Insulinoterapia em cães diabé4cos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Insulinoterapia em cães diabé4cos"

Transcrição

1 Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista) Cães x Gatos Hiperglicemia de estresse Patofisiologia do Diabetes Tipo de insulina x eficácia Causas de resistência insulínica Manejo dietéfco Classificação e E4ologia o Diabetes Fpo 1? o Diabetes Fpo 2? ² Insulino- dependente? ² Não insulino- dependente? Ø MULTIFATORIAL!!! Ø Fatores genéfcos + ambientais Diabetes em cães Hiperglicemia persistente Deficiência de insulina relafva ou absoluta Insulino- dependente sempre! Diabetes não insulino dependente e Diabetes transitória infrequente em cães associado a doenças ou drogas que causam antagonismo à insulina Classificação de acordo com o processo patológico de base Diabetes mellitus juvenil ou congênita Antagonismo hormonal Progesterona e GH/diestro/piometra HipercorFsolismo endógeno/iatrogênico PancreaFte Aguda, crônica Autoimunidade Infiltração linfocífca nas ilhotas pancreáfcas à semelhança do D. mellitus Fpo 1 humano 5-12 anos (7 a 9 anos) Diabetes juvenil < 1 ano Fêmeas = 2 x Machos Raças: Schnauzer (standard e miniatura), Poodle, Bichon frisé, Beagle, Husky Siberiano, Rooweiller, Keeshonds, Samoyeda, etc 1

2 " Poliúria, Polidipsia, Polifagia " Perda de peso " Atrofia/fraqueza muscular " Catarata " Hepatomegalia " Infecções bacterianas recorrentes ü Sintomatologia clínica ü hiperglicemia em jejum + glicosúria ü Cães > 180 mg/dl INSULINA DIETA TERAPÊUTICA A insulina ideal Secreção de insulina endógena: 2 fases Secreção basal: secreção conwnua e constante Reduz a lipólise e a produção de glicose hepáfca durante o jejum Secreção in bolus: pós- prandial Suprime a produção de glicose hepáfca e esfmula a uflização de glicose pelo músculo para evitar hiperglicemia pós- prandial Terapia insulínica em cães diabé4cos Insulina pós prandial Lispro ou Aspart Glargina ou Detemir Tipos: NPH, Lenta, Detemir, Glargina Insulina: duração x intensidade de ação Espécie: suína ou humana Insulina basal Primeira opção para cães! 2

3 Diferenças entre as espécies Insulina canina = suína # 2 aa bovino # 1 aa humana Insulina felina # 1 aa bovina # 2 aa suína # 4 aa humana Potência e duração dos efeitos da insulina Menos potente Mais potente Ø Detemir Ø Glargina Ø PZI Ø Lenta Ø NPH Ø Regular Ø Lispro Ø Asparte Maior duração de efeito Menor duração de efeito Tratamento emergencial na Cetoacidose DiabéFca Canina Insulina de ação rápida: Regular 0,1 U/kg/IM/h ou Infusão conwnua Tratamento a longo prazo Insulinas de ação intermediária Lenta e NPH Aplicação a cada 12 horas Insulinas de ação Intermediária NPH U- 100 humana (100U/mL) aplicação Bid pico 4 a 6h após aplicação e duração 10-12h Lenta U- 40 suína (40U/mL) Aplicação Bid AFvidade bifásica (30% na forma solúvel com efeito imediato e 70% na forma ultralenta) pico 6-8h e duração 12-24h Insulinas de longa ação Tecnologia de DNA recombinante Glargina U- 100 (Lantus, Sanofi- AvenFs) forma microprecipitados no local da aplicação Liberação lenta e constante sem pico pronunciado Mais indicada para felinos Detemir U 100 (Levemir, Novo Nordisk) Se liga à albumina de forma reversível Eficácia e remissão de diabetes em felinos semelhante à Glargina Bastante potente em cães Dose insulina para cães Insulina NPH (U- 100) Humulin ou Novolin < 20 kg ð 0,5 U/kg/bid > 20 kg ð 0,3 U/kg bid 3

4 Insulina Lenta Suína (Caninsulin ) U- 40 = 40U/mL 0,5 U/kg/Bid, se usar a seringa própria = 40U NPH x 2,5, se usar seringa 100U Conversão da NPH para a lenta Ex: 4U de NPH = 10 U Lenta O que diz a bula da insulina Lenta? 1U/kg + dose suplementar de acordo com o peso, uflizando- se a seringa de insulina 40U Peso corporal Dose por kg 1 U/kg Dose suplementar Dose final < 10 kg 6 kg = 6 U + 1 U kg 10 kg = 10 U + 2 U 12 U kg 20 kg = 20 U + 3 U 23 U > 20 kg 25 kg = 26 U + 4 U 30 U InsFtuindo a terapia insulínica com a insulina NPH ou Lenta... Ex.: espécie canina, fêmea, 6a, 8kg IdenFficar o nadir da glicose e pico da insulina! Controle glicêmico sa4sfatório :00-4U insulina + alimentação (50%) 13-14:00 horário provável do pico (5-6h) 20:00-4 U insulina + alimentação (50%) E o almoço?? Nadir da glicose 08:00 10:00 12:00 14:00 16:00 18:00 20:00 glicemia (mg/dl) Aplicação insulina 0,5 U/kg Como avaliar o controle glicêmico? Quando realizar a primeira glicemia após início da insulinoterapia (NPH/Lenta)? Qual a melhor hora para fazer a glicemia? Ajustando a dose da insulina... Glicemia ideal ao longo do dia Cães: mg/dl Glicemia ideal no pico: mg/dl Se < 100, â dose Se > 200, á dose Avaliação dos sintomas clínicos e peso! 4

5 Zara, labradora, 7 anos, 32 kg DiagnósFco de Diabetes há 1 ano Em terapia com 12U NPH BID (7h e 19h) Alimentação: 7h, 12h e 19h Glicemia pico (6h pós insulina) = 315 mg/dl Aumentar para 13U M e 12U N Glicemia pico (6h pós insulina) = 295 mg/dl Manter a mesma dose e fazer semi- curva glicêmica sem almoço para idenfficar Nadir da gicose! Semi- curva glicêmica 7h: 145 mg/dl (insulina + alimentação) 10h: 245 mg/dl 12h: 198 mg/dl 13h: 155 mg/dl 14h: 131 mg/dl 16h: 195 m/dl 19h: 250 mg/dl Nadir da glicose = 7h após a aplicação de insulina! Tirar o almoço ou oferecer apenas 20% da quanfa diária de ração terapêufca às 13h Brisa, F, Poodle, 9 anos, 4 kg Tratada com insulina NPH 2U BID 9h/21h Alimentação: 9h, 13h, 21h Glicemias 9h (jejum) = 415 mg/dl 15h ( Pico?) = 157 mg/dl Boa! 21h (pré- insulina) = 355 mg/dl Aumentar 1 unidade BID e fazer semi- curva! O que fazer?? Semi- Curva (3U BID sem almoço) 9h = 445 mg/dl 11h = 226 mg/dl 13h = 57 mg/dl 14h = 85 mg/dl 15h = 115 mg/dl 18h = 290 mg/dl 21h = 345 mg/dl Nadir da glicose e Pico da insulina: 4h após a aplicação de insulina! Alimentar o animal às 12h? Evita a hipoglicemia, mas não reduz a hiperglicemia pré- insulina Trocar a insulina! Lenta suína 2U BID (seringa Caninsulin) Nova Curva Glicêmica (2U BID Caninsulin) 9h = 245 mg/dl (insulina + alimentação) 11h = 206 mg/dl 13h = 187 mg/dl 14h = 155 mg/dl 15h = 135 mg/dl 18h = 190 mg/dl Nadir da glicose e Pico da insulina: 6h após a aplicação de insulina! 21h = 245 mg/dl (insulina + alimentação) Insulina Glargina em cães Insulina basal Estudo experimental com clamp isoglicêmico 0,5U/kg/BID Duração de ação: 18 a 24 horas Pico: 7 horas Grande variabilidade entre os indivíduos! Mori A et al. Vet Res Commun, 32:563-73,

6 Insulina Detemir em cães Sako T et al. Time- acfon profiles of insulin detemir in normal and diabefc dogs. Research in Veterinary Science, 2012 ObjeFvos: determinar o perfil de tempo- ação da insulina em cães normais e cães diabéfcos e comparar com a NPH e Glargina N = 8 cães (3 controle e 5 diabéfcos) Comparação das doses de insulina necessárias para a obtenção do controle glicêmico em 5 cães diabéfcos Peso (kg) NPH (U/kg) Glargina (U/Kg) Detemir (U/kg) Cão 1 13,1 0,61 0,46 0,23 Cão 2 13,5 0,59 0,48 0,19 Cão 3 11,3 0,49 0,4 0,09 Cão 4 5,6 0,63 0,54 0,18 Cão 5 7,3 0,41 0,34 0,07 Glargina: Dose 20% inferior à da NPH Detemir: dose 73% inferior à da NPH!!! Resultados Detemir é uma Insulina de longa ação em cães IdenFficado um pico pronunciado 8-10h após a aplicação da detemir em alguns animais. Em humanos, não apresenta pico! Chico, Golden Retriever,M, 7 anos, 36 kg DiagnósFco de Diabetes há 30 dias, tratado com 36U NPH BID sem sucesso! Duração do efeito da insulina: 24h Dose uflizada da Detemir 73% inferior a da NPH! Apresentou < variabilidade entre os indivíduos Dose recomendada: 0,1 0,2U/kg/BID Em tratamento com 36U NPH BID = 1U/kg/BID! Hiperglicemia persistente de jejum (> 400 mg/dl) e pico entre 370 e 450 mg/dl Resistência insulínica? Doença concomitante? Solicitado: perfil Froideano HipoFroidismo? T4 Livre = 0,28 ng/dl (0,7 3,0) TSH = 2,0 ng/ml (0,05 0,5) COL = 621 mg/dl e TRIG = 66 mg/dl Prescrito Froxina e bezafibrato Reduzir 50% da dose da insulina (18U BID após 1 semana) Teste de reposição hormonal (30d pós- terapia com 4roxina 20 μg/kg/bid) T4t basal = 2,05 μg/dl T4t pós Froxina = 4,6 μg/dl Solicitado glicemias jejum e pico semanalmente! Glicemias instáveis.variando 40 a 400 mg/dl no mesmo dia com dose de 14 a 16U BID?? Proprietário alimenta o animal várias vezes ao dia e quando a glicemia < 150 mg/dl não aplica insulina! Erros de manejo! 6

7 Controle glicêmico ruim hipo x hiperglicemia Manejo alimentar errado e diƒcil conscienfzação do cuidador Trocar para insulina Detemir! Peso: 35 kg; dose Detemir 7U BID (0,2U/kg) Alimentação 6h, 13h e 18h Solicitado fazer glicemia 12h após a primeira aplicação e depois a cada 5 dias em jejum e 12h após aplicação Avaliação glicêmica após início da Detemir: Glicemia manhã antes da Detemir: 508 mg/dl 12h após insulina = 141 mg/dl!!! Proprietário ficou com medo, não aplicou à noite Glicemias a cada 5 dias Manhã jejum = variação de mg/dl 12h após insulina = variação de 50 a 120 mg/dl Reduzir para 6U BID e fazer glicemias semanalmente Avaliação glicêmica após início da detemir: Glicemia manhã jejum : 214 a 178 mg/dl Orientações gerais sobre o uso da insulina Glicemia 12h pós insulina: 183 a 124 mg/dl Manter 6U BID e fazer glicemias a cada 15 dias Peso atual 32 kg (antes 37 kg) Dose final Detemir = 0,18 U/kg/BID! Recomendações gerais do manuseio da insulina Seringas Bolhas Locais de aplicação Homogeneização Armazenamento e vencimento NPH e Canisulin 4 semanas refrigerada Glargina 4 semanas temperatura ambiente Detemir 6 semanas temperatura ambiente Seringas de insulina 30 U, 50 U e 100 U Seringa 40 U 7

8 Seringa insulina 30U 1-1U Diferenças entre as seringas 100U 2-2U 12U = 12 risquinhos 12U = 6 risquinhos Marcação em ml ao invés de U Ex.: 40U = 0.4 Erro comum: 4U aplicação 0.4 = hipoglicemia Canetas aplicadoras de insulina Levemir FlexPen Refil 3 ml insulina Detemir HumaPen Luxura Lilly Refil 3ml insulina NPH Humulin Lantus Solostar Refil 3mL insulina Glargina Novidade para 2015 VET- PEN Caneta específica para a Caninsulin 2 canetas 0,5 U/0,5U dose máxima 8U 1U/1U dose máxima 16U Não esquecer do manejo dieté4co Prescrever sempre dieta comercial terapêufca! Rica em fibras (ê hiperglicemia pós- prandial) Rica em proteínas, moderada em carboidratos Programa alimentar: 2 refeições a cada 12h junto com a insulina ou 3 refeições: 40% + insulina manhã 20% almoço 4 a 5h pós insulina 40% +insulina noite 8

9 Muito obrigada pela atenção! Rua Barão de Paranapanema, 304 Bosque Campinas Fone: (19) /

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos X Profa Dra Viviani De Marco Universidade Guarulhos Hospital Veterinário Pompéia SP Patofisiologia do Diabetes Hiperglicemia do estresse Doenças x resistência

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES Veruska Martins da Rosa Buchaim 1 ; Carlos Maia Bettini 2 RESUMO: A diabetes

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL MODELO DE BULA SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL Forma farmacêutica e apresentações Solução Injetável Embalagens com 1 caneta descartável pré-enchidas (SoloStar

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA.

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA. DIABETES MELLITUS Ilhotas de Langerhans: cél s alfa que secretam glucagon horm hiperglicemiante; E as cél s beta que secretam insulina horm hipoglicemiante; Glicose para o sg entra dentro das células (PELO

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò.

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò. LANTUS 100 UI/mL Insulina glargina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen

Leia mais

Farmacoterapia da Diabetes mellitus

Farmacoterapia da Diabetes mellitus Farmacoterapia da Diabetes mellitus Profª Ivy Alcoforado Felisberto DIABETES MELLITUS Síndrome metabólica causada pela ficiência relativa ou absoluta insulina, além resistência à ação da insulina em tecidos-alvo.

Leia mais

Pâncreas. Glucagon. Insulina

Pâncreas. Glucagon. Insulina Diabetes Mellitus Pâncreas Pâncreas Glucagon Insulina Insulina Proteína composta de 2 cadeias de aminoácidos Seqüência de aa semelhante entre as espécies domésticas e humana Absorção de glicose glicemia

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Diário de Glicemia Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Seu diário de glicemia Período do diário: de até Dados Pessoais: Nome Endereço Cidade Estado CEP Telefones Dados do médico: Nome Telefones

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

INSULINOTERAPIA: Histórico

INSULINOTERAPIA: Histórico INSULINOTERAPIA: Histórico Egito antigo 2000 A.C. Areteu Capadócia, 2000 D.C. T. Willis Inglaterra, 1670 Chevreul 1815 Von Mering e Minkowinsky, 1889 P. Langehans 1869 Amon-Ra Banting e Best 1921 L. Thompson

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Presentation title Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Aspectos práticos Teresa Dias Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Lisboa, Fevereiro de 2012 Insulina Background Insulina Humana e Análogos de

Leia mais

FÓRUM VET. Março 2013 Nº 3

FÓRUM VET. Março 2013 Nº 3 FÓRUM VET Março 2013 Nº 3 Avaliação terapêutica do Diabetes mellitus em cães submetidos à insulinoterapia e dieta Equilíbrio Veterinary O&D - Total Alimentos O&D OBESITY & DIABETIC Informativo técnico

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS INFORMAÇÕES AO PACIENTE

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS INFORMAÇÕES AO PACIENTE CDS19NOV10 HUMALOG MIX 50 KWIKPEN insulina lispro (50% de insulina lispro e 50% de insulina lispro protamina) derivada de ADN* recombinante D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG MIX 50 KWIKPEN é uma suspensão

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 4 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Insulinização basal no Tratamento do Diabetes Mellitus tipo

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus História Clínica BSR, 19 anos, sexo feminino. Diagnóstico de diabetes

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

HIPOTIROIDISMO. O que é??? Fisiologia tiróide. Etiologia. Hipotiroidismo primário 01/10/2013. Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail.

HIPOTIROIDISMO. O que é??? Fisiologia tiróide. Etiologia. Hipotiroidismo primário 01/10/2013. Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail. HIPERTIROIDISMO X HIPOTIROIDISMO HIPOTIROIDISMO Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail.com 1 2 O que é??? Fisiologia tiróide Deficiência dos hormônios tiroidianos (T3 = triiodotironina e T4= tiroxina)

Leia mais

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Página 1 de 26 CDS19NOV10 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) derivada

Leia mais

Terapia nutricional no diabetes

Terapia nutricional no diabetes Terapia nutricional no diabetes Nutricionista Cigléa do Nascimento CRN-2 2670 Conteúdos abordados Metas glicêmicas Recomendações nutricionais Índice glicêmico e carga glicêmica Contagem de carboidrato

Leia mais

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Página 1 de 29 CDS19NOV10 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) derivada

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml Humalog Solução injetável 100 UI/mL Frasco 10 ml e Refil 3 ml CDS19NOV10 HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor,

Leia mais

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNO VVO LLAABBO RRAATTÓ RRI IO DD EE AANNAATTOMI IIAA PPAATTOLLÓGI IICAA Estamos comunicando com satisfação nossos novos serviços na especialidade

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante)

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) 1 CDS12JUL06 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 28/ 2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: insulina lispro. Nomes Comerciais 1 : Humalog. Medicamento de Referência: Humalog. Sumário 1. O que é a insulina lispro?... 2 2. O medicamento

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA CDS19NOV10 Humalog insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor, contendo 100 unidades (U-100) de insulina lispro (ADN* recombinante)

Leia mais

Convivendo com o Diabetes

Convivendo com o Diabetes Convivendo com o Diabetes Uma publicação Roche Diagnostica Brasil Revisão e apoio: Sociedade Brasileira de Diabetes SBD Ilustrações, Design e Produção: Alvo Propaganda & Marketing Todos os direitos reservados

Leia mais

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO Levemir TM Penfill insulina detemir I. Identificação do Medicamento Levemir TM Penfill insulina detemir Forma Farmacêutica Solução injetável Via de administração Subcutânea Apresentação Embalagem contendo

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 310/2014

RESPOSTA RÁPIDA 310/2014 RESPOSTA RÁPIDA 310/2014 SOLICITANTE Dr. Wauner Batista Ferreira Machado Juiz de Direito da 3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Municipal da Comarca de Belo Horizonte. NÚMERO DO PROCESSO 0024 14 174

Leia mais

Diabetes gestacional e prévia

Diabetes gestacional e prévia 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Diabetes gestacional e prévia Ricardo Rangel Números Nos EUA 1.3% gravidezes DG -88% Tipo 1-7% Tipo 2-5% Índia 17%... Exposição à hiperglicémia. No

Leia mais

DROGAS HIPOGLICEMIANTES

DROGAS HIPOGLICEMIANTES DROGAS HIPOGLICEMIANTES Secreção da insulina Insulina plasmática Receptor de insulina Ações da insulina DIABETES: Síndrome de múltipla etiologia, decorrente da falta de insulina e/ou sua incapacidade

Leia mais

DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO *

DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO * DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO * 1. INTRODUÇÃO A Diabetes Mellitus é um distúrbio complexo que resulta da incapacidade das ilhotas pancreáticas secretar

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

O mix ideal para atender as necessidades especiais de seus clientes

O mix ideal para atender as necessidades especiais de seus clientes Catálogo O mix ideal para atender as necessidades especiais de seus clientes Se é Bayer, é bom. Publicação da SantaCruz Distribuidora direcionada ao Farmacêutico 2015 2 Índice Lançamentos... 7 Top 10 Medicamentos

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Índice Página 1. Aprendendo a conviver com o diabetes. 3 2. O que é diabetes? 4-5 3. Hiperglicemia e Cetoacidose. 6 4. Planeje com antecedência.

Leia mais

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Mariana de Oliveira Almeida* Aline Lúcia Menezes Ferrão* * Márcio Gilberto Zangeronimo*** RESUMO A diabetes mellitus é uma doença

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 CDS19NOV10 HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN* recombinante) por ml. Está disponível

Leia mais

estimação tem diabetes?

estimação tem diabetes? Será que o seu animal de estimação tem diabetes? Informação acerca dos sinais mais comuns e dos factores de risco. O que é a diabetes? Diabetes mellitus, o termo médico para a diabetes, é uma doença causada

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG 2014. CCATES. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais