Flávia Silva Teixeira. Verificação do entendimento e da utilização do. e-procurement em duas empresas globalizadas. Taubaté SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Flávia Silva Teixeira. Verificação do entendimento e da utilização do. e-procurement em duas empresas globalizadas. Taubaté SP"

Transcrição

1 Flávia Silva Teixeira Verificação do entendimento e da utilização do e-procurement em duas empresas globalizadas Taubaté SP 2003

2 Flávia Silva Teixeira Verificação do entendimento e da utilização do e-procurement em duas empresas globalizadas Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização pelo Curso de Pós Graduação MBA em Gerência Financeira e Controladoria do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ECASE da Universidade de Taubaté, Área de Concentração: Gerência Financeira e Controladoria Orientador: Prof. Dr. Luiz Panhoca Taubaté SP 2003

3 FLÁVIA SILVA TEIXEIRA VERIFICAÇÃO DO ENTENDIMENTO E DA UTILIZAÇÃO DO E-PROCUREMENT EM DUAS EMPRESAS GLOBALIZADAS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ, TAUBATÉ, SP Data: Resultado: COMISSÃO JULGADORA Prof. Assinatura Prof. Assinatura Prof. Assinatura

4 Dedico este trabalho aos meus filhos e principalmente ao meu marido, que souberam me apoiar e se privaram, durante todo esse período, de viagens, passeios e diversões, abdicando de momentos de lazer e da companhia da mãe e da esposa para que eu pudesse vencer mais essa etapa da minha vida.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os meus amigos e colegas que sempre me ajudaram e de alguma forma contribuíram para a conclusão deste trabalho, com apoio nos momentos difíceis ou mesmo participando da pesquisa realizada. Aos colegas de classe agradeço principalmente por terem contribuído para o meu crescimento pessoal. A todos os professores do curso, o meu agradecimento pelo conhecimento transmitido e, de maneira especial, gostaria de agradecer ao meu orientador, Prof. Dr. Luiz Panhoca, que contribuiu de maneira efetiva para a conclusão deste trabalho, ajudando a melhorá-lo e promovendo, assim, meu crescimento acadêmico.

6 TEIXEIRA, Flávia Silva. Verificação do entendimento e da utilização do e-procurement em duas empresas globalizadas f. Monografia Gerência Financeira e Controladoria Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ECASE, Universidade de Taubaté, Taubaté. RESUMO O e-procurement é uma ferramenta de comércio eletrônico e pode ser definida como um conceito que transfere para a Web o processo e gerenciamento de compras de suprimentos aliviando, assim, a carga de trabalho e os custos dessa área nas corporações. Essa ferramenta traz a eliminação do papel, uma cotação de preços mais abrangente, e a possibilidade de acompanhar melhor a performance dos fornecedores. Apesar de revolucionária ainda é pouco conhecida e utilizada até mesmo em grandes corporações. Essa conclusão foi obtida através de uma pesquisa com pessoas ligadas as áreas de compras de duas empresas globalizadas, que foram submetidas a um questionário no qual foi utilizada a metodologia Delphi. Foram realizadas três rodadas tentando, assim, formar um consenso de conhecimentos entre os pesquisados. Palavras-chave: E-procurement, Comércio eletrônico, Compras.

7 Check in of understanding and use of e-procurement in two global companies. ABSTRACT The e-procurement is an e-commerce tool and can be defined as a concept that transfer to Web the process and management of supply chain, reducing work and costs from this area in corporations. This tool eliminates the paper, brings a more complete quotation and the possibility of better following the supplier s performance. Although it has been revolutionary it is not still well known and used included in big corporations. This conclusion was gotten throw a research with people that work in purchasing area from two global companies, these people were submitted to a questionnaire that used the Delphi Method. There were three rounds that intended to obtain a consensus of knowledge between people inquired. Key words: E-procurement, E-commerce, Purchasing.

8 SUMÁRIO RESUMO...5 ABSTRACT...6 LISTA DE TABELAS...9 LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO OBJETIVO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS RELEVÂNCIA DO ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA ENTENDENDO O PROCESSO DE COMPRAS CONCEITUANDO O E-PROCUREMENT O QUE EXATAMENTE É O E-PROCUREMENT E POR QUE AS ORGANIZAÇÕES DEVERIAM SE INTERESSAR POR ELE? CONSTRUINDO E IMPLEMENTANDO UMA SOLUÇÃO DE E-PROCUREMENT AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO IMPLEMENTAÇÃO MELHORIA CONTÍNUA CONSIDERAÇÕES DO NEGÓCIO GERENCIAMENTO DOS GASTOS ANÁLISE GERENCIAMENTO AVALIANDO A PROPOSIÇÃO RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES TERCEIRIZAÇÃO MRO PROCESSOS DE PROCURA CLASSIFICAÇÃO DAS COMMODITIES PROCURA PERSONALIZADA CONSIDERAÇÕES DE TECNOLOGIA MODELO DE NEGÓCIOS O LADO DE COMPRAS O LADO DE VENDAS APLICATIVOS DE E-PROCUREMENT ANÁLISE DE GASTOS SOURCING COMPRAS ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO FATURAMENTO E PAGAMENTO...37

9 DESPESAS E VIAGENS CATÁLOGO E CONTEÚDO INFRA-ESTRUTURA MEIO AMBIENTE LOCAL APPLICATION SERVICE PROVIDER (ASP) E-MARKETPLACE ANÁLISES INTEGRAÇÃO PESSOAS PARA FAZEREM ISTO FUNCIONAR CONSIDERAÇÕES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS (SUPPLY CHAIN) PERSPECTIVAS FUTURAS PROPOSIÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS COLETA DE DADOS METODOLOGIA O MÉTODO DELPHI ANÁLISE DOS DADOS AMOSTRA E POPULAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES ABERTAS (MÉTODO DELPHI) DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS...61 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...62 GLOSSÁRIO...63

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Resultados do Método Delphi - Resposta Tabela 2 - Resultados do Método Delphi - Resposta

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Quatro fases para aproximação com o e-procurement Figura 2 - Tempo x Valor e Competitividade Figura 3 - Pontos de valor do e-procurement Figura 4 - Canais de relacionamento comprador/vendedor Figura 5 - Por trás do firewall Figura 6 - Comparativo das opções de localização de catálogos Figura 7 - Resultados questão Figura 8 - Resultados questão Figura 9 - Resultados questão Figura 10 - Resultados questão Figura 11 - Resultados questão Figura 12 - Resultados questão Figura 13 - Resultados questão Figura 14 - Resultados questão Figura 15 - Resultado da segunda rodada Figura 16 - Resultado da terceira rodada... 56

12 1. INTRODUÇÃO Com o acelerado desenvolvimento da internet novos meios de comércio, como o eletrônico, surgiram com força total obrigando as empresas a estarem sempre atualizadas e a adaptarem-se rapidamente às mudanças que o mercado exige. Atualmente, no topo da lista de mudanças, está o comércio eletrônico e todas as suas ferramentas de procura e compra, chamados de e-procurement, em que o gerenciamento de compras de suprimentos é transferido para a Web, aliviando nas corporações a carga de trabalho dessa área. As ferramentas de e-procurement prometem ser uma revolução em termos de comércio, prometem mudar todo o conceito de compras que as empresas conheciam até bem pouco tempo e achavam que dominavam OBJETIVO OBJETIVO GERAL Esse trabalho visa demonstrar qual a reação das pessoas ligadas às áreas de compras de empresas globalizadas diante do e-procurement OBJETIVOS ESPECÍFICOS Definir o conceito de e-procurement, demonstrar qual é o conceito que têm as pessoas ligadas às áreas de compras de duas empresas dos ramos aeronáutico e automobilístico e qual a reação dessas pessoas diante dessa ferramenta RELEVÂNCIA DO ESTUDO Nos últimos anos as áreas de compras das corporações foram inundadas por termos como procurement (procura), sourcing (busca de novas fontes), purchasing (compras) e supply (suprimentos). A introdução da letrinha e, que antecede algumas dessas palavras, amplia a babel que se tornou o assunto.

13 Ao mesmo tempo, a introdução e o rápido desenvolvimento da tecnologia da informação em compras transformou o uso de automação em uma espécie de panacéia que iria resolver todas as questões de suprimentos. Um estudo da relação entre áreas de compras de multinacionais com o e-procurement pode mostrar um retrato de como as pessoas envolvidas no processo estão enxergando essa nova onda e qual a sua importância para as organizações DELIMITAÇÃO DO ESTUDO O estudo aqui proposto se restringe a duas empresas multinacionais, sendo uma do ramo automobilístico e outra do ramo aeronáutico. Nessa pesquisa foram envolvidos apenas profissionais de compras dessas empresas. Foram pesquisados o entendimento e a opinião desses profissionais em relação ao e-procurement sem que, no entanto, fosse explicado o motivo da reação desses profissionais diante dessa ferramenta. Esse trabalho não pretende analisar nem identificar as causas dos resultados obtidos ESTRUTURA DO TRABALHO O trabalho divide-se em duas partes. A primeira é mostrada no capítulo 2, onde foi feita uma revisão bibliográfica com intuito de definir o conceito de e-procurement. Na segunda parte foi realizada uma pesquisa, através de questionários distribuídos às pessoas das áreas de compras das duas empresas envolvidas, com a finalidade de identificar qual é o conceito de e-procurement que têm essas pessoas e qual a reação delas diante disso.

14 2. REVISÃO DA LITERATURA Com o desenvolvimento da tecnologia da informação, observa-se o surgimento de sistemas informatizados para cobrir ou suportar muitas das atividades das áreas de compras. Isto ocorreu principalmente nos processos operacionais, pois a inteligência da compra, focada em direção, planejamento e estratégia de compras, não pode ser substituída por tecnologia. Os sistemas de gestão empresariais (ERP) estão diretamente ligados à automação do processo operacional, já tradicionais e consolidados, permitindo agilização e melhores controles ENTENDENDO O PROCESSO DE COMPRAS Toda empresa tem uma área de compras, que na maioria das vezes é composta por três processos básicos: 1) Processo de Direção e Planejamento: define as políticas e procedimentos, os direcionamentos estratégicos de compras, o planejamento das necessidades de compras do ano, alinhado com o planejamento geral de vendas, produção e investimentos, entre outras funções. 2) Processo Estratégico de Compras: esse processo avalia e prioriza as categorias de compras que serão negociadas no ano, as metas de economia e a qualidade para cada categoria selecionada. Analisa, também, o mercado fornecedor, buscando novas alternativas tanto de especificações como de novos fornecedores e definição detalhada de preços, considerando o escopo do que vai ser comprado, bem como a integração do fornecedor no processo operacional da empresa. 3) Processo Operacional: envolve o envio do pedido ou a programação da entrega, o acompanhamento do transporte e entrega, recebimento, atualização de estoques e monitoramento do desempenho do fornecedor. De uma maneira geral toda empresa, de porte médio para grande, deveria desenvolver essas atividades em maior ou menor grau. Independentemente da existência de tecnologia ou não, estes processos fazem parte da vida de uma área de compras e

15 devem ser respeitados, inclusive para o uso adequado de ferramentas como internet ou intranet. Boa parte da confusão, gerada pela sopa de letras que invadiu o mercado nos últimos três anos, reside no entendimento do que é inteligência de compra e do que é processo operacional. As ferramentas de internet, com seus vários nomes e-procurement, cotação eletrônica, leilão reverso, catálogos eletrônicos, dentre outros, vieram com a idéia inicial de substituir boa parte do processo estratégico de compras. Na verdade, os benefícios mais palpáveis se concentram em atividades operacionais específicas que ligam o comprador ao fornecedor, como o envio, recebimento e equalização das cotações (somente dos parâmetros comparáveis). As atividades nobres e que agregam mais valor, como avaliação de especificações alternativas, análise da competitividade do mercado fornecedor, avaliação de outros aspectos da cotação que não apenas os preços e condução de negociações estratégicas são realizadas pelos profissionais da área. Para auxiliar na definição de quando e como aplicar determinado conceito ou ferramenta é necessário entender as características da categoria a ser negociada, bem como seu mercado fornecedor. Para auxiliar, recorre-se a um modelo de análise bastante conhecido, porém mal utilizado, principalmente na profundidade necessária. Há duas análises que resultam na mesma classificação, mas com profundidades bem diferentes. E isso faz diferença no momento da negociação. As famílias de baixa complexidade e baixo impacto no negócio podem ser amplamente processadas através de leilões. Contudo, não se elimina a necessidade de algumas análises. Muitas vezes existem novas alternativas para realizar a compra que não podem ser negligenciadas. Já as de alta complexidade e alto impacto necessitam de trabalhos profundos de entendimento da cadeia de suprimentos, onde as ferramentas de internet pouco se aplicam. Existem algumas empresas que oferecem serviços para a melhoria da área de compras e obtenção de economias, atualmente batizados de e-procurement e e-sourcing. Cabe avaliar bem se o enfoque da solução está baseada em TI (processo operacional) ou em compras (processo estratégico), e se os profissionais realmente têm a experiência necessária na especialidade requerida. Alguns oferecem tudo, outros já preferem especializar-se. É difícil um profissional de TI dominar amplamente, por exemplo, conceitos de estratégia de compras, como a recíproca também é verdadeira. Para cada necessidade cabe uma

16 abordagem específica, mesmo porque, é na troca de experiências entre os profissionais do prestador de serviço e os do cliente que se multiplicam os conhecimentos e acrescenta-se valor, não somente baseado em economias, mas também na qualidade dos resultados e na confiança das relações de negócio CONCEITUANDO O E-PROCUREMENT O termo e-procurement na realidade é a abreviatura de eletronic procurement, palavras em inglês que, traduzidas, significam procura eletrônica. Procurement tecnicamente é o termo para o atual processo de procurar produtos e serviços e pelas ferramentas que facilitam este processo, mas isso tem se tornado uma expressão genérica para todas as atividades de procura. Pode-se definir o e-procurement como um conceito que transfere para a Web o processo e gerenciamento de compras de suprimentos aliviando, assim, a carga de trabalho e os custos dessa área nas corporações. O e-procurement traz a eliminação do papel, uma cotação de preços mais abrangente e a possibilidade de acompanhar melhor a performance dos fornecedores. Num outro estágio, amplia a integração da cadeia de relacionamento. Desenvolvidos em linguagem Web, os sistemas podem elaborar cadastros eletrônicos, em que é possível analisar produtos e preços, indicando as melhores opções de compra de acordo com parâmetros pré-estabelecidos. Entre os resultados imediatos estão: o aumento efetivo dos níveis de eficiência e controle em compras, além de uma redução sensível dos custos operacionais e dos preços dos produtos comprados. E-procurement é o termo usado para o relacionamento eletrônico entre uma empresa e seus fornecedores, principalmente na automatização dos processos de compras on line. Esse relacionamento inclui desde pesquisas de produtos e preços até transações propriamente ditas, passando por consultas a informações e outros serviços que podem estar associados às atividades de fornecimento. Os sistemas de e-procurement podem ser desenvolvidos ou implementados de várias formas, dependendo da posição que uma empresa específica se encontra dentro da cadeia produtiva e de como estão organizados seus fornecedores.

17 O QUE EXATAMENTE É O E-PROCUREMENT E POR QUE AS ORGANIZAÇÕES DEVERIAM SE INTERESSAR POR ELE? A utilização da letra e significa que essa ferramenta usa tecnologias, intranet e internet para substituir papel e agilizar o processo. O interesse das organizações pelo e-procurement está ligado ao fato de que essa ferramenta pode gerar uma grande economia, reduzindo os custos do processo de aquisição. E-procurement é uma ferramenta válida independente do tipo ou tamanho da organização envolvida. Ela pode espremer os custos de procura dos setores em que é aplicada. Considera alguns fatores sobre cada processo de procura das companhias. Cada transação de PO (Purchase Order), que em português significa ordem de compras, segue um processo e esse processo tem um custo. Para a organização de compras, inclui alguns ou todos estes processos: requisição, autorização, orçamento (budgeting), criação e envio de PO, recebimento de mercadorias e serviços, pagamento pelo que foi comprado. Para a organização de vendas, isto inclui: recebimento de PO, despacho, faturamento e recebimento do pagamento. Todas essas etapas envolvem organizações múltiplas e até a menor das ordens de compras gasta tempo e esforços. Em um sistema manual baseado em papel, o custo de procurement é significativamente maior do que muitas pessoas imaginam. Por exemplo, a média administrativa de custo para uma simples PO está entre US$75 e US$125. Assim sendo, uma PO para compra de um produto que tem preço de US$10, atualmente custa mais do que US$85. O e-procurement usa um refinado processo de negócios e relacionamentos com fornecedores, suportado pela tecnologia para automatizar processos, eliminando papel, reduzindo erros e em última instância reduzindo os custos administrativos de uma PO em mais do que 75%. A PO que antes custava US$75 em administração, agora custa somente US$18,75, uma economia de US$56,25 (Thompkins, 2001). O processo de requisição é ainda mais intenso e caro. O típico processo de requisição simplificado pode incluir uma interna Requisição para Compras, também chamada de Request for Purchase (RFP), documento que requer aprovação e é seguido por uma Requisição de Informação, ou também chamada de Request for Information (RFI), que é enviada por correio, fax ou para conhecer os fornecedores. Então, havendo resposta dos fornecedores e analisadas as respostas, resulta em uma Requisição de Cotação, conhecida como Request for Quote (RFQ), enviada via correio, fax ou para os fornecedores qualificados. Isto traz a resposta dos fornecedores, seguida

18 da seleção do fornecedor, notificação e de um contrato, que então inicia o processo de entrega e administração do mesmo. Sozinho, um sistema manual de requisição baseado em papel pode levar semanas ou meses para ser completado, e a administração do contrato depende do conhecimento individual do comprador e vendedor, e do domínio dos termos e condições de contratação. Pesquisa tem mostrado que mais do que 85% de todos os contratos firmados falham por causa dos seus próprios termos (Thompkins, 2001). Uma empresa pode gastar milhões de dólares por ano a mais do que era previsto. Por exemplo, um contrato que é negociado de acordo com o volume e o desconto é calculado em cima deste termo. Segundo Thompkins, 2001: Os aplicativos do e-procurement podem monitorar as concordâncias contratuais, sinalizar volumes valiosos quando eles ocorrem e automaticamente reforçar descontos para compras subseqüentes. Ainda adicionando, o e-procurement reduz o tempo de requisição para 75% CONSTRUINDO E IMPLEMENTANDO UMA SOLUÇÃO DE E-PROCUREMENT Antes de embarcar em uma iniciativa de e-procurement, é imprescindível uma aproximação metodológica que irá prover um mecanismo para definição da estratégia. Esta aproximação deve incluir a identificação do tipo de negócio, planejamento e implementação da solução e a mensuração dos resultados. A figura 1 abaixo ilustra os estágios de desenvolvimento de uma estratégia de e-procurement AVALIAÇÃO Um processo de avaliação é, sem dúvida, a mais importante ação que a organização precisa tomar para implementar o e-procurement com sucesso. O objetivo é conseguir histórico do modelo usado e uma compreensão do processo de negócios existente, infra-estrutura tecnológica e relacionamento na cadeia de suprimentos (supply chain). Os resultados desse processo serão comparados com as melhores práticas da indústria, de acordo com benchmarkings realizados, para desenvolver a etapa de análise estratégica que é essencial para o desenvolvimento da estratégica de negócios.

19 Fonte: Thompkins, 2001 FIGURA PLANEJAMENTO Uma vez pronta a preparação e as metas estabelecidas, a próxima tarefa é desenvolver a estratégia de implementação. A aproximação com essa fase precisa incorporar as metas e os objetivos do negócio reconhecendo os custos, a complexidade e as negociações secundárias envolvidas. Muitas organizações e e-marketplaces têm falhado em atender a implementação do e-procurement simplesmente porque eles tinham uma fase de planejamento que incluía um conjunto inteiro de produtos que custavam milhões e requeriam uma complexa infra-estrutura com total integração. É aconselhável um planejamento mais confiável e efetivo, baseado em planos de curto, médio e longo prazo, começando com um baixo custo e com baixo risco de solução de fornecimento. A aprovação dos conceitos minimiza as resistências para a próxima fase e os ganhos financeiros obtidos nessa primeira etapa podem ajudar a próxima. O foco é na melhoria contínua.

20 Fonte: Tompkins, 2001 FIGURA IMPLEMENTAÇÃO As implementações de e-procurement não são diferentes de qualquer outro projeto com as considerações devidas com as práticas e controles de gerenciamento. Entretanto essas implementações diferenciam-se em um aspecto: e-procurement mexe nos processos de negócios, tecnologia e parceiros externos, e comunicação é a parte crítica. Um sobrevivente recente revelou que fazer vista grossa para comunicação é o que mais freqüentemente resulta em atrasos e falhas (Tompkins,2001). Com isso, durante a implementação, é importante manter planejado e monitorado as tarefas específicas internas e externas de comunicação MELHORIA CONTÍNUA Completada a implementação, é imperioso se avaliar os resultados para se determinar o sucesso ou as falhas. Deve-se comparar, interna e externamente, as conformidades com o planejado e quantificar os gastos economizados com as metas e objetivos alcançados. É preciso se questionar: a implementação alcançou as expectativas? Se as expectativas foram alcançadas elas podem ser superadas trazendo novos usuários e parceiros, ou estendendo a procura de produtos comprados e vendidos?

21 Se as expectativas foram frustradas, deve-se avaliar o processo e identificar o problema. Os usuários foram adequadamente treinados e estão usando o sistema conforme planejado? As regras, tanto internamente quanto externamente, estão sendo seguidas? Quando um planejamento sólido de projeto é seguido, não há razão para que a previsão não tenha sido realizada, entretanto, precisa-se identificar o problema, consertá-lo e reavaliar o processo. Uma vez implementado com sucesso, inicia-se a próxima fase- melhoria contínua e prepara-se para repetir a fase 1, começando com a revisão da preparação. Como em todos os projetos, os participantes provavelmente terão mais conhecimento e certamente, mais experiência depois da primeira fase e devem ter novas idéias ou processos que podem ser incorporados ao plano principal CONSIDERAÇÕES DO NEGÓCIO Sem dúvida, a prioridade de qualquer projeto de e-procurement é o tipo de negócio. Freqüentemente, a tecnologia é, erroneamente, tomada como a diretriz da mudança. A tecnologia é somente uma ferramenta de suporte para o modelo de estratégia de negócios. Ao desenvolver uma estratégia de e-procurement, as organizações devem manter sempre em mente o foco dos negócios GERENCIAMENTO DOS GASTOS Dado o disparate entre as naturezas das organizações e sistemas financeiros, é virtualmente impossível para um diretor financeiro obter em tempo real uma fotografia dos gastos a qualquer momento. É ainda mais difícil obter a visibilidade dos gastos de cada componente da organização quem está comprando o que e de quem, quando eles estão comprando e quanto eles estão pagando ou, efetivamente, reforçar as conformidades com o processo. E se não for possível visualizar isto, se torna impossível gerenciá-los. O ganho deste controle é o benefício fundamental do e-procurement. A mais alta prioridade, e primeira tarefa, é desenvolver uma estratégia de gerenciamento dos gastos. Existem duas fases para esta estratégia: análise, quando se deve obter e analisar os gastos correntes e históricos, e gerenciamento, referente aos usos que o sistema coletou durante a análise, que tecnologia é necessária para identificar e analisar os gastos correntes por toda a companhia e quais caminhos para administrá-los.

22 ANÁLISE Infelizmente, enquanto há soluções que podem estreitar e simplificar a análise de banco de dados, não existem produtos enlatados para simplificar o processo de coletálos. Os bancos de dados podem, e freqüentemente o fazem, residir em múltiplos sistemas, em múltiplas organizações e em múltiplas localizações. Para efetivamente construir uma estratégia de e-procurement, deve-se ter um banco de dados histórico e corrente (aproximadamente três anos) que possa ser carregado para o aplicativo de gerenciamento gasto, para gerar uma consolidada racionalização e detalhada análise e relatório. A análise procurada inclui: Racionalização das categorias de nomes e descrições; Categorização de gastos e classificação (quanto foi gasto em cada categoria e como isso está classificado como um percentual do total gasto?); Fornecedores por categoria; Gastos por fornecedor por categoria; Gastos por organização e/ou por comprador; Identificação dos gastos dissidentes; Tendência de análise que identifica certos produtos/serviços que são consistentemente adquiridos em certos períodos de tempo; Comparação com os contratos existentes pelas conformidades estatísticas. Os resultados desta análise irão claramente identificar os pontos falhos áreas que irão gerar oportunidades de economia imediata. Eles ajudarão também a determinar os tipos de soluções requeridas. Por exemplo, esta análise freqüentemente revela que a corporação compra o mesmo produto de vários fornecedores, perdendo uma significante oportunidade de ganhar um maior volume de desconto. Através da agregação de fornecedores, elas podem realizar ganhos imediatos GERENCIAMENTO Uma vez que os dados tenham sido colhidos e analisados, os resultados devem ser carregados para o aplicativo de gerenciamento de gastos que pode captar e gerenciar os gastos daquele ponto para frente. Esta fase requer uma detalhada e articulada

23 estratégia que integra a tecnologia com o processo de negócio resultando num processo de procura eletronicamente gerenciado e monitorado AVALIANDO A PROPOSIÇÃO Qual é o valor da proposição de implementação de um e-procurement? A resposta imediata é quase sempre: redução de custo. Mas o valor e os benefícios de um e-procurement excedem e muito apenas a redução de custos de mercadorias e serviços. Quando os benefícios são maximizados, a contribuição mais significante é o aumento do valor dos acionistas através do aumento de receitas, aumento de lucros e aumento do EVA (valor econômico agregado). A Figura 3 mostra os pontos de valor do e-procurement. Fonte: Tompkins, 2001 FIGURA 3 Para quantificar o valor proposto, devem ser considerados os seguintes pontos de interesse segundo Tompkins, 2001: Nota-se que aproximadamente metade da receita de uma companhia é gasta em compra de produtos ou serviços e administração das compras. Tem sido provado que uma solução de e-procurement pode salvar pelo menos 10% de cada centavo, através da redução do custo dos produtos e eficiência da

24 administração.usando aqueles números, uma companhia de $1 bilhão gastará aproximadamente $500 milhões em produtos e serviços, e o e-procurement resultará em uma economia de $50 milhões por ano. Além do mais, 30 a 35 por cento dos gastos são dissidentes, compras espontâneas não tomam vantagem de pré-negociados descontos. Conseguindo controle sobre elas alcança-se um enorme potencial de economia. A revista IndustryWeek em maio de 2002 publicou os seguintes resultados de pesquisa, no artigo E-Procurement Explosion (apud Thompkins, 2001): Owens Corning reduziu 60% dos custos de engarrafamento de água, 25% em embalagem e 22% sobre outros custos. Total de economia de 10% sobre os gastos de $3,4 bilhões. Hewlett-Packard (HP) economizou mais do que 30% em propaganda e $ em energia elétrica. AMR Research afirmou que empresas devem esperar de 15 a 20% de economia dependendo do que eles compram: 5% em energia, 15 a 20% em químicos e adesivos, 32% em papel corrugado, 19% em metais e componentes de máquinas, 36% em mão-de-obra temporária, 40% em manutenção, reparos e outras operações. HP divulgou 20 a 25% de aumento na eficiência, de acordo com uma redução do número de PO s e administração. Lucent declarou 60 a 70% de redução no tempo de transações. Texas Instruments reduziram o custo de uma PO de $80 para $25, Deere & Co. de $97 para $22. 3M reportou que custos foram de $120 para $40 e erros foram de 30% para 0%. Owens Corning usou leilões para cortar o tempo de negociação de 2 a 3 meses para menos que 90 minutos. O Retorno Sobre o Investimento (ROI) contribui para o valor proposto também. A Home Depot implementou uma solução de fornecimento em 10 semanas e reportou que o investimento pagou por si mesmo em menos de 3 meses. A American Express anunciou que conseguiu seu investimento de volta dentro de 100 dias da assinatura de um contrato de e-sourcing.

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE CATALOG Podemos gerenciar e fornecer os serviços necessários onde, quando e como nossos usuários precisam deles? agility made possible Com o CA Service Catalog, você pode promover

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras

O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras O valor de um motor de precificação autônomo para Seguradoras Escolhas importantes devem ser feitas à medida em que aumenta o número de Seguradoras migrando seus sistemas de administração de apólice pré-existentes

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho.

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Serviços para aquisição profissional. Tenha melhores informações, tome decisões melhores. Kit de ferramentas de aquisição da Achilles Apoio para

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

Aplicativos bancários. Localiza, extrai e classifica dados sobre pagamentos, formulários e documentos escritos à mão

Aplicativos bancários. Localiza, extrai e classifica dados sobre pagamentos, formulários e documentos escritos à mão Aplicativos bancários Localiza, extrai e classifica dados sobre pagamentos, formulários e documentos escritos à mão A premiada empresa direcionada à pesquisa e ao desenvolvimento, A2iA, Análise de Inteligência

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras Módulo Suprimentos Gestão de Compras Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Gestão de Compras. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Workflow de documentos eficiente e transparente com o

Workflow de documentos eficiente e transparente com o Workflow com o DocuWare Solution Info Workflow de documentos eficiente e transparente com o DocuWare As soluções de workflow para documentos com o DocuWare melhoram a organização de sua empresa; processos

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG GSI I Profa. Msc. Rosa Hoffmann 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG O SIG é um sistema integrado de apoio à tomada de decisões, proposto como uma ferramenta essencial para implementar a modernização

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Workflow. Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW

Workflow. Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW LEANDRO SILVA CAMPOS LÍGIA CHRISTINE OLIVEIRA SOUSA LILIANE VERÔNICA DA SILVA JOSÉ CARLOS NUNES MARINHO TAVARES V. NETO UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL INSTITUTO LUTERANO

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Concorrência nº 22/2008

Concorrência nº 22/2008 Concorrência nº 22/2008 Brasília, 20 de julho de 2009. A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência e respostas da

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Dominando o Processo de Compras e Pagamentos. Paulo Eduardo Mietto, Consultor Sênior de Soluções OpenText SAP Forum Brasil Março 2015

Dominando o Processo de Compras e Pagamentos. Paulo Eduardo Mietto, Consultor Sênior de Soluções OpenText SAP Forum Brasil Março 2015 Dominando o Processo de Compras e Pagamentos Paulo Eduardo Mietto, Consultor Sênior de Soluções OpenText SAP Forum Brasil Março 2015 Procure-to-pay: Otimizando suas operações fiscais e de contas a pagar

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais