UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO MARCELO KLIPPEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO MARCELO KLIPPEL"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO MARCELO KLIPPEL ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO EM EMPRESAS COM LINHAS DE PRODUTOS DIFERENCIADAS UM ESTUDO DE CASO São Leopoldo 2005

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO MARCELO KLIPPEL ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO EM EMPRESAS COM LINHAS DE PRODUTOS DIFERENCIADAS UM ESTUDO DE CASO Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: José Antonio Valle Antunes Júnior Co-orientador: Ely Laureano Paiva São Leopoldo 2005

3 Dissertação Estratégia de Produção em Empresas com Linhas de Produtos Diferenciadas Um Estudo de Caso, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração Nível Mestrado da Universidade do Vale do Rio dos Sinos pelo aluno Marcelo Klippel, e aprovada em 29/03/2005, pela Banca Examinadora. Prof. Dr. José Antônio Valle Antunes Júnior - Orientador Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Prof. Dr. Ely Laureano Paiva Co-Orientador Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Visto e permitida a impressão São Leopoldo, Prof. Dr. Ely Laureano Paiva Coordenador Executivo PPG em Administração

4 Dedico este trabalho às quatro pessoas mais importantes da minha vida: meu pai Altair, minha mãe Núbia, minha irmã Cristiane e minha futura esposa Paula. Agradeço a estas pessoas, que eu tanto amo, por toda a compreensão, paciência, carinho, amor, apoio e motivação dispensados ao longo da minha vida.

5 AGRADECIMENTOS Para o desenvolvimento desta dissertação de mestrado, foi necessário percorrer um longo percurso, envolvendo muitas pessoas direta ou indiretamente. Uma dissertação de mestrado extrapola as fronteiras acadêmicas, compreendendo tanto os profissionais envolvidas da Empresa estudada como os próprios familiares, amigos e colegas de trabalho. Portanto, gostaria de a todas as pessoas que contribuíram de alguma forma para a elaboração da presente dissertação: Ao Prof. Dr. José Antonio Valle Antunes Jr. pela sua fundamental orientação e principalmente pela amizade, não apenas durante a elaboração deste trabalho, mas também dispensada no decorrer da minha formação pessoal e profissional. Ao Prof. Dr. Ely Laureano Paiva, pela sua atividade de co-orientação e importantes contribuições para enriquecimento desta pesquisa. Ao Prof. Dr. Adriano Proença pelas significativas contribuições na análise e exame desta dissertação. Aos Professores Dr. Heitor Hexsel e Achyles Barcelos pela análise e participação na defesa desta dissertação. Aos amigos e agora sócios Flávio Pizzato, Luis Henrique Rodrigues, Ivan De Pellegrin, Roberto Alvarez, Ricardo Cassel, Guilherme Vaccaro, Fabian Becker, Rafael Jorge, Mari e André, pela amizade e motivação, e principalmente pela compreensão tanto pessoal como profissional para viabilizar a conclusão deste trabalho. Ao corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos pela ampliação dos meus conhecimentos. À empresa RANDON Implementos, em especial para Celso Catarina pela oportunidade proporcionada e para Marco Antonio Camargo, Jussara Picinini e Rogério De Miranda, pela atenção e auxílio na abertura de portas e pela busca por dados e informações para a pesquisa.

6 Aos demais profissionais da RANDON Implementos que contribuíram de alguma forma para o desenvolvimento deste trabalho: Fontana, Rocha, Clademir, Jaime, Salib, Basso, Sasset, Alexandre Guerra, Artêmio, Buffon, Celso, Juliano, Jones, César, Flávio, Claudinei, Iran, Fábio Tronca, Alex Mattos, Deomédes, Rudimar, Claude, Tedesco, Rafael Todero, Daniel Basso, Enivaldo Borges, Alexandre Appio, João Henrique, Ângelo Lunardi, Leandro Bertin, Edson Klipel, Viviane Dambros, Carlos Wanderlei, Odair Padilha, Gerson Gazzola e Fernanda Godolfim. Às secretárias do PPGA da UNISINOS, em especial à Ana Zilles, pela atenção e sempre prontidão em nos auxiliar na solução dos problemas e imprevistos. Aos colegas de mestrado com os quais tive o prazer de conviver durante estes dois anos e fazer novos amigos: Koetz, Guilherme, Carmen, Lacerda, Puffal, Denise, Eliane, Fabrício, Fernanda, Flávio, Gabriela, Heitor, Josué, Júlio, Schneider, Maldaner, Marlom, Rafa, Raul, Brandão, Robinson, Ronaldo, Tétis, Vilmar. Aos colegas de trabalho, que de alguma forma contribuíram para a ampliação e desenvolvimento dos conhecimentos e pelo apoio e motivação: Elias, Adenilton (Kalunga), Cristiano Valer (Bitoca), Ariel (Moita), Aline, Paulinha, Katya, Oscar (Popeye), Thiaguinho (Pendengas), Paulo (Xera), Ezequiel, Diego, Rodrigo Pinto, Felipe Menezes, Ricardo (Brandão), Cristiano Schuch, Roberto (Mamão), Goronzinho, Banõlas, Augusto, Mosena, Alemão Seidel. Aos casais amigos, que por diversas vezes durante estes dois anos de mestrado, tive que abandonar o prazer de suas companhias para focar nos estudos e no desenvolvimento desta dissertação: Fernando (Torrado) e Kássima, Lelo ( Leonardo ) e Lú, Rafa (Gordo) e Tai, Cy e Gabi, Luís Augusto (Guto) e Paty, Celsinho e Béa, Nereu e Cíntia, Everton (Arigó) e Milena. Ao amigo e cunhado Luís Felipe (Amador), pelos momentos de festas e alegrias. À toda minha família de modo geral e particularmente: Vó Lays, Dada, Tio Sérgio, Lelis, Diego, Neide. Também gostaria de agradecer à minha avó paterna Emy (in memorian) e meu avô materno Edy (in memorian), pelos exemplos de vida aqui deixados e transmitidos a mim por meus pais.

7 RESUMO O mercado brasileiro apresenta características de intensa competição em certos segmentos industriais e escalas de produção globais reduzidas em comparação com os EUA, Europa e Japão. Certas empresas líderes em seus respectivos mercados, incluindo a situação da indústria rodo-ferroviária, necessitam desenvolver estratégias de negócio e de produção que tenham capacidade de atender um ambiente competitivo caracterizado por: i) fabricar uma ampla faixa de produtos procurando garantir um volume total de produção expressivo; ii) competir em mercados distintos do ponto-de-vista das linhas de produtos fabricados; iii) em muitos casos, enfrentar concorrentes menores focados na produção de linhas específicas. Portanto, o sistema produtivo da Empresa foco deste trabalho caracteriza-se pela fabricação de uma ampla e diversificada linhas de produtos que atende a maior parte da gama de produto da indústria rodo-ferroviária. Assim, o presente trabalho busca estudar e analisar as questões associadas à estratégia de produção de empresas com linhas de produtos diferenciadas. O referencial teórico busca apresentar os principais aspectos teóricos acerca da estratégia de produção, partindo-se do método proposto por Hayes et al. (2005) para se analisar a Estratégia Corporativa de Produção. Visando enriquecer os conceitos propostos por Hayes et al. (2005) propõe-se considerar a noção de Rede de Valor de Operações (RVO), em substituição as categorias de decisão clássicas, e o conceito de competências centrais. A noção de RVO proporciona uma visão sistêmica do fluxo de valor que potencializa uma melhor compreensão das unidades de negócio e da empresa facilitando a formulação da estratégia de produção da empresa. O conceito de competências centrais facilita identificar os pontos centrais da empresa que proporcionam uma maior agregação de valor ao cliente. Após a construção do referencial teórico foi realizado o desenvolvimento do caso da Randon. Posteriormente, foi elaborada uma análise crítica do estudo de caso buscando discutir as competências centrais da Randon Implementos, bem como estabelecer a partir das análises das RVOs das linhas de produtos - os principais pontos de alavancagem e a melhorar das linhas de produtos selecionadas. A dissertação desperta para a necessidade de se aprofundar a análise acerca das questões associadas à(s) estratégia(s) de produção nas empresas que fabricam linhas de produtos diversificados. Em se tratando de decisões estratégicas para as organizações, é necessário considerar a empresa como um todo e as linhas de produtos diferenciadas em particular. Isto se dá no sentido em que, partindo-se da constatação de que as linhas diferenciadas competem com características e aspectos mercadológicos diferenciados, parece não poder haver uma única estratégia de produção passível de ser adotada homogeneamente em todas as linhas de produtos. Neste sentido, é necessária uma análise conjunta, sistêmica, complementar e inter-relacionada entre os aspectos genéricos da RVO e das competências centrais da empresa como um todo e os aspectos específicos ligados a RVO e as competências das linhas específicas de produtos. Palavras-chave: estratégia de produção, rede de valor de operações, competências centrais.

8 8 ABSTRACT The Brazilian market presents some characteristics of intensive competitive at certain industrial segments and global productions scale reduced in compare of USA, Europe and Japan. Some leaders companies at theirs respective markets, including the industrial segment of road and rail equipment for the transport of cargoes, have the necessity of developing business and production strategies that have enough capacity to attend the competitive environment characterized: i) to produce a wide range of products in order to assure a expressive total production volume; ii) to compete at different markets considering the manufactured products lines; iii) at many cases, to confront smaller competitors focused at specifics products lines. Therefore, the productive system of the Company center of this dissertation was characterized by the manufacturing of a diversified and wide products line that attend the most range of this segment products. Thus, the present work has the intention to study and analyze the question related to Production Strategy for Companies with diversified products lines. The theoretical reference presents the principals theoretical aspects concern the Production Strategy, starting by the method proposed by Hayes et al. (2005), developed to analyze the Corporate Operations Strategy. In order to enrich the concepts proposed by Hayes et al. (2005), this work proposes to consider the notion of Operation Value Network (RVO) instead of classical decision categories, and the concept of Core Competencies. The notion of RVO provides a systemic view of value flow that potentiates a better comprehension company and the business unit, contributing for the formulation of Company Production Strategy. The concept of core competencies facilitates to identify the Company core points that provide a better value aggregation to costumers. After the construction of Theoretical Reference, the Randon Case was developed. Later, a critical analyzes of case study was elaborated in order to discuss the core competencies of Randon Implementos as well as to establish the principals leverage and to improvement points of selected products lines from the analyzes of the respective RVOs. The dissertation wake up the necessity of deepening the analyze concern the questions related to Production Strategies of companies that manufactures diversified products lines. Related to organizations strategic decisions, it is necessary to consider the Company as a whole and the diversified products lines in particular. Starting from the evidence that the diversified lines compete with different market aspects and characteristics, it seems that it cannot have a unique Production Strategy subject of being adopted to all products lines in a homogeneous manner. Thus, it is necessary to develop a systemic, complemental, unified and cross-related between RVO generics aspects and the core competencies of the Company as a whole, and the specifics aspects linked with the RVO and competencies of the products lines in particular. Key-words: production strategy, operations value networks, core competencies.

9 9 SUMÁRIO RESUMO...7 ABSTRACT...8 SUMÁRIO...9 LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO Contextualização do Tema Objetivos Objetivo Geral Objetivos Operativos Justificativa Delimitação do Estudo Estrutura do Trabalho REFERENCIAL TEÓRICO Considerações Iniciais Competitividade Industrial Gerência Estratégica de Produção Os Níveis Estratégicos Estratégia de Produção: Evolução e Conceituação Estratégias Genéricas de Produção Dimensões/Critérios Competitivos Categorias de Decisão Cadeia de Valor e Rede de Valor de Operações Atividade de Desenvolvimento de Produtos Atividade de Suprimentos Atividade de Produção Atividade de Distribuição Atividade de Serviços Agregados Formulação/Desenvolvimento de Estratégias de Produção O Conceito da Estratégia Corporativa de Produção Competências Centrais Estratégia Corporativa de Produção Baseado na RVO...76

10 10 3 MÉTODO Método de Pesquisa Método de Trabalho ESTUDO DE CASO Visão Geral do Grupo Randon Randon Implementos Caracterização e Aspectos Mercadológicos Aspectos Gerais Aspectos Mercadológicos Randon Implementos Atividade Desenvolvimento e Engenharia de Produto Randon Implementos Atividade Suprimentos Randon Implementos Atividade Produção Sistema de Produção Concepção Atual A Produção em Lotes A Produção em Fluxo Unitário de Peças O Planejamento, Programação e Controle da Produção e dos Materiais Planejamento da Produção Programação da Produção Aspectos Gerais Associados ao PPCPM Lógica Geral de Funcionamento do PPCPM Análise Crítica da Utilização do Sistema MRP/MRP II Recursos Humanos Garantia e Engenharia da Qualidade Ferramentaria Randon Implementos Distribuição Randon Implementos Serviços Agregados Randon Implementos Custos Industriais e Indicadores de Desempenho Custos Industriais Indicadores de Desempenho As Linhas de Produtos Linha de Produtos Carga Seca/Graneleiro Caracterização e Questões Mercadológicas Desenvolvimento de Produto/Engenharia de Produto Suprimentos Produção Distribuição Serviços Agregados Linha de Produtos Tanques Aço Carbono Caracterização e Questões Mercadológicas Desenvolvimento de Produto/Engenharia de Produto Suprimentos Produção Distribuição Serviços Agregados Linha de Produtos Vagões Ferroviário Caracterização e Questões Mercadológicas Desenvolvimento de Produto/Engenharia de Produto Suprimentos Produção Distribuição Serviços Agregados ANÁLISE CRÍTICA À LUZ DA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO...227

11 Introdução Competências Centrais na Randon Implementos Aspectos Genéricos da Empresa e Específicos das Linhas Pontos de Alavancagem e Pontos a Melhorar Considerações Finais a Respeito da Relação Entre a Análise das RVOs e das Competências Centrais CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA TRABALHOS FUTUROS Conclusões Limitações Recomendações para Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO A - Roteiro Geral para Entrevistas ANEXO B - Telas do Software de Coleta e Acompanhamento de Dados de Produção ANEXO C - Fábricas Focalizadas e Unidades Estratégicas de Negócios...267

12 12 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Forças que Dirigem a Concorrência na Empresa Figura 2 - Elementos-chave da Determinação da Competitividade Industrial Figura 3 - Diferenças entre Gestão de Produção e Estratégia de Produção Figura 4 - Os três níveis estratégicos da empresa Figura 5 - Níveis Estratégicos (Cenário 1) Figura 6 - Níveis Estratégicos (Cenário 2) Figura 7 - Níveis Estratégicos (Cenário 3) Figura 8 - Estratégias Genéricas de Produção Figura 9 - Critérios para Avaliação de uma Estratégia de Produção Figura 10 - Ligação entre as estratégias competitivas e os critérios competitivos da produção Figura 11 - Grandes objetivos e sub-objetivos de produção Figura 12 - Categorias de Decisão para Estratégia de Produção Figura 13 - Relação de categorias de decisão e estratégias genéricas de produção Figura 14 - Matriz de Relacionamentos entre Critérios de Desempenho e suas Áreas de Decisão Figura 15 - Cadeia Genérica de Valor Figura 16 - A Rede de Valor de Operações - RVO Figura 17 - RVO para SBUs Figura 18 - Custos Totais de Distribuição Figura 19 - Matriz importância-desempenho Figura 20 - O Conceito da Estratégia Corporativa de Produção Figura 21 - Estratégia Corporativa de Produção na RVO Figura 22 - Fontes de Evidência: Pontos Fortes e Fracos e Exemplos Figura 23 - Etapas do Método de Trabalho Figura 24 - Atividades da RVO e Profissionais Entrevistados Figura 25 - Faturamento e Lucro Líquido do Grupo RANDON Figura 26 - RVO na Randon Implementos (Aspectos Gerais e Mercadológicos) Figura 27 - Produtos Randon Implementos Figura 28 - Participação de Mercado Randon Implementos e Principais Concorrentes Figura 29 - Faturamento e Lucro Líquido da Randon Implementos Figura 30 - Faturamento com Exportação da Randon Implementos Figura 31 Participação no Faturamento com Exportações Randon Implementos Figura 32 - Estrutura Organizacional Resumida Figura 33 - Organograma Diretoria Comercial Figura 34 - Organograma Diretoria de Suprimentos, Administração e Finanças Figura 35 - Organograma Diretoria Industrial e Tecnologia Figura 36 - RVO na Randon Implementos (Desenvolvimento e Engenharia de Produto) Figura 37 - RVO na Randon Implementos (Suprimentos) Figura 38 - Levantamento de Itens Liberados Fora da TR Figura 39 - RVO na Randon Implementos (Produção) Figura 40 - Macro Processos Produtivos da Randon Implementos Figura 41 - Macro Processo e Leiaute da Pintura Figura 42 - Atividades de Planejamento da Produção Figura 43 - Atividades de Programação da Produção Figura 44 - Indicadores da área de RH

13 Figura 45 - Exemplo de Poka-Yoke (Fixação de Ferramentas e Peças) Figura 46 - Exemplo de Poka-Yoke (Dispositivo para Marcação de Montagem e Solda) Figura 47 - RVO na Randon Implementos (Distribuição) Figura 48 - RVO na Randon Implementos (Serviços Agregados) Figura 49 - Metas Específicas Programa PARTICIPANDO Figura 50 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Questões Mercadológicas) Figura 51 - Produtos Carga Seca (CS) Figura 52 - Produtos Graneleiro (GR) Figura 53 - Preço de Venda e Custo Médios dos Produtos CS/GR Figura 54 - Participação do Produto CS/GR no Mercado de Implementos Rodoviários Figura 55 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Desenvolvimento e Engenharia de Produto) Figura 56 - Relação Produtos Configurados x Especiais CS/GR (%) Figura 57 - % Projetos CS/GR Figura 58 - % Vendas Concretizadas Figura 59 - Lead-time Projetos CS/GR x Todos Produtos Figura 60 - Prazo de Entrega Projetos CS/GR x Todos Produtos Figura 61 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Suprimentos) Figura 62 - Melhoria com o Sistema Kanban Figura 63 - Outro Exemplo do Kanban na Linha CS/GR Figura 64 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Produção) Figura 65 - Mudanças na Linha CS/GR Figura 66 - Prazo de Entrega CS/GR Figura 67 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Distribuição) Figura 68 - Cadeia de Valor Linha CS/GR (Serviços Agregados) Figura 69 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Questões Mercadológicas) Figura 70 - Produtos Tanque Aço Carbono (TQ CO) Figura 71 - Preço de Venda e Custo Médios dos Produtos TQ CO Figura 72 - Participação do Produto TQ CO no Mercado de Implementos Rodoviários Figura 73 - Tanque Safety Plus Figura 74 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Desenvolvimento e Engenharia de Produto) Figura 75 - Relação Produtos Configurados x Especiais Tanques (%) Figura 76 - % Vendas Concretizadas Figura 77 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Suprimentos) Figura 78 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Produção) Figura 79 - Montagem do Tanque Figura 80 - Melhoria com Implantação do Kanban (1) Figura 81 - Melhoria com Implantação do Kanban (2) Figura 82 - Prazo de Entrega TQ CO Figura 83 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Distribuição) Figura 84 - Cadeia de Valor Linha TQ CO (Serviços Agregados) Figura 85 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Questões Mercadológicas) Figura 86 - Produto Vagão Ferroviário Figura 87 - Preço de Venda e Custo Médios do Vagão Hopper Figura 88 - Produção de Vagões no Brasil Figura 89 - Exportação Vagões Ferroviários de Carga Figura 90 - Participação por Cliente - Vagão Ferroviário Figura 91 - Truque do Vagão Ferroviário Figura 92 - Organograma Negócio Ferroviário Figura 93 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Desenvolvimento e Engenharia de Produto) Figura 94 - Macro Fluxo Engenharia de Produto - Vagões Ferroviários Figura 95 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Suprimentos) Figura 96 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Produção) Figura 97 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Distribuição) Figura 98 - Cadeia de Valor Linha Vagões Ferroviários (Serviços Agregados) Figura 99 - Aspectos Genéricos e Específicos das RVOs Figura Pontos de Alavancagem das Linhas de Produtos Figura Pontos a Melhorar das Linhas de Produtos

14 14 1 INTRODUÇÃO Atualmente é possível identificar um incremento da competitividade no ambiente organizacional, diretamente relacionado com o fenômeno da globalização/internacionalização da economia, as organizações necessitam buscar melhorias contínuas nos seus negócios em geral, e nos sistemas produtivos em particular. Esta busca incessante por sistemas de produção completos e eficazes vem fazendo com que as organizações industriais tendam a se defrontar com um conjunto de dificuldades relacionadas com a sua concepção, implementação e gerenciamento. Para assegurar a sobrevivência as empresas necessitam aprimorar os processos envolvidos no sistema de produção. Sob outra ótica esta sobrevivência pode ser assegurada através do conhecimento associado à utilização da inteligência organizacional, que representa o fator fundamental para a continuidade da atividade organizacional. A partir do exposto acima pode se perceber que vários elementos promovem a complexidade e a criticidade no que tange a gestão de um sistema de produção. Este conjunto de elementos internos tende a associar-se a elementos ligados ao ambiente externo de mercado. Entre os aspectos externos pode-se citar: i) a relação entre demanda e oferta global; ii) o nível de concorrência (normas da concorrência); iii) aspectos ligados ao fornecimento de materiais; iv) entrantes potenciais tanto com capital nacional, como internacional. A definição

15 e a concepção da estratégia de produção necessitam levar em consideração, simultaneamente, este amplo conjunto de arranjos Contextualização do Tema Partindo do exposto no item anterior, uma questão essencial parece necessitar de pesquisas aprofundadas: a análise e definição da(s) estratégia(s) de produção da empresa levando-se em consideração as questões genéricas que dizem respeito à empresa como um todo e as questões específicas que estão relacionadas com cada unidade de negócios ou linha de produção em particular. Ainda, a definição da(s) estratégia(s) de produção da empresa necessita(m) considerar (em) aspectos importantes da estratégia de negócios da empresa, e/ou/ ainda a estratégia corporativa do grupo empresarial. Ou seja, a(s) estratégia(s) de produção deve(m) estar completamente alinhada(s) e sincronizada(s) com a estratégia de negócio da empresa e com a estratégia corporativa do grupo empresarial. Porém, não apenas de maneira agrupada e genérica, mas considerando-se as particularidades de cada produto e mercado. Em termos de estratégia de produção, busca-se analisar as dimensões da competitividade de uma maneira abrangente, ampliando-se as dimensões estratégicas, como se segue: i) Preço/custo de produção; ii) iii) iv) Qualidade; Definição dos prazos de entrega dos produtos e seu atendimento; Lead-time dos produtos; v) Flexibilidade para as mudanças propostas; vi) Atender às inovações tecnológicas requisitadas em termos do mercado.

16 De outra parte, no sentido do atendimento das dimensões competitivas, podem-se citar as principais atividades envolvendo a cadeia de valor da empresa: a. Desenvolvimento de Produtos: projeto de produto e processo; b. Suprimentos: compras, suprimentos, logística e fornecedores; c. Produção: PPCPM Planejamento, Programação e Controle da Produção e Materiais; Engenharia Industrial (Manutenção Produtiva Total, Gestão dos Postos de Trabalho, Troca Rápida de Ferramentas, Controle de Qualidade Zero Defeitos, Leiaute); Indicadores de Desempenho e Custos de Produção; d. Distribuição: Logística, Custos; e. Serviços Agregados: Garantias, Assistência Técnica; 16 Além das atividades supracitadas, deve-se considerar o ambiente externo, através das exigências do cliente e da pressão dos concorrentes. O trabalho será desenvolvido na empresa Randon Implementos S.A., uma empresa do Grupo RANDON. A Randon Implementos projeta e desenvolve soluções para transporte. A linha de produtos fabricados engloba diferentes tipos de equipamentos entre os quais: carrocerias, reboques, semi-reboques para o transporte de cargas secas, líquidas, indivisíveis e frigorificadas, sistema bimodal e silos. O presente trabalho busca analisar a seguinte questão: Como as características genéricas da empresa como um todo e específicas por linha de produto ou unidade de negócios contribuem para a definição da(s) estratégia(s) de produção da Randon Implementos, considerando-se uma análise em três linhas de produtos diferenciadas da empresa?

17 Objetivos São os seguintes os objetivos geral e operativos do presente trabalho Objetivo Geral O objetivo geral da dissertação consiste em analisar a(s) estratégia(s) de produção da empresa a partir da construção de um referencial teórico e estratégico baseado nos conceitos de RVO e nas competências centrais, aplicado para empresa como um todo e para três linhas de produtos da Randon Implementos que competem segundo diferentes características mercadológicas Objetivos Operativos São os seguintes os objetivos operativos do trabalho: Construir um framework/modelo teórico, partindo do modelo de análise proposto por Hayes et al. (2005) intitulado de Estratégia Corporativa de Produção, para analisar empresas com linhas de produtos diferenciadas à luz dos conceitos e da teoria da estratégia de produção; Identificação e descrição das principais características genéricas da empresa e das três linhas de produtos em particular, à luz das atividades da RVO, que contribuem em termos de estratégia de produção para a Randon Implementos; Analisar a forma como a empresa vem tratando as competências centrais e a estratégia de produção em termos de amplitude, ou seja, de forma genérica para a empresa com um todo ou específica para as linhas de produtos em particular;

18 18 Analisar, a partir do referencial teórico proposto, os principais pontos estratégicos passíveis de alavancagem e pontos a melhorar da empresa como um todo e das três linhas de produtos em particular. 1.3 Justificativa Em termos de justificativa do desenvolvimento desta proposta, apresentam-se os pressupostos que sustentam o trabalho proposto, que podem ser resumidos nos seguintes pontos gerais: O mercado de implementos para transporte rodo-ferroviário em todo o mundo, por estar associado aos chamados veículos pesados, apresenta baixas escalas de produção em relação aos veículos leves (carros de passeio e utilitários). Em decorrência disto, existem particularidades importantes no que tange os aspectos mercadológicos de maneira geral e as atividades da cadeia produtiva de forma específica. No mercado de implementos para transporte de carga, a produção é muito mais descentralizada, uma vez que existem invariavelmente mais fabricantes de implementos para transporte de carga do que fabricantes de veículos leves. Desta forma, as questões associadas com a concorrência de mercado são bastante complexas e exigem ações e estratégias que levem em consideração os aspectos sistêmicos observados neste mercado. Em termos de desenvolvimento teórico, considera-se importante o avanço no que consiste a análise da estratégia de produção de uma empresa no que tange as questões e atividades associadas com a RVO e com as competências centrais. Assim, uma abordagem referencial teórica para análise das estratégias de produção de empresas com linhas de produtos diferenciadas parece ter potencialidade de contribuir para o avanço teórico acerca da estratégia de produção.

19 19 Em termos práticos quanto à aplicação da teoria em termos de estratégia de produção, parece existe uma carência no que tange o desenvolvimento de trabalhos práticos e teóricos em Engenharia de Produção que levem em consideração as empresas que fabricam linhas de produtos diferenciadas e/ou unidades estratégicas de negócios. 1.4 Delimitação do Estudo Em primeiro lugar não faz parte do escopo da presente pesquisa a analisar ou discutir a definição da Estratégia Corporativa da Empresa nem Grupo Empresarial, uma vez que estas são definidas pelo Planejamento Estratégico da Empresa. Enquanto uma segunda delimitação do presente estudo, tem-se a amplitude de linhas de produtos fabricados a serem consideradas. Neste caso, o pesquisador toma uma decisão estratégica levando em conta as linhas de produtos mais significativas considerando-se entre outros os seguintes critérios: volume de produção/vendas, resultados econômicos financeiros e nível de complexidade envolvido nos subsistemas de produção, inovação, etc. Sendo assim, em conjunto com profissionais da empresa e consoante com os aspectos teóricos envolvidos serão definidas três linhas de produtos como foco de abordagem no presente trabalho. 1.5 Estrutura do Trabalho O trabalho possui a estrutura geral discutida a seguir. No Capítulo 1 é feita a Introdução deste trabalho. Neste estão incluídos a introdução propriamente dita, a contextualização do tema, a justificativa, os objetivos, a delimitação e a estrutura desta dissertação.

20 No Capítulo 2 é apresentado o referencial teórico utilizado para elaboração do trabalho, através de apresentação dos princípios, conceitos e técnicas relevantes para o desenvolvimento da presente pesquisa. 20 No Capítulo 3 é apresentado o Método de Pesquisa e o Método de Trabalho utilizado para a consecução da pesquisa. No Capítulo 4, é apresentado o detalhamento do Estudo de Caso na empresa foco do presente trabalho, de forma a apresentar primeiramente a empresa como um todo e na seqüência as linhas de produtos selecionadas. No Capítulo 5, é desenvolvida e apresentada a análise crítica do Estudo de Caso à luz do referencial teórico proposto no Capítulo 2. No Capítulo 6, são apresentadas as principais conclusões e limitações da presente pesquisa e as sugestões e recomendações para trabalhos futuros.

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Marketing. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

Planejamento Estratégico. Planejamento Estratégico. Slides 01 Introdução Planejamento Estratégico. Leituras recomendadas

Planejamento Estratégico. Planejamento Estratégico. Slides 01 Introdução Planejamento Estratégico. Leituras recomendadas Slides 01 Introdução Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar ao discente, com um nível de detalhamento que lhe proporcione uma visão mais explícita,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais