FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008"

Transcrição

1 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli Gomes Orientaor: Prof. Paulo Ricaro Silva Ferreira

2 2 A sorte favorece a mente bem preparaa Louis Pasteur

3 Sumário Proposta e Trabalho... 4 Introução... 6 O esconhecio... 7 A escoberta... 7 Metoologia... 7 Escolas atuais... 1 A Escola Funamentalista... 1 A Escola Técnica A Escola Híbria A Escola a Visão Regras e ouro a Escola a Visão A importância a escoberta A importância a etecção os sintomas Transformano a visão em ação e investimento A construção os cenários A construção a estratégia Estratégias e curto, méio e longo prazo Trocano a simulação o passao pela simulação o presente Os ciclos o futuro Exemplo Real... 2 Etapa 1: A visão... 2 Etapa 2: O cenário... 2 Etapa 3: A estratégia Etapa 4: Executano os traes Análise os resultaos Perpectivas futuras Conclusão O investior no comano Referências

4 Proposta e Trabalho Título: A Escola a Visão a.introução Diante os novos cenários muniais, e mais recentemente a grane crise financeira moerna, a partir a bolha hipotecária americana, torna-se caa vez mais necessário o estuo e novas escolas e novas estratégias e investimento que preservem e maximizem o lucro as empresas e os investiores no futuro. b.caracterização a empresa e seu ambiente Serão escritos possíveis cenários as empresas no futuro, e acoro com os estágios e evolução a tecnologia no futuro e influências nas estratégias empresariais, e que impactam na necessiae e criação e novas escolas e investimentos, que busquem maior segurança para os investiores e acionistas. c.situação problema O trabalho procura responer uma pergunta chave, que representa uma situação problema. Seguno Nassim Taleb [1], enfrentamos constantemente a lógica o Cisne Negro: como poemos saber o futuro, ao o conhecimento que temos o passao? Ou, e maneira mais geral, como poemos escobrir proprieaes o esconhecio (infinito) baseao no conhecio (finito)? A realiae é que as escolas atuais e investimento centram suas análises em fatos o passao ou o presente, o que leva ao questionamento. Não everíamos concentrar, no mínimo, o mesmo esforço para analisar cenários o futuro? Essa é a motivação principal esse trabalho e o foco e estuo a Escola a Visão que será apresentaa..objetivos As escolas e investimento atuais representam um grane avanço o homem na busca e geração e maximização o lucro, porém uma série e críticas existem pelo 4

5 fato e as escolas atuais serem baseaas muito mais em informações o passao e e um mercao eficiente e cíclico. O objetivo esse trabalhor é analisar as escolas atuais e propor uma nova escola e investimento, organizano conceitos e técnicas similares existentes nas áreas estratégicas, área e inteligência competitiva e sistemas e prospecção e cenários as empresas. e.relevância o estuo Investigar o tema é importante para preparar profissionais, gestores e esenvolveores para o esafio e analisar, entener e criar estratégias que permitam prospectar o futuro com caa vez mais precisão, contribuino para a construção e ferramentas e evolução as empresas. f.revisão a literatura Livros e artigos referentes ao estuo. g.metoologia Para embasamento o estuo, será apresentao um case real e aoção e estratégia utilizano a escola a visão Apresenta-se um exemplo real e utilização a Escola a Visão, baseao no conceito e utilização e play money. A metoologia e investimento os exemplo utiliza variáveis reais, exceto o valor aplicao, que é fictício, ou seja, na prática não será realizao prejuízo ou lucro, embora, caso tivesse sio investio inheiro real, isso teria e fato acontecio (play money). 5

6 Introução Prever o futuro tem sio um esafio para a humaniae, pelos mais iversos motivos: inheiro, segurança, orgulho, lazer, etc. A busca o lucro levou o homem a procurar formas e prever o futuro as empresas e os mercaos. Apesar e essa procura ser iscutia por muitos teóricos e filósofos como algo utópico, é inegável que, no mínimo, é preciso gerenciar o esconhecio. E o futuro talvez seja o maior e toos esconhecios. Não poe ser subestimao por mais previsível e eviente que seja qualquer tenência. Tenências essas que para alguns sequer existem, pois pelo seu ponto e vista, o futuro segue um comportamento ranômico (ranom walk). Um contraste para quem consiera que o futuro é cíclico e previsível. As escolas existententes atualmente, funamentalista e técnica, sob nosso ponto e vista, pouco ajuam a gerenciar o esconhecio, pois o esconhecio quase sempre é uma variável nova e inepenente o passao. Propõe-se, através esse trabalho, buscar uma nova escola que seja compatível com vários moelos e pensamentos relacionaos à visão estratégica e essencialmente com a visão e futuro. Visão. Uma escola e investimento com foco em visão, ou seja, a Escola a Apesar e a Escola a Visão ser um contraponto à Escola Funamentalista e Técnica, muitos conhecimentos já aquirios nos estuos essas escolas poem ser relevantes para a Escola a Visão, ese que não se perca o foco e uas variáveis funamentais: o esconhecio e a escoberta. 6

7 O esconhecio O esconhecio é tuo aquilo que a grane maioria os investiores não está conseguino visualizar, porém é uma verae que se aproxima e em breve se tornará realiae. A escoberta A escoberta é conhecer o esconhecio. Nesse novo paraigma, o passao serve apenas como aprenizao e referência, mas o foco está na visão e futuro o investior, que é o motor propulsor a escola que será apresentaa. Acreita-se que esse caminho possa levar-nos a compreener porque alguns investiores conseguem ter mais sucesso que outros, e e forma repetiva, atuano como granes oráculos o mercao, e talvez esvenar um pouco os seus segreos. Metoologia Para poer formalizar os conceitos a Escola a Visão, foi criao um contexto e possibiliae e certeza sobre o futuro, obtia pelo esobramento a visão os investiores entro a possibiliae e ocorrência e três possíveis cenários: A. Cenário e Orem: cenário ieal para você, one o futuro será como o cenário que sua visão conseguiu antecipar. Poe-se afirmar que quanto mais isolao o investior estiver nesse cenário maior a qualiae e sua visão. B. Cenário Caórico: cenário inesperao por você, one o futuro será como o cenário que a visão e outro investior conseguiu antecipar. O termo caórico [2] é aqui usao por seguir a lógica e convivência entre o caos e a orem visano um resultao positivo. Na prática, para o investior que teve a visão o Cenário A, ocorrer o B ou o C representou o caos, porém na prática, para quem teve a visão o cenário B, a orem ficou estabelecia. 7

8 C. Cenário Caótico: cenário inesperao por toos, one o futuro será como nenhum investior conseguiu antecipar. O termo caótico é usao aqui por seguir a linha e efinição a Teoria o Caos [3], com resultaos totalmente inesperaos a partir e pequenas variações as conições iniciais os cenários e investimento. Figura 1 Possíveis Cenários o Futuro para o Investior Certamente não se quer izer que o futuro é certo e previsível, mas que ele poe ter sua incerteza mapeaa e forma iferente, seno que o mais incréulo os investiores poerá aina afirmar que apenas o cenário C irá sempre ocorrer, ou aina, se os cenários A ou B ocorrerem, terá sio por pura sorte os investiores que os previram. Note-se que, pela Figura 1, os cenários poem ocorrer em forma concomitante, one o Cenário Real poerá ser composto e percentuais iferentes os três cenários, como por exemplo: Cenário Real Cenário Percentual A 2% B 12% C 86% 8

9 Este cenário real poe ser o caso e uma crise financeira, one o Cenário C, mais caótico, preomina sobre toas previsões e cenários os investiores. Para melhor entenimento a metoologia, poe-se analisar outro exemplo, que é o a loteria. Digamos que o investior ecia aplicar na loteria, provavelmente por intuição ou outro fator ligao a fatores não matemáticos. Na prática, poe-se afirmar com absoluta certeza que existem três cenários possíveis: Cenário A os números o investior são os premiaos (talvez não seja o único ganhaor, mas será um eles). Cenário B os números e outro(s) investior(es) são os premiaos. Cenário C ninguém ganhou o concurso (ou porque foi acumulao o prêmio por não existir nenhuma aposta venceora, ou por qualquer outro motivo e força maior). Evientemente, no caso e um sorteio, os Cenários A e B tenem a ter suas chances e ocorrência bastante iminuías. Porém, no caso e investimentos em mercaos, espera-se que os Cenários A e B tenham maiores chances e serem visualizaos pelos investiores. Reconhecer a possibiliae e visualização os Cenários A e B, por fatores que não epenam exclusivamente e sorte, é o grane esafio a Escola a Visão. 9

10 Escolas atuais A análise e investimentos tem sio ao longo o tempo agrupaa em uas granes escolas ou correntes e pensamento istintas, efinias como Escola Funamentalista e Escola Técnica. Mais recentemente, uma terceira corrente foi criaa, baseaa na utilização composta e fatores as uas escolas existentes, que poemos efinir como Escola Híbria. As escolas e investimento atuais representam um grane avanço o homem na busca e geração e maximização o lucro, porém uma série e críticas existem pelo fato e as escolas atuais serem baseaas muito mais em informações o passao e e um mercao eficiente e cíclico. A Escola Funamentalista A análise funamentalista estua as causas o movimento os preços. De acoro com Rorigo Côrtes [4], a análise funamentalista, no caso as ações, foca na eterminação o valor a ação e uma empresa, a partir e aos financeiros a empresa, aos macro-econômicos, política monetária e outras informações que irão se refletir nos preços as ações. Por outro lao, a Análise Funamentalista, quano utilizaa para mercaorias, irá se concentrar em três itens: proução, estoque e consumo. A Escola Funamentalista, para as ações, pressupõe que o mercao e capitais não é eficiente em termos e informação ao amitir que os preços correntes as ações não refletem instantaneamente toas as informações relevantes sobre as empresas emissoras. Desta forma, a eterminação o valor a empresa, também esignao e valor intrínseco a ação, funciona como principal variável e ecisão. O processo ecisório comprar/vener essa escola e análise e investimento envolve a avaliação o valor teórico a firma, o qual correspone ao seu preço justo, ano origem ao preço corrente e mercao e suas ações. A Escola Funamentalista analisa a empresa (geração e lucros e suas taxas e crescimento, receitas, custo e capital, ivienos, investimentos 1

11 futuros, capaciae gerencial) e, e forma macro, a economia o país bem como os seus comportamentos setoriais. Para Bastter [5], os principais ínices utilizaos na análise funamentalista são: Ínice Preço/Lucro Esta relação ecorre a ivisão entre a cotação e um eterminao papel, em certo momento, pelo lucro líquio por ação (anual ou anualizao por alguma técnica aequaa) proporcionao pela respectiva empresa. Cash-Yiel Este instrumento ecorre a verificação o ivieno pago em inheiro, por ação. Cotação/Valor Patrimonial Esta relação, como se verifica iretamente e seu nome, resulta o quociente entre acotação e um eterminao papel, em certo momento, por seu valor patrimonial. Faturamento líquio É o salo os valores recebios pela empresa, como remuneração por uma ativiae social, subtraíos os valores referentes a impostos iretos, escontos conceios, evoluções e eventuais parcelas repassaas a terceiros, mas que tenham composto seu preço final; esta informação, no Brasil, poe ser obtia em relação a vários períoos e tempo: mensal, trimestral, semestral ou anual. Margem Líquia É a relação entre o lucro líquio (após o imposto e rena) e o faturamento líquio,emonstra assim para os analistas quanto resta o faturamento para as estinações eciias pelos acionistas (reservas livres, ivienos, etc.). Liquiez Corrente Trata-se o quociente entre o ativo e o passivo circulantes; em ecorrência, reflete a capaciae e caa empresa e fazer face a seus compromissos e curto prazo ( em geral até 3 ias); assim seno, valores e liquiez corrente inferiores à uniae são preocupantes para 11

12 o investior, significano que a empresa poe ter insuficiência e recursos para obrigações quase imeiatas. Rentabiliae o Patrimônio É o quociente entre o lucro líquio e uma companhia e seu patrimônio líquio. Representa, em outras palavras, o percentual e retorno os recursos totais aplicaos pelos acionistas nos negócios (e à isposição os aministraores a empresa), permitino preve ro tempo necessário para a recuperação o capital próprio investio; este ínice obviamente permite comparações entre empresas os mais iversos setores. Eniviamento É o resultao a ivisão entre o passivo circulante mais o exigível e longo prazo eo ativo total; apresentao geralmente em termos percentuais, emonstra quanto caa empresa recorreu a capital e terceiros para financiar suas operações; e maneira geral, exceção feita aos bancos, esta relação não eve ser superior a 5%, pois valores superioresa este costumam refletir fragiliae financeira a empresa. A Escola Técnica A Escola Técnica está focaa nos efeitos os movimentos e mercao, utilizano-se o estao a arte e tecnologia para a meição precisa os efeitos o passao. De acoro com Rorigo Côrtes [4], a Escola Técnica é o estuo os movimentos passaos os preços e os volumes e negociação e ativos financeiros e commoities em bolsas, com o objetivo e fazer previsões sobre o comportamento futuro os preços. Devio à intensa utilização e gráficos e preços e volumes, este enfoque e análise também é conhecio como análise gráfica, mas evemos lembrar que a análise técnica não se resume apenas na leitura e gráficos, já que poemos elaborar uma planilha eletrônica (utilizano apenas números e equações) para analisar ações, commoities e erivativos. Os números e Fibonacci e e W. D. Gann, o cálculo a méia móvel e o IFR são exemplos e ferramentas que pertencem à análise técnica. 12

13 Os preços os ativos, seguno o enfoque a Escola Técnica, se ajustam ao conteúo as informações, porém não e forma imeiata. O ajuste e preços percorre uma série e etapas, epeneno a forma e comportamento os grupos os bem informaos (insiers) no processo e ifusão as informações relevantes. As características a análise técnica são: a) Analisa os aos geraos pelas transações: abertura, máximo, mínimo, fechamento e volume e contratos em aberto, no caso os mercaos futuros; b) Analisa as tenências buscano escobrir o caminho futuro os preços e eterminar objetivos para os preços estes ativos em sua caminhaa (projeções); c) Ientifica ação o ponto e vista emocional no mercao. Enquanto a análise funamentalista estua as causas o movimento os preços, ou seja, o porquê o movimento, a análise técnica estua o seu efeito. O analista técnico acreita que o efeito é tuo que ele quer ou precisa saber, pois as razões ou as causas o movimento os preços são esnecessárias em suas análises. A Escola Híbria Aina e acoro com Rorigo Côrtes [4], apesar os puristas e caa escola estarem em oposição, criticano-se mutuamente, poe-se izer que existe uma superposição entre ambas. Usualmente utiliza-se a aboragem funamentalista para ientificar oportuniaes e investimentos (o quê comprar/vener), e a aboragem técnica para efinir o momento e entraa e saía (timing) e uma operação em bolsa. 13

14 A Escola a Visão A Escola a Visão, como o próprio nome iz, está focaa no futuro, no que conseguimos enxergar na nossa frente. Porém, visão não é previsão o futuro. Em outras palavras, o investior que aote essa escola não tem a obrigação e acertar ou aina prever o futuro. Regras e ouro a Escola a Visão Como visão não é prever o futuro, mas a escoberta e um possível futuro, a Escola a Visão possui as seguintes regras e ouro: Regra 1 Não realize nenhum investimento, ou execute um trae, se não tiver uma visão antecipaa e um mapeamento completo ela (construção o cenário). Regra 2 - Quanto mais raro ou imprevisível for o cenário previsto, provavelmente maior será o seu lucro. Regra 3 - Quanto mais o cenário previsto estiver próximo a realiae futura, provavelmente maior será o seu lucro. Regra 4 - Quanto mais rápio for escoberto o cenário previsto, provavelmente maior será o seu lucro. Regra 5 - Quanto mais rápio for etectao que o cenário previsto não está convergino para a realiae futura, provavelmente menor será o seu prejuízo. Dessa forma, o investior essa escola foca na busca e possíveis cenários para o futuro, na relevância e probabiliae e sua ocorrência, e na ecisão se vale ou não investir em eterminaos cenários e acoro com suas estratégias e valores atribuíos aos cenários. Mas entro esse foco, existe a constante monitoração os atores que fazem parte e sua visão, pois se ela estiver erraa, é importante abanonar as operações e mercao que tiveram origem esses atores que não estão se confirmano. 14

15 A importância a escoberta O processo e escoberta é essencial na visão e futuro. Sem a escoberta continuamos no paraigma atual e a quebra e paraigmas é a essência as revoluções científicas [6]. As escobertas exigem a muança os moelos mentais, nos fazeno encontrar uma maneira nova e enxergar [7]. E como aministrar o risco e o mercao não se manter no paraigma que toos estão visualizano? Uma as formas mais utilizaas no processo e visão é a monitoração e etecção os sintomas. No exemplo o Cisne Negro [1], quano o peru eixa e ser alimentao, ele poe estar escobrino algo novo. Na área e investimentos, a escoberta é uma área sem limites, cabeno a caa investior ientificar essas oportuniaes, como por exemplo através as seguintes análises: - a análise o passao, através a etecção a existência e um sintoma em relação ao presente, ou seja, a Escola a Visão não obriga que a experiência passaa seja esprezaa, mas que seja utilizaa como meio e escoberta; - a análise o ambiente e negócio externo as empresas e mercaos; - a análise e fatores culturais e relacionaos ao comportamento humano, como em momentos e empolgação ou epressão; A importância a etecção os sintomas Os sintomas são como o cavalo e Tróia, um presente que se mostra tentaor por um lao, e e alto risco por outro, pois se não for percebio a tempo poerá representar granes peras. Os sintomas ajuam a conuzir na muança e paraigmas e o processo e escoberta. Antes e um Tsunami causao por um ajuste a crosta em alto mar que gere movimento e atração, o mar recua na praia. Para o observaor que está na praia, é um sintoma e que uma ona gigante poerá vir em seguia. E os Tsunamis estão presentes a too momento no mercao, muano os paraigmas e surpreeneno os investiores menos experientes e até mesmo os mais experientes. 15

16 Transformano a visão em ação e investimento Uma visão que não resulte em ação e investimento, ou um trae, pere seu sentio objetivo. Portanto foi criaa uma metoologia para quantificar os cenários e apoiar a ecisão e ação e investimento, iviia em entraa e saía o mercao, como mostra a Figura 2. Na metoologia proposta, utiliza-se a construção e cenários como intermeiário entre a visão e a estratégia, e forma similar à construção e cenários para a Inteligência Competitiva nas empresas [7]. Figura 2 Etapas entre a visão e a ação Essa metoologia não é a única possível na Escola a Visão, servino como apoio prático para a obtenção e uma ação, e poe ser ajustaa ou totalmente reformulaa por caa investior essa escola. 16

17 A construção os cenários Um cenário é qualquer conição o mercao que possa impactar nos investimentos a serem realizaos, e é composto por atores, que vão ese inicaores e mercao até complexas variáveis relacionaas ao ambiente interno e externo as empresas. Por exemplo, a volatiliae e mercao poe ser um os atores que poe ser mapeao através e um inicaor. A partir a efinição os atores, eve-se atribuir as seguintes proprieaes: Estao (Alto, Baixo ou Estável) qual o estao o ator que está seno visualizao para o futuro, entro a escala e valor atribuia pelo investior. Relevância (1 a 99) qual a importância o ator no cenário para o investimento pretenio. Probabiliae (1 a 99%) qual a probabiliae e o ator ocorrer ou influenciar no investimento pretenio. Dessa forma, poe-se construir um cenário futuro, que impacta o investimento no Ativo AAA na ata DD/MM/AAAA para a estratégia E, conforme exemplo a seguir: Exemplo: Probabiliae o Cenário para o ativo AAA com a Estratégia E na ata DD/MM/AAAA Ator Estao Relevância Probabiliae Volatiliae Alto Inflação Estável Preço o Barril e Petróleo Baixo Desemprego Alto Nível e Consumo Estável PIB Brasil Baixo PIB China Baixo PIB EUA Estável Probabiliae o Cenário e acoro com a Estratégia E 67 17

18 Note-se que uma vez construío o cenário, as proprieaes poem ser ajustaas com valores reais em tempo real, através o processo e monitoração e etecção e sintomas. A monitoração serve como inicaor e entraa e saía o mercao, e as proprieaes o cenário servem para a construção as estratégias. A construção a estratégia A partir e possíveis cenários, é possível construir estratégias e investimento. Probabiliae o Cenário Inicialmente eve ser efinia a fórmula e probabiliae a estratégia, que epenerá a relevância e caa ator e probabiliae e ocorrência. Uma fórmula simples poe ser simplesmente a relevância poneraa e a méia as probabiliaes. Cabe ao investior eciir qual a melhor fórmula para sua estratégia. No exemplo, igamos que a probabiliae o cenário, para uma eterminaa estratégia E, é e 67, isso inica que too cenário eve ter uma probabiliae final única, enominaa e Probabiliae o Cenário. Decisão e Entraa no Mercao: quano a Probabiliae o Cenário atingir um valor maior ou igual a PE (Probabiliae e Entraa). Decisão e Saía o Mercao: quano a Probabiliae o Cenário atingir um valor menor ou igual a PS (Probabiliae e Saía). Note-se que é importante que o valor e PE>PS, ou seja não sejam os mesmos e sejam ajustaos para uma histerese que evite a entraa e saía constante, o que poe gerar peras nas operações por taxas e corretagem. Estratégias e curto, méio e longo prazo É possível realizar operações e especulação em curto prazo com a Escola a Visão? A resposta é sim, mas certamente o risco será bem maior e será necessário utilizar tecnologias e monitoração mais rápias. 18

19 Por isso, a visão e méio e longo prazo parece a mais inicaa para a escola proposta, embora não eva ser criao nenhum paraigma nesse sentio. Trocano a simulação o passao pela simulação o presente Na Escola Técnica, é comum a simulação e estratégias no passao, embora na prática, com a realiae e possibiliaes infinitas o futuro, as simulações não sejam garantia e nenhum resultao. Para a Escola a Visão, a simulação o presente, utilizano play money, ou inheiro e brinqueo, é a mais eficaz para o teste e estratégias, uma vez que o passao irá ajuar muito pouco nessa escola. Para isso, é necessário após a construção os cenários e estratégias, abrir contas e simulação real e monitoração real as variáveis e realizar simulação o presente, até um ajuste mais confiável as estratégias e visualização. Os ciclos o futuro Muitos investiores eicam um grane tempo e suas análises buscano ciclos no passao, que poem estar se repetino no presente. Para isso utilizam séries históricas os sinais, em iversos parões e tempos, ou aina, balanços históricos as empresas para os funamentalistas. Entretanto na Escola a Visão, é importante a busca e ciclos o futuro, como por exemplo, imaginar o ciclo e via e proutos as empresas investias, ciclo e via as próprias pessoas que aministram o negócio, ciclos culturais, etc. 19

20 Exemplo Real Apresenta-se um exemplo real e utilização a Escola a Visão, baseao no conceito e utilização e play money. Toas as variáveis são reais, exceto o valor aplicao, que é fictício, ou seja, na prática não será realizao prejuízo ou lucro, embora, caso tivesse sio investio inheiro real, isso teria e fato acontecio. Foi feito um exemplo e curto prazo, para aequar-se ao tempo e reação o trabalho, limitano-se ao mês e ezembro e 28. Etapa 1: A visão Acreita-se que em ezembro e 28, as pessoas aina estão fortemente impactaas pela crise financeira, manteno-se alta a volatiliae os mercaos, muitas vezes por pura esconfiança e incerteza o futuro. É sem úvia um períoo e alta turbulência, que talvez permaneça ao longo e 29. Nessas conições, poe-se criar uma estratégia e investimento que seja baseaa na etecção e granes tenências, filtrano pequenos movimentos, resultantes a turbulência atual. Etapa 2: O cenário Serão utilizaos quatro atores principais,, que serão monitoraos, inicano a volatiliae geral o mercao, e forma aproximaa. Ator Volatiliae EUR/USD* Nível e Desemprego Munial Preço o Barril e Petróleo Preço o Ouro (*) EUR/USD inica a iferença e valor entre o Euro e o Dólar. 2

21 Etapa 3: A estratégia A estratégia que foi estabelecia é a e ientificar tenências fortes, portanto foi enominaa e STRONGTREND (Strong Tren), que aconteçam simultaneamente nos quatro atores principais. Exemplo e Cenário para a Estratégia STRONGTREND: Ator Estao Relevância Probabiliae Volatiliae EUR/USD* Alto 8 8 Nível e Desemprego Munial Alto 45 7 Preço o Barril e Petróleo Baixo 65 7 Preço o Ouro Estável 3 6 Probabiliae o Cenário e acoro com a Estratégia STRONGTREND 39,75 (*) EUR/USD inica a iferença e valor entre o Euro e o Dólar. Para efinição e compra e vena, foram utilizaos traes com a própria moea (no caso Dólar), que foram compraos ou venios conforme as seguintes conições: - Conições e Entraa/Saía: realiza trae sempre que a probabiliae o cenário for maior ou igual a 5, e fecha toos traes caso a probabiliae o cenário seja menor ou igual a 4. - Conições e Compra/Vena: realiza a compra e Dólar sempre que o valor e EUR/USD for menor que o o ia anterior, ou a vena o Dólar sempre que o valor e EUR/USD for maior que o o ia anterior. Etapa 4: Executano os traes A seguir é mostraa a seqüencia e traes realizaos (BUY/SELL), em iversos ias o mês e ezembro, seno que também é fornecio um gráfico com o resultao final a carteira, partino-se e uma quantia e play money e US$ 1. (ez mil ólares). 21

22 ODL Securities Account: Name: Rogerio Figurelli Currency: USD 28 December 26, 21:14 Close Transactions: Ticket Open Time Type Size Item Price S / L T / P Close Time Price : : : : : : : : : : : : : :47 buy buy buy buy sell sell sell buy sell sell sell sell sell sell : : : : : : : : : : : : : : Commissio n Taxe s Swa p Profit

23 Open Traes: : : : : : :34 sell sell buy buy buy : : : : : balanc e Deposit 1. Ticket Open Time Type Size Item Price S / L T / P Price Working Orers: No transactions Ticket Open Time Type Size Item Price S / L T / P Market Price No transactions Commissio n Close P/L: Taxe s Swa p Profit.... Floating P/L:. 23

24 Análise os resultaos Para maior realismo, toos traes foram realizaos em uma corretora veraeira, utilizano o mercao e câmbio internacional e moeas Forex ou Foreign Exchange [9] e a corretora ODL Securities [1]. Abaixo é fornecia uma tabela e análise os traes executaos, e e P/L (Profit/Loss), para o resultao final atingio e US$ e 9,47% e lucro, entre 16/12/28 e 26/12/28. Isso não significa que existe uma fórmula pronta para o futuro, mas que na prática o cenário previsto acabou se confirmano na prática, mesmo sem ter sio utilizaa nenhuma informação o passao e a ecisão os traes ser unicamente a partir a visão estabelecia. Summary: Deposit/Withrawal: 1. Creit Facility:. Close Trae P/L: Floating P/L:. Margin:. Balance: Equity: Free Margin: Details: Gross Profit: Gross Loss: 88.4 Total Net Profit: Profit Factor: Expecte Payoff: Absolute Drawown:. Maximal Drawown: 59.4 (.56%) Relative Drawown:.56% (59.4) Total Traes: 19 Short Positions (won %): 11 (63.64%) Profit Traes (% of total): 11 (57.89%) Long Positions (won %): Loss traes (% of total): 8 (5.%) 8 (42.11%) Largest profit trae: 41.6 loss trae: -23. Average profit trae: loss trae: Maximum consecutive wins ($): 6 (254.45) Maximal consecutive profit (count): (2) consecutive losses ($): consecutive loss (count): 3 (-59.4) (3) Average consecutive wins: 3 consecutive losses: 3 24

25 A partir e uma análise os resultaos, poe-se estacar alguns pontos positivos e negativos a estratégia utilizaa, para facilitar a aplicação prática futura os conhecimentos aquirios. Pontos Positivos a Estratégia - A estratégia parece etectar muito rapiamente quano a abertura e um trae não está relacionaa a real volatiliae o mercao, preferino encerrar rapiamente o trae. - A estratégia conseguiu ter traes positivos bem maiores que traes negativos, resultano em lucro no final (profit). Pontos Negativos a Estratégia - Existe um risco e peras consecutivas (consective loss), que para o exemplo real foi e 3 peras e US$ 59, e pera. Isso poe inicar que a etecção a volatiliae utilizano apenas os quatro atores o cenário poe ser arriscaa em outras conições futuras. Perpectivas futuras O cenário utilizao parece se manter estável aina no final o mês e ezembro, seno que a estratégia utilizaa será ajustaa para um possível prolongamento a visão inicial, o que não poe ser aotao como um paraigma, pois a mesma forma que o ólar teve alta valorização no seguno semestre e 28, as conições que o mantinham em esvalorização anterior, como éficit alto a economia americana e instabiliae o país com esemprego e recessão aina estão mantias. 25

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal PALESTRA : Novos esafios para o Gerente e Projetos: Gerenciamento e Stakeholers, omunicações em Projetos e Implicações as Rees Sociais Arnalo Renato Pires e Souza, PMP Organização

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP ANO XII n 56 MAIO/JUNHO e 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO ARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESOLA POLITÉNIA - USP 2 ENTREVISTA Terceirização e TI Executivo o setor e telecomunicações

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

O Modelo de Black e Scholes

O Modelo de Black e Scholes O Moelo e Black e Scholes Prf. José Fajaro FGV-EBAPE Premio Nobel e Economia 1997 Merton, R.C.: heory of Rational Option Pricing, Bell Jounal of Economics an Management Science, 4(1973), 141-183 Black,

Leia mais

Sônia Pinto de Carvalho

Sônia Pinto de Carvalho s Funções Hiperbólicas Sônia Pinto e Carvalho Introução Quano fiz o curso e Cálculo I fui apresentaa às funções hiperbólicas através e sua efinição eponencial. Lembro-me que, na época, achei muito engraçao

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA 1. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaio transcritos. TEXTO I 2. 1. Franquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taa aicional até vinte

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

COLORÍMETRO CR-400/410

COLORÍMETRO CR-400/410 COLORÍMETRO CR00/410 Apresentamos o sucessor o Konica Minolta CR300/310, nosso colorímetro mais venio munialmente e aceito como parão em várias inústrias. CR00 Área e meição e Ø8mm CR10 Área e meição e

Leia mais

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia Análise a Capaciae e um squema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimíia Vitor Rocha e Carvalho * e Celso e Almeia Departamento e Comunicações FC UNICAMP Caixa Postal:, CP: 33-97, Campinas SP e-mail: vitorc@ecom.fee.unicamp.r,

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching imulação para Ensino a Teoria as Restrições imulation for Theory of Constraints Teaching Júlio César Bastos e Figueireo, Dr. Escola uperior e Propagana e Marketing - EPM jfigueireo@espm.br --Recibio para

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Determinando a aceleração gravitacional 1

Determinando a aceleração gravitacional 1 Determinano a aceleração ravitacional Fernano an a Silveira Instituto e Física, Universiae Feeral o Rio Grane o Sul. Av. Bento Gonçalves, 9500. Caixa Postal 505, CEP 950-970. Porto Alere. RS. Brasil. Enereço

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS DISSERTAÇÃO TÁBUAS SELETAS DE MORTALIDADE: COMPORTAMENTO DA

Leia mais

O Plano Director de Produção

O Plano Director de Produção O Director e Proução IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 22 O Director a Proução especifica : Quantiaes a prouzir e caa prouto Quantiaes a prouzir em caa "moo e proução" aoptao Níveis e Stocks e Matérias

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA CARACTERÍSTICAS DA PROPAGAÇÃO PONTO-ÁREA NA FAIXA DE A 5GHz COM APLICAÇÃO EM COMUNICAÇÕES MÓVEIS Dissertação e Mestrao apresentaa ao Curso e Mestrao

Leia mais

Edição 7 24/02/2012. Rogério Figurelli

Edição 7 24/02/2012. Rogério Figurelli Edição 7 24/02/2012 ROBÔS INVESTIDORES Rogério Figurelli Esse é um livro gratuito com regras de licenciamento pela Creative Commons, visando a máxima propagação de ideias no padrão de informação livre

Leia mais

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada Rev. Bras. Farm. 9(): 44-50, 0 ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW Méritos comparativos a Cromatografia em Fase Líquia e Alta Eficiência em escala convencional e minituarizaa Comparative merits of conventional

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais DETERMINAÇÃO DO RAIO DE ATUAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PEQUENOS ANIMAIS lmareti@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Dinâmica os Sistemas Agroalimentares e Caeias Agroinustriais

Leia mais

Índice REGULAMENTOS DA TELETRADE. Introdução...2. Margem de negociação...3. Tipos de aplicações/ordens...5. Envio e execução de ordens de mercado...

Índice REGULAMENTOS DA TELETRADE. Introdução...2. Margem de negociação...3. Tipos de aplicações/ordens...5. Envio e execução de ordens de mercado... Índice Introdução...2 Margem de negociação...3 Tipos de aplicações/ordens...5 Envio e execução de ordens de mercado...7 Ordem limitada...9 Autorização/registro... 13 Divisão... 14 Contratos futuros...

Leia mais

CURVAS DE CAPACIDADE E DINÂMICA DE GERADORES SÍNCRONOS

CURVAS DE CAPACIDADE E DINÂMICA DE GERADORES SÍNCRONOS URAS D AAIDAD DINÂMIA D GRADORS SÍNRONOS ero a osta Jr., Luiz Gonçalves Jr., lauio. e Auino 3, Anré N. e Souza 4, José.. astanho 5, Maria Goretti Zago 6 UNS-FB-LSISOTI, Bauru, Brasil, costajr@feb.unesp.br

Leia mais

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015 Sistemas e renagem Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2015 Silent PP Página 2 Conições gerais e vena Página 36 Ínice Remissivo Página 40 Sistemas e renagem 2015 1 Conteúo Programa completo - - - - -

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Regionalização da agropecuária paranaense por meio de redes neurais artificiais

Regionalização da agropecuária paranaense por meio de redes neurais artificiais Regionalização a agropecuária paranaense por meio e rees neurais artificiais Marcos Aami 1 Anré Lima 1 Ramon Morais e Freitas 1 Antonio Miguel Vieira Monteiro 1 Mauricio Alves Moreira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Transporte urbano - Táxi

Transporte urbano - Táxi Hugo Chinaglia (6451151) Isabela Gallego (6451105) Lucas Morita (6450873) Marcella Monaco Jyo (6451001) Transporte urbano - Táxi Desenvolvimento o projeto e proposta final FAU-USP 2010 Hugo Chinaglia (6451151)

Leia mais

INDICADOR DIGITAL 9091 AC MANUAL DO USUÁRIO

INDICADOR DIGITAL 9091 AC MANUAL DO USUÁRIO INDICADOR DIGITA 9091 AC MANUA DO USUÁRIO Versão 4,16-AC e posterior TOEDO INTRODUÇÃO Parabéns! Você está recebeno o Inicaor Digital Moelo 9091-AC com Acumulaor e Pesagens e Contagens, mais um prouto com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA PREDIÇÃO DE ALARMES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

UTILIZAÇÃO DE MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA PREDIÇÃO DE ALARMES EM PLANTAS INDUSTRIAIS 8 a 2 e setembro e 2 UTILIZAÇÃO DE MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA PREDIÇÃO DE ALARMES EM PLANTAS INDUSTRIAIS SÉRGIO H. BRAUNSTEIN #, ANDRÉ P. LERM #, RAFAEL A. R. LERM #2, ADRIANO V. WERHLI #2, SÍLVIA S.C.

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Risk attitudes in self-service restaurants

Risk attitudes in self-service restaurants ORIGINAL ORIGINAL ATITUDES DE RISCO EM RESTAURANTES DE AUTO-SERVIÇO 9 Atitues e risco o consumior em restaurantes e auto-serviço Risk attitues in self-service restaurants Renata Puppin ZANDONADI Raquel

Leia mais

Controle Adaptativo para Atendimento a Requisitos de Aplicações em MPSoCs

Controle Adaptativo para Atendimento a Requisitos de Aplicações em MPSoCs PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORÁTICA PROGRAA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CIÊNCIA DA COPUTAÇÃO Controle Aaptativo para Atenimento a Requisitos e Aplicações em PSoCs GUILHERE

Leia mais

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação.

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação. Caracterização a propagaçã o e rees e sensores sem fio em ambientes inustriais utilizano a RSSI como parâmetro e avaliação. erson Roberto Luqueta Centro e Ciências Exatas, Ambientais e e Tecnologias. ontifícia

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas Manuel António Facas Vicente Estimação os Erros e uma Máquina Estacionária e Meição e Coorenaas Departamento e Matemática Faculae e Ciências e Tecnologia Universiae e Coimbra 1997 Estimação os Erros e

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Concurso Público e Ingresso no Magistério Público Estaual EDITAL Nº 1/01/SED CADERNO 01 INSTRUÇÕES GERAIS Confira se a impressão o caerno e prova

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015

Sistemas de dre- nagem Tabela de Preços Válida desde 1 de Abril de 2015 Sistemas e renagem Tabela e Preços Vália ese 1 e Abril e 2015 Silent PP Página 2 Conições gerais e vena Página 36 Ínice Remissivo Página 40 Sistemas e renagem 2015 1 Conteúo Programa completo - - - -

Leia mais

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios Artigo Original DOI:59/7946X4635 Ciência e Natura, v37 n, 5, jan-abr p 3 44 Revista o Centro e Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: -837 ISSN on-line: 79-46X Solução para as Equações e Navier-Stokes

Leia mais

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE Renata Braga e Albuquerque Campos e Sebastião Salvaor Real Pereira, Universiae Feeral, Escola e Engenharia, Departamento e Engenharia

Leia mais

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue Moelos Epiemiológicos Acoplaos para a Dinâmica a Transmissão a Dengue Ana Carolina Simoneto 1, Rogério Luis Rizzi 1 1 Colegiao o Curso e Matemática - Centro e Ciências Exatas e Tecnológicas a Universiae

Leia mais

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade Rees especiais para abastecimento e água Sistema e tubagens PP-R Garantir a fiabiliae Rees especiais para abastecimento e água Proteger a fonte A água é fonte e via e conforto. Criar um sistema e tubagens

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família Ferramenta e Descrição a Família e os Seus Parões e Relacionamento Genograma Uso em Saúe a Família Hamilton Lima Wagner, Yves Talbot, Angela Beatriz Papaleo Wagner, Eleuza Oliveira Resumo Contexto: A comunicação

Leia mais

INDICADOR DIGITAL MODELO 9091 MANUAL DO USUÁRIO

INDICADOR DIGITAL MODELO 9091 MANUAL DO USUÁRIO INDICADOR DIGITA MODEO 9091 MANUA DO USUÁRIO INTRODUÇÃO Parabéns! Você está recebeno o Inicaor Digital Moelo 9091, mais um prouto com a qualiae e tecnologia TOEDO, estinao à pesagem ou contagem e peças.

Leia mais