CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade"

Transcrição

1 CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010 Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2010

2 Apresentamos a seguir as nossas respostas às questões encaminhadas através da CP- 008, aproveitando para agradecer à ANEEL a oportunidade de contribuir no processo de definição da metodologia de estabelecimento dos limites de indicadores de continuidade. 1. Há necessidade de se estudar mais atributos? Para sucesso da metodologia apresentada, é fundamental que os atributos garantam que os diversos agrupamentos (clusters) sejam constituídos por conjuntos semelhantes. Apesar de reconhecer o esforço da ANEEL no sentido de ampliar os atributos dos conjuntos de consumidores, entendemos que existe a necessidade de incorporar aos atributos quantitativos atualmente utilizados atributos qualitativos, que influenciam na qualidade do serviço de distribuição de energia elétrica. Nesse sentido, sugerimos a inclusão dos seguintes atributos: grau de arborização, condições atmosféricas, intensidade de surtos atmosféricos, maresia, condições de acesso. Desta forma, buscamos aumentar a probabilidade de que os conjuntos agrupados sejam semelhantes, sendo a comparação de seu desempenho mais aderente à sua realidade. Em outras palavras, os que estão classificados em condições semelhantes deverão se comportar através de seus resultados de forma semelhante. Por isso, definir ou estabelecer atributos qualitativos adicionalmente aos quantitativos já existentes no modelo de clusterização, sem dúvida, agregará valor ao processo de comparação de desempenho. 2. É necessário aprimorar o método utilizado para a seleção dos atributos? Com a possibilidade de utilização de novos atributos qualitativos, será necessário o estabelecimento de novas formas de coleta desses dados, exigindo um aprimoramento para seleção dos mesmos, bem como para fiscalização por parte da ANEEL da veracidade das informações apresentadas pelas distribuidoras. 3. Das variáveis analisadas, existem variáveis que deveriam ter sido selecionadas ou excluídas? Entendemos que todas as variáveis apresentadas que descrevam alguma característica comparável dos conjuntos e que sejam independentes devem ser selecionadas para o processo de clusterização. 4. Há necessidade de se avaliar outros métodos de clusterização? O estabelecimento de novos atributos qualitativos enseja a oportunidade de avaliação de outros métodos de clusterização em busca daquele mais adequado. 5. A quantidade de clusters selecionada é adequada? Se não, qual deveria ser o critério? A quantidade de clusters a ser utilizada deve surgir naturalmente a partir da definição da metodologia e dos atributos. Consulta Pública 011/2010 2

3 6. A padronização das variáveis deve ser aplicada no universo de todos os conjuntos, ou em cada pré-cluster existente? Entendemos que tal resposta deve surgir naturalmente a partir da definição da metodologia a ser utilizada e dos atributos que estão aptos para uma apropriação nos estudos. Caso a metodologia final escolhida seja sensível às variações de escala/magnitude entre os atributos, a padronização deve ser aplicada verificando a oportunidade em que ela é mais satisfatória, podendo não haver necessidade da préclusterização. 7. Deve ser realizada a exclusão dos outliers previamente à clusterização? Dentro de uma modelagem estatística, quando do cálculo da média dos valores observados, a exclusão de outliers pode ser recomendável. Entretanto, é preciso garantir que os procedimentos anteriores à exclusão garantam a obtenção de uma amostra adequada com atributos bem definidos. É pouco provável que uma determinada distribuidora apresente percentual muito elevado de conjuntos excluídos como outliers. Caso isso aconteça, é provável que os atributos utilizados não estejam refletindo as reais dificuldades para o fornecimento de energia elétrica nos conjuntos excluídos. Finalmente, cabe lembrar que quando se utiliza a mediana dos valores observados, a exclusão de outliers não deve ser aplicada. 8. Há necessidade de se avaliar outros métodos de clusterização? Os métodos apresentados são consistentes, não havendo necessidade de nova metodologia, contudo ressaltamos que tais métodos carecem de entradas (atributos) adequadas para que o produto seja consistente. 9. Qual estratégia é a mais indicada para a definição dos limites de continuidade? A metodologia que vem sendo utilizada pela ANEEL, desde 1999, baseia-se em três pilares interdependentes, a saber: a) formação de conjuntos e clusters; b) definição de metas e de limites toleráveis de desempenho (LTD) e c) sistema de compensações por violação dos limites toleráveis de desempenho. Para o sucesso da aplicação dessa metodologia é fundamental que os seus três pilares interdependentes estejam adequadamente harmonizados entre si. Reconhecemos que os procedimentos implantados pela ANEEL em 1999 cumpriram um importante papel na melhoria da continuidade do fornecimento no país, mas também é notório que, atualmente, todos os três pilares dessa metodologia precisam sofrer ajustes em seus procedimentos, de modo a garantir, com equilíbrio, o incentivo à melhoria da qualidade. Quanto à estratégia mais indicada para a definição dos limites de continuidade, entendemos que o benchmark não é a melhor alternativa disponível e não estamos no estágio ideal para utilização do DEA. No contexto do processo de comparação de desempenho entre distribuidoras para a qualidade dos serviços, o setor elétrico Consulta Pública 011/2010 3

4 brasileiro não está, ainda, maduro o suficiente para utilizar metodologia com a complexidade matemática e exigências de adequação dos inputs como o DEA. Embora tenha uma aplicação crescente em regulação, é preciso inicialmente conferir a todo o processo regulatório uma garantia de estabilidade e exatidão dos atributos que serão utilizados, aspecto que muito pode influir nos resultados obtidos com o DEA: a) a opção por uma metodologia não paramétrica do tipo DEA impossibilita a avaliação adequada das variáveis utilizadas, assim como dos ajustes dos modelos, sendo impossível inferir de forma adequada sobre a consistência do modelo proposto; b) a condição de homogeneidade dos grupos, necessária a utilização do modelo DEA, não foi garantida nos processo de clusterização anteriores; c) na estimação do DEA foram utilizadas apenas duas variáveis o que limita a definição dos parâmetros de eficiência e d) não foram utilizadas variáveis de custo de operação, limitando a análise a uma analise de eficiência técnica e não econômica. Portanto, a utilização do percentil continua se mostrando a alternativa mais adequada, embora tenha sido possível avaliar que cada cluster montado possui uma dada distribuição dos conjuntos em relação às metas de DEC e FEC encontradas. Essa observação nos leva a considerar a necessidade de utilização de um decil variável, e não de um valor único, dependendo da distribuição dos conjuntos dentro do cluster. Tal providência permitiria o aproveitamento de um conceito de área de eficiência, variável para cada cluster dependendo da distribuição dos conjuntos. Dessa forma, o decil para uma dada família poderia ser o 2º, mas para outra o indicado já seria o 1º e ainda para outra o 4º, dependendo da distribuição dos indicadores de DEC e FEC dos conjuntos dentro do cluster. Outro aspecto importante a ser considerado na discussão, em fase com o conceito de área de eficiência, é a necessidade de avaliação do vetor econômico da modelagem, ou seja, a compatibilização dos limites fixados frente à quantidade de recursos correspondentes (CAPEX e OPEX), para que o conjunto efetivamente tenha condições de avançar na qualidade dos serviços. Nesse ínterim, algumas perguntas se apresentam: a) estágio tecnológico: é tecnicamente possível atingir as metas? Sabe-se que o sistema elétrico brasileiro, em sua grande parte, é aéreo e sujeito às condições do meio em que o serviço é disponibilizado; b) investimentos necessários: o indicador é economicamente alcançável? Quanto custará ao consumidor ter este indicador de qualidade? Existe disponibilidade de recursos? c) eficiência e factibilidade: o indicador é eficiente? A quantidade de recursos alocada em um dado conjunto frente os valores de indicadores realizados indica adequacidade, ou o melhor, o DEC ou FEC da família encontra-se em um Consulta Pública 011/2010 4

5 conjunto com uso desproporcional de recursos? É factível esperar que os demais conjuntos acompanhem esse resultado? d) período de tempo: Quanto tempo será dado para o objetivo a ser alcançado ou uma melhoria em relação ao padrão? Ou seja, gostaríamos de registrar a premência de estender a discussão da qualidade dos serviços para o vetor econômico da modelagem, de forma que a fixação dos limites não se restrinja tão somente a observação de valores de DEC e FEC dentro de um cluster, mas leve em consideração os recursos necessários para atingi-los e a compatibilidade com obrigações e direitos das concessionárias de serviço público de distribuição de energia. Por fim, cumpre destacar que a utilização de valores de DEC e FEC de apenas um ano, para definição dos limites a serem observados, acarreta desvios significativos para os resultados. 10. Optando-se pelo modelo DEA, questionam-se quais são os insumos adequados? Vide questão anterior. 11. Independentemente da estratégia a ser adotada, deve-se avaliar os indicadores DEC e FEC conjuntamente ou de forma separada? Os indicadores DEC e FEC analisados de forma conjunta refletem o tempo de atendimento da região. Assim entendemos que esses indicadores devam ser a vistos em conjunto. 12. Qual seria a melhor forma de definir a trajetória para os conjuntos atingirem os valores alvo? O ponto de partida da curva guia de cada conjunto (V0) deve ser definido com base no maior valor entre a média do realizado nos últimos três anos ou a meta fixada anteriormente pela ANEEL para o último ano do período. Para a definição do ponto de chegada (V8), além do benchmark do cluster (decil variável em função da distribuição dos conjuntos na família), pode também ser avaliada a oportunidade de consideração do padrão da rede, atrelados de qualquer forma a um limite máximo da taxa anual de redução ( V8 Flutuante ). Tal medida visa garantir que o processo de melhoria da qualidade observe limites de velocidade, que compatibilizem o desejo do Regulador à disponibilidade de recursos e às necessidades do consumidor. Por fim, dada a situação crítica que as distribuidoras vivenciam em função da aprovação da última versão dos Procedimentos de Distribuição PRODIST, reiteramos nosso entendimento quanto à necessidade de se implantar um sistema de compensações por violações de Limites Toleráveis de Desempenho - LTDs baseado em indicadores coletivos e individuais, que promova, mediante sinal econômico adequado, a melhoria contínua tanto do desempenho médio como da uniformidade do conjunto, bem como a redução dos casos inaceitáveis. É preciso ainda destinar o montante de compensações por violação dos limites toleráveis de desempenho dos indicadores coletivos de um conjunto, para Consulta Pública 011/2010 5

6 investimentos, a título de obrigações especiais, na melhoria da qualidade do fornecimento do conjunto em questão. O atual sistema de compensações, baseado exclusivamente em indicadores individuais é eficaz para promover a redução dos casos extremos com desempenho considerados inaceitáveis (incluídos os últimos percentis da curva de distribuição de frequência do universo considerado), mas não é eficaz para promover a melhoria contínua nem do desempenho médio e nem da uniformidade do conjunto. Consulta Pública 011/2010 6

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário AP 0/0 Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário Contribuição para o Quarto Ciclo de Revisões Tarifárias ª Etapa 9 de janeiro de 05 Remuneração de OE e ATD A gestão de OE e ATD adicionam

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL Adriano Provezano Gomes Professor Associado do Departamento de Economia

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica

Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2010 Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica Nota Técnica nº 014/2011-SRD/ANEEL, de 7 de Abril

Leia mais

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária AP040/2010 Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária Claudio Sales - Presidente Dezembro/2010 Avaliação da proposta metodológica A contribuição do Instituto Acende Brasil aborda dois componentes

Leia mais

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

Qualidade da energia elétrica no Brasil

Qualidade da energia elétrica no Brasil Qualidade da energia elétrica no Brasil Luiz Henrique Capeli Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Luanda 30 de maio de 2013 Agenda Qualidade da Energia Elétrica Evolução da Regulamentação Qualidade

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP 1. OBJETIVO Este documento apresenta as contribuições das distribuidoras EDP Bandeirante e EDP Escelsa, do Grupo EDP, à Audiência

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA

METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA Autores: Heitor Inácio Sardinha Luiz Rogério Varasquim Clay Tutaj

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

SATURNO V 6.11. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com

SATURNO V 6.11. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com SATURNO V 6. Por Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com A versão 6. (ou 3.4926c83) foi analisada sob diversos aspectos, a fim de verificar a uniformidade do comportamento ao longo do tempo. Primeiramente

Leia mais

Estabilidade de Regras

Estabilidade de Regras Campinas, 29 de Novembro de 2013 CT / R / 210 / 2013 Ilmo Sr. Davi Antunes Lima Superintendente de Regulação Econômica - SRE Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO CONSULTA

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Aula 09 Matemática Financeira Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Introdução A partir da absorção do conceito de dinheiro no tempo, estamos aptos a fazer uso da Engenharia Econômica, que se

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS OBJETIVO GERAL O PrevMais prevê para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de que os participantes optem por perfis de investimento, em épocas préestabelecidas,

Leia mais

A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC

A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC 1 A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC Mauren Pomalis Coelho da Silva, Roberto Chouhy Leborgne, Elton Rossini Resumo Este trabalho teve como objetivo fazer

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27001

ABNT NBR ISO/IEC 27001 ABNT NBR ISO/IEC 27001 Para Dataprev e Senado 1/63 As Normas NBR ISO/IEC 27001 - Requisitos para implantar um SGSI NBR ISO/IEC 27002 - Práticas para a gestão de SI NBR ISO/IEC 27005 - Gestão de riscos

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática e Estatística para Técnico Administrativo para o BNDES 2008 organizado pela CESGRANRIO. Sem mais delongas,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos

Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos Avaliação dos projetos de E&P implantados sob a perspectiva da Análise de Riscos Econômicos REGINA DUARTE PLANEJAMENTO FINANCEIRO E GESTÃO DE RISCOS PETROBRAS Setembro/2011 Agenda Contexto Análise de Riscos

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS 1 - INTRODUÇÃO Um projeto é o conjunto de antecedentes que permite estimar as vantagens e desvantagens econômicas que derivam

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade.

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Gilberto De Martino Jannuzzi [1], Herivelto Tiago Marcondes dos Santos [2] [1] Universidade

Leia mais

A Questão da Energia Elétrica. e as MPEs Paulistas

A Questão da Energia Elétrica. e as MPEs Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Questão da Energia Elétrica e as MPEs Paulistas (Relatório de Pesquisa) Realização: fipe Fundação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática (1) Data Mining Conceitos apresentados por 1 2 (2) ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Conceitos apresentados por. 3 LEMBRE-SE que PROBLEMA em IA Uma busca

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

ÁREA PARA TITULO. [Classificação: Pública]

ÁREA PARA TITULO. [Classificação: Pública] ÁREA PARA TITULO Redação sugerida pela ANEEL para AP071/2012 Art. 7º Alterar o art. 190 da Resolução Normativa no 414/2010, que passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 190. As distribuidoras com mais

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES

FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES Participante: ABCR - Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias Entidade: ABCR - Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES Dispositivo,

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade 5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade Neste capítulo, as metodologias abordadas nos capítulos 3 e 4 serão adaptadas e aplicadas ao contexto descrito no capítulo 1 (mensurar as variáveis que compõem

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I PROPOSTA DE FORMAÇÃO INTRODUÇÃO As probabilidades e estatística funcionam hoje em dia como uma ferramenta não só de apoio, mas sim de iluminação para as diferentes ciências. Qualquer profissional não poderá

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011.

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011. técnico atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos do município de Vila Velha. - Lei Complementar Municipal nº 021, de 17 de janeiro de 2012 Institui o plano de custeio da

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Olá, amigos! AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Ainda não é chegada nossa aula derradeira! Sei que muitos estão chateados e com toda a razão do mundo pelo atraso destas últimas aulas. Noutra ocasião

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento ... Cadernos FUNDAP n. 22, 2001, p. 111-116 Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento Sandra Lúcia Fernandes Marinho SINOPSE A Portaria n. 42, de 14 de abril de 1999, do Ministério de Planejamento,

Leia mais

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CIGRÉ - CE C5-Electricity Markets and Regulation Grupo Melhores Práticas de Gestão de Risco GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA: SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTA

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas São Paulo, 28 de julho de 2006 À Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Regulação Econômica SRE BRASILIA - DF Ref.: Audiência Pública 008/2006 Processo 48500.001208/2006-37 Assunto:

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Objeto da análise: Laudo de Avaliação n 0 7128.7128.632314/2012.01.01.01 SEQ.002 Autor do laudo: Eng. Denis Francisco Lunardi. Solicitante do laudo: Caixa

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 0026/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 482,

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS Questão: Há diferença nos conceitos de Qualis das Áreas e Qualis Resposta: Apesar de senso comum considerar esses dois termos como sinônimos, tecnicamente eles remetem

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais