NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER"

Transcrição

1 NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination andtraininginnuclearsafety. TheinformationpresenteddoesnotnecessarilyreflecttheviewsoftheIAEAorthegovernments ofiaeamemberstatesandassuchisnotanoficialrecord. TheIAEAmakesnowaranties,eitherexpressorimplied,concerningtheaccuracy,completeness,reliability,orsuitabilityoftheinformation.Neitherdoesitwarantthatuseoftheinformation isfreeofanyclaimsofcopyrightinfringement. Theuseofparticulardesignationsofcountriesorteritoriesdoesnotimplyanyjudgmentbythe IAEAastothelegalstatusofsuchcountriesorteritories,oftheirauthoritiesandinstitutionsorof thedelimitationoftheirboundaries.thementionofnamesofspecificcompaniesorproducts (whetherornotindicatedasregistered)doesnotimplyanyintentiontoinfringeproprietaryrights, norshoulditbeconstruedasanendorsementorrecommendationonthepartoftheiaea

2 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Gestão de Resíduos Radioativos Alexandre Gromann de Araujo GóesG Coordenador-Geral Coordenação ão-geral de Reatores Nucleares CGRN / DRS Diretoria de Radioproteção e Segurança a Nuclear Seminário ARCAL Belo Horizonte Outubro de 2011

3 Geração de Resíduos Industriais por habitante e por ano geração de resíduos industriais por ano e por habitante kg Caso da França país mais nuclear do mundo - (85% da eletricidade é nuclear) geração de resíduos nucleares por ano e por habitante menos de 1 kg (0,04%) geração de resíduos nucleares de alta atividade por ano e por habitante menos de 100 g dos quais menos de 10 g de resíduos de vida muito longa (+ 500 anos)

4 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Armazenam todos os seus resíduos de forma segura, isolados do público e meio ambiente Alta Atividade Contidos nos Elementos Combustíveis usados Média Atividade Resinas de purificação de fluidos de processo Baixa Atividade Material descartável usado na manutenção Depósito Inicial, piscinas no interior das usinas e externa com capacidade para toda vida da Central Depósito Intermediário rio ão), em concepção (Longa Duração) Elementos combustíveis usados não são resíduos, pois podem ser reciclados Depósito Inicial, junto às unidades Depósito Final, em estudo de local REPOSITÓRIO RIO NACIONAL (projeto RBMN CNEN)

5 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares RESÍDUOS RADIOATIVOS BAIXA E MÉDIA COMBUSTÍVEL USADO DEPÓSITO INICIAL NA CENTRAL NUCLEAR 2020 (capacidade disponível) DEPÓSITO INICIAL PISCINA DENTRO DA USINA ARMAZENAMENTO COMPLEMENTAR 2018 (capacidade disponível com piscinas existentes) 2035 (capacidade disponível com piscinas externas) DEPÓSITO FINAL (REPOSITÓRIO NACIONAL) DEPÓSITO INTERMEDIÁRIO DE LONGA DURAÇÃO (500 ANOS) RECICLAGEM (REPROCESSAMENTO) DEPÓSITO FINAL ALTA ATIVIDADE

6 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade Embalagem

7 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade Armazenagem (diversos tipos de embalados) Liners

8 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

9 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Legenda: Unidade 1 Unidade 2A Unidade 2B Unidade 3 Armazenados hoje cerca de m3 Capacidade restante suficiente até 2020

10 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Unidade I

11 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Unidade II

12 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Unidade III

13 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares BAIXO E MÉDIO NÍVEL CENTRO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Ponto de Controle da Área dos Depósitos Acesso Restrito / Controlado CATRACAS / SISTEMA DE CONTABILIZAÇÃO DOSE VISTA DA GUARITA / PONTO DE CONTROLE PORTAIS MONITORES DE RADIAÇÃO

14 Gerenciamento de Resíduos Radioativos nas Usinas Nucleares Baixa e Média Atividade TOTAL embalados metros cúbicos 2696 Angra Angra NUMERO DE EMBALADOS ANGRA 1 ANGRA 2 Eletronuclear vem criando reserva financeira para arcar com os custos da disposição final

15 Inventário Nacional de Resíduos Radioativos Baixa e Média Atividade Resíduos de baixa e média atividade (m 3 ) Fabricação de Elementos Combustíveis (Industrias Nucleares do Brasil) 3720 (INB - Resende + Estimado pelo Plano de Descomissionamento das instalações de Poços de Caldas) Operação das Centrais nucleares (A1+ A2) incluindo os Geradores de vapor GV Atividades de Investigação e pesquisa e Fabricação de Radioisótopos 2400 (Descomissionamento da Unidade de UF 6 + IPEN) + IEN + CDTN + CRCN-PE + CRCN-GO)) Complexo Experimental Aramar Marinha do Brasil (Iperó SP) 30 Descomissionamento das Centrais Nucleares - Acidente Radiológico de Goiânia 3500 Tubos oriundos da produção petrolífera (Gestão Petrobrás) (estimado) 2200 (Aproximadamente 40 mil tubos com borras em 20 anos de operação, contendo 241Am, 60Co, 226Ra, 137Cs e 241 fontes de nêutrons Am/Be) TOTAL (m 3 ) Elemento Combustível Irradiado de alta atividade (Angra 1 + Angra 2) 1174 Combustível irradiado (tu) - (100% elementos combustível irradiado tipo PWR)

16 Inventário Nacional de Resíduos Radioativos Provenientes do Beneficiamento da Monazita do Concentrado de Urânio Instalação Materiais Radioativos Forma de Disposição Quantidade (t) Resíduos de tratamento de Monazita e Goyanito. (BOTUXIM, ASIN,USAN) Mesothorium Mesothorium Silos Trincheiras 2120 Resíduos radioativos (Cake II) Silos Trincheiras 14, , Mina de Poços de Caldas Resíduos denominados de DUCA (Diuranato de Cálcio) Trincheiras (cava da mina) 120, (197 ton U 3 O 8 ) Filtros e outros materiais. Silos 50 Concentrados de Tório Armazenamento temporário 160 Mineração de Caetité-Ba. Resíduos radioativos oriundo do processo Pilhas 1, (1.427 ton U 3 O 8 ) Fonte: 3 a. Revisão do National Report Joint Convention on the Safety of Spent Fuel Management and on the Safety of Radioactive Waste Management.

17 Gerenciamento de Resíduos Radioativos Baixa e Média Atividade Depósitos iniciais e finais tem o mesmo nível n de segurança A diferença está no tempo em que essa segurança é garantida (décadas ou centenas de anos) Depósito de EL CABRIL ESPANHA: operação em 1992 capacidade de armazenagem de m 3 (modular: possibilidades de expansão) INSTALAÇÕES NO MUNDO Abadia de Goiás

18 Gerenciamento de Resíduos Radioativos Depósitos Finais de Baixa e Média Atividades

19 Gerenciamento de Resíduos Radioativos Depósitos Final de Baixa e Média Atividades Abadia de Goiás

20 Gerenciamento de Resíduos Radioativos Depósitos Final de Baixa e Média Atividades REPOSITÓRIO NACIONAL Resíduos provenientes de todas atividades que envolvem processamento de materiais radioativos no Brasil METAS 2012: Escolha de Local 2016: Início da Construção 2018: Início da Operação CONDICIONANTE DO IBAMA PARA ANGRA Dar início ao processo de licenciamento ambiental do repositório nuclear da CNAAA, dentro do âmbito do convênio da ELETRONUCLEAR e CNEN, antes do início da operação da Unidade 3

21 Gerenciamento de Combustível Usado Depósitos Final de Alta Atividade

22 Gerenciamento do Combustível Usado que contem rejeitos de Alta Atividade 40 anos de operação de uma usina nuclear produz cerca de m3 de combustível irradiado uma usina a carvão equivalente produz cerca de m3 de rejeitos ELETRONUCLEAR

23 Gerenciamento do Combustível Usado Material reciclável não é lixo nem resíduo 96% do combustível usado é reciclável Composição média m de um elemento combustível PWR 1 elemento combustível novo = 500 kg de urânio fresco material reciclável Resídu o ( lixo ) Após uso Urânio Plutônio Produtos de Fissão ELETRONUCLEAR combustív el combustív el resíduos de alta atividade

24 Gerenciamento do Combustível Usado Reprocessamento de Combustível Usado Passo 1: corte e retirada do revestimento Passo 2: dissolução em HNO3 Passo 3: Extração de U e Pu por TBP ELETRONUCLEAR Passo 4: Recuperação de Pu e U do TBP

25 Gerenciamento do Combustível Usado Reciclagem de Combustível Usado ELETRONUCLEAR

26 Gerenciamento do Combustível Usado Reprocessamento & Reciclagem de Combustível Usado Reprocessamento: Usinas Industriais La Hague (França) Thorp (GB) Rokkasho-Mura (JP) Reciclagem: Fabricação de Combustível de óxido misto U-Pu ELETRONUCLEAR MELOX (França)

27 Gerenciamento do Combustível Usado combustível usado em cascos Redução do volume dos rejeitos de alta atividade compactado vitrificado ELETRONUCLEAR

28 Gerenciamento do Combustível Usado Armazenagem de resíduos de alta atividade: Usina de La Hague, França ELETRONUCLEAR

29 Gerenciamento do Combustível Usado Destinação do Combustível Usado: DEPÓSITO FINAL SUBTERRÂNEO SUÉCIA Jornal Nacional de 14/06/2011 mostrou esse repositório Já há consenso para os municípios sobre a ampliação desse repositório, inclusive prevendo o recebimento de resíduos de outros países ELETRONUCLEAR

30 Gerenciamento do Combustível Usado Destinação do Combustível Usado DEPÓSITO FINAL SUBTERRÂNEO SUÉCIA FINLÂNDIA 500 m ELETRONUCLEAR

31 Gerenciamento do Combustível Usado Destinação do Combustível Usado: DEPÓSITO FINAL SUBTERRÂNEO ELETRONUCLEAR YUCCA MOUNTAIN EUA

32 Gerenciamento do Combustível Usado Armazenamento inicial Capacidade atual suficiente até 2018 piscinas no interior das próprias usinas Angra elementos desde 1982 Angra elementos desde 2000 Angra 1 ELETRONUCLEAR Angra 2 e Angra 3

33 Gerenciamento do Combustível Usado Piscinas internas às usinas e prazos Unidades Capacidade de armazenamento das piscinas das plantas (elementos combustíveis) Capacidade de armazenamento das piscinas das plantas (anos) * Número de elementos combustíveis no núcleo do reator Angra Angra Angra Início da transferência de elementos combustíveis ** ELETRONUCLEAR * Considerando ciclos atuais de 1 ano ** Considerando início da operação de Angra 3 em 2015

34 Gerenciamento do Combustível Usado Rotas Alternativas PISCINA REPROCESSAMENTO, RECICLAGEM E ESTOCAGEM DO REJEITO FINAL UNIDADES ARMAZENAMENTO DE LONGO PRAZO ARMAZENAMENTO COMPLEMETAR ELETRONUCLEAR ARMAZENAMENTO INTERINO DE LONGO PRAZO (PRINCÍPIO DE RECUPERABILIDADE) PISCINA

35 Gerenciamento do Combustível Usado Solução nacional Armazenamento intermediário e de longa duração (500 anos) Piscina externa UFC (2018) Depósito de Longa Duração (2026) ELETRONUCLEAR CONDICIONANTE DO IBAMA PARA ANGRA Apresentar proposta e iniciar a execução do projeto aprovado pelo órgão ambiental para disposição final dos rejeitos radioativos de alta atividade antes do inicio da operação da Unidade 3.

36 Gerenciamento do Combustível Usado UFC UNIDADE DE ARMAZENAMENTO COMPLEMENTAR DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO Arranjo geral ELETRONUCLEAR

37 Gerenciamento do Combustível Usado UFC UNIDADE DE ARMAZENAMENTO COMPLEMENTAR DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO Arranjo geral ELETRONUCLEAR

38 Gerenciamento do Combustível Usado UFC UNIDADE DE ARMAZENAMENTO COMPLEMENTAR DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO Cronograma ELETRONUCLEAR

39 Gerenciamento do Combustível Usado Depósito Intermediário de Longo Prazo AMPOLAS AMPOLA CORTE TRANSVERSAL ELETRONUCLEAR AMPOLA CORTE VERTICAL CONCEPÇÃO ARTÍSTICA PROPORÇÃO

40 Gerenciamento do Combustível Usado Depósito Intermediário de Longo Prazo CASCO DE TRANSPORTE ELETRONUCLEAR

41 Gerenciamento do Combustível Usado Depósito Intermediário de Longo Prazo COMPARTIMENTO DE ESTOCAGEM ELETRONUCLEAR

42 Gerenciamento do Combustível Usado Depósito Intermediário de Longo Prazo ARRANJO GERAL ELETRONUCLEAR ESTUDO DE CONCEPÇÃO Depósito com dimensões suficientes para armazenar o combustível usado por Angra 1, Angra 2 e Angra 3 durante toda a vida útil das usinas (40 anos cada uma)

43 AUDIÊNCIA PÚBLICA CAMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA Brasília, 16 de junho de 2011 ELETRONUCLEAR Gerenciamento do Combustível Usado Leonam dos Santos Guimarães Assistente da Presidência

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN A CNEN REJEITOS RADIOATIVOS 1/8 NOV/2001 A CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear é o órgão federal responsável pelo licenciamento e fiscalização das instalações nucleares e radiativas brasileiras.

Leia mais

ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A.

ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. SYMPOSIUM 2008 REACTIVATION OF NUCLEAR POWER PLANTS CONSTRUCTION IN LATIN AMERICA ESTOCAGEM INICIAL DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO ELETRONUCLEAR S.A. LAS/ANS EXPO NUCLEAR ENERGY

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Reservas mundiais de U devem bastar para, pelo menos, mais 100 anos de geração de energia elétrica no mundo. Independência estratégica. Emissão zero

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

Energia Nuclear e Impacto Ambiental

Energia Nuclear e Impacto Ambiental José Marcus de Oliveira Godoy Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear.

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear. DIREITO NUCLEAR Constituição Federal(art. 21, XXVIII- resumo histórico) O Brasil na Ordem Internacional Nuclear Alguns instrumentos bilaterais e multilaterais. Abrangência do Direito Nuclear Pátrio ( protagonistas)

Leia mais

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE)

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Dr. Marcus Alexandre Vallim de Alencar Coordenador do CASEC vallim@ird.gov.br Instalações Nucleares e Radiativas Instalações Nucleares

Leia mais

PROJETO DE REMEDIAÇÃO DE UM SÍTIO CONTAMINADO COM RESÍDUOS DE MONAZITA

PROJETO DE REMEDIAÇÃO DE UM SÍTIO CONTAMINADO COM RESÍDUOS DE MONAZITA PROJETO DE REMEDIAÇÃO DE UM SÍTIO CONTAMINADO COM RESÍDUOS DE MONAZITA HISTÓRICO DA INSTALAÇÃO Terreno de 60 mil m 2 adquirido em 1960 para transferência da unidade de processamento de monazita (USAM),

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Back End (da etapa final) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica Programa 2059 - Política Nuclear 12P1 - Reator Multipropósito Brasileiro Número de Ações 20 Empreendimento implantado Unidade de Medida: percentual de execução física Implantação, no País, de uma instalação

Leia mais

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Marília T. Christóvão 1,2, Tarcísio P. Ribeiro de Campos 1 1 Curso

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Gestão de rejeitos radioativos no IPEN 25 anos de história

Gestão de rejeitos radioativos no IPEN 25 anos de história XXIV Reunión Anual de la SMSR y XVII Congreso Anual de la SNM/XXIV SMSR Annual Meeting XVII Annual SNM Congress Acapulco México, del 3 al 8 de Septiembre 2006/ Acapulco Mexico, September 3-8., 2006 Gestão

Leia mais

Parte III Fontes não-renováveis

Parte III Fontes não-renováveis Energia Nuclear Capítulo 8 Parte III Fontes não-renováveis 8 Energia Nuclear Atlas de Energia Elétrica do Brasil 117 Capítulo 8 Energia Nuclear Box 8 O ciclo do combustível nuclear O valor do minério urânio

Leia mais

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Tópicos INTRODUÇÃO Aspectos gerais da energia nuclear Elemento urânio Urânio como combustível nuclear Indústrias Nucleares do Brasil- INB Reservas de

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- -

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- - CENTRAIS NUCLEARES DO NORDESTE QUE SEJAM CÓPIAS DE ANGRA 3 Lothario Deppe Engenheiro Nuclear LAS/ANS 2010 SYMPOSIUM, Junho de 2010 O QUE ESTÁ ACONTECENDO PROPOSTA ALTERNATIVA: COPIESE ANGRA 3 ALGUNS COMENTÁRIOS

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

LICENCIAMENTO NUCLEAR NO BRASIL

LICENCIAMENTO NUCLEAR NO BRASIL LICENCIAMENTO NUCLEAR NO BRASIL Ivan Pedro Salati de Almeida, D.Sc. Diretor de Radioproteção e Segurança Nuclear Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN III Semana da Energia Nuclear - UFRJ Rio de Janeiro

Leia mais

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Malvina Boni Mitake 1 e Fábio Fumio Suzuki 1 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN-CNEN/SP,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis. Palestrantes: Claudio Smith e Maria Ignácia

Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis. Palestrantes: Claudio Smith e Maria Ignácia Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis num Tema: plano Nome de desligamento da Palestra voluntário Palestrante: O Case Claudio Eletronuclear Smith e Maria Ignácia Palestrantes: Claudio

Leia mais

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima PauloWerneck Eletronuclear - Brasil Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto ANGRA 2 Potência: 1.350 MW Tecnologia: Siemens/KWU Operação: Janeiro/2001 ANGRA

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Front End (da etapa inicial) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA PRESIDÊNCIA MCT MME MD MRE INB CNEN NUCLEP Eletronuclear Aeronáutica Exército Institutos de C&T Angra 1 Angra 2 CTA Marinha CTEX MEC CTMSP Universidades

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Brasília, 14 junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Roteiro Observações iniciais Energia nuclear no mundo Energia nuclear

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 Revoga a Portaria 496, de 11 de dezembro de 2002. O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das competências que

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3

Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3 Laboratório de Geografia Física do Instituto de Geografia da UERJ 3º Seminário sobre Energia Nuclear Aspectos Econômicos, Políticos e Ambientais Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3 Ronaldo Oliveira

Leia mais

ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REQUISITOS AMBIENTAIS PARA DISPOSIÇÃO FINAL DE REJEITOS RADIOATIVOS EM REPOSITÓRIOS DE SUPERFÍCIE ROSANE NAPOLITANO RADUAN Dissertação apresentada como

Leia mais

LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA

LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA ESTUDO LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO JUNHO/2005 Câmara

Leia mais

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE DE OPÇÕES PARA

Leia mais

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio Belo Horizonte, 03 de agosto de 2011 Noil A. M. Cussiol Comissão Nacional de Energia Nuclear Autarquia

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA Nosso objeto social Promover, desenvolver, absorver e manter tecnologias necessárias às atividades nucleares do Programa Nuclear Brasileiro e Programa Nuclear da Marinha. Promover, desenvolver, absorver

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2059 - Política Nuclear 12P1 - Implantação do Reator Multipropósito Brasileiro Número de Ações 25 Unidade Responsável: Comissão Nacional de Energia Nuclear Empreendimento implantado O Empreendimento

Leia mais

PROCESSOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES NUCLEARES NO BRASIL

PROCESSOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES NUCLEARES NO BRASIL PROCESSOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES NUCLEARES NO BRASIL Rogério Luiz Cunha de Paiva, Kátia Moniz da Silva e Marcos Eduardo Costa Nunes Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN R.General Severiano

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6177/2005-0 Ano Orçamento: 2005 UF: RJ Nome do PT: Substituição de Grupo de Geradores de Vapor

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Inventário e Categorização de Fontes Radioativas no CDTN

Inventário e Categorização de Fontes Radioativas no CDTN Inventário e Categorização de Fontes Radioativas no CDTN Fábio Silva e Clédola Cássia Oliveira de Tello Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN

Leia mais

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior AGENDA A bomba atômica. A geração da energia atômica. RI efeitos sobre

Leia mais

Minicurso: Meio Ambiente e Rejeitos. Vanderley de Vasconcelos

Minicurso: Meio Ambiente e Rejeitos. Vanderley de Vasconcelos Minicurso: Meio Ambiente e Rejeitos Vanderley de Vasconcelos Tópicos 1. Rejeitos Radioativos Conceituação e Classificação 2. Processamento e Armazenamento dos Rejeitos Radioativos 3. Depósitos para os

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

GERÊNCIA DE REJEITOS RADIOATIVOS EM UM LABORATÓRIO DE RADIOQUÍMICA.

GERÊNCIA DE REJEITOS RADIOATIVOS EM UM LABORATÓRIO DE RADIOQUÍMICA. GERÊNCIA DE REJEITOS RADIOATIVOS EM UM LABORATÓRIO DE RADIOQUÍMICA. Ana C. A. Silva 1, 2, Wagner de S. Pereira 2, 3, Delcy de A. Py Júnior 2, Ivan M. Antunes2 e Alphonse Kelecom 3, 4 1 Curso de bacharelado

Leia mais

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou

Leia mais

Complexo Termelétrico Jorge Lacerda

Complexo Termelétrico Jorge Lacerda Complexo Termelétrico Jorge Lacerda Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Agosto de 2013 Complexo Termelétrico Jorge Lacerda 2 Usina Termelétrica Jorge Lacerda A - UTLA UTLA 232 MW

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

SETOR DE ENERGIA... 4

SETOR DE ENERGIA... 4 Versão em EDIÇÃO SETOR DE ENERGIA... 4 1. ATIVIDADES DE GERAÇÃO... 7 1.1. Usina Eólica... 7 1.2. Usina Termelétrica... 8 1.3. Central de Geração Hidrelétrica (CGH)... 9 1.4. Pequena Central Hidrelétrica

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear 1 FUNCIONAMENTO DE UMA USINA NUCLEAR 2 BARREIRAS FÍSICAS MÚLTIPLAS CONTRA A LIBERAÇÃO DE PRODUTOS RADIOATIVOS

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares Iêda Gomes Nícoli Distrito do Planalto Central MOTIVAÇÃO Fonte de Césio-137 levada até a Vigilância Sanitária de Goiânia, GO,

Leia mais

Divisão de Energia Nuclear ENU. Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007

Divisão de Energia Nuclear ENU. Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007 Divisão de Energia Nuclear ENU Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007 Roteiro Divisão de Energia Nuclear Realizações da ENU Trabalhos Recentes da ENU Pesquisa Nuclear Aplicada

Leia mais

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol É impossível imaginar o mundo atual sem energia elétrica. Pense em todas as atividades que você realiza em um dia na sua casa; em várias

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

O Brasil não quer Angra 3!

O Brasil não quer Angra 3! O Brasil não quer Angra 3! Errar é Humano Continuar no Erro é Diabólico! Crianças mortas em Chernobyl. Coalizão Brasileira contra as Usinas Nucleares O Three Mile Island (EUA), 1979: Vazamento. risco nuclear

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

Tereza Cristina Salvetti

Tereza Cristina Salvetti Tereza Cristina Salvetti Trav. Afrânio do Amaral, 7 Bairro Campestre Santo André 09070-350 - SP (11) 4421 4844 / 9183 9704 e-mail: salvetti@ipen.br ou tsalvetti@gmail.com Áreas de Atuação: ENGENHARIA /

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG Rua Espírito Santo, 35 - Centro 31160-030 Belo Horizonte, MG jeanvb@cdtn.br

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG Rua Espírito Santo, 35 - Centro 31160-030 Belo Horizonte, MG jeanvb@cdtn.br 2007 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2007 Santos, SP, Brazil, September 30 to October 5, 2007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-02-1 ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

SOBRE A ELETROBRAS ELETRONUCLEAR BREVE HISTÓRICO DA GERAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL

SOBRE A ELETROBRAS ELETRONUCLEAR BREVE HISTÓRICO DA GERAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL SUMÁRIO SOBRE A ELETROBRAS ELETRONUCLEAR 01 BREVE HISTÓRICO DA GERAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL 02 A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL Qual o papel e a importância da energia nuclear como alternativa energética para

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Analítica Ambiental FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Fevereiro, 2014 Grupo: Isabela Vieira da Silva Thaeny

Leia mais

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina?

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? Por Leonam Guimarães Dia 14 de julho de 2015, o grupo de potências mundiais E3/UE+3 (China,EUA e Rússia, juntamente com três membros da

Leia mais

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto file:///f /RIMA_Angra3/index.html (1 of 2)25/9/2006 12:04:11 Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Carlos Henrique Mariz Seminário Tecnologia Tropical - Energia Pernambuco PE Brasil 31 de agosto de 2012 Energia Elétrica - Visão do Mundo 15 Maiores geradores

Leia mais

Logística reversa e PNRS

Logística reversa e PNRS Videoconferência Logística reversa e PNRS Cristiane de S. Soares Assessora especial da CNC Julho, 2015 Rio de Janeiro RJ Política Nacional de Resíduos Sólidos Instrumento que institui a Responsabilidade

Leia mais