A Prática da Hospitalidade Comercial: estudo analítico numa empresa do setor de alimentos & bebidas na cidade de São Paulo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Prática da Hospitalidade Comercial: estudo analítico numa empresa do setor de alimentos & bebidas na cidade de São Paulo 1"

Transcrição

1 A Prática da Hospitalidade Comercial: estudo analítico numa empresa do setor de alimentos & bebidas na cidade de São Paulo 1 Tércia Pereira de Araújo Lima 2 Universidade Anhembi Morumbi Resumo: Tendo em vista que para os consumidores o cliente interno é o maior representante da empresa e que a satisfação daquele está diretamente ligada à satisfação deste último, o presente trabalho visa identificar as variáveis que a organização, objeto deste estudo, utiliza para superar as expectativas de seus funcionários de modo que estes trabalhem motivados e satisfeitos. Este estudo que apresenta uma pesquisa analítica, realizada num restaurante na cidade de São Paulo, verificou que a ligação entre empresa e empregado vai além das relações trabalhistas. Os resultados obtidos neste trabalho demonstram que a hospitalidade vivenciada pelos consumidores (cliente externo) é fruto da acolhida dada aos clientes internos pelo estabelecimento. Palavras-chave: Hospitalidade Comercial; Marketing Interno; Alimentos & Bebidas; Cliente Interno. Introdução A abrangência do setor de serviços, foco desse estudo, possibilita a existência de outras atividades simultâneas que podem ser analisadas sob diversos pontos de vista. Neste estudo serão analisadas, sob a ótica da hospitalidade comercial, as relações que ocorrem entra a empresa e o cliente interno, aspecto este que assume caráter estratégico para o sucesso daquela e que por vezes é negligenciado pelas organizações. Essas negligências nem sempre ocorrem em relação aos aspectos trabalhistas, uma vez que existe legislação a respeito e fiscalização, mas à preocupação com o bem estar e envolvimento dos trabalhadores, pois na maioria das vezes a organização prioriza e valoriza mais o ambiente físico em que ocorrerá a relação com o consumidor. Entretanto, os gestores crescentemente reconhecem que os clientes internos são 1 Trabalho submetido ao GT-10 Gestão e estudo dos impactos do turismo do VI Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL Caxias do Sul, 9 e 10 de julho de Aluna do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi. Bacharel em Turismo pelo Instituto de Ensino Superior da Paraíba Iesp. Especialista em Gastronomia e Segurança Alimentar pela Universidade de Brasília UnB. Contato:

2 responsáveis pelo sucesso e crescimento da empresa, que por sua vez, são vistos e avaliados pelos consumidores como extensão da marca e da organização. Busca-se nesta pesquisa exploratória avaliar essa relação, sob a ótica do marketing interno. Será adotada a metodologia do estudo de caso no qual será observada, de forma exploratória, a maneira como são aplicados, na prática, os elementos referentes ao marketing interno, com base nas propostas de Albrecht (1990), Zeithaml (2003) e Gronroos (2003). O objeto de estudo será um estabelecimento comercial, na área de Alimentos & Bebidas, em São Paulo. Hospitalidade: Uma Visão Conceitual A sociedade está sempre se adequando às novas formas de analisar a vida e se adaptando a novos conceitos, reinventando outros ou mesmo remodelando o que já considera ultrapassado. Mas, existem alguns preceitos que se perpetuam, os quais são cultuados e passados de geração em geração. Muitos deles passaram do conhecimento de senso comum para o patamar científico, pois, como afirma Alves (2004 p. 14), a ciência é uma metamorfose do senso comum. Contudo, o senso comum, ainda assim, é bastante respeitado e praticado. Um desses conceitos analisado neste estudo refere-se à hospitalidade, entendida por muitos como sendo o processo de acolher bem. A hospitalidade é praticada desde sempre, mas, somente, há alguns anos vem sendo dedicado ao tema estudos de caráter científico. De acordo Camargo (2004, p. 49) a hospitalidade, enquanto objeto de estudo acadêmico, é bastante recente. Saindo do campo científico e analisando o senso comum percebe-se que o entendimento das pessoas, quanto ao conceito de hospitalidade, é voltado quase sempre ao sentido do acolhimento, conceito esse muito usado na hotelaria. Por outro lado, existem autores que se dedicam ao estudo da hospitalidade vislumbrando aspectos da dádiva que vai além do simplesmente receber bem. Um deles é Jacques Godbout (1997) que identifica essa relação resumidamente, como sendo darreceber-retribuir. O conceito, na visão desse autor, é completamente voltado para uma situação onde não há interesse monetário. A dádiva no entendimento de autores como Camargo (2004) e Godbout (1997) é caracterizada por atitudes que expressam a gratuidade e o retorno; o interesse e desinteresse; liberdade e a obrigação; a desigualdade nas trocas; o prazer em dar e a espontaneidade. Essas características, que também exprimem hospitalidade, não se aplicam ao conceito escolhido para esta pesquisa, na qual, serão avaliados os

3 indicadores de hospitalidade quando há interesse monetário nas trocas. Portanto, para este trabalho, será evidenciado apenas o conceito da hospitalidade comercial que é segundo Lashley (2004, p. 19): A oferta da hospitalidade comercial depende da reciprocidade com base na troca monetária e dos limites da concessão de satisfação aos hospedes que, no fim, causam impacto sobre a natureza da conduta hospitaleira e da experiência da hospitalidade. Entretanto, graças às variações sofridas no mercado e, consequentemente, às mudanças de comportamento das pessoas, a hospitalidade que antes servia somente para identificar laços sociais, agora se estende ao domínio público e comercial (CAMARGO, 2004). Por conseguinte, fica confirmado, também, que a hospitalidade pode e deve ser direcionada para o acolhimento comercial tornando as relações entre homens (clientes, funcionários, amigos ou mesmo desconhecidos) mais interativas e bem-sucedidas (BUENO, 2003). É importante ressaltar que o estudo da hospitalidade dedica-se a entender as relações de convívio entre pessoas, nos ambientes doméstico, comercial ou público. No entanto, para esta pesquisa, serão identificados como indicadores da hospitalidade comercial, aspectos direcionados aos funcionários que estejam relacionados ao investimento na melhoria das habilidades técnicas; preocupação com o bem estar; segurança e qualidade de vida no trabalho. A Hospitalidade Aplicada no Setor de Serviços Para Gronroos (2003, p. 378) cliente interno traz os relacionamentos clienteprestador de serviços para dentro da organização, opinião semelhante àquela proposta por Albrecht (1990). E será a partir desse conceito, aplicado à hospitalidade, que se fundamentará esta pesquisa. A hospitalidade é a interação de seres humanos com seres humanos em tempos e espaços planejados para essa interação (CAMARGO, 2004, p. 85). No entanto ela, ainda, é vista e entendida por muitos como sendo responsável, somente, pelo fornecimento de hospedagem e alimentação às pessoas/viajantes. Esse conceito é muito comum decorrente do significado da palavra hospitalidade que, segundo Powers (2004, p. 24), em inglês, deriva de hospice, que significa uma casa medieval destinada ao repouso de viajantes e peregrinos. Contudo, autores como Lashley (2004) e Camargo (2004), mostram que o conceito de hospitalidade vai além do que simplesmente hospedar e fornecer alimentos.

4 E, por tal, essa idéia pode e deve ser compreendida de uma forma mais abrangente, pois são idéias que envolvem de um modo geral, as relações entre pessoas (BUENO, 2003). Entendendo que neste trabalho, as relações entre empresa e funcionários serão analisadas à luz conceitual da hospitalidade comercial, a pesquisa realizada, que é de caráter exploratório e analítico, almeja relatar como ocorrem as relações entre empresa e clientes internos, sob a ótica do marketing interno, como objeto principal de estudo. Dentro dessa visão não será, portanto, discutido o conceito de hospitalidade inglês - de hospedar e alimentar, mas o de receber e tratar bem os seus clientes internos (funcionários) tanto quanto os externos (consumidores finais), uma vez que os primeiros funcionam como importantes agentes nas relações entre a empresa e os consumidores. Em virtude da hospitalidade comercial se basear, essencialmente, numa troca entre partes, pode-se dizer que quanto mais o cliente interno estiver satisfeito mais ele colaborará e se doará a empresa em que trabalha e, portanto, mais se dedicará para que a relação do estabelecimento com os clientes finais ocorra da melhor forma possível. Segundo Abreu (2003, p. 30), a hospitalidade comercial é: A forma como uma organização se estrutura e se comunica para prestar a hospitalidade de hoje em dia (hospitalidade comercial) ou qualquer outro tipo de serviço será decisiva na caracterização do seu atendimento e qualidade dos serviços prestados, pois a estrutura e a comunicação darão a identidade, o perfil, a personalidade e a cultura da organização, o que se refletirá diretamente na imagem que o cliente abstrairá dela. Diante do exposto tem-se que as empresas, especialmente as prestadoras de serviços (neste caso, restaurantes) precisam e devem tratar os seus clientes internos tão bem quanto desejam tratar os clientes externos. Afinal, nessas empresas os consumidores finais são atendidos por profissionais e é dessa afinidade que depende fundamentalmente o sucesso da relação e a satisfação das partes. Marketing Interno Uma Forma de Hospitalidade Valorizar os profissionais e mantê-los informados sobre todos os aspectos inerentes à empresa é condição fundamental para que haja comprometimento, desenvolvimento e prestação de serviços dos funcionários e da empresa com qualidade aos clientes externos. A prática desses conceitos constitui num desafio para a empresa em manter sempre alinhado aos seus objetivos e metas, os seus funcionários, mais conhecidos como cliente internos. As organizações estão cada vez mais mudando os seus conceitos e formas de gerir seus recursos humanos enfatizando sua atenção para dentro da empresa e

5 dedicando mais tempo a formular estratégias internas com intuito de tornar o ambiente de trabalho um lugar propício e favorável ao bom desempenho das atividades inerentes a cada funcionário, conforme ressalvam Albreith (1990) e Zeithaml (2003). E isso é conseguido por meio de análises internas e aplicação de medidas do marketing interno, técnica mercadológica dedicada a estudar as relações internas entre pessoas de uma organização (ALBRECHT, 1990; GRONROOS, 2003). Tais preocupações já constituem indícios da prática de hospitalidade do estabelecimento para com seus funcionários. O marketing interno e suas proposições são usados como ferramenta para auxiliar os gestores a alcançarem o objetivo de encantar e superar as expectativas dos consumidores. Todavia, empresas que utilizam essa ferramenta como pressuposto básico de hospitalidade para os seus funcionários, provavelmente estarão transferindo e garantindo aos seus consumidores finais o mesmo sentimento. Pois, clientes internos satisfeitos certamente irão esforçar-se para conquistar e fidelizar os consumidores, afinal, sabem eles e os empresários também que não existe consumidor satisfeito se o empregado não estiver, também, satisfeito. Para Albrecht (1990) e Brum (1998), o objetivo do marketing interno é garantir que todos os funcionários tenham conhecimento sobre os objetivos e metas da empresa, do mercado em que atua, além de itens como: produtos, serviços, gestão e resultados. A esse respeito Bekin (2004) ratifica que os objetivos da organização devem ser transparentes para que seja possível harmonizar os objetivos dos funcionários com o objetivo global da empresa. O marketing interno tem como proposta central aliar os conhecimentos da área mercadológica aos de recursos humanos para observar, analisar e intervir as relações que ocorrem entre a empresa e seus funcionários, importantes agentes para o sucesso na relação com os clientes finais, focando, primordialmente, descobrir e atender os desejos e anseios destes. É possível identificar, atualmente, que as organizações modernas e consolidadas que querem se destacar tem investido, consideravelmente, no seu capital humano, face importância desse recurso no mercado competitivo em que atuam. Pois, como afirma Gronroos (2003, p. 21), manter funcionários habilitados, motivados e comprometidos é de vital importância. Na medida em que os empregados demonstram um nível de satisfação favorável em relação à atividade desenvolvida por eles, estes se tornam pessoas mais produtivas e

6 motivadas com seu trabalho constituindo um diferencial de competitividade importante para as organizações. O mercado consumidor está cada vez mais exigente, pois, além de proposta de valor e preço competitivo, querem, também, qualidade. E, para atender as expectativas dos clientes as empresas estão procurando entender, de fato, o que satisfaz e conquista o cliente. Contudo, a fidelização do cliente à empresa somente se consolidará diante da experiência e confiança que serão testadas a todo o momento quando o cliente interage com a empresa, que, normalmente, ocorre através de uma pessoa e que nesse caso é o cliente interno, conforme assegura Zeithaml (2003). Deste modo, pode-se dizer que as pessoas que formam uma empresa constituem num dos recursos mais importantes em uma organização para se alcançar a vantagem competitiva no mercado, visto que elas são capazes de pensar e adaptar-se a situações inusitadas. De acordo Drucker (2006, p. 51): Hoje todas as organizações dizem: as pessoas são nosso maior ativo. Entretanto, poucas praticam aquilo que pregam e menos ainda acreditam nisso. A maioria ainda acredita, embora talvez não consciente, naquilo que acreditavam os empregadores do século XIX: as pessoas precisam mais de nós do que nós delas. Porém, as organizações precisam atrair pessoas, retêlas, reconhecê-las e recompensá-las, motivá-las, servi-las e satisfazê-las. Essa mudança ocorre na medida em que os gestores descobrem que a fidelização dos consumidores e, conseqüentemente, a competitividade da empresa no mercado depende muito da satisfação do seu cliente interno. Uma organização onde não há funcionários talentosos, criativos e, acima de tudo, comprometidos estará fadada ao fracasso (GRONROOS, 2003). Para Boog e Boog (2006) o capital intelectual de uma empresa constitui-se fundamental e indiscutivelmente em um diferencial competitivo e auxilia na construção do seu valor de mercado. E nesse caso é válido dizer que empregados bem treinados só contribuem para melhoria e desenvolvimento da empresa em que trabalham e, por tal, os empresários que investem no seu quadro funcional acabam obtendo resultados satisfatórios. É de fundamental importância para uma organização contar com pessoas capacitadas e informadas em relação ao que se passa no mercado. Entretanto, vale ressaltar que parte desse conhecimento cabe à empresa fornecer, uma vez que é de responsabilidade desta informar, sempre que possível, seja por meio de cursos, treinamentos ou outras maneiras, os seus clientes internos de tudo que se refere ao interesse da empresa. Fundamentando este pensamento, Brum (2005), revela que para

7 um melhor aproveitamento das informações relevantes aos clientes internos estas podem ser dispostas da seguinte forma: Nas informações institucionais estão todas as informações sobre a empresa como: histórico, missão, visão, valores, princípios, objetivos globais, crenças, atuação do presidente etc. Nas informações de Recursos Humanos, estão todas as informações sobre a vida das pessoas na empresa: benefícios, incentivos, programas de treinamento e desenvolvimento, política salarial, dissídios, negociações etc. Nas informações de Mercado/Produto estão todas as informações sobre o que uma empresa produz e/ou vende, em que mercado atua, técnicas de produção, técnicas e estratégias de vendas, metas, recordes etc. Na informação sobre Programas Internos estão todas as informações sobre os programas e projetos desenvolvidos internamente que contam com a participação dos empregados e por último, as Informações do dia-a-dia estão todas as informações sobre o funcionamento operacional da empresa, fatos e acontecimentos do dia-a-dia, atuação das áreas, das lideranças, dos empregados etc. (BRUM, 2005, p. 47). Pesquisas de marketing interno revelam que toda atenção despendida e tratamento justo dados pela empresa ao funcionário, resultam em empregados leais à organização e motivados, o que é bastante salutar na hora de conquistar a fidelização dos clientes. Para concretizar essa idéia Zeithaml (2003, p. 362) ressalva que quando a comunicação interna é fraca, a qualidade percebida do serviço estará correndo o risco. No entanto, ainda existem organizações que, segundo Gronroos (2003), vêem nos seus clientes internos um custo adicional e, portanto, sempre que possível, procuram eliminar tais custos. Bekin (2004) ressalta que no mercado atual a atenção dos empresários deve se voltar mais para os valores éticos, o envolvimento emocional dos funcionários e a capacidade de agregar relações afetivas, itens, hoje, considerados fundamentais no desenvolvimento e sucesso da organização. Para esse autor estamos vivendo na era em que as relações pessoais devem imperar dentro das organizações interessadas em alcançar a vantagem competitiva, afinal uma empresa é constituída por pessoas. Antes de oferecer o produto/serviço os empresários devem assegurar que tudo esteja sendo apresentado para o cliente de forma correta, caso contrário, a decepção e frustração deste poderão ocasionar problemas futuros para a instituição, conforme Laws (1991, apud SWARBROOKE; HORNER, 2002) exemplifica: Na propaganda das companhias aéreas, os passageiros geralmente são mostrados sentados ou reclinando-se em posições relaxadas em poltronas espaçosas. São servidos por comissárias calmas e elegantes (mais raramente por comissários e mostrados degustando refeições deliciosas, cuidadosamente apresentadas, e vinhos refinados. A realidade costuma ser bem diferente. O caso é que as comunicações de marketing estão levando os passageiros a esperar um nível de serviço superior às possibilidades de um vôo de carreira, mesmo em suas condições mais favoráveis. Isso pode ocorrer quando não houver greves, falhas mecânicas, a tripulação estiver em seu melhor

8 desempenho, o vôo não estiver lotado, e todos os passageiros estiverem relaxados (LAWS, 1991 apud SWARBROOKE; HORNER, 2002, p. 310). Para os clientes, de um modo geral, os funcionários de uma empresa, especialmente, no setor de serviços - restaurantes - constituem, segundo Zeithaml (2003, p. 259), o próprio serviço e a organização aos olhos do cliente. Com base nisso, o marketing interno configura-se como uma proposta que visa atender os clientes finais da organização através da satisfação e a valorização dos seus clientes internos. Assim, o emprego dessa ferramenta objetiva tornar a equipe mais participativa e contribuindo para um clima organizacional agradável. Os gestores precisam entender que antes de satisfazer aos anseios dos clientes externos existe outro cliente, o interno, que necessita de mais atenção e dedicação. Pois, é por meio do comprometimento dos clientes internos que as empresas alcançam os resultados desejados e traçados, bem como a aliança e preferência dos consumidores na hora de escolherem onde consumir. Metodologia A realização da pesquisa que é de caráter qualitativo ocorreu por meio de pesquisa analítica a partir de um estudo de caso que, segundo Dencker (2007, p. 155) é o estudo profundo e exaustivo de determinados objetos ou situações. Permite o conhecimento em profundidade dos processos e relações sociais. A finalidade deste trabalho é obter conhecimento analítico do grupo e da situação. Esse procedimento técnico foi escolhido devido ao interesse do pesquisador em observar e entender as ações no mesmo momento em que elas acontecem (DENCKER, 2007). Dessa forma, em 2009, realizaram-se visitas em dias alternados, porém, nos mesmos horários, durante um período de dois meses. Essas visitas tiveram como objetivo principal analisar a interação e a relação entre a empresa e os funcionários. O estudo exploratório teve início com a entrevista realizada junto a um dos sócios da empresa, objeto do estudo de caso, contemplando a proposta e os aspectos de interesse e pesquisa durante a observação. O sócio se mostrou entusiasmado com a idéia, prestou as informações desejadas e consentiu a realização do trabalho. O estabelecimento caracteriza-se por ser um bar, do tipo sociedade Limitada, direcionado ao entretenimento e lazer de quem o freqüenta. Esta empresa que oferece produtos e serviços de bar, também, propicia ao seu cliente atendimento diferenciado, música ao vivo - de gênero MPB todos os dias, além de alguns objetos que caracterizam

9 o estilo e proposta da casa, disponíveis a venda. É direcionado a um público de poder aquisitivo de médio a alto, na faixa etária dos 30 aos 45 anos. Estes, além de gostarem de MPB, se identificam com o valor da casa que é transmitir alegria ao cliente por meio de todas as pessoas que fazem parte do estabelecimento. A empresa conta com o apoio de escritórios de advocacia e contabilidade, bem como assessoria de imprensa, além de uma equipe de 32 funcionários, composta por garçons; bartenders; cozinheiros; auxiliares de cozinha, bar e copa; pessoal de limpeza; caixas e seguranças totalizando 32 funcionários gerenciados por profissionais qualificados. Possui, atualmente, uma unidade em funcionamento, localizada na cidade de São Paulo e os proprietários estudam a possibilidade de abrir outra unidade, embora ainda em fase inicial de planejamento. Resultados O bar, foco deste trabalho, nasceu com base na proposta de transmitir às pessoas um lugar acolhedor e que trouxesse à lembrança de quem o freqüentasse uma casa de interior. A qualidade nos produtos ofertados, especialmente, no atendimento são características notórias da empresa. É importante destacar que para esta empresa o atendimento é primordial para o consumidor se sentir acolhido. Entretanto, a partir das declarações de um dos donos, a empresa que tem como filosofia: captar o valor emocional para que os clientes se sintam bem recebidos, num lugar aconchegante e alegre, deseja, antes de conquistar o cliente externo, envolver o cliente interno. No transcorrer da pesquisa evidenciou-se que os donos do estabelecimento estudado se empenham em oferecer ao seu cliente externo um ambiente agradável e aconchegante. E determinados em prestar o melhor serviço possível aos consumidores, os proprietários, que estão alinhados com as idéias dos autores referenciados anteriormente, se esforçam em oferecer bem estar e qualidade de vida no trabalho aos seus funcionários para que estes possam servir da melhor maneira aos clientes. Confirmou-se, também, que os funcionários dessa organização são monitorados tanto pelos proprietários que estão sempre presentes, como pelos clientes que opinam a respeito do atendimento e demais serviços da casa. Certos de que são os empregados que levam a empresa ao sucesso e apoiados nas idéias já citadas de Boog e Boog (2006)

10 e Drucker (2006) a prática do treinamento é bastante usada nesse estabelecimento que deseja ver seus empregados atuando de forma eficiente e eficaz. Acreditando que ter noção e conhecimento do mercado atuante é fundamental para o crescimento de um estabelecimento, pode-se dizer que a persistência, bem como a visão empreendedora dos gestores dessa empresa aliada ao conhecimento teórico nessa área de atuação, compõe um dos adjetivos que os fizeram chegar à fase que se encontram atualmente. Sabendo que o marketing é uma ferramenta que deve ser usado pelas organizações como mecanismo responsável pelos processos de criação e comunicação de bens e/ou serviços visando à satisfação do cliente, a empresa estudada se fundamenta em tais teorias para se alinhar ao mercado e alcançar a competitividade. Vale ressaltar que durante as visitas feitas ao estabelecimento constatou-se que a mesma hospitalidade dada ao cliente externo é também ofertada aos funcionários da casa, aliás, item bastante praticado e relevante dentro da empresa. E, portanto, coerente ao que sugere os autores desse tema. No tocante ao tema gestão de pessoas, verificou-se que para fazer parte da equipe dessa empresa segundo a gerente que também é a responsável pelos clientes internos, é necessário: que eles gostem de trabalhar à noite e gostem, também, do que faz. Tem que ter simpatia, humildade e vontade de aprender. Aqui o funcionário é avaliado pela quantidade de pergunta que não faz, pois considero a curiosidade em aprender e conhecer como fator fundamental para fazer parte da família organizacional. Quanto aos treinamentos, percebeu-se que estes são seguidos à risca pelos empresários que consideram ser de grande importância para manter os funcionários motivados como explica Gronroos (2003). Nesse sentido, os empregados são treinados uma vez por mês, no qual é oferecido pela empresa cursos direcionado a melhoria e aproveitamento dos serviços no bar. Para isso o estabelecimento leva profissionais da área de interesse do treinamento para treinarem os empregados e em alguns casos é o próprio gestor (um dos sócios) que ministra esse treinamento, decorrente de seu conhecimento empírico e acadêmico. Portanto, a gerente reúne-se semanalmente (1 vez) com todos os funcionários com intuito de discutir sobre diversos assuntos relativos à prestação do serviço, feedback dos clientes, dos produtos novos lançados no cardápio, imprevisto que tenham acontecido durante a noite e assuntos dessa natureza. Essas reuniões semanais ocorrem

11 sempre com a finalidade de melhorar o atendimento, satisfazer os consumidores, além de ouvir, também, os seus funcionários. Por isso, a empresa investe no cliente interno propiciando participar de cursos que ajudem no crescimento profissional deles. Dependendo do desempenho os empregados recebem outros benefícios como bônus de venda (para o pessoal do atendimento) e metas de higiene, por exemplo, para o pessoal da cozinha. Com base na pesquisa de campo realizada, bem como no tipo de gestão ofertada aos clientes internos da empresa, cabe, aqui, citar o que o empresário Danny Meyer escreveu em seu livro 3 sobre a liderança de pessoas numa empresa: Você só consegue a melhor produtividade de seus empregados quando eles acreditam que sua liderança é aberta, acessível e recebe bem as opiniões. Gerentes que têm uma política de abertura apenas da boca para fora claramente fecham a porta por estarem sempre na defensiva, por não assumirem um erro quando o cometem e, principalmente, por não procurarem ativamente formas de fazer seus empregados se sentirem ouvidos. Nós aplicamos pressão constante e gentil para que nossos líderes estejam sintonizados às aspirações e frustrações de nossa equipe. Queremos que os líderes não apenas mantenham a porta aberta, mas que atravessem a porta e insistam para que as pessoas entrem (MEYER, 2007, p. 177). Quanto aos clientes internos averiguou-se que a motivação e entusiasmo deles são evidenciados pela maneira como estes se dedicam ao trabalho e pela satisfação que eles demonstram depois de concluída a jornada de trabalho. Observou-se que os maiores freqüentadores, basicamente, vão ao bar para encontrar os amigos (happy hour), comemorar aniversários e conversar ao som de uma boa música e bom atendimento. Percebe-se, contudo, que a empresa analisada dedica-se e se dispõe a gerenciar da melhor forma possível o seu pessoal. Demonstra, além da preocupação e interesse na opinião de seus empregados, ofertar um ambiente de trabalho saudável, estando os gestores sempre presentes e de forma acessível aos funcionários. Investir no funcionário faz parte da proposta da empresa e para tanto há uma verba direcionada para essa questão, afirma a gerente do estabelecimento. Registre-se que a relação de amizade e confiança que há entre a empresa e os clientes internos geram a sensação de que estes são, também, parte da marca e que juntos formam uma família na entrega da proposta da casa. Vale salientar que a atmosfera familiar, idéia esta que o estabelecimento deseja passar a seus clientes externos, é sentida no instante em que se entra no bar. E, não é só 3 Hospitalidade e Negócios: o rei da gastronomia de Nova York conta o segredo do sucesso.

12 pela decoração do ambiente e qualidade no serviço que este clima se faz presente, mas pelas ações que revelam a cultura organizacional transmitida aos consumidores pelos funcionários, especialmente, os que têm contato direto com a clientela. Preocupados com o bem estar de seus funcionários e conseqüentemente com a satisfação e fidelização de seus consumidores, os gestores do estabelecimento analisado consideram como fatores primordiais para alcançar a competitividade e o sucesso: engajar os funcionários na visão da empresa; fornecer tecnologia e equipamentos de apoio; medir a qualidade do serviço interno; promover o trabalho em equipe; transferir poder aos funcionários; treinar habilidades técnicas; contratar as pessoas certas e desenvolvê-las para que executem serviços de qualidade. Considerações Finais No mundo gerido pelo domínio e conhecimento da informação são as pessoas que compõem uma organização as responsáveis pela conquista de mercado, desenvolvimento da marca e fidelização dos clientes no mercado. Por isso, os funcionários são vistos e avaliados pelos consumidores como verdadeira extensão da marca da instituição comercial. É por esta razão que cresce cada vez mais o número de empresas que buscam aprimorar as habilidades técnicas dos seus clientes internos. Apesar de alguns empresários estarem na contramão, no que se refere ao oferecimento dessas melhorias, a pesquisa realizada no estabelecimento constatou o que muitos autores, como a Zeithaml (2003), citam em relação à maneira como se pratica o marketing interno nas organizações. Investimentos relacionados à melhoria no desempenho das atividades dos funcionários são considerados pelos proprietários do restaurante pesquisado como sendo indispensáveis, tanto em relação ao seu crescimento profissional e pessoal como também ao desenvolvimento da empresa que se torna diferenciada competitivamente no mercado. A pesquisa, ainda que em caráter exploratório e restrito a um caso, confirmou que os indicadores sugeridos para avaliar a hospitalidade comercial, são praticados pela empresa que obtém resultados satisfatórios em relação a seus funcionários. As limitações impostas pela opção metodológica escolhida para conduzir o estudo de caso e as interações de um dos autores junto aos profissionais envolvidos durante um determinado período apontam a necessidade de estudos adicionais para

13 obter dados adicionais e em amostras maiores para confirmar os resultados obtidos neste estudo de caso. Referências Bibliográficas ABREU, Vladimir Amâncio de. A máquina da hospitalidade. In: DENCKER, Ada de Freitas Maneti; BUENO, Marielys Siqueira (Orgs.). Hospitalidade: cenários e oportunidades. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, ALBRECHT, Karl. Service within: Solving the middle management leardership crisis. Homewood, Ill.: McGraw-Hill Companies, ALVES, Rubem. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. 8 ed. São Paulo: Edições Loyola, BEKIN, Saul Faingaus. Endomarketing: como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Prentice Hall, BOOG, Gustavo G.; BOOG, Magdalena T. (Coords.) Manual de treinamento e desenvolvimento: gestão e estratégias. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006 BRUM, Analisa de Medeiros. Endomarketing como estratégia de gestão: encante seu cliente interno. Porto Alegre: L&PM, BRUM, Analisa de Medeiros. Face a face com o endomarketing: o papel estratégico das lideranças no processo da informação. Porto Alegre: L&PM, BUENO, Marielys Siqueira. Festa dos santos reis: uma forma de hospitalidade. In: DENCKER, Ada de Freitas Maneti; BUENO, Marielys Siqueira (Orgs.). Hospitalidade: cenários e oportunidades. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CAMARGO, Luis Octávio de Lima. Hospitalidade. São Paulo: Aleph, 2004 DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Pesquisa em turismo: Planejamento, métodos e técnicas. São Paulo: Futura, DRUCKER, Peter Ferdinand. Administrando em tempos de grandes mudanças / Peter Ferdinand Drucker; tradução de Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006 GODBOUT, Jaques T. Recevoir, c est Donner. In: Communications, 65, L hospitalité. Paris: Seuil, 1997 GRONROOS, Christian. Marketing: gerenciamento e serviços. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003 LASHLEY, Conrad; MORRISON, Alison (orgs). Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri, SP: Manole, 2004.

14 MEYER, Danny. Hospitalidade e negócios: o rei da gastronomia de Nova York conta o segredo do sucesso; tradução de Samuel Dirceu. São Paulo: Novo Conceito Editora, 2007 POWERS, Tom. Administração no setor de hospitalidade: turismo, hotelaria, restaurante. São Paulo: Atlas, SWARBROOKE, John; HORNER, Susan. O comportamento do consumidor no turismo. São Paulo: Aleph, 2002 ZEITHAML, Valarie A. Marketing de serviços: a empresa como foco no cliente. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2003

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Tendências em Gestão de Pessoas

Tendências em Gestão de Pessoas Tendências em Gestão de Pessoas Iniciamos um novo ano, 2011. Dois meses já se passaram, e voltamos aos artigos sobre RH estratégico, Tendências de Recursos Humanos, Novos Rumos para a área de Recursos

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

A conquista do sucesso depende do bom atendimento!

A conquista do sucesso depende do bom atendimento! Um excelente atendimento faz toda a diferença numa empresa porque é um dos fatores fundamentais para se destacar em qualquer tipo de negocio. Por isto os profissionais de Atendimento e de Vendas precisam

Leia mais

LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006)

LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006) 11. AUTORES: LILIAN DA SILVA ALVES LÍVIA SANCHEZ PONTES DA FONSECA TÍTULO: LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO EMPRESARIAL (2006) Orientador : Silvio Montes Pereira Dias Co-orientadora : Sônia Maria de Barros

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo:

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: 05/07/1988 Marcelo Ponzoni Cristiane Lança Ponzoni São Paulo e Ribeirão Preto Sede Própria com 700m2 C O M U N I C

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

O ADVOGADO GESTOR. A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker

O ADVOGADO GESTOR. A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker O ADVOGADO GESTOR Ari Lima A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker A competitividade atualmente no setor jurídico tem exigido uma nova postura profissional dos advogados. Tanto para

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft HISTÓRIAREAL Rodrigo Pinto Microsoft Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada Com a enorme quantidade de informação, o funcionário perde o controle do que é prioritário para

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 874 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais