Comissão Nacional de Energia Nuclear

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comissão Nacional de Energia Nuclear"

Transcrição

1 II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010

2 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos de C&T CNEN Ministério de Minas e Energia Eletronuclear Ministério da Defesa Aeronáutica Exército Ministério das Relações Exteriores (com a AIEA) CTA CTEX IPEN INB Nuclep Angra 1 Angra 2 Marinha MEC e Estados da União CTMSP Universidades Pesquisa

3 CNEN ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CD Presidência CNEN Assuntos internacionais PJU Auditoria Comunicação Diretoria de Gestão Institucional Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Planejamento e Orçamento coordenações coordenações Diretoria de Radioproteção e Segurança Salvaguardas Normas Transporte IPEN CDTN IEN IRD CRCN Rejeitos Comércio Exterior Usuários Medicina e Indústria Instalações Radiativas (3000) Instalações Nucleares- (40)

4 A Medicina Nuclear no Mundo Segunda técnica de diagnóstico por imagem mais usada no mundo, após s a tomografia computadorizada (mais usada que NMR) 25 a 30 milhões com Tc-99m ( 80 % dos procedimentos) 2 milhões com F18-FDG FDG 5 milhões com os demais NO MUNDO 44% nos E.U.A. (População: 309 milhões de pessoas) 4.4 % no Brasil (População: 181 milhões de pessoas) 2,4 % na Argentina (Popul.: 041 milhões de pessoas) Portanto, nossa taxa de atendimento populacional é de 5,9 vezes inferior à americana e 2, 7 vezes inferior à argentina

5 Importância do Mo % de todos os procedimentos de medicina nuclear; Tem papel fundamental no diagnóstico de câncer, doenças cardiológicas, renais, etc.;.procedimentos alternativos são menos eficazes, menos efetivos e não universais; Tendência de aumento de uso em decorrência do maior envelhecimento populacional;

6 Transformação do Mo-99 (6 (6 horas) Anos) (Estável)

7 Tecnécio cio Elemento de cor cinza prata, metálico, tendo só isótopos radiativos, Artificial! Descoberto em 1937, por 2 físicos: f Perrier and Segré Gerado pelo Mo 99

8 Cadeia de produção industrial do Mo 99 Reator Processamento Mo 99 Gerador de Tc 99m Farmácia Nuclear paciente Fluxo de 3 a 4 dias Etapas críticas: irradiação de de 235 U em Reator Nuclear com alto enriquecimento (( mudando para baixo) Processamento do do elemento irradiado

9 Produção de Mo 99 via fissão Reação Nuclear neutron 131 I Mo U tem 92 prótons e 142 nêutrons Distribuição dos produtos de fissão do 235 U

10 Gerador de 99 Mo/ Mo/ 99m Tc Tempo de vida Tc= = 6h - Até 300 geradores/semana 100% produzido no no IPEN/CNEN com Mo importado 100%

11 Idade dos reatores produtores de Mo 99 LOCAL x NOME DO REATOR IDADE CANADÁ NRU 51 BÉLGICA BR2 47 ÁFRICA DO SUL x SAFARI-1 43 HOLANDA HFR 47 FRANÇA OSIRIS 42 Argentina AR3 43

12 Toda a atividade do consumo anual mundial corresponde a ~1,2 g de Mo 99!!! Brasil Europa Ásia USA Outros Atividade semanal Anos Consumo mundial semanal de Mo 99 Consumo do Brasil é 16,6 TBq ou 4,4% do total mundial

13 Distribuição regional dos radiofármacos produzidos pelo IPEN no Brasil 2% 14% Cerca de 300 clínicas no Brasil 6% 64% 14%

14 01/09/ Reatores produzem 95% do suprimento mundial

15 Idade dos reatores produtores de Mo 99 LOCAL x NOME DO REATOR IDADE CANADÁ NRU 51 BÉLGICA BR2 47 ÁFRICA DO SUL x SAFARI-1 43 HOLANDA HFR 47 FRANÇA OSIRIS 42 Argentina AR3 43

16 A crise do Mo-99 A crise é internacional Participação da Medicina Nuclear no pa ão da Medicina Nuclear no país Medidas paliativas Medidas de longo Prazo

17 Responsabilidades para a área de saúde Monopólio do estado (produzido em Reatores Nucleares) Logístistica (tempo, proximidade são fundamentais,), (ex.: Austrália), Confiabilidade, Cadeia de suprimentos (possuir e extrair Urânio, utilização, irradiação, processamento, manipulação farmacêutica, aplicação médica, médico nuclear, clínica nuclear, descarte, rejeitos)

18 14/10/2009 O estágio do Projeto: fase inicial adiantada Definição da área física em Aramar, com todas as vantagens da existência de um sítio Nuclear da Marinha; Complementação da área com recursos do governo do estado de São Paulo (5 milhões), além de outras possibilidades de investimento (FAPESP, S.S.); Definição de grupos de trabalho especialistas ( ~200 pesquisadores) e identificação das competências existentes e as deficitárias; Definição das necessidades para o Projeto Básico e as necessidades orçamentárias (55 milhões de reais) Definição das necessidades financeiras para o projeto detalhado (+ 45 milhões, totalizando 100 milhões de reais)

19 Medidas para mitigar a crise Sinópse O mundo está atravessando a maior crise de fornecimento de Mo 99; O Brasil está com fornecimento de mais de 80% sua demanda de pico; O problema de pessoal está agravado e ainda não tem solução R.h. O RMB é a solução de longo prazo;

20 Crise mundial em maio/2009 Preços iniciais de US$ 220/Ci T US$ 400/Ci T US$ 530/Ci T US$ 800/Ci T??? (2010) Evolução da Distribuição de Gerador de Tecnécio Distribuição de geradores de Tc 99m mci , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 - (R$) R$ Ano Atividade Faturamento

21 Distribuição de importações de radioisótopos (2009) Total de importação: 10,6 + 0,6 (geradores) = 11,2 milhões + 2,4 milhões (periféricos) =13,55 milhões de dólares $ ,76 $ ,32 $31.339,00 $ ,00 $27.454,00 $16.983,00 $2.469,75 Molibdenio-99 Semente de Iodo- 125 Iodo-131 Cloreto de Lutécio- 177 Irídio-192 $ ,00 $ ,0 7 Fósforo-32 Cromato-51 Cloreto-51 Iodo-125

22 Reator Multipropósito Brasileiro - RMB Autonomia Autonomiae

23 PRODUÇÃO DE RADIOISÓTOPOS RADIOISÓTOPOS PARA SAÚDE RADIOISÓTOPOS PARA INDÚSTRIA RADIOISÓTOPOS TRAÇADORES TESTE DE COMBUSTÍVEIS E MATERIAIS TESTE DE IRRADIAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS TESTE DE IRRADIAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DE FEIXE DE NÊUTRONS ANÁLISE POR ATIVAÇÃO TRANSMUTAÇÃO E DOPAGEM ENSINO E TREINAMENTO FÍSICA NUCLEAR CIÊNCIA DOS MATERIAIS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS INSUMOS RH PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REATOR E INFRA-ESTRUTURA UF6 20% ENRIQUECIDO REATOR RMB FABRICAÇÃO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS PARA UTILIZAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Instalações Suporte para Utilização, Operação e Manutenção do Reator Edifício com Guias de Nêutrons e Hall de Experimentos Células Quentes para Manuseio de Radioisótopos LICENCIAMENTO DEFINIÇÃO DO LOCAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NORMAS DE PROJETO LICENCIAMENTO NUCLEAR Células Quentes para Processamento de Mo-99 e I-131 PROJETO / CONSTRUÇÃO / COMISSIONAMENTO Laboratórios Suporte a Atividades Diversas do Reator RH PARA PROJETO PROJETO CONCEPÇÃO / BÁSICO PROJETO DETALHAMENTO (CONTRATOS) COMISSIONAMENTO CONSTRUÇÃO (CONTRATOS) RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO PARCERIAS NACIONAIS PARCERIAS INTERNACIONAIS Circuitos Experimentais para Teste de Irradiação de Combustíveis e Materiais Células Quentes para Análise Pós-irradiação (Combustíveis e Materiais) Instalação para Armazenamento Temporário de Elementos Combustíveis Queimados e Rejeitos

24 Utilização de Feixe de Nêutrons Modelo Reator OPAL - Austrália José Augusto Perrotta

25 Reunião de Abertura do Projeto Reator Multipropósito Brasileiro São Paulo 03 de Setembro de 2008 C T M S P

Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013

Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013 Comissão Nacional de Energia Nuclear Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013 Recife, 27 de novembro de 2013 Isaac José Obadia

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

Reator Multipropósito Brasileiro. www.ipen.br

Reator Multipropósito Brasileiro. www.ipen.br Reator Multipropósito Brasileiro Radiofármacos uma colaboração para a medicina brasileira Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares FAAP 25/05/2011 www.ipen.br Nilson Dias Vieira Junior ÁREA E LOCALIZAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) apresenta ao IBAMA o documento intitulado:

APRESENTAÇÃO. A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) apresenta ao IBAMA o documento intitulado: APRESENTAÇÃO A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) apresenta ao IBAMA o documento intitulado: Relatório de Impacto Ambiental do Reator Multipropósito Brasileiro Agosto de 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA PRESIDÊNCIA MCT MME MD MRE INB CNEN NUCLEP Eletronuclear Aeronáutica Exército Institutos de C&T Angra 1 Angra 2 CTA Marinha CTEX MEC CTMSP Universidades

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar Centro Regional de Ciências Nucleares Heldio Pereira Villar Comissão Nacional de Energia Nuclear O CRCN O CRCN foi criado em 14 de junho de 1996 por meio de um convênio entre CNEN, UFPE e FUNDACENTRO O

Leia mais

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL.

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO

Leia mais

PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016

PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016 PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016 Janeiro de 2016 1. O PPA 2016-2019 e o Programa Temático Política Nuclear A política nacional de atividades nucleares tem como objetivos: assegurar o

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO *

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO * O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO * Pedro Silva Barros** Antonio Philipe de Moura Pereira*** 1 Introdução As origens do Programa Nuclear Brasileiro (PNB) remetem aos anos 1930 e 1940, com as primeiras pesquisas

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ. A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro

1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ. A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro Comissão Nacional de Energia Nuclear 1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro Isaac José Obadia Coordenador Geral de C&T Nucleares Diretoria de P&D/CNEN

Leia mais

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear.

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear. DIREITO NUCLEAR Constituição Federal(art. 21, XXVIII- resumo histórico) O Brasil na Ordem Internacional Nuclear Alguns instrumentos bilaterais e multilaterais. Abrangência do Direito Nuclear Pátrio ( protagonistas)

Leia mais

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica Programa 2059 - Política Nuclear 12P1 - Reator Multipropósito Brasileiro Número de Ações 20 Empreendimento implantado Unidade de Medida: percentual de execução física Implantação, no País, de uma instalação

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Marília T. Christóvão 1,2, Tarcísio P. Ribeiro de Campos 1 1 Curso

Leia mais

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio Belo Horizonte, 03 de agosto de 2011 Noil A. M. Cussiol Comissão Nacional de Energia Nuclear Autarquia

Leia mais

PRINCIPAIS REALIZAÇÕES GESTÃO 1999

PRINCIPAIS REALIZAÇÕES GESTÃO 1999 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR - CNEN PRINCIPAIS REALIZAÇÕES GESTÃO 1999 SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO janeiro / 2000 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Radiopharmaceuticals: Status and Trends for Modern Medicine

Radiopharmaceuticals: Status and Trends for Modern Medicine November 24-29, 2013 Recife, Brazil Radiopharmaceuticals: Status and Trends for Modern Medicine Celso Darío Ramos Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, presidente. Serviço de Medicina Nuclear da UNICAMP,

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

PRINCIPAIS REALIZAÇÕES

PRINCIPAIS REALIZAÇÕES COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR - CNEN PRINCIPAIS REALIZAÇÕES GESTÃO 1998 SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO janeiro / 99 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR SUMÄRIO 1- FINALIDADES ESSENCIAIS

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA Nosso objeto social Promover, desenvolver, absorver e manter tecnologias necessárias às atividades nucleares do Programa Nuclear Brasileiro e Programa Nuclear da Marinha. Promover, desenvolver, absorver

Leia mais

Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 10/06/2015. Semsa e CMS promovem 10ª Semana de Controle Social

Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 10/06/2015. Semsa e CMS promovem 10ª Semana de Controle Social Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 10/06/2015 Portal do Holanda 10 de Junho de 2015. Fonte: http://www.portaldoholanda.com.br/amazonas/semsa-e-cmspromovem-10-semana-de-controle-social Semsa e CMS promovem

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Tereza Cristina Salvetti

Tereza Cristina Salvetti Tereza Cristina Salvetti Trav. Afrânio do Amaral, 7 Bairro Campestre Santo André 09070-350 - SP (11) 4421 4844 / 9183 9704 e-mail: salvetti@ipen.br ou tsalvetti@gmail.com Áreas de Atuação: ENGENHARIA /

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Reservas mundiais de U devem bastar para, pelo menos, mais 100 anos de geração de energia elétrica no mundo. Independência estratégica. Emissão zero

Leia mais

Aben: 30 anos de desafios e vitórias. RMB começa a produzir em 2018. Entrevista: ministro Marco Antonio Raupp

Aben: 30 anos de desafios e vitórias. RMB começa a produzir em 2018. Entrevista: ministro Marco Antonio Raupp Informativo da Associação Brasileira de Energia Nuclear Ano 19 Número 40 2013 Aben: 30 anos de desafios e vitórias RMB começa a produzir em 2018 Entrevista: ministro Marco Antonio Raupp Brasil Nuclear

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL

A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL LEONEL SOARES DE SOUZA 1 ; RICARDO COURA OLIVEIRA 2 ; MARCELO JOSÉ SIMONETTI 3. 1 Graduando do Curso de Tecnologia em Automação Industrial, Fatec - SP. E-mail:

Leia mais

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares Iêda Gomes Nícoli Distrito do Planalto Central MOTIVAÇÃO Fonte de Césio-137 levada até a Vigilância Sanitária de Goiânia, GO,

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos

Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos Elementos Radioativos em Medicina Nuclear RADIONUCLÍDEOS PARA DIAGNÓSTICO EM MEDICINA NUCLEAR NUCLÍDEO MEIA-VIDA (h) DECAIMENTO ENEGRGIA (kev) 99mTc 6 IT 140

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 RIO DE JANEIRO, 2013 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL

Leia mais

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE)

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Dr. Marcus Alexandre Vallim de Alencar Coordenador do CASEC vallim@ird.gov.br Instalações Nucleares e Radiativas Instalações Nucleares

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 RIO DE JANEIRO, 2015 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

O Programa Nuclear Brasileiro e a Física Médica no Brasil

O Programa Nuclear Brasileiro e a Física Médica no Brasil Artigo de Revisão Revista Brasileira de Física Médica. 2009;3(1):151-6. O Programa Nuclear Brasileiro e a Física Médica no Brasil The Brazilian Nuclear Program and the consequences for Medical Physics

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

GABARITO PRELIMINAR CONCURSO PÚBLICO PARA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNEN

GABARITO PRELIMINAR CONCURSO PÚBLICO PARA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNEN GABARITO PRELIMINAR CONCURSO PÚBLICO PARA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNEN CARGO: TL1 TECNOLOGISTA EM ANÁLISE DE SEGURANÇA 01 D 26 C 51 B 76 D 02

Leia mais

Programa Energia Nuclear

Programa Energia Nuclear Programa Energia Nuclear Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Julho/2010 Gestor: Odair Dias Gonçalves Presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear Situação

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

Energia Nuclear e Impacto Ambiental

Energia Nuclear e Impacto Ambiental José Marcus de Oliveira Godoy Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil

Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil facure@cnen.gov.br ciclotron@cnen.gov.br Alessandro Facure, D.Sc. DIACO/CGMI - CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Planeja, orienta

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Aplicações da Energia Nuclear Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22290-901 www.cnen.gov.br

Leia mais

PERFIL DA ORGANIZAÇÃO

PERFIL DA ORGANIZAÇÃO PERFIL DA ORGANIZAÇÃO Recife, 2013 Descrição da Organização O Centro Regional de Ciências Nucleares do Nordeste CRCN-NE integra a Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN, autarquia federal vinculada

Leia mais

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil Jair Mengatti Diretor de Produtos e Serviços IPEN-CNEN/SP " XI ENAN 26 de novembro de 2013 Recife, Pernambuco Radiofármaco De acordo com a RDC nº

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2059 - Política Nuclear 12P1 - Implantação do Reator Multipropósito Brasileiro Número de Ações 25 Unidade Responsável: Comissão Nacional de Energia Nuclear Empreendimento implantado O Empreendimento

Leia mais

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

DIREITO NUCLEAR E O TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR TNP MINICURSO

DIREITO NUCLEAR E O TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR TNP MINICURSO Direito Nuclear e o Tratado de Não Proliferação Nuclear - TNP (minicurso) Programa: Fonte do Direito Nuclear objeto primário, elementos e princípios mandatórios. Constituição Federal (Princípios Fundamentais).

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA DE DE Decisão do CDPNB em 16 de agosto de 2008 Apresentada ao Congresso Nacional em 20 de março de 2012 pelo PL 3538/12 Exposição de Motivos Interministerial Nº 00097/MD/MP/MF Criada pela LEI Nº 12.706,

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR 2 Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear Resolução CNEN 10/96 Publicação:

Leia mais

TERRITÓRIO E POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

TERRITÓRIO E POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E TERRITÓRIO E POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE: ABORDAGEM A PARTIR DE UMA CIRCULARIDADE PRODUTIVA LIGADA À MEDICINA NUCLEAR NA ARGENTINA E NO BRASIL Fabíola Lana Iozzi CALLASS 2014 SESSÃO

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br Motivação Conceitos fundamentais sobre radioproteção

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Antonio Figueira Centro de Energia Nuclear na Agricultura CENA Universidade de São Paulo - USP Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) Piracicaba, SP

Leia mais

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares P L A N O D I R E T O R 2 0 1 1 2 0 2 0

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares P L A N O D I R E T O R 2 0 1 1 2 0 2 0 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares P L A N O D I R E T O R 2 0 1 1 2 0 2 0 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares P L A N O D I R E T O R 2 0 1 1 2 0 2 0 Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

ANS -LAS. Segurança Física em Reatores de Pesquisa. Ruth Alves - 25/06/2013 ABEN Associação Brasileira de Energia Nuclear

ANS -LAS. Segurança Física em Reatores de Pesquisa. Ruth Alves - 25/06/2013 ABEN Associação Brasileira de Energia Nuclear ANS -LAS Segurança Física em Reatores de Pesquisa Ruth Alves - 25/06/2013 ABEN Associação Brasileira de Energia Nuclear AGENDA Objetivos da segurança Linhas de Defesa Áreas de Proteção Física Status Brasil

Leia mais

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini GPT Acreditação ABRAC / Gerente de Novos Negócios Fundação Vanzolini Tema Acreditação:

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS Silvia Maria Velasques de Oliveira INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

Leia mais

II Congresso de Física Médica da UNICAMP

II Congresso de Física Médica da UNICAMP II Congresso de Física Médica da UNICAMP Atuação do físico médico em empresas de grande porte Ana Celia Sobreira Campinas, agosto de 2010 Becquerel Marie Curie Hevesy NOSSA EMPRESA REM Indústria e Comércio

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 RIO DE JANEIRO, 2014 1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou

Leia mais

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote Aula 2 Aplicações das Radiações Radiografias Análise de Materiais O XPS (X-Rays Photoelectron Spectroscopy - Espectroscopia Fotoelétrica de Raio-X). Também conhecido como ESCA ( Electron Spectroscopy for

Leia mais

expansão energética O desafio da Fornecedores e usuários pedem política integrada para o setor Medicina nuclear

expansão energética O desafio da Fornecedores e usuários pedem política integrada para o setor Medicina nuclear Informativo da Associação Brasileira de Energia Nuclear Ano 19 Numero 42 2014 Medicina nuclear Fornecedores e usuários pedem política integrada para o setor O desafio da expansão energética Esgotamento

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS

LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Norma CNEN NN 6.02 Resolução CNEN 166/14 Abril / 2014 LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Resolução CNEN 112/11 Publicação: DOU 01.09.2011 Resolução CNEN 166/14 Publicação: DOU 29.04.2014 NORMA CNEN

Leia mais

Inovar e investir para sustentar o crescimento POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO (PDP) Maria Luisa Campos Machado Leal Diretora - ABDI

Inovar e investir para sustentar o crescimento POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO (PDP) Maria Luisa Campos Machado Leal Diretora - ABDI Inovar e investir para sustentar o crescimento POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO (PDP) Maria Luisa Campos Machado Leal Diretora - ABDI Brasília, 23 de novembro de 2010 Política Industrial, Tecnológica

Leia mais

Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos

Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Setembro / 2010 www.anvisa.gov.br HISTÓRICO Constituição de 1988 Art. 21 XXIII - explorar os serviços e instalações

Leia mais

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt Sustentabilidade em saúde Dr. Reynaldo A. Brandt Definição Sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. É suprir as necessidades da geração

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 Revoga a Portaria 496, de 11 de dezembro de 2002. O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das competências que

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Parecer de Aprovação MEC n 3.607, de 3 de dezembro de 2003 -D.O.U 4/12/2003 Diretora da Faculdade: Profª Vera Lucia

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Brasília, 14 junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Roteiro Observações iniciais Energia nuclear no mundo Energia nuclear

Leia mais

Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu

Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu Física Médica Pós-Graduação Stricto Sensu Divanizia N Souza Universidade Federal de Sergipe Processo Seletivo O processo varia de acordo com a instituição Currículo para análise Provas de línguas Projeto

Leia mais

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Por: Drausio Atalla DATA Energia Elétrica é fator fundamental para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida que somente ocorrerá no Brasil se

Leia mais

Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999

Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999 Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999 Aprova o texto do Acordo de Cooperação sobre os Usos Pacíficos da Energia Nuclear, celebrado entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear 1 FUNCIONAMENTO DE UMA USINA NUCLEAR 2 BARREIRAS FÍSICAS MÚLTIPLAS CONTRA A LIBERAÇÃO DE PRODUTOS RADIOATIVOS

Leia mais