UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini

2 DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

3 Tipos de Insulina cenourao.com.br; portalsaofrancisco.com.br

4 Mecanismo de ação

5 INSULINA NPH Apresenta picos de ação; Duração menor que 24 horas; Início de ação 2-4 horas Pico de ação 6-10 horas Duração horas Insulina ideal sem pico e com duração de 24h Glargina Detemir

6 INSULINA GLARGINA E DETEMIR Glargina/ detemir tempo de ação 24 horas/sem pico Menor índice de hipoglicemia noturna; Menor ganho de peso Indicada > 6 anos

7 INSULINA S RÁPIDA e ULTRA RÁPIDA Regular Duração: 6-8 horas Início de ação: min; Pico de ação: 2-3 horas LISPRO/ASPART Duração: 4-6 horas Início de ação: 5 15 min; Pico de ação: 1 a 2 horas

8 Aspectos práticos da administração da insulina com seringas Conservação/armazenamento de insulina Reutilização de seringas Tipo de seringas/imc Locais/rodízio de aplicação Mistura de insulina Técnica de aplicação

9 Conservação e armazenamento da insulina NPH Frasco fechado 2 anos em geladeira Frasco aberto 1 mês em geladeira (prateleiras inferiores) e 1 mês TA REGULAR Frasco aberto 1 mês em TA e geladeira TRANSPORTE recipiente fechado, opaco e sem gelo. Se conter gelo, este não deve ficar em contato direto com o frasco da insulina.

10 INSULINOTERAPIA

11 Âmbito hospitalar Não reutiliza seringas e agulhas Âmbito domiciliar Média de 4 REUTILIZAÇÃO DE SERINGAS (justificativas: condição socioeconômica, aditivos bacteriostáticos na insulina, resultados de estudos clínicos) TIPO DE SERINGA IDEAL SERINGA CONJUGADA COM A AGULHA AGULHA IMC 25 = >12,7 e 13 mm 90 IMC < 25 = 8mm diabetic-center.com.br

12 diabetic-center.com.br

13 Tipos de Seringa Seringa de 1 ml (até 100 UI) entre 50 UI e 100 UI Seringa de 0,5 ml (até 50 UI) entre 30 UI e 50 UI Seringa de 0,3 ml (até 30 UI) até 30 UI por aplicação editoralua.com.br

14 Tipo de Seringa BD

15 TIPOS DE AGULHA BD

16 BD

17 Ângulo de Aplicação e tamanho da agulha diabetic-center.com.br

18 Prega Cutânea CORRETA INCORRETA

19 LOCAIS DE APLICAÇÃO Ântero-lateral da coxa Posterior do braço Abdome Quadrante superior externo da região glútea RODÍZIO DOS LOCAIS DE APLICAÇÃO glicemiasonline.com.br Mesma região aplicação máxima 7 vezes Evitar rodízio esquema sentido horário.

20 RODÍZIO DOS LOCAIS DE APLICAÇÃO diabetic-center.com.br

21 COMPLICAÇÕES DA APLICAÇÃO LIPODISTROFIAS LIPOHIPERTROFIA LIPODISTROFIA TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES DA APLICAÇÃO LIPOHIPERTROFIA: evitar aplicar a insulina nessa região até o desaparecimento dos nódulos. LIPODISTROFIA: fazer aplicações nas regiões de depressão.

22 INSULINOTERAPIA guiadodiabetes.com.br

23 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES gaad-amigosdiabeticos.blogspot.

24 TÉCNICA DE APLICAÇÃO Higienização das mãos Desinfecção do frasco Climatização da insulina Agulha que aspira, agulha que prepara Calibre e tamanho da agulha Introdução de ar no frasco Prega cutânea Ângulação da agulha

25 MISTURA DE DUAS INSULINA Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina NPH no frasco de insulina NPH; Retirar a agulha do frasco sem aspirar a insulina NPH; Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina R, no frasco de insulina R e retirar a dose; aquienfermagemesaude.blogspot.com

26 MISTURA DE DUAS INSULINA Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina NPH no frasco de insulina NPH; Retirar a agulha do frasco sem aspirar a insulina NPH; Injetar o ar correspondente à dose prescrita de insulina R, no frasco de insulina R e retirar a dose; Introduzir novamente a agulha no frasco de insulina NPH, no qual o ar foi previamente injetado e, puxar o êmbolo até a marca correspondente à soma das doses das duas insulinas.

27 PRÉ MISTURA DE INSULINA Mistura de NPH + Regular = utilizada imediatamente ou armazenada em refrigerador por 30 dias. Mistura de NPH + Ultra-Rápida = utilizada imediatamente após o preparo. Mistura de Regular + Lenta = não tem indicação. Glargina ou Detemir + Qualquer Outra Insulina = não pode ser misturada, devido ao ph baixo do diluente.

28 bioinsulina.blogspot.com MUITO OBRIGADA

29 REFERÊNCIAS 1. Stacciarini TSG, Pace AE, Haas WJ. Insulin self-administration technique with disposable syringe among patients with diabetes mellitus followed by the Familiy Health Strategy. Rev latino-am Enfermagem 2009 julho-agosto;17(4): Stacciarini TSG, Hass VJ, Pace AE. Fatores associados à auto-aplicação da insulina nos usuários diabetes mellitus acompanhados pela Estratégia Saúde da Família. Cad. Saúde Pública 2008 jun;24(6): Stacciarini TSG, Pace AE, Iwamoto, HH. Distribuição e utilização de seringas para aplicação de insulina na Estratégia Saúde da Família. Rev. Eletr. Enf 2010;12(1): Stacciarini TSG, Caetano TSG. Pace AE. Dose de insulina prescrita versus dose aspirada. Acta Paulista Enferm., v.24, n.6, p , American Diabetes Association. Insulin Administration. Diabetes Care, v.27, p.s106- S109 supplement 1,january, 2004.

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio.

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio. INSULINA NO DOMICÍLIO: AVALIAÇÃO DO USO DOS INSULINO-DEPENDENTES DE UMA UBSF DE CAMPINA GRANDE-PB. ELISÂNGELA BRAGA DE AZEVEDO* FLÁVIA ALVES AGUIAR SIQUEIRA ELAINE BRAGA FAUSTINO INTRODUÇÃO Escolha do

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Artigo Original TÉCNICA DE AUTOAPLICAÇÃO DE INSULINA COM SERINGAS DESCARTÁVEIS ENTRE OS USUÁRIOS COM DIABETES MELLITUS, ACOMPANHADOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Thaís Santos Guerra Stacciarini 1 Ana

Leia mais

Cartilha Medicamentos para Diabetes

Cartilha Medicamentos para Diabetes Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro-Oeste - Dona Lindu Divinópolis, Minas Gerais Cartilha Medicamentos para Diabetes Projeto Empoderamento Farmacoterapêutico de pacientes com Diabetes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS

INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS Insulinoterapia: conhecimento e práticas dos diabéticos Artigo de Pesquisa INSULINOTERAPIA: CONHECIMENTO E PRÁTICAS UTILIZADAS POR PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 INSULIN THERAPY: KNOWLEDGE AND

Leia mais

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Vias injetáveis VIAS INJETÁVEIS Decisões complexas: Realização do procedimento Medicação a ser administrada (Interpretação da receita) Volume a ser injetado Seleção

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem. Angélica Julian Magela Pinto

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem. Angélica Julian Magela Pinto FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Enfermagem Angélica Julian Magela Pinto DIFICULDADES ENCONTRADAS NA ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA PELOS PACIENTES RESIDENTES NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DA VARGINHA - MG, 2011

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Novolin N insulina humana

Novolin N insulina humana Novolin N insulina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novolin N insulina humana APRESENTAÇÕES Suspensão injetável de insulina humana em um frasco-ampola. 100 UI/mL Um frasco-ampola contém 10 ml equivalente

Leia mais

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA

PREFERENCIALMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO SUBCUTÂNEA CDS19NOV10 Humalog insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor, contendo 100 unidades (U-100) de insulina lispro (ADN* recombinante)

Leia mais

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 1 em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 2 CONTEÚDO - Pessoal e Local - Receita - Medicação - Sala de Aplicação - Higienização

Leia mais

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO... 2 SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...10 PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA...17 PLANO ALIMENTAR...18 CUIDANDO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 21/2014 Data de emissão: Março/2014 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 29/04/2014 Setor Centros de Saúde Tipo Assistencial TAREFA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA Executante

Leia mais

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante)

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) Humulin Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) * ADN = Ácido desoxirribonucleico Formas farmacêuticas e apresentações - HUMULIN é apresentado em suspensão injetável (N e 70N/30R) ou solução injetável

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION.

ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION. ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA: UMA ABORDAGEM FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO EM DIABETES. ADMINISTRATION OF INSULIN: A BASICAL BROACHING IN DIABETES EDUCATION. Carla Regina de Souza* Maria Lúcia Zanetti** SOUZA, C.R.;

Leia mais

ARTIGO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CRIANÇAS DIABETES MELLITUS TIPO 1 COM LIPODISTROFIA INSULÍNICA

ARTIGO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CRIANÇAS DIABETES MELLITUS TIPO 1 COM LIPODISTROFIA INSULÍNICA 7/ Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. v.7, n.1, p.7-15 São Paulo, julho de 2007 ARTIGO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CRIANÇAS DIABETES MELLITUS TIPO 1 COM LIPODISTROFIA INSULÍNICA Nursing evaluation

Leia mais

HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 1 CDS12JUL06 HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 28/ 2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: insulina lispro. Nomes Comerciais 1 : Humalog. Medicamento de Referência: Humalog. Sumário 1. O que é a insulina lispro?... 2 2. O medicamento

Leia mais

CONVIVENDO COM O DIABETES. UM GUIA PRÁTICO PARA SIMPLIFICAR A VIDA DO PACIENTE COM DIABETES.

CONVIVENDO COM O DIABETES. UM GUIA PRÁTICO PARA SIMPLIFICAR A VIDA DO PACIENTE COM DIABETES. . PARA SIMPLIFICAR A VIDA DO PACIENTE COM DIABETES. Edição 2013 JUNTOS SUPERANDO FRONTEIRAS Índice Conhecendo o diabetes...4 Um guia prático para simplificar a vida do paciente com diabetes. Uma publicação

Leia mais

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml

Humalog. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml e Refil 3 ml Humalog Solução injetável 100 UI/mL Frasco 10 ml e Refil 3 ml CDS19NOV10 HUMALOG insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG é uma solução aquosa clara, incolor,

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL

MODELO DE BULA. LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL MODELO DE BULA SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA LANTUS SOLOSTAR insulina glargina100 U/mL Forma farmacêutica e apresentações Solução Injetável Embalagens com 1 caneta descartável pré-enchidas (SoloStar

Leia mais

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Gabarito Original.

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Gabarito Original. CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM Questão Gabarito Original Justificativa Deferido/Ind eferido 21 B por falta de

Leia mais

Novolin R insulina humana

Novolin R insulina humana Novolin R insulina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novolin R insulina humana APRESENTAÇÕES Solução injetável em um frasco-ampola. 100 UI/mL Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 10 ml. O frasco-ampola

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò.

Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen Ò. LANTUS 100 UI/mL Insulina glargina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução Injetável - embalagem com 1 frasco-ampola com 10 ml e embalagem com 1 e 5 refis com 3 ml para utilização com a caneta Optipen

Leia mais

Humulin R. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml

Humulin R. Solução injetável. 100 UI/mL. Frasco 10 ml Humulin R Solução injetável 100 UI/mL Frasco 10 ml CDS19NOV10 HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa contendo 100 unidades (U-100) de insulina

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

Entendendo Melhor o Diabetes. Hipoglicemia X Hiperglicemia

Entendendo Melhor o Diabetes. Hipoglicemia X Hiperglicemia Diabetes Diabetes O setor de Promoção da Saúde da Fundação Fiat preparou para você esta cartilha com informações importantes relacionadas ao cuidado com a sua saúde. Embora ainda não haja cura para o

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 CDS19NOV10 HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN* recombinante) por ml. Está disponível

Leia mais

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO Novolin N Insulina Humana (DNA Recombinante) Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Suspensão injetável de Insulina Isofana Humana. Para injeção subcutânea. A embalagem de Novolin N contém:

Leia mais

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE Cap BMQOS/Enf/02 Vívian Marinho

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais

Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015

Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015 Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015 Ementa: Aplicação de Enoxaparina sódica via sub cutânea (SC) no domicílio. 1. Do fato

Leia mais

Como administrar Nebido com segurança (ampolas)

Como administrar Nebido com segurança (ampolas) Como administrar Nebido com segurança (ampolas) Informação para profissionais de saúde Este folheto fornece informações sobre certos aspetos da administração de Nebido, a fim de ampliar o seu conhecimento

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon

Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon Assessoria de Propaganda Bayer Manual do Sistema de Aplicação de Betaferon www.esclarecimentomultiplo.com.br www.bayerscheringpharma.com.br facilitando seu dia-a-dia Este material destina-se a pacientes

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 CDS19NOV10 HUMULIN R insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN* recombinante) por ml. Está disponível

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS

PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA SUBCUTÂNEA EM PACIENTES DIABÉTICOS HOSPITALIZADOS Neusa Alves Bonifacio* Aparecida de Fátima Michelin** Luiz Roberto Lourena Gomes da Costa*** Maria Lúcia Zanetti****

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO - HNSC Administração de Medicamentos Injetáveis ENFª GRAZIELLA GASPAROTTO BAIOCCO ORIENTAÇÕES HOSPITAL GERAIS FÊMINA

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira

CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira 1 CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Embora muitos Hospitais trabalhem com as doses dos fármacos personalizadas e prontas para o uso de cada paciente, entretanto,

Leia mais

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml

Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Humalog Mix 25 Eli Lilly do Brasil Ltda. Suspensão injetável Refis de 3 ml Página 1 de 26 CDS19NOV10 HUMALOG MIX 25 insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) derivada

Leia mais

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 1 CDS19NOV10 HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa para administração subcutânea contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN*

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIVISÃO DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR Instrutora: Enf. Thaís S Guerra Stacciarini Finalidades Regulamentar as responsabilidade

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

INSULINOTERAPIA: Histórico

INSULINOTERAPIA: Histórico INSULINOTERAPIA: Histórico Egito antigo 2000 A.C. Areteu Capadócia, 2000 D.C. T. Willis Inglaterra, 1670 Chevreul 1815 Von Mering e Minkowinsky, 1889 P. Langehans 1869 Amon-Ra Banting e Best 1921 L. Thompson

Leia mais

CETROTIDE acetato de cetrorrelix Merck S/A Pó liofilizado para solução injetável 0,25 mg

CETROTIDE acetato de cetrorrelix Merck S/A Pó liofilizado para solução injetável 0,25 mg CETROTIDE acetato de cetrorrelix Merck S/A Pó liofilizado para solução injetável 0,25 mg Apresentação Pó liofilizado para solução injetável 0,25 mg. Embalagem contendo 1 frasco-ampola, 1 seringa preenchida

Leia mais

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 1 CDS19NOV10 HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 APRESENTAÇÕES Preparação aquosa para administração subcutânea contendo 100 unidades (U-100) de insulina humana (ADN*

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I

SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I SENAC - FATEC PASSO FUNDO CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I PASSO FUNDO 2008 2 ANA ALICE FIABANE MARA DA SILVA DIABETE TIPO I Monografia apresentada no curso Técnico

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO

USO PEDIÁTRICO (A PARTIR DE 6 ANOS DE IDADE) E ADULTO Levemir TM Penfill insulina detemir I. Identificação do Medicamento Levemir TM Penfill insulina detemir Forma Farmacêutica Solução injetável Via de administração Subcutânea Apresentação Embalagem contendo

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG

2014. CCATES. Leonardo Maurício Diniz Faculdade de Medicina/ UFMG. Juliana de Oliveira Costa CCATES/UFMG. Lívia Lovato Pires de Lemos CCATES/UFMG 2014. CCATES. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918

HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 1 CDS12JUL06 HUMULIN N insulina humana (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04918 FORMA FARMACÊUTICA, APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO Preparação aquosa para administração subcutânea contendo 100 unidades (U-100)

Leia mais

APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL

APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL APIDRA Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução injetável 100 UI/mL Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG

Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Luciane de Jesus Tenório PERFIL

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular*

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular* 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, fevereiro de 2.010. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular* 1. A Via Intramuscular A administração de medicamentos por via intramuscular

Leia mais

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009 Benchmarking CEESIP Intervenção de Enfermagem para promover comportamentos de adaptação e melhorar níveis de adesão na Diabetes Mellitus tipo I em crianças e adolescentes. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

Manual de Nutrição Paciente. Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR?

Manual de Nutrição Paciente. Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR? Capítulo 4 Tenho diabetes tipo 1, qual plano alimentar devo seguir? 1 Manual de Nutrição Paciente Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR? Manual de Nutrição Temas e Autores

Leia mais

7. CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO Norditropin NordiFlex deve ser armazenado à temperatura de 2 C a 8 C (no refrigerador) dentro da

7. CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO Norditropin NordiFlex deve ser armazenado à temperatura de 2 C a 8 C (no refrigerador) dentro da 7. CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO Norditropin NordiFlex deve ser armazenado à temperatura de 2 C a 8 C (no refrigerador) dentro da embalagem original. Não congelar. Após aberto, Norditropin NordiFlex

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA 1.1. Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação: A Aplic Seringa Descartável Retrátil

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais