CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus"

Transcrição

1

2 CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus

3 História Clínica BSR, 19 anos, sexo feminino. Diagnóstico de diabetes aos 10 anos de idade (poliúria, polidipsia, emagrecimento acentuado em 3 semanas e cetoacidose diabética; história familiar negativa para DM, uso de insulinas desde o diagnóstico). Tratamento atual: Insulina NPH 30 UI 06:00 e 15 unidades 22:00. Correções eventuais das hiperglicemias. Não aplica insulina à noite quando glicemias < 100 mg/dl. História pregressa de crise convulsiva por hipoglicemia na madrugada. Hipoglicemias assintomáticas. Sem complicações crônicas diagnosticadas. Dieta irregular. Prática de natação 3 vezes por semana, com hipoglicemias durante e após o exercício. Peso = 60 kg; altura = 1,70 m; IMC = 20,7 kg/m 2. HbA1c: 10%

4 Diário de Glicemias Glicemia em jejum Glicemia 2 horas após café Glicemia antes do almoço Glicemia 2 horas após almoço Glicemia antes do jantar Glicemia 2 horas após jantar Glicemia 03: * * HI * * Pós natação

5 Diagnóstico de Diabetes Categoria Glicemia de jejum (mg/dl) OGTT (mg/dl) HbA1c* Normal <100 <140 < 5,7% Glicemia de jejum alterada Tolerância à glicose diminuída <140 < 5,7% ,7-6,4 % Diabetes 126** 200 6,5% ADA Position Statement, 2011

6 Diabetes Tipo 1 - Etiologia Destruição autoimune das células beta pancreáticas Fatores desencadeantes Anticorpos Auto-anticorpos antiilhota (ICA) Antiinsulina (IAA) Contra descarboxilase do ácido glutâmico (anti-gad) Contra tirosina-fosfatases IA-2 e IA-2β Um ou mais presentes em 85%-90% dos casos. J Clin Endocrinol Metab, 2010, 95(1):25 33

7 Diabetes Tipo 1 O estímulo infeccioso ou ambiental desencadeiam o ataque autoimune sobre as células beta do pâncreas produtoras de insulina Destruição progressiva das células beta durante meses a anos Deficiência quase absoluta de insulina endógena Necessária a introdução de insulina exógena Nascimento Tempo (anos) Anormalidades imunológicas Massa de células beta (% do max) Predisposição genética Desencadeador imunológico Deterioração progressiva da liberação de insulina Diabetes evidente Período de lua de mel' (1 2 anos) Sem diabetes Diabetes 0 Adaptado de Powers AC. In: Harrison s Principles of Internal Medicine, Kasper DL et al (Eds). New York: McGraw-Hill; 2005:p

8 DM 1- Diagnóstico Clínico Poliúria, polidipsia, polifagia, emagrecimento; Glicemias elevadas; Cetoacidose diabética (não é obrigatória a presença); NECESSIDADE IMEDIATA, CRESCENTE E CONSTANTE DE INSULINA IMEDIATAMENTE APÓS O DIAGNÓSTICO (deficiência absoluta de insulina). American Diabetes Association, 2011

9 Tipos de DM Autoimune Condição Autoanticorpos contra ilhota Genética Comentários Diabetes Tipo 1A Autoanticorpo positivo > 90% 30%-50% DR3 e DR4 90% DR3 ou DR4 <3% DQB1*0602 Crianças: 90% brancos não-latinos tipo 1A 50% negros tipo 1A 50% latino-americanos tipo 1A Diabetes Idiopático (tipo 1B) Autoanticorpo negativo Desconhecido Tipo 1B raro em brancos Diabetes LADA Autoanticorpo positivo HLA semelhante ao tipo 1A Fenótipo de DM 2 magro

10 LADA (Diabetes Autoimune Latente do Adulto) anos; fenótipo DM 1/DM 2 magro; HF negativa; DX ao acaso ou OGTT - raramente CAD; 6-12 meses com dieta, AF com ou sem ADO; Anticorpos positivos; Falência pancreática prematura: INSULINA ABEM, 2008, 52 (2)::

11 Metas Glicêmicas Controle glicêmico por faixa etária (mg/dl) Idade Jejum Pré-prandial Pós-prandial HbA1c (%) 0-6 anos ,5 8, anos < anos ,0 7,5 > 19 anos < 140 < 7 ADA Position Statement, 2011

12 Correlação Entre A1c e Glicemia Média NÍVEL DE A1C % CORRESPONDÊNCIA COM A GLICEMIA MÉDIA NO PERÍODO DE 2-3 MESES (mg/dl) Nathan 2008** ADA 2006* ADA 2009*** 4 65 NA META SBD - ADA * American Diabetes Association. Diabetes Care. 2006;29 Suppl 1:S4-42; ** Nathan DM. Diabetes Care.2008; 31: *** American Diabetes Association. Diabetes Care. 2009;32 Suppl 1:S13-61.

13 Objetivos do Tratamento do DM SBD COLESTEROL (mg/dl) Total < 200 LDL < 100* HDL (homens/mulheres) > 40/50 TRIGLICÉRIDES (mg/dl) < 150 PRESSÃO ARTERIAL (mmhg) Sistólica < 130 Diastólica < 80 ÍNDICE DE MASSA COPORAL (kg/m 2 ) SBD, 2009

14 Barreiras para o Controle Glicêmico Baixa aderência PACIENTE Medo dos efeitos colaterais Não aceitação da doença Desconhecimento PROFISSIONAL DE SAÚDE Inércia na decisão terapêutica Imprecisão nas metas Abordagem inadequada

15 Insulinoterapia Intensiva Esquema Basal-bolus OBJETIVO: reproduzir secreção fisiológica de insulina BASAL: 40% a 50% da DTD BOLUS: 50-60% DTD (10% a 20% da DTD por refeição) Flexibilidade para o paciente. Diabetes Nutr Metab 2001;14:

16 Representação Esquemática do Esquema Basal-bolus Café Almoço jantar Bolus Bolus Insulina Plasmática Bolus Bolus Dose basal 4:00 8:00 12:00 16:00 20:00 24:00 4:00 8:00 Tempo HOLLEMAN F, HOEKSTRA J. N Engl J Med, 337: , 1997.

17 DM1: Estratégia Terapêutica Início Lua-de-mel Primeiro ano Redução da função das células beta Insulina regular NPH 1 ou 2 x ao dia NPH 2 ou 3 x ao dia + Ins. Rápida Tratamento intensivo NPH Binder C-S. Diabetes Center.

18 Reposição Parcial de Insulina NPH em 2 doses fracionadas Muitos pacientes DM1 ainda recebem apenas duas injeções diárias de Insulina NPH humana (tratamento convencional) Efeito da insulina NPH C A J Ao deitar

19 Insulina Basal Corresponde a 40-50% da dose total diária de insulina. NPH Glargina Detemir Bomba de Insulina N Engl J Med, 2005; 352;2

20 Perfis de Ação Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação NPH humana 2-4 h 4-10 h h Glargina análogo 2 4 h h Detemir análogo 2-4 h h

21 Insulina NPH N Engl J Med, 2005; 352;2

22 Dificuldade de Homogeneização e Variabilidade Farmacológica da NPH 24h de sedimentação Após 7 ciclos de homogeneização Após 20 ciclos de homogeneização Jehle PM, et al. Lancet. 1999;354(9190):1604-7

23 Insulina Glargina Níveis terapêuticos constantes por até 24 horas N Engl J Med, 2005; 352;2

24 Insulina Detemir Presença de picos de ação dose-dependentes N Engl J Med, 2005; 352;2

25 Bolus de Alimentação Quantidade de insulina rápida/ ultrarrápida necessárias para utilizar a quantidade de carboidratos consumidos em uma refeição; % da DTD Glulisina Asparte Lispro Regular N Engl J Med, 2005; 352;2

26 Perfis de Ação Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação Regular humana h 5-7 h Asparte análogo h Glulisina análogo h Lispro análogo h

27 Insulina Regular Absorção e perfis terapêuticos variáveis N Engl J Med, 2005; 352;2

28 Insulinas Ultrarrápidas Análogos de insulina: perfis de ação mais fisiológicos e previsíveis N Engl J Med, 2005; 352;2

29 Um Recurso Diagnóstico Indispensável para a Avaliação do Controle Glicêmico A AUTOMONITORIZAÇÃO É FUNDAMENTAL!!!!

30 Diário de Glicemias DM 1 DATA Glicemia em jejum Glicemia 2 horas após café Glicemia antes do almoço Glicemia 2 horas após almoço Glicemia antes do jantar Glicemia 2 horas após jantar Glicemia ao deitar Glicemia 03:00 1 x x x 2 x x x 3 x x x 4 x x x 5 x x x

31 Tratamento Intensivo No diagnóstico ou a partir do tratamento convencional INÍCIO DO TRATAMENTO RA/NPH + RA + RA + NPH Dx: dose total = 0,3-0,5 unidades/kg/dia % basal: % bolus BASAL - NPH 2 vezes/ dia: 2/3 AC e 1/3 AD ou 3 vezes/ dia: ½ AC, ¼ AA e ¼ AD. BOLUS: Distribuir igualmente a dose antes de cada refeição. SDM- Staged Diabetes Management, 2006.

32 Tratamento Intensivo A partir do tratamento convencional: HbA1c 8% Reduzir a dose total atual em 10%. HbA1c < 8% Reduzir a dose total atual em 20%. 50% basal: 50% bolus SDM- Staged Diabetes Management, 2006.

33 Fator Sensibilidade (FS) É quanto 1 UI de insulina rápida ou ultrarrápida reduz a glicemia. FS = 1800 (usar 1500 se for insulina regular) Dose total diária de insulina Exemplo: Glargina = 20 UI Glulisina = 4 UI no café; 3 UI no almoço e jantar DTD = 30 unidades FS = 60 (1 UI 60 mg/dl) WALSH J et al. Torrey Pines Press, ROBERTS R. Pumping Insulin, 4th edn. Torrey Pines Press, 2000.

34 Bolus de Correção (BC) É a quantidade de insulina rápida ou ultrarrápida necessária para a correção da hiperglicemia antes das refeições. BC = Glicemia do momento meta de glicemia FS Exemplo: glicemia jejum = 240 mg/dl meta glicêmica= mg/dl FS = 60 BC: = 1 unidade 60 WALSH J et al. Torrey Pines Press, ROBERTS R. Pumping Insulin, 4th edn. Torrey Pines Press, 2000.

35 Fator Sensibilidade Regra geral - adultos: 1 UI 50 mg/dl mg/dl = 01 unidade mg/dl = 02 unidades mg/dl = 03 unidades mg/dl = 04 unidades mg/dl = 05 unidades Maior que 401 mg/dl = 06 unidades Danne T. Pediatr Diabetes 2006: 7 (Suppl.4):

36 Fator Sensibilidade Regra geral - Crianças e adolescentes: 1 UI mg/dl mg/dl = 01 unidade mg/dl = 02 unidades mg/dl = 03 unidades Maior que 501 mg/dl = 04 unidades Danne T. Pediatr Diabetes 2006: 7 (Suppl.4):

37 Correção de Hipoglicemia Abaixo do limite inferior da meta glicêmica Crianças 100 mg/dl Púberes e adultos 70 mg/dl DIMINUIR 1 OU 2 UNIDADES na dose do bolus de alimentação

38 Ajustes de Doses Horário Glicemia (mg/dl) Modificação sugerida Jejum 2 h após café 2 h após almoço < > 250 -Diminuir NPH/DET noturna 1-2 UI -GLA: diminuir 1-2 unidades -Aumentar NPH/DET noturna 1-2 UI -GLA: aumentar 2-4 unidades -Aumentar NPH/DET noturna 2-4 UI -GLA: aumentar 4-8 unidades < 70 -Diminuir RA antes do café 1-2 UI Aumentar RA antes do café 1-2 UI > 250 -Aumentar RA antes do café 2-4 UI < 70 -Diminuir RA antes do almoço 1-2 UI Aumentar RA antes do almoço 1-2 UI > 250 -Aumentar RA antes do almoço 2-4 UI SDM- Staged Diabetes Management, 2006.

39 Ajustes de Doses Horário Glicemia (mg/dl) Modificação sugerida < 70 -Diminuir NPH matinal 1-2 UI Final da tarde/ Antes do jantar Aumentar NPH matinal 1-2 UI > 250 -Aumentar NPH matinal 2-4 UI < 100 -Diminuir RA antes do jantar 1-2 UI 2 h pós jantar/ ao deitar Aumentar RA antes do jantar 1-2 UI > 250 -Aumentar RA antes do jantar 2-4 UI SDM- Staged Diabetes Management, 2006.

40 Caso Clínico Prescrição e Seguimento

41 Tratamento Intensivo Dose Total Diária (DTD) = 45 UI HbA1c = 10% diminuir DTD em 10% = 40,5 UI= 40UI 50% basal (NPH) = 20 UI = 12 UI 07:00 e 8 UI 22:00 50% bolus (ultrarrápida)= 20 UI = 5 UI café, almoço, lanche da tarde e jantar. FS= 45

42 Seguimento 30 dias: Melhora parcial das hipoglicemias com retorno discreto dos sintomas. Ajustes nas doses de insulinas: 20 UI basal = UI 23 UI bolus = correções

43 Seguimento 90 dias: Hipoglicemias leves a moderadas (acima de 50 mg/dl), pp na madrugada e após o exercício físico; Correções de hiperglicemias adequadamente. HbA1c = 8 % Cd= ajustes mensais nas doses de insulinas

44 Seguimento 180 dias: HbA1c = 7,3%; mantido hipoglicemias relacionadas aos picos de NPH, pp. noturnas. Esquema atual: 20 UI basal = UI 23 UI bolus = correções (3 unidades no lanche da tarde, no dia da natação) cd= não aplicação de bolus no lanche da tarde no dia da natação; Prescrição de análogo de longa duração Glargina, na dose de 16 UI.

45 Início e Titulação da Glargina Tratamento atual Substituição por insulina glargina Dose inicial de insulina glargina Insulina NPH 1 vez ao dia Insulina NPH 2 a 4 vezes ao dia 1 vez ao dia Manter a dose total diária de insulina basal. 1 vez ao dia Reduzir em 20% a dose total diária de NPH.

46 Hipoglicemia

47 Hipoglicemia: Sintomas AUTONÔMICOS NEUROGLICOPÊNICOS Tremor Palpitações Nervosismo/ansiedade Sudorese Fome Confusão mental Tontura Sono Dificuldade na fala Incoordenação motora Cryer PE: Diabetes Care 17:734-55, 1994

48 Hipoglicemia: Classificação Assintomática Leve - moderada = Paciente capaz de reconhecer e tratar; Grave = Temporariamente incapacitante, requer assistência de outra pessoa. Cryer PE: Diabetes Care 17:734-55, 1994 DCCT Research Group: Diabetes 46:271-86, 1997

49 Hipoglicemia: Causas Omissão de refeição, jejum noturno; Dose de insulina excessiva, horário inadequado; Diminuição da produção endógena de glicose (ingestão de álcool, outras drogas, insuf. hepática ou renal etc.); Sensibilidade aumentada à insulina: atividade física, perda de peso, madrugada, melhora no condicionamento físico, administração de certas drogas etc.; Variabilidade na ação insulínica.

50 Hipoglicemia: Paciente Consciente 1 Colher de Sopa rasa de açúcar -1 copo d água; 1 sachê de açúcar líquido Gli Instan 3 balas moles; 150 ml de refrigerante comum; 2 colheres de sopa de leite condensado; 15 gramas de CHO 3 biscoitos waffer; 01 bombom Sonho de Valsa; 2 chocolates alpino; 1 barra de chocolate de 30g.

51 Hipoglicemia: Paciente Inconsciente Pode-se usar a injeção de glucagon via subcutânea ou intramuscular. A dose é de uma ampola (1 ml) acima de 25 Kg e meia ampola abaixo de 25 Kg (0,03mg/Kg máxima: 1 mg) Após acordar manter aporte oral de glicose para evitar rebote. Podem ocorrer vômitos após o uso. Não há contraindicação em grávidas. Não atua em excesso de álcool como causa.

52 Glucagon

53 Médico Enfermeira Nutricionista Assistente Social Dentista Podólogo EDUCAÇÃO Diabetologista/ endocrinologista Psicólogo Fisioterapeuta Educador Físico Farmacêutico

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Terapia nutricional no diabetes

Terapia nutricional no diabetes Terapia nutricional no diabetes Nutricionista Cigléa do Nascimento CRN-2 2670 Conteúdos abordados Metas glicêmicas Recomendações nutricionais Índice glicêmico e carga glicêmica Contagem de carboidrato

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

INSULINOTERAPIA: Histórico

INSULINOTERAPIA: Histórico INSULINOTERAPIA: Histórico Egito antigo 2000 A.C. Areteu Capadócia, 2000 D.C. T. Willis Inglaterra, 1670 Chevreul 1815 Von Mering e Minkowinsky, 1889 P. Langehans 1869 Amon-Ra Banting e Best 1921 L. Thompson

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 4 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Insulinização basal no Tratamento do Diabetes Mellitus tipo

Leia mais

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Índice Página 1. Aprendendo a conviver com o diabetes. 3 2. O que é diabetes? 4-5 3. Hiperglicemia e Cetoacidose. 6 4. Planeje com antecedência.

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 2 Uso correto da medicação oral e insulina

Leia mais

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DM - Diagnóstico ADA - 2003 Normal Gj Alterada DM 100 126 OMS GTT oral - 75 g Intolerância

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia Automonitorizar a sua glicemia Quando verifica diariamente a sua glicemia, obtém uma fotografia do nível nesse momento. Os testes HbA1c feitos pelo seu médico indicam a média dos seus níveis de glicemia

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

NOSSO ALUNOCOM DIABETES

NOSSO ALUNOCOM DIABETES NOSSO ALUNOCOM DIABETES NOSSO ALUNOCOM DIABETES Estamos fornecendo algumas informações importantes sobre diabetes para auxiliar a equipe da escola na rotina escolar do aluno com Diabetes. Quando houver

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE

PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE Salvador - Bahia 2010 1 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante)

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) 1 CDS12JUL06 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais

DIABETES MELLITUS TIPO 1. Leyna Leite Santos E2

DIABETES MELLITUS TIPO 1. Leyna Leite Santos E2 DIABETES MELLITUS TIPO 1 Leyna Leite Santos E2 INTRODUÇÃO O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção de insulina, da ação da insulina,

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA. Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga

Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA. Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Evidências Estudos demonstraram que mesmo com as doses máximas toleradas

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento Ricardo F. Arrais Diabetes: Breve Histórico 1550 a.c - papiros de Ebers II séc. d.c - Aretaeus da Capadócia descrição e denominação do diabetes (sifão) V e VI séc.

Leia mais

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog DICAS PARA UTILIZAÇÃO DESTA CARTILHA 1. Você pode distribuí-la para todos os

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Insulinização em pacientes portadores de DM2

Insulinização em pacientes portadores de DM2 Insulinização em pacientes portadores de DM2 Especialista em Endocrinologia e Metabologia Médico do Núcleo de Telessaúde da UFMG Acadêmico:Henrique Gomes Mendes Bolsista da PROEX/UFMG 10 Período FM/UFMG

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 5 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus

Leia mais

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Diário de Glicemia Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Seu diário de glicemia Período do diário: de até Dados Pessoais: Nome Endereço Cidade Estado CEP Telefones Dados do médico: Nome Telefones

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Diário da diabetes CONTROLAR A DIABETES. Este diário pertence a:

Diário da diabetes CONTROLAR A DIABETES. Este diário pertence a: CONTROLAR A DIABETES Diário da diabetes Este diário destina-se a ajudá-lo a manter actualizadas informações importantes que o podem ajudar na gestão diária da sua diabetes. Também estão incluídas neste

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto Diabetes - Diagnóstico e Tratamento Diabetes tipo 1 Maringá - Março o de 2010 Dr. Mauro Scharf Pinto Dr. Mauro Scharf Pinto Hospital Nossa Senhora das Graças Centro de Diabetes Curitiba Diretor científico

Leia mais

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Bruno de Oliveira Sawan Rodrigo Ribeiro Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Liga de Diabetes - UNIUBE GLP-1 GLP-1 é normalmente produzido pelas células neuroendócrinas L da mucosa intestinal Sua

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO Dra Luciana Marques de Araujo I Simpósio Científico do Centro de Ciências Médicas Por Que Tratar? Primeira causa de cegueira adquirida do mundo Primeira

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais