HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO"

Transcrição

1 O HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle - é um sistema de segurança alimentar concebido para prevenir a ocorrência de potenciais problemas durante operações com alimentos. Isto é conseguido através da avaliação dos perigos inerentes atribuídos ao produto ou ao processo seguida da determinação dos passos necessários para o controlo dos perigos identificados.

2 Objetivo do HACCP A implementação de um Sistema de Segurança Alimentar através do HACCP segundo a norma DS 3027E, deverá permitir às empresas: Aumento da confiança dos clientes, Garantia de cumprimento da legislação alimentar Fácil integração com outros Sistemas de Gestão Definição de estratégias de prevenção, contra perigos que possam ocorrer em pontos específicos da cadeia alimentar, Redução dos custos da não qualidade Redução do risco de colocação no mercado de produtos nocivos a saúde pública, Redução do risco de perda de imagem.

3 Estabelecimento e implementação do APPCC Decisão pela gerência de usar o sistema APPCC Treinamento e formação da equipe APPCC Desenvolvimento da documentação do plano APPCC, incluindo as seguintes partes: Reunir a equipe APPCC Descrever o produto alimentício e sua distribuição Identificar o uso e os consumidores pretendidos Desenvolver e verificar o diagrama de fluxo para o processo de produção Confirmação no local do diagrama de fluxo 1. Conduzir análise de perigos 2. Determinar os pontos críticos de controle -PCCs (CCPs) 3. Estabelecer limites críticos 4. Estabelecer procedimentos de monitoramento 5. Estabelecer ações corretivas 6. Estabelecer procedimentos de verificação 7. Estabelecer procedimentos de documentação e registro

4 Exemplo : Pasteurização Como utilizar nas indústrias de : Refrigerante Leite Conservas Iogurte

5 Como determinar os Pontos Críticos de Controle A determinação dos PCC é facilitada pela aplicação de uma árvore de decisão de PCC s.

6

7 Como identificar os perigos e definir as medidas preventivas As medidas preventivas a implantar visam diminuir o risco a níveis aceitáveis de modo que os limites críticos estabelecidos nunca sejam atingidos

8 Medidas preventivas mais comuns Formação adequada de operadores Manuseamento e armazenamento adequados das matérias-primas e produto acabado Manutenção preventiva de equipamentos Controle do cumprimento das BPH e BPF Controle médico dos trabalhadores Garantia dos fornecedores quanto à qualidade das matérias-primas fornecidas Garantia dos fornecedores quanto à qualidade das embalagens fornecidas Controle dos processos de tratamento (pasteurização, congelamento, desinfecção, etc) Controle da efetividade dos programas de limpeza

9 Como identificar os perigos e definir as medidas preventivas Avaliar a eficácia e efetividade dos procedimentos de limpeza Embalagem Manuseio do produto Armazenamento Reunir toda a informação disponível sobre o assunto Estudar os perigos potenciais de todos os ingredientes Verificar a possibilidade de contaminação cruzada Verificar a eficácia dos equipamentos Avaliar os vários processos de tratamento : Térmicos Congelamento Desinfecção, etc

10 Quais as principais dificuldades de identificação dos perigos Conhecimento das práticas de manutenção Conhecimento dos equipamentos Controle da correta implementação das BPH e BPF Distinção entre os perigos reais e os perigos teóricos Avaliação adequada da implicação dos perigos Definição correta dos limites críticos O risco associado ao perigo pode variar de indivíduo para indivíduo

11 Quais as principais dificuldades de identificação dos perigos As diferentes perspectivas de encarar os perigos e os riscos tornam a sua análise extremamente difícil: ESPECIALISTAS E INDUSTRIAIS Sabem que é muito complicado e depende de muitas variáveis Lidam com os perigos e os riscos todos os dias, menosprezando por vezes a sua importância

12 Quais as principais dificuldades de identificação dos perigos As diferentes perspectivas de encarar os perigos e os riscos tornam a sua análise extremamente difícil: CONSUMIDORES E LEGISLADORES Acreditam que analisar os riscos e identificar os perigos é simples e sem qualquer ambigüidade Não os aceitam e sempre que se manifestam é sinal de descuido

13 Quais as principais dificuldades de identificação dos perigo Antes de surgirem as primeiras dificuldades na análise dos riscos temos que inicialmente listar os perigos associados aos processos de armazenamento de matéria-prima, processamento, armazenamento e distribuição de alimentos

14 Tipos de perigos Microbiológicos Químicos Físicos A identificação, prevenção de ocorrência, monitorização e verificação dos perigos é de responsabilidade das empresas

15 Biológico Macrobiológicos Microbiológicos Bactérias patogênicas Formadores de esporos Parasitas e protozoários Vírus Micotoxinas Perigos associados aos alimentos Químico Resíduos veterinários : antibióticos, estimulantes do crescimento Plastificantes e migração na embalagem Resíduos químicos : pesticidas, fluidos de limpeza Metais tóxicos : chumbo Aditivos alimentares : conservantes, coadjuvantes de fabricação Tintas de impressão Substancias proibidas Físico Vidro Metal Pedras Madeira Plástico Partes de pragas, ossos Caroços de frutas

16 PERIGO - Qualquer propriedade biológica, química ou física que possa causar um risco inaceitável para a saúde do consumidor RISCO - Grau de probabilidade de ocorrer o perigo

17 A avaliação, gestão e comunicação do risco é uma responsabilidade das autoridades Esta trilogia tem o seguinte significado: Avaliação do risco - avaliação relativa do grau do risco Gestão do risco - definir as medidas preventivas adequadas para minimizar o risco Comunicar o risco - certificar- se de que os consumidores conhecem e compreendem os riscos que enfrentam quando comem um alimento

18 Pergunta 1 - Existe algum perigo nesta fase do processo? SIM - Fermentação do produto Pergunta 2 - Existem medidas preventivas para o perigo identificado? SIM - Controlo do tempo e temperatura de pasteurização Pergunta 3 -Esta etapa reduz o perigo a um limite aceitável? SIM - Pois a pasteurização seguida de arrefecimento mata os microorganismos causadores da fermentação (leveduras) Então a pasteurização é ponto crítico (PCC) Imaginemos agora que o meu pasteurizador não atingia os tempos e temperaturas mínimas

19 Pergunta 4 - Poderá a contaminação com o perigo identificado ocorrer a um nível excessivo ou poderá aumentar para níveis inaceitáveis? SIM - Pois as leveduras não foram destruídas e estão em condições de se reproduzirem e provocarem fermentação Pergunta 5 - Na etapa seguinte o perigo identificado poderá ser eliminado ou reduzido a nível aceitável? NÃO - Pois as leveduras nestes produtos só são destruídas por processos térmicos Então a pasteurização é ponto crítico (PCC)

20 Elaboração de documentos A documentação associada ao sistema HACCP deverá ser constituída por: Política de Segurança Alimentar Plano HACCP Procedimento de controlo dos documentos e dos registros Procedimentos de monitorização dos pontos críticos Procedimento de controlo de produto NC, não conformidades e AC Procedimento de tratamento de reclamações Procedimento de Recall Procedimento de Verificação - Auditoria interna Procedimento de Revisão do Sistema Plano de calibração de equipamentos Plano de auditorias

21 A certificação HACCP A HACCP é uma metodologia reconhecida internacionalmente e recomendada por entidades como a Organização Mundial de Saúde (OMS). Regida pela norma comunitária DS 3027 E, a certificação HACCP pode ser aplicada a todos os sectores da indústria alimentar e associados, incluindo restauração e empresas intermédias, distribuidoras e de transporte, o que engloba ainda fornecedores de embalagens, equipamento e matérias-primas. O principal objetivo da certificação HACCP é o de analisar quais os potenciais perigos para a saúde dos consumidores no sector alimentar, identificar onde podem ocorrer e decidir quais, entre esses, são críticos para a saúde. Com recurso a esta metodologia de análise, as empresas focalizam-se nas fases do processo e nas condições de produção que são críticas para a segurança alimentar, assegurando através do estabelecimento e implementação de um sistema HACCP que os seus produtos são seguros em termos da saúde dos consumidores.

22

23

24 Interação do HACCP com a Sistema de qualidade

25 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA HACCP Aumentar a segurança dos produtos Proteger a marca Cumprir com a legislação do país e comunitária Melhorar a confiança dos consumidores Aumentar a familiarização com as linhas de produção Potenciar o controlo dos PCC

26 Inconvenientes da aplicação de um sistema HACCP Aumento da documentação Dificuldade de manutenção do espírito HACCP ativo

27 Idéias a reter sobre o HACCP O HACCP é um objetivo não uma meta O HACCP não é uma ferramenta isolada, mas parte integrante dos sistemas de gestão da qualidade O HACCP deve ser usado como uma ferramenta de melhoria contínua O espírito do HACCP é para manter vivo e não mais um documento para guardar na gaveta

28

29

30

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

PROGRAMAS DE SEGURANÇA E HORTALIÇAS. Dilma Scala Gelli

PROGRAMAS DE SEGURANÇA E HORTALIÇAS. Dilma Scala Gelli PROGRAMAS DE SEGURANÇA EM PÓS-COLHEITA P DE FRUTAS E HORTALIÇAS AS Dilma Scala Gelli Segurança a dos alimentos relacionados com frutas e hortaliças as Está relacionada com o controle de perigos e respectivos

Leia mais

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 2 SEGURANÇA A SEGURANÇA DO PRODUTO ALIMENTAR CONSTITUI UM REQUISITO

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES 19.09.16 São procedimentos higiênicos, sanitários e operacionais aplicados em todo o fluxo de produção, desde a obtenção dos

Leia mais

Aula 9: PPHO e APPCC. Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos

Aula 9: PPHO e APPCC. Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos Aula 9: PPHO e Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos Objetivo da Aula: Conhecer o conceito de PPHO e ; Conhecer os pré-requisitos e as vantagens para implementaçao do sistema. PPHO Procedimento

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Cursos de Formação COTHN / SGS

Cursos de Formação COTHN / SGS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Treinamento e-learning

Treinamento e-learning Treinamento e-learning HACCP HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS APPCC - ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE GESTÃO DA CADEIA ALIMENTAR Todos os direitos de cópia reservados. Não é

Leia mais

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007 Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar 15 de Março de 2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004 Higiene dos géneros alimentícios (aplicável a partir de 1 de

Leia mais

Segurança Alimentar. Princípios para o estabelecimento e aplicação de critérios microbiológicos para os alimentos CAC/GL-21 (1997)

Segurança Alimentar. Princípios para o estabelecimento e aplicação de critérios microbiológicos para os alimentos CAC/GL-21 (1997) Segurança Alimentar Critérios e Riscos Critérios Princípios para o estabelecimento e aplicação de critérios para os alimentos CAC/GL-21 (1997) fornecer orientação sobre estabelecimento e aplicação de critérios

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Conceitos e ferramentas da qualidade. PROFESSORA: Erika Liz

Conceitos e ferramentas da qualidade. PROFESSORA: Erika Liz Conceitos e ferramentas da qualidade PROFESSORA: Erika Liz Introdução e Definições As organizações, ao longo de suas existências, sempre buscaram, ainda que de modo empírico, caminhos para suas sobrevivência

Leia mais

Plano de Segurança de Água, perspectivas e desafios para os municípios

Plano de Segurança de Água, perspectivas e desafios para os municípios Plano de Segurança de Água, perspectivas e desafios para os municípios Graziele Menezes Ferreira Dias Referência Técnica do Programa Vigiagua Superintendência Regional de Saúde de Ponte Nova SES/MG Outubro

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ENQUADRAMENTO NA ORGANIZAÇÃO/EMPRESA OBJECTIVO

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL PC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL José Manuel Nunes da Costa DGAV / DSNA DAA A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL IACA, SANTARÉM, 27 JUNHO

Leia mais

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios Módulo 8 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios 4.4.6 Controle Operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS?

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO BPHM GOOD MANUFACTURING

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados COLHEITA DE AMOSTRAS PARA CONTROLO OFICIAL OUTUBRO 2009 ANA PAULA BICO Reg. (CE) 882/2004 1. Estabelece normas gerais para a realização de controlos oficiais

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Segursaúde é uma empresa autorizada para prestação de serviços na área da Higiene e Segurança no Trabalho, conforme despacho de 23 de Julho de 2009,

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

CONSULTORIA E FORMAÇÃO

CONSULTORIA E FORMAÇÃO VALOR QUE SE ACRESCENTA! CONSULTORIA E FORMAÇÃO 1. Apresentação A Consultactiva é uma empresa de consultoria e formação, sediada na zona de Torres Vedras, tendo sido fundada em 2009. De acordo com a especificidade

Leia mais

VALIDAÇÃO PARA O SETOR COSMÉTICOS. Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016

VALIDAÇÃO PARA O SETOR COSMÉTICOS. Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016 PARA O SETOR COSMÉTICOS REGULAÇÃO SANITÁRIA Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016 QUALQUER ASPECTO DA OPERAÇÃO QUE POSSA AFETAR A QUALIDADE DO PRODUTO, DIRETA OU INDIRETAMENTE,

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Background. Background profissional: Trabalhos em andamento:

Background. Background profissional: Trabalhos em andamento: Background Background profissional: Trabalhos em andamento: Gerando Competitividade no Agronegócio Sumário Histórico Base técnica e legal Processo de Abate de Bovinos Layout da planta de abate com vistas

Leia mais

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional O módulo de Estrutura e Comunicação Organizacional (ECO), leccionado pelo formador Carlos Pedro Alves Guedes, com total de cinquenta horas. Nesta UFCD abordamos

Leia mais

Segurança Alimentar. Grande variedade de alimentos. Cuidados de higiene e saneamento. Descoberta do fogo. Antiguidade. História

Segurança Alimentar. Grande variedade de alimentos. Cuidados de higiene e saneamento. Descoberta do fogo. Antiguidade. História Segurança Alimentar História Antiguidade Grande variedade de alimentos Descoberta do fogo Cuidados de higiene e saneamento doenças relacionadas com alimentos eliminação de m.o. e toxinas inadequados resultavam

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013.

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Laboratórios Análise de solo, água e planta Biologia molecular Gestão ambiental e resíduos Cultura de tecidos e genética vegetal Análise

Leia mais

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11 1 / 11 METODOLOGIA PARA INFRA-ESTRUTURAS: Acção Responsabilidade Documentos 1 Os perigos são identificados com base em: Actividades de rotina e fora da rotina; Actividades desenvolvidas pelos colaboradores;

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Evento Apícola A abelha e a Laurissilva São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Registo Aprovação Segurança alimentar no mel Maria Médica Veterinária Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Leia mais

ISO 9001: Manual da qualidade

ISO 9001: Manual da qualidade ISO 9001:2008 4.2.2. Manual da qualidade O Manual da Qualidade é um livro onde cada empresa demonstra aos seus clientes e às partes interessadas a forma com que ela gerencia o sistema como um todo. Imagine

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática -

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - 27 de outubro de 2016 Carmen Bessa Diretora de Logística AGENDA 1. Enquadramento 2. As principais alterações das BPD 3. A implementação 4.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Contaminação de Alimentos na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Contaminação de Alimentos na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Contaminação de Alimentos na Restauração Índice Contaminação de alimentos na restauração... 3 Princípios definidos pelo HACCP... 3 Vantagens do HACCP... 3 Pré-requisitos...

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Solução de problemas

Solução de problemas Solução de problemas ASSUNTOS ABORDADOS NESTE TREINAMENTO - REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2000 8.3 Controle de produto não conforme 8.5 Melhorias - 8.5.1 Melhoria continua - 8.5.2 Ações corretivas - 8.5.3

Leia mais

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA)

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA) Capítulo 4 Riscos ambientais empresariais Segundo o artigo 9.1.5 da Portaria n 25, de 29.12.94, do Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, considera-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

INVESTINDO EM QUALIDADE NA ÁREA DE ALIMENTOS

INVESTINDO EM QUALIDADE NA ÁREA DE ALIMENTOS INVESTINDO EM QUALIDADE NA ÁREA DE ALIMENTOS 2 Índice Introdução Importância do controle de qualidade Como funciona a verificação da qualidade alimentar Por onde começar Quanto custa um erro na segurança

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES Estrutura Fundação: 1980 Estrutura: Matriz: Diadema/SP Pátio Estação de limpeza de tanques equipe com 12 operadores, 3 líderes, 3 turnos de

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 ALAN FERNANDO TORRES 2 RESUMO A utilização de sistemas integrados se torna, cada vez mais,

Leia mais

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS Marisa Padula CETEA/ITAL V Simpósio Internacional da Abrapa III Seminário ITAL de Segurança Alimentar IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia

Leia mais

PERIGO E RISCO 29/10/2012

PERIGO E RISCO 29/10/2012 1 PERIGO E RISCO PERIGO: Sempre estará presente em qualquer lugar que se esteja, pois é inerente à atividade que se faz ou à substância que se manuseia. 2 1 PERIGO E RISCO RISCO: É a possibilidade que

Leia mais

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino Acção de Formação Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino ENQUADRAMENTO: As novas leis nacionais aplicáveis ao sector alimentar (Decreto legislativo nº 25/2009 relativo

Leia mais

Curso. Curso de Higiene e Segurança Alimentar no setor das carnes. Módulo 1. Higiene das carnes. Formador. Joana Cardoso

Curso. Curso de Higiene e Segurança Alimentar no setor das carnes. Módulo 1. Higiene das carnes. Formador. Joana Cardoso Curso Curso de Higiene e Segurança Alimentar no setor das carnes Módulo 1 Higiene das carnes Formador Joana Cardoso 2 Ficha técnica Título Autor Área temática Público a que se destina Características técnicas

Leia mais

Avaliação Escrita 1ª Etapa

Avaliação Escrita 1ª Etapa Caderno de Questões PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA SEGURANÇA DE ALIMENTOS E QUALIDADE NUTRICIONAL Edital Nº 57/2015 Avaliação Escrita 1ª Etapa

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia 2014 Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia Desafios Regulatórios Cenário Brasileiro: É membro Codex É membro MERCOSUL Temos 2 órgãos regulatórios:

Leia mais

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ.

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ. 1. OBJETIVO Sistematizar em toda a Empresa a forma de identificar o potencial e de atender a acidentes e situações de emergência, bem como para prevenir e mitigar os impactos ambientais que possam estar

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação TURISMO Conferências Visitas de Estudo O Turismo é o profissional que executa serviços de informação, animação e organização de eventos em empresas de turismo, de reservas em agências de viagens e de receção

Leia mais

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155 e 200, item VI, da Consolidação das

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Fernando Bandeira 2016 Introdução Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Leia mais

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS OBJETIVO DO SGS Para aumentar a segurança dos clientes e seus colaboradores, a Alaya Expedições montou um sistema de gestão baseado no principio da melhoria contínua e na conformidade com a norma ABNT

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 18 Checklist 1. I/F 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. I/F Existe uma política da qualidade na empresa?

Leia mais

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte?

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? CAPÍTULO 1 1.1. Quais os principais princípios para a escolha do transporte? 1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? 1.3. Em que medida a respiração

Leia mais

A certificação como meio para a internacionalização. Isabel Ramos

A certificação como meio para a internacionalização. Isabel Ramos A certificação como meio para a internacionalização Isabel Ramos 12 de Junho de 2014 LeiteSaudável O PROJETO JUL 2009 A JUN 2012 CAVC Cooperativa Agrícola de Vila do Conde, CRL REQUIMTE/ICETA Universidade

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios.

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. 4.4 - Implementação e operação 4.4.1 - Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade 4.4.2 - Competência, treinamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) /

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) / MESTRADO ACADÊMICO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E QUALIDADE DE VIDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19)-3623-3022 / 0800-173022 ISO

Leia mais

MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04 Ventilação PAC 04 Página 2 de 7 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03 2.

Leia mais

Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras

Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras CURSO Boas Práticas de Distribuição de Medicamentos de uso Humano: Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras A sua Formadora:

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais