INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento"

Transcrição

1 DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009

2 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento de navegação VFR por contato e estimada. Devido à mudança do modo de exames da IVAO, este documento é de suma importância o conhecimento para o planejamento de navegações do exame de PP. 2 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2.1 Noções básicas para cálculo Regra de três simples. Regra de três simples é um processo matemático para o qual aplicamos em fatores que sejam diretamente proporcionais. Este é um dos únicos cálculos que vamos utilizar para a navegação aérea. Exemplo: Uma aeronave percorre 120NM em 45min, quantas NM percorrerá em 1h: 120NM -> 45min X -> 60min X = 60 x 120 / 45 X = 160NM Ou seja, a aeronave percorrerá 160NM em 1h (60min) Gradiente de temperatura positiva Nos próximos capítulos precisaremos saber como calcular a temperatura estimada no nível de vôo, para isso será necessário ter conhecimento sobre o Gradiente de temperatura positivo Este gradiente diz que: para cada 1000ft que sua aeronave subir, a temperatura tende a diminuir 2ºC. Exemplo:

3 Página: 003/017 Uma aeronave decola de Congonhas (2500 ) com temperatura local de 21ºC e irá efetuar seu vôo no FL150. Qual será a temperatura no nível de vôo desta aeronave? Veja bem, para saber quantos graus estará no FL final, precisamos saber qual será a variação de temperatura que ela sofreu. Como dissemos anteriormente, para cada 1000 de subida, a temperatura diminuirá 2ºC, então vamos descobrir quantos pés subirá a aeronave. Variação de altitude = Altitude final Altitude inicial Variação de altitude = Variação de altitude = Sabendo que a variação de altitude será pés, chegamos à conclusão que, a temperatura irá variar 25ºC, pois para cada 1000 ela irá variar 2ºC. Podemos calcular essa variação por regra de três simples da seguinte forma: > 2ºC > xºc XºC -> 2 x / 1000 XºC -> 25ºC Sabendo que a variação será de 25º, a temperatura no nível 150 será de -4ºC (21ºC 25ºC) Cálculo de TAS (VA) Nos próximos capítulos aprenderemos como calcular autonomia mínima e abastecimento mínimo estimado de vôo, para isso iremos utilizar como base de cálculo a TAS (True Air Speed) ou também VA (Velocidade Aerodinâmica) ATENÇÃO: Para vôos reais, para calcular estimados de vôo é utilizado a GS (Ground Speed), porém, para simulação iremos utilizar a TAS.

4 Página: 004/017 TAS é a velocidade que é corrigida para erros de temperatura e pressão. Como vimos anteriormente, para cada 1000 que subimos, nossa temperatura varia 2ºC, como a TAS leva em conta variação de temperatura, este conceito é de suma importância para calcularmos nossa TAS Cálculo de TAS em Cruzeiro Para calcularmos a TAS estimadas em voo de cruzeiro, devemos prosseguir da seguinte maneira: 1º) Descobrir a temperatura no nível de vôo. 2º) Descobrir a variação de altitude que iremos subir. 3º) Saber a IAS (velocidade indicada) que iremos manter em cruzeiro. De posso dos dados acima, iremos aplicar na seguinte fórmula: TAS = IAS + (IAS x 0,02* x Alt. / 1000) *2% em nº decimal. Significa a variação de 2º para cada Uma aeronave decola do aeroporto de Barretos (2000 ) com destino à Congonhas, a temperatura em Barretos é de 25º e irá manter em vôo o FL200 e IAS de 230Kts. Qual a TAS estimada em cruzeiro? TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = (230 x 0,02 x / 1000) TAS = 313 Alt. = Altitude final Altitude inicial Alt = Alt. = Cálculo de TAS em Subida/Descida Para calcularmos TAS estimadas em subida ou descida é bem parecido com a de cruzeiro, porém irá precisar de um conceito a mais para efetuar este cálculo que é a Altitude Média. Para este cálculo precisará:

5 Página: 005/017 1º: Descobrir a temperatura média da subida ou descida. 2º: Descobrir a variação de altitude média de subida ou descida. 3º: Saber a IAS (velocidade indicada) que iremos manter na subida/descida. Exemplo: Uma aeronave decolou de Ribeirão Preto (1800 ) com destino à Brasília mantendo IAS de subida de 250kt, a temperatura em Ribeirão Preto é de 28ºC e irá voar no FL350. Qual será sua TAS estimada para subida? TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = ( 250 x 0,02 x / 1.000) TAS = 340 *Veja no item como calcular altitude média de subida/descida Como descobrir temperatura média de subida/descida Para descobri a temperatura média de subida ou descida, iremos precisar fazer uma média aritmética simples das temperaturas. Para isso utilizaremos a seguinte fórmula: Temperatura média = Temperatura Inicial + Temperatura Final / 2 Exemplo: Uma aeronave irá decolar de Salvador (0 ) com destino a Recife, irá manter o FL320. A temperatura em Salvador é de 15ºC. Qual será a sua temperatura média de subida? Como podem ver, falta um dado para podermos calcular a temperatura média, que é a temperatura no nível final, conforme vimos anteriormente no item 2.1.2, iremos fazer da seguinte maneira: Variação de altitude = Altitude final Altitude inicial Variação de altitude = Variação de altitude =

6 Página: 006/017 Fazendo a regra de 3 simples para achar a temperatura final, temos: > 2ºC > xºc XºC = (2 x 32000) / 1000 XºC = 64ºC Atenção: O valor de 64ºC encontrado é a variação de temperatura, para acharmos a temperatura no nível de voo iremos ter que subtrair esta variação da temperatura do aeroporto de decolagem, terá: Temp. FL320 = Tem. Aeroporto Variação Temp. FL320 = 15ºC 64ºC Temp. FL320 = -49ºC Com o dado conseguido acima, conseguiremos calcular a nossa temperatura média de subida: Temperatura média = (Temperatura Inicial + Temperatura Final) / 2 Temperatura média = 15ºC + (-49ºC) / 2 Temperatura média = -17ºC Como descobrir altitude média de subida/descida. Para descobrir a altitude média de subida é mais simples, precisamos apenas saber a altitude do aeroporto que estamos a altitude de cruzeiro. De posso destes dados, aplicamos em uma média aritmética simples e teremos: Altitude média = (Altitude Inicial + Altitude Final) / 2 Exemplo: Uma aeronave irá decolar de Salvador (0 ) com destino a Recife, irá manter o FL320. A temperatura em Salvador é de 15ºC. Qual será a sua temperatura média de subida? Altitude média = (Altitude Inicial + Altitude Final) / 2 Altitude média = ( ) / 2 Altitude média =

7 Página: 007/ Arredondamento Na aviação, como envolve muitos cálculos, para facilitar estudo e mesmo na prática existem os limitadores de arredondamento para cálculos, são eles: Arredondamento de Proa Nos próximos capítulos iremos estudar sobre RV (Rumo Verdadeiro) e arredondamento de proa também serve para definir nºs de pista. 1 2 Números terminados em 1, 2, 3 e 4 iremos arredondar para baixo. 3 Exemplo: 133º - 130; Rumo de cabeceira 164º -> Cabeceira nº Números terminados em 5, 6, 7, 8 e 9 serão arredondados para 7 cima. Exemplo: Proa 295º - 300º; Rumo de cabeceira 347º -> Arredondamento de altitude Para fazer arredondamento de altitudes, devemos levar em conta uma defasagem de 249 tanto acima quanto abaixo. Exemplo: 1230 = 1000 (Está 230 acima de 1000, então arredonda-se para baixo) 1250 = 1500 (Está 250 acima de 1000, portanto arrendonda-se para cima. O limite é de 249 no nível que se pretende arredondar) 4780 = 5000

8 Página: 008/017 3 EXEMPLO PRÁTICO Para facilitar a compreensão do estudo, faremos os cálculos da navegação fazendo um vôo simulado. Vale lembrar que os cálculos que serão passados são para uma navegação simples. Em qualquer cálculo não será levado em conta o fator do vento. 3.1 Vôo Simulado um Aeronave: C172 Origem: Barretos (1900 ) Destino: Uberlândia (3094 ) Alternativo: Ribeirão Preto (1801 ) IAS Cruzeiro: 126Kts IAS Subida: 100Kts IAS Descida: 120Kts FL de cruzeiro para destino: FL085 FL de cruzeiro para alternativo: FL105 V/S Subida: 500ft/min. V/S Descida: 500ft/min. Consumo subida: 60L/h Consumo cruzeiro: 55L/h Consumo descida: 48L/h Hora de decolagem: 1215Z Temperatura em Barretos: 30ºC Os dados acima são itens que normalmente sabemos devido à operação da aeronave. É obrigação do piloto saber operar a aeronave que irá operar. De posse dos dados acima, para planejamento de nossa rota, vamos seguir o seguinte roteiro: Cálculo de Autonomia e Abastecimento mínimo. Tempo e distância para subida. Tempo e distância para descida.

9 Página: 009/017 Tempo e distância de vôo em cruzeiro. Neste primeiro vôo simulado, vamos descartar a navegação para o aeroporto alternativo e também descartar o vento em vôo, como deve ser feito em navegações reais de PP Cálculo de autonomia e abastecimento mínimo Para efetuar cálculos de abastecimento e autonomia mínima, temos que ter em mente as definições de abastecimento e autonomia. Quando dizemos autonomia estamos falando de tempo, ou seja, o combustível mínimo que deverei abastecer para fazer meu vôo. Quando dizemos abastecimento é a quantidade de combustível que iremos abastecer a aeronave. Para efetuar este cálculo, como estamos falando apenas de vôo VFR, a fórmula a ser utilizada será: A = Aeroporto de origem A->B + B->C + 45min B = Aeroporto de destino C = Aeroporto de alternativo Combustível necessário da origem ao destino, mais alternativo e mais 45min de vôo Para facilitar o entendimento e evitar o máximo de erros possíveis, aconselho vocês a fazer este cálculo seguindo a seguinte tabela: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B B ->C 45min Aut. Mínima -> Abast. Mínimo -> *Para cálculos de abastecimento e autonomia mínima, leva-se em conta apenas vôo de cruzeiro.

10 Página: 0010/ Calculando a TAS Conforme vimos no item 2.1.3, iremos utilizar a seguinte equação: TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) Calculando TAS da origem ao destino (A -> B): TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = (126 x 0,02 x 8500 / 1000) TAS = 147Kts Calculando TAS do destino ao alternativo (B -> C): TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = (126 x 0,02 x / 1000) TAS = 152Kts Calculando as TAS, agora temos: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B 147 B ->C min - Aut. Mínima -> Abast. Mínimo -> Calculando Tempo de vôo Para efetuar cálculo de tempo de vôo, temos que saber a distância de vôo entre a origem e o destino bem como a distância do destino ao alternativo. No Flight Simulator você pode conseguir estas informações de vários modos: GPS, Flight Planner ou FS Navigator.

11 Após verificar as distâncias, obtive: Origem ao destino: 104NM Destino ao alternativo: 138NM Página: 0011/017 Com estes dados, utilizando regra de três simples, vamos obter: Tempo de vôo da origem ao destino: 60min -> 147NM X min -> 104NM X min = (104 x 60) / 147 X min = 42min A relação de 60min para 147NM é devido minha TAS que é de 147, ou seja, em uma hora (60min) percorro a distancia de 147NM Ou seja, irei demorar 42 min. para voar da minha origem até o destino. Tempo de vôo do destino ao alternativo 60min -> 152NM X min -> 138NM X min = (138 x 60) / 152 X min = 52min A relação de 60min para 152NM é devido minha TAS que é de 152Kts ou seja, em uma hora (60min) percorro a distancia de 152NM Ou seja, irei demorar 52min para percorrer 138NM (destino ao alternativo) Calculando o tempo de vôo, temos: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B min. 104NM B ->C min. 138NM 45min - 45 min. Aut. Mínima -> Abast. Mínimo ->

12 Página: 0012/017 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION Como podem ver, agora já podemos calcular a autonomia mínima. Some todos os tempos de vôo e obterá a autonomia mínima: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B min. 104NM B ->C min. 138NM 45min - 45 min. 114NM Aut. Mínima -> 139min = 2h19 Abast. Mínimo -> Calculando quantidade de combustível Para fazer calculo de quantidade de combustível, precisaremos de dois dados: Consumo em Cruzeiro Tempo de vôo Calculando quantidade de combustível da origem ao destino: 60min -> 55L 42min -> X L A relação de 55L em 60min deve-se ao consumo horário em cruzeiro. X L = (55 x 42) / 60 X L = 39L Calculando quantidade de combustível do destino ao alternativo: 60min -> 55L 52min -> X L X L = (55 x 52) / 60 X L = 48L

13 Página: 0013/017 Calculando quantidade de combustível para 45min de vôo: 60min -> 55L 45min -> X L XL = (55 x 45) / 60 X L = 41L Calculando a quantidade de combustível, teremos: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B min. 104NM 39L B ->C min. 138NM 49L 45min - 45 min. 114NM 41L Aut. Mínima -> 139min = 2h19 Abast. Mínimo -> Como podem ver, podemos calcular o abastecimento mínimo, basta somar todas as quantidades de combustível: Trecho TAS Tempo de vôo Distância Quant. Fuel A -> B min. 104NM 39L B ->C min. 138NM 49L 45min - 45 min. 114NM 41L Aut. Mínima -> 139min = 2h19 Abast. Mínimo -> 129L Tempo e distancia para subida Para cálculo de tempo e subida é mais simples do que os vistos até o presente momento, porém, requer muita atenção para não haver erros. Conforme falado anteriormente, neste tipo de navegação iremos utilizar como auxílio a TAS e não a GS.

14 Página: 0014/ Calculando TAS de subida Conforme visto no item , utilizaremos a seguinte equação: TAS = IAS + (IAS x 0,02* x Alt. / 1000) TAS = (100 x 0,02 x 5200 / 1000) TAS = 110kts 5200 é proveniente do cálculo de altitude média de subida. Pega-se a altitude inicial (altitude do aeroporto), soma-se com o nível de voo final e divide-se por 2. Para maiores detalhes, leia o item Tempo de subida Cálculo de tempo de subida é bem simples, precisamos apenas da variação de altitude que iremos subir e de nossa razão de subida. Variação de Altitude = Altitude final Altitude inicial Variação de Altitude = Variação de Altitude = 6600 De posse da variação de altitude, basta apenas colocar em comparação com a V/S de subida. 1 min -> 500ft X min -> 6.600ft X min = (1 x 6600) / 500 X min = 13 Ou seja, iremos demorar 13min para alcançar o nível de vôo 085.

15 Página: 0015/ Distância de subida Para cálculo de distância, precisaremos de nosso tempo de subida e a TAS média de subida. A relação de 60min para 110NM é proveniente da TAS calculada no 60min -> 110NM item min -> X NM X NM = (110 x 13) / 60 X NM = 24NM Tempo e distância de descida O calculo de tempo e distância de descida é muito semelhante ao de subida, seguindo a mesma ordem: TAS de descida: TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = (120 x 0,02 x 5750 / 1000) TAS = 134Kts 5750 é proveniente do cálculo de altitude média de descida. Pega-se a altitude inicial (altitude do nível de voo), soma-se com o nível do aeroporto de destino e divide-se por 2. Para maiores detalhes, leia o item Tempo de descida Cálculo de tempo de descida é bem simples, precisamos apenas da variação de altitude que iremos descer e de nossa razão de descida. 1min 500fts X min 5750 X min = 11,5min

16 Página: 0016/017 Distância de descida Para cálculo de distância, precisaremos de nosso tempo de subida e a TAS média de subida. 60min -> 134NM 11,5min -> X NM X NM = (134 x 11,5) / 60 X NM = 26NM Tempo e distância de cruzeiro Para melhor entendimento e evitar o máximo de acontecer erros, para o cálculo de cruzeiro, aconselho fazer por tabelas, como a que segue abaixo: Trecho TAS Tempo de voo Distância Subida min 24NM Descida min 26NM Cruzeiro 147 Cálculo da TAS em cruzeiro Conforme estudado no capítulo , calculamos TAS em cruzeiro da seguinte maneira: TAS = IAS + (IAS x 0,02 x Alt. / 1000) TAS = (126 x 0,02 x 8500 / 1000) TAS = 147Kts. Cálculo de distância Anteriormente, foi dito que a distância entre a origem e o destino é de 104NM, porém, não será esta a distância que iremos utilizar como base de

17 Página: 0017/017 cálculo, pois nesta distância há a subida e a descida, então utilizaremos a seguinte fórmula: Dist. Cruzeiro = Dist. Total Dist. Subida Dist. Descida Substituindo os valores que temos na fórmula acima, vamos ter: Dist. Cruzeiro = Dist. Total Dist. Subida Dist. Descida Dist. Cruzeiro = Dist. Cruzeiro = 54NM Cálculo de tempo de voo em cruzeiro Para cálculo de tempo de vôo em cruzeiro, vamos utilizar a TAS de cruzeiro e a dist. de vôo em cruzeiro: 60min -> 147NM X min -> 54NM X min = ( 54 x 60 ) / 147 X min = 22min Substituindo os dados encontrados na tabela, temos: Trecho TAS Tempo de voo Distância Subida min 24NM Descida min 26NM Cruzeiro min 54NM Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: BR-TA4 Guilherme Ali de Oliveira BR-TAC Lucas Bagatini BR-TC Fabiano Vasconcellos Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO IVAO Brasil Academy Versão 01 / Junho 2013 Radionavegação por VOR Autor: Andre Oscar Schneider Padronizado por:

Leia mais

Flight Planning Manual

Flight Planning Manual APRESENTAÇÃO Flight Planning Manual PVPUCRS Formulário para Monitoramento de Navegação Aérea Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 1 Folha de Revisões N.º Revisão Autor Data Assinatura Original Giovane

Leia mais

1 07 Com o put u a t dor o r d e V oo o Prof. Diego Pablo

1 07 Com o put u a t dor o r d e V oo o Prof. Diego Pablo 1 07 Prof. Diego Pablo 2 Também conhecido como E6B, o é uma ferramenta usada para diversos cálculos e conversões O é capaz de calcular: Multiplicações Divisões Proporções Regra de Três Componentes de Vento

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 -

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 - Arco DME 1 Índice Objetivo 3 Introdução 4 Interpretação do Procedimento 5 Etapas do Procedimento 5 Como calcular os Lead Points 6 Como manter o perfil do Arco DME 6 Exemplo Prático 8 Briefing da lição:

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Prodedimento RNAV (GNSS) Autor: TCel Av SERGIO KOCH Padronizado por: Cmte. João Gabriel

Leia mais

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros.

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. por Jerry Gibbs Revista Soaring - Julho 1980 Tradução e adaptação: Antonio Milan O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. Era uma

Leia mais

Altimetria. Ao nível do mar, com uma temperatura de 15ºC a pressão é de 1013.25 hpa ou 29.92 Hg. (segundo a ISA iremos ver mais à frente)

Altimetria. Ao nível do mar, com uma temperatura de 15ºC a pressão é de 1013.25 hpa ou 29.92 Hg. (segundo a ISA iremos ver mais à frente) Altimetria Altura, Altitudes e Níveis para muitos de nós, isto é parecido, talvez até a mesma coisa! Mas em aeronáutica, cada uma destas palavras tem um significado muito próprio, e quando confundidas,

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Estrutura do Espaço Aéreo Brasileiro Autor: Renan Rodrigues - VID378006 Padronizado por:

Leia mais

Manual de Usuário - TWSACARS

Manual de Usuário - TWSACARS Manual de Usuário - TWSACARS Marcelo Pires TrueWings Virtual Airlines 01/01/2013 Conteúdo 1 - Como instalar... 3 2 - Como configurar... 5 3 - Como utilizar o TWSACARS... 6 3.1 - Guia PIREP... 6 3.1.1 -

Leia mais

Departamento de Treinamento

Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Manual de Interpretação de Cartas SID ERC STAR - VAC Departamento de Treinamento - IVAOBR 1 Sumário SID 4 APRESENTAÇÃO 4 BRIEFING 5 CABEÇALHO 6 FREQÜÊNCIAS 6 PROCEDIMENTO 7

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly Boing 77-600,700 e 800 ifly Neste tutorial aprenderá a navegar operar o Boing 77-800 desde o processo de inicial de acionamento até o pouso no destino. Então vamos lá... Introdução Após a instalação da

Leia mais

PARA PEQUENAS DISTÂNCIAS

PARA PEQUENAS DISTÂNCIAS COMPUTADOR JEPPESEN PARA PEQUENAS DISTÂNCIAS EX.: VELOCIDADE: 120 KT DISTÂNCIA: 1,5 Nm TEMPO: 45 SEGUNDOS INDICA 1 HORA = 3600 SEG Velocidade: 120 Kt RESPOSTA: 45 seg. 1 PEQUENA DISTÂNCIA PERCORRIDA VELOCIDADE:

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Manual de Regras Básicas

Manual de Regras Básicas Manual de Regras Básicas 1 REGRAS GERAIS BÁSICAS PARA VOAR NA UP LINHAS AÉREAS VIRTUAIS 1. Apresentação A UP Linhas Aéreas Virtuais é uma empresa virtual, com objetivo de proporcionar entretenimento e

Leia mais

Você sabe a regra de três?

Você sabe a regra de três? Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação Eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Você sabe a regra de três?

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação.

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação. Aviação agrícola Voand A aplicação aérea é uma atividade com No entanto, existem fatores que influen podendo aumentar ainda mais o des Aprodutividade do trabalho efetuado com aeronaves agrícolas assu me

Leia mais

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar?

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar? A Ciência da Mecânica Washington Braga, Professor Associado 13/ Ano II Departamento de Engenharia Mecânica - PUC - Rio Título: Avião Voa? Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado

Leia mais

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO Panorâmica da Apresentação 1. Introdução 2. Estabilidade Direccional no Solo e Considerações Aerodinâmicas a Baixas Altitudes Estabilidade Direccional Efeito Solo

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS TREINAMENTO TÉCNICO: DA TEORIA A PRÁTICA Apostila de Treinamento (IAG-SISMO-042010) Elaborado por: Afonso Emidio de Vasconcelos Lopes Marcelo Assumpção SÃO PAULO

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida

SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida SEJA BEM-VINDO AO TOUR Missão Antártida Documento Missão Antártica 2015 Departamento de Eventos 2 Resumo do evento antártico. A Antártica tem um papel essencial nos sistemas naturais globais. É o principal

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES Leonardo T. Antunes 1, Ricardo R. Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leonardo_tada@hotmail.com, ricardo@unipar.br

Leia mais

Rally de Regularidade Navegação por Velocímetro

Rally de Regularidade Navegação por Velocímetro Rally de Regularidade Navegação por Velocímetro Tutorial Básico Paulo Blauth Menezes Navegação por Velocímetro 1 Introdução 2 Preparação para o Rally 3 Estudo da Planilha 4 Deslocamentos 5 Largada 6 Manutenção

Leia mais

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço O Fretamento está em nosso DNA. Foi a partir desse serviço que nascemos como empresa. Há quase 50 anos nos dedicamos a oferecer soluções personalizadas

Leia mais

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS ESTUDO DE CASO 3 AEROPORTO DE GUARULHOS Objetivos Apresentar a resolução de exercícios propostos aplicando os conhecimentos relacionados com o objetivo de expressar valores numéricos à capacidade de pista

Leia mais

Apresentação da Disciplina 4. Módulo I 6-64

Apresentação da Disciplina 4. Módulo I 6-64 π 1 2 Apresentação da Disciplina 4 Módulo I 6-64 3 Prezado aluno, O estudo da matemática sempre foi um dos grandes fascínios do ser humano. Não só por ela poder resolver problemas práticos do dia a dia,

Leia mais

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 11 2414-3803 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 NAVEGAÇÃO AÉREA Prof. Douglas Santarelli Navegação Aérea Navegação Aérea é a

Leia mais

Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO!

Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO! 1ª vez na IVAO? Antes de mais, seja bem vindo a esta grande comunidade que é a IVAO! Para começar, deverá ler o manual do IVAP (disponível junto com o mesmo) e o Ipack (em http://www.ivao.org/training/tutorials/ipack.asp

Leia mais

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido.

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido. Navegação Aérea Navegaçao aerea é a maneira de conduzir um veículo voador de um lugar a outro em segurança, pode ser um balão, um dirigível ou qualquer artefato próprio para voar. A Navegação aérea requer

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Paulo Marcelo Soares Curso de Vôo por Instrumentos nos Simuladores Flight-Simuleteiros de todo o mundo UNI-VOS!! Olá a todos! Meu nome é Paulo Marcelo Soares,

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila Amigos e Amigas, Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila O Trekking de Regularidade é uma modalidade esportiva agradável e de esforço moderado. As provas acontecem todo mês e o contato com a

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO PLANO DE VÔO Esse manual foi adaptado a partir da versão original dos manuais da IVAO e manuais de Aviação Real. http://www.ivao.aero/training http://www.ivaobr.com/home/treino

Leia mais

AB-701: Desempenho de Aeronaves

AB-701: Desempenho de Aeronaves (carga horária: 28 horas) Departamento de Mecânica do Voo Divisão de Engenharia Aeroespacial Instituto Tecnológico de Aeronáutica 2016 PARTE I Modelo Atmosférico e Velocidades A atmosfera é definida pelas

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL CGNA AIP-BRASIL OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL 2 ROTEIRO O AIP BRASIL CONCEITOS REGRAS GERAIS REGRAS ESPECÍFICAS 3 Documento básico

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva.

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Decolando com a vontade de bem-servir Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Em 1961, a TAM Táxi Aéreo Marília iniciou suas operações com três pequenos aviões Cessna, que faziam rotas

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12.

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12. O MOVIMENTO CIRCULAR Podemos definir movimento circular como todo aquele em que a trajetória percorrida por um móvel corresponde a uma circunferência. Não custa insistir, ainda uma vez, que a circunferência

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br OFICINA DA PESQUISA Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br APOSTILA 4 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA Belo Horizonte Importância da Modelagem na Engenharia

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

Máximos e mínimos. Problemas de máximos e mínimos estão presentes. Nossa aula

Máximos e mínimos. Problemas de máximos e mínimos estão presentes. Nossa aula A UA UL LA Máimos e mínimos Introdução Problemas de máimos e mínimos estão presentes em quase todas as atividades do mundo moderno. Por eemplo, você pode imaginar como um carteiro distribui a correspondência?

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 Este é o 7º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

Essa apostila é livre para ser distribuída desde que seja de maneira GRATUITA.

Essa apostila é livre para ser distribuída desde que seja de maneira GRATUITA. Apostila II Bem-vindo Nesta apostila você vai aprender um pouco mais sobre a otimização gráfica do seu simulador, e para isso vamos falar um pouco sobre add-ons e também sobre como melhorar o processamento

Leia mais

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w).

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w). Produto Interno INTRODUÇÃO Galera, vamos aprender agora as definições e as aplicações de Produto Interno. Essa matéria não é difícil, mas para ter segurança nela é necessário que o aluno tenha certa bagagem

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

TOUR VFR NORDESTE 2015

TOUR VFR NORDESTE 2015 Chegou mais um tour em nossa divisão, agora é a vez do nordeste! O trabalho de pesquisa e desenvolvimento foi intenso durante o planejamento. A administração da IVAO Brasil lhe deseja bons voos e aproveite

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA GPS GLOBAL POSITION SYSTEM ECOBATÍMETRO FISHFINDER AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP EDIÇÃO REVISADA BRASIL 2004 6

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Simulado Comentado Matemática e Raciocínio Lógico EBSERH 2015 Página 1 SIMULADO 01 MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Cargo: Todos

Leia mais

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Por: George Schlesinger Existem diversos tipos de gráficos: linhas, barras, pizzas etc. Estudaremos aqui os gráficos

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 07/09 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 12 MAR 2009 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

Standard Operating Procedures

Standard Operating Procedures Standard Operating Procedures DATA CARDS APPENDICE 2 Setembro 2010 TAKEOFF DATA CARD ACFT TYP LANDING DATA CARD Appendice 2 set/2010 2 TAKEOFF DATA CARD INFOS DATE data; FLT. NO. número do vôo; AIRPORT

Leia mais

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação Apresentação Após lecionar em colégios estaduais e particulares no Estado de São Paulo, notei necessidades no ensino da Física. Como uma matéria experimental não pode despertar o interesse dos alunos?

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 NDB Radio Farol Não Direcional Autor: Desconhecido Padronizado por: Cmte. João Gabriel Faria

Leia mais

HELICÓPTERO SOB IMC. Inadvertido ou Não, Voe Seguro

HELICÓPTERO SOB IMC. Inadvertido ou Não, Voe Seguro Inadvertido ou Não, Voe Seguro DEP: 14h27 (Local) 14h40 6.500 ft FL 070 14h48 Reportou desvio 14h50 Colisão com o solo Rota Prevista do EB 2002 Local do Acidente 87% OBJETIVO: 1. Identificar as diferenças

Leia mais

SEGURANCA AERONAUTICA

SEGURANCA AERONAUTICA SEGURANCA AERONAUTICA Nº 101 2007-10-19 Meu Caro, Hoje vamos abordar um acidente, não com uma personalidade importante da Aviação, mas, sim, com um piloto muito pouco experiente. Para tal, vamo-nos servir,

Leia mais

OBJETIVO. Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência

OBJETIVO. Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência NOVAS REA TMA SBWH OBJETIVO MENOS MENOS MENOS MAIS MAIS MAIS Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência Aeronaves no Setor Visual Autonomia aos Pilotos Sucesso no Planejamento de

Leia mais

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 (OBMEP RJ) O preço de uma corrida de táxi é R$ 2,50 fixos ( bandeirada ), mais R$ 0,10 por 100 metros rodados.

Leia mais

TAAG VIRTUAL. Regulamento Operacional

TAAG VIRTUAL. Regulamento Operacional TAAG VIRTUAL Regulamento Operacional Benvindo a TAAG Virtual! A TAAG Virtual é uma companhia aérea virtual para os usuários do FSX e Prepar3D, simulando as operações da TAAG. A nossa filosofia é a de garantir

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

VERSÃO PARA IMPRESSÃO

VERSÃO PARA IMPRESSÃO VERSÃO PARA IMPRESSÃO file:///c /Cartas%20de%20Aproximação/index_impressão.html (1 of 23) [22/5/2003 14:26:28] A: CABEÇALHO B: COMUNICAÇÕES C: INFORMAÇÕES PRÉ-APROXIMAÇÃO C.1: MSA (ALTITUDE MÍNIMA OU SETORES

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante.

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. MS211 - Cálculo Numérico Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

Leia mais