ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 1 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Resultados COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC Maio 2005

2 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA PROCEDIMENTO AMOSTRAL QUALIFICAÇÃO DO RESPONDENTE CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA O MODELO a. Qualidade Percebida b. Valor Percebido c. Satisfação Global d. Confiança no Fornecedor e. Fidelidade SOLUÇÃO E VALIDAÇÃO DO MODELO DE ANÁLISE O ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR (IASC) PROCEDIMENTO DE CÁLCULO OS RESULTADOS DO IASC BRASIL 2004 E AS REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS AS INFORMAÇÕES DA COELBA PLANILHAS DE ANÁLISE DA COELBA... 24

3 3 1. INTRODUÇÃO Este relatório tem por finalidade apresentar os resultados finais da pesquisa de avaliação da satisfação do consumidor residencial com a concessionária COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia no ano de Objetivos Avaliar a partir da percepção dos usuários o grau de satisfação com as concessionárias distribuidoras de energia elétrica; Gerar indicadores comparáveis por região e por porte de empresa; Gerar um indicador único da satisfação do consumidor que indique a percepção global no setor; Complementar as informações de natureza interna (DEC, FEC); Comparar os resultados de 2004 com os de 2003, 2002, 2001 e 2000, com a mesma metodologia.

4 Contribuições da Pesquisa ANEEL: Integrar o sistema de Gestão do Setor a cargo da ANEEL; Gerar indicadores específicos para o setor elétrico, que sejam gerais o suficiente para serem aplicados a todas as concessionárias; Possibilitar a comparação entre as concessionárias distribuidoras de energia elétrica agrupadas segundo determinados critérios; Permitir o desenho pelas concessionárias e o respectivo acompanhamento pela ANEEL de medidas visando à melhoria dos serviços; Fortalecer a participação do público consumidor na evolução dos serviços prestados; Subsidiar o cálculo do Fator Xc (qualidade), componente do Fator X à época dos reajustes tarifários das concessionárias; Subsidiar ações de regulação e fiscalização da ANEEL. Concessionárias: Avaliar os serviços ofertados a partir da percepção do seu consumidor; Aprimorar os serviços. Consumidor: Manifestar o grau de satisfação com os serviços prestados pelas concessionárias distribuidoras de energia elétrica. A opinião do consumidor se constitui na mais legítima forma de orientação para a melhoria dos serviços; Exercitar a cidadania.

5 5 2. PROCEDIMENTO AMOSTRAL O tamanho da amostra para cada concessionária, de acordo com o seu porte, está exposto a seguir: Mercado atendido pela concessionária N Entrevistas Até 30 mil consumidores residenciais. 200 Acima de 30 mil e até 400 mil consumidores 250 Acima de 400 mil e até 1 milhão de consumidores 320 Acima de 1 milhão de consumidores 450 Foram realizadas entrevistas na área de concessão das 64 concessionárias distribuidoras de energia elétrica. O processo de seleção da amostra e a pesquisa de campo foram executados pela empresa DATAMÉTRICA Consultoria, Pesquisa e Telemarketing Ltda, entre 06/12/2004 e 17/01/2005.

6 Qualificação do Respondente A exemplo das edições anteriores, para qualificação do respondente como uma unidade amostral representativa, algumas questões foram inseridas no início do questionário. Estas características são as seguintes: Morar no domicílio sorteado; Morar na cidade em questão por mais de seis meses; Ter ao menos primário incompleto sabe ler; Informar a renda média mensal da família; Ter o fornecimento normal de energia elétrica na residência; Não trabalhar em concessionária distribuidora de energia elétrica; O domicílio e a energia elétrica devem ser exclusivamente de uso residencial; Não fornecer energia elétrica para terceiros. Estas questões de filtro foram utilizadas para que o questionário capture a avaliação dos consumidores em condições normais de fornecimento, bem como daqueles que tenham habilidades mínimas necessárias para entender que informações estão sendo solicitadas.

7 Caracterização da Amostra As características gerais da amostra estão apresentadas nos gráficos a seguir: Distribuição dos Entrevistados

8 8

9 9 Seguindo o procedimento amostral descrito, o total de entrevistas por município está descrito a seguir. Concessionária Município Qtde Amélia Rodrigues (BA) 31 Anguera (BA) 30 Candeias (BA) 18 Cordeiros (BA) 24 Cotegipe (BA) 22 Fátima (BA) 30 Feira de Santana (BA) 26 COELBA Gavião (BA) 9 Itabuna (BA) 23 Jequié (BA) 34 Liv. de Nossa Senhora (BA) 25 Salvador (BA) 92 Santa Cruz Cabrália (BA) 24 Saubara (BA) 31 Senhor do Bonfim (BA) 33 Total 452

10 10 3. O MODELO O modelo utilizado para 2004 teve por base o dos anos anteriores, como forma de manter o histórico dos indicadores. Este esquema está descrito na figura a seguir. Confiança Geral Preocupação com o cliente Competência Informação Confiabilidade Confiança Troca/Preço Acesso a Empresa Qualidade Percebida Fidelidade Troca/Fornecimento Informação Satisfação Troca/Atendimento Preço/Benefícios Preço/Fornecimento Valor Satisfação Global Desconformidade Distância do Ideal Preço/Atendimento O modelo, portanto, é composto de 5 variáveis, avaliados no questionário por meio das seguintes escalas de mensuração.

11 11 a. Qualidade Percebida A Qualidade Percebida foi mensurada através de um grupo de 17 itens, gerados a partir da consulta qualitativa realizada em 2000, e consolidada em discussões com representantes da ANEEL, das Agências Estaduais de Regulação e das Empresas do Setor. Estes foram agrupados em 3 dimensões, resultantes de um procedimento de análise fatorial. São elas: Informações ao Cliente: Esclarecimento sobre seus Direitos e Deveres; Informação/ Orientação sobre Riscos Associados ao Uso da Energia; Detalhamento das Contas; Explicação sobre o Uso Adequado da Energia; Atendimento Igualitário a Todos os Consumidores; Segurança no Valor Cobrado. Acesso a Empresa: Facilidade para Entrar em Contato com a Empresa; Respostas Rápidas às Solicitações dos Clientes; Pontualidade na Prestação de Serviços; Cordialidade no Atendimento; Facilidade de Acesso aos Postos de Recebimento da Conta. Confiabilidade nos Serviços: Fornecimento de Energia Sem Interrupção; Fornecimento de Energia Sem Variação na Tensão; Avisos Antecipados sobre o Corte de Energia para Manutenção; Confiabilidade das Soluções Dadas; Rapidez na Volta da Energia Quando Há Interrupção; Avisos Antecipados sobre o Corte de Energia por Falta de Pagamento. A escala utilizada para mensurar a Qualidade Percebida é apresentada a seguir: Muito pior que o esperado Pior que o esperado Como o esperado/ Igual ao esperado Melhor que o esperado Muito melhor que o esperado 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Os indicadores de cada dimensão da Qualidade Percebida utilizados no modelo de análise foram obtidos por meio da média das respostas válidas dos itens componentes de cada fator, considerando cada unidade amostral.

12 12 b. Valor Percebido Esta variável foi inserida para avaliar a percepção do consumidor na dimensão econômica. A escala utilizada neste caso é apresentada a seguir: Muito Barato Nem barato Caro Muito caro barato nem caro 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Esta escala foi invertida para a análise. Os itens que compõe a escala são os seguintes: Pensando nas facilidades que a energia traz para sua vida, ou seja, pensando no conforto, na comodidade e na segurança que a energia elétrica pode trazer, você diria que o preço é... Pensando na qualidade do fornecimento de energia elétrica, como, por exemplo, não faltar nem variar luz, rapidez e pontualidade em reparos na rede, avisos antecipados, etc, você diria que o preço é... Pensando em todos os aspectos relativos ao atendimento ao consumidor, como por exemplo, cortesia e boa vontade do funcionário, a capacidade de solucionar problemas, etc., você diria que o preço é... c. Satisfação Global Esta variável foi mensurada através de 3 indicadores, com as escalas apresentadas a seguir: Satisfação Global Muito insatisfeito Insatisfeito Nem insatisfeito nem satisfeito Satisfeito Muito satisfeito 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Distância para a Empresa Ideal Muito longe do ideal Longe do ideal Nem longe nem perto Perto do ideal Muito perto do ideal 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR)

13 13 Desconformidade Global Muito pior que o esperado Pior que o esperado Como o esperado/ Igual ao esperado Melhor que o esperado Muito melhor que o esperado 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Estes indicadores foram selecionados de forma a mensurar a satisfação global em dimensões diferentes, e, pelo método de avaliação utilizado, pode-se considerar a variância comum aos 3 indicadores como o construto da satisfação. d. Confiança no Fornecedor Esta variável foi inserida no modelo como forma de avaliar a confiança que os consumidores possuem no seu fornecedor de energia elétrica. Esta foi avaliada com 4 indicadores: Discordo Totalmente Discordo Não Concordo nem Discordo Concordo Concordo Totalmente 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Os itens que compõe esta escala são os seguintes: A é muito confiável A é bastante competente no fornecimento de seus serviços aos clientes Estou certo de que a se preocupa com meus interesses Tenho confiança na veracidade das informações que recebo da

14 14 e. Fidelidade A mensuração foi realizada através de uma escala de intenção de troca de 10 pontos, e apresentada a seguir: Com certeza não trocaria Não Trocaria Não sabe se trocaria ou não Trocaria Com certeza trocaria 11. Não sabe avaliar (NS) 12. Não respondeu (NR) Esta escala foi invertida para a análise. Os itens que compõe esta escala são os seguintes: Supondo que o preço de outra empresa seja melhor. Utilizando esta mesma escala, qual é a chance de você trocar de empresa fornecedora de energia elétrica? Supondo, que a qualidade do fornecimento de energia seja melhor em outra empresa e, utilizando esta mesma escala, qual é a chance de você trocar de empresa fornecedora de energia elétrica? Supondo, que o atendimento ao consumidor seja melhor em outra empresa, e utilizando esta mesma escala, qual é a chance de você trocar de empresa fornecedora de energia elétrica?

15 Solução e Validação do Modelo de Análise Para solucionar o modelo foi utilizado o método PLS (Partial Least Squares Mínimos Quadrados Parciais). Este foi selecionado por: Introduzir a noção de variável latente ou não observável diretamente; Permitir especificar a natureza das relações entre as variáveis latentes e seus indicadores; Permitir tratar diversas variáveis explicativas e a explicar num mesmo modelo; Permitir tratar de problemas de assimetria nas variáveis; Possibilitar o cálculo de escores das variáveis latentes; Levar em consideração os erros das mensurações. Para confirmação da validade deste modelo, foram utilizados os seguintes procedimentos: Para cada empresa, calculou-se a Variância Extraída (1) em cada variável, que resultou em valores entre 0,54 e 0,99, e outro indicador de confiabilidade (2), não sujeito ao tamanho da amostra, que variou entre 0,78 e 1,00. Os valores obtidos podem ser considerados bons para o projeto. Ainda com os resultados de cada concessionária, os indicadores dos modelos mostraram-se consistentes. O RMS (Roat Mean Square), que mede o erro total do modelo assumiu valores entre 0,024 e 0,0769 (3). O Coeficiente de Comunalidade esteve entre 0,659 e 0,875 (4), e o Coeficiente Bentler-Bonnet, que mede o ajustamento global do modelo ficou entre 0,731 e 0,909 (5). Os erros do indicador do IASC variaram entre 1,58 e 4,08. Estes resultados mostram a consistência do indicador calculado, mesmo com amostras com tamanhos diferentes dependendo do porte das concessionárias. (1) A Variância Extraída é um indicador do poder de explicação dos indicadores sobre o construto, ou seja, o quanto da variância total de cada indicador está sendo utilizada para compor a avaliação do construto. Para que a medida seja calculada com um nível de erro satisfatório, estes valores devem ser superiores a 0,50. É calculada por: VE = 2 p i 2 pi + (2) A confiabilidade proposta aqui, complementarmente ao Coeficiente Alfa de Cronbach, é calculada também sobre a variância de cada indicador não utilizada para explicar o escore do construto correspondente (valores devem estar acima de 0,80), através da equação: 2 ( pi ) Conf = 2 ( pi ) + errosi (3) Estes valores devem estar próximos de zero. (4) Estes valores devem ser superiores a 0,50 ou 50%. (5) Estes valores devem estar próximos a 1. erros i

16 16 4. O ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR (IASC) 4.1. Procedimento de Cálculo Para geração dos índices de satisfação por concessionária, utilizaram-se as médias obtidas para cada uma das empresas nos indicadores de Satisfação Global, Desconformidade Global, e Distância para uma Empresa Ideal, ponderadas pelos pesos das mesmas, calculados no modelo PLS. Ainda, para este cálculo, deve-se considerar a amplitude da escala, isto é, numa avaliação péssima, os escores mínimos alcançados correspondem ao ponto 1 nas três escalas, ponderados pelos pesos de cada indicador na variável latente. Da mesma forma, o escore máximo possível de ser alcançado é o ponto 10 em cada escala, ponderado pelo peso correspondente na relação com a variável latente. Para o cálculo do Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC) para cada empresa, então, deve-se considerar a posição relativa da empresa com referência à posição máxima possível de ser alcançada pela mesma. Representando matematicamente: IASC = pi xi - pi Min ( xi) x100 pi Max ( xi) - pi Min ( xi) Onde: pi = peso calculado pelo modelo estrutural da empresa para o indicador i Xi = média do indicador i para a empresa em questão Max (.) = valor máximo da escala do indicador i Min (.) = valor mínimo da escala do indicador i Como exemplo hipotético, pode-se considerar o cálculo do IASC, sendo: p satglob =,81, p descglob =,82, p distideal =,81; X satglob =6,99, X descglob =8,89, X distideal =6,79; Valor mínimo da Escala = 1; Valor máximo da Escala = 10. (,81. 6,99 +,82. 8,89 +,81. 6,79) - (, , ,81. 1) IASC = (, , ,81. 10) - (, , ,81. 1) x 100 ou IASC = 72,91%

17 17 Considerando-se também que cada indicador tem associado a ele uma variância, pode-se calcular a variância do escore global, avaliado a partir da combinação linear dos 3 indicadores de cada construto. Portanto, pode-se calcular o erro de mensuração de cada um deles, tendo em vista uma confiabilidade de 95% e uma amostra de 300 observações por concessionária. Assim, tem-se: e = 2 z n s 2 e Onde agora s e é a variância estimada a partir do cálculo acima descrito, n o tamanho da amostra e z o valor correspondente a margem de confiança de 95%. Ou seja, no mesmo exemplo, considerando que a variância 6 do escore de Satisfação calculado de 167,75 (% 2 ) e uma amostra de 450 unidades, teremos: e = 2 1, ,75 e = 1,1967 % Ou, em um escore IASC de 72,91 %, o erro percentual em relação a ele é de 1,64%. O cálculo dos outros indicadores do modelo, Qualidade Percebida, Valor Percebido, Fidelidade e Confiança segue o mesmo procedimento. Os indicadores específicos da Qualidade Percebida também obedecem ao mesmo procedimento, diferenciando-se somente por serem calculados sobre apenas um item. 6 O cálculo da variância do IASC de cada empresa foi feito considerando que este escore é uma combinação linear de 3 indicadores, que, por sua vez, são caracterizados através da média e de sua variância.

18 Os Resultados do IASC BRASIL 2004 e as Referências Internacionais O IASC Brasil 2004 e o de cada grupo de concessionárias foi obtido ponderando-se os indicadores de cada concessionária pelo seu número de consumidores. Este procedimento foi adotado para se ter uma avaliação da realidade brasileira, considerando o porte de cada concessionária. No gráfico a seguir são apresentados os resultados do IASC 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004, o resultado do ACSI - American Consumer Satisfaction Index de 2004 para as energy utilities e o HKCSI - Hong Kong Consumer Satisfaction Index de 2004 para empresas de energia elétrica de Hong Kong. Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC) e os Benchmarks Internacionais Péssimo Ruim Regular Bom Excelente * (2004) **http://fbweb.cityu.edu.hk/ms/hkcsi/ (2004)

19 As informações da COELBA Nas páginas seguintes, são mostradas as informações específicas da empresa COELBA. Os indicadores de Satisfação e Desconformidade (Qualidade Percebida) obtidos em 2004 foram comparados com os resultados dos quatro anos anteriores, o indicador médio das empresas de Distribuição de Energia de sua categoria, a média das empresas no Brasil e o Benchmark Brasil Indicador da Satisfação , ,80 57,38 64,82 63,73 59,96 57,33 58,88 % COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA 2004 Região NE Brasil 2004 Benchmark 2004 Indicador da Desconformidade (Qualidade Percebida) , ,68 57,90 64,33 65,60 61,91 60,43 61,61 % COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA 2004 Região NE Brasil 2004 Benchmark 2004

20 20 A seguir, são apresentados os indicadores da Desconformidade (Qualidade Percebida) para esta empresa, abertos em cada uma das dimensões da variável. Indicadores da Desconformidade (Qualidade Percebida) Confiabilidade nos Serviços 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 58,20% 56,16% 64,67% 65,28% 61,30% 61,02% 60,78% 68,89% 70,13% 63,72% 56,76% 55,78% 61,74% 63,68% 60,32% 64,21% 57,00% 71,64% 70,14% 62,01% 61,73% 52,78% 62,90% 63,90% 60,55% 57,08% 56,22% 64,32% 67,73% 61,53% 49,80% 53,33% 59,33% 56,93% 58,60% COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA % 20% 10% 0% Escore Confiabilidade nos Serviços Fornecimento de Energia Sem Interrupção Fornecimento de Energia Sem Variação na Tensão Avisos Antecipados sobre o Corte de Energia - Atraso no Pagamento da Conta Confiabilidade das Soluções Dadas Rapidez na Volta da Energia Quando Há Interrupção Avisos Antecipados sobre o Corte de Energia - Necessidade de Reparos na Rede Indicadores da Desconformidade (Qualidade Percebida) Acesso a Empresa 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 66,28% 60,94% 64,33% 68,56% 63,65% 60,09% 56,11% 63,99% 65,78% 60,21% 66,97% 58,67% 68,08% 66,00% 61,62% 67,49% 61,89% 72,12% 73,55% 62,48% 74,24% 70,56% 67,94% 73,53% 70,94% 57,81% 53,22% 61,67% 63,42% 59,51% COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA % 20% 10% 0% Escore Acesso à Empresa Pontualidade na Prestação de Serviços Facilidade para Entrar em Contato com a Empresa Cordialidade no Atendimento Facilidade de Acesso aos Postos de Recebimento da Conta Respostas Rápidas às Solicitações dos Clientes

21 21 Indicadores da Desconformidade (Qualidade Percebida) Informação ao Cliente 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 57,53% 56,60% 64,00% 62,94% 60,76% 59,91% 57,89% 67,46% 63,79% 60,52% 55,59% 54,78% 60,74% 57,16% 57,90% 64,99% 55,33% 60,76% 66,06% 64,19% 52,92% 55,00% 61,47% 62,00% 60,11% 48,92% 55,78% 63,78% 62,53% 57,82% 64,99% 61,56% 70,42% 67,88% 63,98% COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA % 20% 10% 0% Escore Informação ao Cliente Explicação sobre o Uso Adequado da Energia Segurança no Valor Cobrado Atendimento Igualitário a Todos os Consumidores Informação/ Orientação sobre Riscos Associados ao Uso da Energia Esclarecimento sobre seus Direitos e Deveres Detalhamento das Contas

22 22 A Confiança Percebida permite obter um aspecto mais amplo relacionado à companhia, determinando o nível de confiança dos clientes em relação à empresa. O resultado de 2004 é comparado com: os números dos anos anteriores, o indicador médio das empresas de Distribuição de Energia de sua categoria, a média das empresas no Brasil, e o Benchmark Brasil Indicador da Confiança Percebida , ,74 63,34 65,63 59,37 58,33 60,55 % COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA 2004 Região NE Brasil 2004 Benchmark 2004

23 23 Por fim, são apresentados os resultados do Valor Percebido e da Fidelidade em relação à empresa em 2004, comparados com os resultados dos quatro anos anteriores, a média das empresas da mesma categoria e a média das empresas no Brasil. Também é apresentado o Benchmark 2004 do indicador no Brasil. 100 Indicador do Valor Percebido % ,63 45,71 46,99 43,97 43,21 40,93 35,40 46, COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA 2004 Região NE Brasil 2004 Benchmark 2004 Indicador da Fidelidade ,71 % ,24 34,96 32,33 35,20 36,83 33,13 36, COELBA 2000 COELBA 2001 COELBA 2002 COELBA 2003 COELBA 2004 Região NE Brasil 2004 Benchmark 2004

24 Planilhas de Análise da COELBA Com objetivo de avaliar individualmente as companhias e acompanhar a evolução de seus indicadores, foram criadas planilhas que contém os resultados obtidos em todos os quesitos do modelo. Na primeira coluna, estão enumerados os diversos indicadores do modelo. O primeiro bloco refere-se às dimensões da desconformidade. São elas: Confiabilidade nos serviços; Acesso a Empresa; Comunicação com o Cliente. O segundo bloco refere-se aos indicadores do Valor Percebido nos serviços de eletricidade, ou seja, avaliou-se: Preço em relação aos benefícios recebidos; Preço em relação ao nível de fornecimento recebido; Preço em relação ao atendimento recebido. O terceiro bloco refere-se aos indicadores da Satisfação. São eles: Satisfação Global; Desconformidade Global; Distância em relação à empresa ideal. O quarto bloco refere-se aos indicadores da Confiança na Empresa, que são: Confiança Geral; Preocupação da empresa com seus clientes; Competência; Informar corretamente. O quinto bloco refere-se aos indicadores da Fidelidade, ou seja, se o cliente trocaria de empresa se lhe fosse ofertado um serviço com: Melhor preço; Melhor nível fornecimento de energia; Melhor atendimento. A segunda coluna (Peso PLS) corresponde ao peso calculado pelo modelo PLS para cada indicador. Este varia de zero a um (0-1). Quanto maior o peso, maior a influência do indicador sobre o construto. A terceira coluna (Média (X)) indica a média (de 1 a 10) que a empresa obteve na avaliação de cada indicador. Esta média foi calculada considerando-se as respostas válidas emitidas pelos entrevistados na amostra. A quarta coluna (DesPad (X)) corresponde ao desvio padrão de cada item. Esta medida indica o grau de variabilidade de cada indicador obtido na amostra.

25 25 As próximas colunas (Escore (%)) indicam os escores calculados no modelo. O primeiro foi obtido pela empresa em 2000, o segundo em 2001, o terceiro em 2002, o quarto em 2003 e o quinto em O sexto escore é a média ponderada das empresas da categoria à qual pertence a companhia. O sétimo (BRASIL 2004) é o escore ponderado de todas as empresas no Brasil e o oitavo (BENCHMARK 2004) corresponde ao Benchmark do setor (empresa com melhor desempenho no item). Estes indicadores variam de 0 a 100 pontos. Como critério de interpretação, considere-se a seguinte referência: 0 a 20 pontos - desempenho péssimo; 21 a 40 pontos - desempenho ruim; 41 a 60 pontos - desempenho regular; 61 a 80 pontos - desempenho bom; 81 a 100 pontos - desempenho excelente. A nona coluna (Erro IASC) indica o erro absoluto de mensuração obtido na amostra para o escore de Satisfação do Consumidor. O cálculo dos escores e dos erros está descrito no item 4.1 do presente relatório.

26 26

27 27 A tabela a seguir refere-se ao desdobramento dos itens de avaliação da Desconformidade (Qualidade Percebida), nas dimensões indicadas neste projeto. Cada item enumera o escore obtido pela empresa nos quatro anos anteriores e em 2004, o correspondente ao item obtido junto às empresas da mesma categoria, o escore ANEEL (BRASIL 2004) e aquele obtido pelo Benchmark do setor (BENCHMARK 2004). As informações foram apresentadas desta forma para tornar possível a comparação do escore de cada empresa com os das empresas da mesma categoria e com o total do setor no Brasil.

28 28 Por fim, o relatório também demonstra os parâmetros calculados em uma figura explicativa, com os valores explicitados em cada uma das relações. COELBA Confiança Geral 59,11% Preocupação com o cliente 57,61% Competência 61,73% Informação 59,10%,87,93,89,92 Confiabilidade 61,30% Acesso a Empresa 63,65% Informação 60,76% Preço/Benefícios 44,91%,94,92,94 Qualidade Percebida 61,91%,37,22,10,68 Confiança 59,37%,44 Satisfação 59,96% R 2 = 38%,28 Fidelidade 36,83%,16 R 2 = 16%,87,96,92 Troca/Preço 34,83% Troca/Fornecimento 37,00% Troca/Atendimento 38,54% Preço/Fornecimento 42,39%,98,97,96 Valor 43,21%,81 Satisfação Global 61,92%,89,83 Desconformidade 59,64% Distância do Ideal 58,41% Preço/Atendimento 42,37% R 2 = 14% R 2 = 52%

29 29 Os coeficientes ao lado das flechas que ligam as variáveis principais do modelo representam o impacto marginal das antecedentes (de onde as setas saem) sobre as focais (onde as flechas chegam). Assim, por exemplo, pelos dados da figura acima, para cada 1 ponto de acréscimo na Qualidade Percebida (Desconformidade), existe uma tendência de 0,68 pontos de acréscimo na Satisfação, ao passo que o crescimento de 1 ponto no Valor Percebido gera um pequeno impacto de 0,10 pontos sobre a Satisfação. Seguindo esta linha de raciocínio, pode-se avaliar onde os impactos são mais fortes pelo modelo citado. Percebe-se então que a maior influência sobre a Satisfação vem da Qualidade Percebida (0,68). Da mesma forma, a Satisfação tem grande impacto na Confiança (0,44), seguida da Qualidade Percebida (0,22). Desta forma, os investimentos em Qualidade revelam-se como prioritários para a melhoria do IASC (Satisfação) e conseqüentemente da Confiança na distribuidora. Quando avaliados os resultados destas sobre a Fidelidade, percebe-se que a Confiança influi mais (0,28) do que a Satisfação (0,16). O poder de explicação dos antecedentes da Satisfação e da Confiança é relativamente alto (R 2 = 52% e 38%), o que mostra consistência no modelo. Este índice representa quanto uma variação na variável focal é explicada pelos seus antecedentes. Já para a Fidelidade e o Valor Percebido este resultado foi relativamente baixo, indicando a existência nestas variáveis de outros fatores influentes que não são considerados pelo modelo. Isto se deve em parte ao próprio sistema monopolista, que não oferece opção de fornecimento ao consumidor, e, portanto, reflete um baixo índice de fidelidade.

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Amazonas Distribuidora de Energia S/A ELETROBRAS AMAZONAS ENERGIA Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Eletrobras Distribuição Alagoas Companhia Energética de Alagoas Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. Brasília DF 13 de dezembro de 2010

Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. Brasília DF 13 de dezembro de 2010 Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC Brasília DF 13 de dezembro de 2010 Objetivo Avaliar, a partir da percepção do consumidor, o grau de satisfação

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR BOA VISTA Energia S/A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RORAIMA Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC Dezembro

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

Panorama Geral da Qualidade do Serviço de Energia Elétrica no Brasil

Panorama Geral da Qualidade do Serviço de Energia Elétrica no Brasil V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP Panorama Geral da Qualidade do Serviço de Energia Elétrica no Brasil Armando Silva Filho ANEEL Lisboa 31/05/2012 de Energia Elétrica Produto QUALIDADE NA ENERGIA ELÉTRICA Qualidade

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 9: Intervalo de Confiança. 1. Um pesquisador está estudando a resistência de um determinado

Leia mais

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil 2ª Pesquisa de opinião pública sobre Energia Elétrica Brasil Outubro/ 2015 Pesquisa de opinião pública sobre Energia elétrica Brasil Junho de 2014 IBOPE Metodologia Pesquisa quantitativa com aplicação

Leia mais

Teorema Central do Limite e Intervalo de Confiança

Teorema Central do Limite e Intervalo de Confiança Probabilidade e Estatística Teorema Central do Limite e Intervalo de Confiança Teorema Central do Limite Teorema Central do Limite Um variável aleatória pode ter uma distribuição qualquer (normal, uniforme,...),

Leia mais

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 2013 Dplan/Dgcor OBJETIVO Avaliar a percepção dos compradores com os fornecedores que possuem certificação ISO

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes Pesquisa de e Imagem Alunos Ifes INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Vitória, Fevereiro de 2014. 1. APRESENTAÇÃO O presente documento corresponde ao produto 03 que trata da Pesquisa com Alunos sobre e

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF GOIÂNIA - GO JULHO/2014 SUMÁRIO Série histórica do ICF... 3 Resultado do ICF... 4 Situação do emprego... 5 Perspectiva profissional... 6 Situação de renda... 7 Acesso

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

1 Introdução. 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil

1 Introdução. 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil 1 Introdução 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil Ao longo dos anos, passando por processos de privatizações e estatizações, o setor de energia elétrica no Brasil cresceu de forma a comportar o crescimento

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor Percepção dos compradores em relação - 2012 - Dplad/Dgcor OBJETIVO Conhecer a percepção das pessoas que atuam na área de compra de uma empresa quanto ao desempenho de seus fornecedores. TIPO DE PESQUISA

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE COLETIVO DE ESTEIO

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE COLETIVO DE ESTEIO SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE COLETIVO DE ESTEIO RELATÓRIO DE PESQUISA Equipe: Prof. Guilherme Trez Prof. Marcelo Jacques Fonseca Silvia Kihara Porto Alegre, junho de 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Tema DoE Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Introdução O DoE Design of Experiments é uma ferramenta

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil 2ª Pesquisa de opinião pública sobre Energia Elétrica Brasil Julho de 2015 Pesquisa de opinião pública sobre Energia elétrica Brasil Junho de 2014 IBOPE Metodologia Pesquisa quantitativa com aplicação

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Melhor Horário para Atendimento J C Damas joao.damas@aes.com E A T Adelino elizabeth.adelino@aes.com W Bernardi william.bernardi@aes.com Eletropaulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC Índice de Confiança do Empresário do Comércio Catarinense de março de 2013 Expectativa do empresário do comércio apresenta alta em março e segue indicando

Leia mais

4º TRIMESTRE / 2012 15

4º TRIMESTRE / 2012 15 4º TRIMESTRE / 2012 15 relatórioicjbrasil 4º TRIMESTRE / 2012 3ª ONDA - ANO 4 SumárIo Apresentação 03 O ICJBrasil 03 Aspectos Conceituais e Metodológicos 05 Características Gerais da Pesquisa 06 Amostra

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS INTERMUNICIPAL NO ESTADO DE GOIÁS Meirielle França Amaral 1 Kalinka Martins da Silva 2 RESUMO O presente trabalho analisa a atuação das empresas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING Sumaia Abdei Latif Aluna Especial do PPGA/FEA/USP INTRODUÇÃO A teoria diz que determinadas técnicas de análise de

Leia mais

Teorema do Limite Central e Intervalo de Confiança

Teorema do Limite Central e Intervalo de Confiança Probabilidade e Estatística Teorema do Limite Central e Intervalo de Confiança Teorema do Limite Central Teorema do Limite Central Um variável aleatória pode ter uma distribuição qualquer (normal, uniforme,...),

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Período de pesquisa: 03/11/2004 a 30/12/2004 Abril 2005 1/13 Índice Página 1.0 INTRODUÇÃO...03 2.0 Análise das respostas de múltipla escolha...04 3.0

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICEC Índice de Confiança do Empresário do Comércio Catarinense de julho de 2013 Piora da situação econômica e protestos pelo Brasil deterioram otimismo

Leia mais

RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS

RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS 1. Resultados consolidados para todas as categorias associadas ao Sindivarejista 2. Resultados

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião Sumário Executivo Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião dos Brasileiros Vox Populi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Olá, amigos! AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Ainda não é chegada nossa aula derradeira! Sei que muitos estão chateados e com toda a razão do mundo pelo atraso destas últimas aulas. Noutra ocasião

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

Qualidade da Internet Banda Larga

Qualidade da Internet Banda Larga Qualidade da Internet Banda Larga Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social DataSenado Novembro de 2014 www.senado.leg.br/datasenado 1 Um terço dos entrevistados já ouviu falar do Programa

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU)

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Alan Rodrigues da Silva Iuri Frederico de Oliveira Santos

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março. Síntese dos resultados

Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março. Síntese dos resultados Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março Após a queda verificada em fevereiro, ocasionada por motivos sazonais, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) catarinense

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Estudo realizado pela Toledo & Associados com exclusividade para. São Paulo Janeiro de de 2010

Estudo realizado pela Toledo & Associados com exclusividade para. São Paulo Janeiro de de 2010 Estudo realizado pela Toledo & Associados com exclusividade para São Paulo Janeiro de de 2010 Back Ground A Pesquisa de Imagem dos Transportes na Região Metropolitana de São Paulo vem sendo realizada anualmente,

Leia mais

Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA

Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. Classifique as variáveis abaixo: (a) Tempo para fazer um teste. (b) Número de alunos aprovados por turma. (c) Nível sócio-econômico (d) QI (Quociente de inteligência).

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PESQUISA DE SATISFAÇÃO Departamento de Tecnologia da Informação do Grupo Bertin Out 2011 A Pesquisa de Satisfação é uma das mais importantes ferramentas de Gestão Empresarial. O objetivo desta Pesquisa

Leia mais

Í NDÍCE DE CONFÍANÇA DO EMPRESA RÍO DO COME RCÍO (ÍCEC)

Í NDÍCE DE CONFÍANÇA DO EMPRESA RÍO DO COME RCÍO (ÍCEC) Í NDÍCE DE CONFÍANÇA DO EMPRESA RÍO DO COME RCÍO (ÍCEC) PORTO ALEGRE - RS JULHO/2015 SUMÁRIO Histórico do ICEC... 3 Tabela 1 - Evolução mensal dos resultados... 3 Tabela 2 - Síntese dos Resultados... 4

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Sharlene Neuma Henrique da Silva 1 Isys Pryscilla de Albuquerque Lima 2 Moacyr Cunha Filho 2 Maria Cristina Falcão Raposo 3 1

Leia mais

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Qualificar o serviço de transporte coletivo por ônibus para manter e atrair novos usuários ao sistema e tornar

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Relacionando o negócio com o mercado

Relacionando o negócio com o mercado NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Relacionando o negócio com o mercado Manual Etapa 5/Parte 3 Boas-vindas e boas vendas! Olá, caro empreendedor! Neste mês vamos dar continuidade à

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NAVEGANTES 2009 2010 TERMO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA SÃO TECNICAMENTE RESPONSÁVEIS PELOS RESULTADOS APRESENTADOS NESTE RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011 Sistema de Gestão da Qualidade SUMÁRIO 1. - Introdução.... 3 2. - Metodologia.... 3 2.1 - Amostragem e coleta

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

Consumo de produtos de beleza

Consumo de produtos de beleza Consumo de produtos de beleza Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015 Avaliação de Planos de Saúde Maio de 2015 Índice OBJETIVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O Mercado de plano de saúde Perfil do beneficiário vs Não beneficiário Beneficiários Satisfação, Recomendação, Continuidade

Leia mais

relatório M&V Geladeiras

relatório M&V Geladeiras relatório M&V Geladeiras 03 Expediente Produção: Instituto Bioterra Revisão: Maria Elisa Rodrigues Moreira Arte e Diagramação: Designlândia Impressão: Aster Graf Este produto integra o Ciclo 2011 do Programa

Leia mais

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Os relatórios por tribunal apresentam as principais informações disponíveis no Censo do Poder Judiciário. Cada relatório

Leia mais

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura DELIVERY Revieni Chisté Zanotelli O serviço de entrega de produtos (delivery) foi criado para proporcionar comodidade às pessoas e, também, para aqueles que estão sem tempo de ir até ao estabelecimento

Leia mais

PRIMEIRA PESQUISA NACIONAL DA REDE SOCIAL CONTÁBIL SOFTWARE PARA EMPRESAS CONTÁBEIS (RESUMIDA LIVRE DISTRIBUIÇÃO)

PRIMEIRA PESQUISA NACIONAL DA REDE SOCIAL CONTÁBIL SOFTWARE PARA EMPRESAS CONTÁBEIS (RESUMIDA LIVRE DISTRIBUIÇÃO) PRIMEIRA PESQUISA NACIONAL DA REDE SOCIAL CONTÁBIL SOFTWARE PARA EMPRESAS CONTÁBEIS (RESUMIDA LIVRE DISTRIBUIÇÃO) PARA ADQUIRIR A VERSÃO COMPLETA COM MARKET SHARE DO SETOR E DEMAIS COMENTÁRIOS ENVIE UM

Leia mais

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade 5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade Neste capítulo, as metodologias abordadas nos capítulos 3 e 4 serão adaptadas e aplicadas ao contexto descrito no capítulo 1 (mensurar as variáveis que compõem

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Junho 3 Página de Introdução Entre os dias e 3 de Maio de 3, foi aplicado o Questionário de Avaliação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIAS PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO CONTROLE EXTERNO PROMOEX PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PESQUISA QUANTITATIVA NOVEMBRO / DEZEMBRO / 2010

Leia mais

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados (Modelo de) Relatório: 1-Introdução (Nessa seção faz-se uma apresentação/contextualização do problema e descreve-se como está organizado o relatório) Ex: Neste trabalho temos o objetivo de traçar o perfil

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICF

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICF Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina ICF Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias de junho de 2013 Famílias catarinenses permanecem otimistas com relação às possibilidades de consumo A

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014

ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014 ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014 Relatório Sinop janeiro/2014 C I S E - U N E M A T Página 1 O ICE ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL O ICE Índice de Confiança Empresarial busca mapear a percepção

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de Operações: Rafael

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais