Cursos de Formação COTHN / SGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cursos de Formação COTHN / SGS"

Transcrição

1 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação de CAP de TSST. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da Segurança e Saúde no Trabalho. A necessidade de organização da emergência; Enquadramento legal; Recursos e meios para a organização da emergência; Tipos de sinistros e cenários de emergência; Conteúdo e elaboração de planos de emergência para fazer face a sinistros; Implementação de planos de emergência. Duração: 8 horas Datas : 5 / Abril ( ); Com o objectivo da concretizar esta acção solicita-se a todos os interessados, que efectuem a pré-inscrição até 25 de Março. A acção realiza-se 60 (acresce IVA) para sócios 90 (acresce IVA) para não sócios. Data limite de pré- inscrição: 25 de Março

2 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - Requisitos legais ambientais e avaliação da sua conformidade Dar a conhecer o enquadramento legislativo ao nível dos diversos domínios (água, ar, solo, resíduos, ruído, energia) e saber como definir as metodologias para avaliação da sua conformidade. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da gestão ambiental. Enquadramento legislativo ao nível dos diversos domínios (água, ar, solo, resíduos, ruído, energia); Análise e interpretação da legislação e sua aplicabilidade nos diversos domínios empresariais; Organização de listas de verificações; Casos práticos. Duração: 16 horas Datas : 17 e 18 / Abril ( ); 115 (acresce IVA) para sócios 145 (acresce IVA) para não sócios.

3 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - Gestão de pessoas No contexto atual de mudança torna-se fundamental uma eficaz gestão de pessoas, com vista à prossecução dos objectivos traçados. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da gestão de recursos humanos. Gestão da mudança; Liderança e motivação de equipas; Relacionamento interpessoal; Gestão de conflitos; Análise e descrição de funções; Avaliação de desempenho; Diagnóstico das necessidades de formação; Avaliação da formação. Duração: 24 horas Datas : 6, 7 e 8 / Maio ( ); 170 (acresce IVA) para sócios 200 (acresce IVA) para não sócios.

4 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - Gestão de resíduos Este curso destina-se a sensibilizar todos os participantes para o quadro legislativo ambiental a cumprir no que se refere aos resíduos e para todo o processo inerente à sua gestão, nomeadamente o sistema de classificação de resíduos (LER - Lista Europeia de Resíduos). Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da gestão de resíduos. Caracterização de resíduos. Monitorização; Operações de eliminação e valorização: reciclagem; Processos biológicos; incineração; Aterros; Transporte de resíduos. Gestão de resíduos. Duração: 16 horas Datas : 22 e 23 / Maio ( ); 115 (acresce IVA) para sócios 145 (acresce IVA) para não sócios.

5 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - Rotulagem: regras para alimentos Este curso destina-se a dar a conhecer as alterações relativamente à legislação sobre rotulagem de géneros alimentícios, principalmente: a designação da lista de ingredientes; disposição dos textos; tipografia e tamanhos da letra da rotulagem; indicação dos alergénios; e outras menções obrigatórias adicionais. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da rotulagem. O novo Regulamento de informação ao consumidor; Princípios gerais da informação sobre os géneros alimentícios; Responsabilidade dos operadores; Informações obrigatórias sobre géneros alimentícios; Informações voluntárias sobre os géneros alimentícios; Análise dos Anexos. Duração: 8 horas Datas : 3 / Junho ( ); 60 (acresce IVA) para sócios 90 (acresce IVA) para não sócios.

6 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - Organização do trabalho e gestão de tempo Este curso destina-se a quem pretende melhorar o seu desempenho profissional através da utilização dos princípios de organização de tarefas, da correcta utilização dos instrumentos de gestão de trabalho e uma eficaz gestão de tempo. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível da organização do trabalho e gestão de recursos humanos. Princípios de organização; Instrumentos de gestão de trabalho; Prioridades; Qualidade do trabalho vs gestão do tempo; Não-qualidade do trabalho vs causas e soluções; Stress e pressões - dominar reacções e aplicar técnicas simples. Duração: 8 horas Datas : 4 / Junho ( ); 60 (acresce IVA) para sócios 90 (acresce IVA) para não sócios.

7 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Implementação de sistemas de gestão ambiental ISO e EMAS III Os Sistemas de Gestão Ambiental são instrumentos de participação voluntária e são adotados pelas organizações que pretendem ter uma atitude de antecipação face às obrigações legislativas e melhorar o seu desempenho global. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível dos sistemas de gestão ambiental. Enquadramento legislativo e normativo: a norma ISO 14001; O Regulamento Comunitário de Eco-gestão e Auditorias (EMAS); Os requisitos da norma e os 5 passos para a sua implementação. Os requisitos adicionais EMAS III e a sua implementação; Intregração do SGA com outros Sistemas de gestão. Duração: 24 horas Datas : 21, 22 e 23 / Outubro ( ); 170 (acresce IVA) para sócios 200 (acresce IVA) para não sócios.

8 ACÇÃO DE FORMAÇÃO - HACCP O sistema HACCP definido no Codex Alimentarius, para além de ser um requisito legal obrigatório (Regulamento CE nº 852/2004) a nível do sector alimentar, constitui uma garantia para os consumidores na prevenção de doenças causadas pelos alimentos. Confere, ainda, vantagens ao nível do reconhecimento internacional, promovendo a confiança do consumidor e protecção da saúde pública, complementando e fortalecendo os Sistemas de Gestão da Qualidade. Quadros superiores e médios com responsabilidade ao nível dos sistemas de gestão da qualidade. Pré-requisitos ao sistema e requisitos do Sistema HACCP; Elaboração do Sistema HACCP para Certificação; Estudo de casos Elaboração de planos HACCP; Verificação e validação de planos HACCP; Interação entre o Sistema HACCP e as normas da família ISO Duração: 16 horas Datas : 5 e 6 / Novembro ( ); 115 (acresce IVA) para sócios 145 (acresce IVA) para não sócios.

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR Segurança Alimentar Sistema de Gestão da Segurança Alimentar NP EN ISO 22000 Interligação Entre os Referenciais ISO 22000, BRC e IFS HACCP Análise de Perigo e Pontos

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007 Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar 15 de Março de 2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004 Higiene dos géneros alimentícios (aplicável a partir de 1 de

Leia mais

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL PC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL José Manuel Nunes da Costa DGAV / DSNA DAA A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL IACA, SANTARÉM, 27 JUNHO

Leia mais

18,19, 25 e 29 de Maio de Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição)

18,19, 25 e 29 de Maio de Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição) Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição) 18,19, 25 e 29 de Maio de 2015 Rua Direita, nº 351 4450-652 Matosinhos www.bioconnection.pt ENQUADRAMENTO A segurança alimentar

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

O curso realiza-se na modalidade E-Learning sendo constituído por sessões assíncronas, sem tutor, com avaliação escrita em cada módulo.

O curso realiza-se na modalidade E-Learning sendo constituído por sessões assíncronas, sem tutor, com avaliação escrita em cada módulo. CURSO O objetivo deste curso é proporcionar aos formandos o conhecimento necessário para interpretar a legislação ambiental geral e específica, identificar os requisitos legais a cumprir e avaliar a conformidade

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015 CURSO O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 3 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação ISO 14001:2015 Requisitos associados à estrutura de Alto nível Anexo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ENQUADRAMENTO NA ORGANIZAÇÃO/EMPRESA OBJECTIVO

Leia mais

Ficha de Curso SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DESIGNAÇÃO DURAÇÃO. Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS

Ficha de Curso SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DESIGNAÇÃO DURAÇÃO. Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS DESIGNAÇÃO SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DURAÇÃO Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS Activos empregados, com idade igual ou superior a 18 anos, detentores de, pelo menos, o 9.º ano de escolaridade e que

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

WORKSHOP. Certificação de produtos, empresas e serviços

WORKSHOP. Certificação de produtos, empresas e serviços WORKSHOP Certificação de produtos, empresas e serviços PROJETO CERTIFICAÇÃO Qual o caminho que quero/devo seguir? MARCA identidade PATENTE Proteção do design / modelo EMPRESA Produtos CERTIFICAÇÃO Implementação

Leia mais

Rua Nossa Sr.ª d Alegria, n.º39, Aveiro Telf.: /1 Fax:

Rua Nossa Sr.ª d Alegria, n.º39, Aveiro Telf.: /1 Fax: ACT: Autorização n.º 418.04.1.10.01 Quem Somos A CCMT - Sr.ª D Alegria Centro Clínico de Medicina no Trabalho, Lda., é uma empresa prestadora de serviços integrados nas áreas da Segurança e Saúde no trabalho,

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO. REALIZAÇÃO Individual. 1 7h. 2 36h

PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO. REALIZAÇÃO Individual. 1 7h. 2 36h PLANO DE FORMAÇÃO 2017 CALENDARIZAÇÃO 1º SEMESTRE Destinados a Técnicos de Segurança Externos I a quem gere a Segurança na Empresa I ao Interlocutor com a Prestadora externa de Serviços DE SST GESTÃO DA

Leia mais

TREINAMENTOS DE CAPACITAÇÃO FOOD DESIGN CALENDÁRIO 2016

TREINAMENTOS DE CAPACITAÇÃO FOOD DESIGN CALENDÁRIO 2016 ABRIL / 2016 1 Normas reconhecidas pelo GFSI - IFS, BRC e FSSC 22000 Visão geral das Normas 4 Introdução à Cultura de Segurança de Alimentos R$ 637,00 5 a 7 Workshop de BPF / GMP para Gestores - Teoria

Leia mais

Rastreabilidade - enquadramento legal. Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006

Rastreabilidade - enquadramento legal. Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006 Rastreabilidade - enquadramento legal Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006 Considerandos Elevado nível de protecção da vida e da saúde humana É necessário considerar todos os aspectos

Leia mais

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Data de elaboração: Maio de 2016 Relatório Resíduos Urbanos Ilha de Santa Maria 2015 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Diagnóstico de Segurança e Saúde no Trabalho

Diagnóstico de Segurança e Saúde no Trabalho Diagnóstico de Segurança e Saúde no Trabalho Principais conclusões em 7 empresas do setor do Calçado Casa das Artes - Felgueiras 4 de Março de 2015 Tópicos 1. Enquadramento do estudo 2. Caraterização das

Leia mais

GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO

GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO CALENDARIZAÇÃO PARA NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2016 Destinados a quem gere a Segurança na Empresa ou é Interlocutor com a Prestadora externa de Serviços GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO Legislação laboral -

Leia mais

Mercados e Políticas Agrícolas

Mercados e Políticas Agrícolas Mercados e Políticas Agrícolas Aula 5: Certificação de produtos agro-alimentares - Conceito, importância, custos e benefícios - Tipos de certificação - Certificação de qualidade em agricultura Certificações

Leia mais

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Segursaúde é uma empresa autorizada para prestação de serviços na área da Higiene e Segurança no Trabalho, conforme despacho de 23 de Julho de 2009,

Leia mais

Cérebro Centro de Formação, Lda.

Cérebro Centro de Formação, Lda. Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Desde 1990 a apostar no Futuro com Qualidade e Formação! Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225

Leia mais

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar - 100 horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar ESPECIALIZAÇÃO Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Funchal, 2 Março 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Madeira como Mercado

Leia mais

O que muda em 1 de julho de 2013

O que muda em 1 de julho de 2013 Regulamento dos Produtos de Construção Novas exigências para a Marcação CE O que muda em 1 de julho de 2013 Armando Mendes 27desetembrode2012 1 Tópicos Regulamento (UE) nº 305/2011 Diretiva -Regulamento:

Leia mais

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Mod 10-381 rev 0 Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÙDE E PROTECÇÃO ANIMAL

PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÙDE E PROTECÇÃO ANIMAL PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO Página 1 INTRODUÇÃO A Directiva 1999/74/CE, de 19 de Julho, relativa à Protecção das galinhas poedeiras

Leia mais

AGENDA EVENTOS SETEMBRO DEZEMBRO SUPLEMENTOS ALIMENTARES

AGENDA EVENTOS SETEMBRO DEZEMBRO SUPLEMENTOS ALIMENTARES AGENDA EVENTOS SETEMBRO DEZEMBRO SUPLEMENTOS ALIMENTARES PONTOS CHAVE PARA CUMPRIR AS EXIGÊNCIAS DE ROTULAGEM, APRESENTAÇÃO E PUBLICIDADE 28 de Setembro de 2016 CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS: OS PRODUTOS

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD ANA ALVES FERREIRA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE 17 de Junho de 2015 Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora Representa os

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Frequência Gratuita FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA A Formação Modular Certificada, que tem por base as Unidades de Formação de Curta Duração de 25 ou 50 horas constantes do Catálogo Nacional de Qualificações,

Leia mais

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda 1 PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda Regulamento (UE) nº 305/2011 versus Diretiva nº 89/106/CEE Melo Arruda Encontro promovido pelo Bureau Veritas e IPQ 6 de novembro de 2012 2 Tópicos

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS Eng.º João Santos Gonçalves Director para a área alimentar - ARFA Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos alimentos, 07 a 09 de Novembro, 2011 - Praia

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL 2016_2

AUDITORIA AMBIENTAL 2016_2 AUDITORIA AMBIENTAL PROF. DRA. ÉRICA L. ROMÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS E AMBIENTAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, EEL-USP 2016_2 AS NORMAS DA SÉRIE 14000 Normas ISO

Leia mais

SUPLEMENTOS ALIMENTARES

SUPLEMENTOS ALIMENTARES MASTER COURSE SUPLEMENTOS ALIMENTARES 2018 Autorização,fabrico e comercialização de SUPLEMENTOS ALIMENTARES Lisboa, 6 de fevereiro de 2018 Novo Procedimento de Notificação de Suplementos Alimentares Alegações

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008 Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar Jorge Silva, 27 de Março de 2008 AGENDA NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de Gestão Segurança Alimentar ERS3002 Qualidade e Segurança

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO RELATIVA AOS RC&D paula.correia@inresiduos.pt ÍNDICE TEMÁTICO TICO Quadro legislativo em vigor Quadro legislativo em preparação Quadro Legislativo em Vigor DL 239/97, de 9 de Setembro

Leia mais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais 7. Gestão Ambiental Para além da liderança do Governo, a protecção ambiental é, também, da responsabilidade de toda a população, sendo necessária a participação de toda a sociedade, quer das empresas quer

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS: DESAFIOS E TENDÊNCIAS NO HORIZONTE 2020

GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS: DESAFIOS E TENDÊNCIAS NO HORIZONTE 2020 Seminário Energia e Ambiente GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS: DESAFIOS E TENDÊNCIAS NO HORIZONTE 2020 Uma Rede de Tecnologia e Qualidade Taguspark, 19 de Maio 2015 Conteúdo: DESAFIOS COLOCADOS ÀS EMPRESAS

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde A perspetiva de um operador privado Lisboa, setembro de 2013 João Rebelo Com a colaboração de Joana Pita Índice O regime jurídico do licenciamento

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

Proposta de Ação de Formação (AF) Regulamento REACH e Regulamento CLP

Proposta de Ação de Formação (AF) Regulamento REACH e Regulamento CLP Proposta de Ação de Formação (AF) Regulamento REACH e Regulamento CLP Nome do proponente: Lizete Heleno / Silvia Monteiro Departamento: Eng. do Ambiente Data de apresentação da proposta: 19/abril/2017

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Docente: Dr. José Carlos Marques Discente: Vitalina Cunha N.º 2010607 Funchal, 24 de Abril de 2008 EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO A certificação de uma empresa consiste no reconhecimento

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Auditorias ambientais Aula 2 Prof. Luiz Antonio Forte Critérios para qualificação de auditores Estudo de caso Auditoria Ambiental Contextualização

Leia mais

HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO

HACCP UM EXEMPLO PRÁTICO O HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle - é um sistema de segurança alimentar concebido para prevenir a ocorrência de potenciais problemas

Leia mais

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados COLHEITA DE AMOSTRAS PARA CONTROLO OFICIAL OUTUBRO 2009 ANA PAULA BICO Reg. (CE) 882/2004 1. Estabelece normas gerais para a realização de controlos oficiais

Leia mais

Workshop da CT 150 SC3 Rotulagem ambiental

Workshop da CT 150 SC3 Rotulagem ambiental Workshop da CT 150 SC3 Rotulagem ambiental CT 150 e subcomissões SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação

Leia mais

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro 2012 - Castro Verde No âmbito do Projecto Capacitação de explorações agrícolas para a certificação de sustentabilidade Apresentação: Normalização e Certificação: Noções

Leia mais

Licenciamento industrial e ambiental

Licenciamento industrial e ambiental Conceito: O (novo) Regime de Exercício da Actividade Industrial (REAI) evidencia claras preocupações de simplificação do processo de licenciamento industrial, procurando reduzir os custos de contexto e,

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA NO DOMÍNIO DO AMBIENTE. Principais diplomas legais em 2011

LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA NO DOMÍNIO DO AMBIENTE. Principais diplomas legais em 2011 LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA NO DOMÍNIO DO AMBIENTE Principais diplomas legais em 2011 QUALIDADE DO AR - Regulamento (UE) n 63/2011 da Comissão, que estabelece as modalidades do pedido de uma derrogação aos

Leia mais

Programa LIFE+ Isabel Lico, 6 Maio 2010, Castro Verde. 3.º Painel Unidades de Compostagem de

Programa LIFE+ Isabel Lico, 6 Maio 2010, Castro Verde. 3.º Painel Unidades de Compostagem de 3.º Painel Unidades de Compostagem de Resíduos Verdes LIFE+ Política e Governação Ambiental Programa LIFE+ Financia projectos Inovadores ou de Demonstração para o desenvolvimento e implementação de objectivos

Leia mais

Sistemas Português da Qualidade

Sistemas Português da Qualidade Sistemas Português da Qualidade Transparências de apoio à disciplina de estão da Qualidade rupo de ontrolo e estão Sistema Português da Qualidade Sistema Português da Qualidade Subsistema Nacional de Qualificação

Leia mais

MATRIZ DE MARCO LOGICO COMPONENTE DE CAPACIDADE TÉCNICA

MATRIZ DE MARCO LOGICO COMPONENTE DE CAPACIDADE TÉCNICA MATRIZ DE MARCO LOGICO COMPONENTE DE CAPACIDADE TÉCNICA RESULTADO ESPERADO: Modernizar os sistemas de controle e vigilância dos alimentos de tal forma que sejam preventivos e integrados e com uma maior

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador:

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador: A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012 Orador: Vantagens e Mercado Introdução Implementação Vantagens Mercado Outros referenciais legislativos e normativos INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Coordenação da Formação em elearning INTRODUÇÃO O sistema de certificação das entidades formadoras supervisionado pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho

Leia mais

Relatório de Conformidade 2013

Relatório de Conformidade 2013 Relatório de Conformidade 2013 março de 2014 Responsável de Conformidade Índice 1. Introdução... 3 2. Obrigações... 3 Independência e Autonomia de Gestão... 3 Não Discriminação... 4 Confidencialidade da

Leia mais

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas 2013-01-22 Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas DL 169/2012, de 1 de agosto Artº 10 - Entidades acreditadas 1 As entidades acreditadas pelo IPAC, I. P., podem, nos termos do disposto

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA

PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA PROCESSO DE CANDIDATURA PARA INSTALAÇÃO NO ECO-PARQUE EMPRESARIAL DE ESTARREJA de: (entidade candidata) (data) Prº / ÍNDICE A - TERMO DE CANDIDATURA B - FORMULÁRIOS DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS Ana Marçal Acção de Formação sobre Resíduos Industriais 23 de Novembro de 2010 GESTÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE RESÍDUOS A elaboração de estatísticas sobre resíduos é reconhecida

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO, COM ESPECIAL ENFOQUE NA AVALIAÇÃO DE RISCOS.

IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO, COM ESPECIAL ENFOQUE NA AVALIAÇÃO DE RISCOS. IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO, COM ESPECIAL ENFOQUE NA AVALIAÇÃO DE RISCOS. Formação de base Doutoramento, mestrado ou licenciatura na área da ST e SST curso

Leia mais

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino Acção de Formação Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino ENQUADRAMENTO: As novas leis nacionais aplicáveis ao sector alimentar (Decreto legislativo nº 25/2009 relativo

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional.

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional. 0. ENQUADRAMENTO Hoje em dia fala-se muito de formação, nos incentivos existentes à formação, através de por exemplo cheques-formação, mas raramente se fala sobre o que se formar e quem formar. No nosso

Leia mais

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE RELAÇÃO DE TREINAMENTOS 2017 www.sginteligente.com.br TREINAMENTOS PARA SUA EMPRESA - 1º SEMESTRE DE 2017 1 QUALIDADE Empresas e Profissionais interessados na ISO 9001 1.1 Interpretação da ISO 9001:2015

Leia mais

Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro

Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Exigências técnicas compulsórias (Regulamentos e PACs)

Leia mais

Responsabilidades na Segurança a Alimentar

Responsabilidades na Segurança a Alimentar Seminário Glúten e Segurança Alimentar Responsabilidades na Segurança a Alimentar Lisboa, 14 de Outubro de 2008 Ana Sofia Mil-Homens Gabinete Técnico e Pericial da ASAE Apresentação A apresentação está

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação Código da Operação Projeto Nº.: Norte-02-0853-FEDER-000891 Designação do Projeto Projetos Individuais

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona?

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona? CHEQUE FORMAÇÂO Como Funciona? A medida Cheque- Formação é um incentivo à qualificação e formação profissional dos trabalhadores, sendo um apoio direto do estado, através do IEFP. As entidades empregadoras

Leia mais

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 Introdução Conceito Instrumento Descrição de instrumentos de mercado Instrumentos de mercado vs Instrumentos

Leia mais

Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental

Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental SISTEMAS DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL Professor: Mierzwa Sistemas da Qualidade Série ISO 9.000 de normas; Experiência de países como Inglaterra,

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

A perspectiva do IMTT sobre a Regulamentação Ferroviária de Segurança. Emídio Cândido

A perspectiva do IMTT sobre a Regulamentação Ferroviária de Segurança. Emídio Cândido A perspectiva do IMTT sobre a Regulamentação Ferroviária de Segurança Emídio Cândido 1 Sumário 1. Enquadramento institucional 2. Enquadramento legal 3. Cenários de evolução 2 1. Enquadramento institucional

Leia mais

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o I SO 5 0 0 0 1 SI STEM A DE GESTÃ O DA ENERGI A LEA N OFFI CE TP M TOTA L P

Leia mais

EM-8N/Engenharia Ambiental. Gestão Ambiental SGA & ISO D.Sc. Enoque Pereira da Silva. Paracatu - MG

EM-8N/Engenharia Ambiental. Gestão Ambiental SGA & ISO D.Sc. Enoque Pereira da Silva. Paracatu - MG EM-8N/Engenharia Ambiental Gestão Ambiental D.Sc. Enoque Pereira da Silva Paracatu - MG S G A SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA - CONCEITOS E DEFINIÇÕES (O que é um SGA?) - OBJETIVOS E CONSEQUÊNCIAS (Por

Leia mais

RAD1504-Gestão da Qualidade. Modelos Normatizados: ISO 9000; ISO Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande Prof. Dr.

RAD1504-Gestão da Qualidade. Modelos Normatizados: ISO 9000; ISO Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande Prof. Dr. RAD1504-Gestão da Qualidade Modelos Normatizados: ISO 9000; ISO 14000 Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande Prof. Dr. Erasmo José Gomes Econômica Modelo de negócio sustentável Social Ambiental Triple Bottom

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Sika Portugal, SA Produtos Construção e Indústria, S.A.

Leia mais

Catálogo de Formação

Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225 028 Telem.: 912 583 546 info@cerebro-online.com Direcção: Engª. Manuela Partidário

Leia mais

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM VISÃO DA AMORIM & IRMÃOS, S.A. JOÃO VASCO ALMEIDA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL FAMÍLIA AMORIM CORTIÇA Corticeira, IMOBILIÁRIA Imobiliária, TURISMO Turismo,

Leia mais

6º Colóquio Nacional do Milho

6º Colóquio Nacional do Milho 6º Colóquio Nacional do Milho 11 de Fevereiro, 2011, Santarém Ana Bárbara Oliveira Divisão de Homologação e Avaliação Toxicológica, Ecotoxicológica, Ambiental e de Identidade de produtos Fitofarmacêuticos,

Leia mais

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 biblioteca municipal de santa maria da feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores Etelvina Araújo, Rui Campos, Tânia Gonçalves

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE GST.MQ.01

MANUAL DA QUALIDADE GST.MQ.01 MANUAL DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade implementado segundo a NP EN ISO 9001:2008 Âmbito SGQ Produção e comercialização de artigos para condução e utilização de água de abastecimento, artigos

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 5 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Ação 5.1 CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Enquadramento Regulamentar Artigo 27.º Criação

Leia mais

Projecto de Valorização de Resíduos de Construção e Demolição

Projecto de Valorização de Resíduos de Construção e Demolição 06 de Abril de 2006 Lipor Baguim do Monte Eng.º Paulo Rodrigues Lipor Departamento de Novos Projectos paulo.rodrigues@lipor.pt Área de Influência da LIPOR Lipor Portugal Continental Área: 0.7% 648 km 2

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 A NORMA NP EN ISO 14001 REVISÃO PELA DIRECÇÃO E MELHORIA PLANEAMENTO COMPROMETIMENTO/ POLÍTICA ACOMPANHAMENTO E MEDIÇÃO IMPLEMENTAÇÃO 1 ISO 14001 4.1 - REQUISITOS

Leia mais

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO Principais benefícios

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO Principais benefícios ABNT NBR ISO 14001 ABNT NBR ISO 14001 Principais benefícios A ABNT NBR ISO 14001 é uma norma aceita internacionalmente que define os requistos para colocar um sistema da gestão ambiental em vigor. Ela

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais