ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A."

Transcrição

1 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A.

2 SYMPOSIUM 2008 REACTIVATION OF NUCLEAR POWER PLANTS CONSTRUCTION IN LATIN AMERICA ESTOCAGEM INICIAL DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO ELETRONUCLEAR S.A. LAS/ANS EXPO NUCLEAR ENERGY TECHNOLOGY RIO 2008 JUNHO 2008

3 LOCALIZAÇÃO DA CNAAA

4 LOCALIZAÇÃO DAS USINAS CNAAA Angra 2 (em operação) Angra 3 início de operação previsto para 2014 Angra 1 (em operação)

5 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS NA CNAAA ANGRA 1 PISCINAS DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO ELEMENTO COMBUSTÍVEL USINAS EDIFÍCIO DO REATOR ANGRA 1 E ANGRA 2 ANGRA 2

6 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS DADOS Dados Angra 1 Angra 2 Angra 3 Data de Início de Operação das Usinas Vida Útil Projetada (anos) Número de ECs no Núcleo do Reator Capacidade da Piscina do Reator Total de Combustível Irradiado durante a Vida Útil das Plantas (valor estimado) NECESSIDADE DA CONSTRUÇÃO DE UM DEPÓSITO INICIAL

7 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS ARMAZENAMENTO INICIAL TENDÊNCIA MUNDIAL ARMAZENAMENTO INICIAL -A SECO - EM CASKS ARMAZENADOS A CEÚ ABERTO - EM CASKS ABRIGADOS EM ESTRUTURAS APROPRIADAS -ÚMIDO - EM PISCINAS ABRIGADAS EM ESTRUTURAS APROPRIADAS

8 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL A SECO EM CASKS DE AÇO OU CONCRETO

9 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL A SECO EM CASKS ARMAZENADOS A CEÚ ABERTO

10 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL A SECO EM CASKS ARMAZENADOS EM ESTRUTURAS APROPRIADAS

11 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL A SECO EM CASKS ARMAZENADOS EM ESTRUTURAS APROPRIADAS

12 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL ÚMIDO EM PISCINAS ABRIGADAS EM ESTRUTRAS APROPRIADAS CLAB SKB SUÉCIA

13 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEIS IRRADIADOS TENDÊNCIA MUNDIAL TIPOS DE ARMAZENAMENTO INICIAL ÚMIDO EM PISCINAS ABRIGADAS EM ESTRUTURAS APROPRIADAS GOESGEN KKG AREVA - SUIÇA

14 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA SOLUÇÃO ADOTADA MOTIVAÇÃO CONSTRUÇÃO DO DEPÓSITO INICIAL DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO DICI TIPO DE DEPÓSITO ARMAZENAMENTO ÚMIDO EM PISCINAS (SIMILARES ÀS PISCINAS DAS PLANTAS)

15 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA ELETRONUCLEAR A A Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto será dotada de instalação específica externa às usinas para estocagem de elementos combustíveis em piscinas que, associada às piscinas de estocagem internas às usinas, deverá ter a capacidade de armazenar os elementos combustíveis utilizados nos núcleos dos reatores das usinas Angra 1, Angra 2 e Angra 3, ao longo da vida útil destas unidades, estimada em 60 anos para efeito de dimensionamento da instalação.

16 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA CENÁRIO CONSIDERADO DEPÓSITO INTERMEDIÁRIO DE LONGO PRAZO DILP DEP. INTERMEDIÁRIO Início da Operação em 2045 Site a definir (responsabilidade CNEN) Transferência dos EC do DICI para o DILP a partir de 2045 DICI DEP. INICIAL CNAAA (responsabilidade ELETRONUCLEAR) Início de transferência 2018 Início de transferência 2017 Início de transferência 2030 DEPÓSITO INICIAL DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO Angra 1 Angra 2 Angra 3 Início de desc Início de desc Início de desc liberação liberação das das piscinas piscinas das das usinas usinas 7 a 10 anos após após o o término da da vida útil útil estendida da da planta Início de operação de Angra 3 em 2014

17 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA DIMENSIONAMENTO DO DICI Movimentação de EC's EC s Piscina de Angra 1 Piscina de Angra 2 Piscina de Angra 3 DICI DILP ANOS - INÍCIO DA TRANSFERÊNCIA DE ECs DAS USINAS PARA O DICI EM INÍCIO DA TRANSFERÊNCIA DE ECs DO DICI PARA O DILP EM TAXA DE TRANSFERÊNCIA DE ECs DO DICI PARA O DILP IGUAL A 150 EC's/ANO - LIBERAÇÃO DAS PISCINAS DAS PLANTAS 10 ANOS APÓS O TÉRMINO DA SUA VIDAÚTIL

18 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA PRINCIPAIS PREMISSAS PARA O PROJETO DO DICI Recuperabilidade dos elementos combustíveis para inspeções e intervenções; Taxa Taxa anual de transferência de ECs do DICI para o DILP de 150 EC/ano; Subcriticalidade k menor ou igual que 0,95; Calor residual médio de 1kW por EC; Limite de dose equivalente anual na cerca do depósito igual a 1 msv/a; Limite de dose equivalente anual nas áreas operacionais do DICI igual a 20 msv/a; Sistema ativo de arrefecimento das piscinas; Serão adotados os mesmos critérios dos projetos estruturais adotados para Angra 2 e 3; As estruturas deverão ser construídas sobre rocha sã.

19 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA PRINCIPAIS FACILIDADE PREVISTAS PARA O DICI Prédio de contenção em concreto para abrigar duas piscinas de armazenagem de elementos combustíveis irradiados; Construção e montagem do DICI em 2 etapas de implantação; Capacidade de armazenamento do DICI estimada em ECs, sendo posições para cada etapa de implantação; Piscina para transbordo de elementos combustíveis dos cascos de transporte para as piscinas (cask pool); Duas torres de resfriamento a seco; Sala para recepção, manutenção e limpeza de cascos de transporte; Salas para painéis elétricos e para equipamentos do sistema de ventilação e refrigeração; Área para monitoração pessoal; Ponte rolante e equipamentos de suspensão e posicionamento de elementos combustíveis nas piscinas.

20 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA LAYOUT DO DICI Layout do Depósito Inicial de Combustível Irradiado Planta

21 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA LAYOUT DO DICI Layout do Depósito Inicial de Combustível Irradiado Planta

22 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA LAYOUT DO DICI Layout do Depósito Inicial de Combustível Irradiado Cortes

23 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA AMPOLA PARA ARMAZENAGEM DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS EM DESENVOLVIMENTO AMPOLA - CORTE TRANSVERSAL AMPOLA - CORTE VERTICAL CONCEPÇÃO ARTÍSTICA PROPORÇÃO

24 GERENCIAMENTO DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA CASCO PARA TRANSPORTE DE AMPOLAS EM DESENVOLVIMENTO

25 COMBUSTÍVEL IRRADIADO NA CNAAA CRONOGRAMA GERAL PARA IMPLANTAÇÃO DO DICI

26 GRATO PELA ATENÇÃO CICERO DURVAL PACÍFICI DOS SANTOS ELETRONUCLEAR S. A. Gerência de Engenharia Civil e Estruturas Metálicas - GEC.T Tel: +55 (021) Fax:+55 (021) Rua da Candelária 65, 5 o andar CEP: Centro - Rio de Janeiro - RJ - Brasil

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE DE OPÇÕES PARA

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima PauloWerneck Eletronuclear - Brasil Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto ANGRA 2 Potência: 1.350 MW Tecnologia: Siemens/KWU Operação: Janeiro/2001 ANGRA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE REATORES

DEPARTAMENTO DE REATORES COMISSÃO NACIONAL OE ENERGIA NUCLEAR DEPARTAMENTO DE REATORES PRIMEIRA RECARGA DO COMBUSTÍVEL DE ANGRA I PLANO DE INSPEÇÕES/AUDITORIAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO NOTA TÉCNICA DR-2 N2 01/85 PREPARADO POR:

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6177/2005-0 Ano Orçamento: 2005 UF: RJ Nome do PT: Substituição de Grupo de Geradores de Vapor

Leia mais

CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS.

CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS. CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS. Transporte, Recebimento, Armazenagem e Manuseio de Elementos Combustíveis de

Leia mais

TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS

TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Norma CNEN NE 5.02 Portaria CNEN/PR 08/03 Fevereiro / 2003 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Histórico da norma: Portaria DExI CNEN - 02/86

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Acidente de Ejeção de Barra de Controle para a Usina de Angra 2, considerando o Limite Superior do Coeficiente de Temperatura do Moderador

Acidente de Ejeção de Barra de Controle para a Usina de Angra 2, considerando o Limite Superior do Coeficiente de Temperatura do Moderador 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 Acidente de Ejeção de Barra

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Primeira Semana de Engenharia Nuclear COPPE / UFRJ 15/08/2011 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento UMA PERSPECTIVA DA EMPRESA CONSUMIDORES

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 8968/2007-0 Ano Orçamento: 2007 UF: RJ Nome do PT: Substituição de Grupo de Geradores de Vapor

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

FABRICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE RACKS SUPERCOMPACTOS PARA A USINA NUCLEAR DE ANGRA 2. Ademir Antonio Fraga Ribeiro

FABRICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE RACKS SUPERCOMPACTOS PARA A USINA NUCLEAR DE ANGRA 2. Ademir Antonio Fraga Ribeiro FABRICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE RACKS SUPERCOMPACTOS PARA A USINA NUCLEAR DE ANGRA 2 Ademir Antonio Fraga Ribeiro Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A.- NUCLEP Av. Euclides de Oliveira Figueiredo, 200 CEP 23825-410

Leia mais

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Tópicos INTRODUÇÃO Aspectos gerais da energia nuclear Elemento urânio Urânio como combustível nuclear Indústrias Nucleares do Brasil- INB Reservas de

Leia mais

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Por: Drausio Atalla DATA Energia Elétrica é fator fundamental para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida que somente ocorrerá no Brasil se

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Fórum Cogen / Canal Energia Geração Distribuída e Cogeração de Energia - Novo Ciclo de Desenvolvimento Marco Antonio Donatelli 1/8/2013 Cogeração - uma resposta

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido. White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE

Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido. White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE Grupo de Análise de Risco Tecnológico Ambiental - GARTA Grupo de pesquisa aplicada do

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel 1. GES 11: Ciclo de vida Título resumido livre Uso final DU (usuário à jusante) do metal níquel Produção de sais de níquel a serem usados na produção de catalisadores Título sistemático baseado no descritor

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Grupo. Objetivo. o Anderson Shibao; o Débora Keréstes; o Jefferson Duarte; o Luciano Vasconcelos; o Paulo Rogerio Andrade; o Vinicius Estevão.

Grupo. Objetivo. o Anderson Shibao; o Débora Keréstes; o Jefferson Duarte; o Luciano Vasconcelos; o Paulo Rogerio Andrade; o Vinicius Estevão. Grupo o Anderson Shibao; o Débora Keréstes; o Jefferson Duarte; o Luciano Vasconcelos; o Paulo Rogerio Andrade; o Vinicius Estevão. Objetivo o Apresentar opções de projeto, suas fraquezas e oportunidades

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis. Palestrantes: Claudio Smith e Maria Ignácia

Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis. Palestrantes: Claudio Smith e Maria Ignácia Tema: Retenção de Conhecimento e Sucessão são possíveis num Tema: plano Nome de desligamento da Palestra voluntário Palestrante: O Case Claudio Eletronuclear Smith e Maria Ignácia Palestrantes: Claudio

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL

PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL E URBANO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

SISTEMÁTICA OPERACIONAL DE CONTROLE DA POTÊNCIA REATIVA DAS USINAS DE ANGRA 1 E ANGRA 2 DA CENTRAL NUCLEAR ALMTE. ÁLVARO ALBERTO

SISTEMÁTICA OPERACIONAL DE CONTROLE DA POTÊNCIA REATIVA DAS USINAS DE ANGRA 1 E ANGRA 2 DA CENTRAL NUCLEAR ALMTE. ÁLVARO ALBERTO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT - 25 16 a 21 Outubro de 5 Curitiba - Paraná GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SISTEMÁTICA

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Carlos Henrique Mariz Seminário Tecnologia Tropical - Energia Pernambuco PE Brasil 31 de agosto de 2012 Energia Elétrica - Visão do Mundo 15 Maiores geradores

Leia mais

ARGENTINA Planta II Mendoza

ARGENTINA Planta II Mendoza Centro de Produção ARGENTINA Planta II Mendoza Acreditamos no Poder da Natureza Descrição A IMPSA é uma empresa especializada no fornecimento de soluções integradas para a geração de energia elétrica,

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO

O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO Escolha o melhor parceiro LÍDER DE MERCADO COM MAIS DE 50 ANOS DE EXPERIÊNCIA Em 31 de março de 2013, gerimos

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- -

DEPPE Consultoria em Engenharia Ltda ------------------------------------------------------------------------- - CENTRAIS NUCLEARES DO NORDESTE QUE SEJAM CÓPIAS DE ANGRA 3 Lothario Deppe Engenheiro Nuclear LAS/ANS 2010 SYMPOSIUM, Junho de 2010 O QUE ESTÁ ACONTECENDO PROPOSTA ALTERNATIVA: COPIESE ANGRA 3 ALGUNS COMENTÁRIOS

Leia mais

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti Seminário Segurança Nuclear e Radiológica Ministro Augusto Sherman Cavalcanti I Auditoria Operacional Cnen visão geral apreendida amplo leque de atribuições. atividades com alto grau de complexidade e

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição:

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1570.00 Benefícios: Benefícios: NETBOOK, CELULAR; VEÍCULO;ALIMENTAÇÃO;DESPESAS COM VIAGENS; CESTA BÁSICA; CARTÃO DE CONVENIO;SEGURO DE VIDA Descrição: Vendas

Leia mais

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais A área de Utilidades Industriais Otimizações / REVAMP OU RETROFIT Reformas / Adaptações Peças de Reposição

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Centro de Produção BRASIL. Estado de Pernambuco. Acreditamos no Poder da Natureza

Centro de Produção BRASIL. Estado de Pernambuco. Acreditamos no Poder da Natureza Centro de Produção BRASIL Estado de Pernambuco Acreditamos no Poder da Natureza Descrição O Grupo IMPSA dedica-se ao fornecimento de soluções integrais para a geração de energia elétrica a partir de recursos

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Tito Livio M. Cardoso tito.livio@decisoescertas.com.br www.decisoescertas.com.br

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA

APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA APRESENTAÇÃO A MRS Estudos Ambientais Ltda., contratada para a realização dos serviços referentes à elaboração do Estudo de Impacto Ambiental - EIA e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental - RIMA

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS APRESENTAÇÃO A Munhoz Instalações Industriais é uma empresa referência no mercado, com forte atuação em engenharia elétrica e hidráulica. Reconhecimento resultado de dedicação

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto file:///f /RIMA_Angra3/index.html (1 of 2)25/9/2006 12:04:11 Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade

Leia mais

Marcraft Green STEM GT1500

Marcraft Green STEM GT1500 PAINÉIS DE TREINAMENTO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS 3 EM 1 CÉLULAS A COMBUSTÍVEL ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA EÓLICA Programa de 90 Horas de Treinamento Literatura técnica sobre energias renováveis e instruções

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3

Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3 Laboratório de Geografia Física do Instituto de Geografia da UERJ 3º Seminário sobre Energia Nuclear Aspectos Econômicos, Políticos e Ambientais Licenciamento Ambiental e Nuclear de Angra 3 Ronaldo Oliveira

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

EIA - Unidades de Produção de Pó e Pastilhas de UO 2, INB/CIR - Resende - RJ

EIA - Unidades de Produção de Pó e Pastilhas de UO 2, INB/CIR - Resende - RJ 6. DESCOMISSIONAMENTO 6.1. A LÓGICA DOS PLANOS DE DESCOMISSIONAMENTO O descomissionamento é considerado como a última das seis fases do processo de licenciamento de uma instalação nuclear, que envolve

Leia mais

SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA

SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA José Manuel Diaz Francisco Coordenação de Comunicação e Segurança

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Há benefícios socioambientais na implantação de uma Usina Nuclear? IEN - Rio, 17/11/2015

Há benefícios socioambientais na implantação de uma Usina Nuclear? IEN - Rio, 17/11/2015 Há benefícios socioambientais na implantação de uma Usina Nuclear? IEN - Rio, 17/11/2015 Coordenação de Responsabilidade Socioambiental e Comunicação Entorno Qual é o limite? Deficiências públicas Elas

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA UMA BASE BASE FORTE FORTE PARA PARA EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA FUNDAÇÃO SÓLIDA A eficiência energética é o alicerce sobre a qual se constrói edifícios melhores, para hoje

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RÁDIOLÓGICO Projeto 3 Monitoramento Sismológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Megaplasma Comercial Ltda

Megaplasma Comercial Ltda . Rua Dom Joaquim de Melo, 274 - Moóca CEP 03122-050 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 2601-5502 - Fax: (11) 2601-0512 megaplasma@megaplasma.com.br www.megaplasma.com.br P Utilizado nos sistemas de

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais