TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional"

Transcrição

1 INSULINOTERAPIA

2

3 DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios e proteínas TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

4 Reação local retardada no sítio da injeção. Alergia insulínica. Insulino-resistência. Lipoatrofia. Lipo-hipertrofia.

5 TIPOS DE INSULINA Ultra rápida LISPRO/ASPART Rápida REGULAR Intermediária NPH e LENTA (neutral protamine Hagedorn) U ou 0,2 U/Kg Longa GLARGINA E DETEMIR

6

7 TIPOS DE INSULINA NPH Apresenta picos de ação; Duração menor que 24 horas; Início de ação 2-4 horas Pico de ação 6-10 horas Duração horas Insulina ideal sem pico e com duração de 24 horas glargina Detemir

8 TIPOS DE INSULINA glargina e detemir Glargina/ detemir tempo de ação 24 horas/sem pico Menor índice de hipoglicemia noturna; Menor ganho de peso Indicada > 6 anos

9 TIPOS DE INSULINA regular Regular Duração: 6-8 horas Início de ação: min; Pico de ação: 2-3 horas LISPRO/ASPART Duração: 4-6 horas Início de ação: 5 15 min; Pico de ação: 1 a 2 horas

10 Aspectos práticos da administração da insulina com seringas Conservação/armazenamento de insulina Reutilização de seringas Tipo de seringas/imc Locais/rodízio de aplicação Mistura de insulina Técnica de aplicação

11 Conservação e armazenamento da insulina NPH Frasco fechado 2 anos em geladeira Frasco aberto 1 mês em geladeira (prateleiras inferiores) e 1 mês TA REGULAR Frasco aberto 1 mês em TA e geladeira TRANSPORTE recipiente fechado, opaco e sem gelo. Se conter gelo, este não deve ficar em contato direto com o frasco da insulina.

12

13 REUTILIZAÇÃO DE SERINGAS Âmbito hospitalar Não reutiliza seringas e agulhas Âmbito domiciliar Média de 4 (justificativas: condição socioeconômica, aditivos bacteriostáticos na insulina, resultados de estudos clínicos) TIPO DE SERINGA IDEAL SERINGA CONJUGADA COM A AGULHA AGULHA IMC 25 = >12,7 e 13 mm 90 IMC < 25 = 8mm

14 TIPO DE SERINGA Tipo e volume de seringas de insulina mais apropriada para a faixa de dose Seringa de 1 ml (até 100 UI) entre 50 UI e 100 UI Seringa de 0,5 ml (até 50 UI) entre 30 UI e 50 UI Seringa de 0,3 ml (até 30 UI) até 30 UI por aplicação

15 !

16 !

17 "

18 !

19 !

20

21 "#$ CORRETA INCORRETA

22 LOCAIS DE APLICAÇÃO Ântero-lateral da coxa Posterior do braço Abdome Quadrante superior externo da região glútea RODÍZIO DOS LOCAIS DE APLICAÇÃO " Mesma região aplicação máxima 7 vezes Evitar rodízio esquema sentido horário.

23

24 COMPLICAÇÕES DA APLICAÇÃO LIPODISTROFIAS LIPOHIPERTROFIA LIPODISTROFIA TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES DA APLICAÇÃO LIPOHIPERTROFIA: evitar aplicar a insulina nessa região até o desaparecimento dos nódulos. LIPODISTROFIA: fazer aplicações nas regiões de depressão.

25 "

26 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES "" "

27 TÉCNICA DE PREPARO lavar cuidadosamente as mãos; Reunir todo o material necessário ou seja, insulina prescrita, seringa com agulha e algodão embebido em álcool 70%; Homogeneizar a suspensão de insulina NPH, rolando o frasco com movimentos (20 seg no mínimo) interpalmares suaves, tomando-se o cuidado de não agitar o frasco vigorosamente; Proceder a desinfecção da borracha do frasco de insulina com algodão embebido em álcool 70%;

28 TÉCNICA DE PREPARO Retirar o protetor do êmbolo, mantendo o protetor da agulha; Puxar o êmbolo, por sua extremidade inferior, até a graduação correspondente à dose de insulina prescrita, tomando-se o cuidado de não tocar a parte interna do êmbolo; Retirar o protetor da agulha e injetar o ar dentro do frasco de insulina, previamente desinfetado, pressionando o êmbolo até o seu final; Sem retirar a agulha, posicionar o frasco de cabeça para baixo e puxar o êmbolo até a dose prescrita, tomando-se o cuidado de não tocar a parte interna do êmbolo;

29 TÉCNICA DE PREPARO Se houver presença de bolhas de ar, é possível eliminá-las golpeando-se sobre as mesmas com as pontas dos dedos e, assim que as bolhas atingirem o bico da seringa, empurrar o êmbolo novamente e aspirar a quantidade de insulina faltante. As pequenas bolhas de ar não são perigosas se injetadas mas, a sua presença, reduz a quantidade de insulina a ser administrada; Retirar a agulha do frasco, protegendo-a até o momento da aplicação.

30 TÉCNICA DE APLICAÇÃO Introdução de ar no frasco deverá ser introduzido ar no frasco, na mesma quantidade da prescrição de insulina antes da aspiração. Isto impede a formação de vácuo, facilita a aspiração, promove a retirada correta da dose Prega Cutânea deverá ser feita, antecedendo a introdução da agulha e soltandoa antes da introdução de insulina. Na prática clínica, não se observa diferença de absorção mantendo-se a prega deste que solta antes da retirada da agulha. É dispensável a prega cutânea quando utilizadas agulhas de 5 e 6 mm. Tamanho de Agulha - deverá ser avaliada pelo profissional, segundo o tipo físico do paciente, conforme descrito anteriormente. Ângulo de Aplicação - deverá ser de 90 graus, quando utilizado tamanho adequado de agulha. Caso a agulha seja maior que a indicada, após avaliação criteriosa do profissional, se faz necessário a utilização do ângulo de 60 graus e 45 para adultos muito magros e crianças.

31 TÉCNICA DE MISTURA DE 2 INSULINAS Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina NPH no frasco de insulina NPH; Retirar a agulha do frasco sem aspirar a insulina NPH; Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina R, no frasco de insulina R e retirar a dose;

32 TÉCNICA DE MISTURA DE 2 INSULINAS Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina NPH no frasco de insulina NPH; Retirar a agulha do frasco sem aspirar a insulina NPH; Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina R, no frasco de insulina R e retirar a dose; Introduzir novamente a agulha no frasco de insulina NPH, no qual o ar foi previamente injetado e, puxar o êmbolo até a marca correspondente à soma das doses das duas insulinas. *** Se a retirada foi maior que a necessária, em hipótese alguma o excesso deve ser devolvido ao frasco. Descartar as insulinas e reiniciar o procedimento.

33 TÉCNICA DE MISTURA DE 2 INSULINAS Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina NPH no frasco de insulina NPH; Retirar a agulha do frasco sem aspirar a insulina NPH; Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina R, no frasco de insulina R e retirar a dose; Introduzir novamente a agulha no frasco de insulina NPH, no qual o ar foi previamente injetado e, puxar o êmbolo até a marca correspondente à soma das doses das duas insulinas. *** Se a retirada foi maior que a necessária, em hipótese alguma o excesso deve ser devolvido ao frasco. Descartar as insulinas e reiniciar o procedimento.

34 PRÉ-MISTURAS DE INSULINAS Mistura de NPH + Regular = pode ser utilizada imediatamente ou armazenada em refrigerador para uso em 30 dias. Mistura de NPH + Ultra-Rápida = deverá ser utilizada imediatamente após o preparo. Mistura de Regular + Lenta = não tem indicação. Glargina ou Detemir + Qualquer Outra Insulina = não pode ser misturada, devido ao ph baixo do diluente.

35 "

36 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Stacciarini TSG, Pace AE, Haas WJ. Insulin self-administration technique with disposable syringe among patients with diabetes mellitus followed by the Familiy Health Strategy. Rev latino-am Enfermagem 2009 julho-agosto;17(4): Stacciarini TSG, Hass VJ, Pace AE. Fatores associados à auto-aplicação da insulina nos usuários diabetes mellitus acompanhados pela Estratégia Saúde da Família. Cad. Saúde Pública 2008 jun;24(6): Stacciarini TSG, Pace AE, Iwamoto, HH. Distribuição e utilização de seringas para aplicação de insulina na Estratégia Saúde da Família. Rev. Eletr. Enf 2010;12(1):47-55.

37 REFERÊNCIAs Grossi SAA. Aspectos práticos da administração de insulina com seringas. Terapêutica em Diabetes, (31):1-3. % &' (!))* +,*+"-!))*)' +, *(+,*./ % 5 (!6.!"+7! (8"9" '.:./000 /;/.<<3;4 Diabetes sem mistério: conforto e segurança na aplicação de insulina. Centro BD de Educação em Diabetes, s./d. American Diabetes Association. Insulin Administration. Diabetes Care, v.27, p.s106-s109 supplement 1,january, Diabetes Control and Complication Trial Research Group: The effect of intensive treatment of diabetes on the development and the progression of long-term complications in insulin-dependent diabetes mellitus. N Engl J Med, v329, p: , UK Prospective Diabetes Study (UKPDS) Group: Intensive blood-glucose control with sulphonylureas or insulin compared with convencional treatment and risk of complications in patients with type 2 diabetes (UKPDS 33). Lancet, v. 351, p , Ferreira, SRG. Análise crítica do uso de canetas injetoras de insulina,aventis Pharma, 2001.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

Cartilha Medicamentos para Diabetes

Cartilha Medicamentos para Diabetes Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro-Oeste - Dona Lindu Divinópolis, Minas Gerais Cartilha Medicamentos para Diabetes Projeto Empoderamento Farmacoterapêutico de pacientes com Diabetes

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Vias injetáveis VIAS INJETÁVEIS Decisões complexas: Realização do procedimento Medicação a ser administrada (Interpretação da receita) Volume a ser injetado Seleção

Leia mais

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 1 em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 2 CONTEÚDO - Pessoal e Local - Receita - Medicação - Sala de Aplicação - Higienização

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 21/2014 Data de emissão: Março/2014 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 29/04/2014 Setor Centros de Saúde Tipo Assistencial TAREFA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA Executante

Leia mais

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA CDS19NOV10 Humalog insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor, contendo 100 unidades (U-100) de insulina lispro (ADN* recombinante)

Leia mais

HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 1 CDS12JUL06 HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon

Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon Assessoria de Propaganda Bayer Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon www.esclarecimentomultiplo.com.br www.bayerscheringpharma.com.br facilitando seu dia-a-dia Este material destina-se a pacientes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA rte INFORMAÇÕES GERAIS Em caso de dúvidas, alterações no estado de saúde do paciente, você pode entrar em contato com o Ambulatório da ALA I do HUSM através do telefone 3220 8538. Telefones úteis: Bombeiros:

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml Humalog Solução injetável 100 UI/mL Frasco 10 ml e Refil 3 ml CDS19NOV10 HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Um jeito simples e suave de injetar

Um jeito simples e suave de injetar Um jeito simples e suave de injetar ACABE COM O MEDO DE ANESTESIA LOCAL DOS SEUS PACIENTES... NÃO USE AGULHAS Milhares de pessoas em todo o mundo sofrem de algum grau de fobia de agulhas ou ansiedade.

Leia mais

TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Artigo Original TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Thaís Santos Guerra Stacciarini 1 Ana

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 28/ 2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: insulina lispro. Nomes Comerciais 1 : Humalog. Medicamento de Referência: Humalog. Sumário 1. O que é a insulina lispro?... 2 2. O medicamento

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO Novolin N Insulina Humana (DNA Recombinante) Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Suspensão injetável de Insulina Isofana Humana. Para injeção subcutânea. A embalagem de Novolin N contém:

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Página 1 de 26 CDS19NOV10 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) derivada

Leia mais

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio.

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio. INSULINA NO DOMICÍLIO: AVALIAÇÃO DO USO DOS INSULINO-DEPENDENTES DE UMA UBSF DE CAMPINA GRANDE-PB. ELISÂNGELA BRAGA DE AZEVEDO* FLÁVIA ALVES AGUIAR SIQUEIRA ELAINE BRAGA FAUSTINO INTRODUÇÃO Escolha do

Leia mais

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na aferição da glicemia capilar em pacientes de todas as faixas etárias através de uma gota de sangue fresco adquirida com punção puntiforme utilizando glicosímetro

Leia mais

INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS

INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS Insulinoterapia: conhecimento e práticas dos diabéticos Artigo de Pesquisa INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS POR PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 INSULIN THERAPY: KNOWLEDGE AND

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

Novolin N insulina humana

Novolin N insulina humana Novolin N insulina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novolin N insulina humana APRESENTAÇÕES Suspensão injetável de insulina humana em um frasco-ampola. 100 UI/mL Um frasco-ampola contém 10 ml equivalente

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem. Angélica Julian Magela Pinto

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem. Angélica Julian Magela Pinto FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem Angélica Julian Magela Pinto DIFICULDADES ENCONTRADAS NA ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA PELOS PACIENTES RESIDENTES NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DA VARGINHA - MG, 2011

Leia mais

HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO

HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO CM06NOV09 1 HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO Para uso exclusivo com Humulin N, Humulin R, Humulin 70N/30R, Humalog, Humalog Mix 25 ou Humalog Mix 50, em refis de 3

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO - HNSC Administração de Medicamentos Injetáveis ENFª GRAZIELLA GASPAROTTO BAIOCCO ORIENTAÇÕES HOSPITAL GERAIS FÊMINA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA MUDANÇA DO ESQUEMA TERAPÊUTICO EM

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO CDS06OUT97 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de Solução de Insulina Lispro e 75% de Suspensão de Insulina Lispro Protamina) Derivada de ADN* Recombinante D.C.B. 04920 FORMA FARMACÊUTICA, APRESENTAÇÕES

Leia mais

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL MODELO DE BULA SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL Forma farmacêutica e apresentações Solução Injetável Embalagens com 1 caneta descartável pré-enchidas (SoloStar

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION.

ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION. ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION. Carla Regina de Souza* Maria Lúcia Zanetti** SOUZA, C.R.;

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Novolin R insulina humana

Novolin R insulina humana Novolin R insulina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novolin R insulina humana APRESENTAÇÕES Solução injetável em um frasco-ampola. 100 UI/mL Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 10 ml. O frasco-ampola

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS INFORMAÇÕES AO PACIENTE

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS INFORMAÇÕES AO PACIENTE CDS19NOV10 HUMALOG MIX 50 KWIKPEN insulina lispro (50% de insulina lispro e 50% de insulina lispro protamina) derivada de ADN* recombinante D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG MIX 50 KWIKPEN é uma suspensão

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Página 1 de 29 CDS19NOV10 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) derivada

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I

SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I PASSO FUNDO 2008 2 ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I Monografia apresentada no curso Técnico

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES MÓDULO I - DIABETES MELLITUS: a dimensão do problema Atualizar conhecimentos na área da diabetes; Sensibilizar para as medidas de prevenção; Adquirir competências

Leia mais

PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS

PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS Neusa Alves Bonifacio* Aparecida de Fátima Michelin** Luiz Roberto Lourena Gomes da Costa*** Maria Lúcia Zanetti****

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

NovoMix 30 Penfill insulina asparte

NovoMix 30 Penfill insulina asparte NovoMix 30 Penfill insulina asparte IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NovoMix 30 Penfill insulina asparte (30% insulina asparte solúvel e 70% insulina asparte protaminada) APRESENTAÇÕES Suspensão injetável

Leia mais

Dicas práticas para conjuntos de infusão

Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Inserção da cânula Para inserir a cânula no organismo, é necessário fazer uma prega na pele para que ela fique tensionada.

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LIMPA CARPETES E TAPETES Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: 13018 (Frasco) / 13019 Refil - (12/500 ml) Aplicação: Limpa Carpetes e Tapetes. Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE

Leia mais

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO... 2 SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...10 PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA...17 PLANO ALIMENTAR...18 CUIDANDO

Leia mais

Índice. Características

Índice. Características Índice 1 2 4 5 12 14 Características 1 Cuidados para manuseio e operação Leia estes cuidados atentamente e use somente conforme destinado ou instruído. Instruções de segurança têm como objetivo evitar

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

Evaluation of medical students of Universidade Positivo regarding the management of insulin therapy in diabetes mellitus

Evaluation of medical students of Universidade Positivo regarding the management of insulin therapy in diabetes mellitus Avaliação do conhecimento dos acadêmicos do curso de Medicina da Universidade Positivo acerca do manejo e aplicação da insulinoterapia no diabetes mellitus Evaluation of medical students of Universidade

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica.

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica. Revisão: 28/04/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos através de dispositivos que produzem uma fina nevoa que facilita o transporte de medicamentos através da inspiração profunda

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: 12044 (1,5L) Aplicação: Desinfetante para Roupas Empresa: BOMBRIL S/A - Marginal Direita da Via Anchieta, km14 -

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO Levemir TM Penfill insulina detemir I. Identificação do Medicamento Levemir TM Penfill insulina detemir Forma Farmacêutica Solução injetável Via de administração Subcutânea Apresentação Embalagem contendo

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Elaboração Final: 11 de abril de 2005 Participante: Hissa MN Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

A diabetes é uma doença crônica. Ela não tem cura mas tem controle com o uso da medicação correta.

A diabetes é uma doença crônica. Ela não tem cura mas tem controle com o uso da medicação correta. Diabetes: conceito básico, dieta e dicas. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Conceito básico Por algum motivo o pâncreas deixa de fabricar a insulina necessária para fazer a glicose entrar na célula

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA 1.1. Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação: A Aplic Seringa Descartável Retrátil

Leia mais

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante)

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) Humulin Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) * ADN = Ácido desoxirribonucleico Formas farmacêuticas e apresentações - HUMULIN é apresentado em suspensão injetável (N e 70N/30R) ou solução injetável

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.03 29112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1)

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) Vigilância Epidemiológica Municipal Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) 1. Introdução A vacinação contra influenza pandêmica terá como objetivo, manter o funcionamento dos serviços de saúde

Leia mais

Invólucros estéreis para os rinofaringolaringoscópios flexíveis KARL STORZ ORL 138 2.0 05/2016-PT

Invólucros estéreis para os rinofaringolaringoscópios flexíveis KARL STORZ ORL 138 2.0 05/2016-PT Invólucros estéreis para os rinofaringolaringoscópios flexíveis KARL STORZ ORL 138 2.0 05/2016-PT Os invólucros estéreis podem ser utilizados com o rinofaringolaringoscópio flexível em exames endoscópicos

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ...

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ... ... Pág. 1 Índice: O QUE PRECISO SABER SOBRE OS MEDICAMENTOS QUE ESTOU TOMANDO? 01 ONDE E COMO DEVO GUARDAR E/OU DESPREZAR OS MEDICAMENTOS? QUAIS CUIDADOS DEVO TER COM AS INSULINAS? INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Administração de medicamentos é o processo de preparo e introdução de medicamentos no organismo humano, visando obter efeitos terapêuticos. Segue normas e rotinas

Leia mais

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola SOMAVERT pegvisomanto I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Somavert Nome genérico: pegvisomanto APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola

Leia mais

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE Cap BMQOS/Enf/02 Vívian Marinho

Leia mais

Sua HumaPen LUXURA pode ter uma cor diferente do modelo apresentado, mas funcionará da mesma maneira.

Sua HumaPen LUXURA pode ter uma cor diferente do modelo apresentado, mas funcionará da mesma maneira. CM 20FEB08 HumaPen LUXURA CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA A HumaPen LUXURA apenas pode ser utilizada com refis de 3 ml das insulinas Humulin N, Humulin R, Humulin 70N/30R, Humalog, Humalog Mix25 ou Humalog

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 1 CDS19NOV10 HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa para administração subcutânea contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN*

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM)

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM) Revisão: 24/06/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração medicamentos líquidos e estéreis por via percutânea de acordo com a terapia medicamentosa prescrita FINALIDADE Administração percutânea de

Leia mais

Para proteção completa contra chuva, está disponível em lojas de varejo uma capa de chuva ABC Design.

Para proteção completa contra chuva, está disponível em lojas de varejo uma capa de chuva ABC Design. MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN PRIMO Moldura de Alumínio leve Alças giratórias em 360 graus 4 posições de regulagem de encosto Rodas dianteiras giratórias e bloqueáveis. toldo removível Testado

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem?

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem? Revista Brasileira de Enfermagem REBEn Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem? REVISÃO Subcutaneous medication administration: agreement or controverse

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 CDS19NOV10 HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN* recombinante) por ml. Está disponível

Leia mais

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò.

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò. LANTUS 100 UI/mL Insulina glargina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen

Leia mais