Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP"

Transcrição

1 Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

2 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar os perigos associados aos produtos, estimar e avaliar os riscos associados, controlar estes riscos e monitorar a eficácia do controle. Este processo deve ser documentado e incluir os seguintes elementos: análise de risco avaliação de risco controle de risco informações pós-produção Onde houver um processo documentado de projeto/ desenvolvimento de um produto, este processo deve incorporar as devidas partes do processo de gerenciamento de risco. Um processo documentado de projeto/desenvolvimento de um produto ou serviço pode ser utilizado para tratar da segurança de maneira sistemática. Mais especificamente, para permitir a identificação precoce de perigos em produtos, sistemas e ambientes complexos.

3 6. Procedimento de gerenciamento de risco - Figura 1 Análise de risco Identificação do uso/finalidade destinados Identificação do perigo Estimativa de risco Avaliação de risco Decisões quanto a aceitabilidade de risco Controle de risco Análise de opções Implementação Avaliação do risco residual Aceitação do risco global Determinação de risco Gerenciamento de risco Informação pós-produção Experiência pós-produção Análise crítica da experiência do gerenciamento de risco

4 6. Procedimento de gerenciamento de risco A análise de risco deve ser realizada como descrita pelo procedimento, e sua condução e resultados devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco. Se uma análise de risco de um produto ou serviço semelhante estiver disponível, ela pode ser utilizada como referência desde que possa ser demonstrado que os processos são semelhantes ou que as mudanças realizadas não introduzem diferenças significativas nos resultados. É recomendado que essa demonstração seja baseada numa avaliação sistemática das mudanças e das maneiras como podem influenciar os vários perigos presentes. Além dos registros, a documentação da condução e dos resultados da análise de risco deve incluir, no mínimo: Descrição e identificação do produto ou serviço analisado Identificação da organização e das pessoas que executaram a análise de risco Data da análise A conformidade do sistema pode ser verificada pela inspeção ou auditoria do arquivo de gerenciamento de risco.

5 Definição clara do uso/finalidade do produto (passo 1) Identificação de perigos conhecidos ou previsíveis (passo 2) Estimativa de risco para cada perigo (passo 3) Avaliação de risco (passo 4) Redução de risco (passo 5) Implementação de medidas de controle de risco (passo 6) Avaliação do risco residual (passo 7) Análise risco/benefício (passo 8) Outros perigos gerados (passo 9) Totalidade da avaliação de risco (passo 10) Avaliação do risco residual total (passo 11) Relatório de gerenciamento de risco (passo 12) Informação pós-produção (passo 13)

6 Definição clara do uso/finalidade do produto (passo 1) Identificação de perigos conhecidos ou previsíveis (passo 2) Definição clara do uso/finalidade do produto (passo 1) O fabricante ou prestador de serviço deve descrever o uso/finalidade destinados para o produto ou serviço e qualquer uso incorreto razoavelmente previsível. O fabricante ou prestador de serviço deve listar todas as características qualitativas e quantitativas que possam afetar a segurança do produto ou serviço, e, quando apropriado, seus limites definidos. Identificação de perigos conhecidos ou previsíveis (passo 2) O fabricante deve compilar uma lista de perigos conhecidos ou previsíveis associados ao produto ou serviço tanto em condições normais quanto em condições anormais ou de emergência. Os perigos reconhecidos com antecedência devem ser identificados. Esta lista deve ser mantida no arquivo de gerenciamento de risco. Seqüências de eventos previsíveis que possam resultar em situações de perigo também devem ser consideradas e registradas. Os exemplos de perigos possíveis listados no módulo 2 podem ser utilizados como um auxílio à memória. Para identificar perigos não reconhecidos previamente, podem ser utilizados métodos sistemáticos que tratem da situação específica: AAF, HAZOP, FMEA, etc.

7 Estimativa de risco para cada perigo (passo 3) Para cada perigo identificado, o risco tanto em condições normais quanto em condições de falha deve ser estimado utilizando informações ou dados disponíveis. Para casos em que a probabilidade de ocorrência do dano não pode ser estimada, uma lista de possíveis conseqüências do perigo deve ser elaborada. O risco estimado deve ser registrado no arquivo de gerenciamento de risco. Qualquer sistema utilizado para a categorização quantitativa ou qualitativa de estimativas da probabilidade ou de níveis de gravidade deve ser registrado no arquivo de gerenciamento de risco. A estimativa de risco incorpora uma análise de probabilidade de ocorrência e conseqüências. Dependendo da área de aplicação, somente certos elementos do processo de estimativa de risco podem ser considerados. Por exemplo, em alguns casos, não será necessário ir além da análise inicial de perigos e conseqüências. A estimativa de risco pode ser quantitativa ou qualitativa. Os métodos de estimativa de risco, incluindo os que são resultado de falhas sistemáticas, serão descritos nos próximos módulos.

8 Estimativa de risco para cada perigo (passo 3) Avaliação de risco (passo 4) Estimativa de risco para cada perigo (passo 3) Informações ou dados para estimativa de risco podem ser obtidos, por exemplo, a partir de: Normas publicadas, dados técnico-científicos Dados de campo de produtos ou serviços similares aos que já estejam sendo utilizados, incluindo relatórios publicados de incidentes e acidentes Testes de usabilidade com a participação de usuários comuns Resultados de investigações apropriadas Opinião de especialistas Esquemas externos de determinação da qualidade Avaliação de risco (passo 4) Para cada perigo identificado, o fabricante deve decidir, utilizando os critérios definidos no plano de gerenciamento de risco, se o risco estimado é baixo o suficiente a ponto de não ser necessária a sua redução.

9 Redução de risco (passo 5) Quando a redução de risco é necessária, o fabricante deve obedecer ao processo especificado para controlar os riscos, de modo que o risco residual associado a cada perigo seja considerado aceitável. O fabricante deve identificar medidas de controle de risco que sejam apropriadas para a redução dos riscos a um nível aceitável. O controle de risco deve consistir em uma abordagem integrada na qual o fabricante deve utilizar uma ou mais das seguintes medidas, na ordem de prioridade listada: Segurança inerente ao projeto Medidas de proteção no próprio produto ou no processo de produção Informações para segurança

10 Análise de opções (passo 5) As medidas de controle de risco podem reduzir a gravidade do dano potencial, reduzir a probabilidade de ocorrência de tal dano, ou ambos. As normas técnicas tratam da segurança inerente, descritiva e de proteção para vários produtos. É recomendado consultá-las como parte do processo de gerenciamento de risco. As medidas de controle de risco selecionadas devem ser registradas no arquivo de gerenciamento de risco. Se, durante a análise de opções, o fabricante determinar que uma redução adicional do risco é impraticável, ele deverá conduzir uma análise risco/benefício do risco residual. Caso a redução adicional do risco seja praticável, ele deve proceder à implantação das medidas de controle do risco selecionadas.

11 Implementação de medidas de controle de risco (passo 6) O fabricante deve implementar as medidas de controle de risco. As medidas utilizadas para controlar os riscos devem ser registradas no arquivo de gerenciamento de risco. A implantação e a eficácia das medidas de controle de risco devem ser verificadas e os resultados da verificação devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco.

12 Avaliação do risco residual (passo 7) Qualquer risco residual que permaneça após a aplicação das medidas de controle de risco deve ser avaliado com base nos critérios definidos no plano de gerenciamento de risco. Os resultados dessa avaliação devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco. Se o risco residual não atender a esses critérios, medidas posteriores de controle de risco devem ser aplicadas. Se o risco residual for julgado aceitável, então todas as informações relevantes necessárias para explicar o risco residual devem ser incluídas nos documentos acompanhantes pertinentes fornecidos pelo fabricante.

13 Análise risco/benefício (passo 8) Se o risco residual for julgado inaceitável com base nos critérios estabelecidos pelo plano de gerenciamento de risco, e não for praticável realizar um outro controle de risco, o fabricante deve reunir e analisar criticamente os dados e literatura sobre os benefícios do uso/finalidade destinados para determinar se eles se sobrepõem ao risco residual. Se essa evidência não fornecer o suporte necessário para concluir que os benefícios se sobrepõem ao risco residual, então os riscos associados devem ser determinados. Informações relevantes necessárias para explicar o risco residual devem ser incluídas nos documentos acompanhantes pertinentes fornecidos pelo fabricante. Os resultados dessa avaliação devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco.

14 Outros perigos gerados (passo 9) As medidas de controle de risco devem ser analisadas criticamente para identificar se outros perigos são introduzidos. Se quaisquer novos perigos forem introduzidos por quaisquer medidas de controle de risco, os riscos associados devem ser determinados. Os resultados dessa análise crítica devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco.

15 Totalidade da avaliação de risco (passo 10) O fabricante deve assegurar que os riscos de todos os perigos identificados foram avaliados. Os resultados dessa determinação devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco.

16 Avaliação do risco residual total (passo 11) Após a implementação e verificação de todas as medidas de controle de risco, o fabricante ou prestador de serviço deve decidir se o risco residual geral apresentado pelo produto é aceitável, utilizando os critérios definidos no plano de gerenciamento de risco. Se o risco residual geral for julgado inaceitável, com base nos critérios estabelecidos no plano de gerenciamento de risco o fabricante deve reunir e analisar criticamente dados e literatura sobre os benefícios do uso/finalidade destinados, para determinar se eles se sobrepõem ao risco residual. Se essa evidência não fornecer o suporte necessário para concluir que os benefícios se sobrepõem ao risco residual, então o risco permanece inaceitável. Os resultados da avaliação do risco residual geral devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco.

17 Relatório de gerenciamento de risco (passo 12) Os resultados do processo de gerenciamento de risco devem ser registrados em um relatório de gerenciamento de risco. O relatório deve fornecer rastreabilidade de cada perigo para: análise de risco, avaliação de risco, implementação e verificação das medidas de controle de risco e determinação que o risco residual é aceitável. O relatório de gerenciamento de risco deve ser parte do arquivo de gerenciamento de risco. Esse relatório pode ser mantido tanto em formato eletrônico quanto impresso.

18 Informação pós-produção (passo 13) O fabricante deve estabelecer e manter um procedimento sistemático para analisar criticamente as informações obtidas sobre o produto ou produtos semelhantes na fase de pós-produção. As informações devem ser avaliadas quanto à possível relevância em relação à segurança, especialmente no que se refere a: a) Perigos que não foram reconhecidos anteriormente b) Riscos estimados provenientes de um perigo que não são mais aceitáveis c) Determinação original invalidada de outra maneira Se qualquer uma das condições acima for satisfeita, os resultados da avaliação devem ser realimentados como uma entrada para o processo de gerenciamento de risco. Sob a luz desta informação relevante à questão da segurança, deve ser considerada uma análise crítica que revise os passos apropriados do processo de gerenciamento de risco do produto ou serviço. Se houver a possibilidade de que o risco residual ou sua aceitabilidade tenham sido modificados, deve ser avaliado o impacto sobre as medidas de controle de risco implementadas anteriormente. Alguns aspectos do monitoramento pós-produção são tratados em regulamentações nacionais ou regionais, dependendo do produto. Em alguns casos, medidas adicionais, como por exemplo avaliações pós-produção poderão ser requeridas. Informações podem ser encontradas em qualquer estágio do ciclo de vida do produto ou serviço, desde a fase de concepção até a de pós-produção.

19 O ciclo PDCA A utilização do ciclo PDCA é uma forma de garantir que realmente estamos tratando os riscos, avaliando a eficácia deste tratamento e realizando novas ações quando necessário. Buscar a identificação dos perigos que podem gerar riscos significativos e implantar controles implica em tomar ações corretivas, o que representa obter melhoria o que se deve constituir em uma atuação constante. Dependendo da sua magnitude e da probabilidade de ocorrência, esses riscos podem afetar em maior ou menor grau o produto/serviço, resultando na necessidade de re-trabalhos com conseqüentes perdas de tempo, mão-de-obra, materiais e acréscimo de custos. A utilização do conceito do ciclo PDCA vai nos garantir que o sistema de gestão de riscos está sendo corretamente realizado.

20 O ciclo PDCA Os elementos do PDCA são: PLANEJAMENTO (PLAN): fase do processo na qual é determinado como o problema será avaliado e resolvido. EXECUÇÃO (DO): fase do processo onde a solução é implementada, avaliando-se o progresso conforme é concluído. VERIFICAÇÃO (CHECK): fase do processo na qual os resultados são avaliados de forma crítica, respondendo-se as seguintes perguntas: O que aconteceu certo? O que aconteceu errado? Por quê? AÇÕES CORRETIVAS (ACT): fase do processo na qual as melhorias são obtidas no curso normal das operações e as ações futuras são planejadas visando oportunidades de melhoria. Este ciclo sempre se repete para dar continuidade aos sucessos das melhorias anteriores.

21 O ciclo PDCA A obtenção da melhoria contínua feita através do Método de Análise e Soluções de Problemas M.A.S.P. que segue a sistemática do ciclo PDCA é uma excelente metodologia para as organizações.

22 M.A.S.P. Visão geral Por que necessitamos de um processo de solução de problemas? Problemas (riscos) fazem parte do nosso dia-a-dia O processo pode ser usado por indivíduos e grupos O processo pode ser usado em todos os níveis da organização É uma metodologia simples, fácil de aplicar É uma ferramenta de melhoria contínua Precisamos de um processo de solução de problemas porque não somos bombeiros para trabalhar apenas com emergências.

23 M.A.S.P. Visão geral Mostraremos a seguir uma estrutura formada pela descrição das sete etapas do M.A.S.P. Nestas etapas podemos utilizar ferramentas que facilitam o processo e nos permitem cumprir a etapa específica de forma mais eficiente. Na tabela, são apontadas as sete ferramentas do controle da qualidade, que podem ser utilizadas neste contexto. As sete ferramentas da qualidade não fazem parte do nosso objeto de estudo. Caso você não as conheça, ou não saiba utilizá-las, a ComÊxito disponibiliza um curso específico sobre este tema. Esta abordagem é chamada de Ciclo de Melhoria da Qualidade ou de Solução de Problema.

24 M.A.S.P. Visão geral Fluxo O que fazer? Como fazer? Observações 1 Identificar o problema Técnicas de AAF, Brainstorming, etc. Envolver todas as pessoas que fazem parte do processo 2 Observar o problema Fluxograma Levantar fluxogramas in loco 3 Analisar o problema Diagrama de causa e efeito Participação de todas as pessoas envolvidas no processo Preencher corretamente 4 Propor plano de ação Discussão das pessoas envolvidas no processo Certificar de que as ações devem ser tomadas sobre as causas Assegurar a cooperação de todo o pessoal envolvido 5 Agir Treinamento, Plano e Cronograma Treine todas as pessoas envolvidas no processo Divulgue o plano a todos 6 Acompanhar Folha de Verificação Diagrama de Pareto Carta de Tendência Verificar se a ação está sendo efetuada e colher os resultados bons ou ruins 7 Padronizar Fluxogramas Procedimentos Manuais Aprovar e implantar compete às gerências estabelecer o novo procedimento e comunicar a data de início da nova sistemática e as áreas que serão efetadas Evitar que um problema resolvido apareça devido ao não cumprimento dos padrões estabelecidos (controle)

25 Exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1. Os riscos de todos os perigos identificados devem ser avaliados. 2. A implantação de controles para reduzir determinado risco pode levar ao aparecimento de novos perigos. 3. Se o risco residual for julgado aceitável, então todas as informações relevantes necessárias para explicar o risco residual devem ser incluídas nos documentos acompanhantes pertinentes fornecidos pelo fabricante. 4. A eficácia das medidas de controle de risco deve ser verificada, mas os resultados da verificação não devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco. 5. É recomendado que o fabricante seja capaz de reunir a informação referenciada no arquivo de gerenciamento de risco em tempo hábil. 6. A documentação da condução e dos resultados da análise de risco deve incluir a identificação da organização e da pessoa que executaram a análise de risco. 7. Uma análise de risco de um produto ou serviço semelhante não pode ser utilizada como referência. 8. A identificação de perigos deve levar em consideração apenas as condições normais de operação. 9. A probabilidade de ocorrência do dano deve ser estimada. 10. Opinião de especialistas não pode ser considerada na estimativa de risco, que deve ser quantitativa. 11. As informações de pós-produção devem ser avaliadas quanto à possível relevância em relação à segurança. 12. O relatório de gerenciamento de risco deve ser parte do arquivo de gerenciamento de risco e ser mantido em formato eletrônico. 13. Para perigos com severidade muito alta não deve ser admitido risco residual. 14. O risco residual permanece inaceitável se não houver evidência para concluir que os benefícios se sobrepõem ao risco residual.

26 Resposta do Exercício Indique se é verdadeiro ou falso: 1. Os riscos de todos os perigos identificados devem ser avaliados. V 2. A implantação de controles para reduzir determinado risco pode levar ao aparecimento de novos perigos. V 3. Se o risco residual for julgado aceitável, então todas as informações relevantes necessárias para explicar o risco residual devem ser incluídas nos documentos acompanhantes pertinentes fornecidos pelo fabricante. V 4. A eficácia das medidas de controle de risco deve ser verificada, mas os resultados da verificação não devem ser registrados no arquivo de gerenciamento de risco. F 5. É recomendado que o fabricante seja capaz de reunir a informação referenciada no arquivo de gerenciamento de risco em tempo hábil. V 6. A documentação da condução e dos resultados da análise de risco deve incluir a identificação da organização e da pessoa que executaram a análise de risco.v 7. Uma análise de risco de um produto ou serviço semelhante não pode ser utilizada como referência. F 8. A identificação de perigos deve levar em consideração apenas as condições normais de operação. F 9. A probabilidade de ocorrência do dano deve ser estimada. V 10. Opinião de especialistas não pode ser considerada na estimativa de risco, que deve ser quantitativa. F 11. As informações de pós-produção devem ser avaliadas quanto à possível relevância em relação à segurança. V 12. O relatório de gerenciamento de risco deve ser parte do arquivo de gerenciamento de risco e ser mantido em formato eletrônico. F qualquer formato 13. Para perigos com severidade muito alta não deve ser admitido risco residual. F 14. O risco residual permanece inaceitável se não houver evidência para concluir que os benefícios se sobrepõem ao risco residual. V

27 Fim do Módulo 3

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE Sejam bem vindos! Instrutora: Maria Emilia B. Bordini Data: 23/05/2013 O que iremos discutir? Conceitos básicos de gerenciamento de

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria 2 Ferramentas da Qualidade Para outras publicações acesse: Sercan Materiais Didáticos www.smd.sercan-consultoria.com.br Sercan Treinamento e Consultoria

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27001

ABNT NBR ISO/IEC 27001 ABNT NBR ISO/IEC 27001 Para Dataprev e Senado 1/63 As Normas NBR ISO/IEC 27001 - Requisitos para implantar um SGSI NBR ISO/IEC 27002 - Práticas para a gestão de SI NBR ISO/IEC 27005 - Gestão de riscos

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa - SP Eixo Tecnológico: Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Turismo de aventura. Sistema de gestão. gestão da segurança - Requisitos PROJETO 54:003.02-001. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 2005

Turismo de aventura. Sistema de gestão. gestão da segurança - Requisitos PROJETO 54:003.02-001. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 2005 SET 2005 PROJETO 54:003.02-001 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20031-901

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Política de Sistemas Corporativos e Serviços da Rede Governamental

Política de Sistemas Corporativos e Serviços da Rede Governamental Dezembro de 2006 1.0 02/12/2006-2 - Índice 1 Objetivo... 3 2 Abrangência... 3 3 Considerações Gerais... 4 4 Exigências de Segurança para sistemas governamentais... 4 4.1 Exigências dos Níveis de Segurança...

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 ressalta a importância da gestão do desempenho socioambiental durante o ciclo de vida de um projeto. Um sistema eficaz de avaliação e gestão socioambiental é um processo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

04/05/2010. Segundo a Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI)

04/05/2010. Segundo a Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Agenda MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCACÃO PROFISSIONAL ETECNOLÓGICA IFBAIANO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica Administrativo SIGA-ADM ADM Módulo de Protocolo TREINAMENTO (Geral) O Sistema

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais