PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS NAS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE SAÚDE DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS NAS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE SAÚDE DO EXÉRCITO BRASILEIRO"

Transcrição

1 LUIZ ANTONIO LOPES PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS NAS ORGANIZAÇÕES MILITARES DE SAÚDE DO EXÉRCITO BRASILEIRO Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Professora Sonia Dutra. Rio de Janeiro 2014

2 C2014 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Lopes, Luiz Antonio. Planejamento e gestão de projetos nas Organizações Militares de Saúde do Exército Brasileiro / Coronel Médico Luiz Antonio Lopes. - Rio de Janeiro : ESG, f.: il. Orientador: Professora Sonia Dutra. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Planejamento. 2. Gestão. 3. Projetos. 4. Ferramentas. 5. Saúde. I.Título.

3 A todos aqueles que durante o meu período de formação contribuíram com ensinamentos e incentivos. A minha gratidão, em especial, às minhas queridas filhas e, amada esposa pela compreensão, como resposta aos momentos de minhas ausências e omissões, em dedicação às atividades da ESG.

4 AGRADECIMENTOS Aos meus professores de todas as épocas por terem sido responsáveis por parte considerável da minha formação e do meu aprendizado. Aos colegas estagiários da melhor Turma do CAEPE, pelo convívio harmonioso de todas as horas. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais, sobre a importância de se estudar o Brasil com a responsabilidade implícita de ter que melhorar.

5 Nunca servirei de minha profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime; prometo que ao exercer a arte de curar, me mostrarei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência. Hipócrates

6 RESUMO Esta monografia aborda o modelo de planejamento e gestão de projetos que está sendo aplicado nas Organizações Militares de Saúde do Exército e que tem adquirido importância cada vez mais acentuada para o administrador militar de saúde. Nos últimos anos a cobrança por resultados, eficiência e transparência por parte do gestor público tem se tornado um fator determinante na marcha para o profissionalismo na gestão em saúde. Nesse sentido, o Serviço de Saúde do Exército, desde 2009, vem passando por um processo de transformação que apresenta uma elevada demanda por projetos a serem administrados em suas Organizações Militares de Saúde. Ao pesquisarmos o modelo e a adequabilidade das ferramentas disponíveis para a Gestão de Projetos nas Organizações Militares de Saúde, nos deparamos com uma normatização genérica para todas as Organizações Militares, as Normas para Elaboração, Gerenciamento e Acompanhamento de Projetos no Exército Brasileiro (NEGAPEB). Tal normatização apresenta-se com uma redação profunda e abrangente, sendo útil para a gestão de um amplo espectro de projetos. Embora, não apresente em seu contexto uma abordagem específica para projetos na área de saúde, sua abrangência e amplitude permite que seja utilizada, desde os modelos mais simples aos mais complexos no nível estratégico, podendo inclusive, ser adaptada aos projetos da área de saúde. Cabe ressaltar, que nos últimos cinco anos, com a implementação do plano de revitalização do serviço de saúde na instituição, novas e modernas ferramentas, com características específicas para serem utilizadas na gestão de projetos em saúde, estão sendo empregadas pela Força e exigem um planejamento meticuloso, intenso e altamente especializado. Palavras-chave: Planejamento. Gestão. Projetos. Ferramentas. Saúde.

7 ABSTRACT This research discusses the model of planning and project management being implemented in Military Healthcare Organizations Army has become increasingly getting importance for military health care administrator. In recent years, the demand for results, efficiency and transparency by the public manager has become mandatory towards professionalism in healthcare management. Accordingly, the Army Healthcare Service, since 2009, has been undergoing a process of transformation that introduces a high demand for projects to be conducted in their Military Organizations Healthcare. While researching the model and suitability of tools available for management projects on Military Healthcare Organizations, faced with a generic standardization for all Military Organizations, Standards for Development, Monitoring and Management Projects in the Brazilian Army (NEGAPEB). Such standardization is presented with a deep and comprehensive writing that is useful for the management of a broad spectrum of projects. Despite of not bring forward a specific approach to health care projects, scope and breadth allows it to be used, from the simplest to the most complex models at the strategic level and can even be suitable to healthcare projects. It is worth highlight that in the last five years, with the implementation of the health service revitalization plan in the institution, new and modern tools, with specific features for use in health project management, are being employed by the Force and require meticulous, intense and highly specialized planning. Keywords: Planning. Management. Projects. Tools. Healthcare.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT AP AS BSC DGP D Sau EAP EB EP FUSEX GESPÚBLICA MD NEGAPEB ODG ODS Associação Brasileira de Normas Técnicas Autoridade Patrocinadora Autoridade Solicitante Balanced Score Card Departamento-Geral do Pessoal Diretoria de Saúde Estrutura Analítica do Projeto Exército Brasileiro Escritório de Projetos Fundo de Saúde do Exército Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Ministério da Defesa Normas para Elaboração, Gerenciamento e Acompanhamento de Projetos no Exército Brasileiro Órgão de Direção Geral Órgão de Direção Setorial OMS Organizações Militares de Saúde PEE Projeto Específico do Exército PEG Programa de Excelência Gerencial PMBOK Project Management Body Of Knowledge PMI Project Management Institute PROCAP Programa de Capacitação e Atualização Profissional PRSS Plano de Revitalização do Serviço de Saúde SAMMED SIGA SIPLEX SSEX Sistema de Assistência Médica aos Militares, Pensionistas e seus Dependentes Sistema de Informações Gerenciais e Acompanhamento Sistema de Planejamento do Exército Serviço de Saúde do Exército

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Tipo de Pesquisa Coleta de Dados Tratamento dos Dados Limitações do Método DESENVOLVIMENTO IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PROJETOS NORMATIZAÇÃO E INTERDEPENDÊNCIAS PROGRAMA DE EXCELÊNCIA GERENCIAL PLANO DE REVITALIZAÇÃO DO SERVIÇO DE SAÚDE CRIAÇÃO/AMPLIAÇÃO OU REFORMA ELABORAÇÃO, GERENCIAMENTO E ACOMPANHAMENTO AVALIAÇÃO E DISCUSSÃO CONCLUSÃO...47 REFERÊNCIAS...52

10 10 1 INTRODUÇÃO O crescente nível de exigência da sociedade em relação a administração pública, em particular, no tocante aos serviços prestados na área de saúde, a cobrança por resultados, eficiência e transparência, vem se tornando cada vez mais um fator essencial para o gestor público. Nesse contexto, o Exército Brasileiro desde 2009, vem passando por um importante processo de transformação e revitalização na área de saúde, por meio da implementação de diversos projetos e práticas gerenciais que vem se mostrando determinantes para o aperfeiçoamento e melhoria contínua da qualidade dos serviços de saúde prestados aos usuários e pacientes vinculados ao Sistema de Assistência Médica prestada aos Militares, Pensionistas e Dependentes (SAMMED), Sistema de Saúde da Instituição e ao Fundo de Saúde do Exército (FUSEX). Características e peculiaridades do gerenciamento de projetos no campo da saúde, em função da rápida evolução tecnológica, aquisição de modernos equipamentos de última geração, novos materiais, medicamentos e emprego de inovações técnicas de investigação diagnóstica e terapêutica, têm impactado cada vez mais fortemente o setor saúde, gerando possibilidades e avanços; mas por outro lado, vem acarretando dificuldades decorrente do aumento crescente dos custos financeiros, tornando o planejamento e a gestão de recursos humanos e orçamentários em saúde, extremamente complexa e constituindo-se como fator primordial para a busca incessante da excelência gerencial. Atualmente, o aumento significativo das questões referentes a gestão pública, vem gerando novas demandas, quanto à gestão de projetos a serem implementados pelos gestores do dinheiro público. Um outro aspecto a ser considerado, se deve a uma crescente exposição dos serviços envolvidos na assistência a saúde por parte da mídia, fruto de diversas falhas importantes em todo o sistema que envolve as questões da saúde no Brasil. O Serviço de Saúde do Exército, apesar de não possuir em sua estrutura administrativa e de assistência, as falhas mais comuns encontradas nos demais serviços de saúde pública, no entanto, está exposto em grande parte, a mesma legislação básica. Nesse sentido, o Serviço de Saúde do Exército está sujeito a um duplo controle, ou seja: a controles internos e externos à Força, a cobranças em relação a eficiência e níveis de qualidade assistenciais por parte de seus usuários,

11 11 além de estar sob risco permanente de exposição na mídia como qualquer outro órgão civil de assistência à saúde. Cumpre ressaltar ainda, que habitualmente a gestão de um projeto na área de saúde, implementado nos diversos hospitais e policlínicas militares, é de responsabilidade de um profissional de saúde militar. Tal profissional, na maior parte das vezes, não teve uma formação específica para a gestão em saúde. Evidencia-se assim, necessidade de capacitação e especialização nesta área, a fim de nortear os caminhos a serem percorridos na gestão de tais projetos. Consequente, entre outros, ao Plano de Revitalização do Serviço de Saúde do Exército, determinada em Portaria do Comandante do Exército, vários projetos na área de saúde estão sendo implementados nas atuais Organizações Militares de Saúde do Exército (OMS). Além disso, a própria evolução acelerada da tecnologia e do conhecimento na área de saúde, apresentam como resultado grande número de projetos a serem desenvolvidos nessas OMS, visando mantê-las atualizadas e em nível de ponta na condução de suas atividades. A sistematização na gestão de tais projetos, específicos da área de saúde, deve ser priorizada, visando a obtenção efetiva de resultados finais satisfatórios. Como reflexo da evolução dos métodos de gestão de projetos e processos na atualidade, espera-se da administração pública a mesma eficiência apresentada no meio privado. Para tal, é necessário que sejam fornecidas ferramentas de gestão adequadas para a correta administração de projetos dentro do serviço público. Esta exigência é mais evidente no meio militar, caracterizado pela normatização rígida de suas atividades. Espera-se, então que existam dentro do meio militar, e mais especificamente, do Exército Brasileiro, ferramentas capazes de auxiliar o gestor das Organizações Militares na execução de projetos. Consequentemente, espera-se também a existência de ferramentas específicas para a área de saúde, responsável por um volume grande de recursos financeiros e projetos dentro da Força. Faz-se necessário aqui nos questionarmos em que medida as atuais OMS do Exército, levam em conta o modelo de planejamento estratégico e gestão de projetos para a área de saúde e se as ferramentas disponíveis são suficientes e adequadas para tal gestão. Este trabalho tem como proposta, fazer um levantamento das principais ferramentas administrativas, no âmbito do Exército Brasileiro para a gestão de projetos na área de saúde, que podem ser utilizadas nessas OMS. Além disso,

12 12 realizaremos uma análise da adequabilidade da normatização do Exército Brasileiro, referente a gestão de projetos, e mais especificamente projetos em saúde. As crescentes exigências na gestão pública, em todos os níveis, demandam uma administração cada vez mais profissional. A correta gestão na execução de projetos em todas as áreas, e em especial na área de saúde, são um ponto importante de tal profissionalização. O alinhamento com os mais modernos e eficientes preceitos da administração pública e privada se tornam cada vez mais relevantes para o resultado final de toda a gestão em saúde. Ao realizarmos o levantamento da normatização que rege a gestão de tais projetos, verificaremos se há ferramentas adequadas que possam auxiliar os Diretores dos hospitais e policlínicas militares em suas gestões, visando o êxito em seus projetos e a adequabilidade em relação aos controles exercidos pelos órgãos competentes para tal. Para a confecção do presente trabalho devemos ter em mente algumas definições baseadas na literatura e nas normas vigentes no Exército Brasileiro. Primeiramente a compreensão que um plano, como o Plano de Revitalização do Serviço de Saúde (PRSS), é composto de uma série de programas, que reunidos irão, a longo prazo compor tal plano. Um projeto possui tempo e objetivos delimitados visando a melhoria ou instituição de determinado modo de ação ou serviço a ser prestado. A gestão de tal projeto é a realização de ações que permitam o sucesso de tal projeto, através de planejamento adequado, em todos os níveis, e durante todo o se transcurso. Em saúde, cada ramo de atividade possui peculiaridades, portanto, cada projeto deve levar em consideração inúmeros aspectos específicos. Além disso devem ser levados em consideração também, os aspectos específicos da atividade militar. Tais considerações nos faz ter em mente que ao avaliarmos as ferramentas existentes para a gestão de projetos em saúde devemos levar em consideração também o Regulamento Interno e dos Serviços Gerais, o Regulamento de Administração do Exército entre outros. Esta legislação, específica da Força Terrestre vai determinar limites das responsabilidades e das possibilidades de atuação em cada nível de chefia. Regulamenta ainda os procedimentos internos a serem considerados na execução de projetos de qualquer tipo.

13 13 A Diretriz para a Implantação do Plano de Revitalização do Serviço de Saúde do Exército, determinada em Portaria do Comandante da Força, estabelece diversos objetivos a serem cumpridos, por diversos órgãos do Exército Brasileiro. Sendo, atualmente, a melhor referência geral para a determinação de objetivos que regem diversos projetos em grande número de Organizações Militares de Saúde. Devemos ter em mente que as ferramentas que dispomos atualmente são meios auxiliares para a gestão de projetos. A peça mais importante de todo este complexo sistema de gerenciamento de projetos é sem dúvida nenhuma, a pessoa que administra o projeto e faz uso das ferramentas disponíveis. Embora, a gestão de recursos humanos não seja objeto deste trabalho, é sem dúvida uma peça fundamental em todo este ambiente. Nesse sentido, a capacitação do pessoal de saúde, visando a adequada utilização das ferramentas disponíveis para a gestão de projetos é um elemento decisivo para se alcançar os objetivos e o sucesso do planejamento estratégico da OMS. A gestão eficiente de projetos é diretamente dependente de múltiplos fatores. Em sua maioria, estes são passíveis de melhorias em sua eficiência. Pessoas podem ser capacitadas, sistemas de informática podem ser desenvolvidos e aperfeiçoados, normatizações podem ser criadas e revisadas. O objetivo deve ser sempre o mesmo, a eficiência. Esta eficiência, tratando-se das ferramentas a serem utilizadas para a gestão de projetos, tem seu foco no sucesso dos projetos a serem desenvolvidos e geridos. O desenvolvimento e aprimoramento das ferramentas a serem utilizadas deve ser contínuo e sempre levando em consideração as peculiaridades da administração pública e militar. Acentuada ainda mais, por todas as peculiaridades da gestão em saúde, que não faz parte da atividade-fim da instituição, tendo características completamente diversas das demais atividades militares.

14 14 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Levantar a existência de ferramentas administrativas (legislação, sistemas) que possam servir de modelo para a gestão de projetos na área de saúde, a serem realizados nas Organizações Militares de Saúde do Exército Brasileiro. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) realizar o levantamento da legislação do Exército Brasileiro, referente a gestão de projetos em geral; b) realizar o levantamento da legislação específica do Exército Brasileiro para a gestão de projetos na área de saúde; c) analisar a adequabilidade e aplicabilidade desta normatização para o Serviço de Saúde do Exército Brasileiro. 2.3 QUESTÕES DE ESTUDO: A necessidade de uma normatização específica, na área de gestão de projetos de saúde no Exército Brasileiro é evidente. Foram levantadas as Portarias, Normas e demais documentações existentes referentes ao tema, assim como foram analisadas em relação às demandas atuais do Serviço de Saúde do Exército Brasileiro (SSEx). 2.4 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO A pesquisa ora empreendida realizou uma análise da legislação em vigor no âmbito da administração militar, especificamente do Exército Brasileiro, referente ao planejamento e gestão de projetos, com ênfase na área de saúde, voltadas para as Organizações Militares de Saúde (OMS): Hospitais e Policlínicas Militares e pretende tão somente, apontar para alguns fatores que devam ser objeto de análise e reflexão para estudos posteriores, estando fora do escopo deste trabalho, estabelecer novos parâmetros ou propor uma nova política de saúde para a Força.

15 RELEVÂNCIA DO ESTUDO As crescentes exigências na gestão pública, em todos os níveis, demandam uma administração cada vez mais profissional. A correta gestão na execução de projetos em todas as áreas, e em especial na área de saúde, constitui-se em um ponto fundamental para o gestor que atua como dirigente de hospitais e policlínicas militares. O alinhamento com os mais modernos e eficientes preceitos de uma administração bem planejada e executada, tornam-se cada vez mais relevantes para o resultado final de toda a gestão em saúde. Ao realizar o levantamento da normatização que rege a gestão de tais projetos, busca-se verificar se há ferramentas adequadas que possam auxiliar os Diretores das Organizações Militares de Saúde em suas gestões, visando o êxito dos planejamentos e projetos executados e a adequabilidade em relação aos controles exercidos pelos órgãos competentes para tal. Uma normatização específica e condizente com as exigências atuais é ferramenta importante de apoio à gestão das Organizações Militares de Saúde. 2.6 PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS A seguir, para uma melhor compreensão, é apresentada a metodologia que foi utilizada para desenvolver o trabalho, seguindo-se os seguintes tópicos: tipo de pesquisa, coleta de dados, tratamento de dados e limitações do método Tipo de Pesquisa A pesquisa foi qualitativa, uma vez que foi realizada, basicamente por meio do levantamento e análise de bibliografia. Tal bibliografia é composta pela legislação específica da Força Terrestre, além de livros, artigos e normas civis referentes à gestão de projetos na área de saúde. Quanto ao objeto este trabalho é bibliográfico pois realiza o levantamento junto à legislação, artigos e livros que possam servir como referência ao tema proposto, ou seja, planejamento e gestão de projetos na área de saúde para as Organizações Militares de Saúde.

16 16 Quanto aos objetivos da pesquisa, o trabalho será descritivo, pois visa levantar informações e dados existentes sobre o assunto: gestão de projetos em saúde e as ferramentas a serem utilizadas para as Organizações Militares de Saúde. Quanto aos procedimentos, o trabalho será bibliográfico pois utilizará fontes secundárias, ou seja livros, portarias do Ministério da Defesa e do Exército Brasileiro, além de normas referentes ao tema, assim como outros livros e artigos científicos referentes ao gerenciamento de projetos em saúde Coleta de Dados O trabalho foi inicialmente realizado com uma pesquisa bibliográfica da legislação e literatura específicos das áreas de administração em saúde. Foram utilizados para tal livros, manuais, revistas especializadas, artigos, anais de congressos, internet, teses e dissertações que possuam informações e dados relevantes sobre o assunto em questão. Usando os dados desse levantamento, foi realizada uma análise da normatização militar, especificamente do Exército Brasileiro, referente a gestão de projetos, planos e programas para a área de saúde empreendidos pela Força. Por fim, foi realizada uma análise comparativa das normas existentes e dos conceitos básicos na gestão de projetos de saúde preconizados pela literatura especializada. Dessa análise concluiu-se sobre a necessidade, ou não, de uma maior normatização sobre o aspecto em questão Tratamento dos Dados De acordo com a abordagem qualitativa que foi adotada no trabalho desenvolvido, foi realizada uma análise crítica da legislação e dos principais documentos levantados, tais como: o Programa e o Sistema de Excelência de Excelência Gerencial, das Normas para Elaboração, Gerenciamento e Acompanhamento de Projetos e, principalmente, o Plano de Revitalização do Serviço de Saúde do Exército, suas diretrizes e programas interligados.

17 Limitações do Método A metodologia escolhida para este trabalho apresenta algumas dificuldades e limitações em relação à coleta e ao tratamento dos dados. Quanto à coleta de dados, o método estará limitado à documentação relativamente escassa, no âmbito militar, referente ao tema proposto, o que determinou uma dificuldade em relação ao universo dos dados a serem avaliados. Mesmo considerando-se as limitações referidas, a metodologia escolhida foi considerada a mais adequada para que fosse alcançado os objetivos da pesquisa e obter o sucesso no desenvolvimento do trabalho proposto.

18 18 3 DESENVOLVIMENTO 3.1 IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PROJETOS É um processo por meio do qual um determinado projeto é elaborado e levado a uma conclusão, após a realização de um planejamento minucioso e detalhado, sendo de fundamental importância para o desenvolvimento do mesmo. Somente podemos considerar que uma determinada instituição possui excelência na atividade que executa, quando dispõe de recursos materiais e humanos preparados e motivados, conhecimentos, habilidades, além de possuir ferramentas modernas e eficientes de gestão para implementar seus projetos. Tal afirmação se aplica também para a atividade militar. Uma gestão adequada apresentará melhores resultados em todos os níveis, tanto do ponto de vista técnico-administrativo, como operacional. Projetos bem administrados e executados terão como consequência direta e indireta uma maior efetividade na obtenção dos seus objetivos organizacionais. No tocante a efetividade de suas ações, a atividade de saúde, independentemente do meio em que é exercida, deve possuir como resultado efetivo da boa gestão de projetos, uma maior eficiência, com menores custos e resultados mais satisfatórios. Não podemos esquecer que as funções puramente administrativas referentes ao Serviço de Saúde, tendem a guardar semelhanças com outras funções administrativas associadas a outras armas ou serviços, principalmente as que atuam em atividades logísticas. São os projetos que permitirão que determinado ramo de atividade não permaneça estagnado em seus modelos de atuação. Projetos bem executados possibilitarão o desenvolvimento de capacidades técnicas, a adequação de espaços físicos e instalações, a reestruturação dos modos de atuação, dentre outros. 3.2 NORMATIZAÇÃO E INTERDEPENDÊNCIAS Ao desenvolvermos o tema proposto, partiremos de uma avaliação das demandas atuais do Serviço de Saúde do Exército Brasileiro, até a análise da norma mais abrangente e atual do Exército, em relação à gestão de projetos.

19 19 Faremos uma breve avaliação de algumas normas do Serviço de Saúde do Exército que possuem relação direta com a execução de projetos relacionados à Saúde, que estão sendo desenvolvidos nas Organizações Militares de Saúde da Força desde Inicialmente, abordaremos o Plano de Revitalização do Serviço de Saúde do Exército, que determina em sua concepção a necessidade da implementação de diversos projetos e programas inovadores, com preponderância técnica ou não, relacionados à necessidade de revitalizar todo o Serviço de Saúde do Exército como um todo, nos mais diversos aspectos. Em seguida, partiremos para o conteúdo das Normas para Criação e Ampliação ou Reforma de Clínicas ou Instalações em Organizações Militares de Saúde, no Âmbito do Exército. Como o próprio nome indica, tais normas estão diretamente relacionadas a realização de obras nas diversas Organizações Militares de Saúde (hospitais, policlínicas e postos médicos de guarnição), distribuídas pelo país. Demonstra explicitamente as demandas referentes a este cenário, com evidente necessidade de gerir os projetos que venham a ser realizados, balizando alguns aspectos técnicos e administrativos a serem adotados nos procedimentos que dizem respeito a este tipo de obras. Estas normas iniciais fazem claras as demandas a serem supridas por qualquer tipo de ferramenta a ser utilizada na gestão de projetos em Organizações Militares de Saúde. O suprimento destas demandas é que evidenciará a eficiência de tal ferramenta de gestão. Por fim, será feita uma exposição dos principais pontos importantes existentes nas Normas para Elaboração, Gerenciamento e Acompanhamento de Projetos no Exército Brasileiro. Estas normas são as mais recentes e disponibilizam importantes ferramentas para a gestão de projetos. A avaliação sobre sua abrangência e condições de suprir as necessidades específicas do Serviço de Saúde é o ponto principal a ser desenvolvido. Como critérios, serão utilizadas as informações fornecidas nas normas anteriores. Antes, uma breve exposição sobre o histórico do Programa de Excelência Gerencial (PEG) no Exército Brasileiro, semente que deu origem à gestão de projetos e que se aplica para qualquer tipo de administração profissional e eficiente da Força Terrestre, sendo importante ferramenta para a compreensão de toda a evolução existente e desejada neste aspecto.

20 PROGRAMA DE EXCELÊNCIA GERENCIAL Ao pesquisar o Programa de Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG), verifica-se que o mesmo surgiu a partir de um projeto elaborado pelo Estado- Maior do Exército (EME, 2003), com o objetivo de melhorar a operacionalidade da tropa e os anseios da Defesa. Tal projeto, tinha como escopo, ser um instrumento para a reorganização das atividades da Força Terrestre, sob a égide da Excelência Gerencial, tendo seus princípios sido estabelecidos a partir de diretrizes do Comandante da Força. Desde então, o Exército Brasileiro gradualmente, vem sendo submetido a importantes transformações. A preservação de seus valores históricos, sem perder o foco no processo de evolução do substrato político, econômico e social do Brasil e do mundo, cada vez mais globalizado é o alicerce que mantém a estrutura da Força. Durante tal processo de evolução, a criação do Programa de Excelência Gerencial foi definido como um Programa que possibilitasse a melhoria continuada da gestão e da operacionalidade de todo o Exército Brasileiro. Todo este processo, iniciou-se com a criação da Assessoria Especial do Gabinete do Comandante do Exército, encarregada de implantar o Programa de Excelência Gerencial (PEG). Visando o sucesso de tal ação, foram estabelecidos intercâmbios de cooperação com instituições civis, públicas e privadas, para gerar um fluxo de idéias que trouxeram à Força os primeiros conhecimentos de Balanced Score Card (BSC). Neste mesmo período, também surgiram as primeiras normatizações, dentro da Força, referentes ao tema da qualidade da gestão. Deve ser ressaltado que o objetivo do Exército Brasileiro sempre foi a implantação e difusão de tais idéias em todos os níveis da Força Terrestre. Diversas ações foram tomadas com este foco, desde então. Uma delas foi a implantação, no Exército, da metodologia de autoavaliação adotada pelo Programa de Qualidade do Serviço Público, atualmente Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA), oriunda do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Para tal, realizou-se uma capacitação específica para os militares, que entre outros efeitos, possibilitou uma aproximação entre o Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão e o Exército Brasileiro.

21 21 A linha de ação determinada pelo Comando da Força, desde o início de todo o Programa, foi priorizar ações simples e focadas nos resultados. Estimulou-se a participação de diversas Organizações Militares em prêmios de qualidade, nos diversos âmbitos, como ferramenta de aperfeiçoamento da gestão e de alinhamento do Exército Brasileiro com as diretrizes do Governo Federal para os órgãos públicos. Diversas atividades foram desenvolvidas a partir daí, como a definição das fases de implantação do PEG e a realização das primeiras autoavaliações nas diversas OM do Exército Brasileiro. Além disso, foram incentivadas e implementadas a participação de integrantes da Força em diversos cursos na Escola de Administração Fazendária e na Escola Nacional de Administração Pública; a criação da metodologia para implantação desse programa nos Estabelecimentos de Ensino do Exército e a publicação de diversas portarias complementares referentes ao programa. Ainda em 2003, com a participação de diversos especialistas de grande capacidade e com a cooperação de diversos centros universitários e de outros órgãos públicos e empresas do meio civil, foram realizadas diversas atividades, distribuídas por todo o Brasil, visando a formação e capacitação de gestores e auditores de gestão de elevado nível para colaborarem no desenvolvimento do Programa. No mesmo ano de 2003, algumas Organizações Militares foram vencedoras de prêmios de qualidade em diferentes níveis e percebeu-se um pensamento voltado para a gestão, de uma forma mais organizada dentro da Força. Foram sendo levantadas as oportunidades de inovação e melhoria e priorizadas ações efetivas para consolidação dos Projetos de Inovação e Melhoria. Foi elaborado o Planejamento Estratégico Organizacional (PEO), com a implantação de inovações e melhorias, realizadas por meio de ações de comando, análise e melhoria dos processos existentes nas Organizações Militares, e também, por meio de projetos elaborados pelo Plano de Gestão da Organização Militar. O Planejamento Estratégico Organizacional e o Processo de Melhoria Contínua são ferramentas que, se operadas conjuntamente, permitem elevar os níveis dos resultados e partir em direção à excelência gerencial. O Processo de Melhoria Contínua é fundamentado nos princípios da excelência como liderança, estratégias, informações e conhecimento. Essas ferramentas, alinhadas com a gestão dos processos e de projetos com um sistema de medição adequado, determinou-se como sendo o Modelo de Excelência Gerencial do Exército Brasileiro.

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

1 Introdução. 2 O Modelo Gerencial na Administração Pública

1 Introdução. 2 O Modelo Gerencial na Administração Pública 2 1 Introdução A fiscalização pelo uso mais racional dos recursos públicos arrecadados pelo Estado tem crescido consideravelmente nos últimos anos. Como conseqüência, os gestores perceberam a necessidade

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC

Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DA SEDEC ( PEG SEDEC ) 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS a. O PEG-SEDEC é a ferramenta de implementação da estratégia de melhoria da

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Serviços Jurídicos

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Ato da Mesa N 69/2013

Ato da Mesa N 69/2013 À Assessoria de Projetos e Gestão compete: Ato da Mesa N 69/2013 Anexo I 1. assessorar o Diretor-Geral a promover, planejar, coordenar, acompanhar e orientar a implementação da melhoria contínua ~ gestão

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Planejamento, implantação e gerenciamento da Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 5 1 Implantação empreendimento de longo prazo. Requisitos básicos: Liderança

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009.

PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova as Instruções Gerais dos Postos Médicos de Guarnição (IG 10-86) e dá outras providências

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implantação da política de projetos e a criação e atuação dos escritórios de projetos

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais