CAPÍTULO 2 OPERAÇÃO E CONTROLE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 OPERAÇÃO E CONTROLE"

Transcrição

1

2 2.1 Operação e Controle CAPÍTULO 2 OPERAÇÃO E CONTROLE Este capítulo é composto por quatro ferramentas: O foco principal do Leankeep é facilitar os processos para os operadores e mantenedores dos sistemas. O acesso rápido às atividades programadas é feito pelas agendas de tarefas. Todo processo utiliza apenas dois registros principais: 1) Registro de Execução ou Baixa de tarefas: com a data e o tempo de execução e o visto do colaborador; 2)Registro de Anomalias: realizado apenas quando são detectados problemas no sistema processo ou de segurança. As atividades podem ser relacionadas a um ou mais documentos que permitem o controle de treinamento dos operadores. A partir das áreas, atividades e equipamentos modelo cadastrados são gerados os planos de manutenção. Dos planos de manutenção, que serão descritos no capítulo 3. As Tarefas e atividades podem ser gerenciadas através de agendas ou cartões Kanban. 2.2 AGENDAS parâmetros As Agendas podem ser visualizadas de vários modos, de acordo com filtros, assim sendo mais específico e objetivo. Os modos de visualização são os seguintes: Período, grupo de empresas, empresa, grupo de sites, site, sistema, grupo de áreas, área, grupo de equipamentos, equipamento, prioridade de equipamento, pilar categorias, plano de manutenção, tipo de manutenção, prioridade de atividade, linha de produto, executor e equipe.

3 2.2.2 Modos de visualização Dias/Semana Modos de visualização Semanas/Semestre Modos de visualização Meses/Ano Modo de visualização por prioridade. Cada agenda pode ser visualizada totalizando o tempo de tarefas por prioridades, conforme o exemplo: 2.3 SISTEMA KANBAN

4 2.3 SISTEMA KANBAN O Sistema Kanban utiliza os dados do Plano de Atividades em forma de cartões posicionados em painéis, nos quais as equipes de manutenção encontram as informações necessárias para a execução das atividades. Para implementação do Sistema Kanban deve-se emitir e depositar os Cartões Kanban nos painéis, na canaleta do dia, semana ou mês previsto para execução. Os colaboradores devem executar as atividades dos cartões de acordo com as agendas. Após a execução das atividades, estando em conformidade, os cartões devem ser vistados no verso e reposicionados na próxima data programada. Se forem detectadas anomalias no desenvolvimento das atividades, elas devem ser registradas Cartões Kanban Os cartões são diferenciados por cor, de acordo com seu Pilar de Manutenção: Manutenção de Rotina (cor amarela) e Manutenção Planejada (cor verde). Eles são produzidos em forma de T, e nele são fixadas etiquetas adesivas padronizadas, impressas pelo software em impressoras convencionais, contendo a descrição completa de cada atividade e das tarefas programadas. Os cartões são então depositados nos painéis Kanban. Figura Cartões Kanban

5 2.3.2 Painéis Kanban Os painéis são compostos por canaletas com espaços para os cartões. Eles podem ser montados de acordo com as agendas: Por dias/semana (sete canaletas) Meses/ano (12 canaletas) ou Semanas/semestre (26 canaletas). Neles, ficam expostas todas atividades a serem executadas. Os cartões podem ser emitidos por: Plano de tarefas Atividade Áreas Grupo de áreas Equipamento Grupo de equipamentos

6 2.4 ANOMALIAS O Leankeep tem como foco as situações de Quebras, Anomalias, Ações Corretivas e Melhorias. Dominando esses procedimentos e registrando-os adequadamente, surgem os principais indicadores do Leankeep. Na ocorrência de anomalias, os procedimentos a serem adotados pelos operadores são claros e fáceis de registrar. Os colaboradores são estimulados a identificar e registrar anomalias para tomar ações corretivas e melhorias. A participação individual e coletiva é extremamente valorizada. Com o Leankeep ocorre uma inversão no fluxo de informações: os dados nascem da operação e seguem para a gerência, gerando motivação na equipe e confiabilidade nos dados gerados. As Quebras e Anomalias podem ser relacionadas ao sistema, à segurança no trabalho ou ao processo, conforme os itens a seguir Procedimentos em Ações Corretivas Imediatas Ações Corretivas Imediatas são aquelas realizadas logo após a identificação do problema, pois a equipe possui recursos para o reparo. Após executar a Ação Corretiva, deve-se preencher o registro, cadastrar no software e arquivar Ações Corretivas Pendentes Ações Corretivas Pendentes ocorrem nas situações em que a equipe não pode agir imediatamente. Deve-se então preencher o registro e cadastrar no software. Podem ser cadastradas inúmeras ações corretivas até a conclusão da tarefa Procedimentos em Ações Corretivas por meio do Plano de Melhorias (PME) As Quebras ou Anomalias em que as equipes de manutenção não possuem recursos para a Ação Corretiva, seja por necessidade de investimentos ou de análise técnica apurada, devem ser encaminhadas para o Plano de Melhorias (PME), assinalando no registro o campo Plano de Melhoria - PME. Elas devem então seguir o procedimento das Ações Corretivas Programadas, aguardando os recursos necessários.

7 2.4.4 QUEBRA Parada de produtividade de um sistema, equipamento ou área ANOMALIA CRÍTICA Anomalias que podem gerar quebra ANOMALIA Anomalias que não oferecem risco de quebra ACIDENTES COM AFASTAMENTO SITUAÇÕES DE RISCO ANOMALIA DO PROCESSO Informações erradas ou melhorias do processo. Registro de Quebras e Anomalias (RQA) Para registro de uma Quebra ou Anomalia podem ser utilizadas duas formas: registro em papel formato A4 ou cartões nos padrões do Cartão Kanban, ambos com duas vias, numerados e carbonados. Estes registros devem ser abertos em todas as situações de anomalias referentes ao sistema e à segurança no trabalho e processo. 2. AÇÕES CORRETIVAS

8 As Ações Corretivas podem ser de execução imediata, pendente ou encaminhadas para o Plano de Melhorias (PME).

9 Histórico de Quebras e Anomalias (HQA) O Histórico de Quebras e Anomalias (HQA) é um relatório que apresenta a lista de Quebras, Anomalias e Ações Corretivas das máquinas de todos os sistemas Melhorias O PME controla as ações de melhorias fornecendo informações para estabelecer as prioridades. Deve ser analisado periodicamente em reuniões com os outros pilares, para buscar as soluções adequadas com o objetivo de reparar, modernizar, planejar investimentos e aumentar a vida útil dos sistemas. Figura Controle de Ferramentas 2.5 DOCUMENTOS Os documentos do processo Leankeep são as informações relevantes que influenciam direta ou indiretamente na manutenção, e precisam ser controlados. Os documentos podem ser relacionados a empresa, ao site, às áreas, aos equipamento ou diretamente a uma atividade. As atividades de manutenção só podem ser executadas por colaboradores treinados nos documentos nelas relacionados Criação e revisão de documentos Todos os documentos criados ou revisados devem ser cadastrados no software, que fornece um código e um número seqüencial por site e gera um Registro de Controle de Documento (RCD). Esse registro deve ser assinado pelo responsável e anexado ao original e às cópias controladas Tipo de documento Podem ser: Plantas (PLT) Manuais (MAN) Registros (REG) Procedimentos (PRC) Lições Ponto a Ponto (LPP) Instruções de trabalho (IT).

10 2.5.3 Treinamento de documentos O treinamento dos documentos pode ser feito com o original ou com uma Cópia Controlada. O controle de treinamento é feito pelo Registro de Controle de Documento (RCD) de cada documento, com os dados e as assinaturas dos colaboradores treinados. Após a coleta das assinaturas, deve ser feito o cadastramento no software Plano de Treinamento Interno Os colaboradores devem ser treinados para realização das tarefas, cabendo ao colaborador mais habilitado o treinamento do menos habilitado, por meio dos documentos. O Plano de Treinamento Interno é a relação de documentos cadastrados relacionados aos pilares. Os colaboradores devem ser treinados em todos os documentos relacionados ao pilar que representa Lições Ponto a Ponto (LPP) As Lições Ponto a Ponto (LPP) são documentos desenvolvidos pelas equipes de manutenção para descrever como devem ser realizadas as atividades. Nestes documentos as equipes detalham as atividades aplicadas, seus conhecimentos e habilidades, revisando e aperfeiçoando as técnicas de trabalho. As LPPs desenvolvidas devem ser aprovadas pela supervisão técnica. O seu desenvolvimento e as revisões estimulam a integração e a troca de conhecimento entre os participantes das equipes, além de padronizar a execução das atividades.

11 2.6 RELATÓRIOS E INDICADORES Os indicadores do Leankeep fornecem as informações para avaliação dos resultados obtidos pelo grupo. Eles devem ser periodicamente emitidos, avaliados e expostos nos painéis. A maioria dos indicadores é fornecida pelo software, com exceção dos indicadores de custos, que devem ser controlados por planilhas específicas do Pilar AD (Administrativo), assinalados com (*) na tabela a seguir.

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO 3.1 PLANO DE MANUTENÇÃO CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO O Plano de Manutenção é composto pelas oito ferramentas abaixo representadas. É feito via web, pelo software Leankeep. 3.2 SOFTWARE O software, a

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial Elaborado: 16/04/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Análise Crítica e aprovação : 16/04/2007 Representante

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DA USP

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DA USP Página 1 de 11 SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DA USP SUMÁRIO AFASTAMENTOS AUTORIZADOS PELO M.REITOR COMO INCLUIR UMA SOLICITAÇÃO DE AFASTAMENTO 2 a 4 PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PESSOAL AFASTAMENTOS DE DIRIGENTES

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

ELABORADO: Ana Cristina Cunha

ELABORADO: Ana Cristina Cunha 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer formulários para auxiliar na rastreabilidade dos insumos e reagentes utilizados, no registro de não conformidades e ação preventiva, no tempo de guarda dos registros pertencentes

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

1 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Química Laboratório de Eletroquímica de Superfícies e Corrosão

1 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Química Laboratório de Eletroquímica de Superfícies e Corrosão 1 Universidade Federal do Paraná 1. OBJETIVO PQ-001 Pág. 1 de 8 Estabelecer diretrizes para elaboração e controle de documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) do Laboratório de Eletroquímica

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

Controle Patrimonial WEB

Controle Patrimonial WEB Cccc Controle Patrimonial WEB Manual Inventário Conteúdo. Introdução... 3 2. Inventário... 3 2.. Abertura do inventário... 4 2.2. Relatório para Inventário... 5 2.2.. Contagem física e verificação do estado

Leia mais

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas Fenícia CRM & SRM Introdução O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS 1 Conteúdo Apresentação... 3 1 Página Principal do Sistema... 4 2 Telas de busca... 8 3 Teclas de Navegação... 11 4 Tela de Menu de Relatório... 12 5 Telas de

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale.

Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale. Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale. Responsabilidades As informações neste tópico são as responsabilidades, descritas de

Leia mais

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Desenvolvedor / Orientador Rafael Raymundo da Silva Guilherme Lacerda Out / 2010 1 Sumário 1.Conhecendo a ferramenta...3 2.Gerência de projetos ágeis...3 2.1Product

Leia mais

Apresentação do UniSAC

Apresentação do UniSAC Apresentação do UniSAC Serviço de Atendimento ao Cliente Software: Softdesk Última atualização deste manual: 16/02/2015 A ferramenta O Softdesk é o software escolhido pelo Unimestre para a gestão de todos

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos

Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos Logix 10 Sumário Sumário... 2 Texto Introdutório... 3 Fluxo dos Subprocessos que compõem o Módulo... 3 Fluxo SubProcessos Exames Periódicos...

Leia mais

Conteúdo. Revisado em 3/13/2010 às 9:45 PM 1 www.dzyon.com

Conteúdo. Revisado em 3/13/2010 às 9:45 PM 1 www.dzyon.com Conteúdo Introdução...3 Objetivos...3 Sobre o Manual...3 Padronização da Interface/Ícones...4 1.0 Visão Geral...5 1.1 Acesso ao Sistema...5 1.2 Sequência de Processos...5 1.3 Informações Gerais sobre Transmissão...6

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Nome da Empresa. Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0>

Nome da Empresa. <Nome do Projeto> Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0> Nome da Empresa Plano de Desenvolvimento de Software Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 2/7 Índice Analítico 1. Objetivo

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades.

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades. Código: DIR-PJPB-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 28/03/2010 Elaborado por: Secretaria de Gestão Estratégica Aprovado por: Presidente do TJPB 1 Objetivo Definir a organização, a apresentação e o ciclo

Leia mais

1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores:

1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores: ª 1. Objetivos da 2ª Etapa do Treinamento de Avaliadores: Etapas do Processos de Avaliação Abordar de maneira descritiva cada etapa do Processo de Avalição na prática. Etapas do Processos de Avaliação

Leia mais

INDÍCE 1 CADASTRO NORMA ISO/TS 4 RELATÓRIOS REL 001 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS CLIENTES 5 RELATÓRIOS REL 002 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS PROCESSOS

INDÍCE 1 CADASTRO NORMA ISO/TS 4 RELATÓRIOS REL 001 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS CLIENTES 5 RELATÓRIOS REL 002 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS PROCESSOS INDÍCE TÓPICO 1 CADASTRO NORMA ISO/TS 2 CADASTRO CLIENTES 3 CADASTRO PROCESSOS 4 RELATÓRIOS REL 001 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS CLIENTES 5 RELATÓRIOS REL 002 REQUISITOS ESPECIFICOS DOS PROCESSOS 6 RELATÓRIOS

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

Orientações Básicas para Análise e Tramitação de Projetos de Pesquisa pela Plataforma Brasil pelos Comitês de Ética em Pesquisa

Orientações Básicas para Análise e Tramitação de Projetos de Pesquisa pela Plataforma Brasil pelos Comitês de Ética em Pesquisa Orientações Básicas para Análise e Tramitação de Projetos de Pesquisa pela Plataforma Brasil pelos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 1.2 Histórico de revisão Versão Autor Data Descrição Equipe suporte

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full = z A principal característica do portal RH é permitir a descentralização das informações dos colaboradores, possibilitando que o gestor de área se transforme também num

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Cappta Cartões Guia de Utilização

Cappta Cartões Guia de Utilização Cappta Cartões Guia de Utilização Bem-vindo! Obrigado por utilizar a solução Cappta Cartões, a maneira mais simples e rápida de aceitar todos os tipos de cartão no varejo. Este manual detalha as principais

Leia mais

Planejamento e Execução de Treinamentos

Planejamento e Execução de Treinamentos Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Chefe do Departamento 1 OBJETIVOS Esta instrução tem como objetivo orientar os colaboradores do Departamento de Inovação Tecnológica para planejar,

Leia mais

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP 1. OBJETIVOS Apresentar as diretrizes básicas e os procedimentos institucionais necessários à realização das atividades de treinamento. 2. DEFINIÇÕES 2.1. Treinamento

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS Gestão de Pessoas OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 3.0 1 Histórico de Revisão Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento 1.1

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE:

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...1 1. DO CADASTRO DE PRETENDENTES:... 2 1.1. RECIBO DE INCLUSÃO:... 4 2. REGISTRO ADICIONAL DE PRETENDENTES:...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL. Última Atualização: 01/2010

Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL. Última Atualização: 01/2010 Atendimento On Line Foco Cliente Utilizando O Sistema Web Contábil 21/05/2010 IDEAL Última Atualização: 01/2010 Atendimento: Tel : (11) 3857-9007 - e-mail: suporte@webcontabil.com :: Módulo Documentos

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani Manual de Operações Básicas Thiago Passamani 1 - Entrando e saindo do sistema O Zimbra Suíte de Colaboração é um software de correio eletrônico open source com suporte para e-mail, contatos, calendário

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Kelly Vitoriny 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Noções Gerais: Pg. 02 Instruções para instalação Pg. 02 Ferramentas úteis Pg. 04 Menu Arquivos Empresas Usuárias Pg. 05 Ativar Empresa

Leia mais

Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO. Sistema helpdesk GLPI CIC/EST

Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO. Sistema helpdesk GLPI CIC/EST Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO Sistema helpdesk GLPI CIC/EST Agenda Importância do sistema Entender o processo Acessar o sistema Gerenciar o chamado Outubro/2014 http://helpdesk.cic.unb.br

Leia mais

Solicitação do Cliente

Solicitação do Cliente Consultoria Solicitação do Cliente IDENTIFICAÇÃO Provedor: 195 Nº Atendimento: 59066 Ambiente Ocorrência Aceite Cliente Externo X Web x Nova Implementação Impresso X Desk Melhoria X Email Mobile Customização

Leia mais

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço Passo a Passo Gestor de Compras Como acessar Como Acessar O acesso ao Sistema se faz através da página da SEPLAG Clicando no Link destacado Como Acessar

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador

Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador Histórico de alterações Data Versão Autor Descrição 23/11/2012 1 Criação do documento. 2 1. Introdução... 4 2. Funcionalidades

Leia mais

Procedimento Documentado. Sistema de Homologação de Cobrança. Versão 1.0. Departamento de Produtos e Serviços Página 1

Procedimento Documentado. Sistema de Homologação de Cobrança. Versão 1.0. Departamento de Produtos e Serviços Página 1 Procedimento Documentado Sistema de Homologação de Cobrança Versão 1.0 Departamento de Produtos e Serviços Página 1 Histórico Data Versão Descrição Responsável 14/03/2014 1.0 Criação do Procedimento Documentado

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SRH-05-A/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SRH - SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 02 ASSUNTO SRH 05-A TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE PESSOAL

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

Anexo 10 Diretrizes de Governança

Anexo 10 Diretrizes de Governança Anexo 10 Diretrizes de Governança i 1 INTRODUÇÃO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 ASSESSORIA TÉCNICA... 2 4 ESTRUTURA DOS COMITÊS... 2 ii 1 INTRODUÇÃO O presente Anexo tem como objetivo definir as diretrizes

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Guia Simplificada de Rotina PCP versão 2038 dicionário 2299 Planejamento e Controle de Produção

Guia Simplificada de Rotina PCP versão 2038 dicionário 2299 Planejamento e Controle de Produção Guia Simplificada de Rotina PCP versão 2038 dicionário 2299 Planejamento e Controle de Produção Opções Selecionar Empresa Selecionar a empresa que o usuário vai trabalhar. Empresa Dados cadastrais da empresa.

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS 1 de 15 msgq CONTROLE DE DOCUMENTOS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Manual do Usuário Novembro/2012

Manual do Usuário Novembro/2012 Manual do Usuário Novembro/2012 Sumário 1. Objetivos...3 2. Informações Operacionais...4 3. Configurações Recomendadas...7 4. Preparação do Sistema...8 4.1 Solicitando acesso ao Sisu...8 4.2 Autorização

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL Versão 1.0 CARBON SYSTEM Manual do Software Ponto Legal Manual do PONTO LEGAL S O F T W A R E P A R A E M I S S Ã O D O R E L A T Ó R I O E S P E L H O D E P O N T O Manual do Ponto Legal Versão 1.0 Carbon

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio

Leia mais

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online Campus de Botucatu Sistema de Recursos Humanos SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS RH Online Mônica Cristina Fumis do Carmo Faculdade de Medicina de Botucatu Seção Técnica de Desenv. Adm de RH / Serviço Técnico

Leia mais