JULIANA VAZ DE OLIVEIRA MILENA MARINS DE REZENDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANA VAZ DE OLIVEIRA MILENA MARINS DE REZENDE"

Transcrição

1 JULIANA VAZ DE OLIVEIRA MILENA MARINS DE REZENDE ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES GERENCIAIS DA MPT (MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL) NAS AÇÕES INDUSTRIAIS E SUAS RELAÇÕES COM FERRAMENTAS DE VANTAGEM COMPETITIVA Trabalho de graduação apresentado ao Departamento de Engenharia Elétrica e de Produção da Universidade Federal de Viçosa como parte das exigências para a conclusão do curso de Engenharia de Produção. Orientador Prof. Danielle Dias Sant Anna Martins VIÇOSA MINAS GERAIS - BRASIL 2005

2 ATA No. DA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NECESSÁRIA À CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Às : horas do dia de de, a Comissão Examinadora de Trabalho de Graduação, cujos membros estão mencionados abaixo, reuniu-se nas dependências do Campus da Universidade Federal de Viçosa para julgar o trabalho do(a) estudante, matrícula n, intitulado, requisito necessário à conclusão da disciplina obrigatória EPR 491 Trabalho de Graduação II do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Viçosa. Ao abrir a seção, o(a) Presidente da Comissão, após dar a conhecer aos presentes os procedimentos a serem adotados na apresentação, passou a palavra ao estudante que passou a apresentar seu trabalho. Em sessão pública, após a exposição, o estudante foi argüido oralmente pelos membros da Comissão Examinadora tendo como resultado: ( ) Aprovação; ( ) Aprovação condicionada a satisfação das exigências constantes no verso desta folha; ( ) Reprovação Lavrada pelo(a) Presidente da Comissão, a presente ata é assinada pelos membros da Comissão e pelo(a) estudante que estão de acordo com as informações nela contida. Viçosa, de de. Orientador-Presidente da Comissão: Prof(a). Membro da Comissão: Prof(a). Estudantes

3 Aos nossos pais, que viram em nós um futuro promissor e que acreditam que somos capazes de tudo que queremos. São a nossa força, o nosso apoio e nosso incentivo. Aos nossos irmãos, que vêem em nós um grande exemplo de vida e que, com isso, nos ajudam a crescer. II

4 Agradecimentos À Deus, que nos permitiu viver tudo isso. À nossa orientadora pelo respeito por nosso trabalho, dedicação, paciência e amizade. Ao professor Tibiriçá por nos mostrar sempre o caminho e pela dedicação e simpatia com que trata a todos. Aos nossos amigos que nos escutaram nos momentos difíceis e que nos deram muita força nessa etapa de nossas vidas. Aos nossos namorados pelo incentivo, pela paciência que tiveram e por sempre estarem prontos a nos ajudar. III

5 Sumário RESUMO...V Glossário...VI Capítulo 1- Introdução Justificativa e delimitação do trabalho Objetivos...9 Capítulo 2- Materiais e métodos...9 Capítulo 3- Caracterização da MPT Importância da manutenção Evolução da manutenção Conceitos e objetivos As seis grandes perdas Pilares de sustentação da MPT...16 Capítulo 4- Relações entre a MPT e outras filosofias de vantagem competitiva Gestão de competências X MPT JIT X MPT CQT X MPT...22 Capítulo 5- Conclusão...25 Referências...26 IV

6 OLIVEIRA, J.V. ; REZENDE, M.M. Estudo Das Implicações Gerenciais Da MPT (Manutenção Produtiva Total) Nas Ações Industriais E Suas Relações Com Ferramentas De Vantagem Competitiva f. Trabalho de Graduação - Departamento de Engenharia Elétrica e de Produção, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa MG. RESUMO Na definição e implementação de uma estratégia competitiva na indústria, a Produção pode ser considerada um setor de grande importância para disseminação da cultura de melhoria contínua, guiando a organização rumo ao alcance de vantagens frente ao mercado. A Manutenção Produtiva Total (Total Productive Maintenance), MPT, pode ser um dos elementos que contribui para tal, já que é uma filosofia que visa a eficácia da estrutura orgânica da empresa, por meio de melhorias em termos materiais e humanos. O presente trabalho apresenta a MPT como ferramenta de aprimoramento contínuo através de conceitos e características referentes ao método. Preocupa-se, também, em fazer uma analogia da MPT com outras importantes ferramentas, mostrando a importância da união delas para o alcance de vantagem competitiva. Palavras Chave: Manutenção Produtiva Total, Gestão de Competências, Just in time, Controle da Qualidade Total. V

7 Glossário Capabilidade: é a capacidade de fabricar produtos ou de operar sistemas e equipamentos dentro dos limites de especificação ou tolerância do projeto. Confiabilidade: por definição estatística, é a probabilidade de um equipamento funcionar. Mede a habilidade de um equipamento, sistema produtivo ou serviço de acordo com o esperado. Falhas: a falha de um equipamento é a situação na qual este se torna incapaz, total ou parcialmente, de desempenhar uma ou mais funções para qual foi projetado e construído. Kaisen: significa aprimoramento. Técnica japonesa que busca o aprimoramento contínuo do processo e das pessoas, visando diminuição de custos e aumento da qualidade total do processo. Kanban: em japonês significa cartão ou sinal. É um método de operacionalizar o sistema de planejamento e controle puxado. Algumas vezes é chamado de correia invisível, pois controla a transferência de material de um estágio para o outro da operação. Em sua forma mais simples é um cartão utilizado por um estágio cliente para avisar seu estágio fornecedor que o material deve ser enviado. Manutenção: termo usado para abordar a forma pela qual as organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. Pode-se dizer, de forma geral, que existem dois tipos de trabalho de manutenção: os da manutenção dos prédios e das instalações e a manutenção dos equipamentos de produção. O trabalho aborda o segundo tipo. Manutenção Autônoma: Visa permitir que o pessoal que opera ou usa os equipamentos da produção assumam as responsabilidades pela manutenção e cuidado desses. Cria uma responsabilidade pela melhoria do desempenho da manutenção. Manutenção Corretiva: manutenção realizada após a falha. Significa deixar as instalações continuarem a operar até que quebrem. Manutenção Preditiva: conjunto de procedimentos que visa determinar o momento ótimo (ponto preditivo) para a execução de uma manutenção preventiva. Baseia-se no fato de que em uma manutenção preventiva, alguns componentes podem ser trocados antes de apresentarem defeitos. Busca-se prever qual o momento da falha e intervir um pouco antes. VI

8 Manutenção Preventiva: conjunto de procedimentos que visam manter o equipamento em funcionamento, executando serviços que previnam e evitem paradas imprevistas. Ex.: Lubrificação, limpeza, ajuste ou troca de componentes, instalação, preparação, Scandisk, Backups, Desfragmentação etc. Objetiva reduzir as probabilidades de falha por manutenção das instalações em intervalos pré-planejados. Perdas: qualquer coisa que não seja a quantidade mínima de equipamento, de materiais, de peças e de trabalhadores (tempos de trabalho) que são absolutamente essenciais à produção. Qualidade: significa fazer exatamente como foi prescrito. Seu desempenho envolve um aspecto externo que lida com a satisfação do consumidor e um aspecto interno que lida com a estabilidade e a eficiência da organização. Quebras: perda da função básica dos objetos ou equipamentos, ou seja, falta de aptidão para execução da função básica estabelecida. Set-up: é o tempo definido como o tempo decorrido na troca do processo da produção de um lote até a produção da primeira peça boa do lote. VII

9 Capítulo 1 - Introdução Diante de uma economia globalizada, a competitividade nunca foi tão marcante entre as empresas, em nível nacional e mundial como nos dias de hoje, fato que tem colocado em ameaça a sobrevivência delas. Desenvolver continuamente estratégias se torna fundamental para as organizações obterem vantagens competitivas. Não basta produzir, deve-se competir com qualidade e baixos custos. Além disso, a flexibilidade da produção e menor tempo de resposta também são fatores que conferem sucesso a uma organização, uma vez que garantem a satisfação do cliente. Em decorrência desse quadro pode se afirmar que a alta produtividade da empresa está intimamente ligada ao seu sucesso. Perdas de tempo devido a paradas de equipamentos no processo produtivo e a falhas gerenciais e/ou técnicas são ameaças à produção com qualidade e à minimização do tempo de entrega, podendo ser causa de insatisfação por parte dos clientes. Essas perdas podem ser minimizadas se passarem a receber maior atenção pelo setor de manutenção da empresa, que está estritamente ligado à situação descrita. Dessa forma, a Manutenção deixa de ser vista apenas como fator de custos e gastos e passa a ser uma grande aliada do sistema produtivo. Torna-se necessário, então, realizar uma manutenção planejada. Isto pode ser feito por meio de diversas técnicas e filosofias empregadas, individual ou conjuntamente, em várias áreas funcionais da empresa. Um programa muito utilizado é o TPM Total Productive Maintenance (Manutenção Produtiva Total ou MPT), que é uma filosofia de melhoria contínua que visa a eficácia da própria estrutura orgânica da empresa, através das melhorias a serem introduzidas e incorporadas tanto nas pessoas como nos equipamentos (NAKAJIMA, 1989). Em vista de seus benefícios, a MPT tem sido visado por empresas como forma de estratégia para alcançar vantagem competitiva. 1.1 Justificativa e delimitação do trabalho A Manutenção Produtiva Total é fundamental como forma de melhorar a gestão da manutenção nas empresas industriais. A utilização desta filosofia conduz a uma melhoria da estrutura da empresa em termos materiais (máquinas, equipamentos, ferramentas, matéria-prima, produtos etc.) e em termos humanos (aprimoramento das capacitações 8

10 pessoais envolvendo conhecimentos, habilidades e atitudes) gerando incremento da qualidade e produtividade. Assim, o MPT pode ser visualizado como uma forma de reduzir os custos globais de manutenção da empresa e como um parceiro decisivo para obtenção de alta produtividade. Em decorrência disso e da escassez de materiais relativos ao tema, optou-se por fazer uma revisão sobre a MPT a fim de que auxilie gestores no gerenciamento da produção e outros leitores no enriquecimento dos seus conceitos. Desse modo, o trabalho consta de um estudo minucioso sobre a MPT no segmento de empresas industriais, limitando-se a apresentar conceitos e discussões sobre o assunto sem demonstrar métodos de sua implantação. 1.3 Objetivos No geral, o interesse está voltado para o aprofundamento e a compreensão das implicações gerenciais da MPT nas ações das indústrias bem como seu relacionamento com outras ferramentas de vantagens competitivas. Para isso, especificamente, pretende-se: 1- realizar levantamentos bibliográficos sobre o MPT; 2- analisar estudos de casos que envolveram a aplicação da MPT em empresas, identificando melhorias ocorridas assim como problemas e dificuldades; 3- realizar levantamentos bibliográficos sobre Gestão de Competências, Controle da Qualidade Total (CQT) e Just In Time (JIT); e 4- relacionar a ferramenta MPT com os modelos de gestão de competências, CQT e JIT. Capítulo 2 Materiais e métodos A idealização do trabalho partiu do contato com a MPT por meio de empresas que utilizam tal ferramenta em seu modelo de gestão. A partir disso, a concepção da importância da MPT no processo produtivo e a escassez de materiais sobre o assunto fez com que se desenvolvesse o trabalho. As principais etapas seguidas para a realização do trabalho, após a identificação do problema, foram: 1- coleta de dados e informações: partiu-se da prospecção bibliográfica disponível em periódicos, livros, publicações de empresas e informações presentes na rede mundial de 9

11 computadores (Internet). 2- classificação, análise e descrição das informações: após a coleta do material, foi feito uma divisão entre material referente a informações teóricas e o material referente a informações práticas, ou seja, aplicabilidades do MPT. As informações foram analisadas observando os seguintes pontos: conceito do método, características, vantagens e desvantagens, e benefícios gerados nas mais diversas áreas empresariais. Paralelamente, procurou-se, de modo exploratório e do ponto de vista do sistema empresarial, entender como a MPT se relaciona com as outras áreas de conhecimento e gestão empresarial. 3- coleta de dados sobre outras ferramentas de gestão e descrição das informações: percebidas as relações, buscou-se estabelecer vínculos entre a MPT e outras ferramentas de gestão, descrevendo a importância dessa relação para as organizações. Capítulo 3 Caracterização da MPT 3.1 Importância da manutenção A Globalização e o crescente acirramento da competição entre empresas em nível nacional e internacional faz com que a necessidade de flexibilização, redução de custos, resposta rápida e garantia de qualidade se tornem fatores de alcance de sucesso. O atual contexto econômico, portanto, torna a manutenção um fator de grande importância. De acordo com o dicionário OXFORD, o termo citado significa suporte, cuidado, preservação, perpetuação de determinado objeto ou ação. Essa definição implica que se aplicada uma correta manutenção em máquinas e equipamentos, possuirão seu estado e funcionamento preservados, garantindo a continuidade da produção de qualidade. Segundo ROCHA (1995), o departamento de manutenção tem importância vital no funcionamento de uma indústria. Pouco adianta o administrador de produção procurar ganho de produtividade se os equipamentos não dispõem de manutenção adequada. À manutenção cabe zelar pela conservação da indústria, especialmente de máquinas e equipamentos, devendo antecipar-se aos problemas através de um contínuo serviço de observação dos bens a serem mantidos. O planejamento criterioso da manutenção e a execução rigorosa do plano permitem a fabricação permanente dos produtos graças ao trabalho contínuo das máquinas, reduzindo ao mínimo as paradas temporárias da fábrica. 10

12 Além do aumento da confiabilidade da produção, uma correta manutenção dos equipamentos também garante uma maior segurança ao operador, diminuição dos custos de engenharia e aumento da rapidez de resposta aos clientes. Antes tratada como fator de custos adicionais e não necessários para as empresas, hoje a manutenção se torna uma função estratégica no ambiente industrial, sendo um agente de otimização da produção e, consequentemente, de lucros. 3.2 Evolução da manutenção Apesar do termo Manutenção ter surgido apenas no século XVI, com o advento das primeiras máquinas têxteis a vapor, seu conceito vem sendo utilizado desde os primórdios da civilização. Afinal, a conservação de bens sempre foi uma prática comum. TAVARES (1996) diz que manutenção compreende todas as ações necessárias para que um item (equipamento, obra ou instalação) seja conservado ou restaurado, de modo a poder permanecer de acordo com uma condição especificada. O processo de manutenção vem sofrendo grandes transformações ao longo do desenvolvimento industrial, sendo aprimorado constantemente de acordo com as necessidades de negócios. A forma mais primária de manutenção conhecida é a Manutenção Corretiva, podendo ser simplificada pelo ciclo quebra-repara, não sendo planejada. Após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos se tornaram líder mundial em manufatura e a demanda por seus produtos passou a exceder significativamente sua capacidade de produção. Na época, o cuidado com as máquinas e equipamentos passou a ser essencial nas indústrias, já que o objetivo das indústrias era produzir cada vez mais e cada interrupção do processo, devido a uma quebra qualquer, significava perda de produção. Foi nesse período que teve início a era da Manutenção Preventiva, que se refere à prevenção de defeitos e falhas de forma a reduzir ou evitar a quebra de máquinas e queda no desempenho, baseado em planos previamente elaborados. Esta filosofia destaca-se pela grande diminuição de gastos e perdas de produção ocorrida pela redução do uso de manutenção corretiva durante o fluxo do processo. Na década de 60, devido ao aumento da competitividade e desenvolvimento de novas tecnologias, tornou-se necessária e possível a evolução de outro tipo de manutenção, 11

13 a Preditiva, ocorrendo somente quando necessário. A Manutenção Preditiva permite a prevenção das falhas, por meio do monitoramento sistemático das condições das operações, que detecta mau funcionamento de equipamentos e planeja intervenções devidas, possibilitando que o equipamento opere continuamente pelo maior tempo possível. Esta nova filosofia foi marcada como a primeira grande quebra de paradigma na manutenção, sendo intensificada pelo aumento do conhecimento tecnológico e desenvolvimento de equipamentos que permitia avaliação confiável de sistemas operacionais em funcionamento. Nos anos 70, com a alta competição existente no mercado, a MPT surgiu no Japão a partir de um avanço das técnicas e procedimentos tradicionais da Manutenção. A MPT, portanto, foi criada e desenvolvida dentro das concepções do Sistema Toyota de Produção (STP), com a filosofia de maximização do rendimento operacional global através da otimização. A MPT significa manutenção autônoma da produção com a eliminação de desperdícios, o envolvimento de todos os funcionários e aprimoramento contínuo das técnicas e pessoas envolvidas. 3.3 Conceitos e objetivos A MPT concentra sua atenção na eliminação de perdas geradas por mau uso de equipamentos e de recursos humanos, restaurando as não conformidades e introduzindo pequenas melhorias através do desenvolvimento sistemático dos operadores. Assim, em seu sentido mais amplo, é uma filosofia e uma coleção de práticas e técnicas, desenvolvidos pela indústria japonesa e destinados a maximizar a capacidade dos equipamentos e processos, não se destinando somente para a manutenção dos equipamentos, mas também para todos os aspectos relacionados à sua instalação e operação e sua essência reside na motivação e no enriquecimento pessoal das pessoas que trabalham dentro da companhia (DAVIS, 1995 apud DAVIS, M. M.; AQUILANO, N. J.; CHASE, R. B., 2001). Em 1989, NAKAJIMA propôs um significado para cada letra do termo MPT, que serão descritos abaixo: 12

14 - letra "T": "TOTAL". Total no sentido de eficiência global, no sentido de ciclo total de vida útil do sistema de produção e no sentido de todos os departamentos e de participação; - letra "P": "PRODUCTIVE". A busca do sistema de produção até o limite máximo da eficiência, atingindo "zero acidente, zero defeito e quebra/falha zero", ou seja, a eliminação de todos os tipos de perda ate chegar ao nível zero; - letra "M": "MAINTENANCE". Manutenção no sentido amplo, que tem como objeto o ciclo total de vida útil do sistema de produção e designa a manutenção que tem como objeto o sistema de produção de processo único, a fábrica e o sistema de vendas. NAKAJIMA (1989 apud NAKAJIMA, 1996) também revisou a definição do MPT, proposta em 1971 pela JIPM - Japan Institute of Plant Maintenance, concedendo uma atualização que se apresenta nos cinco itens seguintes: 1 - objetiva a constituição de uma estrutura empresarial que busca a máxima eficiência do sistema de produção (eficiência global); 2 - constrói, no próprio local de trabalho, mecanismos para prevenir as diversas perdas, atingindo "zero de acidente, zero de defeito e zero de quebra/falha", tendo como objetivo o ciclo total de vida útil do sistema de produção; 3 - envolve todos os departamentos, começando pelo departamento de produção, e se estendendo aos setores de desenvolvimento, vendas, administração, etc; 4 - conta com a participação de todos, desde a alta cúpula até os operários de primeira linha; 5 - atinge a perda zero por meio de atividades sobrepostas de pequenos grupos. Através dessa definição, pode-se destacar características peculiares do MPT, que são resumidas nos fatores subsequentes: 1 - A busca da economicidade (a manutenção planejada deve proporcionar lucros); 2 - A integração do sistema; 3 - A execução da manutenção espontânea, executada pelo próprio operador (atividade de pequenos grupos). MIRSHAWKA (1993 apud WYREBSKI, 1997) afirma que a MPT busca a eficácia da própria estrutura organizacional da empresa, através do investimento na capacitação das pessoas e de melhorias incorporadas às máquinas, equipamentos e dispositivos. Tais 13

15 melhorias se referem à maximização do rendimento global dos equipamentos e do processo de produção. Para isso, é elaborada uma programação da manutenção, que engloba técnicas de manutenção corretiva, preventiva, preditiva e autônoma, aumento do ciclo de vida dos equipamentos e implantação do programa 5s. Estes procedimentos estão focados na eliminação de todas as perdas que ocorrem durante o processo, as quais são chamadas de as seis grandes perdas. Dessa forma, o investimento na capacitação dos recursos humanos da empresa se torna fundamental para o sucesso da MPT. O elemento humano é definido como o principal fator da implantação do método. As pessoas da organização devem estar empenhadas com o processo de mudança e devem estar preparadas para tal. O objetivo é promover uma cultura de que cada funcionário possui seu espaço na organização, de forma que eles se sintam responsáveis pelos equipamentos que utilizam. Incentiva-se, então, o aprendizado mais aprofundado sobre o equipamento e seu funcionamento e sobre o processo produtivo, criando possibilidades de que o trabalhador faça um diagnóstico sobre os problemas encontrados e sugira melhorias que aumentem o rendimento das máquinas (WYREBSKI, 1997). Segundo PALMEIRA e TENORIO (2001), a MPT desenvolve conhecimentos capazes de reeducar as pessoas para ações de prevenção e de melhoria contínua em relação aos equipamentos, garantindo o aumento da confiabilidade dos mesmos e da capabilidade dos processos, sem que haja investimentos adicionais. Pode-se afirmar, portanto, que a MPT aumenta a produtividade, gera produtos de alta qualidade a custos competitivos e reduz o tempo de resposta, aumentando a satisfação do cliente e fortalecendo o posicionamento da empresa no mercado. 3.4 As Seis Grandes Perdas As perdas durante o processo produtivo estão intimamente ligadas ao incremento da produtividade, com o aumento do rendimento global dos equipamentos e do processo. Eliminar todas as perdas é o grande desafio da MPT. Em outras palavras, a MPT preocupase em minimizar os inputs do sistema, ou seja, as despesas com insumos, mão de obra, máquinas e métodos, e maximizar os outputs, ou seja, os resultados. É um modo de gestão 14

16 pro-ativo, que corrige as deficiências do sistema antes de terminado o processo. Dessa forma, há uma redução dos custos e um aumento na produtividade com qualidade. As perdas podem são classificadas em: 1- Perda por quebra de equipamento Existem dois tipos de perdas por paradas de equipamentos devido à quebra: perda total da capacidade do equipamento e perda parcial da capacidade. A quebra com perda total provoca a parada do equipamento e o acionamento do serviço de manutenção. Essas são ocasionadas, geralmente, por fatores que estão fora do controle do serviço de manutenção. Já a quebra com perda parcial do equipamento ocorre em diversos pontos da linha de produção, e são causados por folgas de parafusos, sobrecarga da máquina, vazamentos de óleos etc. É o tipo de defeito que deve-se atentar para que não venha a ser aceito como um fator normal de operação. A busca da quebra zero da MPT inclui a eliminação dos dois tipos de quebras. Medidas como obediência às condições de uso, estruturação das condições básicas de preservação, redução das falhas do projeto, incrementação das capacidades técnicas das pessoas que utilizam os equipamentos são imprescindíveis. A idéia de quebra zero baseia-se no conceito de que a quebra é a falha visível, que é causada por inúmeras falhas invisíveis, isto é, desconhecidas pelos usuários ou mesmo conhecidas, mas que não são de interesse deles em repará-las. Portanto, detectar as falhas invisíveis é o essencial para a eliminação das quebras. 2- Perda para ajustes e mudança de linha de produção São as perdas por paradas quando ocorre troca das linhas de produção e paradas para pequenos ajustes das mesmas. O processo deve ser otimizado para que o tempo de parada seja o menos possível. 3- Perda por interrupções momentâneas ou operação em vazio Essa perda é ocasionada por parada durante a realização de alguma tarefa, em que um equipamento depende de outro para realizar seu serviço. 4- Perda por redução de velocidade de trabalho A perda por queda de velocidade de trabalho é decorrente de inconveniências não consideradas. Pode ser exemplificado por problemas mecânicos, desgastes em máquinas e instrumentos, sobrecarga de equipamentos etc. 5- Perda por defeitos ou retrabalhos 15

17 Todas as operações relativas a retrabalhos e a eliminação de produtos defeituosos constituem perdas que conferem gastos de tempo e custos adicionais com mão de obra, materiais e processamento. Essas perdas reforçam a idéia de manutenção autônoma, na qual é fundamental a participação dos funcionários, prevendo e evitando falhas simples. Isso promove a autoconfiança para a obtenção de defeito zero, assim como na quebra zero. 6- Perda para entrada em regime normal de produção Existem fatores que atrasam a estabilização do processo, como ferramentas inadequadas, falta de manutenção, falta de insumos e falta de domínio do operador, consumindo tempo, sendo classificado como perda (NAKAJIMA, 1989). As perdas são fatores decisivos no aumento do rendimento operacional dos equipamentos, devendo, então, serem eliminadas. 3.5 Pilares de Sustentação da MPT Para o alcance da quebra-zero, eliminação das seis grandes perdas e subsequente maximização do rendimento operacional global, o MPT baseia-se em pilares de sustentação. Inicialmente, eram reconhecidos 5 (cinco) pilares básicos ao desenvolvimento e implantação da metodologia. Com o aumento da utilização do programa, o JIPM incluiu mais 3 (três) atividades essenciais para sua implantação: gerenciamento, manutenção da qualidade e segurança, higiene e meio ambiente. Os 8 (oito) pilares são classificados como: 1 - Melhoria individuais e específicas busca a eliminação das Seis Grandes Perdas através da identificação individual das perdas de cada equipamento para posterior introdução de melhorias. 2 - Manutenção Autônoma através da conscientização e capacitação dos operadores e manutenedores, busca o aumento do comprometimento e conseqüente voluntariedade, criando o conceito da minha máquina cuido eu. Condiciona um maior rendimento na operação e diminui custos de manutenção, assim como permite seu melhor gerenciamento. 3 - Manutenção Planejada objetiva manter condições ideais de funcionamento de equipamentos por meio de intervenções planejadas e necessárias. Elimina paradas imprevistas, diminui taxas de retrabalho e aumenta a confiabilidade do processo. 16

18 4 - Educação e Treinamento possibilita aumento do conhecimento e de habilidades dos funcionários envolvidos. Motiva os operadores à busca da maximização do rendimento operacional global através da conscientização, participação, responsabilidade, confiança e, acima de tudo, incentivo. 5 - Controle Inicial através do controle de especificações de funcionamento, ciclo de vida e manutenção do equipamento, definidas por fornecedores e operários, garante uma maior eficiência do processo e maior facilidade nas manutenções subsequentes; 6 - Controle Administrativo visa obter a certificação de que a MPT está sendo implantada e utilizada da maneira certa e facilitar a troca de informações entre as áreas administrativas, garantindo um bom funcionamento do processo; 7 - Manutenção da Qualidade busca garantir qualidade ao produto final e conseqüente satisfação dos consumidores, através da minimização de defeitos durante o processo e equipamentos. Visa identificar, analisar, corrigir, melhorar e controlar falhas que poderão gerar defeitos de qualidade e afetar o consumo final do produto; 8 - Higiene, Segurança e Meio Ambiente visa prevenção de acidentes de trabalho. Define regras para uma boa higiene e procura evitar irregularidades que constituem risco para a integridade física do trabalhador, para sua saúde e para os materiais da empresa. Constituise de programas de treinamento preventivo, faixas de segurança, sinalização e equipamentos de proteção, dentre outros. Quanto ao meio ambiente, objetiva sua preservação e minimização de influências negativas que os equipamentos e processos possam trazer. Estabelece, também, a participação em auditorias ambientais. Os pilares do MPT devem ser estabelecidos de acordo com as necessidades e grau de complexidade de cada organização. A estrutura de sustentação com base nos 8 pilares, quando bem fundamentada, pode garantir o sucesso da implantação e, até mesmo, a sobrevivência do modelo. 17

19 Capítulo 4 Relações entre a MPT e outras filosofias de vantagem competitiva 4.1 Gestão de Competências X MPT A necessidade de sobrevivência das organizações exige que o seu modelo estrutural seja adaptado às novas demandas de negócio. A conseqüência maior é a necessidade de adequar o perfil profissional das pessoas que têm a responsabilidade de administrar os processos reorganizados. Nesse sentido, a gestão das pessoas que compõem o capital humano das empresas ganha importância fundamental quanto ao aprimoramento de seus resultados, especialmente num universo de competitividade crescente (PICARELLI FILHO, 2004). Partindo do pressuposto de que as pessoas de uma organização é que são os recursos determinantes do seu sucesso, o termo Gestão de Competências ganha espaço dentro das empresas e passa a ser visto como instrumento diferencial de mercado. O conceito de Gestão de Competências começou a ser discutido no mundo empresarial no final dos anos 70, no contexto da crise estrutural do capitalismo. É um modelo de gestão de pessoas que responde de forma rápida à necessidade de desenvolver novas competências, acompanhando a evolução do perfil profissional exigido pelo mercado atual. Em síntese, é uma forma de valorizar a organização através de seus funcionários. Os conhecimentos e perfis dos recursos humanos da empresa, ou seja, as competências, são definidas de acordo com suas estratégias de negócio e de forma que suas metas sejam mais facilmente obtidas. Baseado nesse ponto, o sistema de administração de pessoas foca-se em formar e preparar profissionais para atender às necessidades de negócios e gerar valor à empresa. Assim, a gestão por competências se baseia nas atividades descritas a seguir. 1- Captação de pessoas que atendam às competências exigidas pela organização, de acordo com suas estratégias. 2- Desenvolvimento de competências. As empresas contam com a possibilidade de desenvolver as competências dos indivíduos, visando adequá-las às necessidades organizacionais. 18

20 3- Remuneração por competências. O salário é determinado pela formação e capacitação do funcionário, ligadas às competências estabelecidas pela empresa. Há, também, a remuneração variável, com participação nos resultados da empresa (FLEURY e FLEURY, 2001). Entende-se por competência, segundo FLEURY e FLEURY (2001), o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que afetam o desempenho do trabalho de uma pessoa. A competência pode ser mensurada, quando comparada com padrões estabelecidos, desenvolvida por meio de treinamento. Esse conceito se relaciona com o conceito de qualificação, porém, é mais amplo porque se refere à capacidade da pessoa assumir iniciativas, realizando atividades além das prescritas, podendo compreender e dominar novas situações encontradas no trabalho. Desta forma, o capital humano baseado na gestão de competências se apresenta com alta flexibilidade, agilidade, eficiência e eficácia nas operações, ampla comunicação e visão completa do sistema (PICARELLI FILHO, 2004). Diante das idéias defendidas pelo modelo de gestão de competências, pode-se associá-lo à filosofia da MPT, já que a implantação da MPT numa organização se apoia nas características desse modelo. A MPT é sustentada, entre outros, pela manutenção autônoma e pela educação e treinamento dos funcionários da empresa. Estes dois pilares estão intimamente ligados à gestão de competências. A manutenção autônoma se traduz como um processo de capacitação dos funcionários, a fim de que se tornem aptos a promover mudanças no seu ambiente de trabalho que garantam altos níveis de produtividade, com o aumento do rendimento operacional global. Tal processo de capacitação não se restringe a operadores de máquinas, envolve funcionários de todos os níveis hierárquicos. Cria-se, então, uma cultura de responsabilidade pelo equipamento e responsabilidade pelo produto fabricado. Para isso, o funcionário é treinado a desenvolver suas habilidades e aumentar seu conhecimento pelo equipamento que utiliza, bem como pelo processo produtivo total. Ele se torna consciente de sua importância no sistema, o que o incentiva e o motiva a promover o aumento de suas competências cada vez mais. Pode-se dizer que há um plano de carreira passando o 19

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance TPM Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance ORIGEM DA TPM Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam: Desperdícios; Retrabalhos;

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Implantação do sistema de manutenção produtiva total na COCAMAR Indústria de Fios de Seda: Um estudo de caso

Implantação do sistema de manutenção produtiva total na COCAMAR Indústria de Fios de Seda: Um estudo de caso Implantação do sistema de manutenção produtiva total na COCAMAR Indústria de Fios de Seda: Um estudo de caso Gerusa de Oliveira Rosa (COCAMAR) gerusa.rosa@cocamar.com.br Daily Morales (UEM) dmorales@uem.br

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN Trabalho Realizado por: Natalino Semedo Carlos Esteves Rui Marques Nádia Casquinha 1 Índice Introdução... 3 Padronização... 3 Efeito kaizen... 5 Polivalência... 5 Bechmarking... 6 Poka-Yoke... 7 Muri...

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes ASSUNÇÃO, D. S. a ; MOURA, L. B. b ;MAMEDES, T. C. c ; SIMÕES, T. F. d a. Universidade Paulista, São Paulo, daviassuncao_logistic@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL NO PROCESSO DE USINAGEM DE CONEXÕES EMPRESA TUPY S. A.

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL NO PROCESSO DE USINAGEM DE CONEXÕES EMPRESA TUPY S. A. UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE PRÓ-REITORIA DA PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL NO PROCESSO DE USINAGEM DE CONEXÕES

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM)

Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM) Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

MANUTENÇÃO COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS

MANUTENÇÃO COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS MANUTENÇÃO COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS Carlos Alberto Consoli Luis Fernando dos Santos Elton Cardoso Gilson Aparecido Eugenio Junior Cardoso RESUMO O maior desafio das empresas, seja

Leia mais

Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro

Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro Embora no Japão e Estados Unidos exista uma adesão vertiginosa por parte das indústrias para a Manutenção Produtiva Total (TPM), no resto do mundo são

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia Jordana Lemos Pinheiro Novaes - jordanalemos@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação IPOG Resumo

Leia mais

GESTÃO DA CONFIABILIDADE: DO DISCURSO À PRÁTICA

GESTÃO DA CONFIABILIDADE: DO DISCURSO À PRÁTICA GESTÃO DA CONFIABILIDADE: DO DISCURSO À PRÁTICA Página 1 de 10 Guilherme Luiz de Carvalho Klingelfus (1) Carlos Alberto Gurski (2) RESUMO: O desafio por confiabilidade é uma constante para as empresas

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

RESULTADOS OBTIDOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA SEGUNDO A METODOLOGIA DO TPM EM UM DEPARTAMENTO DE MANUTENÇÃO

RESULTADOS OBTIDOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA SEGUNDO A METODOLOGIA DO TPM EM UM DEPARTAMENTO DE MANUTENÇÃO RESULTADOS OBTIDOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA SEGUNDO A METODOLOGIA DO TPM EM UM DEPARTAMENTO DE MANUTENÇÃO Wallace Prudenciato Universidade Estadual Paulista Abstract The implementation

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Total Productive Maintenance (TPM): uma ferramenta eficaz na busca da perda zero

Total Productive Maintenance (TPM): uma ferramenta eficaz na busca da perda zero Total Productive Maintenance (TPM): uma ferramenta eficaz na busca da perda zero A TPM ou Manutenção Produtiva Total tem como principal objetivo a redução dos custos de manutenção dos meios de produção,

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Manutenção Produtiva Total (TPM): uma ferramenta para o aumento do índice de eficiência global da empresa

Manutenção Produtiva Total (TPM): uma ferramenta para o aumento do índice de eficiência global da empresa Manutenção Produtiva Total (TPM): uma ferramenta para o aumento do índice de eficiência global da empresa Silvério Fonseca Kmita (UFRGS) silverio@ppgep.ufrgs.br Resumo O objetivo deste trabalho é prover

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

Unidade II SISTEMAS DE QUALIDADE

Unidade II SISTEMAS DE QUALIDADE SISTEMAS DE QUALIDADE Unidade II SISTEMAS E FERRAMENTAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Neste módulo trabalharemos com as técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração da qualidade, como a produção

Leia mais

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA MARCELO JOSÉ SIMONETTI 1 ; ANDERSON LUIZ DE SOUZA 2 ; CLAUDIO ROBERTO LEANDRO 3, ALDIE TRABACHINI 4 ; SANDRA MAUREN ELL 5 ; 1 Professor,

Leia mais