Energia Nuclear e Impacto Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Energia Nuclear e Impacto Ambiental"

Transcrição

1 José Marcus de Oliveira Godoy Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

2 Podemos verificar que está cada vez mais em voga pensarmos no ciclo de vida dos produtos que compramos. Imaginemos, por exemplo, pilhas sendo devolvidas aos seus fabricantes, produtos de informática ou geladeiras antigas que contém gases do tipo CFC (Cloro-Flúor-Carbono) sendo depositados em locais adequados para a reciclagem. Ao discutirmos a Energia Nuclear e seus aspectos ligados ao meio ambiente, devemos primeiro conhecer o chamado ciclo do elemento combustível nuclear. Utiliza-se o termo elemento para designar o arranjo de varetas contendo o urânio encapsulado, que será consumido durante o funcionamento dos reatores nucleares. Esse ciclo inicia-se na etapa de mineração de urânio. A percentagem de urânio nos minérios, normalmente, é baixa, menos do que 1%. Desse modo, grandes quantidades de material têm de ser trabalhadas para se obter a quantidade necessária de urânio para o funcionamento de um reator nuclear durante um ano. Se não for adequadamente planejada, como qualquer atividade de mineração de grande porte, a mineração de urânio pode causar forte impacto ambiental. Esse planejamento deve incluir, entre outros, questões como: a geração de poeiras, a utilização das águas e a recuperação da área degradada após o fechamento do empreendimento. Como consequência do baixo teor de urânio, grandes volumes de minério teriam de ser transportados e o custo do transporte para o seu processamento, em algum local distante da mineração iria inviabilizar financeiramente o empreendimento. Dessa forma, associa-se a mineração de urânio ao seu processamento. Durante essa etapa, o minério é tratado com ácido sulfúrico visando a solubilizar o +2 urânio. Após, ele encontra-se na forma de íons uranila (UO 2 ). Segue-se a precipitação do urânio com di-uranato de amônio [(NH 4 ) 2 U 2 O 7 ], comumente chamado de yellow-cake ou bolo amarelo, segundo a reação (1) abaixo. NH 3 (g) + 2 UO 2 +2 (aq) + 4 OH-(aq) (NH 4 ) 2 U 2 O 7 (s) + H 2 O(l) (1). 1.

3 Aspecto do yelowcake produzido em concentrado de urânio. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. Foto: Marcelo Correa Tambor de yelowcake. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. Foto: Igor Pessoa Figura 1: Yellow-cake - produto da mineração e processamento de minérios de urânio Com exceção dos reatores do tipo BWR (Boiling Water Reactor - reatores de água fervente), todos os reatores nucleares de potência, ou seja, destinados à produção de energia elétrica, utilizam elemento combustível enriquecidos em 235 U. A percentagem isotópica natural do 235 U é de 0,73%, enquanto que reatores PWR (Pressurized Water Reactor - reatores de água pressurizada) empregam elemento combustível com cerca de 4% de 235 U. Os processos de enriquecimento de urânio usam uma espécie gasosa contendo urânio: o hexafluoreto de urânio (UF 6 ). Assim sendo, a etapa seguinte do processo é a conversão do (NH 4 ) 2 U 2 O 7 em UF

4 Para converter-se o (NH 4 ) 2 U 2 O 7 em UF 6, são necessárias as etapas abaixo: (NH4) 2 U2O7 (s) Δ 2 UO3(s) + 2 NH3(g) + H2O(g) (2) UO3 (s) + H2(g) UO2(s) + H2O(g) (3) UO2 (s) + 4 HF(aq) UF4 (s) + 2 H 2O(l ) (4) UF4 (s) + F2 (g) UF6 (g) (5) O hexafluoreto de urânio é, então, utilizado no processo de enriquecimento. No Brasil, emprega-se o enriquecimento através de ultracentrífugas (Figura 2) e, como o fator de enriquecimento obtido em cada estágio é baixo, utiliza-se um conjunto dessas unidades chamado de cascata (Figura 3). Figura 2: Esquema básico de uma ultracentrífuga. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa.. 3.

5 Figura 3: Conjunto de ultracentrífugas formando uma cascata. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. O impacto radiológico ambiental dessas duas unidades é considerado baixo e o maior problema ambiental está relacionado com o emprego de HF e de F 2, ambos bastante tóxicos e corrosivos. Certamente, por questões de segurança, o emprego do urânio na forma gasosa em reatores nucleares não seria algo dos mais aconselháveis. Por essa razão, a etapa seguinte ao enriquecimento é chamada de reconversão, ou seja, ao contrário da etapa de conversão, temos a transformação do UF 6 (gás) em UO 2 (sólido). A Figura 3 ilustra como esse processo ocorre na Fábrica de Elementos Combustíveis, Indústrias Nucleares Brasileiras, em Resende, no Estado do Rio de Janeiro.. 4.

6 Figura 4: Esquema do processo de reconversão conforme realizado na Fonte: Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. Um reator nuclear de potência do tipo PWR como os existentes em Angra dos Reis trabalha com uma sequência de barreiras de contenção, a fim de que os produtos da fissão do urânio não atinjam o meio ambiente. A primeira dessas barreiras é a própria pastilha de urânio enriquecido. O elemento combustível nuclear é um arranjo de vareta, produzido em uma liga metálica à base de zircônio chamada de Zircalloy. No interior dessas varetas, existem pastilhas cerâmicas de UO 2 (Figura 4). Portanto, as varetas são consideradas a segunda barreira (Figura 5). O reator nuclear de Angra 2 possui 193 desses conjuntos contendo cada um 236 varetas, perfazendo um total de varetas. Figura 5: Pastilha cerâmica de UO2. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. Foto: André Luiz Melo. 5.

7 Figura 6: Elemento combustível nuclear composto de 236 varetas de Zircalloy. Fonte: Cortesia das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. INB (http://www.inb.gov.br). Imagem cedida pela Assessoria de Comunicação Institucional e Corporativa. Foto: Marcelo Correa Os elementos combustíveis permanecem cerca de três anos no núcleo do reator, período durante o qual a percentagem de 235 U diminui para cerca de x%. Reatores nucleares A Figura 7 mostra o esquema de funcionamento de um reator nuclear de potência, ou seja, destinado à produção de energia elétrica. Na realidade, um reator nuclear de potência é, em linhas gerais, igual a qualquer usina termoelétrica. Possui uma caldeira (núcleo do reator) onde há produção de calor (fissão nuclear do 235 U). Este, por sua vez, gera vapor d água - elevando a temperatura e a pressão. O vapor d água ao se expandir impulsiona as turbinas produzindo energia elétrica. Repare que no caso de um reator nuclear, a água que está em contato com o elemento combustível nuclear, denominada água refrigerante, funciona em um circuito fechado. Esse calor é trocado com a água do chamado circuito secundário, gerando o vapor que movimentará as turbinas. Note, também, que existe outro circuito de água, representado em verde na Figura 6. Esse circuito é necessário para completar o chamado ciclo de Carnot, em que temos um reservatório a uma temperatura (T 1 ) do qual é retirada certa quantidade de calor (Q 1 ). O circuito de água é produzido em um motor a uma dada quantidade de trabalho (W) e cedido calor (Q 2 ) a outro reservatório que se encontra a uma temperatura (T 2 <T 1 ). No caso do reator nuclear: Q 1 é retirada do Gerador de Vapor; o trabalho é executado na turbina; e Q 2 é cedida no circuito em verde. A razão Q 1 /W é chamada de rendimento da máquina térmica, que no caso de um reator nuclear tipo PWR está na faixa de 33%. Portanto, um reator com potência elétrica de 1300 MWe como Angra 2 tem uma potência térmica de 3900 MWt.. 6.

8 Figura 7: Esquema de funcionamento de um reator nuclear tipo PWR. Fonte: Cortesia do Arquivo Eletronuclear Eletrobrás Termonuclear S.A (http://www.eletronuclear.gov.br). Imagem cedida pelo Departamento de Comunicação e Segurança. Muitas vezes associamos os reatores nucleares à figura de grandes chaminés soltando enormes rolos de fumaça. Essa fumaça é, na realidade, o vapor d água gerado pela diferença, em termos de potência, que acaba sendo dissipada na forma de calor. No caso dos reatores de Angra dos Reis, esse calor é dissipado bombeando-se água do mar. Em outras palavras, a água do mar é bombeada da praia de Itaorna, onde estão localizados os reatores, e, após a troca de calor, ela é descarregada na Baía de Piraquara de Fora. O aquecimento das águas dessa baía é considerado como um dos principais impactos ambientais causados pelas usinas nucleares de Angra dos Reis. Temos, ainda, na Figura 6, o Vaso de Pressão, que representa a caldeira propriamente dita, onde ocorre a fissão dos núcleos de 235 U - gerando calor e aquecendo a água - e o Vaso de Contenção, na realidade, o prédio do reator. Essas duas estruturas representam barreiras adicionais, visando a minimizar a liberação de material radioativo em condições normais e em caso de acidentes. Analistas dizem que uma das razões que contribuíram para a extensão do acidente nuclear de Chernobyl foi a ausência dessas duas estruturas nos reatores soviéticos (http://www.worldnuclear.org/info/chernobyl/inf07.htm). Existe liberação de substâncias radioativas pelos reatores nucleares mesmo em situações normais de operação? Sim, existe. Essa liberação ocorre tanto através dos efluentes líquidos como dos efluentes gasosos da instalação. Há no prédio do reator uma pressão negativa, ou seja, a pressão interna do. 7.

9 prédio é inferior a uma atmosfera. Essa pressão negativa visa a evitar que substâncias radioativas gasosas sejam liberadas para o meio ambiente. As barreiras representadas pelas pastilhas cerâmicas do elemento combustível, as varetas de Zircalloy e o próprio vaso do reator não são suficientes para evitar que alguns dos radioisótopos - gerados pelas reações nucleares - acabem vazando para o interior do prédio do reator. Esses radioisótopos representam, em sua grande maioria, isótopos de gases nobres, como: xenônio (Xe) e kriptônio (Kr), de iodo e trítio ( 3 H). O ar existente no prédio do reator é, constantemente, recirculado e tratado. O tratamento retém iodo e partículas em suspensão no ar, mas parte do trítio existente e dos radioisótopos de gases nobres são liberados para o meio ambiente. Se lembrarmos que o reator nuclear é uma grande caldeira, operando a grandes pressões e a elevadas temperaturas, perceberemos que sempre haverá vazamentos em juntas e válvulas. A água que vaza é drenada para o tanque de rejeitos, tratada e liberada para o meio ambiente. O tratamento retém a maior parte dos elementos radioativos, havendo, no entanto, a liberação, em particular, de 3 H. No caso do Brasil, os limites de liberação de radioisótopos para o meio ambiente fazem parte da legislação e constam do processo de licenciamento do reator nuclear a cargo da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e do IBAMA. Tipos de reatores nucleares Existem diferentes formas de classificarmos os tipos de reatores nucleares existentes. A mais comum delas é baseada no fluido refrigerante utilizado para extrair o calor das varetas do elemento combustível. Assim, temos: reatores a água pressurizada; reatores a água pesada, também chamados de reatores com água fervente; e reatores a gás. Os reatores nucleares destinados à produção de energia elétrica são chamados de reatores nucleares de potência, existindo os reatores de pesquisa, os reatores para a produção de radiofármacos e os reatores militares. O reator de Chernobyl pertencia a um modelo híbrido, ou seja, era um modelo formado por dois tipos de reatores: reator de potência e reator militar, uma das razões que levou ao acidente. As lições aprendidas com os acidentes nucleares, como Three Mile Island e Chernobyl, influenciaram os projetos de reatores. Sabe-se, por exemplo, que apesar da gravidade do acidente, a liberação de radioatividade para o meio ambiente foi bem menor em Three Mile Island do que em Chernobyl devido ao vaso do reator e do prédio de contenção do reator. Outro fato que agravou o acidente de Chernobyl foi a utilização de grafite como elemento moderador, isto é, o grafite atingiu altas temperaturas e, em contato com a atmosfera, incendiou-se. Os reatores de Angra dos Reis são reatores a água pressurizada (PWR), ou seja, são reatores que empregam água como refrigerante e moderador. O moderador funciona diminuindo a velocidade dos. 8.

10 nêutrons liberados durante a reação de fissão do 235 U, aumentando a probabilidade de sua captura por outros núcleos de 235 U e mantendo o reator em funcionamento. Uma das vantagens desse tipo de reator é que o aquecimento excessivo da água em seu interior diminui o aproveitamento. Isso ocasiona uma redução da frequência de ocorrência de novas fissões, fazendo a temperatura da água também diminuir, evitando uma elevação contínua e, consequentemente, um acidente nuclear. Fechando o Ciclo do Elemento Combustível: as questões do reprocessamento e do rejeito radioativo O elemento combustível permanece cerca de três anos dentro do núcleo do reator e, ao final desse período, restam cerca de 1% de 235 U em comparação com os 3-4% originais. Além desse, há ainda 238 U, os produtos de fissão e os chamados elementos transurânicos, dos quais o plutônio faz parte. Uma vez retirado do reator, o elemento combustível possui uma grande quantidade de calor residual que precisa ser dissipado. Dessa forma, existem, no interior do edifício do reator, piscinas nas quais os elementos combustíveis queimados são depositados e armazenados. Quanto tempo eles ficam em tais piscinas? A resposta não é simples. Entretanto, quanto mais tempo, melhor. Melhor, porque a maior parte dos produtos de fissão possui um tempo de meia-vida curto (o tempo necessário para que sua concentração caia à metade). Portanto, quanto mais tempo, menos radioisótopos restam e mais fácil fica sua manipulação futura. Se compararmos este 1% 235 U com os 0,7% originais, antes do enriquecimento, vemos que sua utilização é muito interessante do ponto de vista econômico, ainda mais se nos lembramos de todo o processo envolvido - desde a mineração, produção do yellow-cake, dentre outros. O plutônio gerado também é físsel, ou seja, pode ser empregado para a geração de energia em reatores nucleares. A ideia de reprocessar o elemento combustível já utilizado vem dessas razões. No entanto, o reprocessamento gera um resíduo o rejeito nuclear de elevada radioatividade que precisa ser armazenado de modo adequado e seguro por centenas de anos. O que vem a ser um armazenamento adequado e seguro por um período tão longo? Países com uma maior produção de energia nuclear têm adotado diferentes soluções tecnológicas, tais como: minas de sal ou cavernas construídas em montanhas rochosas. No caso específico do Brasil, onde não existe e nem está planejada a construção de uma usina de reprocessamento de elemento combustível nuclear, a melhor alternativa é manter os elementos combustíveis queimados armazenados onde eles estão, ou seja, nas piscinas dos prédios dos reatores (Figura 8). Não devemos nos esquecer que o próprio elemento combustível foi projetado para conter, nele mesmo, os produtos de fissão e que o prédio também foi projetado de modo a evitar/minimizar a liberação de elementos radioativos para o meio ambiente. Ademais, quanto mais tempo ele lá permanecer, melhor será, como já discutimos.. 9.

11 Figura 8: Piscina, no interior do prédio do reator, com elementos combustíveis já utilizados. Fonte: Cortesia do Arquivo Eletronuclear Eletrobrás Termonuclear S.A (http://www.eletronuclear.gov.br). Imagem cedida pelo Departamento de Comunicação e Segurança. Então, existe a necessidade atual de depósito de rejeitos radioativos no Brasil? A resposta correta é sim, existe essa necessidade. Por exemplo, em uma central nuclear há produção de rejeitos radioativos de baixa e média atividade, oriundos de materiais que entraram em contato com materiais contaminados, como: colunas contendo resinas trocadoras de íons e filtros empregados no processo de tratamento de efluentes radioativos; luvas contaminadas; etc. Atualmente esse material fica armazenado em galpões externos ao prédio do reator. Além dos rejeitos oriundos das centrais nucleares, há também a necessidade de armazenamento de fontes antigas utilizadas na medicina e na indústria não nuclear. Adicionalmente, existem rejeitos radioativos gerados por uma série de atividades extrativistas: na própria indústria do petróleo; na mineração e metalurgia do estanho; na mineração e beneficiamento do zircônio e do titânio; e na extração de areias monazíticas, dentre outras que fazem parte do que se denomina NORMs ou TENORMs - materiais radioativos de origem natural e materiais radioativos de origem natural e concentrados tecnologicamente. Materiais esses que também necessitam de um armazenamento adequado e seguro.. 10.

12 Sugestões de fonte de consulta

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

Distribuição Percentual das Fontes de Geração de Eletricidade no Mundo

Distribuição Percentual das Fontes de Geração de Eletricidade no Mundo A ENERGIA NUCLELÉTRICA 1 HISTÓRICO Até 1954, a energia elétrica que alimentava as residências e as indústrias, era de origem hídrica ou da queima de combustíveis fósseis (carvão e petróleo). Naquele ano,

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Energia Nuclear e Contaminação Radioativa Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Motivação Em todas as áreas da atividade humana ocorrem acidentes; batidas de veículos, descarrilamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Energia Nuclear. A utilização da energia nuclear vem crescendo a cada dia. A geração núcleo elétrica é uma das alternativas menos poluentes; permite a obtenção de muita energia em um espaço físico relativamente

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Front End (da etapa inicial) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 18 - Energia Nuclear. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 18 - Energia Nuclear. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 18 - Energia Nuclear Sorocaba, Maio de 2015. ÁTOMO Eletrosfera Energia Elétrica Núcleo Energia Nuclear

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Tópicos INTRODUÇÃO Aspectos gerais da energia nuclear Elemento urânio Urânio como combustível nuclear Indústrias Nucleares do Brasil- INB Reservas de

Leia mais

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Reservas mundiais de U devem bastar para, pelo menos, mais 100 anos de geração de energia elétrica no mundo. Independência estratégica. Emissão zero

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa

Energia Nuclear. Apostila educativa Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves José Mendonça de Lima Pedro Paulo de Lima e Silva Claudio Braz Sonia Pestana Comissão Nacional de Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Parte III Fontes não-renováveis

Parte III Fontes não-renováveis Energia Nuclear Capítulo 8 Parte III Fontes não-renováveis 8 Energia Nuclear Atlas de Energia Elétrica do Brasil 117 Capítulo 8 Energia Nuclear Box 8 O ciclo do combustível nuclear O valor do minério urânio

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Analítica Ambiental FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Fevereiro, 2014 Grupo: Isabela Vieira da Silva Thaeny

Leia mais

II Workshop Internacional ENUMAS 2010 REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA

II Workshop Internacional ENUMAS 2010 REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA II Workshop Internacional ENUMAS 2010 Oportunidades em Atividades Nucleares no Brasil: Medicina, Agricultura e Indústria REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA Antonio Teixeira e Silva Unicamp-Campinas, 19 e 20

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima PauloWerneck Eletronuclear - Brasil Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto ANGRA 2 Potência: 1.350 MW Tecnologia: Siemens/KWU Operação: Janeiro/2001 ANGRA

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS

Leia mais

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

O BRASIL DEVE DESISTIR DA ENERGIA NUCLEAR?

O BRASIL DEVE DESISTIR DA ENERGIA NUCLEAR? O BRASIL DEVE DESISTIR DA ENERGIA NUCLEAR? Edmundo Montalvão 1 Em março de 2011, um forte terremoto gerou um acidente nuclear na usina de Fukushima, no Japão. Reabriu-se, a partir daí, o debate sobre os

Leia mais

DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE VAZAMENTOS NO CIRCUITO PRIMÁRIO USADO NA USINA NUCLEAR DE ANGRA 2

DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE VAZAMENTOS NO CIRCUITO PRIMÁRIO USADO NA USINA NUCLEAR DE ANGRA 2 DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAÇÃO DE VAZAMENTOS NO CIRCUITO PRIMÁRIO USADO NA USINA NUCLEAR DE ANGRA 2 Lilian Rose Sobral da Costa e Jorge Eduardo de Sza Mendes ELETRONUCLEAR - Eletrobrás Termonuclear

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala 30 capítulo 4 a geração de energia hoje 4 A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala No último século, a maior parte das sociedades constituiu complexos regimes de energia envolvendo

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA PLN 6 / 9 - LOA Apoio a estudos de viabilidade e projetos de pesquisas em energia hidrelétrica e outras energias renováveis Aprop.- Inclusão Data: 18/11/9 Página: 1 de 6 ÁREA DE GOVERNO Minas e Energia

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear

A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO. Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL E NO MUNDO Gunter de Moura Angelkorte Físico M.Sc. Engenharia Nuclear 1 FUNCIONAMENTO DE UMA USINA NUCLEAR 2 BARREIRAS FÍSICAS MÚLTIPLAS CONTRA A LIBERAÇÃO DE PRODUTOS RADIOATIVOS

Leia mais

ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi

ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi ATMEA1: Desenvolvido em conjunto pela AREVA e pela Mitsubishi ANDREAS GOEBEL, PRESIDENTE E CEO DA ATMEA - DEZEMBRO 2014 COPYRIGHT @ 2014 BY THE AMERICAN NUCLEAR SOCIETY O reator ATMEA1 é um reator evolucionário

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA

SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES - I SENCIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS USINAS NUCLEARES, SEGURANÇA & FUKUSHIMA José Manuel Diaz Francisco Coordenação de Comunicação e Segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE ENERGIA NUCLEAR: SEGURANÇA E REJEITOS RADIOATIVOS Por: Claudio Gilberto Monteiro Dau Orientador Prof. Dr. William Rocha Rio

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski Escola Estadual Padre Chagas Ezequiel José Novacoski Vamos pensar um pouco. Primeiro devemos pensar como vem sendo cobrado a conta de energia elétrica. A conta de energia vem em KWh e cada kw custa em

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PERNAMBUCO TERÁ UMA USINA NUCLEAR?

PERNAMBUCO TERÁ UMA USINA NUCLEAR? PERNAMBUCO TERÁ UMA USINA NUCLEAR? A usina nuclear será instalada no município de Itacuruba na Mesorregião do São Francisco em Pernambuco. Música: Rosa de Hiroshima Localização de Itacuruba O município

Leia mais

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Módulo I Aula 03 1. Introdução Nesta apostila vamos estudar três tipos de tanques usados nas indústrias químicas e petrolífera: vasos de pressão, tanques e

Leia mais

Autor Eliezer de Moura Cardoso

Autor Eliezer de Moura Cardoso Autor Eliezer de Moura Cardoso APRESENTAÇÃO O Programa de Integração CNEN - PIC, em seu Módulo I - Informação Técnica, visa apresentar informações básicas sobre a energia nuclear e das radiações, de forma

Leia mais

A Energia Nuclear. Olá! eu sou o Nuclídeo, venha descobrir o que é, e as várias aplicações da energia nuclear. 3ª edição

A Energia Nuclear. Olá! eu sou o Nuclídeo, venha descobrir o que é, e as várias aplicações da energia nuclear. 3ª edição Apostila educativa ELIEZER DE MOURA CARDOSO 3ª edição Olá! eu sou o Nuclídeo, venha descobrir o que é, e as várias aplicações da energia nuclear. 02 A (CNEN), instituição vinculada ao Ministério da Ciência

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL A ENERGIA NUCLEAR HOJE: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL A ENERGIA NUCLEAR HOJE: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS RADIOLÓGICAS A ENERGIA NUCLEAR HOJE: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA Alberto

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN A CNEN REJEITOS RADIOATIVOS 1/8 NOV/2001 A CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear é o órgão federal responsável pelo licenciamento e fiscalização das instalações nucleares e radiativas brasileiras.

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA ADOTADOS PARA AS USINAS NUCLEARES ANGRA 1, ANGRA 2 E ANGRA 3 (10/05/2011)

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA ADOTADOS PARA AS USINAS NUCLEARES ANGRA 1, ANGRA 2 E ANGRA 3 (10/05/2011) CRITÉRIOS DE SEGURANÇA ADOTADOS PARA AS USINAS NUCLEARES ANGRA 1, ANGRA 2 E ANGRA 3 (10/05/2011) Índice: 1. Considerações Gerais 2. Tecnologia Usada 3. Segurança no Projeto 4. Geração de Energia Nuclear

Leia mais

Divisão de Energia Nuclear ENU. Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007

Divisão de Energia Nuclear ENU. Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007 Divisão de Energia Nuclear ENU Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães VII WAI 28 de Maio de 2007 Roteiro Divisão de Energia Nuclear Realizações da ENU Trabalhos Recentes da ENU Pesquisa Nuclear Aplicada

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Defensores (argumentos utilizados)

Defensores (argumentos utilizados) A Energia Nuclear Nem todo avanço científico e tecnológico vem acompanhado de expectativas positivas pela sociedade. Muitas são recebidas com inquietação e ansiedade, devido aos efeitos colaterais Usinas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE A ENERGIA NUCLEAR

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE A ENERGIA NUCLEAR 1. Introdução CONCEITOS BÁSICOS SOBRE A ENERGIA NUCLEAR Hilton Andrade de Mello Eng. Eletrônico e Nuclear Ex-Diretor do Instituto de Engenharia Nuclear Quando a mídia se manifesta sobre a energia nuclear,

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto

Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade 3 da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto file:///f /RIMA_Angra3/index.html (1 of 2)25/9/2006 12:04:11 Relatório de Impacto Ambiental RIMA da Unidade

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências João Paulo Moretti Leandro Corazzini Rafael Pagan Stefan Camargo Wilson Domingues Resumo Este trabalho procura apresentar

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL. descubra como ela está no seu dia a dia e nos planos do país

ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL. descubra como ela está no seu dia a dia e nos planos do país ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL descubra como ela está no seu dia a dia e nos planos do país OLÁ, EM TODO O MUNDO, CADA VEZ MAIS CIDADÃOS, EMPRESAS E GOVERNOS ESTÃO PENSANDO EM NOVAS MANEIRAS DE PRODUZIR ENERGIA,

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA

REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA MESTRADO EM RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA MONOGRAFIA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA Gabriel Fonseca da Silva Rezende Luciano Santa Rita Oliveira Marcela Tatiana Fernandes Mauro Otto

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Brasília, 14 junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Roteiro Observações iniciais Energia nuclear no mundo Energia nuclear

Leia mais

ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A.

ELETRONUCLEAR ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. SYMPOSIUM 2008 REACTIVATION OF NUCLEAR POWER PLANTS CONSTRUCTION IN LATIN AMERICA ESTOCAGEM INICIAL DE COMBUSTÍVEL IRRADIADO ELETRONUCLEAR S.A. LAS/ANS EXPO NUCLEAR ENERGY

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984)

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) 1 - Um corpo humano está a 69 0 numa escala X. Nessa mesma escala o ponto do gelo corresponde a 50 graus e o ponto a vapor 100 0. Este corpo:

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Fontes não-renováveis

Fontes não-renováveis PRODUÇÃO DE ENERGIA Fontes não-renováveis RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS Têm a possibilidade de se renovar, como as energias solar, hidráulica, eólica (ventos), marés e biomassa. Podem se renovar naturalmente

Leia mais