Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6"

Transcrição

1 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade pela gestão da manutenção de veículos agregados Adequação da frequência de realização de manutenções preventivas da frota própria. Inclusão da sistemática de inspeção periódica de veículos agregados que transportam cargas gerais. 03/12/15 02 Adequação dos registros de manutenção preventiva de empilhadeiras Alteração de responsabilidades. As ações do Gerente Operacional passam a ser executada pelo Encarregado de Tráfego. 2. OBJETIVO Documentar e descrever a sistemática para a execução e controle das atividades de manutenção operativa, corretiva e preventiva executadas, visando assegurar a conformidade de toda a infraestrutura utilizada na realização dos serviços. 3. APLICAÇÃO Esta instrução aplica-se a todas as atividades de manutenção realizadas em veículos, semi-reboques, empilhadeiras e na infraestrutura utilizada pela EXATA CARGO para realização dos serviços de transporte Responsável pela adequação, implantação e melhoria do processo: 3.2. Interfaces internas ENCARREGADO DE TRÁFEGO Operacional Compras 3.3. Interfaces externa Clientes Embarcadores Prestadores de Serviços Organismos públicos e privados de controle e fiscalização 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NBR ISO 9001: Sistema de Gestão da Qualidade - Requisitos. Elaboração Encarregado de Tráfego Aprovação Representante da Direção Juliano Santos Silva (Original Assinado) Ana Paula Araujo (Original Assinado)

2 Manual do Sistema de Integrado de Gestão - Seção 6 Manutenção Revisão: 02 Página 2 de 6 SASSMAQ / Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade ABIQUIM Legislação e regulamentos vigentes, aplicáveis ao meio ambiente e aspectos de segurança e saúde no trabalho. 5. DEFINIÇÕES 5.1. Manutenção Preventiva: Serviço periódico, destinado a assegurar o funcionamento dos veículos, semi-reboques, empilhadeira e da infra-estrutura utilizada, seguindo um plano de manutenção, previamente estabelecido, baseado nas condições operacionais e vida útil dos componentes Manutenção Corretiva: Serviço destinado a corrigir problemas reais identificados no funcionamento dos veículos, semi-reboques, empilhadeira e da infra-estrutura utilizada Manutenção Operativa: Verificações realizadas para avaliar o estado e condições básicas de funcionamento dos veículos, semi-reboques, empilhadeira e da infra-estrutura utilizada. 6. DESCRIÇÃO Todas as atividades de manutenção realizadas nos veículos, semi-reboques, empilhadeiras e na infraestrutura da EXATA CARGO são controladas pelo Encarregado de Tráfego Manutenção Corretiva dos Veículos e Semi-Reboques Frota Própria Qualquer colaborador, ao constatar um problema, falha de funcionamento ou o aumento da emissão de fumaça preta nos veículos e/ou equipamentos, antes da próxima manutenção preventiva programada, deve comunicar o Encarregado de Tráfego para que seja emitida uma Ordem de Serviço para estabelecimento de ações corretivas para os problemas detectados Todos os serviços de manutenção devem ser registrados na Ordem de Serviço que os originou. Concluído o serviço, a Ordem de Serviço deverá ser enviada ao Encarregado de Tráfego para conferência, registros adicionais e controle da manutenção Manutenção Preventiva de Veículos e Equipamentos Frota Própria O Encarregado de Tráfego deve manter atualizadas as planilhas eletrônicas de controle dos prazos de realização das manutenções preventivas de veículos e semi-reboques e na data programada emitir um Plano de Manutenção Preventiva, para orientação dos responsáveis pela execução dos serviços Todos os serviços de manutenção preventiva devem ser registrados no Plano de Manutenção Preventiva que os originou. Concluído o serviço, o Plano de Manutenção Preventiva deverá ser enviado ao Encarregado de Tráfego para conferência, registros adicionais e controle da manutenção A frequência de execução das manutenções preventivas dos veículos e semi-reboques é a seguinte:

3 Manutenção Revisão: 02 Página 3 de 6 MARCA / MODELO PERIDOCIDADE TOLERÂNCIA FIAT / STRADA A cada km km MERCEDES BENZ / SPRINTER A cada km km VOLKSWAGEN / DELIVERY A cada km km MERCEDES BENZ / ACELLO 815 A cada km km VOLKSWAGEN / WORK A cada km km VOLKSWAGEN / WORK A cada km km VOLKSWAGEN / CONSTELATION VOLKSWAGEN / CONSTELATION A cada km A cada km km km MERCEDES BENZ / ATEGO 2426 A cada km km MERCEDES BENZ / AXOR 2036 Conforme sensores eletrônicos - CARRETAS A cada chegada na Unidade Guarulhos Os veículos e semi-reboques novos somente entrarão na programação das manutenções preventivas da EXATA CARGO após o término da garantia do fabricante. Durante esse período, as manutenções preventivas realizadas são as previstas no manual do fabricante Veículos e/ou semi-reboques com prazos de manutenção preventiva vencidos devem ser identificados e proibidos de realizarem serviços até a sua regularização Manutenção Preventiva de Veículos Frota Agregada (somente para transporte de produtos perigosos) O responsável da área de Rastreamento deve manter atualizadas as planilhas eletrônicas de controle dos prazos de realização das manutenções preventivas de veículos agregados que transportam produtos perigosos e na data programada emitir um Plano de Manutenção Preventiva, para orientação dos responsáveis pela execução dos serviços Todos os serviços de manutenção preventiva devem ser registrados no Plano de Manutenção Preventiva que os originou. Concluído o serviço, o Plano de Manutenção Preventiva deverá ser enviado ao responsável da área de Rastreamento para conferência, registros adicionais e controle da manutenção A frequência de execução das manutenções preventivas dos veículos agregados é a cada 6 meses. A tolerância para execução da manutenção preventiva é de + 30 dias.

4 Manutenção Revisão: 02 Página 4 de Veículos agregados com prazos de manutenção preventiva vencidos devem ser identificados e proibidos de realizarem serviços até a sua regularização Manutenção Preventiva de Veículos Frota Agregada (exceto para transporte de produtos perigosos) Todos os veículos agregados devem ser submetidos a inspeções periódicas para verificação das condições de manutenção As inspeções devem ser registradas no Registro de Inspeção de Veículos. Concluída a inspeção, o Registro de Inspeção de Veículos deverá ser enviado ao responsável da área de Rastreamento para conferência, registros adicionais e controle da inspeção A frequência de execução das inspeções dos veículos agregados é a cada 6 meses. A tolerância para execução da manutenção preventiva é de + 30 dias Veículos agregados com prazos de inspeção vencidos devem ser identificados e proibidos de realizarem serviços até a sua regularização Inspeções Legais, Teste de Opacidade e Calibração de Tacógrafos de Veículos e Equipamentos Frota Própria e Agregada Todos os veículos e semi-reboques que transportam produtos perigosos são submetidos a inspeções periódicas de capacitação, somente quando requerido por Clientes, em empresas credenciadas pelo INMETRO,. A periodicidade das inspeções de capacitação é definida de acordo com o estabelecido nas legislações aplicáveis Todos os veículos que transportam produtos perigosos são submetidos a teste de opacidade a cada 12 meses Todos os tacógrafos instalados nos veículos são calibrados em empresas credenciadas pelo INMETRO. Os critérios de aceitação e de validade das calibrações são definidos de acordo com a legislação vigente Veículos que apresentem irregularidades no tacógrafo devem ser considerados não conformes para a execução de qualquer serviço, até que o problema detectado esteja solucionado Os tacógrafos que na calibração periódica realizada apresentem erros de medição, devem ter seus discos dos últimos 2 meses de viagens reavaliados, para se assegurar de que não houve punição indevida aos motoristas, neste período Todos os veículos que transportam produtos perigosos são submetidos a teste de ruído a cada 12 meses O Encarregado de Tráfego deve manter uma planilha eletrônica atualizada para controle efetivo sobre a data da validade das inspeções legais, testes de opacidade, testes de ruído e calibração do tacógrafo de cada veículo e/ou equipamento da frota própria O responsável da área de Rastreamento deve manter uma planilha eletrônica atualizada para controle efetivo sobre a data da validade das inspeções legais, testes de opacidade, testes de ruído e calibração do tacógrafo de cada veículo e/ou equipamento da frota agregada.

5 Manutenção Revisão: 02 Página 5 de Veículos e/ou equipamentos com calibrações de tacógrafos, testes de opacidade, testes de ruídos e inspeções legais vencidas devem ser identificados e proibidos de realizarem serviços até a sua regularização Manutenção Operativa de Veículos (operações de coleta e distribuição) Frota Própria A manutenção operativa dos veículos utilizados nas operações de coleta e distribuição é realizada diariamente pelos Motoristas pela verificação dos itens constantes no Controle de Manutenção Diária de Veículos e Equipamentos Ao observar qualquer irregularidade que impeça a operação segura do veículo, o Encarregado de Tráfego deve ser comunicado para avaliação preliminar e providências internas cabíveis, caso a caso para a solução do problema Somente o Encarregado de Tráfego possui autoridade, para liberar qualquer veículo que apresente irregularidade constatada, para trabalho, desde que o problema não represente risco para a carga, para o patrimônio da empresa ou para a segurança das pessoas envolvidas nas operações a serem realizadas Manutenção Corretiva de Empilhadeiras Quando qualquer colaborador que constatar problema ou falha de funcionamento nas empilhadeiras, antes da próxima manutenção preventiva programada, deve comunicar o Encarregado de Tráfego para avaliação do problema e emissão de uma Ordem de Serviço para o serviço em questão Todos os serviços de manutenção devem ser registrados na Ordem de Serviço que os originou. Concluído o serviço, a Ordem de Serviço deverá ser enviada ao Encarregado de Tráfego para conferência, registros adicionais e controle da manutenção Manutenção Preventiva de Empilhadeiras O Encarregado de Tráfego deve manter atualizadas as planilhas eletrônicas de controle dos de realização das manutenções preventivas das empilhadeiras e no prazo definido, acionar as empresas terceirizadas para execução dos serviços Todos os serviços de manutenção preventiva devem ser registrados com a emissão de uma Ordem de Serviço pela empresa terceirizada. Concluído o serviço, a Ordem de Serviço deverá ser encaminhada ao Encarregado de Tráfego para conferência, registros adicionais e controle da manutenção A frequência de execução das manutenções preventivas das empilhadeiras é a cada 250 horas. A tolerância para execução da manutenção preventiva é de + 50 horas Manutenção Operativa de Empilhadeiras A manutenção operativa é executada pelos próprios Operadores de Empilhadeiras, com base no Check List de Empilhadeira, no início de cada jornada de trabalho O Encarregado de Tráfego é responsável pelo monitoramento e controle da execução do Check-List de Empilhadeira pelos Operadores de Empilhadeiras.

6 Manutenção Revisão: 02 Página 6 de Ao observar qualquer irregularidade que impeça a operação segura da Empilhadeira, o Operador de Empilhadeira deverá comunicar o Encarregado de Tráfego para avaliação preliminar e providências internas cabíveis, caso a caso para a solução do problema Manutenção Predial Manutenção Corretiva Qualquer colaborador, assim que constatar qualquer problema nas instalações ou na infraestrutura predial deve comunicar o Encarregado de tráfego ou o Coordenador de Segurança para avaliação preliminar do problema e providências internas cabíveis, caso a caso para a solução do problema Manutenção Preventiva Trimestralmente, o Coordenador de Segurança e Saúde deve realizar uma inspeção geral nas instalações físicas, para avaliar riscos de segurança e condições de preservação e manutenção predial e emitir um Registro de Inspeção Predial com o resultado da inspeção, para estabelecimento de prazos de execução de manutenções corretivas, caso necessário. 7. REGISTROS A responsabilidade e os critérios de identificação, armazenamento, proteção, recuperação, tempo de retenção e descarte dos registros controlados, referentes a execução das atividades de manutenção executadas pela EXATA CARGO estão definidos no Anexo 4 do Manual do Sistema Integrado de Gestão.- Matriz de Registros Controlados 8. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES PR.4.01 Controle de Documentos e Registros PR.8.02 Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 9. REGISTROS DO PROCESSO Ordem de Serviço Planilhas eletrônica de controle de manutenção preventiva Plano de Manutenção Preventiva Planilha eletrônica de controle de validade de laudos Controle de Manutenção Diária de Veículos e Equipamentos Inspeção Pré e Pós Carregamento Registro de Inspeção Predial Laudos veiculares (Ruído / Opacidade) Check List de Empilhadeiras Certificados de calibração de tacógrafos Solicitação de Socorro Mecânico Registro de Inspeção de Veículos Ordem de Serviço (empresas terceirizadas)

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

PROCEDIMENTO PR 7.03

PROCEDIMENTO PR 7.03 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 8 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 Adequação dos fluxos de recebimento de coletas, separação de cargas e carregamento

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 PROCEDIMENTO PR 6.01 Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 CÓPIA CONTROLADA 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 29/07/2014 01 03/12/2015 02 Adequações

Leia mais

Matriz de Registros Controlados Revisão: 03 Página 1 de 9

Matriz de Registros Controlados Revisão: 03 Página 1 de 9 Matriz de Registros Controlados Revisão: 03 Página 1 de 9 Análise de Riscos Rede informatizada Senha Por produto Até revisar Ata de Reunião de Análise Crítica Qualidade Pasta Cronológica 2 anos Atas de

Leia mais

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 2. OBJETIVO Descrever o procedimento interno para o

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO Folha 1 de 7 Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações -- 01/09/2010 -- Emissão inicial 01 10/02/2012 6.5.2 Certificado de padrão utilizado 02 09/11/2012 6.0 Inclusão da Nota 2 03

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

ANEXO 4.10 PROCEDIMENTO DE AUDITORIA DE PROCESSOS DE MANUTENÇÃO

ANEXO 4.10 PROCEDIMENTO DE AUDITORIA DE PROCESSOS DE MANUTENÇÃO ANEXO 4.10 PROCEDIMENTO DE AUDITORIA DE PROCESSOS DE MANUTENÇÃO - 1 - Definições Auditoria de Processos de Manutenção É a verificação sistemática e documentada que permite avaliar o grau de adequação dos

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 11/01/10 Emissão Inicial N/A Documento via original Assinada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA 1 Objetivo Este procedimento estabelece métodos para controle e calibração de equipamentos de inspeção, medição e ensaios. 2 Campo de Aplicação Aplica-se ao Laboratório de Radiometria Ambiental do Centro

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Calibração Fonte: Simone Acosta Fatores para minimizar erros Sensor apropriado Verificar a exatidão de cada elemento Cabeamento correto Verificar ruído elétrico Calibração Procedimento Geral

Leia mais

PROCEDIMENTO DO GRUPO LET PGL 12 MELHORIA CONTÍNUA

PROCEDIMENTO DO GRUPO LET PGL 12 MELHORIA CONTÍNUA Página: 1 de 5 1. OBJETIVO. Este procedimento estabelece as diretrizes para a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade do. 2. REFERÊNCIAS. ABNT NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS. Bárbara Pereira Albini

INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS. Bárbara Pereira Albini INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS Bárbara Pereira Albini Mini currículo Farmacêutica Industrial e Bioquímica pela UFPR Especialista em Gestão e tecnologia farmacêutica Engenharia farmacêutica

Leia mais

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para subcontratar serviços de transporte de cargas, sem exclusividade, subordinação e dependência, com a finalidade da realização da prestação de serviços de

Leia mais

Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional - PCMSO. Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados.

Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional - PCMSO. Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA DESCONTAMINAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS 1. OBJETIVO Estabelecer os requisitos para a realização da descontaminação

Leia mais

SASSMAQ PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO COMO A INDÚSTRIA QUÍMICA QUALIFICA SEUS FORNECEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS. Apresentação:

SASSMAQ PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO COMO A INDÚSTRIA QUÍMICA QUALIFICA SEUS FORNECEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS. Apresentação: DATA E LOCAL SASSAQ PROCESSO DE QUALFCAÇÃO COO A NDÚSTRA QUÍCA QUALFCA SEUS FORNECEDORES DE SERVÇOS LOGÍSTCOS Apresentação: Fernando Franco de Oliveira BASF Fluxo - Qualificação Disposições Gerais Processo

Leia mais

CHECKLIST DE AUDITORIA INTERNA ISO 9001:2008

CHECKLIST DE AUDITORIA INTERNA ISO 9001:2008 4 Sistema de gestão da qualidade 4.1 Requisitos gerais A CICON CONSTRUTORA E INCORPORADORA: Determina, documenta, implementa e mantêm um sistema de gestão da qualidade para melhorar continuamente a sua

Leia mais

Código Revisão Área Aprovação Data Página PS 12 3 Gestão Diretor Técnico 17/04/2017 1

Código Revisão Área Aprovação Data Página PS 12 3 Gestão Diretor Técnico 17/04/2017 1 PS 12 3 Gestão Diretor Técnico 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Estabelecer uma sistemática para análise das causas de não conformidades e implementação de ações corretivas, com o intuito de eliminar a reincidência

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

PROCESSO. Processos Orientados aos Associados devem obedecer à codificação PAXX onde XX

PROCESSO. Processos Orientados aos Associados devem obedecer à codificação PAXX onde XX CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Página: 1/6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes orientadoras e manter sistemática para elaboração, controle, acesso, alteração, aprovação e padronização dos documentos

Leia mais

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006 01/05 Elaborado por: 19/06/2006 isado por: 19/06/2006 provado por: 19/06/2006 Eduardo Teixeira de Souza Ruas SMT/MTZ Gilmar Wagner Carvalho SMT/MTZ irton Ferreira DMT/MTZ Objetivos: Estabelecer ações para

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Submódulo 16.2 Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Resolução CONAMA nº 18, de 06/05/86 - Institui em caráter nacional o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE.

Resolução CONAMA nº 18, de 06/05/86 - Institui em caráter nacional o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE. 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes do Programa de Autocontrole de Emissão de Fumaça Preta por Veículos Automotores do Ciclo Diesel PROCON FUMAÇA PRETA, no qual os responsáveis pelas empresas vinculadas

Leia mais

Submódulo Certificação de padrões de trabalho

Submódulo Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015. Data e

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Considerando que o disposto no artigo 5º da Lei nº 5.966/73, bem como o estabelecido nas Resoluções nº 05/78 e nº 06/78 do CONMETRO;

Considerando que o disposto no artigo 5º da Lei nº 5.966/73, bem como o estabelecido nas Resoluções nº 05/78 e nº 06/78 do CONMETRO; Código: 4693 Portaria Federal Nº 200 INMETRO - Ins.Nac. Metrol.Normaliz.Qual.Indus. Data: 6/10/1994 Norma : PORTARIA INMETRO Nº 200, DE 6 DE OUTUBRO DE 1994.. Norma expressamente revogada pela Portaria

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC 17025 e ISO/IEC 17020 25 de setembro de 2017 Rio de Janeiro 1. Grupo K&L Desde 1990 atuando em calibrações e ensaios; 22 anos de acreditação pelo INMETRO

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Procedimento da cartilha para o uso da marca 1. OBJETIVO 2. RESPONSABILIDADES 3. NORMAS/DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. DEFINIÇÕES/TERMINOLOGIA

Procedimento da cartilha para o uso da marca 1. OBJETIVO 2. RESPONSABILIDADES 3. NORMAS/DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. DEFINIÇÕES/TERMINOLOGIA 1. OBJETIVO 1.1. Assegurar que o uso da marca de concessão aos clientes da SARON Certificações esteja em conformidade com os requisitos regulamentares e de sistema de gestão, para evitar o uso indevido

Leia mais

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Objetivo Apresentar novos conhecimentos técnicos a todos os participantes e que permita obter a máxima redução de custos, maior disponibilidade de equipamentos e aumento

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ.

AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades realizadas no escopo do SGI da ABCZ. 1. OBJETIVO Sistematizar em toda a Empresa a forma de identificar o potencial e de atender a acidentes e situações de emergência, bem como para prevenir e mitigar os impactos ambientais que possam estar

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O SASSMAQ ª. EDIÇÃO

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O SASSMAQ ª. EDIÇÃO Prezado Leitor: Depois de nove anos sem uma revisão, está sendo emitido o SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Qualidade - 3.a Edição 2014. O intuito deste material, é de

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

FOLHA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS

FOLHA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS FOLHA DE COTROLE DE DOCUMETO 1) IDETIFICAÇÃO Código do documento PG-CRPq-0901 Revisão 03 Data 26/09/2016 Título GERECIAMETO DA PRODUÇÃO E FORECIMETO DE ERVIÇO Classificação Ostensivo n o de páginas 03

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Folha: 1/6 TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS APROVAÇÃO 21/07/15 00 Emissão Inicial - Item 5.1.2 e 5.2.1 - Exclusão da referência a tratamento e 16/06/16

Leia mais

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores ESCOPO Este questionário de auto-avaliação tem como objetivo proporcionar um conhecimento geral do fornecedor,

Leia mais

Regulamentos, Normas Técnicas e Certificações Aplicáveis

Regulamentos, Normas Técnicas e Certificações Aplicáveis Regulamentos, Normas Técnicas e Certificações Aplicáveis Roberto Odilon Horta Gerente de Certificação IBP 14.09.2017 A formação de Inspetores de Equipamentos, no Brasil, não têm sido objeto de ações sistemáticas

Leia mais

Plano de recolhimento recall / /

Plano de recolhimento recall / / Objetivo Responsável elaboração Campo de aplicação Nome da empresa Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o plano de recolhimento que deverá assegurar que sejam adotados

Leia mais

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards Serviços em NR12 Empresa A ROKA ENGENHARIA foi fundada em 1992, com prestação de serviços em Engenharia Elétrica e Mecânica. Em 2009 ampliou as suas atividades para serviços em Gestão Integrada (Segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 08 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

RSQM-DO DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO-ELETRODOMÉSTICOS

RSQM-DO DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO-ELETRODOMÉSTICOS Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas

Leia mais

Art. 2º A avaliação de que trata o artigo anterior será realizada mediante o uso da Escala de Ringelmann e do Opacímetro.

Art. 2º A avaliação de que trata o artigo anterior será realizada mediante o uso da Escala de Ringelmann e do Opacímetro. PROJETO DE LEI Nº 027/2013 "Dispõe sobre a avaliação da emissão de gases e fumaça preta de escapamentos dos veículos e máquinas que especifica e dá outras providências" ROQUE JONER, Prefeito Municipal

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Folha: 1/8 TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS APROVAÇÃO 23/03/05 00 Emissão inicial, substitui o antigo procedimento PNCC-19 rev 04 Presidente 18/04/06

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Portaria nº 50, de 28 de março de 2002 O PRESIDENTE DO

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Introdução Deve retratar a política da empresa; produção de alimento seguro; empresas terceirizadas; Deve retratar a política da empresa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 09 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

Submódulo Certificação de padrões de trabalho

Submódulo Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

ANEXO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO TABELA DE TEMPOS PARA CONSERTO DE FALHAS

ANEXO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO TABELA DE TEMPOS PARA CONSERTO DE FALHAS ANEXO 5.1.5 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO TABELA DE TEMPOS PARA CONSERTO DE FALHAS Manual de Procedimientos de Manutenção Tabela de Tempos para conserto de Falhas Serviço ATENDE MAIO/2015 MANUAL

Leia mais

ATIVIDADES DO SETOR MARÍTIMO - MARIS Data: 02/05/11

ATIVIDADES DO SETOR MARÍTIMO - MARIS Data: 02/05/11 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Descrever a metodologia adotada pelo MARIS para a execução dos serviços de transporte, embarque e desembarque dos Práticos na Barra e Porto de Santos, bem como, os serviços de

Leia mais

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PS 04 3 Gestão Diretor Administrativo 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Sistematizar o processo de planejamento, realização e análise das Auditorias Internas do Sistema de Gestão da Qualidade. 2. APLICAÇÃO Todos

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO -. 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática de Avaliação e Qualificação de laboratórios a fim de habilitálos a integrar o grupo de Laboratórios considerados aptos a oferecer serviços de Calibração

Leia mais

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página:

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: PROCEDIMENTO DO SMS PR-99-991-CPG-005 Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia e responsabilidades para

Leia mais

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios Módulo 8 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios 4.4.6 Controle Operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de

RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de 22-09-2017 DOM 20-10-2017 Dispõe sobre a definição das Não Conformidades a serem verificadas na fiscalização da prestação dos serviços públicos de água e esgoto, no âmbito do município

Leia mais

Submódulo Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO

Submódulo Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO Submódulo 22.2 Elaboração do Relatório Preliminar de Ocorrências RPO Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Data de Aprovação pelo

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Normas da série ISO 9000 Foram lançadas pela ISO (International Organization for Standardization) Entidade não governamental criada em 1947, com sede em Genebra - Suíça.

Leia mais

Operações de Transportes

Operações de Transportes Operações de Transportes Cartilha Orientativa Março/2017 SUMÁRIO 01 02 APRESENTAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES GERAIS 4 04 05 06 07 08 09 10 11 12 SISTEMA DE AGENDAMENTO 5 AGENDAMENTO DE VIAGEM 7 PRAZO PARA AGENDAMENTOS

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Coordenação de Inspeção de Produtos Nova estrutura administrativa Principais atribuições Legislação

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS E ALMOXARIFADO IT. 26 03 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais e almoxarifado nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PO. 02 Gestão

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

LABORATÓRIO ANÁLISE. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DE APOIO TÍTULO: MEDIÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DE PROCESSO

LABORATÓRIO ANÁLISE. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DE APOIO TÍTULO: MEDIÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DE PROCESSO LABORATÓRIO ANÁLISE. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DE APOIO POA.GQL.04 TÍTULO: MEDIÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DE PROCESSO Edição Análise Crítica Aprovação Data: Data: Data: ASS.: ASS.: ASS.: NOME: Rozileide

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS Sumário Capítulo I - Da Finalidade... 3 Capítulo II - Das Competências da Auditoria da Eletrobras... 3 Capítulo III - Da Organização da Auditoria da Eletrobras...

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO: OPERACIONAL FROTA

PROCEDIMENTO SISTÊMICO: OPERACIONAL FROTA ELABORAÇÃO APROVAÇÃO NOME: Rodrigo Vaz NOME: Alexandre Rezende SETOR: Escritório da Qualidade SETOR: Frota CARGO: Analista da Qualidade CARGO: Assistente Operacional Frota HISTÓRICO DAS REVISÕES REVISÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 173, de 24 de setembro de

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Apresentar as principais variáveis a serem observadas na gestão da metrologia industrial, transformando barreiras técnicas em requisitos de competitividade. ABNT NBR ISO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

E-QP-EIF-062 REV. D 31/Jan/2013 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL -

E-QP-EIF-062 REV. D 31/Jan/2013 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL - ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

Norma CNEN NE 1.25 Resolução CNEN 13/96 Setembro / 1996 INSPEÇÃO EM SERVIÇO EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS

Norma CNEN NE 1.25 Resolução CNEN 13/96 Setembro / 1996 INSPEÇÃO EM SERVIÇO EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS Norma NE 1.25 Resolução 13/96 Setembro / 1996 INSPEÇÃO EM SERVIÇO EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS Resolução 13/96 Publicação: DOU 27.09.1996 SUMÁRIO NE 1.25 - INSPEÇÃO EM SERVIÇO EM USINAS NUCLEOELÉTICAS 1.

Leia mais

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES 1 de 9 DISTRIBUIDOR: Controle do Sistema de Gestão da Qualidade(CGQ) REV. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. 1ª 01/03/10 Edição Inicial OMV OMV MRP 2ª 20/04/14 IQS. Sistema Integrado da Qualidade

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

QUALIFICAÇÃO RDC Nº 48 DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

QUALIFICAÇÃO RDC Nº 48 DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 QUALIFICAÇÃO RDC Nº 48 DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 Ana Marie Kaneto ISPE do Brasil Diretora Consultiva Nordika do Brasil Consultoria Ltda. Gerente de Projetos Agenda - Definição - Objetivos - Qualificação

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Público Alvo... 2 III - Responsabilidades dos Envolvidos... 2 3.1. Responsabilidades da Administração... 2 3.2. Responsabilidades

Leia mais

2. Campo de Aplicação Aplica-se ao processo de ensaios para fins de classificação de produtos de origem vegetal.

2. Campo de Aplicação Aplica-se ao processo de ensaios para fins de classificação de produtos de origem vegetal. Página: 1/7 Sumário 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições/Siglas 5. Histórico da Revisão 6. Responsabilidades 7. Regras para a Prestação dos Serviços 8. Subcontratação

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com a Política de Gerenciamento de Riscos dos

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Pág: 1/9 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Inclusão do item 3.5 - Alterações nos Requisitos de Certificação 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão geral do procedimento

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais