Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leilão do IRB: Considerações Econômicas"

Transcrição

1 Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1

2 I) Introdução O objetivo deste artigo é tecer alguns comentários econômicos sobre o Edital de Privatização do IRB, publicado em 9/3/2000, com o leilão programado para 25/4/2000. Especificamente, dando ênfase ao seu possível preço de venda. Esta análise é desenvolvida em 4 partes: Na 1 a parte, esta Introdução. Na 2 a parte, a discussão dos parâmetros que devem ser usados nas comparações. Aqui, a opção foi pela escolha de companhias seguradoras brasileiras de proporções similares. Na 3 a parte, utilizamos os números obtidos no item anterior, além de avaliar o comportamento dos Prêmios Ganhos particularmente, de metodologia complexa, devido a diversos fatores envolvidos, tais como queda de preços, entrada de novas companhias, substituição de cosseguro por resseguro, etc. Feito isto, encontrou-se o Patrimônio Líquido teórico, para alguns patamares de receita, e em que condições haveria ágio nos leilões. Na 4 a e última parte, concluímos. 2

3 II) Parâmetros Usados II.1) Ações Ofertadas A tabela 1 indica a quantidade de ações do IRB. Ao todo, a União tem 500 mil ordinárias (com direito a voto), enquanto que as seguradoras possuem o mesmo tanto em preferenciais. Tabela 1 Quantidade de Ações Ordinárias Preferenciais Total União (leilão) Seguradoras União (venda aos funcionários) Quantidade de Ações No leilão desta companhia, serão vendidas 450 mil ordinárias, a um preço mínimo unitário de R$ 1.154,04. As outras 50 mil serão oferecidas aos funcionários, a um preço de R$ 546,64 (47% do valor mínimo do leilão). Tabela 2 Preços por Ação (R$) Ordinárias Preferenciais União (leilão) (mínimo) 1.154,04 Seguradoras 600,00 União (venda aos funcionários) 546,64 O Edital também regulamenta o preço para as seguradoras negociarem com o grupo vencedor as suas 500 mil ações preferenciais. No caso, R$ 600,00/ação. Tabela 3 - Valores das Ações no Leilão (R$ milhões) Ordinárias Preferenciais Total União (leilão) (mínimo) 519,3 519,3 Seguradoras 300,0 300,0 Valor Comprável 519,3 300,0 819,3 União (venda aos 27,3 27,3 funcionários) Total 546,7 300,0 846,7 Ou seja, o grupo vencedor poderá comprar, de início, 90% das ações por R$ 819,3 milhões (450 mil ordinárias a R$ 1.154,04/ação e 500 mil preferenciais a R$ 600,00/ação). Por simplificação, consideramos adicionalmente que a empresa 3

4 vencedora desejasse ter o controle pleno da companhia e, assim, resolvesse fazer uma oferta pelas ações dos funcionários, a um preço idêntico ao mínimo do leilão. Com esta hipótese, 100% do Patrimônio Líquido corresponderiam a R$ 877,0 milhões, a uma cotação média R$ 877,00/ação. Por questão de critério, ressaltamos que este número é diferente do encontrado no Edital. No mesmo, extrapola-se a quantia mínima a ser recebida pelas ordinárias (500 mil ações a R$ 546,6 milhões) para todo o Patrimônio Líquido, chegando-se a R$ 1.093,3 milhões (chamado de valor econômico). Para isto, é inserida a hipótese de que as outras ações as preferenciais seriam negociadas à mesma cotação média das ordinárias, o que, na prática, não é o que acontece. II.2) Critérios de Comparação Segundo o Edital, dentre os métodos testados, o que melhor se ajustou à análise do valor econômico do IRB teria sido o do Fluxo de Caixa Descontado, para 10 anos. Ou seja, estimaram-se as receitas e despesas para este período, descontando-as a uma determinada taxa de juros. Neste artigo, seguiremos um caminho similar. Agora, o nosso primeiro objetivo foi encontrar quais parâmetros devem ser usados para se comparar com o IRB. Neste caso, havia duas opções básicas. A primeira delas seria comparar com os dados de alguma resseguradora internacional. Esta hipótese, entretanto, foi descartada por dois motivos. Primeiro, as características únicas de operação do IRB, uma empresa monopolista e tradicional no mercado brasileiro. Uma segunda razão seria que, deste modo, estamos desprezando os dados e as margens praticadas pelas outras empresas que operam com seguros no país. Para contornar este fato, a outra opção (que foi usada) para a comparação seria considerar que, no médio prazo, os parâmetros se aproximem dos valores de uma amostra selecionada de companhias. É bom lembrar que, se o IRB participasse do ranking das seguradoras brasileiras, ele ocuparia a 7 a colocação em 1998 (vide tabela 4). Tabela 4 Ranking 1998 (Valores em R$ milhões) Ranking Grupos Prêmios Totais Participação % 1 Sul América ,15% 2 Bradesco ,89% 3 Itaú ,73% 4 Porto Seguro ,41% 5 Unibanco 850 4,23% 6 HSBC 685 3,41% 7 IRB 670 3,34% 8 AGF 632 3,15% 9 Aliança do Brasil 528 2,63% 10 Marítima 514 2,56% Obs: A Participação % já considera o IRB no faturamento. 4

5 Definido o critério de comparação, buscou-se escolher uma amostra de seguradoras brasileiras que tivesse porte similar ao do IRB, que operasse há 5 anos no país, e que não tivesse sofrido alguma mudança administrativa relevante no período, evitando que os dados contábeis pudessem ficar prejudicados. Assim, foram definidas 7 empresas, citadas na tabela 5. Tabela 5 Amostra das Empresas Analisadas Seguradoras Escolhidas 1 AGF Brasil Seguros S. A. 2 Bradesco Seguros S. A. 3 Itaú Seguros S. A. 4 Marítima Seguros S. A. 5 Porto Seguro Cia. de Seguros Gerais 6 Sul América Cia. Nacional de Seguros 7 Unibanco Seguros S. A. Dois indicadores serão escolhidos para a comparação. O primeiro avalia a margem líquida do faturamento (em nosso caso, Lucro Líquido/Prêmios Ganhos). O segundo indicador mede este mesmo lucro em função do capital dos acionistas (agora, Lucro Líquido/Patrimônio Líquido). Na tabela 6, apresentamos os valores encontrados. No caso da amostra, e em cada ano, a média aritmética das 7 empresas e, no IRB, o próprio valor desta. Tabela 6 Indicadores Amostra e IRB Amostra Amostra IRB IRB LL/PL LL/PG LL/PL LL/PG ,1% 10,5% 17,8% 18,2% ,6% 11,4% 16,1% 14,5% ,6% 11,0% 10,4% 8,8% ,8% 9,0% 26,5% 26,1% 1999e 18,7% 11,8% 20,4% 23,6% Média 17,4% 10,7% 18,2% 18,2% desvio-padrão 1,2% 1,0% 5,3% 6,2% LL: Lucro Líquido PL: Patrimônio Líquido PG: Prêmios Ganhos 1999e: Valores estimados do semestre para o ano Pela tabela 6, algumas conclusões importantes podem ser tiradas: i) Nas 7 empresas da amostra, observamos uma grande regularidade nos indicadores. No caso da taxa de rentabilidade (LL/PL), ela se situa próxima a 17%. Já a margem do faturamento (LL/PG) convergiu para 11%. Estes dois números 5

6 serão usados a seguir, no cálculo do valor do IRB. O primeiro para descontar os resultados, ano a ano. O segundo, para estimar as margens de rentabilidade, dado um nível de faturamento. ii) Já, no caso do IRB, como se vê pelo desvio-padrão dos dados, não existiu esta regularidade. Naturalmente, pelo processo de ajustes ocorridos nesta instituição. Em vista disso, nas estimativas do item seguinte, consideraremos que as margens atuais (LL/PG) estejam apenas no padrão médio dos últimos 2 anos. Isto é, aproximadamente, 24%. iii) Um outro aspecto bem interessante a ser reparado é o elevado nível de capitalização do IRB, em função do atual volume de receita. Na amostra, o indicador PG/PL se situa em 65% (11%/17%). Já, no IRB, este valor é de 100%, o que indica que a empresa, teoricamente, não precisa se preocupar, neste momento, com nenhum aporte de capital mais relevante. 6

7 III) Estimativas III.1) Metodologia Usada Tabela 7 Exemplo da metodologia de cálculo do Patrimônio Líquido (Valores em R$ milhões) Ano PG LL/PG LL VA(LL) % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % Total (PL teórico) 967 Critérios: Taxa de crescimento do Prêmios Ganhos = 9% ao ano Taxa de desconto do Patrimônio Líquido = 17% ao ano A tabela 7 apresenta uma estimativa para o Patrimônio Líquido teórico atual do IRB (em termos reais), estando construída da seguinte forma: i) O Patrimônio Líquido teórico é determinado pelo Valor Atual dos Lucros Líquidos anuais (calculados por 25 anos), descontados pela taxa de juros de remuneração média para este tipo de investimento no mercado brasileiro 7

8 (seguradora de grande porte). Isto é, como deduzimos no item anterior, 17% ao ano. ii) Uma outra variável importante consiste na determinação da margem líquida, em função dos Prêmios Ganhos. Na tabela 6, a margem da amostra selecionada tem sido, em média, de 11% ao ano, enquanto que a do IRB se situou, nos últimos dois anos, em 24% ao ano. Naturalmente, como já comentado, este elevado nível se deve a circunstâncias específicas desta empresa. Em vista disso, a hipótese colocada é que a tendência será de convergência para a taxa média do mercado (a ser alcançada ao final do 5 o ano). Nos 2 primeiros anos após a privatização, a queda ainda seria um pouco lenta, em função da reserva de mercado de 60% da receita de resseguro, regra citada no Edital. iii) Em nosso ver, a maior dificuldade nas previsões consiste em estimar o volume de receita desta empresa, em função de diversos fatores envolvidos. Em 1999, os Prêmios Ganhos foram de R$ 659 milhões. A hipótese usada é que, a partir daí, elas cresceriam a uma taxa de 9% ao ano. No item seguinte, detalhamos mais a metodologia de cálculo desta variável. iv) Com estes números, encontraríamos um Patrimônio Líquido de R$ 967 milhões, acima, portanto, do preço mínimo calculado, R$ 877 milhões. Ainda dentro deste mesmo raciocínio, esta diferença de R$ 90 milhões, que o participante do leilão, teoricamente, estaria disposto a pagar, corresponderia a um ágio de 17,4% (sobre o desembolso básico de R$ 519 milhões). III.2) Simulações Conforme comentado anteriormente, para a definição do preço teórico do IRB, a maior dificuldade consistiu em prever o faturamento desta companhia para os próximos anos. Tabela 8 Fatos que afetam o volume de receita do IRB Fatos Favoráveis Reserva parcial por 2 anos Substituição das operações de cosseguro pelas de resseguro Diminuição da taxa de retrocessão Fatos Desfavoráveis Preços do resseguro caem com a competição Entrada de novas companhias levando à diminuição da participação Há, pelo menos, 5 fatores específicos que afetam este comportamento 3 favoráveis e 2 desfavoráveis, segundo a tabela 8. Aqui, para não complicar muito, não citamos os que influenciam indiretamente, como a taxa de crescimento da economia, a melhora na distribuição de renda, o comportamento das taxas inflacionárias, reformas econômicas, políticas ou mesmo o nível de crescimento do setor de seguros como um todo. Assim, com esta simplificação, e dentre os favoráveis, citamos a reserva parcial de mercado por 2 anos (60% da receita gerada pelo setor), a substituição das operações de cosseguro por resseguro, e a diminuição da atual taxa de 8

9 retrocessão. Já as desfavoráveis estão centradas no aumento da competição, levando tanto a uma queda de preços, como a uma queda da participação do IRB no mercado ressegurador brasileiro. Oferecendo uma ordem de grandeza dos valores, apresentamos, na tabela 9, uma possível previsão para os Prêmios Ganhos do IRB nos próximos 5 anos. Tabela 9 Simulação - Prêmios Ganhos do IRB em 5 anos Indicadores Hoje Em 5 anos Var % Índice de Preços Relativos 1,0 0,9-10% % Retrocessão 43% 15% -65% Participação 100% 50% -50% Volume Seguros 1,0 1,4 40% Mudança Cosseguro 0% 50% n.d. IRB (em R$ milhões) Hoje Em 5 anos Var % Prêmios Emitidos % Retrocessões (495) (180) -64% Prêmios Ganhos % Mercado (em R$ milhões) Hoje Em 5 anos Var % Prêmios Resseguro % Prêmios Cosseguro (antes da % substituição por resseguro) Volume atual % Por exemplo, hoje, o volume de resseguro seria de, aproximadamente, R$ 1,2 bilhões (antes da retrocessões), com R$ 1,5 bilhões em cosseguro. Nesta situação, 43% são passados em retrocessão, resultando em um montante de R$ 650 milhões. Daqui a 5 anos, o seguinte cenário é previsto:. Queda de 10% nos preços relativos do resseguro.. Taxa de retrocessão cairia para 15%.. A participação do IRB no mercado ressegurador brasileiro cairia para 50%.. O crescimento das operações de resseguro, em função apenas da variação do volume de seguros, seria de 40% (7% ao ano).. 50% do volume de cosseguro serão substituídos por operações de resseguro. Com estas hipóteses, os Prêmios Ganhos do IRB crescem 54% em 5 anos, a uma taxa média de 9% ao ano (número usado como balizamento na tabela 7). Naturalmente, estes números poderão variar de projeção para projeção. De qualquer maneira, a metodologia e as variáveis citadas não devem sofrer mudanças mais significativas. Em complemento final, apresentamos 2 gráficos. O primeiro deles relaciona o Patrimônio Líquido teórico com a taxa estimada de variação dos Prêmios 9

10 Ganhos. O segundo é mais interessante, já que estima possíveis ágios no leilão, calculado também para diversas variações de receita. Como se vê, a diferença só passaria a existir se qualquer dos participantes do leilão pudesse prever uma taxa de variação de receita (Prêmios Ganhos) acima de 7,7% ao ano na gestão deste negócio e, naturalmente, fizesse uma oferta baseada nestes números. Antes disso, pela obrigatoriedade do preço mínimo, o ágio seria zero. Um outro ponto interessante a ser observado nos gráficos é o crescimento exponencial do ágio e do preço da empresa, a medida que a taxa de variação dos prêmios aumente. Gráfico 1 - Patrimônio Líquido x Taxa de Crescimento dos Prêmios Ganhos PL (R$ milhões) % 5% 10% 15% 20% Taxa de Crescimento (% ao ano) Gráfico 2 - Ágio x Taxa de Crescimento dos Prêmios Ganhos Ágio no leilão (% 400% 350% 300% 250% 200% 150% 100% 50% 0% 0% 5% 10% 15% 20% Taxa de Crescimento (% ao ano) 10

11 IV) Conclusões O objetivo deste artigo foi analisar economicamente algumas características do leilão do IRB, a ser realizado no final do mês de abril de Neste sentido, foi apresentada uma metodologia buscando mensurar o possível valor justo para esta instituição, através do desconto dos seus lucros projetados para os próximos 25 anos. Inicialmente, porém, deduzimos alguns indicadores, usados nas comparações, escolhendo-se como referência uma amostra de empresas que opera no mercado brasileiro. Como parâmetros, os números encontrados foram as taxas Lucro Líquido/Patrimônio e Lucro Líquido/Prêmios Ganhos iguais a 17% e 11%, respectivamente. Em seguida, projetou-se a taxa de variação dos prêmios desta instituição após a privatização, o que foi mais difícil, devido a vários fatores envolvidos queda de preços, entrada de novas companhias, substituição de cosseguro por resseguro, etc. Feito isto, determinou-se o Patrimônio Líquido teórico em função de diversas taxas de variação de Prêmios Ganhos. No cálculos, o ponto em que o Patrimônio Líquido estimado atinge o valor mínimo exigido no leilão é quando a taxa de crescimento dos Prêmios Ganhos for de, aproximadamente, 8% ao ano. A partir daí, teoricamente, o ágio passaria a existir. 11

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 I) Critérios www.ratingdeseguros.com.br 1) Os dados usados serão os números de 2007 e do 1º Semestre de 2008. 2) Os prêmios serão dados nas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99)

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), Professor do MBA - Gestão Atuarial e Financeira (USP) e-mail: galiza@gbl.com.br

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Títulos de Capitalização: Análise comercial indica mudanças estratégicas Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Dezembro/2000

Títulos de Capitalização: Análise comercial indica mudanças estratégicas Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Dezembro/2000 Títulos de Capitalização: Análise comercial indica mudanças estratégicas Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Dezembro/2000 I) Introdução O objetivo deste estudo é avaliar a estratégia comercial de

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Antes de demonstrar os números do seguro saúde cabe ressaltar alguns pontos importantes:

Antes de demonstrar os números do seguro saúde cabe ressaltar alguns pontos importantes: 1- Introdução: Antes de demonstrar os números do seguro saúde cabe ressaltar alguns pontos importantes: i) em 2001 o governo determinou que as empresas de seguros passassem a ter sua operação isolada,

Leia mais

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 1) Tendência e Participação O ramo de seguro de transportes é um dos mais tradicionais no mercado brasileiro.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

Siscorp Serviços e Informática Ltda. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 38 Cj.1202 - Ciragan Office - CEP: 01410-000 Cerqueira Cesar - São Paulo - SP -

Siscorp Serviços e Informática Ltda. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 38 Cj.1202 - Ciragan Office - CEP: 01410-000 Cerqueira Cesar - São Paulo - SP - EVOLUÇÃO DO MERCADO DE SEGUROS NO BRASIL PROJEÇÕES PARA 2009 A 2012 CRITÉRIOS UTILIZADOS Este trabalho foi desenvolvido com o cenário de que no início do quadriênio 2009 a 2012 haverá uma redução moderada

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli! Entendendo melhor a duração modificada! Como utilizar a duração modificada?! O que é imunização?! Qual o efeito da mudança do cupom

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras

Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras I) Introdução Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) Ao final de 1998, a Susep

Leia mais

REC 3600 Finanças 1 primeira prova

REC 3600 Finanças 1 primeira prova REC 3600 Finanças primeira prova Roberto Guena de Oliveira Setembro de 204 Nome Gaba² to nº usp:. Em um mundo com apenas duas datas, uma investidora dispõe de R$60 no ano corrente e pode fazer o li investimento

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas

Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2005 1 Sumário: I) Introdução II) Cenário Econômico - Brasil II.1) PIB II.2) Taxas de Inflação

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS MERCADO BRASILEIRO 2000 A 2011 2 Sumário 1 METODOLOGIA... 3 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE EXEMPLARES DE 2000 A 2011... 4 3 RECEITAS ANUAIS POR PERIODICIDADE... 5 3.1 PREÇO

Leia mais

12/09/13. } Conceitos:

12/09/13. } Conceitos: Adriano Gonçalves de Araujo Ana Carolina Cezar Sales Fabíola Gomes Silva Magalhães Renato Domingos Arantes Silvia Cristina A. S. de Paula } Conceitos: Preço justo de uma ação; Valor estimado de um projeto

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras º- semestre 202 Mensagem do Presidente O que mudou em 202. O agrupado de informações sobre um determinado grupo é fundamental para que possamos avaliar o comportamento de cada um

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

O mercado de seguros no Brasil - Um setor em expansão e suas características principais

O mercado de seguros no Brasil - Um setor em expansão e suas características principais O mercado de seguros no Brasil - Um setor em expansão e suas características principais Francisco Galiza Agosto/97 1 SUMÁRIO: I) Introdução II) Características principais II.1) Uma maior desconcentração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 BB Seguridade S.A. Resultado do 2º Trimestre de 2013 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR A taxa interna de retorno é a taxa de juros (desconto) que iguala, em determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com o das saídas (pagamentos)

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Cadastro das Principais

Cadastro das Principais 46 Cenário Econômico Cadastro das Principais Corretoras de Seguros Primeiras conclusões Francisco Galiza O estudo ESECS (Estudo Socioeconômico das Corretoras de Seguros), divulgado pela Fenacor em 2013,

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Aula 7 - Cálculo do retorno econômico

Aula 7 - Cálculo do retorno econômico Aula 7 - Cálculo do retorno econômico Cálculo do retorno econômico Para comparar os custos e os benefícios de um projeto social, precisa-se analisá-los em valores monetários de um mesmo momento do tempo.

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Francisco Galiza Autor do livro Economia e Seguro: Uma Introdução, publicado pela Funenseg 1) Introdução: Uma configuração atual do ramo O objetivo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA QUEDA DA TAXA DE JUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS

A INFLUÊNCIA DA QUEDA DA TAXA DE JUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS A INFLUÊNCIA DA QUEDA DA TAXA DE JUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS 1 FATOS: O Brasil durante muito anos sofreu bastante com vários Planos Econômicos que buscavam estabilizar a Economia Nacional. Foram

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras 2014 Ranking das - 2014 1 2 Ranking das - 2014 Mensagem do Presidente Crescendo em situação econômica desafiadora Costumo dizer que atuamos em um setor que segue crescendo, até mesmo, em momentos desfavoráveis

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras º Semestre 0 Mensagem do Presidente SUMÁRIO: I) Critérios II) Ranking de Seguros II.) Total (sem VGBL) II.) Automóvel II.) Patrimonial 0 II.) Pessoas (sem VGBL) II.) Riscos Financeiros II.) Transportes

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização.

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS Janeiro a Dezembro de 2008 Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. Dados Realizados em 2008 e Estimados para

Leia mais

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1 LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA Lista de Exercício - 1 1- A que taxa de juros simples : a) $ 20.000,00 se elevarão a $ 21.100,00 em um ano? (Resp. 5,5%aa). b) $ 720.000,00 se elevarão a $ 744.000,00

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 30-10-2013 aula 3 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CURTO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Análise de indicadores bancários e financeiros em 2014 1 A concentração bancária brasileira em

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Apresentação d t ã de Resultados 3T07

Apresentação d t ã de Resultados 3T07 A t ã d Apresentação de Resultados 3T07 Agenda Eventos Recentes Destaques Estratégicos Destaques Financeiros Resultados Financeiros Guidance 2007 Guidance 2008 2 RESULTADOS 3T07 Os resultados referentes

Leia mais

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática Aula 5 Técnicas de estimação causal Aula 7 Cálculo do Retorno Econômico: Prática O Curso Aula 1: Introdução - escopo e objetivos do curso Aula 2: Como estruturar projetos sociais pela ótica da avaliação

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY

XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY BERKSHIRE HATHAWAY PORTFOLIO DE EMPRESAS Investimentos na Bolsa Americana Warren Buffett é considerado o maior investidor de todos os tempos. Sua filosofia consiste

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Destaques do Trimestre

Destaques do Trimestre Resultados do 1T12 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 2 Como investir em ações utilizando

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12 Faturamos 53 unidades de implementos rodoviários no 1T12 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 116 33 40 55 53 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12 O mercado de implementos rodoviários mostrou-se

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais