ANEXO A. NORMAS DA CNEN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp"

Transcrição

1 ANEXO A NORMAS DA CNEN A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011. NE-1.02, Critérios Gerais de Projeto para Usinas de Reprocessamento de Combustíveis Nucleares, D.O.U. de 27/06/1979. NE-1.04, Licenciamento de Instalações Nucleares, D.O.U. de 12/12/2002. Posição regulatória 1.04/001 - Apresentação de Relatórios de Segurança para Instalações de Enriquecimento Isotópico por Ultracentrifugação. NE-1.06, Requisitos de Saúde para Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 17/06/1980. NE-1.08, Modelo Padrão para Relatório de Análise de Segurança de Usinas de Reprocessamento de Combustíveis Nucleares, D.O.U. de 04/02/1980. NE-1.09, Modelo Padrão para Relatório de Análise de Segurança de Fábricas de Elementos Combustíveis, D.O.U. de 14/11/1980. NE-1.10, Segurança de Sistemas de Barragem de Rejeitos Contendo Radionuclídeos, D.O.U. de 27/11/1980. NE-1.11, Modelo Padrão para Relatório de Análise de Segurança de Usinas de Produção de Hexafluoreto de Urânio Natural, D.O.U. de 17/02/1983. NE-1.28, Qualificação e Atuação de Órgãos de Supervisão Técnica Independente em Usinas Nucleoelétricas e outras Instalações, D.O.U. de 11/10/1999. NE-1.13, Licenciamento de Minas e Usinas de Beneficiamento de Minérios de Urânio e/ou Tório, D.O.U de 08/08/1989. NN-1.14, Relatórios de Operação de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 10/01/2002. NN-1.16, Garantia da Qualidade para a Segurança de Usinas Nucleoelétricas e outras Instalações, D.O.U. de 03/04/2000. NN-1.17, Qualificação de Pessoal e Certificação, para Ensaios não Destrutivos em Itens de Instalações Nucleares, D.O.U. de 01/12/2011. NE-1.18, Conservação Preventiva em Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 04/09/

2 NE-1.19, Qualificação de Programas de Cálculo para a Análise de Acidentes de Perda de Refrigerante em Reatores à Água Pressurizada, D.O.U. de 11/11/1985. NE-1.20, Aceitação de Sistemas de Resfriamento de Emergência do Núcleo de Reatores à Água Leve, D.O.U de 11/11/1985. NE-1.21, Manutenção de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 28/ NE-1.22, Programas de Meteorologia de Apoio de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 08/ 08/1989. NE-1.24, Uso de Portos, Baías e Águas sob Jurisdição Nacional por Navios Nucleares, D.O.U. de 16/12/1991. NE-1.25, Inspeção em Serviço em Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 27/09/1996. NE-1.26, Segurança na Operação de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 16/10/1997. Posição regulatória 1.26/001, Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Usinas Nucleoelétricas. NE-1.27, Garantia da Qualidade na Aquisição, Projeto e Fabricação de Elementos Combustíveis, D.O.U de 21/09/1999. NE-1.28, Qualificação e Atuação de Órgãos de Supervisão Técnica Independente em Usinas Nucleoelétricas e outras Instalações, D.O.U. de 11/10/1999. Resolução CNEN Nº 09/1969, Normas para Escolha de Local para Instalação de Reatores de Potência, D.O.U. de 31/07/1969. A.2. GRUPO 2: CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES, PROTEÇÃO FÍSICA E CONTRA INCÊNDIO NE-2.01, Proteção Física de Unidades Operacionais da Área Nuclear, D.O.U. de 01/09/2011. NN-2.02, Controle de Materiais Nucleares, D.O.U. de 21/09/1999. NE-2.03, Proteção Contra Incêndio em Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 21/09/1999. NE-2.04, Proteção Contra Incêndio em Instalações Nucleares do Ciclo do Combustível, D.O.U. de 16/10/1997. A.3. GRUPO 3: PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NN-3.01, Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica, D.O.U de 01/09/

3 Posição regulatória 3.01/001:2011, Critérios de Exclusão, Isenção e Dispensa de Requisitos de Proteção Radiológica. Posição regulatória 3.01/002:2011, Fatores de Ponderação para as Grandezas de Proteção Radiológica. Posição regulatória /2011, Coeficientes de Dose para Indivíduos Ocupacionalmente Expostos. Posição regulatória 3.01/004/2011, Restrição de Dose, Níveis de Referência Ocupacionais e Classificação de Áreas. Posição regulatória 3.01/005:2011, Critérios de Cálculo de Dose Efetiva a Partir da Monitoração Individual. Posição regulatória 3.01/006:2011, Medidas de Proteção e Critérios de Intervenção em Situações de Emergência. Posição regulatória 3.01/007:2011, Níveis de Intervenção e de Ação para Exposição Crônica. Posição regulatória 3.01/008:2011, Programa de Monitoração Radiológica Ambiental. Posição regulatória 3.01/009:2011, Modelo para Elaboração de Relatórios de Programa de Monitoração Radiológica Ambiental. Posição regulatória 3.01/010:2011, Níveis de Dose para Notificação à CNEN. Posição regulatória 3.01/011:2011, Coeficientes de Dose para a Exposição do Público. NE-3.02, Serviços de Radioproteção, D.O.U. de 01/08/1988. NN-3.05, Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear, D.O.U. de 19/04/1996. NN-6.04, Requisitos de Segurança e Proteção Radiológica para Serviços de Radiografia Industrial, D.O.U. de 25/03/2013. Resolução CNEN Nº 130/12, Requisitos de Segurança e Proteção Radiológica em Serviços de Radioterapia, D.O.U. de 04/06/2012. Resolução CNEN Nº 145/2013, Requisitos de Segurança e Proteção Radiológica para Serviços de Radiografia Industrial, D.O.U. de 25/03/2013. A.4. GRUPO 4: MATERIAIS, MINÉRIOS E MINERAIS NUCLEARES NN-4.01, Requisitos de Segurança e Proteção Radiológica para Instalações Minero- Industriais, D.O.U. 26/05/

4 Resolução CNEN Nº 03/65, Fixa Normas no que se Referem aos Minerais, Minérios Nucleares e de Interesse para a Energia Nuclear, D.O.U. 20/01/1975. Resolução CNEN Nº 04/69, Define Regras para o Exportador de Minerais ou Minérios que Contenham Elementos Nucleares, D.O.U. de 13/03/1965. Resolução CNEN Nº 08/77, Esclarece a Regra para o Exportador (Na Resolução 04/69), Caso não Seja Possível a Aquisição no Mercado Externo, D.O.U. de 29/09/1977. Resolução CNEN Nº 18/88, Estabelece Critérios de Dispensa de Requisitos para Exportadores, D.O.U. de 16/05/2011. Port. 279/97, Define Regras para a Importação de Produtos à Base de Lítio, D.O.U. de 01/12/1997. Resolução CNEN Nº 147/13, Nível de Isenção para o Uso do Fosfogesso na Agricultura ou na Indústria Cimenteira, D.O.U. de 01/09/2011. A.5. GRUPO 5: TRANSPORTE DE MATERIAIS RADIOATIVOS NE-5.01, Transporte de Materiais Radioativos, D.O.U. de 01/08/1988. Posição regulatória 5.01/001, Transporte de Material Radioativo por Motocicletas. NE-5.02, Transporte, Recebimento, Armazenagem e Manuseio de Elementos Combustíveis de Usinas Nucleoelétrica, D.O.U. de 17/02/2003. NE-5.03, Transporte, Recebimento, Armazenagem e Manuseio de Itens de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 02/02/1989. NN-5.04, (Res.148/13), Rastreamento de Veículos de Transporte de Material Radioativo, D.O.U. de 23/03/2013. A.6. GRUPO 6: INSTALAÇÕES RADIATIVAS Resolução CNEN Nº 112/2011, Licenciamento de Instalações Radiativas, D.O.U. de 01/09/2011. NE-6.06, Seleção e Escolha de Locais para Depósitos de Rejeitos Radioativos, D.O.U. de 24/01/1990. A.7. GRUPO 7: CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE PESSOAS Resolução CNEN Nº 109/11, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares - D.O.U. de 01/09/

5 NN-1.17, Qualificação de Pessoal e Certificação para Ensaios não-destrutivos em Itens de Instalações Nucleares, D.O.U. de 01/12/2011. NN-6.01, Requisitos para Registro de Pessoas Físicas para o Preparo, Uso e Manuseio de Fontes Radioativas, D.O.U de 01/03/1999. Resolução CNEN Nº 144/2013, Registro de Operadores de Radiografia Industrial, D.O.U. de 25/03/2013. Resolução CNEN Nº 146/13, Certificação da Qualificação de Supervisores de Proteção Radiológica, D.O.U de 25/03/2013. A.8. GRUPO 8: REJEITOS RADIOATIVOS NE-6.05, Gerência de Rejeitos Radioativos em Instalações Radiativas, D.O.U. de 17/12/1985. NE-6.06, Seleção e Escolha de Locais para Depósitos de Rejeitos Radioativos, D.O.U. de 24/01/1990. NN-6.09, Critérios de Aceitação para Deposição de Rejeitos Radioativos de Baixo e Médio Níveis de Radiação, D.O.U. de 23/04/2002. Resolução CNEN Nº 04/1989, Para-Raios com Material Radioativo, D.O.U. de 19/04/1986. Posição regulatória 1.26/001, Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 25/03/2008. A.9. GRUPO 9: DESCOMISSIONAMENTO Resolução CNEN Nº 133/2012, Descomissionamento de Usinas Nucleoelétricas, D.O.U. de 21/11/

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

16. Dose absorvida comprometida - D(τ) - grandeza expressa por

16. Dose absorvida comprometida - D(τ) - grandeza expressa por 10 ISSN 1677-7042 1 Nº 4, quinta-feira, 6 de janeiro de 2005 nos termos e condições da Portaria CNEN/PR nº 161, publicada no DOU de 141204, S 1, pág 239, que com este ato transforma-se na Resolução CNEN/CD

Leia mais

IRPA 2013. Elaboração de Normas para Certificação de SPRs no Brasil. Eduardo Mendonça Costa CNEN/DRS/DINOR 2013

IRPA 2013. Elaboração de Normas para Certificação de SPRs no Brasil. Eduardo Mendonça Costa CNEN/DRS/DINOR 2013 IRPA 2013 Elaboração de Normas para Certificação de SPRs no Brasil Eduardo Mendonça Costa CNEN/DRS/DINOR 2013 Necessidade de certificação Falhas humanas correspondem a 48% das causas de acidentes em instalações

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 Revoga a Portaria 496, de 11 de dezembro de 2002. O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das competências que

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2006

PROJETO DE LEI N o, DE 2006 PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) Dispõe sobre a proteção aos trabalhadores ocupacionalmente expostos à radiação, regulamenta o Art. 12 da Convenção

Leia mais

Licenciamento e Controle de Instalações Medicinas

Licenciamento e Controle de Instalações Medicinas Prática Medicina Nuclear Autorização para Construção / Autorização para Modificação Itens Importantes à Segurança (conforme Norma CNEN-NN-6.02) A Autorização para Construção /Modificação deverá ser solicitada

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS

PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS PROJETO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE REGULATÓRIO DO INVENTÁRIO DE REJEITOS RADIOATIVOS DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Marília T. Christóvão 1,2, Tarcísio P. Ribeiro de Campos 1 1 Curso

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS

LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Norma CNEN NN 6.02 Resolução CNEN 166/14 Abril / 2014 LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES RADIATIVAS Resolução CNEN 112/11 Publicação: DOU 01.09.2011 Resolução CNEN 166/14 Publicação: DOU 29.04.2014 NORMA CNEN

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade O Centro Regional de Treinamento do Simpósio Minérios & Radioatividade 18 a 20 de Agosto de 2014 Almir Faria Clain almir@ird.gov.br Centro Regional de Treinamento do O Centro Regional de Ensino e Treinamento:

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN A CNEN REJEITOS RADIOATIVOS 1/8 NOV/2001 A CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear é o órgão federal responsável pelo licenciamento e fiscalização das instalações nucleares e radiativas brasileiras.

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR NOVAS RECOMENDAÇÕES

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Front End (da etapa inicial) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NN 1.16 Portaria CNEN 17/00 Abril / 2000 GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação: DOU 21.09.1999 Portaria CNEN 17/00

Leia mais

FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL. Adelia Sahyun

FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL. Adelia Sahyun FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL Adelia Sahyun O GRUPO DE ESTUDO, COMPOSTO POR Gian Maria Sordi Coordenador Adelia Sahyun Paulo Gonçalves de Oliveira Ricardo Andreucci Waldomiro

Leia mais

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS.

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. Paulo César Francisco Henriques Consultor - Rua Tirol 690 / 206 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro RJ 22.750-007 pcfhenriques@ig.com.br

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Norma CNEN NN 1.17 Resolução CNEN 118/11 Setembro / 2011 QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN 02/96 Publicação: DOU 19.04.1996

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS

TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Norma CNEN NE 5.02 Portaria CNEN/PR 08/03 Fevereiro / 2003 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Histórico da norma: Portaria DExI CNEN - 02/86

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx

Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx Ata da Reunião do Grupo Temático xxxx Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS

MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Norma CNEN NE 1.21 Resolução CNEN 03/91 Agosto / 1991 MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS Resolução CNEN 03/91 Publicação: DOU 28.08.1991 SUMÁRIO CNEN NE 1.21 - MANUTENÇÃO DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS 1.

Leia mais

CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS.

CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS. CNEN NE 5.02 Outubro/1986 TRANSPORTE, RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE ELEMENTO COMBUSTÍVEIS DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS. Transporte, Recebimento, Armazenagem e Manuseio de Elementos Combustíveis de

Leia mais

Energia Nuclear e Impacto Ambiental

Energia Nuclear e Impacto Ambiental José Marcus de Oliveira Godoy Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior AGENDA A bomba atômica. A geração da energia atômica. RI efeitos sobre

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Norma CNEN NN 8.02 Resolução CNEN 168/14 Abril / 2014 LICENCIAMENTO DE DEPÓSITOS DE REJEITOS RADIOATIVOS DE BAIXO E MÉDIO NÍVEIS DE RADIAÇÃO

Norma CNEN NN 8.02 Resolução CNEN 168/14 Abril / 2014 LICENCIAMENTO DE DEPÓSITOS DE REJEITOS RADIOATIVOS DE BAIXO E MÉDIO NÍVEIS DE RADIAÇÃO Norma CNEN NN 8.02 Resolução CNEN 168/14 Abril / 2014 LICENCIAMENTO DE DEPÓSITOS DE REJEITOS RADIOATIVOS DE BAIXO E MÉDIO NÍVEIS DE RADIAÇÃO Resolução CNEN 168/14 Publicação: DOU 14.05.2014 NORMA CNEN

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Parecer de Aprovação MEC n 3.607, de 3 de dezembro de 2003 -D.O.U 4/12/2003 Diretora da Faculdade: Profª Vera Lucia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

a expansão do uso das radiações ionizantes na Medicina e Odontologia no país;

a expansão do uso das radiações ionizantes na Medicina e Odontologia no país; Boa tarde! Diego Veja a legislação abaixo: Mensagem encaminhada pelo colega Jorge INTRODUÇÃO - PORTARIA Nº 453 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE TERÇA-FEIRA, 02 DE JUNHO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE

Leia mais

QUADRO N.º 2 FAIXA DE TERRENO ATÉ A DISTÃNCIA QUANTIDADE ARMAZENADA EM QUILO MÁXIMA DE

QUADRO N.º 2 FAIXA DE TERRENO ATÉ A DISTÃNCIA QUANTIDADE ARMAZENADA EM QUILO MÁXIMA DE QUADRO N.º 1 ATIVIDADES ADICIONAL DE 30% a) no armazenamento de explosivos Todos os trabalhadores nessa atividade ou que permaneçam na área de risco. b) no transporte de explosivos Todos os trabalhadores

Leia mais

Nuclear; XII - providenciar o recolhimento das fontes radioativas fora de uso no Serviço de Medicina Nuclear; XIII - notificar à CNEN, imediatamente

Nuclear; XII - providenciar o recolhimento das fontes radioativas fora de uso no Serviço de Medicina Nuclear; XIII - notificar à CNEN, imediatamente NEXO NORM CNEN NN 3.05 REQUISITOS DE SEGURNÇ E PROTEÇÃO RDIOLÓGICPR SERVIÇOS DE MEDICIN NUCLER Dispõe sobre os requisitos de segurança e proteção radiológica em Serviços de Medicina Nuclear in vivo. CPITULO

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Malvina Boni Mitake 1 e Fábio Fumio Suzuki 1 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN-CNEN/SP,

Leia mais

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio Belo Horizonte, 03 de agosto de 2011 Noil A. M. Cussiol Comissão Nacional de Energia Nuclear Autarquia

Leia mais

Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA)

Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA) Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA) Videira, H.S. 1,2 ; Abe, R. 1,2 e Buchpiguel, C.A. 1,3 1 Hospital das Clinicas

Leia mais

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti Seminário Segurança Nuclear e Radiológica Ministro Augusto Sherman Cavalcanti I Auditoria Operacional Cnen visão geral apreendida amplo leque de atribuições. atividades com alto grau de complexidade e

Leia mais

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR 2 Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear Resolução CNEN 10/96 Publicação:

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA

LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA ESTUDO LEGISLAÇÃO NUCLEAR NO BRASIL, ESTADOS UNIDOS, AUSTRÁLIA, CANADÁ E ALEMANHA Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO JUNHO/2005 Câmara

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS Silvia Maria Velasques de Oliveira INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 32, de 05/03/07 Produtos Perigosos em

Leia mais

Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil

Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil Licenciamento de Instalações Produtoras de Radiofármacos no Brasil facure@cnen.gov.br ciclotron@cnen.gov.br Alessandro Facure, D.Sc. DIACO/CGMI - CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Planeja, orienta

Leia mais

ANÁLISE DOS REGISTROS DE DOSE OCUPACIONAL EXTERNA NO BRASIL

ANÁLISE DOS REGISTROS DE DOSE OCUPACIONAL EXTERNA NO BRASIL International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DOS REGISTROS DE DOSE OCUPACIONAL EXTERNA NO BRASIL Claudia

Leia mais

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 02, de 02 de fevereiro de 1979 08/02/79

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS Alexandre França Velo 1*, Joel Mesa Hormaza 1, Gilberto Ribeiro Furlan 2, Walter Siqueira Paes 2 1* Departamento de Física e Biofísica

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO EVENTO DE TRANSBORDAMENTO DE SOLVENTE CONTENDO URÂNIO SEGUNDO A ESCALA INES (INTERNATIONAL NUCLEAR AND RADIOLOGICAL EVENT SCALE)

CLASSIFICAÇÃO DO EVENTO DE TRANSBORDAMENTO DE SOLVENTE CONTENDO URÂNIO SEGUNDO A ESCALA INES (INTERNATIONAL NUCLEAR AND RADIOLOGICAL EVENT SCALE) CLASSIFICAÇÃO DO EVENTO DE TRANSBORDAMENTO DE SOLVENTE CONTENDO URÂNIO SEGUNDO A ESCALA INES (INTERNATIONAL NUCLEAR AND RADIOLOGICAL EVENT SCALE) Eneida R. G. Dourado 1, Juliana T. de Assis 2, Karina B.

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

SETOR DE ENERGIA... 4

SETOR DE ENERGIA... 4 Versão em EDIÇÃO SETOR DE ENERGIA... 4 1. ATIVIDADES DE GERAÇÃO... 7 1.1. Usina Eólica... 7 1.2. Usina Termelétrica... 8 1.3. Central de Geração Hidrelétrica (CGH)... 9 1.4. Pequena Central Hidrelétrica

Leia mais

Metodologia para Parametrização de Inspeções de Radioproteção em Instalações Radiativas: Uma Agenda de Pesquisa

Metodologia para Parametrização de Inspeções de Radioproteção em Instalações Radiativas: Uma Agenda de Pesquisa Metodologia para Parametrização de Inspeções de Radioproteção em Instalações Radiativas: Uma Agenda de Pesquisa Bruno Costa Filgueiras 1, Fernanda F. Sauerbronn 2, 1 Rua General Severiano, 90, Botafogo,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima PauloWerneck Eletronuclear - Brasil Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto ANGRA 2 Potência: 1.350 MW Tecnologia: Siemens/KWU Operação: Janeiro/2001 ANGRA

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL POR TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR QUEIMADO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL POR TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR QUEIMADO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL

Leia mais

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar Centro Regional de Ciências Nucleares Heldio Pereira Villar Comissão Nacional de Energia Nuclear O CRCN O CRCN foi criado em 14 de junho de 1996 por meio de um convênio entre CNEN, UFPE e FUNDACENTRO O

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais A área de Utilidades Industriais Otimizações / REVAMP OU RETROFIT Reformas / Adaptações Peças de Reposição

Leia mais

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica

1393 - Implantação da Usina de Enriquecimento de Urânio com Unidade Tecnológica de Separação Isotópica Programa 2059 - Política Nuclear 12P1 - Reator Multipropósito Brasileiro Número de Ações 20 Empreendimento implantado Unidade de Medida: percentual de execução física Implantação, no País, de uma instalação

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares

O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares Iêda Gomes Nícoli Distrito do Planalto Central MOTIVAÇÃO Fonte de Césio-137 levada até a Vigilância Sanitária de Goiânia, GO,

Leia mais

CNEN-NN-6.04 janeiro/1989 FUNCIONAMENTO DE SERVIÇOS DE RADIOGRAFIA INDUSTRIAL

CNEN-NN-6.04 janeiro/1989 FUNCIONAMENTO DE SERVIÇOS DE RADIOGRAFIA INDUSTRIAL CNEN-NN-6.04 janeiro/1989 FUNCIONAMENTO DE SERVIÇOS DE RADIOGRAFIA INDUSTRIAL 2 Funcionamento de Serviços de Radiografia Industrial Resolução CNEN 31/88 Publicação: D.O.U. em 26/01/89 3 SUMÁRIO CNEN-NN-6.04

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Energia Nuclear e Responsabilidade Sócioambiental SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Expositor:

Leia mais

I - SERVIÇOS 1) A empresa contratada para prestar qualquer tipo de serviço com duração superior a 30 dias, deverá: a) Fornecer cópia do PPRA;

I - SERVIÇOS 1) A empresa contratada para prestar qualquer tipo de serviço com duração superior a 30 dias, deverá: a) Fornecer cópia do PPRA; ANEXO 4: Os produtos e/ou serviços abaixo listados possuem requisito legal associado. Para adquiri-los é obrigatório o atendimento dos requisitos conforme relação abaixo: Fornecer cópia do PCMSO; I - SERVIÇOS

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Marinha do Brasil LABGENE Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica. O CONCRETO AUTOADENSÁVEL EM OBRAS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES

Marinha do Brasil LABGENE Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica. O CONCRETO AUTOADENSÁVEL EM OBRAS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Marinha do Brasil LABGENE Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica. O CONCRETO AUTOADENSÁVEL EM OBRAS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES BILESKY, Pedro (1) ; AMARAL, Roberto (2) ; MASTROMAURO, Waldemar (2)

Leia mais

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN A Comissão de Pós-Graduação do informa a toda a comunidade do IPEN que se encontram abertas inscrições para o

Leia mais

Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014.

Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014. Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) APROVAÇÃO DA NORMA REFERENTE REQUISITOS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA Diário Oficial

Leia mais

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Energia Nuclear e Contaminação Radioativa Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Motivação Em todas as áreas da atividade humana ocorrem acidentes; batidas de veículos, descarrilamentos

Leia mais

Glossário de Segurança Nuclear

Glossário de Segurança Nuclear Glossário de Segurança Nuclear Fevereiro 2011 Publicação: Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN Divisão de Normas DINOR Rua General Severiano, 90 Botafogo Rio de Janeiro RJ Brasil CEP 22290 901 E mail:

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

Transporte de Concentrado de Urânio: Baixa Atividade Específica versus Complexidade Logística

Transporte de Concentrado de Urânio: Baixa Atividade Específica versus Complexidade Logística Transporte de Concentrado de Urânio: Baixa Atividade Específica versus Complexidade Logística Pedro L. S. Dias 1, Eclésio F. Macedo 1, Leonardo B. Carvalho 1, Renata R. Carvalho 1 1 Indústrias Nucleares

Leia mais

DEPARTAMENTO DE REATORES

DEPARTAMENTO DE REATORES COMISSÃO NACIONAL OE ENERGIA NUCLEAR DEPARTAMENTO DE REATORES PRIMEIRA RECARGA DO COMBUSTÍVEL DE ANGRA I PLANO DE INSPEÇÕES/AUDITORIAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO NOTA TÉCNICA DR-2 N2 01/85 PREPARADO POR:

Leia mais