ALEXANDRA IVANILDA JACINTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALEXANDRA IVANILDA JACINTO"

Transcrição

1 ALEXANDRA IVANILDA JACINTO ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA A AGÊNCIA MUNDIAL DE TURISMO, ITAJAÍ - SANTA CATARINA, VISANDO CONQUISTAR NOVOS CLIENTES E ATENDER AS EXPECTATIVAS DOS ATUAIS Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

2 ALEXANDRA IVANILDA JACINTO ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA A AGÊNCIA MUNDIAL DE TURISMO, ITAJAÍ - SANTA CATARINA, VISANDO CONQUISTAR NOVOS CLIENTES E ATENDER AS EXPECTATIVAS DOS ATUAIS Monografia apresentada ao Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior como um dos pré-requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Turismo. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

3 ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA A AGÊNCIA MUNDIAL DE TURISMO, ITAJAÍ - SANTA CATARINA, VISANDO CONQUISTAR NOVOS CLIENTES E ATENDER AS EXPECTATIVAS DOS ATUAIS Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Turismo do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES Itajaí, 08 de dezembro de 2008 Prof. Wilson Reginatto Jr. Coordenador de estágios Banca Examinadora Profª. Vivian Mengarda Floriani Prof. Wilson Reginatto Junior Profª. Márcia Elisa Haeser Aurino José da Silva Junior

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiária Alexandra Ivanilda Jacinto Coordenador de estágio Prof. Wilson Reginatto Junior Orientadora de Conteúdo Profª. Vivian Mengarda Floriani Orientador de Metodologia Prof. Marcello Soares Supervisor de Campo Aurino José da Silva Junior

5 DEDICATÓRIA Dedico aos meus pais por tudo que me ensinaram, pelo incentivo em todos os momentos da minha vida, e pelo amor incondicional.

6 AGRADECIMENTOS A Deus por tudo que proporciona na minha vida. Aos meus pais, irmãos e amigos por estarem sempre ao meu lado me apoiando. Ao meu namorado, pela paciência e compreensão. Ao Sr. Reinaldo pelo apoio e atenção comigo e com toda a turma de turismo. À minha orientadora Vivian Mengarda Floriani, pelo estímulo e dedicação que me concedeu durante todo esse período. Aos professores que participaram dessa caminhada. A todos que de certa forma contribuíram para a realização desse sonho. Muito obrigada!

7 RESUMO O turismo é uma atividade de socialização que busca por meio de viagens, seja de negócios ou lazer, integrar o indivíduo ao meio, gerando benefícios sociais, econômicos e culturais. As agências de viagens têm a função de orientar as pessoas na escolha de seus itinerários, comercializando o produto turístico e dando suporte necessário ao cliente em suas viagens. O marketing turístico constitui-se, dentre outros aspectos, em um planejamento feito para alcançar as metas da empresa, sendo as estratégias de marketing essenciais para direcionar a empresa nesse processo. O objetivo geral desse estudo foi propor estratégias de marketing para a Agência Mundial de Turismo, localizada no município de Itajaí SC, visando conquistar novos clientes e atender as expectativas dos atuais. Os objetivos específicos consistiram em coletar e analisar a opinião dos clientes corporativos e físicos da agência, identificando suas expectativas e impressões sobre a atuação da empresa; coletar e diagnosticar os pontos fortes e fracos da Agência Mundial de Turismo e definir objetivos e metas para a empresa. A modalidade de pesquisa utilizada foi a qualitativa e as informações foram coletadas na Agência Mundial, mediante aplicação de questionários com clientes pessoas físicas e clientes corporativos. Os resultados apontaram que os clientes, de modo geral, estão satisfeitos com os serviços prestados pela agência, porém, sugerem algumas melhorias, para que suas expectativas sejam atendidas plenamente. Conclui-se que, adotando as estratégias sugeridas, a empresa terá possibilidade de aperfeiçoar seus serviços, aumentando sua lucratividade, atraindo novos clientes e atendendo as expectativas dos atuais. Palavras-chave: Turismo. Agência de Viagem. Marketing. Planejamento. Estratégias.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Os 4Ps do mix de marketing para o turismo Figura 2 Visão estratégica Figura 3 Canais de distribuição dos produtos turísticos Figura 4 Organograma da empresa Figura 5 Descrição das etapas de investigação Figura 6 Gênero (PF) Figura 7 Faixa etária (PF) Figura 8 Escolaridade (PF) Figura 9 Tempo de utilização dos serviços (PF) Figura 10 Motivos de escolha pela Agência Mundial (PF) Figura 11 Avaliação do atendimento (PF) Figura 12 Avaliação da estrutura física (PF) Figura 13 Avaliação dos preços (PF) Figura 14 Avaliação do prazo para pagamento (PF) Figura 15 Avaliação da rapidez no atendimento (PF) Figura 16 Melhorias sugeridas (PF) Figura 17 Indicação dos serviços (PF) Figura 18 Expectativas dos clientes (PF) Figura 19 Gênero (CC) Figura 20 Faixa etária (CC) Figura 21 Escolaridade (CC) Figura 22 Tempo de serviço (CC) Figura 23 Cargo (CC) Figura 24 Tempo de utilização dos serviços (CC) Figura 25 Motivos de escolha pela Agência Mundial (CC) Figura 26 Avaliação do atendimento (CC) Figura 27 Avaliação da estrutura física (CC) Figura 28 Avaliação dos preços (CC) Figura 29 Avaliação do prazo para pagamento (CC) Figura 30 Avaliação da rapidez no atendimento (CC) Figura 31 Melhorias sugeridas (CC) Figura 32 Necessidade de visita (CC) Figura 33 Indicação dos serviços (CC) Figura 34 Expectativas (CC)... 98

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Tipologias do turismo Quadro 2 Tipologias de turismo quanto à prestação de serviços Quadro 3 Segmentação da demanda turística Quadro 4 Componentes do produto turístico Quadro 5 Principais contribuições de Thomas Cook para o turismo Quadro 6 Classificação das agências de viagem Quadro 7 Mudanças comportamentais do agente de viagem Quadro 8 Funções essenciais na agência de viagem Quadro 9 Desafios de marketing para o turismo Quadro 10 Modelo de planejamento de marketing Quadro 11 5 fases para obtenção de um bom planejamento de marketing Quadro 12 Análise SWOT Quadro 13 Quadro de recursos humanos da empresa Quadro 14 Serviços prestados pela Agência Mundial de Turismo Ltda Quadro 15 Pontos fortes e fracos da Agência Mundial Quadro 16 Estratégias de marketing para Agência Mundial de Turismo

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Gênero (PF) Tabela 2 Faixa etária (PF) Tabela 3 Escolaridade (PF) Tabela 4 Profissão (PF) Tabela 5 Tempo de utilização do serviço (PF) Tabela 6 Motivos de escolha pela Agência Mundial (PF) Tabela 7 Justificativas pela escolha da Agência Mundial (PF) Tabela 8 Avaliação do atendimento (PF) Tabela 9 Comentários sobre o atendimento (PF) Tabela 10 Avaliação da estrutura física (PF) Tabela 11 Comentários sobre a estrutura física (PF) Tabela 12 Avaliação dos preços (PF) Tabela 13 Comentários sobre os preços praticados na agência (PF) Tabela 14 Avaliação do prazo para pagamento (PF) Tabela 15 Comentários sobre o prazo para pagamento (PF) Tabela 16 Avaliação da rapidez no atendimento (PF) Tabela 17 Comentários sobre a rapidez no atendimento (PF) Tabela 18 Melhorias sugeridas (PF) Tabela 19 Indicação dos serviços (PF) Tabela 20 Comentários sobre a indicação dos serviços (PF) Tabela 21 Expectativas dos clientes (PF) Tabela 22 Comentários sobre as expectativas dos clientes (PF) Tabela 23 Gênero (CC) Tabela 24 Faixa etária (CC) Tabela 25 Escolaridade (CC) Tabela 26 Tempo de serviço (CC) Tabela 27 Cargo (CC) Tabela 28 Tempo de utilização dos serviços (CC) Tabela 29 Motivos de escolha pela Agência Mundial (CC) Tabela 30 Avaliação do atendimento (CC) Tabela 31 Comentários sobre o atendimento (CC) Tabela 32 Avaliação da estrutura física (CC) Tabela 33 Comentários sobre a estrutura física (CC) Tabela 34 Avaliação dos preços (CC) Tabela 35 Comentários sobre os preços praticados na agência (CC) Tabela 36 Avaliação do prazo para pagamento (CC) Tabela 37 Comentários sobre o prazo para pagamento (CC) Tabela 38 Avaliação da rapidez no atendimento (CC) Tabela 39 Comentários sobre a rapidez no atendimento (CC) Tabela 40 Melhorias sugeridas (CC) Tabela 41 Comentários sobre as melhorias sugeridas (CC) Tabela 42 Necessidade de visita (CC) Tabela 43 Opinião de alguns CC sobre a necessidade ou não de visita Tabela 44 Indicação dos serviços (CC) Tabela 45 Comentários sobre a indicação dos serviços (CC) Tabela 46 Expectativas (CC) Tabela 47 Comentários sobre as expectativas (CC)... 99

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA História do turismo Turismo e seus conceitos Tipologias do turismo Mercado turístico Demanda turística Oferta turística Agências de viagem História Conceitos Classificação das agências de viagem Agentes de viagem Funções Marketing turístico Conceitos Mix de marketing Marketing: planejamento e estratégias CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Evolução histórica da empresa Infra-estrutura física atual Equipamentos do departamento de vendas Equipamentos do setor financeiro Organograma Quadro de recursos humanos Serviços prestados ao mercado turístico Missão e visão Segmento de mercado Principais concorrentes Relacionamento empresa x fornecedores Relacionamento empresa x cliente Relacionamento funcionários x gerência/direção; tecnologia da informação METODOLOGIA Modalidade de pesquisa Campo de observação Instrumentos de coleta de dados Critérios para análise de dados Descrição das etapas de investigação Coleta e análise da opinião dos clientes corporativos da agência, identificando suas expectativas e impressões sobre a atuação da empresa Diagnóstico dos pontos fortes e fracos da Agência Mundial de Turismo Definição de objetivos e metas para a empresa Proposta de estratégias de marketing para Agência Mundial de Turismo, localizada no município de Itajaí SC, visando conquistar novos clientes e

12 atender as expectativas dos atuais RESULTADOS Pesquisa de opinião com os clientes pessoas físicas Pesquisa de opinião com os clientes corporativos Diagnóstico dos pontos fortes e fracos da Agência Mundial de Turismo Definição dos objetivos e metas para a Agência Mundial de Turismo Proposta de estratégias de marketing para Agência Mundial de Turismo, localizada no município de Itajaí SC, visando conquistar novos clientes e atender as expectativas dos atuais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES...124

13 12 1 INTRODUÇÃO A atividade turística destaca-se como grande geradora de empregos e é considerada uma das principais atividades econômicas do mundo. No Brasil, o orçamento do Ministério do Turismo cresceu de 2007 para 2008 cerca de 50%, quando passou de R$1,8 bilhão para R$2,7 bilhões, que serão investidos em projetos de infra-estrutura, qualificação profissional e empresarial e ações de promoção no mercado doméstico e internacional, entre outros. Elevar a competitividade de destinos brasileiros é uma das ações do Ministério do Turismo para atrair mais turistas ao país. (FOLHA DO TURISMO BRASIL, 2008). Observa-se a importância do fenômeno turismo e a necessidade de explanar sobre esse assunto que passou a fazer parte da vida das pessoas, que buscam por meio de viagens descansar, conhecer novas culturas e se relacionarem. De acordo com Oscar de La Torre (1992) apud Ignarra (2003, p. 13): O turismo é um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de indivíduos ou grupos de pessoas que, fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem de seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural. Sendo assim, o turismo mostra-se como uma ferramenta importante para promover as inter-relações que envolvem todos os setores da sociedade, seja no âmbito social, econômico e cultural. Nesse cenário, destacam-se as agências de viagem. Estas, com o passar dos anos, se desenvolveram e tornaram-se as principais intermediárias na comercialização do produto turístico. As agências oferecem todos os serviços necessários para compor uma viagem, desde passagens, hospedagem até seguro de viagem, visando proporcionar comodidade e segurança para os clientes. Dessa forma, ressalta-se também a importância do agente de viagem na cordialidade e disposição ao fornecer informações necessárias ao passageiro. Observa-se que, para uma empresa do ramo turístico obter sucesso, é importante a criação de um planejamento utilizando ferramentas de marketing, as quais buscam estabelecer um direcionamento a ser seguido pela empresa visando assim uma otimização na relação entre a organização e seu consumidor final. A

14 13 partir disto, pode-se afirmar que o marketing turístico torna-se vital para as agências de viagens que querem se destacar e oferecer sempre o melhor aos seus clientes. Segundo Pride e Ferrell (1995) apud Organização Mundial do Turismo - OMT (2003, p. 112): O marketing engloba todas as atividades e processos utilizados para aproximar compradores e vendedores, incluindo criar, distribuir, promover, precificar e renovar idéias, com o objetivo de proporcionar relacionamentos de troca satisfatórios em um ambiente dinâmico. Tendo em vista a importância de um planejamento de marketing, serão sugeridas estratégias que possam auxiliar no desempenho da Agência Mundial de Turismo, melhorando sua competitividade junto ao mercado turístico, conquistando novos clientes e atendendo as expectativas dos atuais. Esse tema foi escolhido pela ausência de estratégias de marketing para desenvolver principalmente o setor de vendas e promoção da agência, o que proporcionaria para a mesma a captação de novos clientes e um crescimento ordenado, acompanhando as tendências do mercado. O objeto de estudo em questão está localizado em Santa Catarina, no município de Itajaí, entre a capital, Florianópolis e a cidade catarinense mais populosa, Joinville. Itajaí possui cerca de 160 mil habitantes, e o turismo na cidade é uma atividade que se apresenta como excelente oportunidade, pois, além das praias que se destacam por sua beleza natural, possui uma programação cultural ampla que envolve teatro, cinema, shows musicais, projetos de apoio à cultura, esporte e feiras de artesanato que valorizam as tradições da região, além do turismo de negócios. A Agência Mundial de Turismo é uma empresa com 40 anos no mercado, sendo a primeira agência nesse segmento em Itajaí e a segunda do Estado de Santa Catarina. Por esses motivos, pelo fácil acesso à informação e por trabalhar há dez anos na empresa, é que foi feita a escolha desta agência que é exemplo de confiança e honestidade na prestação de seus serviços. Dessa forma, acredita-se que o estudo em questão proporcionará benefícios à empresa, tornando-a mais competitiva e melhorando a qualidade dos seus serviços, firmando-se no mercado e incrementando suas vendas com a captação de novos clientes. Para a estagiária foi o momento de aprimorar seus conhecimentos

15 14 teóricos e apresentar sugestões que pudessem demonstrar sua capacidade de observação e competência de atuação na área de estudo. Sabe-se que todo conhecimento adquirido será importante para a evolução como acadêmica e principalmente no campo profissional, pois a partir de suas idéias poderá sugerir ações para que ocorram melhorias na empresa onde trabalha. Por fim esse estudo buscou investigar: quais estratégias podem ser elaboradas para a Agência Mundial de Turismo, a fim de conquistar novos clientes e atender as expectativas dos atuais?

16 15 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Propor estratégias de marketing para a Agência Mundial de Turismo, localizada no município de Itajaí SC, visando conquistar novos clientes e atender as expectativas dos atuais. 2.2 Objetivos Específicos Coletar e analisar a opinião dos clientes corporativos e físicos da agência, identificando suas expectativas e impressões sobre a atuação da empresa; Diagnosticar os pontos fortes e fracos da Agência Mundial de Turismo; Definir objetivos e metas para a empresa.

17 16 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Antes de apresentar a proposta desse estudo, faz-se importante explanar sobre a essência do turismo, como sua história, conceitos, tipologias entre outros assuntos que abordem temas relevantes desse fenômeno. Após discorrer sobre turismo, destaca-se a importância das agências de viagem, classificando-as e ressaltando suas principais funções. Para finalizar, discorreu-se sobre planejamento estratégico e estratégias de marketing, principal intuito desse estudo. Nesse contexto, nota-se a importância da fundamentação teórica para situar o leitor ao assunto tratado, tornando-se essencial para o entendimento da obra como um todo. 3.1 História do turismo A busca do turismo, como forma de lazer, surgiu como oportunidade para as pessoas conhecerem lugares diferentes do seu cotidiano, trocar experiências, conhecerem novas culturas e de se relacionarem. Entretanto, nem sempre foi assim. Antes de se chamar turismo e antes de as pessoas viajarem por lazer, os antigos viajavam em busca de novas terras e para fazer negócios, dessa forma, pode-se dizer que a história do turismo é muito antiga. Dias (2005, p. 11), destaca a evolução das viagens para a humanidade: Os deslocamentos humanos constituem uma característica da humanidade. Segundo as pesquisas mais recentes, o homo sapiens, espécie da qual fazemos parte, deslocou-se do leste da África há milhares de anos para ocupar todas as partes do planeta, desde os lugares mais frios aos mais quentes, e avançou na terra, no mar, e prepara-se para ocupar o espaço sideral. Observa-se que o desenvolvimento do turismo acompanhou o desenvolvimento da humanidade. Buscando o histórico do turismo, Haulot apud Oliveira (2002, p. 17) apresenta a possibilidade de origem hebréia, da palavra tur, quando a Bíblia Capítulo XII, versículo 17 cita que Moisés enviou um grupo de representantes ao país de Canaã para visitá-los e informar-se a respeito de suas condições topográficas, demográficas e agrícolas. A princípio eram viagens de negócios, para descobertas de novas terras, com o passar dos anos essa realidade mudou.

18 17 Começa-se a fazer viagens de lazer e os pioneiros nessa modalidade, de acordo com Oliveira (2002), foram os romanos, através de seus grandiosos espetáculos circenses, as lutas em arenas e atrações de entretenimento e recreação. Essas viagens intensificaram-se ainda mais pela descoberta das propriedades de cura das águas minerais, o que levou os romanos a viajarem em busca de divertimento e cura de doenças. Outro fator que influenciou as pessoas a viajarem foram os interesses religiosos, como as peregrinações dos romeiros para Jerusalém até Santiago de Compostela, tornando-se a mola propulsora das longas viagens. (OLIVEIRA, 2002). Com as grandes navegações, entre os séculos XVI e XVIII, a nobreza européia enviava seus filhos para viajarem a estudo pelas cidades européias, no início para Roma, que tinha um grande patrimônio histórico-cultural, posteriormente para cidades mais distantes, como o Egito, atraindo assim milhares de viajantes. (DIAS, 2005). Tais viagens para terras mais distantes passaram a ser chamadas de grand tur, que duravam um, dois, e até três anos ou mais, quando os estudantes eram acompanhados por instrutores que determinavam os locais a serem visitados. (DIAS, 2005). No final do século XIX, o avanço da tecnologia possibilitou o desenvolvimento de dois meios de transportes, os navios e os trens, os quais foram muito importantes para o crescimento da atividade turística no mundo todo. (TRIGO, 2001). Contudo, o grande impulso do turismo aconteceu com o advento da aviação, segundo destaca Ignarra (2003, p. 6): A aviação em menos de um século evoluiu rapidamente, tornando as viagens mais rápidas e baratas, possibilitando, assim, um grande intercâmbio turístico. Com a evolução tecnológica, no século XX, com aviões mais modernos, sistemas informatizados e tarifas mais acessíveis, as pessoas passaram a viajar mais. Foi uma combinação de desejo, mobilidade, acessibilidade e dinheiro que possibilitou o turismo de massa. O século XX trouxe novas tecnologias, tais como aviões mais velozes e confortáveis, computadores, robôs e comunicações por satélite, que transformaram o modo das pessoas viverem, trabalharem e se divertirem. (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO, 2003, p. 23).

19 18 O desenvolvimento do turismo acompanhou a evolução da humanidade e tornou-se uma atividade que vem crescendo de forma acelerada. Os avanços da ciência e da tecnologia, a evolução dos transportes e da comunicação, possibilitaram o crescimento dessa atividade em todos os setores. 3.2 Turismo e seus conceitos Para facilitar a compreensão do turismo, encontram-se abordagens e autores que tentam explicar esse fenômeno, permitindo aprofundar a concepção e o seu entendimento. O turismo pode ser definido da seguinte forma pela OMT (1998) apud Oliveira (2000, p. 31): O fenômeno que ocorre quando um ou mais indivíduos se trasladam a um ou mais locais diferentes de sua residência habitual por um período maior que 24 horas e menor que 180 dias, sem participar dos mercados de trabalho e capital dos locais visitados. O conceito da OMT deixa uma lacuna quanto ao que significa o turismo, apresentando enfoque ao tempo de permanência fora da residência e não cita os demais serviços relacionados ao turismo. Oliveira (2002, p. 36) concorda com a OMT quando afirma que as viagens de turismo não devem ter fins lucrativos, mas não delimita o tempo que deve durar essa viagem e classifica o turismo de uma forma mais ampla: O conjunto de resultados de caráter econômico, financeiro, político, social e cultural produzidos numa localidade, decorrentes do relacionamento entre os visitantes com os locais visitados durante a presença temporária de pessoas que se deslocam de seu local habitual de residência para outros, de forma espontânea e sem fins lucrativos. A integração entre o indivíduo e o meio em que vive é importante para que o turismo aconteça de forma natural e prazerosa para o visitante. Um outro conceito vem do teórico Herman Von Schullern Zu Sschattenhofen (1911), apud Dias (2005, p. 13), que definiu o turismo como: conceito que compreende todos os processos, especialmente os econômicos, que se manifestam na afluência, permanência e regresso do turista, dentro e fora de um determinado município, país ou Estado.

20 19 Observando o contexto empresarial, a American Express apud Trigo (2001, p. 12), aborda o turismo de uma perspectiva diferente, analisando apenas o mercado turístico: A indústria de viagens e turismo inclui transportes de passageiros, hotéis, motéis e outras formas de hospedagem, restaurantes, cafés e similares, serviços de recreação, lazer e cultura. O fator econômico e as indústrias turísticas é que são levados em consideração no conceito da American Express, afirmando ser o conjunto de todos os serviços interligados que compõe o turismo. Em busca de uma definição que possa reunir todos os conceitos anteriores e explicar o turismo, destaca-se o conceito de Oscar de La Torre (1992) apud Ignarra (2003, p. 13): O turismo é um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de indivíduos ou grupos de pessoas que, fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem de seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural. Partindo desses conceitos, infere-se que o turismo é uma atividade de socialização que busca por meio de viagens, seja de negócios ou lazer, integrar o indivíduo ao meio em que vive, gerando benefícios sociais, econômicos e culturais. Sendo assim, começa-se a observar, também, que existem vários tipos de turismo, que podem ser aplicados de acordo com a necessidade da demanda e a infraestrutura do local visitado. 3.3 Tipologias do Turismo O turismo pode ser classificado de acordo com sua tipologia, existindo diversas modalidades que podem ser levadas em consideração de acordo com a necessidade do visitante e a infra-estrutura de cada localidade. Assim, observam-se alguns exemplos no quadro 1:

21 20 TIPOLOGIAS Turismo de lazer Turismo de aventura Turismo ecológico Turismo de eventos Turismo religioso Turismo rural Turismo de intercâmbio Quadro 1 - Tipologias do Turismo Fonte: Oliveira (2002) CARACTERÍSTICAS Praticado por pessoas que desejam apenas conhecer novos locais, mudar de ambiente, descansar, rever amigos, visitar parentes, curtir a paisagem, sair em férias com a família. Praticado por pessoas que buscam emoções radicais. Estão nesse grupo os que viajam longas distâncias para descer rios e corredeiras em balsas infláveis (rafting), subir aos céus em balões ou aproximar-se ao máximo da cratera de vulcões ativos. Praticado por pessoas que apreciam a natureza e que buscam locais nos quais a natureza ainda permanece intacta, como as regiões do Pantanal e da Amazônia. Praticado por quem deseja participar de acontecimentos promovidos com o objetivo de discutir assuntos de interesses comuns (profissionais, entidades associativas, culturais, desportivas) ou para expor ou lançar novos artigos no mercado. Praticado por pessoas interessadas em visitar locais sagrados, como Jerusalém (Israel) ou Aparecida do Norte (Brasil), locais religiosos que recebem milhares de peregrinos durante o ano todo. Praticado em áreas rurais (fazendas, sítios ou chácaras) para proporcionar aos visitantes a oportunidade de participar das atividades próprias da zona rural. Praticado por jovens estudantes com o objetivo de realizar cursos ou aprender idiomas em outros países. Tais classificações permitem ao turista escolher o lugar para onde deseja viajar, identificando-se com a destinação de acordo com seu perfil. É importante ainda, que toda destinação turística saiba o seu potencial para que a atividade se desenvolva de maneira sustentável visando o bem estar do visitante. De uma maneira generalizada, Ignarra (2003, p. 18) classifica o turismo em individualizado e turismo de massa e destaca essa divisão da seguinte forma: O turismo individualizado caracteriza-se pela maior indiferença em relação aos níveis de gastos, busca destinações mais distantes e exóticas, procura os meios de transportes mais cômodos, hospeda-se em hotéis luxuosos e procura os restaurantes mais famosos. O turismo de massa, ao contrário, caracteriza-se por utilização de agências de viagens para aquisição de pacotes, procura destinações mais próximas, viagens com duração mais curta, transportes mais baratos, hotéis econômicos, prefere destinações mais conhecidas, escolhe os períodos de férias escolares. Ressalta-se que o turismo individualizado é direcionado ao público que procura qualidade, sem se importar com os gastos, enquanto o turismo de massa se aplica aqueles que querem viajar despendendo para tal menos recurso.

22 21 Sob a óptica da prestação de serviços, Dias (2005, p. 22) destaca outras três tipologias de turismo, como se observa no quadro 2: Turismo interno ou doméstico Turismo receptivo Turismo emissor É aquele realizado pelos visitantes que viajam dentro de seu próprio país. É realizado pelos visitantes que não são residentes no país, na região ou na localidade. É o turismo realizado pelos residentes para fora do país, da região ou da localidade. Quadro 2 Tipologias de turismo quanto à prestação de serviços. Fonte: Dias (2005) Pode-se destacar ainda que o turismo receptivo compreende todos os serviços consumidos pelo turista durante a permanência no lugar visitado, atendendo as necessidades do visitante que pode ser proveniente de outras regiões do país ou do exterior. Nesse contexto, observa-se que todas as tipologias estão interligadas e apresentam a mesma função, a de orientar o mercado para o bom desenvolvimento da atividade turística. Sendo assim, o próximo passo é o de analisar o mercado, compreendendo-o enquanto produto turístico comercializado. 3.4 Mercado Turístico O mercado é composto pelas empresas e consumidores do produto turístico, que se encontram para estabelecer uma relação de troca entre a oferta e a demanda. Os economistas acreditam que o mercado turístico é constituído pelo conjunto dos consumidores de turismo e pela totalidade da oferta de produtos turísticos, já os profissionais de marketing definem o mercado como o conjunto de compradores de determinado produto. (IGNARRA, 2003). No contexto de marketing, pode ser citado o conceito de Kotler (1996) apud Ignarra (2003, p. 112) o mercado consiste em todos os consumidores potenciais que compartilham de uma necessidade ou desejo específico, dispostos e habilitados para fazer uma troca que satisfaça essa necessidade ou desejo. O conceito de Kotler evidencia que o mercado seja uma relação de troca entre o consumidor e o mercado turístico, um satisfazendo a necessidade do outro.

23 22 A partir do conceito de marketing, criou-se o termo indústria do turismo e o mercado turístico passou a ser considerado, segundo Vaz (1999) apud Ignarra (2003, p. 112) o conjunto de serviços necessários para atrair aqueles que fazem turismo e dispensar-lhes atendimento por meio de provisão de itinerários, guias, acomodações, transportes, etc. Leva-se em consideração a prestação de serviços necessária para atrair o turista, dispensando-lhe informações para que o mesmo sinta-se seguro ao utilizar o serviço prestado. Segundo Oliveira (2002), o mercado turístico é formado por: atrativos turísticos, equipamentos e serviços turísticos e infra-estrutura de apoio turístico. Não basta possuir apenas os atrativos, é preciso organizar uma estrutura receptiva, os serviços turísticos oferecidos, como os hotéis, restaurantes, transportes, por exemplo, têm que estar preparados para receber e satisfazer as expectativas do visitante. Dessa forma, é importante que haja interação entre esses três elementos para que o consumidor fique satisfeito, pois é a relação entre produtos e consumidor que forma o mercado turístico. Para complementar, a OMT (2001, p. 39) ressalta que: A natureza da atividade turística é um conjunto complexo de inter-relações de diferentes fatores que devem ser considerados conjuntamente sob uma ótica sistemática, ou seja, um conjunto de elementos inter-relacionados que evoluem de forma dinâmica. As atividades do mercado turístico, como hospedagem, transporte e infraestrutura, quando inter-relacionadas contribuem para o seu desenvolvimento de maneira ordenada e sistematizada. Oliveira (2002, p. 67) destaca ainda que o mercado turístico é o local no qual a oferta e a procura encontram-se para as trocas comerciais. Sendo assim, para atrair os consumidores, é preciso que o mercado atue de forma dinâmica e estruturada para satisfazer as necessidades e desejos do consumidor, neste caso, a demanda turística Demanda Turística Para que o mercado turístico exista, é preciso que haja demanda em busca dos serviços oferecidos, sendo estabelecida uma relação de troca.

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens 28/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

da avaliação do transporte rodoviário

da avaliação do transporte rodoviário /2007 A IMPORTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DO RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL A Agência Nacional de Transportes Terda avaliação do transporte rodoviário passageiros através dos critérios de qualidade priorizados

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente.

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente. A importância da avaliação do transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros através dos critérios de qualidade priorizados pelos clientes Lílian da Silva Santos (UFOP) lilisisa@gmail.com

Leia mais

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo?

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Palestrante Lúcio Oliveira Consultor de Gestão Estratégica, Vendas e Planejamento Estratégico, Instrutor, Palestrante e Advisor de Empresas do Turismo, é

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS Eline Tosta Felipe Jaciel Gustavo Kunz RESUMO: Intercâmbio cultural consiste em uma viagem ao exterior motivado pelo estudo e cultura.

Leia mais

QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO

QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO A. VIAJANTES IDENTIFICAÇÃO DO PORTAO DE PESQUISA DATA QUAL É A SUA NACIONALIDADE?(CASO O ENTREVISTADO TENHA MAIS DE UMA NACIONALIDADE,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOBRE NÓS Fundada em 2003, a Navega Viagens e Turismo atua no mercado de turismo comprometida com a qualidade de atendimento aos clientes e sua consequente satisfação. Nosso

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E RELACIONAMENTO NAS AGENCIAS DE VIAGENS.

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E RELACIONAMENTO NAS AGENCIAS DE VIAGENS. GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E RELACIONAMENTO NAS AGENCIAS DE VIAGENS. Carlos Alberto Tomelin 1 Doris Van De Meene Ruschmann 2 Diva de Mello Rossini 3 Resumo: Este artigo identifica e analisa

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

ESTUDO DA DEMANDA NA EMPRESA FAG VIAGENS E TURISMO NO MUNICÍPIO DE IRATI / PR

ESTUDO DA DEMANDA NA EMPRESA FAG VIAGENS E TURISMO NO MUNICÍPIO DE IRATI / PR ESTUDO DA DEMANDA NA EMPRESA FAG VIAGENS E TURISMO NO MUNICÍPIO DE IRATI / PR ESTUDIO DE LA DEMANDA EN LA EMPRESA FAG VIAJES Y TURISMO EN EL MUNICIPIO DE IRATI / PR Andreia Ferreira Eliete Fátima de Goveia

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão.

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

INICIATIVA PRIVADA AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio ACIRB - Associação da Rua dos Biquínis AHB - Associação de Hotéis de Búzios

INICIATIVA PRIVADA AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio ACIRB - Associação da Rua dos Biquínis AHB - Associação de Hotéis de Búzios INICIATIVA INICIATIVA Um projeto da INICIATIVA PRIVADA (Grupo ABC do Sol) que une as cidades de Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e Cabo Frio, representado por: AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

TURISMO 41-1. 2. O 1809, 3. O

TURISMO 41-1. 2. O 1809, 3. O TURISMO 41 - Sobre a educação profissional no Brasil, considere as seguintes afirmativas: 1. Na origem da educação profissional no Brasil, estava implícita a separação entre o trabalho manual e o trabalho

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PROAGÊNCIA II CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA 1. NOME DO CURSO: GESTÃO DE EMPRESAS DE AGENCIAMENTO E OPERAÇÕES TURÍSTICAS 2. OBJETIVO: o curso visa envolver os profissionais nos seguintes assuntos: - as

Leia mais

Francisco M.J.Leme da Silva

Francisco M.J.Leme da Silva Oportunidades e Desafios do Setor de Viagens Corporativas Breve perfil do palestrante Francisco M.J.Leme da Silva é diretor da Jet Stream Turismo - Agência de Viagens Corporativas, onde atua há quase 20

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Política de Viagem Quatro Estações

Política de Viagem Quatro Estações 1 Gestão De Viagens Corporativas Construindo Uma Política De Viagens Mais Efetiva O documento em questão visa difundir informações, consolidar as práticas de mercado que nós consideramos importantes na

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO

O MERCADO DE TRABALHO O MERCADO DE TRABALHO NAS ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DE TURISMO NA CIDADE DE SÃO PAULO 99.090 Postos de Trabalho Formais e Diretos Alimentação 44,5% Agência de Viagem 13,1% 22,2% Alojamento 14,7% s 1,9%

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

TURIN VIAGENS O MUNDO VIAJA COM VOCÊ

TURIN VIAGENS O MUNDO VIAJA COM VOCÊ UNISINOS Universidade do Vale dos Sinos Comunicação Social Habilitação em Relações Públicas Centro 3 Centro de Comunicação Social Projeto Experimental I TURIN VIAGENS O MUNDO VIAJA COM VOCÊ Claudia Dias,

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Gilmara Barros da Silva 1, Janaina Luciana de Medeiros 2, Kettrin Farias Bem Maracajá

Leia mais

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada.

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada. CONDIÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS A aquisição de pacotes e programas de viagens nacionais e internacionais adquiridas da ARA TRAVEL TURISMO E VIAGENS LTDA.

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão.

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN GESTÃO DO TURISMO A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN Elizane do Nascimento Bacharel em Turismo pela UFRN, Natal-RN. e-mail: elizane.donascimento@yahoo.com

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIFICAÇÃO PARA O TURISMO RECEPTIVO

A IMPORTÂNCIA DA QUALIFICAÇÃO PARA O TURISMO RECEPTIVO A IMPORTÂNCIA DA QUALIFICAÇÃO PARA O TURISMO RECEPTIVO Cilmara Domingues dos Santos Luiz Fernando de Souza RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar os benefícios que podem ser gerados pelo

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

OBJETIVO: Dar a reflexão aos participantes sobre as políticas de otimização de custos na agência em tempos de recessão.

OBJETIVO: Dar a reflexão aos participantes sobre as políticas de otimização de custos na agência em tempos de recessão. 5. Gestão Econômica e Finanças 5.1 Otimização de custos em agências de viagens INSTRUTOR(A): Carlos Silvério CARGA HORÁRIA: 4 Horas Agentes de viagens em geral. Dar a reflexão aos participantes sobre as

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Verde Catas Altas Área Temática de Desenvolvimento Regional Resumo O projeto Verde Catas Altas

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens.

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. 6. Gestão Empresarial 6.1 Inovando para crescer: turismo nos novos tempos INSTRUTOR(A): Carlos Silvério Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. Proporcionar uma reflexão sobre o panorama

Leia mais

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS A MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA, é empresa de entretenimento recentemente fundada para execução de shows e concertos ao vivo

Leia mais

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 EMBRATUR Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 Com 20 anos de experiência em Estudos de Mercado, o Instituto Methodus garante aos seus clientes relatórios que

Leia mais

GESTÃO EM TURISMO AGÊNCIAS DE VIAGENS VIRTUAIS: COMO A INTERNET VEM INFLUENCIANDO A VIDA DOS TURISTAS

GESTÃO EM TURISMO AGÊNCIAS DE VIAGENS VIRTUAIS: COMO A INTERNET VEM INFLUENCIANDO A VIDA DOS TURISTAS GESTÃO EM TURISMO AGÊNCIAS DE VIAGENS VIRTUAIS: COMO A INTERNET VEM INFLUENCIANDO A VIDA DOS TURISTAS Gislainy Laíse da Silva Aluna do Curso de Mestrado em Turismo da UFRN, Natal RN e-mail: gislainylaise@hotmail.com

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado

7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado 7. Fundamentos do agenciamento e produtos turísticos 7.1 Turismo Rural: Estratégias e comercialização de um mercado consolidado INSTRUTOR(A): Andreia Roque Representantes de agências de viagens, técnicos

Leia mais

CDD - 338.4791 CDU - 379.85

CDD - 338.4791 CDU - 379.85 D536 Diagnóstico dos fatores críticos da competitividade setorial: agenciamento e operações turísticas / Associação Brasileira de Agências de Viagens, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas;

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Ministério do Turismo Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Sumário Executivo Em 2005, do total previsto para o Ministério do Turismo,

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna.

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. aprendaaviajarbarato.com.br ALINE BALTAZAR 1 Don t let your dreams be dreams... Jack Johnson

Leia mais