Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva"

Transcrição

1 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/ Emissão inicial 21/08/ /12/ Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas com pendências. Definição mais clara da sistemática para registro, análise e identificação da causas de não conformidades legais Alteração de responsabilidade, passa a ser o Coordenador de Qualidade o responsável por analisar as Fichas de Ocorrências Operacionais emitidas e decidir pela emissão ou não de um Relatório de Não Conformidade. Anteriormente, este trabalho era realizado pelo Gerente Operacional. 2. OBJETIVO Estabelecer procedimento para: Definir os controles, autoridades e responsabilidades para tratar não conformidades reais e potenciais; Identificar, analisar e determinar as causas de não conformidades reais e potenciais; Registrar o resultado e analisar criticamente a eficácia das ações corretivas e/ou preventivas executadas 3. APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se a toda e qualquer ocorrência operacional ou não conformidade, real ou potencial, identificada ao longo das diversas etapas do processo de realização de serviços, incluindo situações indesejadas ou riscos que envolvam aspectos de segurança e saúde no trabalho ou que possam vir a causar impactos ambientais Responsável pela adequação, implantação e melhoria do processo 3.2. Interfaces internas REPRESENTANTE DA DIREÇÃO Todos os processos 3.3. Interface externa Clientes Embarcadores Prestadores de Serviços Organismos públicos e privados de controle e fiscalização 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Elaboração Coordenadora da Qualidade Tamires Tavares (Original Assinado) Aprovação - Representante da Direção Ana Paula Araujo (Original Assinado)

2 Revisão: 02 Página 2 de 6 NBR ISO 9001: Sistema de Gestão da Qualidade - Requisitos. Manual do Sistema de Integrado de Gestão Legislação e regulamentos vigentes, aplicáveis ao meio ambiente e aspectos de segurança e saúde no trabalho. SASSMAQ / Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade - ABIQUIM 5. DEFINIÇÕES 5.1. Não conformidade: Não atendimento a um requisito Requisito: Necessidade ou expectativa que é expressa, geralmente, de forma implícita ou obrigatória Não conformidade real: Quando uma não conformidade ou qualquer outra situação indesejável ocorrer de fato Não conformidade potencial: Quando houver a possibilidade eminente de vir a ocorrer uma não conformidade ou qualquer outra situação indesejável, se uma ação interna imediata e efetiva não for adotada Ação de Correção ou Imediata: Ações necessárias, para conter os efeitos, consequências ou eliminar uma não conformidade. São estabelecidas e executadas, pelas áreas e/ou funções internas ou terceiros contratados, diretamente envolvidos Ação Corretiva: ação para eliminar a causa de uma não conformidade ou outra situação indesejável Ação : ação para eliminar a causa de uma não conformidade potencial ou outra situação potencialmente indesejável Acidente: toda ocorrência não programada que interfere no andamento normal de uma atividade ocasionando danos a integridade física do trabalhador ou danos materiais; 5.9. Eficácia: extensão na qual as atividades planejadas são realizadas e os resultados planejados, alcançados Incidente: ocorrência não programada que interfere no andamento normal de uma atividade, porém não ocasiona danos a integridade física do trabalho e não causa danos materiais, mas teve potencial para provocar lesões ou danos materiais Ocorrência Operacional: problemas conhecidos, possíveis de ocorrer ao longo das diversas etapas do processo de prestação de serviço e que dependendo da severidade e frequência com que ocorrem, precisam ser tratados internamente como não conformidades, para que se possa eliminar ou minimizar os efeitos da causa raiz. 6. DESCRIÇÃO 6.1. Identificação Identificação de ocorrências operacionais e não conformidades reais e potenciais

3 Revisão: 02 Página 3 de Identificar ocorrências operacionais e não conformidades reais e/ou potenciais, incluindo aquelas referentes aos aspectos de segurança no trabalho, saúde ocupacional ou de poluição do meio ambiente é responsabilidade de todos na organização O prazo máximo entre a identificação e a comunicação oficial de qualquer ocorrência operacional ou não conformidade real ou potencial não deve ultrapassar 24 horas Registro e análise de Ocorrências Operacionais Toda ocorrência (atrasos, diferenças de peso e quantidade, avarias, problemas com documentação, problemas com o veículo, documentação de transporte irregular, documentação do motorista, identificação de produtos perigosos, entre outros) identificada em qualquer etapa do processo de prestação de um serviço deve ser registrada pelas áreas e/ou funções internas envolvidas na Ficha de Ocorrência Operacional. O registro deve descrever o problema ocorrido e a ação de correção imediata realizada para solucionar o problema ou minimizar seus efeitos e consequências, para que se possa ter informações e dados suficientes e adequados, para uma posterior análise crítica da eficácia das ações executadas, na eliminação do problema e da causa efetiva do problema, caso a caso O Coordenador de Qualidade deve analisar as Fichas de Ocorrências Operacionais emitidas e decidir pela emissão ou não de um Relatório de Não Conformidade, para tratar e controlar as ocorrências registradas que se caracterizarem como não conformidade de fato, real ou potencial Nos casos em que na análise da Ficha de Ocorrência Operacional se constate que o problema identificado se caracteriza como sendo um pontual e normal de operação ou que a causa efetiva do problema ocorrido foi eliminada com a ação de correção imediata realizada, os envolvidos na avaliação devem encerrar a Ficha de Ocorrência Operacional em questão Registro, análise e identificação de causas Registro, análise e identificação de causas de Reclamações de Clientes As reclamações de Clientes recebidas devem ser analisadas pelo responsável da área Comercial em conjunto com a equipe da área de Qualidade e registradas com a emissão de um Relatório de Não Conformidade pelo Coordenador de Qualidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas, quando julgadas procedentes Para toda não conformidade informada pelo Cliente é necessário que o mesmo seja informado das ações de disposição e correção executadas Registro, análise e investigação das causas de acidentes, incidentes, condições inseguras e situações de emergência Os acidentes, incidentes, condições inseguras e situações de emergência devem ser investigadas pelo Coordenador de Segurança e registrados com a emissão de um Formulário de Investigação de Acidentes, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas Onde aplicável, o Cliente, as autoridades e órgãos de controle envolvidos devem ser oficialmente comunicados das ações corretivas e/ou preventivas estabelecidas, para informação, controle e monitoramento, se necessário Registro, análise e identificação das causas de não conformidade real e/ou potencial identificada no recebimento de produtos ou serviços críticos adquiridos

4 Revisão: 02 Página 4 de As não conformidades, identificadas nas atividades de inspeção de recebimento de produtos ou serviços críticos adquiridos devem ser analisadas pelo responsável pela compra em conjunto com o Coordenador de Qualidade e registradas com a emissão de um Relatório de Não Conformidade pelo Coordenador de Qualidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas Os Relatórios de Não Conformidade emitidos para tratativa dos problemas devem ser utilizados como base de dados na avaliação semestral de desempenho de fornecedores de produtos e serviços críticos, conforme definido no PR.7.02 Processo de Compras Registro, análise e identificação das causas de não conformidades reais e/ou potenciais identificadas em auditorias do Sistema Integrado de Gestão As não conformidades reais identificadas em auditorias realizadas no Sistema Integrado de Gestão devem ser registradas com a emissão de um Relatório de Não Conformidade pelo Coordenador de Qualidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas, conforme estabelecido no PR.8.01 Auditorias Internas As potenciais não conformidades e/ou observações e/ou pontos de preocupação identificados em auditorias realizadas no Sistema Integrado de Gestão devem ser analisadas pelo Coordenador de Qualidade e podem, a critério do Representante da Direção, ser registradas com a emissão de um Relatório de Não Conformidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações preventivas, conforme estabelecido no PR.8.01 Auditorias Internas Registro, análise e identificação das causas de não conformidades reais e/ou potenciais identificadas nas atividades e processos do Sistema Integrado de Gestão As não conformidades reais e/ou potenciais identificadas nas atividades e processos do Sistema Integrado de Gestão devem ser analisadas pelo responsável da área envolvida em conjunto com o Coordenador de Qualidade e registradas com a emissão de um Relatório de Não Conformidade, pelo Coordenador de Qualidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas e/ou preventivas Registro, análise e identificação das causas de não conformidades reais e/ou potenciais resultantes da análise do resultado de indicadores Os resultados dos indicadores devem ser analisados mensalmente pelo responsável da área envolvida em conjunto com o Coordenador de Qualidade Mensalmente, independente da frequência de cálculo estabelecida para cada indicador, o Coordenador de Qualidade deve monitorar a atualização das informações e dados necessários, junto ás áreas envolvidas, para cálculo de cada indicador estabelecido Nas reuniões de análise crítica do Sistema Integrado de Gestão, os resultados dos indicadores devem ser analisados pelos participantes. Como resultado dessa análise, poderão ser emitidos Relatórios de Não Conformidades pelo Coordenador de Qualidade, em razão de metas que não foram atingidas ou tendências indesejáveis identificadas, para determinação das causas e estabelecimento de ações corretivas e/ou preventivas Registro, análise e identificação das causas de não conformidades reais e/ou potenciais resultantes da análise do resultado de pesquisas de satisfação

5 Revisão: 02 Página 5 de Os resultados de pesquisas de satisfação de Clientes devem ser tabulados e analisados pelo responsável da área Comercial em conjunto com o Coordenador de Qualidade Os resultados de pesquisas de satisfação de colaboradores e/ou sugestões de melhoria de colaboradores devem ser tabulados e analisados pelo Analista Administrativo em conjunto com o Coordenador de Qualidade Como resultado dessas análises possa, a critério do Representante da Direção, ser emitidos Relatórios de Não Conformidades pelo Coordenador de Qualidade, em razão de comentários, observações ou pontos de insatisfação identificados, para determinação das causas e estabelecimento de ações corretivas e/ou preventivas Registro, análise e identificação das causas de não conformidades reais e/ou potenciais identificadas nas atividades de recebimento, separação e expedição de cargas A identificação de produtos não conforme nas atividades de recebimento, separação e expedição de cargas é de responsabilidades das equipes operacionais. Devem ser considerados não conformes os produtos avariados, com prazo de validade expirado, com alguma pendência fiscal ou financeira junto ao Cliente ou com qualquer outra característica que não permita que o produto seja utilizado pelo Cliente A sistemática para controle e as responsabilidades e autoridades estabelecidas para o tratamento de produtos não conformes identificados nas atividades de recebimento, separação e expedição de cargas está definida no PR 7.03 Programação e Fornecimento de Serviços de Transportes Registro, análise e identificação das causas de não conformidades legais identificadas por Órgãos Públicos de controle e fiscalização As não conformidades legais identificadas por órgãos públicos de controle e fiscalização (autuações, multas, comunicações de adequação) devem ser analisadas pelo responsável da área envolvida em conjunto com o Coordenador da Qualidade e registradas internamente com a emissão de um Relatório de Não Conformidade, pelo Coordenador da Qualidade, para identificação das suas causas e estabelecimento de ações corretivas Estabelecimento e implementação de ações corretivas e/ou preventivas Para todas as não conformidades reais ou potenciais, incidentes e reclamações de Clientes, julgadas procedentes, os responsáveis das áreas envolvidas devem estabelecer ações corretivas e/ou preventivas, para evitar sua ocorrência ou repetição e mitigar seus impactos ambientais ou consequências de segurança e saúde, quando aplicável Estabelecidas as ações corretivas e/ou preventivas que serão realizadas, os responsáveis das áreas envolvidas devem definir os executores de cada ação e um prazo para conclusão das mesmas Os responsáveis pela execução de cada ação estabelecida devem ser comunicados para que possam dar início ao planejamento das atividades necessárias para a realização das ações estabelecidas O Coordenador de Qualidade deve monitorar a execução das ações e o cumprimento dos prazos estabelecidos e registrar sua execução no Relatório de Não Conformidade ou no Formulário de Investigação de Acidentes, correspondente Os registros das atividades de monitoramento do Coordenador de Qualidade devem permitir fácil acesso às informações confiáveis e relevantes, para que se possa executar uma análise da eficácia das ações estabelecidas.

6 6.5. Análise da eficácia das ações corretivas e/ou preventivas realizadas Revisão: 02 Página 6 de O Coordenador de Qualidade em conjunto com os responsáveis das áreas envolvidas deve registrar no Relatório de Não Conformidade, um laudo final e conclusivo sobre as ações executadas, que deverá ser definido entre as seguintes opções: Ação Eficaz, Monitorar Processo ou Ação Ineficaz Quando o laudo final for definido como Ação Eficaz, o Coordenador da Qualidade deve encerrar o Relatório de Não Conformidade Quando o laudo final for definido como Monitorar Processo, o Coordenador de Qualidade em conjunto com o responsável da área envolvida deve definir um período para monitoramento, até que se possa obter um laudo conclusivo sobre a eficácia das ações executadas Quando o laudo final for definido como Ação Ineficaz, o Coordenador de Qualidade em conjunto com o responsável da área envolvida deve encerrar o Relatório de Não Conformidade e emitir um novo Relatório de Não Conformidade para estabelecimento de novas ações mais efetivas para a eliminação da causa da não conformidade O Coordenador de Qualidade deve manter registro e controle adequado de todos os Relatórios de Não Conformidades emitidos, em aberto e encerrados. 7. REGISTROS A responsabilidade e os critérios de identificação, armazenamento, proteção, recuperação e de tempo de retenção e descarte dos registros controlados, referentes à execução das atividades de controle de não conformidades, ações corretivas e preventivas executadas pela EXATA CARGO estão definidos no Anexo 4 do Manual do Sistema Integrado de Gestão.- Matriz de Registros Controlados 8. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES PR.4.01 Controle de Documentos e Registros PR.7.02 Processo de Compras PR 7.03 Programação e Fornecimento de Serviços de Transporte PR.8.01 Auditorias Internas Manual de Segurança, Saúde e Meio Ambiente IT 6.02 Preparação e Resposta a Emergências 9. REGISTROS DO PROCESSO Relatório de Não Conformidade Ficha de Ocorrência Operacional Formulário de Investigação de Acidentes e Incidentes

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PR 7.03

PROCEDIMENTO PR 7.03 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 8 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 Adequação dos fluxos de recebimento de coletas, separação de cargas e carregamento

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 15/03/2013 01 Item 5.4 Revisão das Notas Elaborado por: Revisado por: Marcela Garrido Saada Chequer

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/5 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para tratamento dos registros de não conformidades reais e potenciais ocorridas no sistema de gestão da Qualidade do INTS, contemplando o estudo das causas,

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS Página 1 de 10 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 0 07/08/2013 Emissão original consolidando práticas adotadas no PSS, anteriormente não documentadas em forma de procedimento

Leia mais

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ.

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ. 1. OBJETIVO Sistematizar em toda a Empresa a forma de identificar o potencial e de atender a acidentes e situações de emergência, bem como para prevenir e mitigar os impactos ambientais que possam estar

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

Plano de recolhimento recall / /

Plano de recolhimento recall / / Objetivo Responsável elaboração Campo de aplicação Nome da empresa Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o plano de recolhimento que deverá assegurar que sejam adotados

Leia mais

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3 Página: 1 de 9 SUMÁRIO 1. ESCOPO... 3 2. MANUTENÇÃO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. PROCEDIMENTO... 3 5.1. GERAL... 3 5.2. APELAÇÃO... 4 5.3. ABERTURA E ANÁLISE CRÍTICA INICIAL DA RECLAMAÇÃO...

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Folha: 1/6 TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS APROVAÇÃO 21/07/15 00 Emissão Inicial - Item 5.1.2 e 5.2.1 - Exclusão da referência a tratamento e 16/06/16

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

ABNT NBR ISO Sistemas de Gestão da Segurança Manual do SGS

ABNT NBR ISO Sistemas de Gestão da Segurança Manual do SGS OBJETIVO DO SGS Para aumentar a segurança dos clientes e seus colaboradores, a Alaya Expedições montou um sistema de gestão baseado no princípio da melhoria contínua e na conformidade com a norma ABNT

Leia mais

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS OBJETIVO DO SGS Para aumentar a segurança dos clientes e seus colaboradores, a Alaya Expedições montou um sistema de gestão baseado no principio da melhoria contínua e na conformidade com a norma ABNT

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA Página 1 de 6 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA Por ser parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS este documento tem vedada sua reprodução

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PELA DIREÇÃO

ATA DA REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PELA DIREÇÃO DATA: 28 / 02 / 2014 ATA DA REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PELA DIREÇÃO PARTICIPANTES: JOÃO LUIZ GARCIA DIRETORIA NILSON MERINO DIRETORIA ODAIR ROCHA REPRESENTANTE DA DIREÇÃO

Leia mais

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016.

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016. Denominação: Procedimento de Comunicação Interna e Externa Dono do Processo: Tipo do Doc. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016 Empresa Área Numero Rev: 01 Controle de alterações Revisão Data Local

Leia mais

2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as empresas contratadas que prestam serviços nas dependências da Vale Fertilizantes.

2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as empresas contratadas que prestam serviços nas dependências da Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Ricardo Manoel de Oliveira Coordenação Técnica de Meio Ambiente. Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 - OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-01

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

Modelo de documentação Universidade de Brasília

Modelo de documentação Universidade de Brasília 1 OBJETIVO Assegurar o bom andamento de um projeto e desenvolvimento, conforme diretrizes regais de qualidade. 2 DEFINIÇÕES 2.1 WBS Work Breakdown Structure. Com base na técnica de decomposição que se

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho OUVIDORIA IT. 11 11 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento ao profissional, empresa e leigo, bem como, à sociedade em geral que faça uso dos serviços prestados pelos profissionais

Leia mais

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS O que você já ouviu falar sobre risco? RISCOS AMBIENTAIS São considerados riscos ambientais os agentes: Físicos; Químicos; Biológicos. Ergonômicos Acidentes

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11 1 / 11 METODOLOGIA PARA INFRA-ESTRUTURAS: Acção Responsabilidade Documentos 1 Os perigos são identificados com base em: Actividades de rotina e fora da rotina; Actividades desenvolvidas pelos colaboradores;

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL BALISAR SISTEMA E CORRIGIR FALHAS NORMA ISO 19011 DIRETRIZES\PARA AUDITORIA INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL QUE PODE SER APLICADO A QUALQUER EMPREENDIMENTO 1 AUDITORIA

Leia mais

Construction and Civil Work Management

Construction and Civil Work Management STANDARD LME-12:001901 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Definições... 3 3 Requisitos... 4 3.1 Gerais... 4 3.2 Responsabilidades... 4 3.3 Plano de Segurança de OHS... 5 3.4 Início da Fase de Construção...

Leia mais

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS)

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) ALINHAMENTO P (Plan) planejar:4.1, 4.2, 4.3, 4.3.1, 4.3.2, 4.3.3

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej 19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej Possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou decorrentes

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

Programa SENAI de Ecoeficiência

Programa SENAI de Ecoeficiência Programa SENAI de Ecoeficiência 4ª edição Nova Fase: 15/03/2016 INÍCIO Necessidade das indústrias em conhecer o seu desempenho ambiental Crescente preocupação da sociedade, fornecedores, governo com os

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000 Slide 1 Nomenclatura usada pela série ISO 9000 (ES-23, aula 03) Slide 2 Série ISO 9000 ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão brasileira da ABNT): Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade. Diretrizes

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO É a probabilidade de uma ocorrência afetar positiva ou negativamente a capacidade de uma organização de atingir seus objetivos. É mensurada pela combinação das consequências

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÍNDICE 1. GERENCIAMENTO DE RISCO 3 2. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO 3 3. ANÁLISE DE RISCO DE MERCADO 3 4. ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DOS RISCOS 4 5. ESTRUTURA

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes

Posicionamento Consultoria De Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes 04/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

NORMA. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências

NORMA. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências TÍTULO NORMA CÓDIGO T.01.07 APROVAÇÃO DEX-549ª REVISÃO 01 INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências PÁG 1 / 7 DATA 16/06/2015 DATA 02/12/2015 SUMÁRIO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E RISCOS À SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL 1. OBJETIVO 2. PROCEDIMENTO 1. OBJETIVO Definir a metodologia para levantamento de perigos e riscos relacionados ao sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional da (nome da organização). 2. PROCEDIMENTO 2.1 Definições Perigo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES E INCIDENTES NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO

INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES E INCIDENTES NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO 1. OBJETIVO Orientar, disciplinar e estabelecer critérios para comunicação e registro de investigação e análise de Acidentes e Incidentes do Trabalho entre as empresas associadas do COFIC. Servir como

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa RED INTERAMERICANA DE LABORATORIOS DE ANÁLISIS DE ALIMENTOS (RILAA) Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa Outubro/2016 www.incqs.fiocruz.br 1 1 Auditoria Processo sistemático,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho

CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho SEMINÁRIO DE MEIO AMBIENTE CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho GERALDO FONTOURA BAYER S.A. 11 de junho de 2002 ROTEIRO A Organização Internacional do Trabalho - OIT

Leia mais

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (2004), FEVEREIRO 2006 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO Em 2001, o CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas,

Leia mais

CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3)

CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3) CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3) HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Data Versão Descrição Autor 24/09/2016 1.0 Criação do Documento Cibellie Adrianne 27/09/2016 1.1 Modificações e Alterações

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Pág: 1/20 1 OBJETIVO Esta instrução tem como objetivo avaliar fornecedores de materiais de processo, e estabelecer os requisitos mínimos para o fornecimento de produtos, serviços e determinar, através

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS. Prof. Eng. Alexandre Dezem Bertozzi, Esp.

GERÊNCIA DE RISCOS. Prof. Eng. Alexandre Dezem Bertozzi, Esp. GERÊNCIA DE RISCOS Prof. Eng. Alexandre Dezem Bertozzi, Esp. Técnico em Telecomunicações; Engenheiro Eletricista e Eletrônico; Engenheiro de Segurança do Trabalho; Especialista em Engenharia de Telecomunicações;

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia. NR-34 e 35. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia. NR-34 e 35. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia NR-34 e 35 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-34 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval NR-34 Tem por finalidade estabelecer

Leia mais

PROC. 05 NÃO CONFORMIDADES, AÇÕES PREVENTIVAS, CORRETIVAS E MELHROIAS

PROC. 05 NÃO CONFORMIDADES, AÇÕES PREVENTIVAS, CORRETIVAS E MELHROIAS 1 de 13 NÃO CONFORMIDADES, AÇÕES PREVENTIVAS, CORRETIVAS E MELHORIAS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSO NÃO CONFORMIDADES, AÇÕES PREVENTIVAS, CORRETIVAS E MELHORIAS NÃO CONFORMIDADES, AÇÕES PREVENTIVAS,

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Certificado NBR ISO 9001

MANUAL DO CLIENTE. Certificado NBR ISO 9001 MANUAL DO CLIENTE Certificado NBR ISO 9001 SEJA BEM VINDO À PRATIKA Prezado cliente, este é o Manual do Cliente Prátika, que apresenta o nosso compromisso com a qualidade e o respeito por quem se relaciona

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014 1/ 6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão integral do PO, Indicadores e adequação dos registros e padrões. 02 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016 Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria Resumo Público Fazenda Pinhal e Santo Antonio Produto(s) da fazenda: Café Arábica Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE 3. DETALHAMENTO 4. REGISTROS DA QUALIDADE HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REV. ITENS REVISADOS ALTERAÇÃO REALIZADA 19/12/11 00 Elaboração Inicial Nota:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA PROCESSO: PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇAO DOS INDICADORES DE PO.SEG.04 05 1 / 8 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para elaboração dos indicadores de saúde e segurança do trabalho;

Leia mais

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III...

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III... RDC Nº 23 /2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº

Leia mais

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Dispõe sobre os critérios e funcionamento das atividades integradoras

Leia mais

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO . NOME DA ATIVIDADE: RESULTADOS ESPERADOS: - VERIFICAR SE A EMPRESA ESTÁ ATENDENDO ÀS EXIGÊNCIAS LEGAIS. - MANTER O EMPREGADOR INFORMADO SOBRE AS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AO SEU NEGÓCIO. - ORIENTAR

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO HISTÓRICO DE REVISÕES

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO HISTÓRICO DE REVISÕES INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão inicial Elaborado por: Revisado por: Solange Maria Ferreira de Araújo Aprovado por: Fátima Rangel

Leia mais

OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos

OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos Prefácio Esta Norma da Série de Avaliação de Segurança e Saúde Ocupacional Occupational Health and Safety Series (OHSAS)

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

Choque elétrico; Campo elétrico; Campo eletromagnético.

Choque elétrico; Campo elétrico; Campo eletromagnético. Técnicas de ANÁLISE DE RISCO Riscos De origem elétrica; De queda; Transporte e com equipamentos; Ataques de insetos; Riscos Ocupacionais; Riscos Ergonômicos; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Riscos

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi SEGURANÇA DO TRABALHO Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Programa Normas Regulamentadoras; Higiene no trabalho;

Leia mais

NOR-001 Norma de Gerenciamento do Risco Operacional

NOR-001 Norma de Gerenciamento do Risco Operacional NOR-001 Norma de Gerenciamento do Risco Operacional NOR-001 Norma de Gerenciamento do Risco Operacional (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Fronteira Sul Auditoria Interna AUDIN

Ministério da Educação Universidade Federal da Fronteira Sul Auditoria Interna AUDIN Ordem de Serviço n.º XX/AUDIN/UFFS/XXXX Atos de Admissão de Docentes Professor Substituto. A presente Ordem de Serviço visa a atender ao PAINT 2016, ação XX Atos de Admissão de Docentes Professor Substituto

Leia mais

FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) SELECIONAR SUJEITOS PASSIVOS PARA FISCALIZAÇÃO

FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) SELECIONAR SUJEITOS PASSIVOS PARA FISCALIZAÇÃO Contextualização do Processo (MINUTA) FORMULÁRIO DE CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO (MINUTA) 03.02.01.01. SELECIONAR SUJEITOS PASSIVOS PARA FISCALIZAÇÃO Contextualização do Processo (MINUTA) 1. VINCULAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 2 Índice 1.1- Coordenadores técnicos, almoxarifes,

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Introdução O Gerenciamento do Risco Operacional no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental Workshop da CT 150 SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação do ciclo de vida SC 6 Termos e definições

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

1. OBJETIVO O programa Motorista 100% visa incentivar os prestadores de serviço de transporte e de seus prepostos a atentarem ao cumprimento dos

1. OBJETIVO O programa Motorista 100% visa incentivar os prestadores de serviço de transporte e de seus prepostos a atentarem ao cumprimento dos 1. OBJETIVO O programa Motorista 100% visa incentivar os prestadores de serviço de transporte e de seus prepostos a atentarem ao cumprimento dos procedimentos de segurança, rotinas operacionais e legislação

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão

Leia mais

RESOLUÇÃO 963/2013/CONSELHO SUPERIOR/IFSP- Orientação Normativa e Anexos

RESOLUÇÃO 963/2013/CONSELHO SUPERIOR/IFSP- Orientação Normativa e Anexos FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) Resolução N 963/2013 - Conselho Superior ORIENTAÇÃO

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar IRRF 30/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Da Tributação na Fonte - RIR/99... 3 3.2. Ato Declaratório Interpretativo...

Leia mais

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01 Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 1. OBJETIVO 1.1 Assegurar que os trabalhos não rotineiros sejam executados com segurança. 1.2 Garantir a prévia coordenação / comunicação entre os empregados

Leia mais

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA Página: 1/6 Elaborado: Verificado: Aprovado: Sabrina S. Lira (Diretora Administrativa) Rev. 00 Primeira edição Joaquim M. Alves (Diretor Técnico) HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Joaquim M. Alves (Diretor Executivo)

Leia mais