Insulinização. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite"

Transcrição

1 Insulinização Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

2 CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta Diabetol Jun; 47(2):

3 CORRELAÇÃO ENTRE HBA1C E COMPLICAÇÕES:

4 DCCT* - RESULTADOS: Melhora do controle glicêmico no DM1 Retinopatia* = 76% P< 0,001 Redução de risco Nefropatia* = 34% P = 0,04 Neuropatia* = 69% P = 0,006 * Prevenção primária, tratamento intensivo vs convencional *DCCT: Diabetes Control and Complications Trial N= 1441 Diabetes Control and Complications Trial Research Group. N Engl J Med; 329: , 1993.

5 INSULINOTERAPIA

6 INSULINIZAÇÃO OPORTUNA NO DM2

7

8 Metas terapêuticas SBD Parâmetro Hemoglobina glicada (HbA1c). Glicemia de jejum Glicemia pré-prandial Glicemia pós-prandial Metas laboratoriais Metas terapêuticas < 7 % em adultos. < 8% em idosos. < 8,5% de 0 a 6 anos. < 8% de 6 a 12 anos. < 7,5% de 13 a 19. < 6,0 na gravidez. < 100 mg/dl. < 110 mg/dl. < 140 mg/dl. Níveis toleráveis As metas devem ser individualizadas de acordo com: Duração do diabetes. Idade/expectativa de vida. Comorbidades. Doença cardiovascular. Complicações microvasculares. Hipoglicemia não percebida. - Até 130 mg/dl Até 160 mg/dl

9 SECREÇÃO FISIOLÓGICA DE INSULINA Café Almoço jantar Bolus Bolus Insulina Plasmática Bolus Bolus Dose basal 4:00 8:00 12:00 16:00 20:00 24:00 4:00 8:00 Tempo HOLLEMAN F, HOEKSTRA J. N Engl J Med, 337: , 1997.

10 INSULINAS DE ACÃO INTERMEDIÁRIA / LONGA Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação NPH humana 2-4 h 4-10 h h Glargina Análogo 2 4 h h Detemir análogo 2-4 h h

11 INSULINA NPH N Engl J Med, 2005; 352;2

12 INSULINA GLARGINA N Engl J Med, 2005; 352;2

13 INSULINA DETEMIR N Engl J Med, 2005; 352;2

14 INSULINAS RÁPIDA / ULTRA-RÁPIDAS Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação Regular humana h 5-7 h Asparte análogo h Glulisina análogo h Lispro análogo h

15 INSULINA REGULAR N Engl J Med, 2005; 352;2

16 INSULINAS ULTRARRÁPIDAS N Engl J Med, 2005; 352;2

17 Técnica de aplicação da insulina Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

18

19 Técnica de aplicação da insulina Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

20 Concentração: 100 UI / ml 1 ml=100ui Origem: Humanas DNA recombinante Análogos de insulina humana Tempo de ação: Rápida, intermediária, bifásica Ultrarrápida, intermediária, bifásica

21 Frasco, Refil e Caneta F

22 Conservação Em uso por 4 a 6 semanas Temperatura ambiente máximo 30 C

23 Conservação

24 Transporte

25 Via de aplicação Hiperglicemia SSCCSC Hipoglicemia Insulina de ação rápida: IM, EV EMERGÊNCIA!!!!

26 Via de aplicação

27 Prega SC

28 Locais Aplicação

29

30 Lipodistrofia

31 Seringa agulha fixa

32 Seringas

33

34 Mistura Insulina SOMENTE COM AGULHA FIXA

35 Mistura Insulina Insulina Associação Orientação (se pertinente) NPH e Regular Sim Aspirar primeiro a insulina Regular NPH e ultra-rápida Sim Utilizar imediatamente após o preparo Glargina ou Detemir com outra insulina Não Onde: NPH = Neutral Protamine de Hagedorn. Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes,

36 Espessura da epiderme e derme Espessura da epiderme e derme é quase constante, em média 1,9 a 2,4 mm, e raramente ultrapassa 3 mm. É APROPIADO O USO DE AGULHAS CURTAS 4,5,6 E 8 mm EM TODOS OS ADULTOS

37 Agulhas Seringas com agulhas fixas: 13mm; 12,7 mm; 9,5 mm; 8 mm e 6 mm

38 Agulhas

39 Agulhas

40 Caneta de insulina Caneta de Insulina - Não pode ser compartilhada. - É necessário contar até 10 lentamente antes de retirar a agulha de dentro da pele para evitar vazamento de insulina (perda). - Retirar a agulha da caneta imediatamente após o uso para evitar contaminação e/ou perda de insulina.

41 Insulinas

42 Crianças e adolescentes _ Menores de 6 anos: Agulhas de 4 e 5 mm realizar a prega SC e ângulo de 90 C. _ Maiores de 6 anos e adolescentes: Agulhas de 4 e 5 mm a prega é dispensável e o ângulo é de 90 C. Agulhas de 6 e 8 mm realizar a prega SC e ângulo de 45 C.

43 Agulhas AGULHAS PREGA SC ÂNGULO 6 mm Indispensável 45 C para crianças e adolescentes 90 C para adultos 8 mm Indispensável 45 C para crianças e adolescentes 90 ou 45 C para adultos

44 Homogeneização da insulina

45 Homogeneização da insulina 24h de sedimentação Após 7 ciclos de homogeneização Após 20 ciclos de homogeneização

46 Técnica de preparo da Insulina

47

48 Descarte

49 Reaproveitamento agulhas

50 CASO CLÍNICO Ana Maria é portadora de DM2 há 10 anos, veio a consulta em uso de Metformina 850mg 1-1-1, Glibenclamida 5mg e não atingiu o bom controle do diabetes apesar da dose máxima de antidiabéticos orais, sendo necessária a insulinização... Como prescrever?

51 SECREÇÃO FISIOLÓGICA DE INSULINA Café Almoço jantar Bolus Bolus Insulina Plasmática Bolus Bolus Dose basal 4:00 8:00 12:00 16:00 20:00 24:00 4:00 8:00 Tempo HOLLEMAN F, HOEKSTRA J. N Engl J Med, 337: , 1997.

52 INSULINAS DE ACÃO INTERMEDIÁRIA / LONGA Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação NPH humana 2-4 h 4-10 h h Glargina Análogo 2 4 h h Detemir análogo 2-4 h h

53 INSULINA NPH N Engl J Med, 2005; 352;2

54 INSULINA GLARGINA N Engl J Med, 2005; 352;2

55 INSULINA DETEMIR N Engl J Med, 2005; 352;2

56 INSULINAS RÁPIDA / ULTRA-RÁPIDAS Insulina Tipo Início de ação Pico de ação Duração de ação Regular humana h 5-7 h Asparte análogo h Glulisina análogo h Lispro análogo h

57 INSULINA REGULAR N Engl J Med, 2005; 352;2

58 Etapas da Insulinização ETAPA 1: Insulinização noturna _ Glicemia de jejum entre 70 e 130 mg/dl _ Glicemia pós prandial < 160 mg/dl e HbA1c < 7 %) em uso de doses máximas de antidiabéticos orais. A dose noturna de insulina visa reduzir a produção hepática de glicose e,assim, melhorar a glicemia de jejum. Manter a mesma dose dos antidiabéticos orais. Iniciar com insulina de ação intermediária (NPH) ao deitar ou análogo de insulina de ação prolongada (glargina ou detemir).

59 Etapas da Insulinização Insulina NPH: 0,1 UI/Kg/dia (magros) 0,2 UI/Kg/dia (usuários) Iniciamos com 10 a 14 UI exceto nos usuários magros onde a dose dever ser menor. Monitorizar a glicemia de jejum diariamente Aumentar 2 UI a cada 3 dias Meta: glicemia de jejum entre 70 e 130 mg/dl Se o usuário apresentar hipoglicemia ou a glicemia estiver abaixo de 70 mg/dl reduzir 4 UI.

60 Etapas da Insulinização Os análogo de insulina de ação prolongada (glargina ou detemir) exibem maior previsibilidade no controle glicêmico que a NPH além de estarem associados a menor risco de hipoglicemia noturna e ganho de peso. A dose recomendada é a mesma da insulina NPH: 10 UI ou 0,2 UI/Kg.

61 Etapas da Insulinização ETAPA 2: Insulinização basalplus Se hiperglicemia pósprandial utilizamos o esquema basalplus: Insulina intermediária (NPH) ao deitar ou do análogo de insulina de ação prolongada (glargina ou detemir) + Insulina de ação rápida (regular) 30 minutos antes da refeição ou análogo de ação ultrarrápida (glulisina,asparte ou lispro) ao iniciar a principal refeição do dia, geralmente no almoço.

62 Meta: glicemia pós prandial < 160 mg/dl Insulina NPH: Etapas da Insulinização 0,1 UI/Kg/dia (magros) 0,2 UI/Kg/dia (usuários) Insulina ação rápida ou análogo de ação ultrarrápida: Iniciamos com 4 UI no almoço Monitorizar a glicemia de jejum diariamente Aumentar 2 UI a cada 3 dias

63 Etapas da Insulinização ETAPA 3: Insulinização basalplus Quando a hiperglicemia pósprandial ocorre após mais de uma refeição, o esquema basalplus deve ser ampliado para uma segunda dose de insulina de ação rápida (regular) ou análogo do análogo de ação ultrarrápida (glulisina,asparte ou lispro) para a refeição onde a glicemia posprandial encontrase elevada.

64 Etapas da Insulinização ETAPA 4: Insulinização plena Metas: Glicemia de jejum entre > 130 mg/dl Glicemia pós prandial > 160 mg/dl e HbA1c > 7 % Insulina NPH ao deitar e no café da manhã Dose: 0,3 a 0,5 UI/Kg/dia 2/3 AC 1/3 AD CUIDADO!!!! 1/2 AC 1/2 AD 1/3: AC 1/3: AA 1/3: AD Insulina ação rápida ou análogo de ação ultrarrápida antes do café, almoço e jantar

65 Insulinas

66 Perfil de ação das Insulinas

67 Etapas da Insulinização Antes café Depois café Antes almoço Depois almoço Antes jantar Depois jantar Antes dormir

68 Insulinização DM 1 As doses das insulinas devem ser individualizadas. Requerimentos médios de insulina: dose total diária- DTD Diagnóstico recente: 0,3 a 0,5 UI/Kg/dia Fase de remissão parcial ou lua de mel : < 0,5 UI/Kg/dia Prépuberes: 0,7 a 1 UI/Kg/dia Puberdade: 1 a 2 UI/Kg/dia NPH com 2 doses por dia: 2/3 AC 1/3 AD NPH com 3 doses por dia: 40% AC 30% AA 30% AD

69

70 Hipoglicemia

71 Hipoglicemia No diabético = queda da glicemia abaixo de 70mg/dL. Paciente consciente: - 1 colher de sopa de açúcar (na água / café) - 1 colher de sopa de açúcar (na água / café) - 3 balas mastigáveis - 150mL de refrigerante normal

72 Hipoglicemia Paciente Inconsciente

73 HIPOGLICEMIA No diabético = queda da glicemia abaixo de 70mg/dL. Causas: -Omissão de refeição - Técnica de aplicação incorreta -Atividade física não planejada - Piora da função renal -Dose excessiva de insulina Tratamento paciente consciente: -1 colher de sopa de açúcar (na água / café) -3 balas mastigáveis -150mL de refrigerante normal

74 O AUTOMONITORAMENTO É FUNDAMENTAL!!!!

75 INDICAÇÃO DOS ANÁLOGOS DE LONGA AÇÃO Tratamento intensivo: basal/bolus Hipoglicemias: noturnas e relacionadas ao pico de NPH Descontrole glicêmico / outras indicações

76 CRITÉRIOS PARA FORNECIMENTO DO ANÁLOGO DE INSULINA GLARGINA PELA SES

77 FORNECIMENTO DE GLARGINA SES MG: 1. Diabetes tipo 1 e LADA relatório clínico detalhado; 2. Situações especiais: LADA - marcador de auto-imunidade anti GAD; - peptídeo C 3. Persistente mau controle (com comprovação laboratorial 2 vezes, com intervalos de 4 meses entre os exames, nos últimos 12 meses): - glicemia de jejum; - HbA1c > 9% (por método rastreável ao DCCT) ou dois pontos percentuais acima do valor máximo para outros métodos);

78 FORNECIMENTO DE GLARGINA SES MG: 4. Hipoglicemia grave: - Glicemia < 50 mg/dl (mínimo 2 a 3 episódios nos últimos 6 meses, requerendo ajuda de terceiros ou atendimento hospitalar); - Hipoglicemia despercebida (disautonomia). Hipoglicemias graves sem sinais de alerta, mesmo após tratamento intensivo com múltiplas doses de insulina NPH e controle glicêmico capilar com uso da insulina rápida, poderão ser incluídos no programa mesmo sem a demonstração do mau controle glicêmico;

79 FORNECIMENTO DE GLARGINA SES MG: 5. Idade superior a 6 anos; 6. Resistência imunológica à NPH; 7. Pacientes que fazem uso de insulina glargina há mais de um ano, com controle glicêmico, devem apresentar os registros de episódios graves de hipoglicemia.

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus História Clínica BSR, 19 anos, sexo feminino. Diagnóstico de diabetes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

INSULINOTERAPIA: Histórico

INSULINOTERAPIA: Histórico INSULINOTERAPIA: Histórico Egito antigo 2000 A.C. Areteu Capadócia, 2000 D.C. T. Willis Inglaterra, 1670 Chevreul 1815 Von Mering e Minkowinsky, 1889 P. Langehans 1869 Amon-Ra Banting e Best 1921 L. Thompson

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 4 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Insulinização basal no Tratamento do Diabetes Mellitus tipo

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

Terapia nutricional no diabetes

Terapia nutricional no diabetes Terapia nutricional no diabetes Nutricionista Cigléa do Nascimento CRN-2 2670 Conteúdos abordados Metas glicêmicas Recomendações nutricionais Índice glicêmico e carga glicêmica Contagem de carboidrato

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Diário de Glicemia Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Seu diário de glicemia Período do diário: de até Dados Pessoais: Nome Endereço Cidade Estado CEP Telefones Dados do médico: Nome Telefones

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 5 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DM - Diagnóstico ADA - 2003 Normal Gj Alterada DM 100 126 OMS GTT oral - 75 g Intolerância

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

Insulinização em pacientes portadores de DM2

Insulinização em pacientes portadores de DM2 Insulinização em pacientes portadores de DM2 Especialista em Endocrinologia e Metabologia Médico do Núcleo de Telessaúde da UFMG Acadêmico:Henrique Gomes Mendes Bolsista da PROEX/UFMG 10 Período FM/UFMG

Leia mais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento Ricardo F. Arrais Diabetes: Breve Histórico 1550 a.c - papiros de Ebers II séc. d.c - Aretaeus da Capadócia descrição e denominação do diabetes (sifão) V e VI séc.

Leia mais

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA:

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: 2011 REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: INDICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA A DISPONIBILIZAÇÃO PELOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Posicionamento Oficial SBD nº 01/2011 Fevereiro de 2011 Índice - 3 - PREFÁCIO

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 2 Uso correto da medicação oral e insulina

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

Diabetes gestacional e prévia

Diabetes gestacional e prévia 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Diabetes gestacional e prévia Ricardo Rangel Números Nos EUA 1.3% gravidezes DG -88% Tipo 1-7% Tipo 2-5% Índia 17%... Exposição à hiperglicémia. No

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1

Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Aspectos farmacológicos da insulinoterapia no Diabetes Mellitus Tipo 1 Mariana de Oliveira Almeida* Aline Lúcia Menezes Ferrão* * Márcio Gilberto Zangeronimo*** RESUMO A diabetes mellitus é uma doença

Leia mais

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes

Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Manual com Diretrizes para Professores de Crianças com Diabetes Índice Página 1. Aprendendo a conviver com o diabetes. 3 2. O que é diabetes? 4-5 3. Hiperglicemia e Cetoacidose. 6 4. Planeje com antecedência.

Leia mais

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto

Tratamento. Diabetes tipo 1. Dr. Mauro Scharf Pinto Diabetes - Diagnóstico e Tratamento Diabetes tipo 1 Maringá - Março o de 2010 Dr. Mauro Scharf Pinto Dr. Mauro Scharf Pinto Hospital Nossa Senhora das Graças Centro de Diabetes Curitiba Diretor científico

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 28/ 2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: insulina lispro. Nomes Comerciais 1 : Humalog. Medicamento de Referência: Humalog. Sumário 1. O que é a insulina lispro?... 2 2. O medicamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò.

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò. LANTUS 100 UI/mL Insulina glargina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 310/2014

RESPOSTA RÁPIDA 310/2014 RESPOSTA RÁPIDA 310/2014 SOLICITANTE Dr. Wauner Batista Ferreira Machado Juiz de Direito da 3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Municipal da Comarca de Belo Horizonte. NÚMERO DO PROCESSO 0024 14 174

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Presentation title Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Aspectos práticos Teresa Dias Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Lisboa, Fevereiro de 2012 Insulina Background Insulina Humana e Análogos de

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

Posicionamento Oficial SBD nº 02/2015. Conduta Terapêutica no

Posicionamento Oficial SBD nº 02/2015. Conduta Terapêutica no Posicionamento Oficial SBD nº 02/2015 Conduta Terapêutica no Diabetes Tipo 2: Algoritmo SBD 2015 Índice - 3 - PREFÁCIO - 6 - MÓDULO 1 OBJETIVOS E LIMITAÇÕES DAS DIRETRIZES E CONSENSOS MÉDICOS - 7 - MÓDULO

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA MUDANÇA DO ESQUEMA TERAPÊUTICO EM

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante)

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) 1 CDS12JUL06 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

CONVIVENDO COM O DIABETES

CONVIVENDO COM O DIABETES CONVIVENDO COM O DIABETES O que todos devem saber para controlar o diabetes, vivendo mais e melhor Um Programa Prático de Educação e Controle do Diabetes do Centro de Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINA PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PARANÁ i SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Dr. Gilberto Berguio Martin DIRETORIA

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Síndrome caracterizada pela gestação associada à hiperglicemia, devido a um defeito absoluto ou relativo na secreção de insulina ou um defeito

Leia mais

Novolin N insulina humana

Novolin N insulina humana Novolin N insulina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novolin N insulina humana APRESENTAÇÕES Suspensão injetável de insulina humana em um frasco-ampola. 100 UI/mL Um frasco-ampola contém 10 ml equivalente

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE

PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PROTOCOLOS CLÍNICOS PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE Salvador - Bahia 2010 1 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira

Leia mais

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia

Diário da Diabetes. Automonitorizar a sua glicemia. Como a HbA1c corresponde à média a da glicose sanguínea. Valores de glicemia Automonitorizar a sua glicemia Quando verifica diariamente a sua glicemia, obtém uma fotografia do nível nesse momento. Os testes HbA1c feitos pelo seu médico indicam a média dos seus níveis de glicemia

Leia mais

DESTAQUES DAS NOVAS DIRETRIZES DA SBD 2013. Roberta A. Cobas UERJ I GEMD 2013

DESTAQUES DAS NOVAS DIRETRIZES DA SBD 2013. Roberta A. Cobas UERJ I GEMD 2013 DESTAQUES DAS NOVAS DIRETRIZES DA SBD 2013 Roberta A. Cobas UERJ I GEMD 2013 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não possuir conflitos de interesses financeiros ou pessoais para esta apresentação.

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE IATS/UFRGS

INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE IATS/UFRGS INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE IATS/UFRGS Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde Parecer Técnico Científico Eficácia e Segurança

Leia mais

Coordenador Antonio R.Chacra (SP) Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 10:00 10:30 Coffee-Break Coordenador Antonio R.Chacra (SP)

Coordenador Antonio R.Chacra (SP) Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 10:00 10:30 Coffee-Break Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 16 o Curso Avançado em Tratamento Hotel Sheraton WTC São Paulo, Brasil 4, 5 e 6 de abril de 2014 do Diabetes Programa Prezado(a) Colega, Este é o nosso. O Curso é intensivo constituindo numa imersão e

Leia mais

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog DICAS PARA UTILIZAÇÃO DESTA CARTILHA 1. Você pode distribuí-la para todos os

Leia mais

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico Diabetes Mellitus Introdução Distúrbio metabólico caracterizado por hiperglicemia crônica e alterações do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, decorrentes de defeitos da secreção e/ou ação

Leia mais

Cartilha Medicamentos para Diabetes

Cartilha Medicamentos para Diabetes Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro-Oeste - Dona Lindu Divinópolis, Minas Gerais Cartilha Medicamentos para Diabetes Projeto Empoderamento Farmacoterapêutico de pacientes com Diabetes

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses Monitoração Testes para Avaliar o Controle Glicêmico Testes de Glicemia Testes de A1c Mostram o Nível Glicêmico Instantâneo no Momento do Teste Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Leia mais

NovoRapid Penfill insulina asparte

NovoRapid Penfill insulina asparte NovoRapid Penfill insulina asparte IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NovoRapid Penfill insulina asparte APRESENTAÇÕES Solução injetável - insulina asparte, 100 U/mL em um carpule. Embalagem contendo 5 carpules,

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL

APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder

Leia mais

O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS

O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS O EXERCÍCIO CIO COMO TERAPIA NO DIABETES MELLITUS UNIFESP Prof. William R. Komatsu FLEURY / UNIFESP Diabetes e seu tratamento Objetivos A tríade ade fundamental Diabetes e seu tratamento Objetivos A tríade

Leia mais