Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios."

Transcrição

1 Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios.

2 4.4 - Implementação e operação Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade Competência, treinamento e conscientização Comunicação, participação e orientação Documentação Controle de documentos Controle operacional Preparação e atendimento a emergências

3 4.4 - Implementação e operação Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade A administração deve assegurar a disponibilidade de recursos essenciais para estabelecer, implementar, manter e melhorar o sistema da gestão de SSO. Esses recursos incluem recursos humanos e habilidades especializadas, infra-estrutura organizacional, tecnologia e recursos financeiros. Os recursos financeiros necessários para implantação de um SGSSO podem ser elevados. Isto limita a decisão da direção com relação à implantação da norma OHSAS Funções, responsabilidades e autoridades devem ser definidas, documentadas e comunicadas, visando facilitar uma gestão ambiental eficaz. É boa prática complementar as descrições de cargo com as responsabilidades de SSO, para que apenas um documento seja utilizado.

4 4.4 - Implementação e operação Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade A alta administração da organização deve indicar representante(s) específico(s) e comunicar a todos os funcionários que estejam atuando sob o controle da organização. Estes representantes, independentemente de outras responsabilidades, devem ter função, responsabilidade e autoridade definidas para: a) Assegurar que um sistema da gestão de SSO seja estabelecido, implementado e mantido em conformidade com os requisitos da norma OHSAS b) Relatar à alta direção sobre o desempenho do sistema da gestão de SSO para análise, incluindo recomendações para melhoria Conforme a estrutura da organização, podemos ter vários profissionais cumprindo este papel, por exemplo o gerente da qualidade ou de meio ambiente ou de saúde e segurança do trabalho. Porém para saúde e segurança ocupacional é necessário que este gerente tenha o conhecimento técnico e da legislação, ou ele deve ter um profissional que seja ao menos um técnico de segurança do trabalho como suporte para efetivamente conseguir cumprir esta função. Toda gestão executiva deve demonstrar seu comprometimento com a melhoria continua do desempenho do SGSSO. A organização deve garantir que seu profissionais seja responsáveis pelos aspectos de SSO sob seu controle, incluindo adequação aos requisitos aplicáveis de SSO.

5 4.4 - Implementação e operação Competência, treinamento e conscientização A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para fazer com que as pessoas que trabalhem para ela ou em seu nome sejam competentes com base em apropriados educação, treinamento, experiência e habilidades (registros devem ser retidos), e sejam conscientes: a) das conseqüências de SSO reais ou potenciais associadas com suas atividades, e dos benefícios provenientes da melhoria do seu desempenho pessoal b) de suas funções e responsabilidades em atingir a conformidade com política, procedimentos e requisitos do sistema de gestão de SSO, incluindo processos de resposta a emergências c) das potenciais conseqüências da inobservância de procedimentos. A organização deve identificar as necessidades de treinamento associadas com os riscos de SSO, e deve prover treinamento ou tomar outras ações para atender a estas necessidades. Deve também avaliar a efetividade dos treinamentos realizados ou das ações tomadas, e reter os registros associados. Procedimentos de treinamento devem levar em conta os diversos níveis de responsabilidade, habilidade, domínio do idioma e riscos. Durante as auditorias de certificação este é um dos pontos mais sensíveis. Principalmente em uma organização média ou grande (com mais de 200 funcionários), os profissionais que estão implantando a norma não conseguem atingir todas as pessoas da organização para treinamento e conscientização, e é necessário delegar parte desta tarefa para os líderes. Porém os próprios líderes têm dificuldade para entender seu papel, e muitas vezes não têm o tempo necessário disponível devido à sobrecarga de trabalho.

6 4.4 - Implementação e operação Comunicação, participação e orientação A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para: a) Participação de seus funcionários em: Envolvimento na identificação de perigos, avaliação de riscos e determinação de controles Envolvimento apropriado na investigação de incidentes Envolvimento no desenvolvimento e revisão de política e objetivos de SSO Orientação onde houver chance que a SSO seja afetada Representação em questões de SSO Os funcionários devem ser informados sobre os arranjos para sua participação, e sobre quem é o representante da empresa para as questões de SSO. b) Orientação para contratados, onde houver chance de eles serem afetados em relação à sua SSO. A organização deve garantir que, quando apropriado, partes externas interessadas sejam consultadas sobre questões de SSO.

7 4.4 - Implementação e operação Documentação A documentação do sistema de gestão de SSO deve incluir: A) Política e objetivos de SSO B) Descrição do escopo do sistema de gestão de SSO C) Descrição dos principais elementos do sistema da gestão de SSO e sua interação e referência aos documentos associados D) Documentos (incluindo registros) requeridos pela OHSAS E) Documentos (incluindo registros) determinados pela organização como sendo necessários para assegurar planejamento, operação e controle eficazes dos processos que estejam associados com o gerenciamento de seus riscos de SSO A documentação deve ser proporcional ao nível de complexidade da organização.

8 4.4 - Implementação e operação Controle de documentos Os documentos requeridos pelo sistema da gestão de SSO e pela OHSAS devem ser controlados. Registros são um tipo especial de documento e devem ser controlados de acordo com os requisitos estabelecidos. A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação antes do uso b) analisar e atualizar conforme necessário, e re-aprovar documentos c) assegurar que as alterações e a situação atual da revisão de documentos sejam identificadas d) assegurar que as versões relevantes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em seu ponto de uso e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis f) assegurar que os documentos de origem externa requeridos pela organização como sendo necessários ao planejamento e operação do sistema da gestão de SSO sejam identificados, e que sua distribuição seja controlada g) prevenir a utilização não-intencional de documentos obsoletos, e utilizar identificação adequada nestes caso sejam retidos para quaisquer fins

9 Exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( ) Os documentos do SGSSO devem possuir datas de revisão. 2 - ( ) Responsabilidades para criação e aprovação de documentos devem ser definidas. 3 - ( ) A organização deve ter procedimentos que estabeleçam as diretrizes para comunicação interna entre os seus vários níveis e funções. 4 - ( ) Comunicações de organizações não-governamentais pertinentes ao SGSSO devem ser respondidas e registradas. 5 - ( ) A organização deve treinar de modo apropriado todo colaborador que possa sofrer riscos de SSO. 6 - ( ) O pessoal deve ser competente para executar suas atividades e, para tanto, deve ter instrução, no mínimo, secundária. 7 - ( ) É necessário estabelecer um procedimento documentado para definir como os recursos financeiros são providos ao sistema de gestão de SSO, para seu controle e implementação. 8 - ( ) A organização deve ter um único colaborador com responsabilidade para relatar à administração o desempenho do SGSSO.

10 Resposta do exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( F ) Os documentos do SGSSO devem possuir datas de revisão. 2 - ( V ) Responsabilidades para criação e aprovação de documentos devem ser definidas. 3 - ( V ) A organização deve ter procedimentos que estabeleçam as diretrizes para comunicação interna entre os seus vários níveis e funções. 4 - ( F ) Comunicações de organizações não-governamentais pertinentes ao SGSSO devem ser respondidas e registradas. 5 - ( V ) A organização deve treinar de modo apropriado todo colaborador que possa sofrer riscos de SSO. 6 - ( F ) O pessoal deve ser competente para executar suas atividades e, para tanto, deve ter instrução, no mínimo, secundária. 7 - ( F ) É necessário estabelecer um procedimento documentado para definir como os recursos financeiros são providos ao sistema de gestão de SSO, para seu controle e implementação. 8 - ( F ) A organização deve ter um único colaborador com responsabilidade para relatar à administração o desempenho do SGSSO.

11 Controle operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações que estejam associadas com a identificação de perigos, onde a implementação de controles é necessária para gerenciar riscos de SSO. Também deve ser incluída a gestão de mudanças. Para estas operações, a organização deve implementar e manter: a) Controles operacionais aplicáveis às atividades da organização. Estes controles devem ser integrados dentro do SGSSO b) Controles relacionados à compra de mercadorias, equipamentos e serviços c) Controles relacionados a sub-contratados e visitantes nos locais de trabalho d) Estabelecimento, implementação e manutenção de procedimento(s) documentado(s) para controlar situações onde sua ausência possa acarretar desvios em relação à sua política e aos objetivos de SSO e) Determinação de critérios operacionais onde sua ausência pode levar a desvios das políticas e objetivos de SSO

12 Preparação e respostas a emergências A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para identificar potenciais situações de emergência e para responder a tais situações que estejam ocorrendo, assim como para prevenir e mitigar conseqüências diversas que estejam associadas a estas situações. No planejamento de respostas a emergências, a organização deve levar em conta as necessidades das partes interessadas, como por exemplo serviços de emergência e vizinhos. A organização deve também periodicamente testar tais procedimentos, quando possível, envolvendo as partes interessadas conforme for apropriado. A organização deve periodicamente analisar e, quando necessário, revisar seus procedimentos de preparação e resposta a emergências, em particular após testes periódicos ou após a ocorrência de situações emergenciais. Normalmente temos que elaborar e testar planos de emergência para incêndios, explosões, e vazamentos. Os profissionais devem ser treinados e as simulações devem ser realizadas o mais próximo possível da emergência real. As normas regulamentares especificam o tamanho da brigada de incêndio em função dos produtos com os quais a empresa trabalha e do número de funcionários.

13 Preparação e respostas a emergências Exemplo Plano de Emergência - Incêndio TRANSEUNTE/ FUNCIONÁRIO LOCAL/ SUPERVISOR Ao identificar um incêndio ligar para a portaria ramal 200 e informar o local que se encontra o sinistro e se há feridos. Tentar encontrar o brigadista próximo ao sinistro e informar o ocorrido. Manter-se afastado da área onde está ocorrendo o incêndio. Ajudar a manter as pessoas afastadas da área onde está ocorrendo o incêndio. BRIGADISTA / BRIGADA Avaliar o sinistro e decidir se necessita de apoio, se necessitar ligar para a portaria e solicitar a participação da brigada, se o incêndio não for controlável solicitar o corpo de bombeiro e se necessário uma ambulância. Deve colocar os EPI s, isolar a área do incêndio mantendo as pessoas afastadas. Prestar primeiros socorros, se necessário. Se for possível, iniciar o combate ao sinistro com o extintor ou hidrantes da área. Se tiverem sido convocados os demais brigadistas se reúnem no ponto de encontro, colocam os EPI s pegam os equipamentos de combate a incêndios e seguem para a área da ocorrência. Apoiar o corpo de bombeiros se este tiver sido chamado. PORTARIA Recebe a ligação e aciona o alarme para reunião da brigada e chama o médico do trabalho, se necessário. Um funcionário da portaria se desloca para o ponto de encontro dos brigadistas e comunica o local do sinistro, se necessário. Se necessário: chama o corpo de bombeiro tel e ambulância 192. Informa o setor de segurança ramal 300 e a diretoria.

14 4.5 - Verificação Medição de desempenho e monitoramento Avaliação do atendimento a requisitos legais e outros Investigação de incidente, não-conformidade, ação corretiva e ação preventiva Controle de registros Auditoria interna

15 Medição de desempenho e monitoramento A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para monitorar e medir regularmente o desempenho de SSO. Os procedimentos devem incluir: Medidas qualitativas e quantitativas, apropriadas às necessidades da organização Monitoramento à extensão na qual os objetivos do SGSSO são atingidos Monitoramento à efetividade dos controles, tanto para saúde quanto para segurança Medidas pró-ativas de desempenho que monitorem a conformidade com o programa de SSO, controles e critérios de operação Medidas reativas de desempenho que monitorem doenças, incidentes, acidentes, etc., e outras evidências históricas de deficiências de desempenho do SGSSO Registros de dados e resultados de monitoramento e medição suficientes para facilitar análise subseqüente de ações corretivas e preventivas A organização deve assegurar que equipamentos de monitoramentos e medição sejam calibrados/verificados e mantidos, devendo-se reter os registros associados.

16 Avaliação do atendimento a requisitos legais e outros De maneira coerente com seu comprometimento de atendimento a requisitos, a organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para avaliar periodicamente o atendimento aos requisitos legais aplicáveis. A organização deve avaliar o atendimento a outros requisitos por ela subscritos. A organização pode combinar esta avaliação com a avaliação referida acima, ou estabelecer procedimento em separado. A organização deve manter registros dos resultados das avaliações periódicas. Há empresas que realizam o trabalho de informar à organização sobre as alterações na legislação mas é necessário que internamente haja um responsável pela avaliação global dos impactos e éla informação às áreas atingidas pela legislação. Além disso, dependendo da alteração, é necessária a realização de investimentos pela organização, portanto o responsável pelo sistema deve informar a alta direção e ajudar na coordenação dos planos de ação.

17 Investigação de incidente, não-conformidade, ação corretiva e ação preventiva A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para registrar, investigar e analisar incidentes de forma a: a) Determinar deficiências de SSO e outros fatores que possam ter causado ou contribuído para a ocorrência do incidente b) Identificar a necessidade de ação corretiva c) Identificar oportunidades para ação preventiva d) Identificar oportunidades de melhoria contínua e) Comunicar os resultados de tais investigações Qualquer necessidade identificada para ação corretiva ou oportunidade para ação preventiva deve ser negociadas com as partes interessadas relevantes.

18 Investigação de incidente, não-conformidade, ação corretiva e ação preventiva A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para tratar as não-conformidades reais e potenciais, e para executar ações corretivas e preventivas. Os procedimentos devem definir requisitos para: a) Identificar e corrigir não-conformidades, e executar ações para mitigar as conseqüências para a SSO b) Investigar não-conformidades, determinar suas causas e executar ações para evitar sua repetição c) Avaliar a necessidade de ações para prevenir não-conformidades e implementar ações apropriadas para evitar sua ocorrência d) Registrar os resultados das ações corretivas e preventivas executadas e) Analisar a eficácia das ações corretivas e preventivas executadas. Onde ações corretivas ou preventivas identificarem novos perigos, ou mudanças nos perigos, ou necessidade de novos controles ou sua revisão, o procedimento deve requerer que as ações propostas sejam incluídas na avaliação de riscos antes de sua implementação. As ações executadas devem ser adequadas à magnitude dos problemas e aos riscos para SSO encontrados. A organização deve assegurar que sejam feitas as mudanças necessárias na documentação do sistema da gestão de SSO.

19 Não-conformidade, ação corretiva e ação preventiva Modelo de formulário SOLICITAÇÃO DE AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA AÇÃO FONTE ASSUNTO CORRETIVA Auditoria interna Monitoramento DESCRIÇÃO DO PROBLEMA - PREENCHIDO PELO SOLICITANTE STATUS PROXIMA ATIVIDADE DATA Nº 25/4/ Implementação 15/5/2007 Foram identificados 3 profissionais sem a máscara de proteção na área de processamento de algodão EMISSOR Paulo DEPTOGestão Meio Ambient DATA PREENCHIDO PELO RESPONSÁVEL DA INVESTIGAÇÃO PREENCHIDO POR Paulo DEPTO Meio Ambiente DATA ANÁLISE DAS CAUSAS 25/4/ /4/2007 A liderança não está cobrando e acompanhando e os profissionais não estão conscientizados CORREÇÃO (CORREÇÃO IMEDIATA DO PROBLEMA) Nº AÇÃO RESP. PRAZO Dar advertência para os 3 profissionais, explicar as razões do uso da máscara e informar que na 3ª advertência ele será mandado embora por justa causa João 25/4/2007 AÇÃO CORRETIVA (AÇÃO A SER ADOTADA PARA EVITAR A REINCIDÊNCIA) Nº AÇÃO RESP. PRAZO 1 2 Preparar um check list de acompanhamento para as lideranças, estes na sua passagem pela fábrica deverão verificar o uso de EPI's em cada setor e o check list será verificado semanalmente pelo técnico de segurança do trabalho para garantir que a atividade esteja sendo realizada Prepara treinamento de 8h para conscientização do uso de EPI's e aplicar a todos os profissionais da produção Miguel 15/5/2007 Maria 15/5/ Nº O técnico de segurança deverá dobrar o tempo de acompanhamento dentro da fábrica para verificar o uso dos EPI's AÇÃO Luiz 25/5/2007 AÇÃO PREVENTIVA (AÇÃO PARA ELIMINAR CAUSAS POTENCIAIS DE NÃO-CONFORMIDADES) RESP. PRAZO PREENCHIDO PELO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO MEIO AMBIENTE VERIFICAÇÃO DA EFICÁCIA DA AÇÃO TOMADA VERIFICADO POR DEPTO OBSERVAÇÕES DATA

20 Controle de registros A organização deve estabelecer e manter registros, conforme necessário, para demonstrar conformidade com os requisitos de seu sistema da gestão de SSO e da norma OHSAS 18001, bem como resultados obtidos. A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos para a identificação, armazenamento, proteção, recuperação, retenção e descarte de registros. Os registros devem ser e permanecer legíveis, identificados e rastreáveis.

21 Controle de registros Modelo de controle Registro possível: registro de auditoria interna. Identificação: número seqüencial Armazenamento: na pasta registros de SSO do drive C Proteção: back up Recuperação: solicitar ao Técnico de Segurança do Trabalho Tempo de retenção: 2 anos Descarte: apagar o arquivo

22 Auditoria interna A organização deve assegurar que as auditorias do sistema da gestão de SSO sejam conduzidas em intervalos planejados para: a) Determinar se o SGSSO está em conformidade com os arranjos planejados para sua gestão, incluindo-se os requisitos da norma OHSAS foi adequadamente implementado e é mantido... é efetivo em atender a políticas e objetivos da organização b) Fornecer informações à administração sobre os resultados das auditorias. Programas de auditoria devem ser planejados, estabelecidos, implementados e mantidos pela organização, levando-se em consideração os resultados da avaliação de risco das atividades da organização e os resultados das auditorias anteriores. Procedimentos de auditoria devem ser estabelecidos, implementados e mantidos para tratar: - das responsabilidades, competências e requisitos, para planejar e conduzir as auditorias, para relatar os resultados e manter registros associados - da determinação dos critérios de auditoria, escopo, freqüência e métodos A seleção de auditores e a condução das auditorias devem assegurar objetividade e imparcialidade do processo de auditoria.

23 4.6 - Análise crítica pela administração A alta direção deve analisar o SGSSO a intervalos planejados e incluir oportunidades de melhoria e mudanças no SGSSO, incluindo políticas e objetivos de SSO. Registros devem ser mantidos. As entradas para análise pela administração devem incluir: a) Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização b) Os resultados de participação e orientação c) Comunicações provenientes de partes interessadas externas, incluindo reclamações d) O desempenho de SSO da organização e) Extensão na qual foram atendidos os objetivos f) Situação da investigação de incidentes, ações corretivas e preventivas g) Ações de acompanhamento das análises anteriores h) Mudança de circunstâncias, incluindo desenvolvimento em requisitos legais e outros relacionados a SSO i) Recomendações para melhoria As saídas da análise pela administração devem incluir quaisquer decisões e ações relacionadas a possíveis mudanças no desempenho de SSO, na política e objetivos, recursos e em outros elementos do sistema da gestão. Saídas relevantes da análise crítica devem ficar disponíveis para comunicação e consulta.

24 Exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( ) A necessidade de alterações na política de SSO deve fazer parte da pauta da análise crítica pela administração. 2 - ( ) Os resultados da análise crítica pela administração devem ser documentados. 3 - ( ) Onde a implementação de controles é necessária para gerenciar riscos, as atividades associadas com perigos para SSO devem ser determinadas. 4 - ( ) A organização deve implementar e manter controles relativos à SSO pertinentes aos prestadores de serviços e visitantes. 5 - ( ) Auditorias periódicas do SGSSO devem ser realizadas segundo um procedimento documentado. 6 - ( ) As auditorias do SGSSO devem ser realizadas por auditores independentes da atividade auditada. 7 - ( ) Os registros do SGSSO devem incluir registros de treinamento, auditoria e análises críticas. 8 - ( ) Todos os profissionais são responsáveis por tratar e investigar as causas de nãoconformidades. 9 - ( ) Os critérios para definição de ação corretiva e preventiva definidos pela organização não estão relacionados com a magnitude do problema ( ) A organização deve estabelecer um procedimento para avaliação periódica do atendimento à legislação.

25 Resposta do exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( V ) A necessidade de alterações na política de SSO deve fazer parte da pauta da análise crítica pela administração. 2 - ( V ) Os resultados da análise crítica pela administração devem ser documentados. 3 - ( V ) Onde a implementação de controles é necessária para gerenciar riscos, as atividades associadas com perigos para SSO devem ser determinadas. 4 - ( V ) A organização deve implementar e manter controles relativos à SSO pertinentes aos prestadores de serviços e visitantes. 5 - ( F ) Auditorias periódicas do SGSSO devem ser realizadas segundo um procedimento documentado. 6 - ( V ) As auditorias do SGSSO devem ser realizadas por auditores independentes da atividade auditada. 7 - ( V ) Os registros do SGSSO devem incluir registros de treinamento, auditoria e análises críticas. 8 - ( F ) Todos os profissionais são responsáveis por tratar e investigar as causas de nãoconformidades. 9 - ( F ) Os critérios para definição de ação corretiva e preventiva definidos pela organização não estão relacionados com a magnitude do problema ( V ) A organização deve estabelecer um procedimento para avaliação periódica do atendimento à legislação.

26 Exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 11 - ( ) Os registros do SGSSO devem ser arquivados de modo a permitir sua pronta recuperação ( ) O monitoramento das atividades com perigo para os profissionais pode ser feito unicamente através do órgão governamental competente responsável pela fiscalização ( ) Equipamentos utilizados para monitoramento de atividades do SGSSO devem ser calibrados, e registros destas calibrações devem ser mantidos ( ) A organização deve ter um procedimento para identificar o potencial para situações de emergência ( ) O procedimento de atendimento a situações de emergência deve ser necessariamente revisado após a ocorrência de um acidente ( ) Os procedimentos para atendimento de situações de emergência não necessitam ser testados periodicamente.

27 Resposta do exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 11 - ( V ) Os registros do SGSSO devem ser arquivados de modo a permitir sua pronta recuperação ( F ) O monitoramento das atividades com perigo para os profissionais pode ser feito unicamente através do órgão governamental competente responsável pela fiscalização ( V ) Equipamentos utilizados para monitoramento de atividades do SGSSO devem ser calibrados, e registros destas calibrações devem ser mantidos ( V ) A organização deve ter um procedimento para identificar o potencial para situações de emergência ( V ) O procedimento de atendimento a situações de emergência deve ser necessariamente revisado após a ocorrência de um acidente ( F ) Os procedimentos para atendimento de situações de emergência não necessitam ser testados periodicamente.

28 Fim do Módulo 5

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO Página 1 de 7 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/11/2010 Junção e POP.ADM.008, revisão do procedimento 02 08/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA 1 de 7 ANÁLISE CRÍTICA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÕES...

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página:

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: PROCEDIMENTO DO SMS PR-99-991-CPG-005 Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia e responsabilidades para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 Curso realizado de 23 a 26 de agosto /2010 OBJETIVO PARTE 1: Capacitar os participantes para: Ter habilidade para avaliar os requisitos da

Leia mais

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 ALAN FERNANDO TORRES 2 RESUMO A utilização de sistemas integrados se torna, cada vez mais,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da última aprovação

GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da última aprovação GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 15/03/2013 01 Item 3 Definição de OM e RNCAC; Item 7: Anexo 1 Formulário de Gerenciamento

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 11/01/10 Emissão Inicial N/A Documento via original Assinada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS

Leia mais

Tratamento de sugestões, reclamações, não-conformidades, ações corretivas e preventivas.

Tratamento de sugestões, reclamações, não-conformidades, ações corretivas e preventivas. 1/8 Palavras-chave: sugestões, reclamações, não-conformidades, corretiva, preventiva. Exemplar nº: umário 1 Objetivo 2 Aplic 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências Anexo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre o exercício da profissão de supervisor de segurança portuária. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A profissão de supervisor de segurança

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H ANEXO III Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das idades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H ANEXO III Sistema de Avaliação da onformidade de Empresas de Serviços e Obras

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

PROCEDIMENTO Sistemática de Tratamento de Reclamações, Acidentes/Incidentes e Faltas Graves

PROCEDIMENTO Sistemática de Tratamento de Reclamações, Acidentes/Incidentes e Faltas Graves 1 de 2 Objetivo: Definir a sistemática das atividades relacionadas com o tratamento de reclamações, acidentes e incidentes e faltas graves das partes interessadas dentro do Sistema Qualinstal. 1. Aplicação:

Leia mais

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS REQUISITOS LEGAIS:

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais ABRIL/2014 O QUE PREVÊ UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS? Cenário 1: Emergências Médicas Cenário 2: Incêndio nas Instalações

Leia mais

A BÍblia. de Segurança

A BÍblia. de Segurança A BÍblia de Segurança Copyright da Katoen Natie e da Dicky para as ilustrações. Esta publicação não pode ser reproduzida ou transmitida, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

Solução de problemas

Solução de problemas Solução de problemas ASSUNTOS ABORDADOS NESTE TREINAMENTO - REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2000 8.3 Controle de produto não conforme 8.5 Melhorias - 8.5.1 Melhoria continua - 8.5.2 Ações corretivas - 8.5.3

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

Certificações do PNCQ

Certificações do PNCQ Isabeth Gonçalves Gestão da Qualidade PNCQ Certificações do PNCQ 1 A tendência natural de todos os processos é vigorar em estado caótico e não controlado. Tudo está sujeito a falhas. Não existe perfeição.

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Alteração do numero do item para 6.1.3; atualização do preenchimento de RNC Exclusão da analise de RNC 6.2.6

Alteração do numero do item para 6.1.3; atualização do preenchimento de RNC Exclusão da analise de RNC 6.2.6 Folha 1 de 6 Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações -- 21/05/2007 -- Emissão inicial 01 10/03/2008 6.1 Exclusão da abordagem de processo 6.2 Alteração do numero do item para 6.1;

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA QUALIDADE ICA 800-1 GESTÃO DA QUALIDADE NO SISCEAB 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO QUALIDADE ICA 800-1

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria ELBI ELÉTRICA LTDA Betim/MG Proposta_ELBI-Betim-7_2015_((Criatividade))_rev.B Este relatório contem um resumo das atividades desenvolvidas na ELBI Betim/MG desde o início das atividades de consultoria

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Já faz algum tempo que as Auditorias das organizações expandiram muito o escopo de seus trabalhos e a complexidade das suas atividades e, como

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Comunicação e Acionamento Inicial de Situações de Emergência

Comunicação e Acionamento Inicial de Situações de Emergência 1 Objetivo Descrever o procedimento para a comunicação inicial de situações emergenciais que desencadeiem o acionamento do Plano de Individual - PEI ou do Plano de Controle de s - PCE. 2 Abrangência Este

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 02/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 05/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Normativo Interno Nº Páginas 12 (Doze) Caráter Data da Aprovação Promotor: Aprovado por: Política de Responsabilidade Socioambiental 30/09/2.015 Departamento

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA.

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. PQ.08 04 02/04/2013 1-6 1. OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. 2. DEFINIÇÕES Comitê de Certificação Grupo de pessoas representantes

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos.

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos. NOME DO X 1/6 // 1 INTRODUÇÃO O passo seguinte à aprovação de um documento do sistema de qualidade, para que ele possa realmente se tornar efetivo, é o treinamento de todos os envolvidos na execução das

Leia mais

Plano de testes. Norma ANSI/IEEE para Documentação de Teste de Software define plano de testes como:

Plano de testes. Norma ANSI/IEEE para Documentação de Teste de Software define plano de testes como: Plano de testes Norma ANSI/IEEE 829-1998 para Documentação de Teste de Software define plano de testes como: Um documento que define o âmbito, abordagem, recursos e escalonamento (planeamento) das atividades

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaprocessoteste.odt Número de páginas: 11 Versão Data Mudanças Autor 1.0 26/12/07 Criação.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Público Alvo... 2 III - Responsabilidades dos Envolvidos... 2 3.1. Responsabilidades da Administração... 2 3.2. Responsabilidades

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

Capítulo VII. Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2

Capítulo VII. Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2 52 Capítulo VII Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO 50001 e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2 Requisitos gerais O capítulo 4 da ABNT NBR ISO 50001 Requisitos do Sistema

Leia mais

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC de TIC Escritório de Gerenciamento de Processos de Tecnologia da Informação e Comunicação EGPr-TIC João Pessoa 2016 Versão 1.0 Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região Desembargador Presidente Ubiratan

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE Processo Objetivo Indicador Meta/Prazo Conceito

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Criação: junho/2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ou Política ) tem o objetivo de estabelecer os princípios,

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco Operacional - Sumário 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:... 3 3. Responsabilidades:... 4 Comitê

Leia mais

Qualidade: reflexões e críticas

Qualidade: reflexões e críticas Qualidade: reflexões e críticas 68 Agosto de 2011 Notas Técnicas Ano III Por José Silvino Filho Silvino.qualidade@gmail.com AÇÕES PREVENTIVAS Professor José Silvino Filho Consultor de Projetos em Sistemas

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA.

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA. 1- Histórico da Compensados Fuck Ltda. Fundada em 1978, a empresa Fuck ainda se chamando Fuck Indústria e Comercio LTDA a partir desse momento passa a investir em compensados, com a compra da COVEMA que

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais