Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus"

Transcrição

1 Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS EM USO DE ANTIDIABÉTICO ORAL E/OU UMA DOSE DE INSULINA C) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS E USO DE MÚLTIPLAS DOSES DE INSULINA D) TRATAMENTO DA HIPOGLICEMIA HOSPITALAR Abreviaturas: - ADO: medicação antidiabética oral - GC: glicemia capilar ou Dextro - DM: diabetes mellitus - DM1: diabetes mellitus tipo 1 - DM2: diabetes mellitus tipo 2 - HbA1c: hemoglobina glicada - VO: via oral Definições: - Insulina basal: insulinas NPH, glargina ou detemir. - Insulina prandial: insulina rápida ou ultrarrápida antes das refeições - Insulina rápida: insulina regular - Insulina ultrarrápida: insulinas lispro, asparte ou glulisina. - Fatores de risco para hiperglicemia hospitalar: uso de corticosteroide, piora do status clínico, uso de drogas vasoativas, nutrição enteral, nutrição parenteral, falência pancreática ou hepática, infusão de dextrose excessiva Alvos: - Pré prandial: < 140mg/dL - Manter todas as glicemias abaixo de 180 mg/dl - Rever a terapêutica se glicemias < 100mg/dL - Pacientes em estado terminal ou em cuidados paliativos: alvos individualizados Monitorização: - Todo paciente que interna realizar GC na admissão - Se uso de glicocorticosteroide realizar GC na admissão e durante 24 horas. - Se novo fator de risco para hiperglicemia: realizar GC Critérios de exclusão: - Gestantes - Pacientes críticos - Crianças

2 A) DIAGNÓSTICO PROTOCOLO DE MONITORIZAÇÃO PARA CONTROLE GLICÊMICO EM PACIENTE NÃO CRÍTICO INTERNADO COM OU SEM DIABETES MELLITUS GLICEMIA CAPILAR ALEATÓRIA (DEXTRO) EM TODO PACIENTE QUE INTERNAR (ADMISSÃO) GLICEMIA CAPILAR (DEXTRO) NA ADMISSÃO <140mg/dL GLICEMIA CAPILAR (DEXTRO) >140mg/dL HISTÓRICO DE DM SEM fatores de risco para hiperglicemia hospitalar MONITORIZAR GLICEMIA CAPILAR ANTES DAS REFEIÇÕES OU 6/6h (SE JEJUM) DURANTE 24h Nenhum ou um valor > 140mg/dL SEM NECESSIDADE DE MONITORIZAÇÃO DA GLICEMIA CAPILAR COM fatores de risco para hiperglicemia hospitalar 2 ou mais valores > 140mg/dL CONFIRMAR GLICEMIA CAPILAR (DEXTRO) >140mg/dL ANTES DA PRÓXIMA REFEIÇÃO 140mg/dL > 140mg/dL EXAME DE HEMOGLOBINA GLICADA (HbA1c) + INÍCIO DA MONITORIZAÇÃO GLICÊMICA ATÉ A ALTA HOSPITALAR REAVALIAR, SE NOVOS FATORES DE RISCO PARA HIPERGLICEMIA: uso de corticosteroide, piora do status clínico, uso de drogas vasoativas, nutrição enteral, nutrição parenteral, falência pancreática ou hepática, infusão de dextrose excessiva ou GLICEMIA aleatória > 140mg/dL *HbA1c< 5,7%: sem DM prévio; 5,7 a 6,4%: fator de risco para DM; 6,5%: com DM prévio B) MONITORIZAÇÃO

3 C) TRATAMENTO I. PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO

4 II. PACIENTES COM DIABETES MELLITUS EM USO DE ANTIDIABÉTICO ORAL E/OU UMA DOSE DE INSULINA

5 III. PACIENTES COM DIABETES MELLITUS EM USO DE MÚLTIPLAS DOSES DE INSULINA

6 IV. TABELAS Tabela 1: Para GC antes das refeições ou para jejum com GC de horário, doses de Insulina Regular ou Ultrarrápida, via subcutâneo, em UI (unidade de insulina): Categoria A B C D E GC (mg/dl) Dieta Jejum Dieta Jejum Dieta Jejum Dieta Jejum Dieta Jejum < 70 Política de hipoglicemia > Tabela 2: Insulina NPH antes do café, almoço e às 22 horas, via subcutâneo, em UI (unidade de insulina): Categoria A B C D E Insulina NPH Tabela 3: Correção da GC das 22 horas: GC (mg/dl) Insulina Regular ou Ultrarrápida SC (UI) >351 4 < 100 Oferecer Lanche/ Leite Realizar dose de insulina NPH independente do valor da GC

7 V. TRATAMENTO DA HIPOGLICEMIA HOSPITALAR 1) Diagnóstico de hipoglicemia: - Glicemia capilar ou sérica <70mg/dL. 2) Fatores de risco para hipoglicemia hospitalar: Paciente sem uso prévio de insulina Diminuição de dose ou suspensão de glicocorticóide Uso de sulfonilureias, glinidas e insulinas mistas. Baixo peso (IMC <18,5) Mudança no aporte calórico DM tipo 1 Comorbidades como gastroparesia, insuficiência adrenal, renal, cardíaca e hepática Uso de escala-móvel Vômitos Diminuição da capacidade do paciente de reportar sintomas 3) Manejo da hipoglicemia hospitalar: 1. Paciente se alimentando, acordado e consciente: - Confirmar hipoglicemia sempre que possível. - Oferecer 15 g de carboidratos simples via oral ou enteral (Por exemplo: 1 colher de sopa de açúcar diluído em água OU G50% 30mL diluído em água) - Aguardar 15 minutos e repetir glicemia capilar. - Se glicemia capilar <70mg/dL, repetir o procedimento. Se glicemia capilar >70mg/dL, oferecer lanche ( padronizado pelo serviço de nutrição e dietética ) - Identificar a causa de hipoglicemia e agir. 2. Paciente em jejum e/ou desacordado: - Se acesso venoso: SG50% 20 a 40 ml EV - Se não houver acesso venoso: Glucagon 1 ampola IM - Aguardar 5 minutos e repetir glicemia capilar. - Se glicemia capilar <70mg/dL, repetir o procedimento. - Identificar a causa de hipoglicemia e agir

8 3. Observação para pacientes com hipoglicemia e em uso de insulina: - Manter a dose prandial de insulina rápida, caso o paciente se alimente e esteja utilizando tal esquema. - Não suspender as doses de insulina NPH, glargina ou detemir, caso o paciente as esteja usando. - Atenção! Sempre que glicemias <100mg/dL, pensar em diminuir doses de insulina. VI. PLANEJAMENTO DE ALTA HOSPITALAR Caso o paciente apresente: - Hiperglicemia temporária: necessita seguimento (risco de se tornar diabético) - Diabetes sem diagnostico prévio: deve confirmar o diagnóstico, instituir tratamento e educação para a prática do autocuidado. Avaliar o grau de controle, ajustar o tratamento se necessário, avaliar presença de complicações e orientar o seguimento. Pacientes sem diagnóstico prévio de diabetes HbA1c Indicação 6,5% Diagnóstico de Diabetes Antes da alta: orientações sobre a doença, medicação e encaminhar para seguimento 5,7%-6,4% Risco de diabetes Antes da alta: discutir aspectos relacionados ao estilo de vida, necessidade de perda de peso e aumento de atividade física Pacientes com diagnóstico prévio de diabetes HbA1c Indicação 6,5-7,5% Reintroduzir a medicação em uso antes da internação 7,6%-8,9% Introduzir 2 antidiabéticos orais (ADO) ou Se já em uso de 2 ADO, introduzir insulina NPH ao deitar ou 9,0% Se já em uso de insulina, intensificar tratamento Alta hospitalar com 70% da dose de insulina prescrita no hospital e encaminhar ao ambulatório de seguimento com brevidade. Orientar monitoração, sintomas e tratamento de hipoglicemia

HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR

HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR Grupo de Estudo de Hiperglicemia Hospitalar Marcos Tadashi K. Toyoshima Sharon Nina Admoni Priscilla Cukier Simão Augusto Lottenberg

Leia mais

5) Hiperglicemia hospitalar

5) Hiperglicemia hospitalar 79 5) Hiperglicemia hospitalar Grupo de Hiperglicemia Hospitalar do HCFMUSP: Ana Claudia Latronico, Marcia Nery, Simão Lottenberg, Marcos Tadashi Kakitani Toyoshima, Sharon Nina Admoni, Priscilla Cukier.

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Dra. Roberta Frota Villas-Boas GruPAC DM Hiperglicemia x internação alta incidência pouco valorizada aumenta morbi-mortalidade e permanência hospitalar

Leia mais

Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual

Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual Dra. Anna Gabriela Fuks Mestre em Endocrinologia pela UFRJ Responsável pelo Serviço de Endocrinologia do Hospital Copa D or Diretora CienDfica da Sociedade Brasileira

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter 2012 Norte 16 de Novembro 6ª feira A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Indicações para insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Hiperglicémias em

Leia mais

Contagem de Carboidratos

Contagem de Carboidratos Leticia Fuganti Campos Nutricionista da Nutropar Mestre pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Especialista em Nutrição Clínica pelo GANEP Pós-graduanda em Educação em Diabetes Treinamento

Leia mais

INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2. Alessandra Matheus (UERJ)

INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2. Alessandra Matheus (UERJ) INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2 Alessandra Matheus (UERJ) Nenhum conflito de interesses Agenda Tipos de insulina Quando e como iniciar a insulinoterapia? Qual esquema de insulina utilizar? Como intensificar?

Leia mais

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Por que a preocupação? 50% dos diabéticos sofrerão alguma cirurgia Hiperglicemia

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

Medicações usadas no tratamento do Diabetes Mellitus. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente

Medicações usadas no tratamento do Diabetes Mellitus. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Medicações usadas no tratamento do Diabetes Mellitus Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Definição O Diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pela hiperglicemia, resultante de defeitos

Leia mais

DIÁRIO DE GLICEMIAS CAPILARES

DIÁRIO DE GLICEMIAS CAPILARES DIÁRIO DE GLICEMIAS CAPILARES GRUPO SANTA CASA DE BELO HORIZONTE Ambulatório de Diabetes Tipo 1 Santa Casa de Belo Horizonte SOU PORTADOR DE DIABETES E ESSE É MEU DIÁRIO DE GLICEMIAS: Nome: Endereço:

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 -

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 - DIABETES MELLITUS 3.3 - Diagnóstico Glicemias (mg/dl) Categorias Jejum mínimo de 8h 2hs após 75g de glicose Casual Normal 70 a 99 até 139 - Tolerância à glicose diminuída 100 a 125 140 a 199 - Diabetes

Leia mais

MANEJO DA HIPERGLICEMIA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS NÃO CRÍTICOS: REVISÃO DAS RECOMENDAÇÕES DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS

MANEJO DA HIPERGLICEMIA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS NÃO CRÍTICOS: REVISÃO DAS RECOMENDAÇÕES DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB Curso de Farmácia Eduarda Campos Alcântara de Araújo MANEJO DA HIPERGLICEMIA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS NÃO CRÍTICOS: REVISÃO DAS RECOMENDAÇÕES DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia

Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia Profa. Dra. Lilian C. Gomes Villas Boas Enfermeira colaboradora do Ambulatório de Diabetes do HCFMRP- USP (2007 2013) Membro

Leia mais

3) Complicações agudas do diabetes

3) Complicações agudas do diabetes 73 3) Complicações agudas do diabetes Hiperglicemias As emergências hiperglicêmicas do diabetes melitus são classificadas em: cetoacidose diabética (CAD) e estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH), que

Leia mais

Alimentação e Controle Glicêmico

Alimentação e Controle Glicêmico Nutrição Liga de Diabetes do HCFMUSP Alimentação e Nutr. Natália Sanchez Oliveira 2009 Fisiologia Fisiopatologia Secreção de insulina alterada Pâncreas Fígado HIPERGLICEMIA Produção hepática de glicose

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 4. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 4. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 4 Perfil de ação das insulinas disponíveis

Leia mais

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5 HND.ANT.POP.002 20.10.2015 20.10.2017 01 1 /5 1. FINALIDADE Este procedimento tem como objetivo estabelecer regras e normas para orientar a realização do jejum pré-anestésico visando redução dos riscos

Leia mais

MANUAIS ISGH UTILIZAÇÃO DE INSULINA ENDOVENOSA

MANUAIS ISGH UTILIZAÇÃO DE INSULINA ENDOVENOSA E L A B O R A Ç Ã O Kessy Vasconcelos de Aquino Médica Consultora ISGH Meton Soares de Alencar Médico UTI HRC Mozart Ney Rolim Teixeira Henderson Médico Consultor ISGH Nárya Maria Gonçalves de Brito Enfermeira

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, e

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, e MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA nº 2.583 de 10 de outubro de 2007 Define elenco de medicamentos e insumos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, nos termos da Lei nº 11.347/2006, aos usuários portadores

Leia mais

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS INSULINAS ANÁLOGAS RÁPIDAS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS

Leia mais

Exercícios. 2) O paciente tem uma garrafa d água que contém 960 ml ou 4 xícaras de água. Quantos ml de água contêm cada xícara?

Exercícios. 2) O paciente tem uma garrafa d água que contém 960 ml ou 4 xícaras de água. Quantos ml de água contêm cada xícara? Exercícios 1) Você está com uma dieta limitada a 80g de carboidratos por dia. Esta quantidade corresponde a 320 calorias de carboidratos. Quantas calorias há em uma grama de carboidratos. 2) O paciente

Leia mais

DIABETES Cirurgia. Protocolo elaborado pela Unidade de Endocrinologia Pediátrica, Diabetes e Crescimento.

DIABETES Cirurgia. Protocolo elaborado pela Unidade de Endocrinologia Pediátrica, Diabetes e Crescimento. Objectivo: Divulgar normas de orientação sobre problemas específicos do doente diabético (manutenção do estado de hidratação e controlo glicémico) quando submetido a procedimentos com sedação ou anestesia

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE)

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) Este plano deve ser preenchido pelos profissionais da saúde responsáveis pelo tratamento do aluno com diabetes juntamente com os pais ou responsáveis. O plano

Leia mais

Nutrição no paciente portador de Câncer e Diabetes. Michel Carlos Mocellin

Nutrição no paciente portador de Câncer e Diabetes. Michel Carlos Mocellin Nutrição no paciente portador de Câncer e Diabetes Michel Carlos Mocellin Qualificações e Conflito(s) de interesse Nutricionista Clínico Mestre em Nutrição UFSC Doutorando em Nutrição UFSC (Bolsista Capes

Leia mais

INDICAÇÕES Diabetes melito não insulinodependente (diabetes melito tipo 2).

INDICAÇÕES Diabetes melito não insulinodependente (diabetes melito tipo 2). Nome Genérico: glibenclamida Classe Química: sulfoniluréia de segunda geração Classe Terapêutica: antidiabético, hipoglicemiante oral Forma Farmacêutica e Apresentação: Glibenclamida 5 mg, envelope com

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Questionário para Enfermeiros para Todos os Pacientes com Diabetes que Injetam Medicamentos para Diabetes

Questionário para Enfermeiros para Todos os Pacientes com Diabetes que Injetam Medicamentos para Diabetes Questionário para Enfermeiros para Todos os Pacientes com Diabetes que Injetam Medicamentos para Diabetes Formulário de Enfermeiro em Diabetes/Educador Complete 1 formulário por paciente Código: Código

Leia mais

Insulinoterapia no Diabetes tipo 1. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no Diabetes tipo 1. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no Diabetes tipo 1 Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Doença crônica caracterizada pela destruição parcial ou total das células beta das ilhotas de Langerhans pancreáticas, resultando na

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES

NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO III SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES Teresa Azevedo Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Nutrição do Centro Hospitalar do

Leia mais

Insulinoterapia na prática clínica Toujeo - A nova geração de insulina basal

Insulinoterapia na prática clínica Toujeo - A nova geração de insulina basal Insulinoterapia na prática clínica Toujeo - A nova geração de insulina basal Miguel Melo Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Faculdade de Medicina

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro 39 OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou

Leia mais

Prática segura na administração de antidiabéticos. Enfª Magda Tiemi Yamamoto Educação em Diabetes

Prática segura na administração de antidiabéticos. Enfª Magda Tiemi Yamamoto Educação em Diabetes Prática segura na administração de antidiabéticos Enfª Magda Tiemi Yamamoto Educação em Diabetes tiemi@einstein.br Diabetes - Há no mundo, 371 milhões de pessoas portadoras de diabetes com idades entre

Leia mais

DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA

DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA Síndrome de etiologia múltipla; Decorrência da falta de insulina e/ou incapacidade em exercer adequadamente suas ações; Alterações no metabolismo dos CHOs, PTN, LIP CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

Diabetes Gestacional O que há de novo?

Diabetes Gestacional O que há de novo? VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO III SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO Diabetes Gestacional O que há de novo? ROSA DANTAS, 26 DE JANEIRO DE 2017 Introdução Hiperglicémia na Gravidez Diabetes

Leia mais

ACARBOSE. Hipoglicemiante

ACARBOSE. Hipoglicemiante ACARBOSE Hipoglicemiante INTRODUÇÃO Conforme a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) a síndrome metabólica corresponde a um conjunto de doenças cuja base é a resistência insulínica.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 387/2013

RESPOSTA RÁPIDA 387/2013 RESPOSTA RÁPIDA 387/2013 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Juíza de Direito em Substituição Comarca de Cláudio MG 0022220-88-2013 (0166.13.002222-0) DATA 27/11/2013 SOLICITAÇÃO Solicitação de: Insulina Glargina

Leia mais

Panorama do Diabetes no País

Panorama do Diabetes no País Panorama do Diabetes no País Vanessa Pirolo Coordenadora de Programa Nacional de Jovens e Adultos com Diabetes da ADJ Diabetes Brasil Programa Nacional de Jovens e Adultos com Diabetes DIABETES JÁ É CONSIDERADA

Leia mais

Sumário. Data: 15/06/2014 NTRR 114/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda

Sumário. Data: 15/06/2014 NTRR 114/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda NTRR 114/2014 Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda Data: 15/06/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Juíza de Direito da Comarca de Cláudio Número do processo: 0166.14.000445-7

Leia mais

Aula 05 DIABETES MELLITUS (DM) Definição CLASSIFICAÇÃO DA DIABETES. Diabetes Mellitus Tipo I

Aula 05 DIABETES MELLITUS (DM) Definição CLASSIFICAÇÃO DA DIABETES. Diabetes Mellitus Tipo I Aula 05 DIABETES MELLITUS (DM) Definição O diabetes surge de um distúrbio na produção ou na utilização da insulina por isso é considerado um distúrbio endócrino provocado pela falta de produção ou de ação

Leia mais

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade;

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade; . DEFINIÇÃO A cetoacidose diabética (CAD) é uma complicação grave do diabetes mellitus (DM), resultante da combinação de deficiência absoluta ou relativa de insulina associada ao aumento de hormônios contrarreguladores

Leia mais

CÁLCULO DE MEDICAÇÃO. Matemática

CÁLCULO DE MEDICAÇÃO. Matemática CÁLCULO DE MEDICAÇÃO Profª Drª Ruth N T Turrini Símbolos ,, Matemática Os valores abaixo são iguais? 0,4-0,04-0,004 O que significa 3 n? 10 2, 10 3, 10 4 1 Transforme a porcentagem em número decimal:

Leia mais

Matemática CÁLCULO DE MEDICAÇÃO 11/08/2016. Transforme: Símbolos <, >,, Os valores abaixo são iguais? 0,4-0,04-0,004. O que significa 3 n?

Matemática CÁLCULO DE MEDICAÇÃO 11/08/2016. Transforme: Símbolos <, >,, Os valores abaixo são iguais? 0,4-0,04-0,004. O que significa 3 n? Matemática CÁLCULO DE MEDICAÇÃO Símbolos ,, Os valores abaixo são iguais? 0,4-0,04-0,004 O que significa 3 n? Profª Drª Ruth N T Turrini 10 2, 10 3, 10 4 Transforme a porcentagem em número decimal:

Leia mais

Aprenda a Viver com a Diabetes

Aprenda a Viver com a Diabetes Aprenda a Viver com a Diabetes Diabetes A Diabetes é uma grave condição de saúde que atinge de 150 milhões de pessoas em todo o Mundo e estima-se que em Portugal existam cerca de 900 mil pessoas com Diabetes.

Leia mais

Diário da Diabetes. Nome. Endereço. Telefone / Telemóvel. . Disponível em

Diário da Diabetes. Nome. Endereço. Telefone / Telemóvel.  . Disponível em Nome Diário da Diabetes Endereço Telefone / Telemóvel E-mail Disponível em www.controlaradiabetes.pt www.msd.pt Tel.: 214 465 700 Merck Sharp & Dohme, Lda. Quinta da Fonte, Edifício Vasco da Gama, 19 -

Leia mais

Características Nutricionais das Dietas Hospitalares. Juliana Aquino

Características Nutricionais das Dietas Hospitalares. Juliana Aquino Características Nutricionais das Dietas Hospitalares Juliana Aquino Sendo a Dieta o primeiro item da Prescrição Médica, é parte integrante do Tratamento Clínico. DIETA Consiste no uso dos alimentos como

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO ACTUALIZAÇÃO EM DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO ACTUALIZAÇÃO EM DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO ACTUALIZAÇÃO EM DIABETES DESTINATÁRIOS: Médicos FORMADORES: Dr. André Carvalho, - Endocrinologista Dra. Conceição Bacelar - Endocrinologista Dr. Fernando Pichel - Nutricionista Dr. Romeu

Leia mais

Posicionamento Oficial SBD nº 03/2015 CONTROLE DA GLICEMIA NO PACIENTE HOSPITALIZADO

Posicionamento Oficial SBD nº 03/2015 CONTROLE DA GLICEMIA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Posicionamento Oficial SBD nº 03/2015 CONTROLE DA GLICEMIA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Índice - 3 - PREFÁCIO - 5 - EPIDEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS E DA HIPERGLICEMIA - 6 - HIPERGLICEMIA POR ESTRESSE -

Leia mais

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Diagnóstico e tratamento da hiperglicemia e hipoglicemia nos internados.

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Diagnóstico e tratamento da hiperglicemia e hipoglicemia nos internados. OBJETIVO - POPULAÇÃO ALVO Promover o diagnóstico e o tratamento da hiperglicemia e da hipoglicemia em pacientes internados com ou sem o diagnóstico de diabetes. APLICABILIDADE: CRITÉRIOS DE INCLUSÃO E

Leia mais

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m 01 Concurso Mulher de 38 anos, 1,73m de altura e peso de 73 kg, portadora de linfoma de Hodgkin, foi internada no setor de hematologia para o transplante autólogo de células tronco hematopoiéticas. No

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Invokana TM canagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Invokana

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

O CUSTO DO DIABETES. Novas tecnologias para o tratamento do Diabetes Tipo 1

O CUSTO DO DIABETES. Novas tecnologias para o tratamento do Diabetes Tipo 1 Compartilhe conhecimento: De bombas de insulina a monitores contínuos de glicemia, novas tecnologias ajudam médicos e pacientes a administrar os níveis de açúcar no sangue e evitar as complicações da doença.

Leia mais

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO HIPONATREMIA Dosagem de sódio ( Na ) sérico < 130mEq/L Oferta hídrica aumentada; Baixa oferta de sódio; Redistribuição osmótica de água ( p.ex. hiperglicemia); Excreção

Leia mais

Diabetes na gravidez

Diabetes na gravidez Diabetes na gravidez Diabetes Doença conhecida desde o século II da era cristão Diabetes: em grego sifão eliminação exagerada de água pelo organismo Mellitus: em latim doce como mel urina adocicada Diabetes

Leia mais

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Adriana Servilha Gandolfo Nutricionista Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria da USP Supervisora Unidades de Internação Serviço de Nutrição

Leia mais

Hospital Pediátrico Carmona da Mota - CHUC-EPE. 21 a 23 de setembro de Helena Pereira

Hospital Pediátrico Carmona da Mota - CHUC-EPE. 21 a 23 de setembro de Helena Pereira Hospital Pediátrico Carmona da Mota - CHUC-EPE 21 a 23 de setembro de 2015 Helena Pereira Nome: B.P.P. Sexo feminino Idade: 13 meses Raça caucasiana ANTECEDENTES PESSOAIS II gesta, sem intercorrências.

Leia mais

TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS. Luíz Antônio de Araújo

TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS. Luíz Antônio de Araújo TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS Luíz Antônio de Araújo Potencial Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES Prof. Ms.Tânia Mara Sarraff Souza 11/08/2016

UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES Prof. Ms.Tânia Mara Sarraff Souza 11/08/2016 UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES Prof. Ms.Tânia Mara Sarraff Souza 11/08/2016 Alimentação do diabético: uma mudança constante TRATAMENTO DM: - Alimentação - Estímulo do pâncreas (hipoglicemiantes

Leia mais

Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2

Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2 Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2 10 de Julho de 2015 Prezado Profissional de Saúde, O propósito desta carta é informá-lo

Leia mais

DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016.

DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016. DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016. Define os critérios para o fornecimento de insumos destinados ao monitoramento da glicemia capilar aos portadores de diabetes cadastrados em Programa de Hipertensão

Leia mais

Anotadas do ano anterior (Nutrição Clínica; Critérios de diagnóstico da Síndrome Metabólica);

Anotadas do ano anterior (Nutrição Clínica; Critérios de diagnóstico da Síndrome Metabólica); Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 de Janeiro de 2009 Disciplina: Seminário (Endocrinologia) Prof.: Isabel do Carmo Tema da Aula Teórica/Seminário: Obesidade e Síndrome Metabólica Autora: Mónica Caixa

Leia mais

Diário da Diabetes. Nome. Endereço. Telefone Telemóvel. . Disponível em

Diário da Diabetes. Nome. Endereço. Telefone Telemóvel.  . Disponível em Nome Diário da betes Endereço Telefone Telemóvel E-mail Disponível em www.controlaradiabetes.pt www.msd.pt www.univadis.pt Tel.: 00 Merck Sharp & Dohme, Lda. Quinta da Fonte, Edifício Vasco da Gama, -

Leia mais

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia Automonitorizar a sua glicemia Quando verifica diariamente a sua glicemia, obtém uma fotografia do nível nesse momento. Os testes HbAc feitos pelo seu médico indicam a média dos seus níveis de glicemia

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1 Cetoacidose diabética

Diabetes Mellitus Tipo 1 Cetoacidose diabética HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ LIGA MÉDICO-ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ LIPED - UNIOESTE RESIDÊNCIA MÉDICA DE PEDIATRIA Diabetes Mellitus Tipo 1 Cetoacidose

Leia mais

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Alfenas, MG 2017 Paulo Caleb J. L. Santos, PhD O que é Diabetes O diabetes mellitus é

Leia mais

Dra Solange Bricola. Coordenadora da Farmácia Clinica Serviço de Clinica Geral do Hospital das Clinicas da FMUSP

Dra Solange Bricola. Coordenadora da Farmácia Clinica Serviço de Clinica Geral do Hospital das Clinicas da FMUSP Dra Solange Bricola Coordenadora da Farmácia Clinica Serviço de Clinica Geral do Hospital das Clinicas da FMUSP Consultório Farmacêutico Desafios e oportunidades para a correta implementação do consultório

Leia mais

Novas Insulinas. Ana Rita Caldas. Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho

Novas Insulinas. Ana Rita Caldas. Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho Novas Insulinas Ana Rita Caldas Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho Janeiro 2017 Ausência de conflitos de interesse Organização da apresentação por data de lançamento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/11/2016 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVA 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

Uso da insulina no tratamento do

Uso da insulina no tratamento do 2014-2015 Diretrizes SD Uso da insulina no tratamento do diabetes mellitus tipo 2 Introdução O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) caracteriza-se por dois defeitos fisiopatológicos principais: a resistência

Leia mais

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica Informações Técnicas ORLISTATE SINTÉTICO Agente antiobesidade de ação periférica FÓRMULA MOLECULAR: C 23 H 53 NO 5. PESO MOLECULAR: 495,73. CAS N : 96829-58-2. DCB: 06635. NOME QUÍMICO: N-Formyl-L-leucine

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Curso Extensivo em Nutrição. Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco

Curso Extensivo em Nutrição. Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco Curso Extensivo em Nutrição Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco P á g i n a 1 Conteúdo Introdução...3 Importância da avaliação nutricional no cardíaco...3 Aconselhamento nutricional do cardíaco...9

Leia mais

Diabetes do Idoso. Teresa Dias. Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa

Diabetes do Idoso. Teresa Dias. Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Teresa Dias Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Prevalência Pelo menos 20% dos indivíduos com mais de 65 anos têm diabetes Cerca de 14% têm tolerância diminuída à glucose Diabetes Care, 2012; 35 (Sup

Leia mais

MANUAIS ISGH CONTROLE DA HIPERGLICEMIA INTRA-HOSPITALAR EM PACIENTES NÃO CRÍTICOS

MANUAIS ISGH CONTROLE DA HIPERGLICEMIA INTRA-HOSPITALAR EM PACIENTES NÃO CRÍTICOS MANUAIS ISGH E L A B O R A Ç Ã O Renata Carvalho de Alencar Endocrinologista - HGWA Ana Paula Lásaro Pires Endocrinologista - HGWA Maria Eugênia Baltazar Guimarães Residente de Geriatria - HGWA Virgínia

Leia mais

Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2

Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2 Comunicação aos Profissionais de Saúde: risco de cetoacidose diabética durante o tratamento com inibidores do SGLT2 10 de Julho de 2015 Prezado Profissional de Saúde, O propósito desta carta é informá-lo

Leia mais

CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA

CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA ATUALIZAÇÃO DE CONDUTAS EM QUADROS EMERGENCIAIS CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA GIOVANNA BALARINI IMPORTÂNCIA CLÍNICA - CAD e HHNC - Complicações metabólicas agudas mais

Leia mais

7 Assistente Graduada de Medicina Interna Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar Tondela Viseu, Viseu, Portugal

7 Assistente Graduada de Medicina Interna Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar Tondela Viseu, Viseu, Portugal Conjuntas da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD) / Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) sobre a Abordagem e Tratamento da Hiperglicemia em Internamento (não Crítico) Joint Recommendations

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Hipoglicemia Distúrbio metabólico mais comum

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA rte INFORMAÇÕES GERAIS Em caso de dúvidas, alterações no estado de saúde do paciente, você pode entrar em contato com o Ambulatório da ALA I do HUSM através do telefone 3220 8538. Telefones úteis: Bombeiros:

Leia mais

Diário de Glicemia. O diabetes sob controle

Diário de Glicemia. O diabetes sob controle Diário de O diabetes sob controle Apresentação Com o desenvolvimento de novos medicamentos antidiabéticos, insulinas e equipamentos que auxiliam o controle da glicemia, o diabético pode viver bem. Entre

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS. Acadêmica de medicina: Sângela Cunha Pereira Liga de diabetes.

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS. Acadêmica de medicina: Sângela Cunha Pereira Liga de diabetes. PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Sângela Cunha Pereira Liga de diabetes. 17/08/2016 As orientações para atividade física devem ser individualizadas,

Leia mais

Introdução Descrição da condição

Introdução Descrição da condição Introdução Descrição da condição Diabetes mellitus: desordem metabólica resultante de defeito na secreção e\ou ação do hormônio insulina. Consequência primária: hiperglicemia. Crônica: diagnóstico de diabetes.

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 1 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DM

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DM TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DM ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS Profa. Dra. Lilian C. Gomes Villas Boas Enfermeira colaboradora do Ambulatório de Diabetes do HCFMRP-USP (2007 2013) Membro dos Grupos de Pesquisa:

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO 16 TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

Hidroclorotiazida. Diurético - tiazídico.

Hidroclorotiazida. Diurético - tiazídico. Hidroclorotiazida Diurético - tiazídico Índice 1. Definição 2. Indicação 3. Posologia 4. Contraindicação 5. Interação medicamentosa 1. Definição A Hidroclorotiazida age diretamente sobre os rins atuando

Leia mais

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante: Hipoglicemia TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipoglicemia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Em exercícios

DIABETES MELLITUS. Em exercícios 1 Em exercícios O Que é? Classificação Como cai na Prova? Diabetes Mellitus é uma doença do metabolismo da glicose causada pela falta ou má absorção de insulina, hormônio produzido pelo pâncreas e cuja

Leia mais

GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE

GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE 1/23 GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE Camila Corrêa Costa 2/23 GLINIDAS São representadas por: Repaglinida Posprand; Prandin Nateglinida Starlix Pouco utilizadas por serem drogas de alto custo

Leia mais

Insulinas análogas de ação rápida para Diabetes Mellitus Tipo 1

Insulinas análogas de ação rápida para Diabetes Mellitus Tipo 1 Insulinas análogas de ação rápida para Diabetes Mellitus Tipo 1 N o xxx Setembro/2016 1 2016 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não

Leia mais