ÁREA TEMÁTICA GESTÃO DE PESSOAS A GESTÃO DE TALENTOS EM PEQUENAS EMPRESAS UM ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA TEMÁTICA GESTÃO DE PESSOAS A GESTÃO DE TALENTOS EM PEQUENAS EMPRESAS UM ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS"

Transcrição

1 1 ÁREA TEMÁTICA GESTÃO DE PESSOAS A GESTÃO DE TALENTOS EM PEQUENAS EMPRESAS UM ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS AUTORES MARCO ANTONIO COSTA DA SILVA FIRB - Faculdades Integradas Rui Barbosa CLAUDIA REGINA FRUCHI Faculdade de Ciências Gerenciais TELMA ROMILDA DUARTE VAZ Faculdades Integradas Rui Barbosa MARCELO ALVES CARRERA Faculdades de Ciências Gerenciais de Dracena ADRIANA MIOLA Faculdades de Ciências Gerencias de Dracena Resumo A sobrevivência e o crescimento das pequenas empresas nunca estiveram tão associados aos conceitos de grandes empresas, como competitividade, tecnologia, qualidade, meio ambiente, competência gerencial, dentre outros. A globalização das relações econômicas tem permitido que as pequenas empresas atuem em mercados cada vez mais amplos, em nível regional e, em muitos casos, nacional e internacional. Atualmente, o gestor de pequena empresa, mais do que outras épocas, deve ter competência para gerenciar os negócios de forma a satisfazer um cliente cada vez mais exigente. Nesse contexto, uma questão importante é a forma como essas empresas se preocupam com a gestão de seus talentos. Esse artigo se propôs a descrever e analisar políticas de recursos humanos utilizadas pelas pequenas empresas visando à retenção de talentos. Os resultados da pesquisa, tanto teórica quanto prática, evidenciaram que existe um repertório de ações de recursos humanos que podem gerar bom resultados na gestão de talentos, quando aplicados a pequenos negócios. No entanto, os gestores precisam compreender melhor esse conceito e suas ferramentas. No caso das empresas investigadas observou-se a utilização de ações isoladas por parte de gestores, mas que não podem ser caracterizadas como uma estratégia para retenção de talentos.

2 2 Palavras-chave: Competitividade. Retenção de Talentos. Pequenas Empresas. Abstract The survival and the growth of the small companies had never been so associates to the concepts of great companies, as competitiveness, technology, quality, environment, managemental ability, amongst others. The globalization of the economic relations has allowed that the small companies act better in regional level and, in many cases, national and international levels. Currently, the manager of a small company, more than ever, must have ability to satisfy a high class customer. In this context, an important question is how these companies are worried about its talents (natural ability). This article intends to describe and to analyze the human resources used by small companies to hold its talents. The results of the theoretical and practical research had evidenced a lot of human resources actions that can generate good results in the management of talents, when applied to the small businesses. However, the managers need to better understand this concept and its tools. In that case it was observed some use of isolated actions on the part of managers, however it cannot be characterized as a strategy for retention of talentos.

3 3 Introdução A gestão das pequenas empresas normalmente é marcada por dificuldades que envolvem questões de falta de recursos de financeiros, tecnológicos, da concorrência com grandes empresas, da falta de mão de obra competente, tanto na operação, quanto no gerenciamento, dentre outros aspectos. Também é marcada pela capacidade que muitas empresas têm de reagir de forma criativa a toda a diversidade, buscando sempre formas de equilíbrio competitivo diante da supremacia dos recursos das grandes organizações. Uma questão importante que deve ser ressaltada é que, se por um lado existe unanimidade por parte de governos, empresários, sociedade e acadêmicos em relação a grande importância das pequenas empresas como geradores de emprego e renda no Brasil, por outro, ainda não se da à devida atenção à forma como essas empresas podem e devem ser gerenciadas. Essa questão é muito fácil de ser comprovada, por exemplo, pelo poucos textos que são publicados sobre o tema nos meios acadêmicos. Não obstante, aos esforços que tem sido feitos sobre a questão nos últimos anos, ainda se pública e se discute muito pouco sobre o assunto, isso quando comparado a material para gestão de empresas de médio e grande porte. Considerando indicadores importantes como produção, importância em termos de volume de recursos financeiros e mão de obra empregada, para ficarmos apenas em alguns, é possível constatar que a pequena empresa é fundamental para a economia do país. Atualmente, quando se fala em modelos ou estratégias de gestão como gestão do conhecimento, gestão por competências, aprendizagem organizacional programas de melhoria contínua, política de capacitação de recursos humanos e de gestão de talentos, dentre outros, é muito fácil encontrar material que nos remeta imediatamente a gestão de grandes empresas. Problema de Pesquisa e Objetivo Observa-se na gestão de pequenas empresas a utilização de modelos, métodos ou tecnologia de gestão aplicados a empresas de grande porte, sendo adaptadas as suas necessidades, o que não funciona adequadamente, ou ainda, o que é muito comum, a gestão pelo empirismo, desprovida de qualquer tipo de capacitação. Não se trata aqui de desprezar a experiência que tem importância fundamental no sucesso de muitas dessas empresas, mas sim, de valorizar a formação necessária para a gestão. Assim, é fundamental a realização de estudos sistemáticos que contribuam para conhecer melhor a dinâmica de funcionamento de pequenas empresas, isso para que para que se crie um corpo teórico/prático de Gestão Organizacional que de conta das demandas desse tipo de empresa, que possui inúmeras especificidades. Diante disto percebe-se uma preocupação da pequena empresa com a valorização da sua marca, atender os procedimentos corretos de produção e comercialização estipulados pela legislação vigente, melhor qualidade nos produtos e excelência no atendimento ao cliente. Porém, sabe-se que isto só é possível quando se alimenta uma relação competente com seus colaboradores internos. Nesse contexto, um tema que passou a fazer parte da discussão de gestores de pequenas empresas, como condição para melhorar e aumentar a competitividade é o gerenciamento de talentos. O gerenciamento de talentos é muito mais complexo para as pequenas empresas, uma vez que não existem recursos financeiros e, em um grande número de casos, o gestor nem tem conhecimento claro do conceito gestão de talentos. Nessa perspectiva, esse trabalho tem como problema de pesquisa investigar o seguinte questionamento: como pequenas empresas da cidade de Dracena, interior de São Paulo, que tem atuação local, regional e em outros estados, gerenciam os seus talentos? A partir desse

4 4 questionamento estabeleceu-se como objetivo desse artigo verificar a percepção que os gestores das empresas investigadas têm sobre o conceito de gestão de talentos, bem como, descrever e analisar as estratégias que são usadas em suas empresas para gerenciar seus talentos. Os resultados da pesquisa evidenciaram que existe uma discussão importante sendo realizada sobre práticas de recursos humanos que podem gerar bom resultados na retenção de talentos em pequenas empresas. Entretanto, os estudos de caso mostraram que o conceito de retenção de talentos ainda é desconhecido por parte da maioria dos gestores, não obstante a aplicação isolada de algumas ações que podem contribuir para a retenção de talentos em pequenas empresas. As Pequenas Empresas e suas Características organizacionais A definição de pequena empresa que a principio parece ser simples, na realidade evidência existência de inúmeras possibilidades. Um grande número de autores sugere que sua classificação seja realizada em função do número de empregados e, a maioria das entidades definidoras estabelece como micro empresas, aquela que tem até 10 empregados; pequena, até 100; média, até 500 e grande, mais de 500 empregados. Esta classificação poderia ser aceita, mas se mostra frágil em função de outras variáveis envolvidas, como a aplicação da mão-de-obra, o tipo de empreendimento a ser realizado e o faturamento. O que se constata na prática é que existe um grande número de tentativas para se conceituar as pequenas empresas, que consideram o número de funcionários e o critério de faturamento, mas nenhum deles satisfaz plenamente a necessidade de uma caracterização que considere as peculiaridades regionais, os ramos de negócios, o maior ou menor emprego de mãode-obra e o alcance dessas empresas. Para efeito desse artigo, são consideradas pequenas empresas aquelas que se enquadram na classificação oferecida pelo Sebrae, que separa as empresas por número de funcionários, sento até 49 empregados para o setor de comércio e 99 para a indústria e, pelo faturamento, de acordo com a Lei Federal n.º de 05/10/1999, estatuto das micro e pequenas empresas, com faturamento de até R$ 1.200,000. Conforme destaca Leone (1999) uma questão que dificulta o estudo das pequenas empresas são suas especificidades. A autora propõe que as pequenas empresas sejam estudadas a partir de suas especificidades, conforme quadro 1. Especificidades Organizacionais Decisionais Individuais Características - são mais centralizadas e com estrutura organizacional mais simples. Não existe uma estrutura hierárquica formal e a comunicação é direta entre os empregados. - tem menor controle sobre o ambiente externo e são mais dependentes dos recursos; - Pouca confiança por parte dos dirigentes em métodos e técnicas de administração, o que afeta o comportamento dos empregados; - pouca formalização dos processos de planejamento e controle das atividades; - estratégia intuitiva por parte dos dirigentes; lógica de reação e adaptação a problemas ao invés de antecipação; - sistema de informação externo simples já que o proprietário pode discutir os problemas diretamente com os clientes. - A experiência é base para a tomada de decisão, que é tomada por julgamento ou intuição, não existe procedimento formalizado; - Os sistemas de valores do proprietário influência diretamente na tomada de decisões; - O poder é centralizado e os dados necessários a tomada de decisão não estão disponíveis no momento em que são necessários; - Pouca diferença entre a pessoa física e a jurídica. Os objetivos pessoais e os objetivos organizacionais são misturados, criando uma dificuldade de se entender o que é

5 5 empresa e o que é pessoal. Questões pessoais afetam a empresa e vice versa; - A posição de um dirigente na pequena empresa é fonte de status; - A postura do dirigente é mais de assumir riscos do que de minimizar riscos; - Postura paternalista e às vezes egocêntrica com relação aos problemas dos empregados. Fonte: Leone (1999), adaptado Para Peters (2004) a pequena empresa apresenta um conjunto de características que são favoráveis. De acordo com o autor, as pequenas empresas, contrabalançando a eficiência da escalas de produção e alavancagem operacional das grandes empresas, tem maior tenacidade econômica, capacidade de reagir mais rapidamente aos problemas e demandas do negócio, um ambiente onde as relações pessoais favorecem a gestão do negócio e, ainda, o autor acredita que as pequenas empresas tem uma engenhosidade superior. Esse conjunto de especificidades, que apontam pontos fortes e pontos fracos das pequenas empresas nos leva a convicção de que é necessário pensar em instrumentos de gestão de talentos específico para as pequenas empresas. A seguir é apresentada uma discussão teórica sobre aspectos da gestão de talentos que pode ser utilizados nas pequenas empresas. Conceito e Estratégias para Gestão de Talentos em Pequenas Empresas Atualmente a retenção de talentos é tida como uma realidade e um grande desafio para as empresas. O sucesso organizacional depende cada vez mais da capacidade dos gestores criar e/ou implementar ferramentas de gestão que tragam condições favoráveis ao ambiente organizacional, tanto para satisfazer as necessidades, objetivos e expectativas dos empregados, quanto melhorar os resultados organizacionais. De acordo com Longenecker et al (2005), mesmo com a intensificação da utilização da tecnologia no ambiente nas pequenas empresas o papel das pessoas não deixa de ter importância, muito pelo contrário, ganha maior importância, por aumentar ainda mais a complexidade das relações e a necessidade de competências se desloca para um outro nível. É do capital humano que vem a percepção, as idéias e as melhorias que vão ser executadas por ele ou pelas máquinas. Se durante muito tempo a fidelidade e a dedicação de um funcionário a empresa eram baseadas na imposição e em promoções verticais, atualmente a gestão de talentos na empresa se da, muitas vezes, na forma de pequenas mudanças. Parece começar a existir um consenso de agregação de valor ao cliente final de uma empresa só pode ocorrer efetivamente se existir agregação de valor aos clientes internos de uma empresa. A gradual mudança do foco empresarial do cliente externo para o cliente interno tem sido resultado de uma série de mudanças sociais que têm afetado o modo como os a gestão de talentos é encarada nas pequenas empresas. A seguir são apresentadas algumas estratégias que podem significar uma boa gestão de talentos nas pequenas empresas. O Gerenciamento da Qualidade de Vida no Trabalho como Estratégia de Gestão de Talentos Esta preocupação mais intrínseca das organizações em poder envolver o seu colaboradores com os objetivos estratégicos da empresa resulta de uma política voltada principalmente à Qualidade de Vida no Trabalho.

6 6 Segundo Chiavenato (2006) o conceito de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), envolve tanto os aspectos físicos e ambientais, como os aspectos psicológicos do local de trabalho. De acordo com autor os fatores podem ser descritos em nove categorias, são elas: 1) a satisfação com o trabalho executado; 2) as possibilidades de futuro na organização; 3) o reconhecimento pelos resultados alcançados; 4) o salário percebido; 5) os benefícios auferidos; 6) o relacionamento humano dentro do grupo e da organização; 7) o ambiente psicológico e físico de trabalho; 8) a liberdade e responsabilidade de tomar decisões. 9) as possibilidades de participar. Para Chiavenato (2006), mais que a satisfação dos funcionários num ambiente extremamente propício para realização das suas tarefas, a motivação, a adaptabilidade a mudanças no ambiente interno, a criatividade e a vontade de inovar ou aceitar mudanças, são conseqüências de uma política voltada para a produtividade individual ou grupal dentro de um contexto de comprometimento de ambas as partes: organização e funcionários. Através do constante monitoramento das metas e do desempenho de seus funcionários, as organizações buscam definir a quem conceder promoções e até mesmo incentivos como a participação de um Plano de Lucros e Resultados. No caso da pequena empresa, a gestão da QVT pode ser mostrar um processo bastante interessante e viável uma vez que muitos dos aspectos relacionados ao que os especialistas associam a uma boa gestão de qualidade de vida no trabalho estão diretamente ligados ao trabalho e ao ambiente, sem necessariamente, implicarem na necessidade de recursos financeiros. Algumas Especificidades da pequena empresa podem favorecer uma relação duradoura em termos de gestão de talentos. Isso se da na medida em que a empresa cuida bem da qualidade do trabalho que o colaborador tem que executar, das possibilidades de futuro na organização, pelo reconhecimento com os resultados alcançados não necessariamente se dá pelo salário, pode ocorrer também por benefícios que são oferecidos, pela qualidade do relacionamento humano na organização, pela ambiente psicológico e físico de trabalho, pela liberdade que se da para os empregados terem responsabilidade para tomar participar do processo decisório. Conforme se observa o conceito de gestão de qualidade de vida no trabalho pode ser muito bem utilizado em pequenas empresas, sem que isso implique em aumento de custos para empresa, podendo significar um estratégia fundamental de retenção de talentos. O Gerenciamento do Treinamento e Desenvolvimento como Estratégia de Gestão de Talentos O treinamento nas empresas tem sido desenvolvido segundo enfoques diferentes ao longo do tempo. Nas primeiras décadas do século, coincidindo com o período de hegemonia da Escola Clássica de Administração, assumiu a forma de preparar o funcionário para atingir o mais elevado nível de produtividade possível. Foi com o advento da Escola das Relações Humanas que

7 7 o treinamento nas empresas passou a abranger aspectos psicossociais do indivíduo, objetivando o treinamento para o relacionamento interpessoal e sua integração à organização. Segundo Boog (1994), o treinamento é uma função fundamental na gestão empresarial. Esse papel generalizadamente reconhecido deve-se à correlação entre competência e otimização de resultados, já observada nos primórdios do sistema de fábrica, e que coloca a competência profissional como elemento-chave de eficácia empresaria. O treinamento não se limita somente às questões de realizar cursos e de proporcionar informações, ele busca o desenvolvimento contínuo do indivíduo que trabalha nas organizações. Em tempos de mudança e inovação, na onda da Era da Informação ele precisa ser acrescido de novas habilidades e competências para garantir a sobrevivência e competitividade da organização para o futuro. Não basta repor. É preciso agregar valor contínuo (CHIAVENATO, 2005). O treinamento torna-se mais do que nunca um forte aliado das organizações para manter o grupo de funcionários capacitados com novas técnicas, novas tecnologias e conceitos, pois o mundo moderno modifica-se continuamente a uma velocidade muito grande, onde a informação é a essência da competitividade. Cabe ressaltar, contudo, que adoção de políticas de treinamento por parte de uma pequena empresa é sempre um questão gerencial complexa pela limitação de recursos financeiros para aplicação, uma vez que, é muito caro formar um bom colaborador. Outro aspecto importante é o fato de para muitos gestores existe sempre o conflito entre a necessidade de treinar, os investimentos necessários e possibilidade real de o colaborador deixar a empresa por um salário melhor, mesmo que não seja tão significativa a diferença (Araújo, 2006). Nesse caso, cabe ressaltar o fato de que, é uma decisão gerencial importante treinar os corpo funcional para dar respostas às demandas do mercado. O investimento em treinamento que valoriza muito a relação entre empresa e empregado. Contudo, não existe garantia nenhuma que o empregado permanecerá na empresas que investir em sua formação. Muitos autores esclarecem que um conjunto de ações devem ser implementadas, conforme deixa claro o conceito de QVT, para que a empresa tenha um plano de retenção de talentos. Gerenciando a Remuneração como Estratégica de Gestão de Talentos A área de administração de recursos humanos tem sofrido modificações importantes desde a revolução industrial. Sua atuação evoluiu de registro e controle de informações para provedor passivo de serviços como recrutamento e seleção, avaliação, treinamento, segurança, remuneração, dentre outros aspectos, para uma atuação, hoje, considerada estratégica para as organizações. Um dos aspectos fundamentais para essa atuação estratégica é a atração e retenção de talentos. Porém, atrair e reter talentos requer comprometimento não só do funcionário contratado, mas também do cumprimento das promessas feitas pela empresa no momento da contratação. Conforme explica Prazeres (2006), Rocca (2008) a obtenção de uma empregados mais comprometido ocorre quando a companhia estabelece as expectativas de forma clara e, em contrapartida, cumpre as promessas de recompensa e reconhecimento. Aiello (2008) afirma que os funcionários talentosos querem muito mais do que salários, bonificações, horas extras, carros da companhia, e outros benefícios. A competitividade entre as empresas no mercado de trabalho tem permitido aos grandes talentos escolher a proposta mais vantajosa e isto tem feito as empresas pensarem em idéias inovadoras para segurá-los. Cabe ressaltar, no entanto, que o salário não é o único responsável pela grande rotatividade que se observa em um grande número de pequenas empresas que não conseguem

8 8 reter seus talentos, uma série de outros fatores higiênicos e relacionados a própria natureza do trabalho concorrem muito para isso. Entretanto, uma alternativa interessante tem sido a remuneração variável. De acordo com Aiello (2008), esses modelos têm levado em consideração três dimensões: o desempenho individual, o da área e o da companhia como um todo. Trata-se de um modelo utilizado por grandes empresas. Essas empresas de pequeno porte têm oferecido aos seus talentos uma parte nos ganho da empresa. Ou seja, ela dá ao funcionário talentoso a oportunidade de se sentir como dono de uma parte da empresa e agir como tal para que ela ganhe ainda mais competitividade no mercado em que atua. Os pequenos empresários dispostos a colocar este tipo de remuneração variável em prática precisam estar preparados, pois não existem fórmulas para tal prática, porém é necessário muita cautela para estabelecer os critérios. De acordo Rocca (2008) para tornar um empregado dono a empresa definir quanto do capital os sócios estão dispostos a oferecer aos empregados. Com base nesse valor que se deve decidir o número de funcionários que terão o direito de comprá-lo lá na frente. Posteriormente, a empresa deve calcular o total de bônus que irá compor a remuneração variável e estipular quem fará parte do programa. Rocca (2008) explica que colocar gente demais pode ser um problema, pois o montante individual distribuído tem de ser alto o bastante para realmente motivar os contemplados. Conforme a empresa cresce, pode-se ampliar o sistema. Mas, no começo é melhor entregar bastante e poucos do que montinhos a pequenos a muitos. Por fim, é preciso estabelecer regras caso o funcionário deseje sair da empresa. Como estratégia de retenção de talentos Rocca (2008) e Aiello (2008) sugerem que as pequenas empresas cuidem de algumas questões, como: O pequeno empresário não pode esquecer de mostrar as perspectivas de crescimento que de fato ele proporcionara aos colaboradores. É preciso que haja um planejamento bem definido e transparente, onde todos saibam o que precisam fazer e como serão recompensados pelos resultados. Outro importante item é o ambiente de trabalho, que deve ser agradável e motivador. Se o pequeno empresário quer captar e manter uma boa equipe, ele precisa, antes de mais nada, preparar o ambiente para receber esses profissionais qualificados e manter uma postura constante de investimento no negócio. Outro item é a preocupação com a causa social. Estabelecer parcerias que gerem benefícios sociais está ao alcance de qualquer organização. Essa postura contribui para criar uma relação afetiva, de respeito e comprometimento, entre a empresa e seus colaboradores. Faz com que o trabalho extrapole o material e torne-se um ideal. Esse conjunto de ações encerra em si uma reciprocidade entre empresa e colaborador contribuindo para a retenção do talento A Utilização de Estratégias para Gestão de Talentos - Um estudo de Múltiplos Casos em Pequenas Empresas A seguir são apresentados os resultados de quatro estudos de caso realizados para esse artigo em pequenas empresas da região de Dracena, interior do Estado de São Paulo. Antes são apresentados os procedimentos metodológicos utilizados. Esta pesquisa é caráter exploratório, com realização de estudos de casos. A pesquisa exploratória tem como objetivo a familiarização e descobrimento de novas idéias, esse tipo de pesquisa é mais recomendável quando há pouco conhecimento sobre o problema a ser estudado. A técnica deste estudo não é a

9 9 elaboração de hipóteses a serem testadas ao trabalho, mas sim buscar informações sobre determinado assunto (VERGARA, 1998).. As empresas pesquisadas foram escolhidas por se enquadrarem no conceito de pequena empresa apresentado no referencial teórico desse estudo e, por terem importância reconhecida na cidade de Dracena e na e região, algumas com atuação em outros estados. Segundo Yin (1990), o estudo de caso é uma pesquisa empírica que investiga fenômeno contemporâneo dentro do seu contexto de vida real, quando as fronteiras entre fenômeno e contexto não são claramente evidentes em que são usadas múltiplas fontes de evidências (YIN, 1990, p. 23). O estudo de caso foi considerado o método mais adequado para análise deste objeto de estudo, na medida em que forneceu as respostas de o que é e por que, que eram objetivos dessa pesquisa. Para descrição e análise dos dados coletado, optou-se nesse artigo, por utilizar nomes fictícios. Desta forma, foram estudadas quatro empresas que são chamadas aqui de Empresa A, Empresa B, Empresa C e Empresa D. Os dados foram coletados com gestores das quatro empresas. Como instrumento para coleta de dados foi utilizado um roteiro de entrevista com questões básicas dividido em três blocos. No primeiro os entrevistados responderam questões que permitiram elaborar o perfil demográfico das empresas pesquisadas. No segundo bloco, os gestores responderam sobre o conhecimento do conceito de gestão de talentos e as estratégias utilizadas em suas empresas. Por fim, no terceiro bloco, os gestores foram perguntados sobre o interesse e a dificuldade se utilizar estratégias de gestão de talentos nas empresas. Para análise dos dados foi utilizado a forma qualitativa de análise e categorização dos dados, através das entrevistas realizada com os gestores das pequenas empresas. 4.1 Caracterização das Empresas Pesquisadas Para melhor compreensão da gestão de talento nas empresas pesquisadas, no quadro 2 são apresentadas as principais características das empresas e dos gestores que fazem parte do estudo. Quadro 2 Caracterização da Empresa e dos Gestores VARIÁVEIS DEMOGRÁFICAS EEMPRESA Tipo de Empresa n.º Funcionários Idade dos Gestores Formação Acadêmica Atualização profissional A Comércio de móveis e eletrodoméstic os Direito Nenhum curso nos últimos 12 meses B Indústria de ferragens Ciências Contábeis Nenhum curso nos últimos 12 meses

10 10 C D Indústria extratora e exportadora de polpa de frutas Empresa atacadista de secos e molhados Segundo Grau Administração Nenhum curso nos últimos 12 meses Curso CIPA e Desenvolviment o de liderança Verificou-se no quadro 2 que as empresas são de ramos diferentes de atividade. As empresas pesquisadas atuam em mercados locais, regionais, nacionais e para o mercado externo. As empresas pesquisadas são de pequeno porte e possuem na média 65 funcionários. Observouse que os gestores possuem idade média de 43 anos. Quanto à formação acadêmica, percebe-se que nas empresas A, B e C os gestores responsáveis possuem diferentes formações acadêmicas, sendo que o gestor da empresa D é a único que possui formação em curso de gestão voltado para a administração de empresas. Os dados demonstram ainda quanto à atualização profissional, que somente o gestor da empresa D passou por reciclagem profissional nos últimos 12 meses. Quadro 2 Características da Gestão de Talentos nas Empresas VARIÁVEIS EMPRESA Facilidade para encontrar Talentos Conhecimento sobre o Conceito de Gestão de Talentos Estratégias de Gestão de Talentos Utilizadas pela Empresa Objetivo das Estratégias A Falta de mão-deobra especializada A empresa conhece o assunto Não há nenhuma política de diferenciação na empresa devido a mesma ser de pequeno porte A empresa não dispõe de estratégias B C Falta de mão-deobra especializada e interesse por parte dos funcionários Falta de profissionais qualificados na região A empresa conhece o assunto A empresa conhece o assunto A empresa utiliza-se de palestras, trabalho em equipe, motivação de pessoas, comunicação aberta e cursos de liderança Realização de palestras, motivação no ambiente de trabalho, participação no processo decisório e criação de carreira (em discussão. Objetivo foco é não perder os talentos que a empresa investiu na sua formação profissional e pessoal O objetivo é reter na empresa os grandes talentos

11 11 D Falta de profissionais qualificados e cursos voltados para população de baixa renda A empresa conhece o assunto A empresa utiliza-se de políticas de diferenciação somente para conceder benefícios para alguns cargos Fazer com que o funcionário se sinta reconhecido pela empresa e que tenha realização profissional e qualidade de vida Considerando as informações do quadro 3, foi possível constatar que existe a percepção por parte dos gestores de que falta mão-de-obra competente no mercado de trabalho local, bem como, falta interesse da classe trabalhadora em buscar atualização profissional. Outro ponto importante ressaltado pelas empresas pesquisadas, refere-se à falta de profissionais qualificados, principalmente na área de produção. Através da pesquisa ficou constatado que todos os pesquisados possuem conhecimento sobre o conceito de gerenciamento de talentos. Todos afirmaram se tratar de uma questão importante para o sucesso de pequenas empresas. No entanto, constatou-se que não existe por parte desses gestores, um planejamento para utilizar de forma estruturada um conjunto de práticas que levem a gestão efetiva dos talentos. O que se observou nas quatro empresas pesquisadas é que elas utilizam de forma isolada algumas ações. Não se trata aqui de diminuir essas ações, muito pelo contrário, são fundamentais e importantes. Contudo observou-se que a Empresa A não realiza nenhuma ação que signifique diferenciar seus empregados. A explicação que foi oferecida é justamente o fato de ser pequena. Quadro 4 Possibilidade de Estruturar a Gestão de Talentos na Empresa VARIÁVEIS EMPRESA Interesse em saber mais sobre Gestão de Talentos Estratégias que pretende Utilizar para Gerenciar Talentos Dificuldades para Implementar as Estratégias A A empresa tem interesse em conhecer um pouco mais sobre este assunto Investir na capacitação dos profissionais Falta de conhecimento sobre o assunto, dúvidas sobre os custos e a falta de recursos financeiros B A empresa tem interesse em conhecer um pouco mais sobre este assunto Plano de Carreira e a valorização do ambiente familiar Condições físicas inadequadas e econômicas C A empresa tem interesse em conhecer um pouco mais sobre este assunto Promover a participação dos funcionários com a comunidade Condições econômicas e financeiras

12 12 D Conhece o assunto, porém deseja ter maiores informações para o aprimoramento desta ferramenta Educação continuada, apresentação dos resultados dos trabalhos dos funcionários Não há impedimento, pois a empresa já está realizando estas estratégias. Analisando o quadro 4, considerando ainda que os gestores afirmaram ter conhecimento sobre gestão de talentos, observou-se que todas as empresas pesquisadas conhecem o assunto de forma limitada, e que a busca pelo conhecimento nesta área é um diferencial importante na gestão estratégica empresarial. Existe uma gama de opções em se tratando de estratégias voltadas para a gestão de talento, porém nas empresas pesquisadas, observou-se que a empresa A entende que somente investir na capacitação profissional resolverá o problema do gerenciamento de talentos, o que não prática não é verdade, ou seja, através das respostas apresentadas, a empresa pouco faz para o gerenciamento de talentos. Na empresa B, existe uma preocupação muito forte na gestão social, principalmente voltada para a questão familiar o que também é consenso na empresa C. Na empresa D, existe uma idéia mais próxima da realidade na gestão de talentos, ou seja, através de uma ferramenta avaliativa (Gerenciamento de Desempenho) que auxilia a empresa nas tomadas de decisões, bem como na educação continuada, pois ela atualmente se destaca no diferencial competitivo das empresas e dos profissionais que buscam atualizar-se continuamente. Os dados do quadro 4 evidenciam ainda que os gestores entrevistados tem muito interesse em ampliar o conhecimento sobre a gestão de talentos, mas a questão do conhecimento e limitações financeiras aparecem como problemas mais comuns para que muitas ações não possam ser implementadas. Em se tratando de estratégias que pode ser utilizadas para gerenciamento de talentos, não existe um consenso entre a teoria e a prática. No entanto, observa-se que as empresas afirmam que conhecem o assunto e o coloca em prática, porém na análise da pesquisa, observouse que na realidade o que eles consideram como estratégia refere-se a ações isoladas de gestão de pessoas, mas que estão longe de se caracterizarem como conceito estruturado de gestão de talentos. A análise dos casos demonstrou que a questão principal apontada pelos gestores para não utilização de práticas de gestão de talentos está associada a falta de recursos financeiros e a desconhecimento do conceito. O que se pode inferir é que ainda não existe, da forma como encontramos nas grandes empresas, uma formação adequada para o gerenciamento de pessoas nas pequenas empresas. As limitações financeiras são de fato um restritivo importante para investimento em políticas mais agressivas, principalmente relacionadas a oferecimento de benefícios. Contudo, na perspectiva de gestão de talentos apresentada no referencial teórico desse artigo, algumas outras possibilidades podem ser utilizadas que não implicam necessariamente na utilização de um volume recurso muito alto. É importante destacar também que as ações que são realizadas por essas empresas investigadas se constituem uma ação que aliada a outras pode gerar uma sinergia importante para as pessoas e para os resultados organizacionais. Por exemplo, na questão do treinamento e da remuneração. O treinamento sempre foi um fator importante para estreitamento e fortalecimento das relações entre empresa e empregado. Se utilizado junto com uma política adequada de remuneração, nos moldes do modelo de remuneração variável, pode gerar resultados importantes,

13 13 uma vez que, uma característica do modelo é ser auto-sustentável, ou seja, a empresa investe na formação e desenvolvimento do colaborador, que também investe na sua formação, passando a entregar resultados mais significativos a empresa que passa a ter melhores resultados financeiros, podendo em contrapartida, oferecer uma remuneração muito maior que está atrelada aos seus resultados. Sobre a questão sempre levantada pelos gestores de pequena empresa, inclusive nos casos desse artigo, de que é um risco muito grande investir na formação de um empregado, já que as chances dele abandonar a empresa é muito grande, cabe reforçar que de fato não existe nenhuma garantia de que empregado permanecerá na empresa que investir em sua formação, entretanto, vale ressaltar também que a gestão de talentos, a manutenção de um empregado que faz diferença, não deve estar assentada em uma única ação. Conforme discutimos anteriormente, os autores são unânimes em afirmar que um conjunto de ações devem ser implementadas, conforme deixa claro o conceito de QVT, para que a empresa tenha um plano de retenção de talentos. Considerações Finais O objetivo desse artigo de descrever e analisar as práticas de gestão de talentos utilizadas por gestores de pequenas empresas da cidade de Dracena/SP. Refletir sobre os aspectos que envolvem o conceito, a estrutura, as características e o modelo de gestão das empresas de grade porte, tem sido um importante exercício da academia, especialista, consultores, empresários e governo. No entanto, não obstante aos avanços na discussão, na preocupação, na publicação de textos, na geração de soluções em um grande número de setores da sociedade. A realização desse artigo demonstrou que ainda existe uma carência muito de material que permita entender e conceituar empresas de pequeno porte. O que ser observa é que se encontra muitos estudos que auxiliem os gestores na sua caminhada. A discussão teórica demonstrou que nas pequenas empresas, a gestão normalmente é responsabilidade dos proprietários, tendo suas atividades sendo realizadas com baixa intensidade de capital e com alta intensidade de mão-de-obra, em muitos casos, com o próprio proprietário realizando todas as etapas do processo. Constatou-se também que a pequena empresa tem especificidades, que de um lado conferem grandes dificuldades para sua competitividade, mas também, possui características que a favorecem. Pode-se afirmar que as pequenas empresas, dada a sua importância na economia, necessitam de mais atenção, tanto de governo, na questão da legislação, quanto de acadêmicos, empresários, pesquisadores e consultores na elaboração de um referencial teórico / prático que de conta das especificidades desse tipo de organização, considerando ainda, as características de cada setor e de sua cadeia produtiva. A discussão teórico possibilitou confirmar que existem estratégias relacionadas a gestão de pessoas que podem ser utilizadas nas pequenas empresas, notadamente, relacionadas a uma série de ações que podem melhorar a qualidade de vida da pessoas na sua relação com o trabalho, e também, práticas de gerenciamento de treinamento e desenvolvimento e da utilização da remuneração variável como uma alternativa importante a falta de carreira vertical, característica das pequenas empresas. Os estudos de casos evidenciaram que existem práticas relacionadas à gestão de talentos que estão sendo realizadas pelas empresas de pequeno porte. Entretanto, constatou-se

14 14 que, apenas uma das empresas tem uma noção mais estruturada em relação à utilização de um conjunto de ações e não apenas uma ou outra ação isolada para reter talentos. Conforme se observou nos quatro estudos de casos, as empresas investem em programas que acreditam estar diretamente relacionados a melhoria da qualidade de vida no trabalho, nas relações familiares, em políticas de remuneração que estimulem a contribuição mais efetiva dos empregados e sua motivação. Contudo, como os gestores de pequenas empresas são em sua maioria, conforme discutido na literatura, práticos que se utilizam na maior parte do tempo de suas experiências (e a experiência é, sem duvida, fundamental), seria interessante que houvesse um investimento maior na aquisição de competências dos tomadores de decisão, no sentido de dominar os conceitos de gestão de talentos, compreendendo seus objetivos e seu ferramental, e os resultados que podem vir da sua aplicação, por intermédio de um planejamento mais sistemático. Referências Bibliográficas AIELLO, Thais. Estratégia e Remuneração. Revista Você S/A. Editora Abril. Ed 118, abril de Comércio exterior informe BB. BB investe cada vez mais nas MPE. Brasília: edição 70, ano 15, p.19, julho/agosto BOOG, Gustavo G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento ABTD: São Paulo: MAKRON Books, 1994, p.15-31, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, LEONE, N. M. de C. P. G. As especificidades das pequenas e médias empresas. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 2, p , abri/junho, LONGENECKER, J. G., Carlos W. Moore., PETTY, J. W., FILHO, N. M. A. Administração de Pequenas Empresas, Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Investir no funcionário vale a pena?. São Paulo, edição 224, p.83-86, setembro/2007. PETERS, T. (2004), Características Econômicas das Micro e Pequena Empresas Industriais. Disponível em: Acesso em: 24 jun PRAZERES, Idélio Tadeu Cury. Como Administrar Pequenas Empresas. Centro de Produções Técnicas, ROCCA, Marilia. Entregue uma Fatia do Bolo. Revista Exame PME. Ed. 11 Dezembro 2007 a TERENCE, A. C. F., ESCRIVÃO, E. As Particularidades das Pequenas Empresas no

15 15 Planejamento Estratégico: A Elaboração de um Roteiro Prático. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas - EGEPE p VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, YIN, R. Case study research: design and methods. London, Sage publications, 1990.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar?

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Angélica Adriani Nunes de Moraes 1 Denise Aparecida Ferreira Patrícia Karla Barbosa Pereira Maria Eliza Zandarim 2 Palavras-chave: Empresa, motivação, equipe. Resumo

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

TREINAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NOS CORREIOS

TREINAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NOS CORREIOS TREINAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NOS CORREIOS Marcelo Alves Carrera 1 Marco Antonio Costa da Silva, MSC. 2 Resumo: A cada dia a competitividade cresce no atual mercado globalizado. Assim,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais