iperi AUTARQUIA ASSOCIADA A UNIVERSIDADE DE SAO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "iperi AUTARQUIA ASSOCIADA A UNIVERSIDADE DE SAO PAULO"

Transcrição

1 iperi AUTARQUIA ASSOCIADA A UNIVERSIDADE DE SAO PAULO Implementação e qualifiação de metodologia de álulos neutrônios em reatores subrítios aionados por fonte externa de nêutrons e apliações Thiago Carluio Tese apresentada omo parte dos requisitos para obtenção do Grau de Doutor em Ciênias na Área de Tenologia Nulear - Reatores Orientador: Prof. Dr. José Rubens Maiorino São Paulo 2011

2 Universidade de São Paulo Instituto de Pesquisas Energétias e Nuleares Centro de Engenharia Nulear Thiago Carluio Implementação e Qualifiação de Metodologia de Cálulos Neutrônios em Reatores Subrítios Aionados por Fonte Externa de Nêutrons e apliações São Paulo 2011

3

4 Thiago Carluio Prof. Dr. José Rubens Maiorino Implementação e Qualifiação de Metodologia de Cálulos Neutrônios em Reatores Subrítios Aionados por Fonte Externa de Nêutrons e apliações Tese apresentada om o parte dos requisitos para obtenção do Grau de Doutor em Ciênias / na Area de Tenologia Nulear - Reatores São Paulo 2011

5

6

7

8 Agradeimentos V A minha família, que sempre me apóia; \ A Pamela, que me ajudou bastante, pela paiênia; A o orientador e amigo, Prof. Dr. José Rubens Maiorino, pela segura orientação; Aos pesquisadores Prof. Dr. Adimir dos Santos, pelas proveitosas disussões; Aos professores Dr. Hélio Yoriaz, Dr. Daniel Ting e Dr. Piero Ravetto; Aos membros da bana, pelas observações e omentários; Aos amigo Pedro Carlos Russo Rossi, pela ajuda e ompanhia; Aos amigo Alberto Talamo, pela ajuda e hospitalidade; Aos amigos e olegas do Centro de Engenharia Nulear, pelo ompanheirismo e bons momentos no afé; A o CEN, na figura do Dr. Antonio Teixeira, pela infraestrutura forneida; A o IPEN e a divisão de Ensino pelo apoio instituional; A o CNPq, pelo apoio finaneiro, sob o projeto no.: 6666/6666; Ao Departamento de Engenharia Nulear do Argonne National Laboratory, na figura do Dr. Yousry Gohar, pela proveitosa estádia e suporte. À Agênia Internaional de Energia Atômia (IAEA) pelo suporte finaneiro parial através do ontrato de pesquisa (RC 13388). Esta tese foi esrita em I^IpX om a lasse IAGTESE, para teses e dissertações do IAG.

9

10 suesso nase do quererf da determinação e persistênia em se hegar a um objetivo. M esm o não atingindo o alvo, quem busa e vene obstáulos, no mínimo fará oisas admiráveis Carlos Gomes, om positor ampineiro. Ignorânia nuna é melhor que onheimento Enrio Fermi, navegador italiano que desobriu um novo mundo.

11

12 Resumo O trabalho teve omo objetivo a investigação de Metodologias de Cálulo dos Reatores Subrítios aionados por fonte externa de neutrons, tais om o, Aelerator Driven Subritial Reator (ADSR) e Fusion Driven Subritial Reator (FDSR), que são reatores nuleares subrítios om uma fonte externa de neutrons. Tais neutrons são produzidos, no aso do ADSR, através da interação de partíulas aeleradas (prótons, deutério) om um alvo (Pb, Bi, et) ou através das reações de fusão, no aso do FDSR. Este oneito de reator vem sendo objeto de intensa pesquisa, sobretudo pela possibilidade de ser utilizado para transmutar o enorme inventário de rejeitos nuleares, prinipalmente os transuranios (TRU) e os produtos de fissão de meia-vida longa (LLFP). Neste trabalho enfatiza os seguintes aspetos: (z) omplementar e aprimorar a metodologia de álulos neutronios om queima e transmutação e implementá-la omputaionalmente; (ü) e utilizando esta metodologia, partiipar dos Projetos Coordenados de Pesquisa (C R P) da Agênia Internaional de energia Atômia Analytial and Experimental Benhmark Analysis of ADS e Collaborative work on use of LEU in ADS, prinipalmente na reprodução dos resultados experimentais da instalação subrítia Yalina Booster e também no álulo de um núleo subrítio do reator IPEN/M B-Ol, {üi) analisar omparativamente diferentes biblioteas de dados nuleares, no álulo de parâmetros integrais ( &<>//), difereniais (espetro, fluxo) e de queima e transmutação (inventário ao final do ilo) e (iv) apliar a metodologia desenvolvida em um estudo que possa ajudar na esolha futura de um sistema transmutador dediado. Foram utilizados para tanto os seguintes ódigos: MCNP (Transporte de partíulas por Monte Cario), MCB (aoplamento dó MCNP om ódigo de transmutação) e o sistema NJOY para o proessamento dos arquivos de dados nuleares avaliados.

13

14 Abstrat This works had as goal to investigate alulational methodologies on sub ritial soure driven reator, suh as Aelerator Driven Subritial Reator (ADSR) and Fusion Driven Subritial Reator (FDSR). Intense R&D has been done about these subritial onepts, mainly lue to Minor Atinides(M A) and Long Lived Fission Produts(LLFP) transmutation possibilities. In this work, partiular emphasis has been given to: (z) omplement and improve alulation methodology with neutroni transmutation and deay apabilities and implement it omputationally, (ii) utilization of this methodology in the Coordinated Researh Projet (C R P) of the International Atom i Energy Ageny Analytial and Experimental Benhmark Analysis of ADS and in the Collaborative Work on Use of Low Enrihed Uranium in ADS, espeially in the reprodution of the experimental results of the Yalina Booster subritial assembly and study of a subritial ore of IPE N/M B-01 reator, (m ) to ompare different nulear data libraries alulation of integral parameters,suh as kj j and ksr, and differential distributions, suh as spetrum and flux, and nulides inventories and (iv) apply the developed methodology in a study that may help future hoies about dediated transmutation system. The following tools have been used in this work: MCNP (Monte Carlo N partile transport ode), MCB (enhaned version of MCNP that allows burnup alulation) and NJOY to proess nulear data from evaluated nulear data files.

15

16 Lista de Figuras 1.1 Inventário de Combustíveis Nuleares Irradiados ameriano, assumindo que nenhum reator será onstruído nos EUA, retirado de https://inlportal. inl.gov/portal/server.pt/ommunity/national_spent_nulear_fuel/ 389/national_spent_nulear_fuel_-_snf_data, aessado em Janeiro de Coneito básio de um ADS, retirado de (Russo Rossi, 2011) Desrição: esquemátia de uma reação de spallation seguida de evaporação e/ou fissão, retirado de Russo Rossi (2011) Ilustração oneituai do projeto do reator multipropósito M Y R R H A; om iníio da onstrução programado para 2015, o reator deverá operar a plena potênia a partir de 2023, retirado de gallery/myrrha_f igures Ilustração oneituai do reator de fusão ITER, espera-se que a onstrução termine em 2017, retirado de iter.org M odelo 3D da proposta de um reator híbrido fusão-hssão, retirado de Staey et al. (2005) Linha do tempo om a data de lançamento de importantes ódigos de análise de reatores, retirado de Azmy et al. (2010) Linha do tempo om a data de lançamento de importantes ódigos de análise de arranjos, retirado de Azmy et al. (2010) Linha do tempo om os ódigos que deram origem as versões atuais do MCNP, retirado de (Brown, 2009)... 55

17 2.4 Convergênia da Entropia de Shannon e de kef f, retirado de Brown (2009) A influenia do número de histórias por ilo na estimativa de keff, retirado de Brown (2009) Fluxograma simplifiado da m etodologia de álulo utilizada pelo MCB Comparação entre as seção de hoque de fissão experimentais (E X FO R) e os dados das biblioteas avaliadas (ENDF) para o 243A m Comparação entre as seção de hoque de aptura experimentais (EXFOR) e os dados das biblioteas avaliadas (ENDF) para o 208Pb, note a esassez de dados experimentais em um dos nulídeos fundamentais para o projeto de reatores de geração IV Diagrama do fluxo de dados utilizados pelo NJOY para obter as biblioteas para o MCNP a partir dos arquivos ENDF Vista superior do núleo Som uma onfiguração retangular Configuração padrão, om 728 varetas, das quais 24 são de segurança e 24 são de ontrole Esquema de uma vareta do IPEN/M B-01, retirado de Briggs et al. (1995) Corte axial da geometria do tibo guia, das barras de ontrole e da vareta ombustível Configuração utilizada na fase Resposta do detetor após a inserção de um neutron DD Resposta do detetor após a inserção de um neutron D T Regressão linear para obter o parametro inétio a utilizando a fonte DD Regressão linear para obter o parametro inétieo (x utilizando a fonte D T Distribuição Axial Fase I, élula N14, fonte de 2,45 M e V Distribuição Axial Fase I, élula N14, fonte de 14,1 M e V Distribuição Axial Fase I, élula O il, fonte de 2,45 M e V Distribuição Axial Fase I, élula O il, fonte de 14,1 M e V Distribuição Axial Fase I, élula P10, fonte de 2,45 M e V Distribuição Axial Fase I, élula P10, fonte de 14,1 M e V Distribuição Axial Fase I, élula R8, fonte de 2,45 M e V Distribuição Axial Fase I, élula R8, fonte de 14,1 M e V

18 3.18 Distribuição Axial Fase I, élula R14, fonte de 2,45 M e V Distribuição Axial Fase I, élula H 1. fonte de 14,1 M e V Espetro Fase I, élula N14, fonte de 2,45 M e V Espetro Fase I, élula N I4, fonte de 14,1 M e V Espetro Fase I, élula PIO, fonte de 2,45 M e V Espetro Fase I, élula PIO, fonte de 14,1 M e V Espetro Fase I, élula R8, fonte de 2,45 M e V Espetro Fase I, élula R8, fonte de 14,1 M e V Espetro Fase I, élula I! II. fonte de 2,45 M e V Espetro Fase I, élula R14, fonte de 14,1 M e V Comparação das urvas obtidas para kef f versus posição de BC Curva kef f versus posição de BC1 obtida pelo grupo oreano Comparação dos valores obtidos para kef f no exeríio da fase Comparação dos valores obtidos para ksr no exeríio da fase Projeto do tubo om deutérios aelerados, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Foto da Yalina Booster exibindo as diferentes zonas, retirado de Bournos et al. (2008) Desenho esquemátio das vareta de B4C entre a zona rápida e a zona térmia, om ortes X Y e XZ, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Foto do sub-arranjo de humbo, retirado de Bournos et al. (2008) Desenho esquemátio das vareta da região booster, om ortes X Y e X Z, dimensões em mm, reetirado de Bournos et al. (2008) Foto do sub-arranjo de polietileno, retirado de Bournos et al. (2008) Desenho esquemátio da vareta EK-10, om ortes X Y e X Z, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Foto da Yalina Booster exibindo as diferentes zonas, retirado de Bournos et al. (2008) Desenho esquemátio om orte X Y da onfiguração 902, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008)

19 4.10 Desenho esquemátio om orte X Y da onfiguração 1141, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Células de ar ilíndria interno aos anais experimentais da zona térmia (EC5T-EC 6T) e da zona do refletor (EC8R), dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Células de a í ilíndria interno aos anais experimentais da zona rápida (EC1B-EC3B), dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Posição das amostras de 197Au, 115In e 55Mn, nos anais experimentais da região térmia, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Posição das amostras de 19' Au, 115In e 55Mn, no anal experimental EC2B, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Posição das amostras de 115In no anal experimental EC10R, dimensões em mm, retirado de Bournos et al. (2008) Corte XZ do modelo da onfiguração 902 e 1141 modelado no MCNP Corte X Y do modelo da onfiguração 902 modelado no MCNP Corte X Y do modelo da onfiguração 1141 modelado no MCNP Perfil axial da taxa de reação 3H e{n,p) no anal experimental EC6T Perfil axial da taxa de reação 115In(n,7 ) no anal experimental EC5T Perfil axial da taxa de reação 115In(n,7 ) no anal experimental EC6T Perfil axial da taxa de reação 1Ir ln(n.~.) no anal experimental EC7T Perfil radial da taxa de reação 115In(n,7 ) no anal experimental radial EC10R Perfil axial da taxa de reação 235U(n.f) no anal experimental EC2B Perfil axial da taxa de reação 235U(n,f) no anal experimental EC6T Perfil axial da taxa de reação l97au(n.~) no anal experimental EC6T Espetro de nêutrons no anal experimental EC2B, onfiguração 1141, fonte D D Espetro de nêutrons no anal experimental EC2B, onfiguração 1141, fonte D T Espetro de neutrons no anal experimental EC2B, onfiguração 902, fonte D D

20 4.30 Espetro de neutrons no anal experimental EC2B, onfiguração 902, fonte D T Espetro de neutrons no anal experimental EC6T> onfiguração 1141, fonte D T Espetro de neutrons no anal experimental EC6T, onfiguração 902, fonte D T Espetro de neutrons no anal experimental EC6T, onfiguração 902, fonte D D Comparação dos resultados obtidos para o ke/f para diferentes partiipantes e métodos de álulo, para as onfigurações YB , designada neste trabalho de 902, YB , designada neste trabalho de 1141 e YB-36-10, fora do esopo deste trabalho, retirado do benhmark report Comparação dos resultados obtidos para o ksr para diferentes partiipantes e métodos de álulo, para as onfigurações YB , apelidada neste trabalho de 902, YB , apelidada neste trabalho de 902 e YB-36-10, fora do esopo deste trabalho, retirado do benhmark report Taxas de reação para á reação 235U(n,7 ) no anal EC2B para a onfiguração 902 e no anal EC6T para a onfiguração 1141, em ambos os asos para a fonte DD, retirado do benhmark report Taxas de reação para a reação 3He(n,p) no anal EC3B, para a onfiguração Os valores estão normalizados por neutron de fonte da fissão do 252Cf; o tubo do aelerador foi preenhido om um bloo de humbo; retirado de Talamo et al. (2011) Modelo R-Z do ADS iinerador do exeríio do NEA/NSC(2001) Partiipantes, Códigos e Bibioteas NEA Corte XZ do modelo M CNP do benhmark N EA/NSC(2001)13, om as zonas homogêneas para o álulo de queima, o refletor de Chumbo-Bismuto (azul), o tubo do aelerado (brano) e alvo de spallation r o s a Corte X Y do modelo M CNP do benhmark N EA/N SC(2001)13, om as zonas homogeneas para o álulo de q u e im a Fatores de multipliação durante a q u e im a

21 5.6 Evolução temporal das onentrações de atinídeos durante o período de irradiação Visão X Y de um quarto do oneito de um GCSFR aionado por um tokamak Visão XZ do GCSFR aionado pela fonte de fusão Visão X Y do GCSFR aionado por uma aelerador Visão XZ do GCSFR aionado por uma aelerador Partíulas ombustível TRISO na matriz de SiC Detalhe de uma vareta ombustível Detalhe das varetas no EC Elemento ombustível Variação do valor do kef f no iníio do ilo om a fração de Plutônio e Neptúneo no oneito om fonte de fusão fatores de multiplição - fu sã o fatores de multiplição - a d s Parâmetro importânia do nêutron - a d s Parâmetro importânia do Nêutron - f u s ã o Massa de Atinideos e produtos de fissão - fu s ã o Distribuição de flu xos a) Varetas ombustíveis em arranjo periódio, b) anal de rehgeração ) dimensões do anal d) simetria utilizada no álulo Distribuição de temperaturas Temperaturas em função de Reynolds (Vazão), o limite 9C = 1 orresponde ao limite operaional e forne a vazão mínima neessária para a operação do sistema

22 Lista de Tabelas 1.1 Inventário anual de arga e desarga de um P W R típio de lgw e, retirado de Nifeneker et al. ( ) Politía sobre ombustível nulear irradiado e disposição do HLW, adaptado de h t t p ://w o r ld -n u le a r.o r g /in fo /in f0 4.h t m l, aessado em março de Comparação entre parametros inétios alulados e medidos, retirado de Kiedrowski et al. (2009) Comparação entre parâmetros inétios não ponderados e ponderados pelo fluxo adjunto, retirado de Kiedrowski et al. (2009) Dados geométrios da vareta de ombustível do reator nulear IPEN/M B Composição dos materiais da vareta de ombustível do reator nulear IPEN /M B Dados geométrios da vareta de ontrole do reator nulear IPEN/M B Composição dos materiais das barras de ontrole do reator nulear IPEN /M B Comparação entre os resultados obtidos pelo M CNP5 e Serpent utilizando a bibliotea E N D F -V II Resultados Fase I - A r g e n tin a Resultados Fase I - Brasil Resultados Fase I - China / Resultados Fase I - I n d ia Resultados Fase I - Coréia do S u l

23 3.11 Resultados Fase I - E sp a n h a Resultados Fase II Limite superior dos 172 grupos de energia Parâmetros Neutrônios Comparação dos resultados de kbf f obtido pelos partiipantes Comparação dos resultados de [3eff obtidos pelos partiipantes Comparação om as medidas experimentais de keff om os valores obtidos neste trabalho, os valores experimentais marados om f foram obtidos pelo método do ajuste da inlinação, enquanto os valores marados om f foram obtidos pelo método das áreas, assumindo /5e/ / = 760 pm, dados experimentais retirados de Talamo et al. (2008) Fatores de Multipliação e Intensidade da F o n t e Massa e Conentrações Prinipais Atinideos, obtidos om E N D F/B-V I Massa Prinipais Atinideos, omparação EN D F/B-VI e EN D F/B-VII.. 178

24 / índie 1. Introdução Estado da arte das pesquisas em reatores híbridos no m u n d o Objetivos Estrutura do trabalho Contribuições do t r a b a lh o M etod ologia Equação de Transporte de N eutrons Códigos D eterm in ístios Método de Monte Cario Cálulo do fator de m u ltip lia çã o Convergênia da Fonte de F i s s ã o Erros sistemátios nas estimativas de kef f e de taxas de r e a ç ã o O fator de multipliação de fonte ks r Parametros Cinétios om Monte C a r io Definição dos Parametros C in étios Métodos de Cálulo dos Parametros C in é tio s Evolução da onentração om Monte C a r i o CRAM O R I G E N Análise das Trajetórias de Transm utação... 76

25 Comparação entre os métodos de solução das adeis de deaimento e transm utação Dados Nuleares Biblioteas de dados avaliados Códigos de proessamento dos dados nuleares a v a lia d o s O sistema A M P X O ódigo N J O Y Configuração subrítia do reator IPEN/MB-01 aionada p or fonte externa de nêutrons no ontexto do trabalho olaborativo sobre o uso de LEU em ADS C on tex to Desrição do reator IP E N /M B Desrição Cálulos soliita d os Fase I Fase I I Resultados e o m p a ra çõ e s C o m p a ra çõ e s A nálise Conlusões P a ria is Cálulos neutrônios do reator Yalina B ooster no ontexto do p rojetó oordenado de pesquisa sobre ADS da AIEA Desrição Cálulos Soliitados M etodolog ia Resultados Comparação om resultados obtidos por outros partiipantes Comparação om resultados experim entais C onlusões Validação da metodologia de q u e i m a R esultados

26 5.2 Conlusoes Comparação Híbrido Fissão-Fusão om A D S Figuras de M é r ito Custo das fontes externas de n ê u t r o n s Potenial de transmutação e balanço de n e u t r o n s Reatores Subrítios Refrigerados à Gás Resultados dos álulos n eu tron ios Custo do nêutron em ada sistema setion Conlusões p a ria is Conlusões Sugestões para trabalhos futuros R e ferên ia s Apêndie 233 A. Entradas de dados Utilizadas no M C N P /M C B A.l I P E N /M B A.2 YALINA Booster A.3 YALINA B ooster A.4 N E A /N S C ( ) A.5 GCFR subrítio om fonte de fusão A.6 GCFR subrítio om fonte de neutrons de spallation...331

27

28 Capítulo 1 Introdução 1.1 Estado da arte das pesquisas em reatores híbridos no mundo O atual parque instalado de reatores térmios opera nmjoritariamente em um ilo de ombustível aberto (one-through fuel yles, OTFG), gerando um aúmulo de ombustível nulear irradiado (spent nulear fuel, SNF). Além de materiais valiosos omo Uranio e Plutônio^ :estes ombustíveis possuem uma fração de atinideos menores (minor atinides, M A), tais omo Ameríio, Neptúnio e Cúrio e produtos de fissão de meia-vi da longa (long lived fission produts, LLFP), omo " T e 129I, os quais onstituem os hamados resíduos de alta ou High Level wasíe(hlw) (Maiorino et al., 2003). A tabela 1.1 ilustra os inventários de arga e desarga de um PW R típio de lgwe. Para ilustrar este aúmulo de ombustíveis nuleares irradiados, utilizou-se om o exemplo os EUA, que atualmente adotam o OTFC. A figura 1.1 estima o inventário projetado norte ameriano, assumindo que nenhum novo reator seja onstruído. A maioria destes ombustíveis enontram-se em pisinas de armazenamento temporário dentro das próprias entrais nuleares, enquando que alguns enontram-se em asos em instalações temporárias de armazenamento a seo1. Um PW R típio de looomwe irá gerar, direta ou indiretamente, de m3 de resíduos de baixa (Low Level W aste, LLW) e resíduos de média (Intermediate Level 1 O Departamento de Energia Norteameriano (DOE) possui sob sua ustódia 2455 toneladas de metais pesados, omo Urânio, Plutônio, et, na forma de ombustível nulear irradiado e 341 mil metros úbios de rejeitos de alta (HLW), produzidos prinipalmente em atividades de defesa' naional, dados de 2008: h ttp s ://in lp o rta l.in l.g ov /p orta l/serv er.p t/om in u n ity /n a tion a l_sp en t_n u lea r_ fu el/3 8 9 /n a tion a l_sp en t_n u lea r_fu el_-_sn f _data, aessado em Janeiro de 2011

29 26 Capítulo 1. Introdução Tabela Inventário anual de arga e desarga de um PWR típio de lgwe, retirado de Nifeneker et al. (2003) NuHdeos Carga Iniial (kg) Inventário de désargá (kg) 235 -Q u U Total u 156 Pu Total 266 Âtinídeos Menores 20 90Sr Cs 30 LLFP 63 Total FP 946 Massa Total

30 Seção 1.1. Estado da arte das pesquisas em reatores híbridos no mundo 27 Figura 1.1: Inventário de Combustíveis Nuleares Irradiados ameriano, assumindo que nenhum reaíor será onstruído nos EUA, retirado de h ttp s : / / in lp o r t a l. in l.gov/p orta l/server.p t/om im in ity/n a tion a l_sp en t_m ilea r_fu el/ 389/national_spent_nulear_fuel_-_snf_data, aessado em Janeiro de Waste, ILW) por ano. Irá gerar também 20 nr3, ou 27 toneladas de ombustível irradiado, que orrespondem a um volume de repositório de 75 m3 após enapsulamento se o SNF for tratado omo rejeito. Por outro lado, se o ombustível for reproessado, apenas 3 m3 de rejeito vitrifiado serão produzidos, o que eqüivale a um volume de armazenamento de 28 m3 após a oloação no aondiionamento (anister). Alguns países, om o França, Japão, Rússia, índia e China tem omo polítia a reilagem dos ombustíveis irradiados, através de reproessamento e utilização de ombustivel de óxido misto Uranio-Plutonio (M OX) em reatores LWR. A tabela 1.2 resume as deisões e os estágios de avanço na questão do tratamento dos ombustíveis nuleares irradiados ou do HLW para vários países.

31 28 Capítulo 1. Introdução Tabela Politía sobre ombustível nulear irradiado é disposição do HLW, adaptado de http: //w o rld -n u le a r. o r g /in f o /in f 04. html, aessado em março de País Polítia Instalações e os progressos para depósitos finais Bélgia Canadá China Reproessamento Disposição direta Reproessamento Central de armazenamento de resíduos em Dessel. Laboratório subterrâneo riado em 1984 em Mol. Construção de repositório om previsão d«entrar em operação em 2035, Repositório geológio profundo onfirmado omo polítia, reuperável2. Repositório de pesquisa do sítio a partir de 2009, previstas para. utilização em Central de armazenamento de ombustível usado em LanZhou. Esolha do loal do repositório para. ser onluída até Finlândia França Alemanha Disposição direta Reproessamento Reproessamento Laboratório de pesquisa subterrânea a partir de 2020, iníio do repositório em Programa iniiou-se em 1983, dois armazenamentos de ombustível usados em operação. Aprovação para onstrução do repositório em Depósito geológio profundo de pesquisa em onstrução, repositório planejado a partir deste repositório de pesquisa, perto de Olkiluoto, iníio em Laboratórios subterranêos em Argila e Granito, parlamento aprovou em 2006 a onstrução do repositório profundo, projetado para ser reuperável e reversível. Provavelmente o repositório será lieniado em 2015 e iniiará a operaçao em Planejamento repositório omeçou Armazena mas mudando mento de ombustível usado em Ahaus e Gorleben. para disposição direta Depósito geológio pode estar operaional em Gorleben depois de Reuperável signifia que os EC poderão ser retirados do repositório aso se deida pelo reproessamento e reilagem do SNF no futuro.

32 Seção 1.1. Estado da arte das pesquisas em reatores híbridos no mundo 29 Tabela 1.2 ontinuaçao da página anterior índia Japao Repfpessamentb Reproessamento Investigação sobre repositório geológio profundo para HLW. Laboratório subterrâneo em Mfeamamti em granito desde Instalação de afniazenãniênto de resíduos HLW em Rokkasho desde País Polítia Instalações e os progressos para depósitos finais Armazenamento de HLW aprovado para Mutsu a partir de Km 2000 iniiou seleção de loal para depósito geológio profundo, em onstrução 2025 e operação a partir de 2035, reuperável. Rússia Repfpessamentô Laboratório subterrâneo em granito ou gnaisse na região de Krasnoyarsk a partir de 2015, pode evoluir para repositório. Loais para o repositório final sob investigação na. península de Kola, Várias instalações provisórias de armazenamento em operação. Coréia do Disposição Programa de resíduos onfirmado em Depósito Sul direta de armazenagem lemporáfiã entralizado planejado para operar a partir de Espanha Disposição Estabeleimento de uma empresa naional de gestão direta de rejeitos (ENRESA) em 1984, seu plano foi aprovado em Armazenagem provisória entral, provavelmente em Trillo, a partir de Pesquisa Suéia Suíça Disposição direta RepróCêssániento sobre repositório geológio profundo e deisão após Instalação de armazenamento de ombustível usado Central - CLAB - em operaçló desde Laboratório de pesquisa subterrâneo na ASPO para repositório de HLW. Loal seleionado para o repositório. Armazenamento temporário entral para HLW em Zwilag desde Central de armazenamento de LLW e ILW em operação desde Laboratório de pesquisa subterrâneo de repositório de resíduos HLW no Grimsel desde Repositório profundo em 2020, projeto para ser reuperável.

33 30 Capítulo 1. Introdução Tabela 1.2 ontinuação da página anterior País Polítia Instalações e os progressos para depósitos finais Reino Unido Reproessamento Depósito de resíduos de baixa em operação desde 1959, HLW do reproessamento é vitrifiados e armazenados em Sellafield. EUA Disposição direta mas reonsiderando Loalização do repositório depende de aprovação da omunidade. Nova subsidiária riada para o operar o armazenamento geológio. DOE responsável por ombustível utilizado a partir de 1998, o fundo para resíduos possui fundos de 31 bilhões de dólares amerianos. Considerável pesquisa se desenvolvimento no repositório de Yua Mountain, Nevada. Deisão de 2002 que depósito geológio seja em Yua Moimtain foi ombatido politiamente em 2009 No Brasil, o Comitê de Desenvolvimento do Programa Nulear Brasileiro - CDPNB, riado em julho de 2008 por dereto do Presidente da Repúblia, estabeleeu omo meta que o Depósito Pinai de Rejeitos Radioativos de Baixa e Média Atividades (Repositório Naional) entre em operação em 2018 e que o Depósito Intermediário de Longa Duração para ombustível usado, em Essas metas são ompatíveis om as ondiionantes do proesso de lieniamento ambiental da Usina Angra 3. Note-se que a responsabilidade legal pela implantação de depósitos intermediários e finais de rejeitos radioativos é da Comissão Naional de Energia Nulear - CNEN, tendo o operador da instalação geradora de rejeitos a responsabilidade limitada aos depósitos iniiais. Está em andamento a onstrução; de um depósito iniial de ombustível irradiado na Central Nulear Almirante Álvaro Alberto para armazenar os ombustíveis irradiados que hoje estão nas pisinas anexas aos reatores3. A reilagem de elementos ombustíveis usados no Brasil ainda não é viável nem ténia nem eonomiamente. Uma vez que o Depósito Intermediário de Longa Duração será 3 fonte: h ttp : //www.ele tro n u le a r.gov.br/perguntas_respostas/perguntas_respostas.php? id_ategoria=4& id_subategoria=17, aessado em 22 de junho de 2011.

34 Seção 1.1. Estado da arte das pesquisas em reatores híbridos no mundo 31 projetado para o armazenamento por 500 anos, uma deisão futura deverá ser tomada quanto ao reproessamento e à onstrução de um repositório geológio definitivo (eterno). O preço atual do yellow akeçu^og) está em era de 120 dólares o quilo4. Alguns estudos mostram que a opção pelo reproessamento passa a ser eonomia om preços do Urânio da ordem de 300 a 400 dólares (Bunn et al., 2005; Burh et al., 1996). Embora om os preços atuais a opção pelo OTFC seja mais eonômia, a opção pelo reproessamento e reilagem do ombustível irradiado melhora a aeitação da energia nulear, a aeitação dos repositórios intermediários e torna a energia nulear sustentável (AREVA, 2011)5, mesmo om um ligeiro aumento na onta de energia elétria paga pelo onsumidor. Um estudo do OECD-NEA omparou vários enários de ilo de ombustível avançados envolvendo ADS e reatores rápidos. Uma das onlusões deste estudo foi que os ustos relaionados à eliminação do inventário de TRU, que iria para o repositório, aumentaria o usto da geração nuleoelétria em 10-20%, dependendo da tenologia adotada (Ageny, 2002). A baixa sensibilidade do usto do kwh nuleoelétrio deve-se ao fato do usto do ombustível orresponder a uma pequena fração do usto total desta forma de geração. Os rejeitos do reproessamento são onsiderados HLW e neessitam ser solidifiados (vitrihados) e armazenados em um repositório geológio. Caso esta opção seja adotada, o volume, massa e energia de deaimento destes rejeitos são ordens de grandeza menor do que a opção por disposição direta dos elementos ombustíveis irradiados, uma vez que era de 1% do ombustível irradiado é om posto por HLW. Os prinipais ontribuintes para a radiotoxidade de longo prazo são o Plutônio, Urânio, os M A e os LLFP de forma que o reproessamento e reilagem destes reduz a radiotoxidade por um fator ~100, onforme explorado no trabalho de Gonzalez-Romero (2011) e von Lensa et al. (2008). No entanto, o fato do HLW proveniente do reproessamento onter M A e LLFP om meias-vidas da ordem de milhares ou milhões de anos, mesmo o armazenamento destes resíduos na forma vitrihada ainda provoa sérias preoupações na soiedade, uma vez que a humanidade nuna projetou uma instalação para operar durante esta esala de tempo. 4 fonte: w w.ux.om /review /ux_p ries.aspx, aessado em 20 de junho de h ttp : / / u s. areva. om/en/home-1413/areva-w h ite -p a p e r-re y lin g -p ro v id e s-s t r a t e g i -fle x i b i l it y - htm l, aessadoemmaiode2011.

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

COEFICIENTES DE ATRITO

COEFICIENTES DE ATRITO Físia Geral I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protoolos das Aulas Prátias 003 / 004 COEFICIENTES DE ATRITO 1. Resumo Corpos de diferentes materiais são deixados, sem veloidade iniial, sobre um plano

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPITULO 1 - Introdução 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO O estado gasoso O estado gasoso é ertamente o estado de agregação sob o qual menos nos debruçamos, se pensarmos na observação que fazemos daquilo que nos

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FÁO KED MYAZAWA om a olaboração de TOMASZ KOWATOWSK nstituto de Computação - UNCAMP ersão 20001 Estas notas de aula não devem ser usadas omo únia

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES J.T.Assis joaquim@iprj.uerj.br V.I.Monin monin@iprj.uerj.br Souza, P. S. Weidlih, M. C. Instituto Politénio IPRJ/UERJ Caixa Postal

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor.

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor. Colégio Ténio Antônio Teieira Fernandes Disiplina ICG Computação Gráfia - 3º Anos (Informátia) (Lista de Eeríios I - Bimestre) Data: 10/03/2015 Eeríios 1) Elabore um proedimento em C++ que passe os pares

Leia mais

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA PAULO MATOS MARTINS PROF. ADJUNTO, ISEL. EDUARDO NABAIS ENCARREGADO DE TRABALHOS, ISEL RUI CABRAL TÉCNICO SUPERIOR, IEP - SANTARÉM

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS Miguel Edgar Morales Udaeta Riardo Laerda Baitelo Geraldo Franiso Burani José Aquiles Baesso Grimoni GEPEA-USP

Leia mais

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI)

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) Um momento... deixe-me pensar! PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) O que é o PEI O PEI é um programa de intervenção ognitiva que tem omo objetivo desenvolver no indivíduo as habilidades básias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO ANÁLISE DE ALGORITMOS COMPUTACIONAIS UTILIZADOS EM SISTEMAS DE PLANEJAMENTO DE BRAQUITERAPIA DE ALTA TAXA DE DOSE ESTUDO COMPARATIVO COM O CÓDIGO

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

A escolha do consumidor sob incerteza

A escolha do consumidor sob incerteza UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL Departamento de Eonomia - DECON A esolha do onsumidor sob inerteza Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 1 Introdução A inerteza faz parte da vida, nos

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos

Bancos de Dados Distribuídos Espeialização em Engenharia de Software Marta Mattoso Banos de Dados Distribuídos Bibliografia Utilizada Î Özsu, M.T. Valduriez, P. "Priniples of Distributed Database Systems", Prentie Hall, 1991. Elmasri,

Leia mais

3 Capacidade térmica à pressão constante

3 Capacidade térmica à pressão constante 4 3 Capaidade térmia à pressão onstante A apaidade térmia de um material qualquer representa a resistênia ao aumento de temperatura para uma dada quantidade de alor forneida. Quanto maior a apaidade térmia,

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

Padrões para Controle de Fluxo e sua Execução em Grade

Padrões para Controle de Fluxo e sua Execução em Grade e-siene 2007 e-siene Workshop Padrões para Controle de Fluxo e sua Exeução em Grade Alexandre R. Nardi 1, João E. Ferreira 2 1 Mirosoft Brasil 12901, Nações Unidas 04578-000 São Paulo SP Brasil 2 Instituto

Leia mais

ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS REJEITOS RADIOATIVOS UTILIZANDO AS EQUAÇÕES DE BATEMAN

ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS REJEITOS RADIOATIVOS UTILIZANDO AS EQUAÇÕES DE BATEMAN 9 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 9 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September7 to October, 9 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-994-3-8 ESTUDO DA TRANSMUTAÇÃO DE ALGUNS

Leia mais

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo.

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo. Geografia 61 Dentre os 50 países mais pobres do mundo, lassifiados segundo o Índie de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nessa região.

Leia mais

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa Lingua Portuguesa Introdução Nosso negóio tem tudo a ver om a demanda dos nossos lientes ompreender a forma omo trabalham e ajudá-los em todos os sentidos om a melhoria ontínua, uma saga que nuna termina.

Leia mais

Aula 7 Fótons e ondas de matéria I. Física Geral F-428

Aula 7 Fótons e ondas de matéria I. Física Geral F-428 Aula 7 Fótons e ondas de matéria I Físia Geral F-8 No iníio do séulo XX, a maioria dos físios areditava que a Físia estava omleta, desrita através da Meânia Clássia, do letromagnetismo de Maxwell e da

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DA CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS DE BAIXO CUSTO PARA USO EM VISÃO COMPUTACIONAL

AUTOMATIZAÇÃO DA CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS DE BAIXO CUSTO PARA USO EM VISÃO COMPUTACIONAL AUTOMATIZAÇÃO DA CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS DE BAIXO CUSTO PARA USO EM VISÃO COMPUTACIONAL Fábio Santos Lobão lobao@ene.unb.br ENE FT UNB Caixa Postal 4386 CEP 70919-970 - Brasília DF Adolfo Bauhspiess adolfo@ene.unb.br

Leia mais

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Universidade ederal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 200 Assoiação rasileira de Métodos Computaionais em Engenharia Aoplamento entre o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos

Leia mais

3 Conceitos Fundamentais

3 Conceitos Fundamentais 3 Coneitos Fundamentais Neste aítulo são aresentados oneitos fundamentais ara o entendimento e estudo do omressor axial, assim omo sua modelagem termodinâmia 3 Máquinas de Fluxo As máquinas de fluxo odem

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados Metodologia de Cálulo da Inéria Inflaionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados I. Introdução Esta nota apresenta a metodologia usada atualmente para quantifiar o efeito, via inéria, da inflação

Leia mais

Integrando Textura e Forma para a Recuperação de Imagens por Conteúdo

Integrando Textura e Forma para a Recuperação de Imagens por Conteúdo Integrando Textura e Forma para a Reuperação de Imagens por Conteúdo André G. R. Balan 1, Agma J. M. Traina, Caetano Traina Jr. 3, Paulo M. Azevedo-Marques 4 1,,3 Grupo de Base de Dados e Imagens (GBDI),

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Imagens Comprimidas Através da Transformada Wavelet

Sistema de Armazenamento de Imagens Comprimidas Através da Transformada Wavelet Campus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Sistema de Armazenamento de Imagens Comprimidas Através da Transformada Wavelet JAQUELINE FERREIRA DA SILVA Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR Luiz Carlos Pereira VARGAS (1); Cleiton Rubens Formiga BARBOSA, (); Franiso de Assis Oliveira FONTES (3); Igor Marel Gomes ALMEIDA

Leia mais

G.F. Leal Ferreira 1. Recebido em 07/08/2004; Revisado em 17/11/2004; Aceito em 18/11/2004

G.F. Leal Ferreira 1. Recebido em 07/08/2004; Revisado em 17/11/2004; Aceito em 18/11/2004 Revista Brasileira de Ensino de Físia, v. 26, n. 4, p. 359-363, (2004) www.sbfisia.org.br Como o potenial vetor deve ser interpado para revelar analogias entre grandezas magnétias e elétrias (How the vetor

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA V SBQEE 21 a 24 de agosto de 25 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7653 Tópio: Modelagem e Simulações PROGRAMA COMPTACONAL PARA AVALAÇÃO DE HARMÔNCOS E DESEQLÍBROS EM SSTEMAS DE POTÊNCA Kagan, N Smidt, H

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

Análise de Estratégias para Participação Ativa de Consumidores na Contratação Bilateral de Eletricidade em Mercados Liberalizados

Análise de Estratégias para Participação Ativa de Consumidores na Contratação Bilateral de Eletricidade em Mercados Liberalizados Filipa Sofia Beja Ventura Fortuna Bispo Lieniada em Engenharia Eletroténia e de Computadores Análise de Estratégias para Partiipação Atia de Consumidores na Contratação Bilateral de Eletriidade em Merados

Leia mais

APROXIMAÇÕES PARA MEDIDAS DE DESEMPENHO EM SISTEMAS DE FILAS COM SERVIDORES HETEROGÊNEOS

APROXIMAÇÕES PARA MEDIDAS DE DESEMPENHO EM SISTEMAS DE FILAS COM SERVIDORES HETEROGÊNEOS APROXIMAÇÕES PARA MEDIDAS DE DESEMPENHO EM SISTEMAS DE FILAS COM SERVIDORES HETEROGÊNEOS Frederio Samartini Queiroz Alves Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos 6627Belo Horizonte-MG CEP

Leia mais

PAPER 1/6. Micro central hidrelétrica com turbina hidrocinética (Estudo de caso no Rio Caçadorzinho)

PAPER 1/6. Micro central hidrelétrica com turbina hidrocinética (Estudo de caso no Rio Caçadorzinho) PAPE 1/6 itle Miro entral hidrelétria om turbina hidroinétia (Estudo de aso no io Caçadorzinho) egistration Nº: (Abstrat) AWLC6774 Universidade enológia Federal do Paraná UFP (Campus Pato Brano) Via do

Leia mais

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584 Profa. Dra. Silia M de Paula Refração da luz A refração da luz é um fenômeno que ertamente já foi preseniado por todos. Quando obseramos um talher oloado dentro de opo om água, a impressão que temos é

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

19. SUSPENSÃO TRASEIRA

19. SUSPENSÃO TRASEIRA 19. SUSPENSÃO TRASEIRA INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 19-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 19-1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS 19-2 ES 19-7 GARFO TRASEIRO 19-11 ARTICULAÇÕES DA SUSPENSÃO PRÓ-LINK 19-11 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA BIBGTR; UM CONJUNTO DE BIBLIOTECAS DE DADOS NUCLEARES PARA OS CÓDIGOS UNIMUG E ANISN Shizuca Ono Alexandre D. Caldeira NOTA TÉCNICA IEAv - 013 /89 (Nov /89) BIBGTR; UM CONJUNTO

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades VOLUME QUÍMICA Resoluções das Atividades Sumário Capítulo 8 Propriedades oligativas II Criosopia e pressão osmótia...1 Capítulo 9 Termodinâmia Químia... Capítulo 10 Entalpia I Fatores que influeniam o

Leia mais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais Linguagens e ódigos igitais Sumário do Volume 1. Gráfios de geografia 05 2. Homotetia 08 3. ivisão Áurea 13 4. Sequênia de Fionai 14 5. Fratais 18 6. álulo de área de figuras planas 28 7. Semana de arte

Leia mais

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Ojetivos 1. Introduzir o oneito de logaritmo 2. Mostrar algumas apliações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Conteúdos Logaritmo: álulo e

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A POV DE FÍSI 2º NO - 3ª MENS - 1º TIMESTE TIPO 1) Nos quadrinhos da tira, a mãe meniona as fases da água onforme a mudança das estações. Entendendo-se boneo de neve omo "boneo de gelo" e que, om o termo

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende Universidade do Estado do io de Janeiro ampus egional de esende Tratamentos ísio-químios de Águas Prof. esar Pereira MÓULO I 1. ALEIAS No estudo dos tratamento de águas para aldeiras, onentraremos nossa

Leia mais

O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE

O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE JOSÉ NATÁRIO 1. Introdução Dos muitos milagres tenológios de que dispomos no séulo XXI, e que teriam sem dúvida pareido magia a gerações passadas, existe um que mudou ompletamente

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Alessandro Tomio Takaki

Alessandro Tomio Takaki UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE DO APROVEITAMENTO

Leia mais

Análise do trade-off na produção de açúcar e álcool nas usinas da região Centro-Sul do Brasil

Análise do trade-off na produção de açúcar e álcool nas usinas da região Centro-Sul do Brasil ANÁLISE DO TRADE-OFF NA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL NAS USINAS DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL WAGNER MOURA LAMOUNIER; MÁRIO FERREIRA CAMPOS FILHO; AURELIANO ANGEL BRESSAN; UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS PARÂMETRO DESRIÇÃO IMAGEM SÍNTESE FUNIONAL ENTORNO IDENTIFIAR A RELAÇÃO DO EDIFÍIO OM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, ONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFIADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO

Leia mais

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD XX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES-SBT 3, -8 DE OUTUBRO DE 23, RIO DE JANEIRO, RJ Caraterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD Kleber L. Borges e Fernando J.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA COORDENADORA DO CURSO Profa. Ms. Claudia Eliana Silveira SANTA LUZIA

Leia mais

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2)

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2) 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)tVLFD TXHVW}HV. M e N são etores de módulos iguais ( M = N = M). O etor M é ixo e o etor N pode girar em torno do ponto O (eja igura) no plano ormado por M e N. endo R = M + N,

Leia mais

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4 EXERCíCIOS CAPÍTULOS E 4 1. Considere um sistema de omuniações em banda base analógio om AWGN. O anal não introduz distorção e a densidade espetral de potênia do ruído é N 0 /2 é igual a 10-9 W/Hz. O sinal

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Ondas

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Ondas Exeríios de Aprofundamento 015 Fis - Ondas 1. (Makenzie 015) O gráfio aima representa uma onda que se propaga om veloidade onstante de 00 m / s. A amplitude (A), o omprimento de onda ( λ ) e a frequênia

Leia mais

ESTUDO DO ACOPLAMENTO DE GRUPOS MOTOR-GERADOR COM UNINTERRUPTIBLE POWER SUPPLY APLICANDO WAVELETS E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

ESTUDO DO ACOPLAMENTO DE GRUPOS MOTOR-GERADOR COM UNINTERRUPTIBLE POWER SUPPLY APLICANDO WAVELETS E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DO ACOPLAMENTO DE GRUPOS MOTOR-GERADOR COM UNINTERRUPTIBLE POWER SUPPLY APLICANDO

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas Plano de Gestão de Risos e Infrações Conexas (Fevereiro 2014) Página 1 de 26 NOTA INTRODUTÓRIA E APROVAÇÃO A TRATOLIXO, E.I.M. dispõe, nos termos da lei, de um Plano de Gestão de Prevenção de Risos de

Leia mais

A4 - CINÉTICA DE REATORES

A4 - CINÉTICA DE REATORES A4 - CINÉTICA DE REATORES 4. INTRODUÇÃO Ao estudarmos o "Fator de Multiplicação Subcrítica"verificamos que a população de nêutrons permanece constante para um determinado K

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc O que é Monte Carlo? O nome MONTE CARLO foi dado à um tipo de método matemático por cientistas que trabalhavam no desenvolvimento de armas nucleares em Los Alamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE POS-GRADUAÇAO EM CIÊNCIAS E TÉCNICAS NUCLEARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE POS-GRADUAÇAO EM CIÊNCIAS E TÉCNICAS NUCLEARES UNVERSDADE FEDERAL DE MNAS GERAS CURSO DE POS-GRADUAÇAO EM CÊNCAS E TÉCNCAS NUCLEARES CONTRBUÇÃO AO ESTUDO E AVALAÇÃO DA GERAÇÃO DE REJETOS RADOATVOS NO PROGRAMA NUCLEAR BRASLERO Belo Horizonte 1978

Leia mais

ESTUDO DA MINIMIZAÇÃO DO CUSTO DE USINAGEM DE AÇO DURO USANDO A METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA

ESTUDO DA MINIMIZAÇÃO DO CUSTO DE USINAGEM DE AÇO DURO USANDO A METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção ESTUDO DA MINIMIZAÇÃO DO CUSTO DE USINAGEM DE AÇO DURO USANDO A METODOLOGIA

Leia mais

JOÃO GILBERTO TEIXEIRA SILVA

JOÃO GILBERTO TEIXEIRA SILVA JOÃO GILBERTO TEIXEIRA ILVA CONTRIBUIÇÃO AO PROJETO DE ELEMENTO ETRUTURAI DE CONCRETO ARMADO COM DECONTINUIDADE ATRAVÉ DO MODELO DE PAINÉI ENRIJECIDO. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Interações Estratégicas e Financiamento de Projetos Ambientais: alguns efeitos localizados acerca do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Interações Estratégicas e Financiamento de Projetos Ambientais: alguns efeitos localizados acerca do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Interações Estratégias e Finaniamento de Projetos mbientais: alguns efeitos loalizados aera do Meanismo de Desenvolvimento Limpo Resumo Fernando de Mendonça Dias Franiso S. Ramos partir da utilização de

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS APROXIMAÇÕES UTILIZADAS NO PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DE BRAQUITERAPIA DE PRÓSTATA. Juraci Passos dos Reis Junior

AVALIAÇÕES DAS APROXIMAÇÕES UTILIZADAS NO PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DE BRAQUITERAPIA DE PRÓSTATA. Juraci Passos dos Reis Junior AVALIAÇÕES DAS APROXIMAÇÕES UTILIZADAS NO PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DE BRAQUITERAPIA DE PRÓSTATA Jurai Passos dos Reis Junior Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Nulear,

Leia mais

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5 COMPORTAMENTO DA UTILIZAÇÃO DE FILTRO DIGITAL NA ESTIMATIVA DA DENSIDADE ESPECTRAL DE ENERGIA TURBULENTA EM SÉRIES DE TEMPERATURA E COMPONENTE VERTICAL DO CAMPO DE VENTO. Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame.

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame. 1. Na esola da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos alunos pela leitura. Um inquérito realizado inluía a questão seguinte. COTAÇÕES «Quantos livros leste desde o iníio do ano letivo?» As respostas

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor Esola Seundária om 3º Cilo de Madeira Torres. Fiha de Avaliação Diagnóstia de Físia e Químia A 203/204 Aluno: nº Data: Professor Grupo I. A figura mostra um esquema do iruito de Indianápolis, onde se realizam

Leia mais

Uma arquitetura de baixo acoplamento para execução de padrões de controle de fluxo em grades

Uma arquitetura de baixo acoplamento para execução de padrões de controle de fluxo em grades Uma arquitetura de baixo aoplamento para exeução de padrões de ontrole de fluxo em grades Alexandre Riardo Nardi Tese apresentada ao Instituto de Matemátia e Estatístia da Universidade de São Paulo para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação à divisão elular, julgue os itens a seguir. 41 O posiionamento dos romossomos na plaa equatorial, que oorre durante a metáfase, é fundamental para a orreta migração dos romossomos homólogos

Leia mais

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 Esta Norma estaelee os parâmetros para o transporte terrestre dos produtos perigosos quimiamente inompatíveis que

Leia mais

2. Teoria das Filas. 2.1. Características estruturais dos sistemas de fila

2. Teoria das Filas. 2.1. Características estruturais dos sistemas de fila 2. Teoria das Filas Segudo Fogliatti (2007), a teoria das filas osiste a modelagem aalítia de proessos ou sistemas que resultam em espera e tem omo objetivo determiar e avaliar quatidades, deomiadas medidas

Leia mais

GEOGRAFIA 01) Para se evitar a erosão do solo em terrenos inclinados:

GEOGRAFIA 01) Para se evitar a erosão do solo em terrenos inclinados: PROCESSO SELETIVO MCRO PSM 005 GEOGRFI 01) Para se evitar a erosão do solo em terrenos inlinados: a) emprega-se um plano raional de adubação verde. b) ultiva-se ao longo dos vales fluviais. ) ultiva-se

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

Implementação do SIG de Avaliação de Impacte Ambiental do ICN

Implementação do SIG de Avaliação de Impacte Ambiental do ICN Fauldade de Ciênias da Universidade de Lisboa Implementação do SIG de Avaliação de Impate Ambiental do ICN Pedro Jorge GonçalvesVaz Relatório de Estágio Profissionalizante para obtenção da Lieniatura em

Leia mais

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar Transmissor e eeptor Sintonizáveis om Proessamento Óptio para edes CDMA Óptias om Assinatura Bipolar Eduardo isenbaum *, Celso de Almeida e Vitor oha de Carvalho esumo Uma nova arquitetura para o transmissor

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO Proeedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sienes and Engineering -- ENCIT 2006 Braz So of Mehanial Sienes and Engineering -- BCM, Curitiba, Brazil, De 58, 2006 METODOLOGI DE NÁLISE ENERGÉTIC

Leia mais

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando:

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando: CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO Exame II Citações e Notifiações Duração: 1 hora 4 de Maio A preenher pelo formando: Nome do formando (ompleto e legível): Identifiação do Agente de Exeução:

Leia mais

Dia Mundial da Saúde. Associação Comercial de São Paulo. 1. Introdução. Movimento Ame o Coração Relatório de Resultado:

Dia Mundial da Saúde. Associação Comercial de São Paulo. 1. Introdução. Movimento Ame o Coração Relatório de Resultado: Assoiação Comerial de São Paulo Loal: Pateo do Collegio 1. Introdução A prevalênia da obesidade vem aumen tando entre os adultos, tanto nos países desen volvidos quanto naqueles em desenvolvi mento (Popkin,

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

bna Plano Diretor de Geoprocessamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO

bna Plano Diretor de Geoprocessamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO Plano Diretor de Geoproessamento da Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO Este doumento foi produzido om software livre: Finaniado através de reursos do PNAFM Este doumento está

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

Produtividade e eficiência relativa de produção em sistemas de produção de pesquisa agropecuária*

Produtividade e eficiência relativa de produção em sistemas de produção de pesquisa agropecuária* Produtividade e efiiênia relativa de produção em sistemas de produção de pesquisa agropeuária* Geraldo da Silva e Souza** Eliseu Alves** Antonio Flávio Dias Ávila** Elmar Rodrigues da Cruz** Sumário: I.

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Subunidade Orgânia de Expediente Geral DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 Serviço responsável pela exeução da deliberação Gabinete de apoio à Presidênia Epígrafe Alienação

Leia mais

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES & Construções CONCRETO PROTENDIDO APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERATÓRIOS E EDIFICAÇÕES Instituto Brasileiro do Conreto Ano XLIII 78 ABR-JUN 2015 ISSN 1809-7197 www.ibraon.org.br PERSONALIDADE

Leia mais

bna Plano Diretor de Geoprocessamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO

bna Plano Diretor de Geoprocessamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO Plano Diretor de Geoproessamento da Fortaleza, 23 de outubro de 2007 Produzido pela empresa OpenGEO Este doumento foi produzido om software livre: Finaniado através de reursos do PNAFM Este doumento está

Leia mais

APLICAÇÃO DO CLASSIFICADOR NAIVE BAYES PARA IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO

APLICAÇÃO DO CLASSIFICADOR NAIVE BAYES PARA IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO ABCM Symposium Series in Mehatronis - Vol. 6 Setion I Apliações de Inteligênia Artifiial APLICAÇÃO DO CLASSIFICADOR NAIVE BAYES PARA IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS DE UM MANIPULADOR ROBÓTICO Bruna dos Santos

Leia mais