período de estiagem ocasionou a falta de água para produção de peixes no setor de Piscicultura do Campus Sousa. Diante desse desafio buscou-se uma forma de se produzir

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 BIOMETRIA DOS EQUÍDEOS DE TRAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PATOS/ PARAÍBA-BRASIL SILVIA SOUSA AQUINO¹, DAVIDIANNE DE ANDRADE MORAIS¹, MARCELO PAIVA¹, LAYZE CILMARA ALVES DA SILVA¹, WILLIANY MARILLAC DA NÓBREGA

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

As simpáticas focas da Antártida

As simpáticas focas da Antártida SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 06 / 05 / 203 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 8.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE F. N. Cunha 1 ; N. F. da Silva 1 ; A. C. Ferreira 1 ; R. C. de Oliveira 1 ; M. B. Teixeira 2 ; F. A. L. Soares 2 RESUMO: O

Leia mais

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação.

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Saint Clair Lira Santos 1 ; José Francismar de Medeiros 1 ; Maria Zuleide de Negreiros 1 ; Maria José Tôrres

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS 1 AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS R. C. ARGÔLO (1), Q. R. ARAUJO (2), G. A. SODRÉ (2), I. JUCKSCH (3), A. M. S. S. MOREAU (4),

Leia mais

Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente

Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Israel Marques da SILVA 3 ; Felipe Evangelista PIMENTEL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA Graduanda em Zootecnia: Adriane A. Iwamoto Botucatu, Setembro

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS N. F. de Azevedo 1 ; D. L. Barros 1 ; E. F. Coelho 2 ; T. P. de Andrade 3 ; T. M. de Andrade Neto

Leia mais

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola.

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Marie Yamamoto Reghin; Rosana Fernandes Otto; Carlos Felipe Stülp Jacoby; Jean Ricardo Olinik; Rafael Pagano

Leia mais

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4 EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE CAMA DE FRANGO POR DOIS ANOS CONSECUTIVOS NA CONDIÇAO QUÍMICA DO SOLO E OBTENÇÃO DE MATÉRIA SECA EM Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Portugal, A. F.²*; Ribeiro,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA Wellington Geraldo Oliveira Carvalho Júnior 1* ; Marco Túlio Pinheiro de Melo 1 ; Ernane

Leia mais

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa,

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE J. P. B. M. COSTA, 1, R. L. SILVA 1, R. A. A. GUEDES 1, F. M. S. BEZERRA 1, R. C. CUNHA, M. W. L. SOUZA 1, F. A. OLIVEIRA

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais