GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE"

Transcrição

1 GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE Paulo Roma Neto (Vale) Sergio Sampaio Cutrim (UFMA) Leo Tadeu Robles (UFMA) Samyr de Jesus Cutrim (UFMA) No contexto de competitividade mundial entre as empresas, a eficácia e eficiência das operações logísticas e de manutenção industrial são essenciais meios visando competitividade e resposta às diversas necessidades das empresas. São peças cchave para o crescimento e desenvolvimento das organizações. Então, as empresas têm procurado desenvolver ferramentas de acordo com o setor que atuam para conseguir aperfeiçoar a gestão dos seus ativos. Uma dessas ferramentas é a metodologia de tratamento de perdas que tem por objetivo o estabelecimento de uma sistemática de tratamento de desvios e falhas de acordo com padrões e indicadores chaves de processo críticos, previamente estabelecidos. O presente trabalho realizará uma análise crítica da aplicação do tratamento de perdas através de um estudo de caso realizado no processo de descarga do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira Palavras-chaves: Gerenciamento da Qualidade Total, Manutenção, Tratamento de Perdas.

2 1. Introdução O cenário econômico mundial vem sofrendo constantes alterações, tal fato se reflete diretamente nas empresas que diante da alta competitividade do mercado têm adotado novas formas de gerenciar suas operações. Isso se dá com a implementação de novas ferramentas e metodologias visando atingir os objetivos de desempenho. Segundo Slack (2002) existem cinco objetivos de desempenho: qualidade, rapidez, credibilidade, flexibilidade e custos. Uma das metodologias aplicadas é o tratamento de perdas, que segundo o regulamento, REG : Diretrizes VPS para dimensão Manutenção, da Vale, tem por objetivo tratar as perdas da manutenção para garantir a integridade e o desempenho do ativo. No caso do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (TMPM), em São Luís-MA, sob administração da Vale, foram identificados oportunidades de melhoras no indicador de disponibilidade intrínseca do processo de descarga de viradores de vagões. Desta forma, iniciouse um trabalho visando aplicar uma metodologia para o tratamento das perdas que causavam o desempenho abaixo do esperado do indicador. A empresa tem procurado desenvolver ferramentas de acordo com os seus negócios para conseguir aperfeiçoar a gestão dos seus ativos. Uma dessas ferramentas é a metodologia de tratamento de perdas que tem por objetivo o estabelecimento de uma sistemática de tratamento de desvios e falhas de acordo com padrões e indicadores chaves de processo críticos, previamente estabelecidos e monitorados. O presente trabalho realizará uma análise crítica da aplicação do tratamento de perdas através de um estudo de caso realizado no processo de descarga de minério no TMPM. 2. Referencial teórico O trabalho apresentará uma fundamentação teórica dos conceitos mais importantes que envolvem a metodologia de tratamento de perdas, como: administração estratégica da produção, qualidade como estratégia de negócios, controle e gerenciamento da qualidade total, controle de processos produtivos voltados para a qualidade, metodologia PDCA, tratamento de perdas e confiabilidade. Segundo Lakatos e Marconi (2007), quanto à natureza, a pesquisa será qualitativa, na medida em que será realizada uma análise crítica do processo de aplicação da sistemática de tratamento de perdas, analisando se a aplicação da metodologia está de acordo com os padrões estabelecidos. Conforme Cervo, Bervian e Silva (2007), quanto ao objetivo, a pesquisa a ser realizada é exploratória, pois percebesse uma carência de conhecimento acerca do problema e quanto aos meios será realizado um estudo de caso visando levantar hipóteses a serem estudas. Quanto aos dados, estes serão obtidos por pesquisa documental nos arquivos da empresa estudada e por observação direta. 2

3 Segundo classificação de Marconi e Lakatos (2007), será realizada documentação direta, através de estudo de caso. Além de Observação Direta Intensiva, com a técnica de observação, para coleta de dados e tratamento. O estudo de caso apresentará a aplicação da metodologia de tratamento de perdas no gerenciamento da manutenção do processo de descarga de minérios do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira que visa melhorar e fornecer mais confiabilidade aos resultados daquele processo. O ciclo PDCA de controle de processo O controle de processo pode ser exercido através do Ciclo PDCA de controle de processos. A Figura 1, mostra o ciclo PDCA composto por quatro fases básicas de controle: planejar (plan), executar (do), verificar (check) e atuar corretivamente (action). Figura 1- Ciclo PDCA de controle de processos Fonte: Adaptado de (Aguiar, 2006) Segundo Aguiar (2006), no planejamento é definida a meta de interesse e estabelecidos os meios (planos de ação) necessários para atingir a meta proposta. Para a execução dos planos de ação, as pessoas são treinadas nesses planos. A seguir, os planos são implementados e são coletados dados que possam fornecer informações sobre a obtenção da meta. Ainda segundo Aguiar (2006), a verificação deve ser feita com o uso dos dados coletados na etapa de execução, e é feita uma avaliação dos resultados obtidos em relação ao alcance da 3

4 meta. Na etapa de ação, se a meta foi alcançada, são estabelecidos os meios de manutenção dos bons resultados obtidos. Já se a meta não foi alcançada, inicia-se novo giro do PDCA, com o objetivo de se encontrar meios que levem o processo a obter resultados que superem a diferença (lacuna) entre o valor da meta e o resultado alcançado com a implementação do plano de ação. Segundo Campos (1999), o ciclo PDCA de controle pode ser utilizado para manter e melhorar as diretrizes de controle de um processo. O caminho do sucesso para obter melhorias contínuas nos processos é o de conjugar os dois tipos de gerenciamento: manutenção e melhorias, como mostra a Figura 2. Figura 2 - Ciclo de melhoria contínua Fonte: Adaptado de (Campos, 1999) Tratamento de Perdas A identificação e eliminação das perdas no processo produtivo exigem um estudo minucioso, da rede de processos e das operações que formam a estrutura de produção, com o objetivo de tratar tais disfunções. As inspeções não devem ter o propósito de descobrir defeitos e sim de eliminá-los (GHINATO, 1994). Uma das principais metodologias para o tratamento de perdas é a análise de falhas, que segundo Slack (2009) é uma das atividades críticas da organização quando da ocorrência de uma falha. Prevenção de falhas 4

5 Slack (2009) afirma que uma forma evidente de aprimorar o desempenho de operações é prevenir falhas. Falhas são raramente desprovidas de importância, mas em algumas operações é crucial que os processos não falhem. Dessa forma, é importante que possamos aprender com todas as falhas e que tenhamos planos em vigor para ajudar a recuperar e minimizar seus efeitos. As falhas são vistas como uma oportunidade de examinar por que ocorreram e de implementar procedimentos que eliminem ou reduzam a probabilidade de ocorrerem novamente. O autor afirma que há três conjuntos de atividades que se relacionam a falhas: a detecção e análise de falhas, a melhoria da qualidade do sistema e a recuperação de falhas. Confiabilidade e análise de falhas Segundo Gaither (2002), confiabilidade é a probabilidade de um tipo de peça não falhar dentro de um dado período ou determinada quantidade de testes sob condições normais de uso. Sendo que a confiabilidade do componente em geral é medida por: confiabilidade, razão de falha e tempo médio entre falhas (mean time between failures - MTBF). Segundo Martins (2007), a análise de falhas é uma técnica a ser utilizada para prevenir ou para analisar não conformidades em projetos, processos e produtos. 3. Estudo de caso O Terminal Marítimo de Ponta da Madeira está inserido no Sistema Norte da Vale, que compreende o sistema integrado mina-ferrovia-porto, composto pelas minas a céu aberto de Carajás/PA, por uma usina de beneficiamento de minério de ferro e pela estrada de ferro Carajás. A gerência de manutenção da descarga utiliza diversos indicadores para o monitoramento do desempenho dos seus processos. Será apresentada a seguir a estratificação desses indicadores e principalmente o indicador Disponibilidade Intrínseca que tem importância significativa para o entendimento do trabalho. Segundo o Anexo I do Procedimento Operacional PRO Manual de Indicadores Vale, de acordo com a aplicabilidade, os indicadores podem ser estratificados e consolidados. Como mostra a Figura 3. Figura 3- Estratificações e consolidações dos indicadores Fonte: Adaptado de Procedimento Operacional PRO Manual de indicadores Vale (A empresa, 2011). 5

6 Hora de Atraso Operacional (HAO) Hora Trabalhada Diversa (HTD) Hora Trabalhada não Produtiva (HTNP) Hora Ociosa Interna (HOI) Hora Acidente (HAC) XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Os indicadores chaves do processo de descarga do TMPM são originados a partir da estratificação das horas aplicáveis ao ativo ou processo, conforme a Figura 4. Horas Calendário (HC) Horas Disponíveis (HD) Horas de Manutenção (HM) Horas Disponíveis (HD) Hora Trabalhada (HT) Hora Ociosa (HO) Horas de Manutenção (HM) Hora Manutenção Preventiva (HMP) Hora Manutenção Corretiva (HMC) Hora Trabalhada (HT) Hora Ociosa (HO) Hora Manutenção Preventiva (HMP) Hora Manutenção Corretiva (HMC) Hora Trabalhada Produtiva (HTP) Hora Ociosa Externa (HOE) Hora Manutenção Preventiva Sistemática (MPS) Hora Manutenção Preventiva não Sistemática (MPNS) Hora Manutenção Corretiva (HMC) Hora Trabalhada Produtiva (HTP) Hora Trabalhada não Produtiva (HTNP) Hora Efetiva (HEF) Hora Trabalhada de Infra (HTI) Figura 4- Estratificação das horas aplicáveis ao ativo ou processo Fonte: Adaptado de Procedimento Operacional PRO Manual de indicadores Vale (A empresa, 2011) A Vale possui um sistema de produção,o Sistema Vale de Produção, em inglês Vale Production System (VPS), é um modelo de referência em Excelência de governança na Vale. Segundo o REG Diretrizes para o Sistema de Produção Vale, o objetivo do VPS é gerar melhores resultados implantando metodologias e padrões de classe mundial, na criação de condições para análises e tomadas de ações baseadas em fatos e dados, além de compartilhar as boas práticas buscando o aperfeiçoamento contínuo e a difusão de Cultura de Excelência. O VPS compreende as principais dimensões do negócio: Operação, Manutenção, Gestão e Pessoas tendo como foco a melhoria dos resultados a partir da evolução da maturidade em cada uma dessas dimensões. 6

7 Segundo o regulamento REG Diretrizes VPS para dimensão Manutenção, o objetivo do processo de tratamento de perdas na manutenção é o de tratar as perdas da manutenção para garantir a integridade e o desempenho do ativo. De acordo com o PGS Tratamento de Perdas Portos (2009), para elaboração e análise do perfil de perdas, devem tratadas as perdas de uma natureza ou de alguma de suas parcelas. As naturezas tratadas podem ser obtidas através dos indicadores de desempenho operacionais, como: Disponibilidade Intrínseca(DI), Disponibilidade Física (DF), Tempo médio entre falhas (Mean time between failures) (MTBF) e Tempo médio de reparo (Mean time to repair) (MTTR). A principal fonte de informação a respeito das perdas das máquinas é o Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. O tratamento de falhas pontuais é realizado obedecendo ao padrão estabelecido pela área. Já para falhas sistêmicas, a priorização e tratamento das perdas consistem na estratificação das perdas do processo produtivo, por meio gráfico, identificando quais são as maiores oportunidades de redução de perdas. O objetivo é a atuação em ativos e/ou processos com maior potencial de retorno. Para o tratamento de falhas pontuais deverá ser realizado o tratamento e análise de falhas (TAF), para toda falha que ultrapassar o gatilho estabelecido, sendo obrigatória a utilização de ferramentas da qualidade na análise. Já para falhas sistêmicas, devem-se tomar ações de contingência, realizar análises e relatar no relatório mensal do perfil de perdas. Quanto à avaliação de resultados, para falhas pontuais devem-se coletar evidências, caso as ações não tenham atingido o resultado esperado, será necessário rever a ação e propor uma nova, a fim de solucionar o problema identificado anteriormente. Já para falhas sistêmicas, o acompanhamento deve ser realizado através de reuniões periódicas, para avaliação da eficácia das ações sugeridas nas análises. Deverá ser apresentado na reunião de análise crítica da manutenção (RAC) o acompanhamento do plano de tratamento de falhas (TAF s) e do Perfil de Perdas, com as ações geradas para o tratamento das perdas e falhas identificadas no processo. O gerenciamento (medir, acompanhar, identificar desvios e tratar) é de responsabilidade da gerência de manutenção. O contexto do problema estudado se inicia com os resultados abaixo do esperado de um importante indicador para as operações de descarga do porto, a Disponibilidade Intrínseca (DI) dos equipamentos. O escopo inicial do trabalho pode ser visualizado em oito etapas, três na fase de PDCA e cinco na fase de SDCA. As três etapas da fase de PDCA são: Análise, entendimento e desdobramento do problema maior (DI do processo de descarga), Análise do processo para entendimento das causas e Elaboração das ações para as oportunidades encontradas.as cinco etapas da fase de SDCA são: Definição e uso de gatilhos para o tratamento de falhas, Realização do tratamento e investigação das falhas, Organização do acompanhamento através de reuniões de rotina, Criação e revisão de padrões dos equipamentos que apresentam falhas através de parâmetros de inspeção e de execução, e Elaboração e execução de Diagnósticos Técnicos. Analisando-se a situação da descarga, através dos gráficos da Figura 5, é possível se constatar que há uma grande diferença entre a Disponibilidade Intrínseca real e a meta da organização para este indicador. 7

8 Figura 5-Disponibilidade Intrínseca e horas de manutenção corretiva da descarga em 2011 Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) O indicador DI sofre grande influência do número de horas de manutenções corretivas. Nota-se a partir do gráfico da Figura 5 que ao longo do período observado neste estudo, o número de horas de manutenção corretiva se manteve sempre acima das 600 horas mensais no processo de descarga do Porto Norte. Desta forma, foi elaborado um Gráfico de Pareto no qual foram apresentadas as quantidades de horas de manutenção corretiva em cada equipamento da descarga, a seguir na Figura 6. 8

9 Figura 6- Manutenção Corretiva nos equipamentos de descarga Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) A partir dos dados em horas de manutenções corretivas nos equipamentos de descarga do TMPM, consolidados no gráfico da Figura 6, foi possível constatar que os Viradores de Vagões (VV) (VV1, VV2, VV3 e VV4) foram os equipamentos que mais consumiram horas de manutenção corretiva, no período de Julho de 2010 a março de Todas as horas de manutenção corretiva são sinalizadas no sistema de informação da empresa, chamado SGOP (Sistema Gerencial de Operações Portuárias), apontando os respectivos modos de falha que ocasionaram a necessidade de intervenções corretivas e as durações destas. A partir deste banco de dados, pode-se constatar que sete principais grupos de falhas representam 70% das horas de manutenção corretiva dos Viradores. São estes os sete modos de falha: a) Defeito elétrico no carro posicionador; b) Defeito mecânico no carro posicionador; c) Defeito mecânico no alimentador; d) Defeito elétrico no grampo; e) Defeito elétrico no giro; f) Defeito mecânico no grampo; g) Lubrificação/Hidráulica/Pneumática Estudando-se de forma mais detalhada os eventos de manutenção corretiva no carro posicionador foi possível, constatar que mais de 80% das intervenções duram menos de uma hora. Isso significa que a quantidade de horas de manutenção corretiva no carro posicionador não se deve ao tempo médio de reparo (MTTR) do equipamento e sim a baixa confiabilidade e ao elevado número de falhas, devido ao baixo tempo médio entre falhas (MTBF) do posicionador. A fim de verificar oportunidades de melhoria na performance do indicador MTBF do carro posicionador, buscou-se identificar qual a capacidade histórica do processo. A Figura 7 apresenta o gráfico histórico do MTBF do carro posicionador Causas especiais Figura 7- MTBF das manutenções corretivas no carro posicionador no período de Janeiro/2010 a Fevereiro/2011 9

10 Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) Observa-se, a partir do gráfico da Figura 7, a presença de causas especiais para alguns eventos de manutenções corretivas. Segundo a teoria do Controle Estatístico da Qualidade essas causas devem ser eliminadas da análise. Assim, a Figura 8 apresenta o gráfico do MTBF livre de causas especiais do carro posicionador. Média Período: 1,7h Figura 8-MTBF das manutenções corretivas no carro posicionador sem causas especiais no período de Janeiro/2010 a Fevereiro/2011 Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) Analisando o gráfico da Figura 8 é possível identificar o período de maior estabilidade do MTBF do carro posicionador que é o de julho de 2010 a novembro de Neste período, o MTBF do equipamento manteve uma média de 1,7 horas. Desta forma, decidiu-se que o estudo deverá atuar na melhoria do MTBF do carro posicionador. O objetivo é elevar e estabilizar o MTBF na faixa de resultados alcançados de julho a novembro de 2010,ao desdobrarmos o MTBF do carro posicionador temos em 1º nível a classificação das falhas como elétricas ou mecânicas. Portanto, desdobramos o MTBF do carro posicionador em MTBF mecânico e MTBF elétrico. Estas falhas se localizam em quatro Viradores distintos, cada um com as suas particularidades. Desta forma desdobramos o problema em mais um nível, por virador de vagão. Assim, dividimos o problema até níveis menores, facilitando a divisão de responsabilidades e o tratamento dentro do processo de descarga. Sendo assim, a meta aplicada do estudo é de aumentar o MTBF acumulado do carro posicionador de 1,49 (MTBF atingido entre Janeiro e Março de 2011) para 1,70 horas até Julho/2011. Com a meta já definida, parte-se para o processo de observação do problema, através da elaboração das árvores de falhas que detalham cada modo de falha do equipamento em seus sistemas e subsistemas visando rastrear as falhas que acontecem em cada parte do equipamento. Os dados para a construção das árvores foram coletados diretamente da base de dados da empresa. A Figura 9 mostra a árvore de falhas do modo Defeito Mecânico no Posicionador 10

11 Figura 9- Detalhe da árvore de falhas do modo Defeito Mecânico no Posicionador Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) Após a elaboração das árvores, inicia-se o processo de análise do processo através da análise da causa-raiz das falhas levantadas nas árvores, conseguindo-se detalhar ainda mais a origem das falhas nos equipamentos e suas causas fundamentais. As causas fundamentais foram mapeadas através de entrevistas com as pessoas envolvidas no processo de manutenção dos equipamentos, porém é importante ressaltar que essa consolidação prévia não esgota a necessidade das causas sejam estudadas mais profundamente. A análise do processo não foi suficiente para a elaboração de ações efetivas, sendo estes produtos do grupo de tratamento de pequenas falhas. A formação de um grupo para atuar e explorar as falhas em campo no dia-a-dia, no momento em que estas ocorrem, facilita a identificação e apuração detalhada das falhas. Isso será levado em consideração na elaboração do acompanhamento da rotina e das ações a serem praticadas no tratamento de perdas. Foi criado o Grupo de Pequenas Falhas (GPF), formado por engenheiros, supervisores e técnicos. Este grupo tem a responsabilidade de acompanhar determinados indicadores e propor ações corretivas imediatas. Visando agir de maneira padronizada, controlada e focada no problema inicialmente identificado, um fluxo de Tratamento de Falhas foi elaborado para a atuação do grupo O fluxo se inicia com a verificação dos indicadores de MTBF dos dois dias anteriores dos quatro Viradores de Vagões do processo de descarga. Ficou acordado que essa verificação deveria ocorrer duas vezes por semana, na quarta e na sexta-feira. Após a apuração dos indicadores, deve-se verificar se algum destes atingiu o gatilho. Este gatilho foi acordado como sendo o pior MTBF no dia anterior entre os quatro viradores a ser tratado apenas se o MTBF estivesse abaixo da meta no dia analisado. Se houver o disparo do gatilho, deve-se analisar o perfil de perdas do dia anterior do equipamento de menor MTBF. Na análise, identifica-se a falha que mais ocorreu no dia e parte-se para o tratamento dela. Caso se trate de uma falha nova, deve-se coletar relatos da manutenção corretiva realizada e da operação. No caso da manutenção, as informações sobre paradas de manutenção corretivas podem ser verificadas através do formulário de controle Pzerômetro. 11

12 Já no caso da operação, podem-se obter informações através dos formulários de passagem de serviços que contém um checklist com informações importantes sobre o estado de diversos componentes dos equipamentos. Com isto, deve-se verificar em in loco o que foi feito para remoção do sintoma da falha e investigar in loco as causas da recorrência da falha com o inspetor responsável pelo virador. Com a investigação da falha já realizada, procede-se com o preenchimento do relatório de tratamento de falhas. Neste documento, deve-se preencher uma descrição detalhada da falha, suas consequências, das ações imediatas, da investigação, do plano de ação e da verificação da eficácia. Depois disso, deve-se propor na Reunião de Performance Diária (RPD) a inserção das ações do tratamento de falhas no plano de ação da área, com ações para retirar passivos (desvios no funcionamento dos equipamentos) ou ações estruturantes (visando à melhoria do processo). Essas ações devem ser classificadas visando sua execução em manutenções de oportunidade ou em manutenções preventivas. Ao final deve-se proceder com o arquivamento do relatório de análise da falha, visando o uso da análise em futuros estudos. Se a falha já foi tratada anteriormente, deve-se verificar se as ações foram executadas. Caso as ações tenham sido executadas, deve-se investigar novamente para entender a reincidência da falha tratando-a como se fosse uma falha nova. Senão, deve-se dar prosseguimento identificando a próxima falha que mais ocorreu no carro posicionador nos dois dias anteriores e verificar se esta se trata de uma falha nova ou uma reincidente, retomando o fluxo. Observam-se diversas mudanças no panorama do gerenciamento da manutenção do sistema de descarga do terminal após a aplicação da sistemática de tratamento de perdas, a partir de Maio de Podem-se demonstrar as mudanças a partir de informações e gráficos controlados e disponibilizados pela Engenharia de Confiabilidade da empresa. Esses gráficos apresentam uma série de informações relevantes quanto ao desempenho da operação e da manutenção da empresa. Um desses gráficos é a chamada Matriz de Volumes DF, apresentado na Figura 10, que relaciona as horas de manutenções corretivas e preventivas com o volume descarregado pelos viradores de vagão do terminal, entre janeiro de 2010 e novembro de

13 Figura 10- Matriz de Volumes DF Fonte: (Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo. 2011) Pode-se observar ao longo da série histórica da Matriz de Volumes DF que as horas de manutenção preventiva sempre foram menores do que as horas gastas com manutenção corretiva. Porém, com a aplicação da sistemática de tratamento de perdas a partir de maio de 2011, observase uma tendência ao equilíbrio desses tipos de manutenção chegando ao mesmo patamar de horas gastas em novembro de Outra importante constatação é quanto ao volume descarregado pelos viradores de vagão entre os meses de Julho e Novembro de Com um controle sobre o processo mais apurado, com o tratamento de perdas e reuniões de análise crítica, a manutenção tem conseguido descarregar um maior volume utilizando menos horas de manutenção corretiva e preventiva, ou seja, tem conseguido disponibilizar mais o equipamento para a operação, aumentando a disponibilidade física dos equipamentos. Além disso, observa-se comparando o intervalo de junho a agosto nos dois anos consecutivos, que a manutenção tem conseguido diminuir o número de horas com intervenções corretivas com um número menor de manutenções preventivas se comparado ao resultado de Conclusão O presente trabalho analisou a aplicação da sistemática do Tratamento de Perdas no gerenciamento da manutenção do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, com a tomada de decisões sobre as ações especificas para realização de tratamento de falhas e garantia dos resultados Observa-se que a estrutura apresentada gerou ganhos a partir da utilização da metodologia do tratamento de perdas, sendo que isto é importante quando se está gerenciando uma empresa com operações tão complexas e nas quais qualquer falha gera impactos diretos nos resultados das operações portuárias. Dessa forma, a estrutura de gerenciamento implementada assegura que as ações, tanto operacionais quanto estratégicas, sejam implantadas no porto com segurança, confiabilidade, qualidade e gerando bons resultados para a empresa. Conclui-se então que um dos principais objetivos da sistemática de tratamento de perdas é aumentar a eficiência da manutenção e fazer uma análise de maneira mais aprofundada sobre os problemas da área, gerando ganhos de qualidade, segurança, produtividade e confiabilidade. Além disso, é importante citar que a sistemática busca envolver os funcionários da empresa gerando conhecimento e difundindo a cultura do gerenciamento da manutenção através da melhoria contínua e da busca pela excelência. Referências AGUIAR, S. Integração das Ferramentas da Qualidade ao PDCA e ao Programa Seis Sigma. Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços Ltda., CAMPOS, V. F. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês). 8 ed.; Belo Horizonte, MG: Editora de Desenvolvimento Gerencial,

14 CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia Científica 6.ed. São Paulo: Person Prentice Hall, GAITHER, N.; FRAZIER, G. Administração da produção e operações. São Paulo: Pioneira, GHINATO, P. Elementos para a Compreensão de Princípios Fundamentais do Sistema Toyota de Produção: Autonomação e Zero Defeitos. Porto Alegre, Dissertação de Mestrado em Engenharia (Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de Metodologia Científica. 6 ed.; São Paulo: Atlas, MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 6 ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, P. G.; LAUGENI F. P. Administração da produção. 2 ed. Ver. aum. e atual. São Paulo: Saraiva, SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R.. Administração da Produção. 3 ed.; São Paulo: Atlas, VALE. PGS Tratamento de Perdas Portos. Rio de Janeiro, VALE. Procedimento Operacional PRO : Manual de indicadores Vale, Rio de Janeiro, 2011a. VALE. Regulamento REG : Diretrizes VPS para dimensão: Manutenção, Rio de Janeiro, 2011b. VALE. Regulamento REG : Diretrizes VPS para dimensão: Manutenção, Rio de Janeiro, 2011c. VALE. Sistema Norte Minério de Ferro. Apresentação Especialização em Portos, VALE. Relatório Gerencial: Sistema de Gerenciamento da Manutenção Maximo

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis Caso Vale S.A Carajás - PA Organograma Vale Diretor Presidente Murilo Ferreira Fertilizantes e Carvão Eduardo

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO EFICIÊNCIA PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA - VALE Eixo Temático: Gestão Logística e Operações Luís Carlos Carvalho Nunes

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

1. DA CONCORRÊNCIA AOS PROBLEMAS ENFRENTADOS NO PROCESSO DE MANUFATURA.

1. DA CONCORRÊNCIA AOS PROBLEMAS ENFRENTADOS NO PROCESSO DE MANUFATURA. AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DO PROCESSO DE MANUFATURA DE UMA EMPRESA DO SEGMENTO ALIMENTÍCIO MARCELO J. SIMONETTI 1 ; ANDERSON L. SOUZA 2, ALDIE TRABACHINI 3, JOÃO C. LUVIZOTO 4 1 Professor, M.Sc Marcelo

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

26/03/2012. Estudo de caso: Cervejaria. Plan Do See. Especificação. Produção. Inspeção. Passo 2. Passo 3. Passo 1

26/03/2012. Estudo de caso: Cervejaria. Plan Do See. Especificação. Produção. Inspeção. Passo 2. Passo 3. Passo 1 Estudo de caso: Cervejaria Contextualização Histórica Foi introduzido no Japão após a segunda guerra mundial, idealizado por Shewhart e divulgado por Deming, quem efetivamenteo aplicou. Os fragmentos que

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Aumento da disponibilidade física média da moagem para 96,20%

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MAIA, Lívia Cândida 1 ; RODRIGUES, Adonay; BARBOSA, Beatriz Ribeiro Kherlakian; RESENDE, Vitor Nascimento; PORTO, Adriel Cruvinel, SANTOS, Kaio Guilherme

Leia mais

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês)

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) 1. Sobrevivência e Produtividade.................................................... 01 1.1. Conceito de qualidade.......................................................

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DA MINA

FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DA MINA FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DA MINA Ricardo Assis - Mineração Serra Grande Wanderlúcio Martins - Mineração Serra Grande Rogério Machado Leal - AngloGold Ashanti Córrego do Sítio Mineração

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Sérgio Ribeiro e Silva Jailson Teixeira Medeiros Regional de Transmissão do Maranhão OMA Divisão de Transmissão

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO?

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? MANUTENÇÃO Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? Conceito de Manutenção segundo o dicionário Michaelis UOL 1. Ato ou efeito de manter (-se). 2. Sustento. 3. Dispêndio com a conservação

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke Seis Sigma Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke O Poka-Yoke é uma importante ferramenta na etapa Control do método DMAIC do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema O Poka-Yoke termo japonês que significa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Utilização de Sistema Informatizado na Gestão da Manutenção Resumo O trabalho nasceu com a necessidade de sistematizar a obtenção de dados do

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade Procedimentos Para se Criar um Sistema de Gestão da Qualidade Your Name Elaine G.M de Figueiredo Your Title Universidade Your Organization Federal do (Line Pará #1) 2005-12-31 Qualidade de Software Your

Leia mais