O DESENVOLVIMENTO DE VANTAGEM COMPETITIVA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO LOGÍSTICO OFFSHORE: O CASO DA COMPANHIA PORTUÁRIA VILA VELHA - CPVV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO DE VANTAGEM COMPETITIVA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO LOGÍSTICO OFFSHORE: O CASO DA COMPANHIA PORTUÁRIA VILA VELHA - CPVV"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR ANDRÉ GASPARINI O DESENVOLVIMENTO DE VANTAGEM COMPETITIVA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO LOGÍSTICO OFFSHORE: O CASO DA COMPANHIA PORTUÁRIA VILA VELHA - CPVV VITÓRIA 2005

2 1 ANDRÉ GASPARINI O DESENVOLVIMENTO DE VANTAGEM COMPETITIVA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO LOGÍSTICO OFFSHORE: O CASO DA COMPANHIA PORTUÁRIA VILA VELHA - CPVV Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comércio Exterior do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para obtenção do Título de Especialista em Comércio Exterior. Orientador: Profª. Drª. Ângela Maria Morandi. VITÓRIA 2005

3 2 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha família pelo carinho e compreensão; a Professora Ângela Maria Morandi, pelo incentivo e por sua orientação dedicada; a Téthys Cysne Gobbi, Secretária do Departamento de Economia da UFES, pelo apoio e dedicação. Agradeço a Companhia Portuária Vila Velha (CPVV) que me abriu suas portas e permitiu a execução desse trabalho; a Fernanda, pela paciência e colaboração; a Edson Meneghel, por todo auxilio prestado; e ainda a todos os entrevistados, que me cederam seu tempo e muito contribuíram com suas informações.

4 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E RESUMO Introdução e Formulação de Situação Problema Objetivos Delimitação Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO Estratégia Estratégia Competitiva Vantagem Competitiva Desenvolvendo Estratégia Competitiva Análise Estrutural de indústrias Estratégias Competitivas Genéricas Outras Considerações Sobre Estratégias Competitivas As Capacidades Dinâmicas ASPECTOS METODOLÓGICOS Metodologia Caracterização do Estudo Coleta dos Dados Instrumentos da Pesquisa Tratamento dos Dados Limitações do Método ANÁLISE DO CASO Contextualização Apresentação da Empresa Histórico Caracterização da Empresa Infra-Estrutura e Serviços Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança O Desenvolvimento da Vantagem Competitiva Análise da Indústria e Concorrência Como a CPVV Desenvolve Vantagem Competitiva Novos Desafios CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 48

5 4 1 INTRODUÇÃO E RESUMO Neste capitulo é feita a introdução do trabalho e um resumo onde são apresentadas a situação a ser analisada, os objetivos do estudo, suas delimitações e justificativas. 1.1 Introdução e Formulação da Situação Problema O estado do Espírito Santo vem apresentando, nos últimos anos, um expressivo desenvolvimento econômico, reafirmando sua vocação para o comercio exterior e logística, e integrando os vários setores de sua economia. Além de crescer em setores tradicionais como café, mármore e granito, moveleiro, confecções e metal-mecânico, há um grande fortalecimento da fruticultura e piscicultura, e a explosão da indústria de petróleo e gás natural. Na visão do Secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Espírito Santo, Júlio César Bueno, as descobertas de jazidas de petróleo e gás natural, começam a desencadear um processo de mudança profunda na história do desenvolvimento econômico do estado. O Espírito Santo torna-se a segunda maior província petrolífera do país. Segundo perspectivas da Agência de Desenvolvimento em Rede do Espírito Santo (ADERES), o estado poderá chegar em 2007 a uma produção diária de 500 mil barris de petróleo e 30 milhões de metros cúbicos de gás. A exemplo do ocorrido no estado do Rio de Janeiro, nas cidades de Macaé e Campos dos Goytacazes, pode-se ver um intenso movimento econômico em torno deste setor com a integração de indústria de bens e serviços, construção e reparo de plataformas e outros aparatos da indústria petrolífera. Com a consolidação destas atividades, a intensificação deste movimento econômico será cada vez maior. Este novo cenário refletirá em um maior crescimento e desenvolvimento da economia capixaba, visto que a indústria do petróleo impulsionará também outros setores econômicos, tais como: construção civil, turismo de negócios, prestação de serviços, capacitação e qualificação de mão de obra, entre outros. Certamente, o aumento das atividades petrolíferas no estado refletirá no aumento da demanda por prestadoras de serviços ligados a este setor. Dentre estes, destacamse os serviços logísticos associados à atividade portuária; as bases especializadas em apoio logístico offshore. Segundo a definição da Revista Brasil Energia, uma base de logística offshore presta todo o tipo de apoio às operações nas plataformas marítimas, como

6 5 suprimento de fluidos de perfuração, cimento, tubos, combustível, água e mantimentos para as tripulações. No Espírito Santo, a Companhia Portuária Vila Velha (CPVV), que iniciou suas operações em 2000, é uma empresa que se destaca nesse setor por se configurar como a pioneira e maior empresa do ramo no mercado capixaba. Neste contexto de expansão, especialização e competitividade em que se inserem as atividades relacionadas à indústria petrolífera, estratégias bem formuladas e definidas destacam-se como fatores fundamentais para o sucesso das organizações. Como destacam Kotler e Armstrong (1999), a globalização tem mostrado que, para alcançar a competitividade, as empresas necessitam de estratégias bem definidas e técnicas de gestão bastante dinâmicas. Bueno (2004) ressalta ainda que qualidade e competitividade são peças fundamentais para a sobrevivência da empresa no mercado atual, em que é cada vez maior a exigência por serviços sofisticados e personalizados. Por ser esta a representação do contexto em que as prestadoras de serviço à atividade petrolífera deverão estar inseridas, é importante que estas se preparem cada vez melhor para o atendimento eficiente da crescente demanda. Surge então, o interesse e a importância em estudar e analisar quais as estratégias utilizadas no desenvolvimento de vantagem competitiva no mercado de prestação de serviços de apoio logístico offshore. Portanto, a principal questão a ser esclarecida nesse trabalho é: Como as empresas podem desenvolver vantagem competitiva para o mercado de apoio logístico offshore à exploração de petróleo? 1.2 Objetivos O objetivo principal desse trabalho é investigar e analisar como as empresas especializadas em apoio logístico offshore desenvolvem suas estratégias para alcançar vantagem competitiva frente ao mercado petrolífero, altamente especializado e em expansão. Para alcançar esse objetivo, a pesquisa será concentrada na Companhia Portuária Vila Velha (CPVV) que se configura como a primeira e maior empresa do ramo no mercado capixaba. Os objetivos intermediários são:

7 6 - investigar as estratégias utilizadas pela empresa para o alcance de vantagem competitiva; - analisar as competências da empresa no setor de logística offshore; - analisar a configuração da concorrência desse setor no mercado capixaba. 1.3 Delimitação Esse trabalho limita-se a investigar e analisar as estratégias e competências de uma empresa, especializada em apoio logístico offshore, para o desenvolvimento de vantagem competitiva frente a crescente demanda por esses serviços, provocada pelo aumento na prospecção e produção de petróleo no estado do Espírito Santo. O campo será efetivado na Companhia Portuária Vila Velha CPVV. 1.4 Justificativa do Estudo Trata-se de um importante estudo frente à configuração de um novo ciclo de desenvolvimento da economia capixaba gerado pela intensificação da exploração e produção de petróleo. O aumento das atividades petrolíferas no Espírito Santo representa a abertura de novas e poderosas oportunidades para impulsionar o desenvolvimento econômico do estado (MARTINS, 2002). Segundo Bueno (2004), o estado torna-se a segunda maior província petrolífera do país, o que atrai empresas especializadas na exploração e produção de petróleo, além de inúmeras prestadoras de serviços ligados ao setor. O aumento da perfuração e produção de petróleo leva as petroleiras a contratarem, cada vez mais, novas bases de apoio às operações de logística offshore. Essas empresas atentas a esse próspero mercado, estão investindo em novas plantas, em especialização e em parcerias. Por se tratar de uma atividade altamente especializada e em expansão no Espírito Santo, é preciso que as prestadoras desse serviço estejam bem preparadas para o atendimento dessa demanda e para a crescente concorrência no setor. A complexidade, especialização e competitividade desse mercado torna relevante o entendimento da capacidade de empresas especializadas em serviços de apoio logístico offshore de utilizar seus recursos e competências para o desenvolvimento de estratégias que levem à vantagem competitiva.

8 7 2 REFERENCIAL TEÓRICO Esse capítulo apresenta alguns conceitos e modelos considerados importantes para a análise e entendimento de como as empresas podem desenvolver suas estratégias para o alcance e sustentação de vantagem competitiva o que reflete em uma posição favorável no mercado. 2.1 Estratégia De acordo com Bethlem (apud NEVES, 1999), a palavra estratégia é de origem grega e está diretamente relacionada com o papel dos comandantes militares na guerra, que planejavam e conduziam forças para derrotar o inimigo. Depois de muita aplicação e desenvolvimento, o conceito de estratégia e as técnicas de administração estratégica ultrapassaram os limites do campo militar e passaram a conduzir a vida das organizações visto que, desde os seus primórdios, a administração preocupa-se em unir recursos materiais e humanos para o alcance de metas previamente determinadas (MAXIMIANO, 2000). Segundo Sawyer (apud NEVES, 1999, p.21), nos negócios, estratégia é a arte ou ciência de usar recursos disponíveis e recém-criados com a máxima eficácia para se moverem em direção aos objetivos do negócio. Para ele, as estratégias empresariais devem ser elaboradas e executadas cuidadosamente, de modo a proporcionar o alcance dos resultados esperados. Para Ansoff (apud SILVA, 2001), a estratégia é vista como um conjunto de normas de decisão que orientam o comportamento de uma empresa no alcance seus objetivos. Na visão de Chandler (apud SILVA, 2001), estratégia é definida como a determinação de metas e objetivos de longo prazo para a empresa e a adoção de métodos de ação e alocação dos recursos necessários para alcançá-las. Segundo Oliveira (1988), as estratégias são meios de relacionar a organização ao seu ambiente, que se apresenta em constante mutação, de modo a alcançar a maximização de seus resultados. Para Matos (1993), a estratégia de uma empresa se identifica com a própria razão da existência da mesma; são os valores que representam a filosofia da empresa, definem seus objetivos, transformam os mesmos em diretrizes. Maximiano (2000) destaca que a estratégia de uma empresa surge da necessidade de realizar objetivos frente aos concorrentes. Portanto, esta seria um conjunto de

9 8 orientações a serem seguidas visando à melhoria da situação da empresa frente a seus competidores. Analisando as definições apresentadas, pode-se considerar que a estratégia é vista como um guia que procura orientar o comportamento das empresas a fim de que estas alcancem seus objetivos; é um conjunto de orientações que direcionam e posicionam a empresa em seu ambiente, organizam seus recursos a fim de alcançar resultados pré-determinados. 2.2 Estratégia Competitiva Estratégia competitiva é o conjunto de ações de uma empresa para criar uma posição sustentável no mercado, enfrentar as forças competitivas e obter retorno sobre o capital investido (PORTER, 1991). Porter (1989, p.1) define estratégia competitiva como a busca de uma posição competitiva favorável em uma indústria visando estabelecer uma posição lucrativa e sustentável contra as forças que determinam a concorrência na indústria. Segundo Porter (1991), quanto ao desenvolvimento da estratégia, estas podem ser divididas em dois tipos: as que foram desenvolvidas explicitamente, por meio de um processo de planejamento; e as que evoluíram implicitamente, através das atividades dos departamentos funcionais da empresa. O autor defende a formulação explícita de estratégias competitivas, ressaltando que as mesmas devem ser pensadas, elaboradas e planejadas. Segundo ele, esse processo resulta em benefícios significativos para toda a empresa visto que integra as políticas departamentais na formação de um conjunto comum de metas, as quais todos farão esforços para atingir. Para Porter (1991), desenvolver uma estratégia competitiva é determinar a maneira como uma organização irá competir, suas metas e políticas para realizá-las. Para desenvolver uma estratégia competitiva é preciso relacionar a organização com a sua indústria, a fim de que se possa compreender a concorrência e identificar as características estruturais que possibilitam a formulação de estratégias para a obtenção da vantagem competitiva. Segundo Porter (1989), a escolha de uma estratégia competitiva baseia-se em dois aspectos importantes: na atratividade da indústria em termos de rentabilidade; e na posição competitiva da empresa na indústria. Esses dois aspectos são dinâmicos e

10 9 mutáveis, visto que a escolha de uma estratégia competitiva pode tornar uma indústria mais ou menos atrativa, como também pode alterar a posição de uma empresa dentro da indústria. Portanto, a estratégia competitiva deve responder ao meio ambiente da empresa bem como tentar moldar esse meio ambiente a seu favor. Na visão de Porter (1991), uma indústria pode ser definida como um grupo de empresas cujos produtos ou serviços substituem uns aos outros com facilidade. Por isso, é importante que cada organização que compete em uma indústria possua uma estratégia competitiva bem definida e planejada. 2.3 Vantagem Competitiva A vantagem competitiva ocorre quando uma empresa apresenta níveis de desempenho econômico superiores à média de seu setor (VASCONCELOS; CYRINO, 2000). Para Thompson (2000), as empresas formam vantagem competitiva, quando suas estratégias apresentam o objetivo principal de proporcionar aos clientes aquilo que eles percebem como valor superior. Porter (1989) afirma que a vantagem competitiva ocorre quando uma empresa consegue criar uma competência ou valor superior, que a distingue das demais, para seus compradores. Para o autor, uma empresa conseguirá vantagem competitiva sobre os concorrentes caso opte por um dos dois tipos básicos de estratégia: menor custo ou diferenciação. A estratégia de menor custo faz com que a empresa adote políticas de baixo custo, permitindo que a mesma ofereça produtos a preços inferiores aos da concorrência; a de diferenciação consiste em fazer que os consumidores percebam, nos produtos, benefícios únicos que justifiquem o preço elevado (PORTER, 1989). Alterações nas condições do ambiente da empresa também mudam os recursos e as fontes da vantagem competitiva. A análise profunda dos mercados e o bom gerenciamento dos recursos podem garantir às empresas a possibilidade de manutenção da vantagem competitiva (VASCONCELOS; CYRINO, 2000). Diante da alta competitividade nos mercados, Keegan e Green (2000) ressaltam que a capacidade de uma organização de melhorar suas habilidades e aprender novas apresenta-se como a vantagem competitiva mais defensível de todas.

11 10 Day e Reibstein (1999) acrescentam que, é papel dos gerentes o desenvolvimento de recursos e capacidades necessárias para o alcance e manutenção da vantagem competitiva em uma empresa. O estudo da vantagem competitiva é importante, pois possibilita a comparação da empresa com seus concorrentes e o entendimento das razões pelas quais os consumidores preferem um produto ou serviço a outro. Também pode ser citado como benefício desse estudo a decisão sobre as vantagens que a empresa pode ou pretende oferecer a seus consumidores (MAXIMIANO, 2000). 2.4 Desenvolvendo Estratégia Competitiva O fracasso das estratégias de muitas empresas resulta da incapacidade de elaborar uma estratégia competitiva geral, que englobe as etapas necessárias para se obter a vantagem competitiva (PORTER, 1989). Para Day e Reibstein (1999) a estratégia competitiva busca uma vantagem sobre os concorrentes e, ao mesmo tempo, a proteção das vantagens competitivas atuais. Os autores ressaltam ainda que poucas são as vantagens que podem ser sustentadas indefinidamente por isso, deve-se pensar em estratégia de forma constante. A análise da estrutura industrial é vista como ponto fundamental no desenvolvimento de estratégias. Esta análise apresenta-se como uma metodologia para a compreensão das forças fundamentais da concorrência em uma indústria, o que vai proporcionar a identificação, em um nível amplo, de estratégias competitivas genéricas de longo prazo (PORTER, 1989). As estratégias competitivas devem analisar não apenas as necessidades do consumidor-alvo, mas também as estratégias dos concorrentes. Portanto, para o desenvolvimento de estratégias que levem ao alcance da vantagem competitiva, o primeiro passo está no processo de análise e avaliação da indústria e da concorrência (KOTLER; ARMSTRONG, 1999) Análise Estrutural de Indústrias A análise da estrutura industrial é a base fundamental do modelo proposto por Porter (1991) para mensurar as forças de mercado visto que, para o autor, essa estrutura exerce forte influência nas regras de competição do mercado. Para Porter (1991) o objetivo essencial de uma estratégia competitiva é relacionar a empresa ao seu ambiente. Segundo ele, as forças externas à indústria afetam todas

12 11 as empresas e, por isso, o ponto primordial está nas diferentes habilidades em lidar com essas forças. De acordo com essa visão, a estratégia competitiva de uma empresa dentro de uma indústria deve procurar encontrar uma posição favorável para a companhia, na qual ela possa melhor se defender contra as forças competitivas ou influenciá-las em seu favor. Segundo Porter (1989), existem cinco forças que influenciam a concorrência em uma indústria: ameaça de novos concorrentes; ameaça de produtos e serviços substitutos; poder de negociação dos compradores; poder de negociação dos fornecedores; e rivalidade competitiva entre os atuais concorrentes (Figura 1). Entrantes Potenciais Ameaça de novos entrantes Poder de negociação dos fornecedores Concorrentes na Indústria Poder de negociação dos compradores Fornecedores Ameaça de serviços ou produtos substitutos Rivalidade Entre Empresas Existentes Compradores Substitutos Figura 1 - As cinco forças competitivas que determinam a rentabilidade da indústria Fonte: PORTER, 1989, p. 4.

13 12 A intensidade dessas forças varia com o tipo de indústria e com o desenvolvimento das mesmas, visto que cada indústria tem sua própria estrutura única. A influência conjunta destas forças determina a rentabilidade da indústria, tendo em vista que os preços, custos e investimentos são influenciados em diferentes graus de intensidade por cada uma destas forças competitivas (PORTER, 1989). Os preços praticados pelas empresas sofrem influência do poder de negociação dos compradores na medida em que estes exigem serviços de elevado valor relativo que implicam em custos e investimentos e acabam por alterar os preços dos produtos. O poder de negociação dos fornecedores determina os custos dos insumos, aumentando os preços (PORTER, 1989). Preços e custos de competição também são influenciados pela intensidade da rivalidade entre os concorrentes, principalmente em áreas como desenvolvimento de produtos, publicidade e força de vendas. A ameaça os novos entrantes limita os preços e aumenta o volume de investimentos a fim de deter a entrada de novos participantes na indústria. Os produtos substitutos têm o poder de limitar os preços praticados na indústria (PORTER, 1989). Segundo Porter (1989), as empresas podem influenciar as cinco forças competitivas através de suas estratégias. Por isso, a análise dessas forças vai proporcionar à organização a busca de uma melhor posição frente às mesmas dentro da indústria. Com essa análise, são identificados os pontos fortes e fracos de cada situação de mercado e a influência dessas forças na definição das estratégias competitivas. A metodologia das cinco forças proposta por Porter vai permitir que a empresa avalie a indústria na qual está inserida, a concorrência e assim identifique as estratégias que possam levá-la a uma maior rentabilidade. Por isso, torna-se importante analisar as principais características de cada uma das forças definidas por Porter. Ameaça de novos concorrentes Novos entrantes são vistos como uma ameaça aos integrantes de uma indústria, pois trazem consigo uma nova capacidade de produção, novas tecnologias e o desejo de conquistar participação e posição no mercado (PORTER, 1991). O ingresso de novas empresas implica em redução da fatia de mercado das empresas já existentes, pode provocar a redução de preços, o aumento nos custos, a redução da margem de lucro, gerando uma menor rentabilidade para toda a indústria (PORTER, 1991).

14 13 Segundo Keegan e Green (2000), a ameaça provocada pela entrada de um novo participante na indústria depende das barreiras de entrada existentes e da reação esperada dos concorrentes já existentes. Para Porter (1989) as principais barreiras à entrada de novos concorrentes, são: economia de escala, diferenciação, necessidade de capital, custos de mudança, acesso aos canais de distribuição, políticas governamentais, desvantagens de custo independente da economia de escala, e a retaliação esperada. Economia de escala está relacionada com a queda nos custos unitários do produto ocasionada pelo aumento no volume de produção. Essa situação leva as empresas a ingressarem com produção em larga escala ou a se submeterem a uma desvantagem de custo (PORTER, 1991). A diferenciação do produto, é a medida de até que ponto um produto é visto como único (KEEGAN; GREEN, 2000, p.293). Os clientes desenvolvem um sentimento de lealdade à marca da empresa, seja através da diferenciação dos produtos, do serviço ao consumidor, do investimento em publicidade e propaganda, ou simplesmente pelas mesmas terem entrado primeiro no mercado. Uma barreira de entrada é estabelecida pela diferenciação, já que os novos entrantes serão forçados a investir em recursos para romper os vínculos estabelecidos entre os clientes e as empresas pré-existentes (PORTER, 1991). Segundo Porter (1991), a necessidade de grande investimento financeiro para competir torna-se uma barreira, principalmente quando o capital será empregado em atividades arriscadas como pesquisa e desenvolvimento, e publicidade inicial. Os custos de mudança são os custos que os compradores terão com a mudança de fornecedores e produtos. Se esses custos são elevados, os entrantes precisam oferecer um aperfeiçoamento substancial e melhor custo ou desempenho para que o comprador se decida a mudar (KEEGAN; GREEN, 2000). O acesso aos canais de distribuição torna-se outra barreira à entrada de novos concorrentes visto que esses canais podem estar repletos ou não disponíveis. A nova empresa terá dificuldades para entrar na indústria, pois as mesmas terão que criar e estabelecer novos canais de distribuição o que reduz os lucros (PORTER, 1991). O governo pode limitar ou impedir a entrada de novos concorrentes numa indústria através de políticas de controle ambiental, limite ao acesso de matéria-prima, licenças de funcionamento, dentre outras (KEEGAN; GREEN, 2000).

15 14 Outra barreira citada por Porter (1991) é a vantagem de custos independente da economia de escala. Isso ocorre porque as empresas previamente estabelecidas na indústria podem ter vantagens de custo impossíveis de serem alcançadas pelos entrantes qualquer que sejam seu tamanho e economia de escala, como por exemplo: tecnologia patenteada do produto, acesso favorável às matérias-primas, localizações privilegiadas, subsídios governamentais, e experiência. Finalmente, uma grande barreira à entrada de novos concorrentes na indústria pode ser imposta pela retaliação esperada. Quando os novos entrantes em potencial têm expectativas de vigorosas retaliações por parte das empresas já estabelecidas, a entrada pode ser desestimulada; a ameaça de que sua entrada na indústria será uma experiência desagradável torna-se um grande fator de impedimento (KEEGAN; GREEN, 2000). Segundo Porter (1991) as barreiras de entrada mudam de acordo com a mudança nas condições da indústria. Essas mudanças podem ocorrer por motivos fora do controle das empresas, mas é preciso lembrar que as decisões estratégicas das empresas também têm um impacto importante. Rivalidade entre concorrentes A concorrência entre empresas de uma mesma indústria pode ser definida como a disputa por posição e participação de mercado entre as empresas de mesmo setor industrial. A competição é manifestada no uso de ferramentas como a concorrência de preços, batalhas publicitárias, novos produtos, em tentativas de diferenciação, e no oferecimento de serviços ou garantias adicionais. Para Keegan e Green (2000), a rivalidade se apresenta como um fator positivo na medida em que proporciona a racionalização de custos, mas torna-se um fator negativo quando diminui os preços e a rentabilidade o que gera instabilidade em toda a indústria. Porter (1991) enfatiza que a concorrência de preços é altamente prejudicial e instável, pois afeta toda a rentabilidade de toda a indústria. Segundo o autor, a diminuição de preços é facilmente copiada pela concorrência e, uma vez igualados os preços, estes reduzem as receitas de toda a indústria. Esse fato só não ocorrerá facilmente se a elasticidade-preço da indústria for bastante elevada. Por outro lado, as batalhas publicitárias tendem a aumentar a demanda da indústria como um todo.

16 15 Segundo Porter (1991) a rivalidade em uma indústria é conseqüência da interação dos seguintes fatores: concorrentes numerosos ou bem equilibrados, crescimento lento da indústria, concorrentes divergentes, a estrutura de custos fixos da indústria, a ausência de diferenciação, os custos de mudança, os interesses estratégicos, as barreiras à saída da indústria. Quando o número de participantes de uma indústria é alto, é possível que os movimentos competitivos de algumas empresas não sejam facilmente notados. Quando a indústria é composta de poucas empresas mas bem equilibradas em termos de tamanho e recursos, isso cria uma instabilidade pois as mesmas estão direcionadas a lutarem entre si, mas é preciso lembrar que estas possuem grandes recursos para retaliações (PORTER, 1991). Por questões estratégicas, as empresas muitas vezes se dispõem a aceitar o crescimento lento de toda a indústria e com isso pequenas margens de lucro. Essa estratégia é utilizada a fim de que elas estabeleçam e consolidem uma posição no mercado (PORTER, 1991). A divergência entre os concorrentes gera um relacionamento de choque entre as empresas de uma mesma indústria. Estas geralmente divergem quanto à origens, personalidades e relacionamentos, por isto acabam por apresentarem objetivos e estratégias diferentes em relação à como competir (SILVA, 2001). A estrutura de custos da indústria afeta as empresas uma vez que quando os custos fixos são altos, estas são pressionadas a utilizar toda sua capacidade de produção, o que gera excesso da capacidade produtiva e rápida redução de preços para toda a indústria. Outra situação de custos fixos elevados está relacionada ao alto dispêndio com armazenagem. Neste caso as empresas também se sentem vulneráveis e obrigadas a baixar os preços para garantir as vendas (KEEGAN; GREEN, 2000). A rivalidade em uma indústria se torna mais intensa quando os custos de mudança de fornecedor não são percebidos (PORTER, 1991).

17 16 Grandes interesses estratégicos, por parte de algumas empresas, de obter sucesso na indústria acabam por tornar a rivalidade nesta ainda mais instável (KEEGAN; GREEN, 2000). Elevadas barreiras de saída são fatores estratégicos, econômicos e até emocionais mantendo no mercado empresas que estão operando com baixo retorno e até mesmo com prejuízo. Estas, com a esperança de obter o retorno do seu investimento, continuam na indústria gerando a diminuição da rentabilidade de toda a indústria já que o excesso de capacidade continua a diminuir os lucros de todos (KEEGAN; GREEN, 2000). Após analisar todos estes fatores que determinam a intensidade da concorrência na indústria, Porter (1991) ainda ressalta que sempre existe espaço para melhorar a situação através de mudanças estratégicas. Ameaça de produtos substitutos A concorrência de uma empresa não se limita aos competidores presentes em sua indústria. Esta também é feita por indústrias de produtos substitutos uma vez que um produto aceitável, disponível, que desempenhe as mesmas funções e ofereça iguais benefícios, tem o poder de limitar os preços que podem ser cobrados (DAY; REIBSTEIN, 1999). Para Porter (1991, p. 39), quanto mais atrativa a alternativa de preço-desempenho oferecido pelos produtos substitutos, mais firme será a pressão sobre os lucros da indústria. Com a finalidade de evitar surpresas quanto à concorrência por parte de substitutos, as empresas devem dar grande atenção àqueles que estão sujeitos a tendências de melhoramento na relação preço-desempenho oferecido e naqueles produzidos por indústrias com altos lucros (PORTER, 1991). Poder de negociação dos compradores O principal objetivo dos compradores de produtos e serviços de uma indústria é pagar o menor preço possível. Segundo Porter (1991, p.40), os compradores competem com a indústria forçando os preços para baixo, barganhando por melhor qualidade ou mais serviços e jogando os concorrentes uns contra os outros; tudo à custa da rentabilidade da indústria.

18 17 O poder dos compradores em relação à indústria depende de características como a situação no mercado e a importância relativa de suas compras em comparação aos negócios totais (PORTER, 1991). Seguindo esse pensamento, Day e Reibstein (1999, p. 51) também afirmam que a extensão do poder dos clientes depende da credibilidade de sua alavancagem de barganha e de sua sensibilidade ao preço. Diante disso, Porter (1991) ressalta que os clientes têm maior poder de negociação em uma indústria, quando: - estão concentrados ou adquirem grandes volumes, o que torna a empresa fornecedora dependente desse relacionamento; - os produtos da indústria são altamente padronizados ou não diferenciados, o que aumenta o número de opções dos compradores e reduz o custo de mudança; - os compradores são parcialmente integrados ou existe ameaça de integração para trás, o que incorre na negociação de concessões em preços e prazos; - os compradores detêm as informações sobre demanda, preços reais de mercado, e os custos de seus fornecedores o que lhes possibilita uma melhor negociação. Como exposto acima, a sensibilidade ao preço é outro fator importante na relação fornecedor-comprador na medida em que pode influenciar a intensidade das exigências dos compradores. Segundo Porter (1991), essa sensibilidade é maior quando: - o produto da indústria não é primordial para a qualidade ou desempenho do produto ou serviço final do comprador; - o custo do produto adquirido da indústria representa uma porção significativa dos custos totais do comprador; - o comprador está sofrendo baixa lucratividade e, por isso, busca ajuda no fornecedor para reduzir os custos de suas compras. Poder de negociação dos fornecedores Se os fornecedores têm poder sobre as empresas da indústria, eles podem elevar os preços ou reduzir a qualidade dos produtos ou serviços oferecidos, o que influencia significativamente a rentabilidade da indústria, caso esta não consiga repassar os aumentos ao seu preço de venda (PORTER, 1991).

19 18 As condições que tornam os fornecedores poderosos, descritas por Porter (1991), se assemelham àquelas que exprimem o poder dos compradores. Segundo ele, o poder de negociação dos fornecedores tende a ser maior quando: - os fornecedores são grandes e relativamente representados por poucas companhias; - não existem produtos substitutos ou quando seus produtos são altamente diferenciados o que acarreta em altos custos de mudança; - a venda para a indústria não apresentar importância significativa em relação ao volume total de suas vendas; - o produto ou serviço oferecido é de grande importância para a indústria compradora; - os fornecedores representam a ameaça de integração para frente, o que aumenta a capacidade de melhores vendas para a indústria. Porter (1991) ressalta ainda a importância de considerar recursos humanos (capital intelectual) como fornecedores que exercem grande poder em muitas indústrias. O autor salienta que, altamente qualificados ou organizados sindicalmente, esses recursos têm um alto poder de barganha e podem absorver uma proporção significativa dos lucros potenciais de uma indústria (apud SILVA, 2001) Estratégias Competitivas Genéricas Após identificar e avaliar a indústria e os principais concorrentes, a empresa deve então desenvolver amplas estratégias competitivas que melhor posicionem sua oferta frente às ofertas dos concorrentes e lhe proporcione vantagem competitiva (KOTLER; ARMSTRONG, 1999). Como exposto anteriormente, Porter (1991) descreve estratégia competitiva como um conjunto de ações ofensivas ou defensivas que procuram criar, para a empresa, uma posição defensável dentro da indústria na qual ela compete. Essas estratégias permitirão à empresa enfrentar com sucesso as cinco forças competitivas e assim obter maiores retornos financeiros. Segundo Porter (1991) existem diversas maneiras de atingir esse objetivo, mas é preciso lembrar que a melhor estratégia para uma especifica empresa é um reflexo de suas circunstâncias e particularidades, portanto uma solução única a ela.

20 19 Segundo o autor, as abordagens genéricas são: liderança no custo, diferenciação, e enfoque. Sendo que esta última pode ainda ser dividida em enfoque no custo e enfoque na diferenciação (Figura 2). De acordo com Porter (1989), essas estratégias são originárias da combinação dos dois tipos de vantagem competitiva (em custo ou na diferenciação) com o escopo (amplo ou restrito) do mercado-alvo a ser atingido. Porter (1989) ressalta ainda que as estratégias genéricas visam o alcance da vantagem competitiva, mas para isso, é preciso que a empresa faça escolhas quanto ao tipo de vantagem competitiva e o escopo de mercado que se pretende atingir. VANTAGEM COMPETITIVA Custo Mais Baixo Diferenciação ESCOPO Alvo Amplo 1. Liderança de Custo 2. Diferenciação COMPETITIVO Alvo Estreito 3A. Enfoque no Custo 3B. Enfoque na Diferenciação Figura 2 As estratégias genéricas de Porter Fonte: Porter, 1989, p.10. Liderança no custo total Na estratégia de liderança em custo, a empresa assume a posição de produtora de mais baixo custo da indústria, objetivando atender um mercado amplo (PORTER, 1989). A estratégia de ser o provedor de baixo custo geral da indústria vigora em mercados onde a grande parcela de compradores apresenta-se altamente sensível aos preços (THOMPSON, 2000).

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

Análise dos Concorrentes

Análise dos Concorrentes Quando o assunto é monitorar as atividades dos concorrentes no mercado, não há espaço para complacência. ex: Lexmark X Epson (Print Market) 5 forças que determinam a atratividade intrínseca de lucro a

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

CAPÍTULO 15. Planejamento Estratégico

CAPÍTULO 15. Planejamento Estratégico CAPÍTULO 15 Planejamento Estratégico Autor Palavras Chave Mintzberg Ansoff Futuro. Decisão. Resultados. Programação. Negócio Atual. Tendências. Decisão. Concorrência. Produtos e serviços. MAXIMIANO /TGA

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5 Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial Aula - 5 Modelo de Porter do Ambiente Competitivo 1- Ameaças de novos concorrentes que ingressam no setor Ameaças de

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA Natália Igreja da Silva Ferreira 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 4

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

Consultor em pesquisa de mercado, levantamentos estratégicos de abordagem comportamental do consumidor. Prof. Paulo Barreto

Consultor em pesquisa de mercado, levantamentos estratégicos de abordagem comportamental do consumidor. Prof. Paulo Barreto 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando Administração,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais