Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento"

Transcrição

1 Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010

2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

3 A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? A Organização Candidata, com foco no atendimento eficiente e de qualidade que contemple as exigências na prestação de serviços em fornecimento e distribuição de água, bem como na redução das reclamações, intensificou a partir de 2007, ações de gestão no controle das intervenções nas redes de distribuição de água que impactassem de maneira positiva nos índices de satisfação do cliente, bem como nos índices de regularidade da distribuição. A.2 De que maneira as causas do problema foram identificadas? A partir dos indicadores que a Organização Candidata disponibiliza: Índice de Reclamações de Falta de Água; Índice de Regularidade da Distribuição; Quantitativo de intervenções no sistema de abastecimento de água; Quantitativo de interrupções no fornecimento de água; Dados cadastrais e operacionais da Infra-Estrutura; Informações Geográficas. B. A IDÉIA B.1 De que forma a solução foi planejada, concebida, desenvolvida e verificada? A metodologia adotada foi concebida através da necessidade de alcançar menores índices de reclamações de falta de água geral, assim como alcançar melhores índices de regularidade na distribuição de água nos Setores de Abastecimento operados pela Organização Candidata. Através dos bancos de dados da Organização Candidata onde periodicamente são atualizadas as informações sobre os índices de reclamação de falta de água por setor de abastecimento, os registros das intervenções no sistema de distribuição e as interrupções no abastecimento, foram feitas análises para identificação das causas das reclamações. As causas foram identificadas e quantificadas, cujo tratamento da causa de maior impacto remetia ao controle integral das intervenções na malha de distribuição de água. Gráfico 1 Identificação e segmentação das reclamações de falta de água geral da Organização Candidata no ano de

4 As intervenções na malha de distribuição oriundas de manutenções preventivas, corretivas ou até mesmo para melhorias operacionais normalmente causam interrupções no abastecimento e impacto negativo na satisfação do cliente. Para minimizar ou até mesmo eliminar tais causas, foi proposta a centralização das solicitações e repasse de serviços às equipes de campo (abertura e fechamento de rede), com isso alterou-se o fluxo de informações, criando-se a necessidade de registro e controle das mesmas. Foi desenvolvido pela Organização Candidata um sistema informatizado de controle dos fechamentos e aberturas de rede para manutenção, o qual permeia todas as etapas dos serviços realizados e áreas executantes da Organização Candidata. O sistema desenvolvido em SQL / Oracle (servidor local), propiciou a centralização das solicitações de serviço às equipes da manobra, assim como, a disponibilização on-line das informações sobre as etapas das intervenções via Intranet. Figura 1 Fluxo ANTERIOR de solicitação de serviços (manobras em redes de distribuição) Figura 2 Fluxo de solicitação de serviço operacional (manobras em redes de distribuição) A solicitação e acatamento de serviço no sistema são feitas por meio de permissão (senha de acesso), cujas atribuições foram determinados em virtude da área operacional de atuação do usuário 2

5 Figura 3 Tela de acesso ao Sistema, cujo Login do usuário e senha irão permitir solicitar e acatar serviços respectivos a sua área de atuação. Figura 4 Tela de acatamento dos serviços (itens em vermelho indicam pendências referentes à área do usuário logado ). O sistema consiste no registro formal da solicitação de serviço (manutenção) a ser realizado na malha de distribuição, cujo impacto no abastecimento pode ser gerenciado e mitigado em tempo real, assim como 3

6 posteriormente, através das análises dos relatórios disponibilizados pelo Sistema. O aprofundamento das análises identificou causas secundárias, cujas ações de combate, resultados obtidos e verificação de atendimento às metas foram contemplados no sistema, acompanhando on-line cada intervenção no sistema de distribuição de água. Figura 5 Tela do Sistema de Gerenciamento e Controle de Manobra para solicitação de fechamento de rede para manutenção (campos a serem preenchidos pelo responsável pela manutenção) Figura 6 Tela preenchida de um serviço concluído (todas as etapas das atividades realizadas e os dados são armazenados no servidor para subsidiar elaboração de relatórios, pesquisas e análises) 4

7 B.2 Como funciona a prática de gestão? A Célula de Controle da Operação de Água da Organização Candidata acata 24 horas por dia, todos os dias da semana as solicitações de fechamento de rede para manutenção das áreas responsáveis via Sistema de Controle. A partir das informações registradas na solicitação, o operador aciona a equipe de campo passando o serviço a ser executado, registrando no Sistema o nome do executante e horários de início e término da manobra, além das informações pertinentes como: diâmetro da rede fechada, setor afetado entre outros; Neste instante o Sistema alerta a área responsável pela manutenção da rede de que o fechamento foi executado, momento este, em que inicia-se a contagem de tempo para o reparo da rede. Quando o mesmo for finalizado, solicita-se via Sistema à abertura da rede, encerrando a contagem de tempo de reparo e iniciando o tempo de atendimento da manobra para abertura. Executada a abertura da rede, o Sistema finaliza a intervenção, cujo próximo passo é receber como documento anexo o formulário digitalizado de serviços operacionais de campo preenchido, a fim de compor todos os registros. Como o andamento das atividades é disponibilizado via Intranet e sua consulta é on-line, o gerenciamento pontual à distância é possível, tornando o controle mais eficiente. São em média 1500 solicitações de manobras de fechamento e abertura de rede por mês, que têm as seguintes finalidades: manutenção de rede e equipamentos, descargas, direcionamentos de abastecimento, setorização e testes, lavagens e desinfecção de novas redes. A gestão é feita periodicamente através das análises dos relatórios disponibilizados pelo Sistema, e identificadas causas secundárias, para as quais foram propostas ações cujos resultados obtidos quando do registro das atividades são simultaneamente parametrizados às metas definidas, que foram: Tempo de deslocamento e execução da manobra de abertura e fechamento; Tempo de execução do conserto da rede; Diâmetro relativo do fechamento (relação entre o diâmetro fechado e o diâmetro da rede com vazamento) As metas foram inseridas no Sistema, o qual emite alarme (mudança da cor preta para vermelha), assim que o valor não for atingido. Pode-se em tempo real, atuar pontualmente no caso, interferindo positivamente no desabastecimento. Figura 7 Tela de serviços em andamento e com alarmes ativos de tempo de atendimento e previsão de conclusão de serviço 5

8 Figura 8 Tela do Sistema que disponibiliza relatórios dos serviços registrados, inclusive dos serviços em andamento Figura 9 Tela do Sistema que disponibiliza os resultados dos tempos de atendimento da manobra e do conserto da rede no Pólo de Manutenção e período determinados. Os itens em vermelho indicam resultados que não atenderam as metas. Clicando-se no setor desejado, são abertos todos os serviços realizados, permitindo-se identificar o(s) serviço (s) ou atividade (s) que não atendeu a(s) meta(s). 6

9 Periodicamente os resultados são analisados e são propostas ações de melhoria como seguem: Tempo de deslocamento e execução da manobra de abertura de rede - TA: Esse tempo impacta no período de desabastecimento, logo quanto menor, pode-se antecipar a normalização do abastecimento ou até mesmo eliminar sua interrupção. Para isto os resultados são analisados periodicamente e discutidos em reuniões com os empregados, cujas ações de conscientização e otimização de equipes têm contribuído para a melhoria deste indicador local e demais indicadores do processo. Tempo de conserto de rede - TEC: Por ser a atividade de maior duração e pertencer a seis Pólos de Serviços, os resultados são analisados e discutidos periodicamente entre os departamentos da Organização Candidata Diâmetro Relativo do Fechamento - DR: Razão entre o diâmetro da rede fechada para a execução do serviço e o diâmetro da rede a ser consertada. Impacta diretamente no tamanho da área abrangida e conseqüentemente na quantia de clientes afetados pela manutenção. Ações para disponibilização dos registros (descoberta, instalação e manutenção) estão sendo direcionadas e realizadas a partir das análises dos relatórios fornecidos pelo Sistema. Figura 10 Tela do Sistema que apresenta os resultados obtidos no dia 05/09/2010 para os indicadores na Organização Candidata. As metas não atendidas (vermelho) e as atendidas (preto). 7

10 B.3 Como funciona a sistemática de avaliação e de melhoria da prática? Os resultados das ações direcionadas à redução das reclamações são acompanhados diariamente, por Setores de Abastecimento e/ou Municípios atendidos pela Organização Candidata. Nos quais destacamos os principais: Redução do Índice Reclamações de Falta de Água Geral por manutenções em redes (IRFA parcial); Aumento do Índice de Regularidade da Distribuição IRD; Após execução de todas as demandas solicitadas pelo Planejamento da operação de água que objetivam a redução das perdas reais, bem como aperfeiçoar a eficiência operacional na distribuição de água dentro dos Setores de Abastecimento atendidos pela Organização Candidata, avaliam-se os índices de reclamação de falta de água, os índices de regularidade na distribuição, tempos de atendimento da manobra e execução dos serviços de manutenção, diâmetro relativo dos fechamentos e quando necessário, roda-se novamente o PDCA (Planejamento, Desenvolvimento, Criação e Atividade) para um novo ciclo de atividades visando a redução dos impacto nos abastecimento das intervenções em redes de distribuição de água. C. OS RESULTADOS C.1 Apresentar um ou mais tipos de resultados relevantes com demonstração de favorabilidade obtidos em decorrência da implementação da prática, expressos quantitativamente por meio de indicadores de nível de desempenho e demonstração de tendências. Fig. 12 Gráfico de tendência dos tempos médios mensais de abertura de rede - TA. Ação direcionada visando à redução no tempo de desabastecimento e a quantidade de reclamações de falta de água por esta causa. Fig. 12 Gráfico de tendência dos tempos médios mensais de rede fechada para manutenção - TRF. Ação direcionada visando à redução no tempo de desabastecimento e a quantidade de reclamações de falta de água por esta causa. O TRF é obtido pela soma dos tempos de conserto de rede (TEC) e abertura (TA) 8

11 Fig. 12 Gráfico da evolução dos resultados médios anuais de: reclamações de falta de água por manutenção em rede, quantidade de fechamentos para manutenção de rede, tempo de rede fechada para manutenção e diâmetro relativo dos fechamentos, cuja conclusão comprova a eficácia da gestão com a utilização do Sistema de Controle das Intervenções na Rede de Distribuição desenvolvido. Obs.: O ano de 2010 corresponde ao período de janeiro a agosto. 9

12 Fig. 13 Gráfico Mensal dos indicadores IRD e IRFA entre os anos de 2007 e 2009, comprovando o impacto positivo das coes de controle e gestão das intervenções nas redes de distribuição da Organização Candidata. C.2 Quais são outros benefícios intangíveis decorrentes da prática, baseados em fatos, depoimento ou reconhecimentos? Melhor Gestão no controle das intervenções de rede de distribuição; Disponibilização de informações atualizadas via Intranet de forma democrática às áreas envolvidas Identificação imediata de possíveis notificações de interrupções no abastecimento à ARSESP Agência Reguladora, possibilitando a interferência e a tomada de ações para mitigar ou eliminar a necessidade de notificação. Melhor eficiência na operação e distribuição de água; Diminuição dos Índices de Reclamações de Falta de Água Geral; Aumento do Índice de Regularidade da Distribuição; Aumento no volume de água disponibilizado aos clientes; Melhoria da Satisfação do cliente para com os serviços prestados pela Organização Candidata; Melhoria da imagem da Organização Candidata junto à opinião pública. 10

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Modelo inovador na operação do sistema de distribuição de água utilizando Distritos de Manobra Outubro-2013 Organograma da OC

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento Monitoramento à Distância de Pontos Críticos de Abastecimento de Água e de VRP s com a utilização da estrutura

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Gestão de Manutenção em Estações de Tratamento de Esgoto Utilização de Novas Tecnologias 2013 1 OC Estrutura Organizacional

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA

Leia mais

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Presidência Diretoria Superintendência Pólo de Comunicação Departamento Administrativo Departamento de Engenharia e Operação

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento ENTENDER PARA ATENDER Setembro/2012 PNQS 2012 - Inovação da Gestão em Saneamento IGS PNQS 2012 - IGS Página

Leia mais

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade.

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade. ANEXO 8: GERENCIAMENTO DE ANORMALIDADES DA REDE 1 As Partes reconhecem que é de seu mútuo interesse estabelecer um processo eficiente e efetivo para comunicar e resolver as anormalidades de rede que repercutam

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI)

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI) O SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS ON-LINE O Sistema de Controle de Processos ON-LINE é um Sistema de Protocolo desenvolvido pela da que tem como finalidade gerenciar os processos e solicitações de serviços

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Sabemos que implementar e monitorar um Sistema de Gestão é um grande desafio, pois temos que planejar, controlar e verificar muitos registros, papéis,

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela IGS Relatório de Descrição de Prática de Gestão Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela Setembro/2012 A OPORTUNIDADE Oportunidade de melhoria solucionada pela prática implementada Em 1995

Leia mais

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas)

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) O OASIS foi desenvolvido de forma parametrizada para poder atender às diversas particularidades de cada usuário. No OASIS também, foi estabelecido

Leia mais

Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013

Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013 Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013 Presidência da OC Ouvidoria da OC Diretoria A Diretoria B Diretoria da OC Diretoria D Diretoria E Superintendência 1 Superintendência 2 Superintendência

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 233/2013 Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO Celso Garcia Crespo (1) Engenheiro Civil graduado pela Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios Sumário Antecedentes legais Atividades relevantes O que é o SIGAP Relevância do SIGAP para o acompanhamento de projetos Estrutura simplificada do SIGAP Principais benefícios Atividades em desenvolvimento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MONITORAMENTO DO ATENDIMENTO AO CLIENTE Responsável: Márcio Gláucio Maia da Silva Cópia Controlada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário.

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. 2013 Estrutura Organizacional

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

1- Objetivo: Informar aos usuários como realizar a inclusão da ocorrência de devolução via workflow.

1- Objetivo: Informar aos usuários como realizar a inclusão da ocorrência de devolução via workflow. 1- Objetivo: Informar aos usuários como realizar a inclusão da ocorrência de devolução via workflow. 2- Abrangência: Depto. Comercial, fiscal, cobrança e contas a receber 3- Fluxo 1 Tela login Mesmo usuário

Leia mais

Escritórios de Projeto Local: a busca contínua pela Eficiência Operacional

Escritórios de Projeto Local: a busca contínua pela Eficiência Operacional Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Escritórios de Projeto Local: a busca contínua pela Eficiência Operacional 2011 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA OC 2 A

Leia mais

Concurso "V Prata da Casa" Edição 2015 Cadastro da Boa Prática

Concurso V Prata da Casa Edição 2015 Cadastro da Boa Prática Concurso "V Prata da Casa" 3º Edição 2015 Cadastro da Boa Prática Nome do Participante Jefferson Luiz Tesseroli Silvério Cargo Assessor Jurídico - DAS4 Cidade CURITIBA - PARANÁ Título da Boa Prática IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

Monitoramento e Avaliação Estratégica

Monitoramento e Avaliação Estratégica Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Monitoramento e Avaliação Estratégica 2012 1 ORGANOGRAMA Diretoria da Presidência Diretoria Administrativa Diretoria

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

Gestão Estratégica de TIC. Case IGS 2014

Gestão Estratégica de TIC. Case IGS 2014 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento / PNQS Prática de Gestão Estratégica de TIC Gestão Estratégica de TIC Case IGS 2014 1 Introdução A prática de gestão estratégica de TIC surgiu em Agosto de 2010

Leia mais

Apresentação Figura 01:

Apresentação Figura 01: Apresentação O Sistema Online de Iniciação Científica da Universidade do Estado foi desenvolvido pela Pró- Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) com a finalidade de agilizar o processo de

Leia mais

ÍNDICE. Página 2 de 10

ÍNDICE. Página 2 de 10 Página 1 de 10 @ ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. INTRODUÇÃO AO SISTEMA CUSTOMER WEB... 3 3. ACESSO AO PORTAL CUSTOMER WEB... 3 3.1. Solicitação de Acesso ao Portal... 3 3.2. Níveis de Acesso do Cliente... 4

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL 1. Nome da prática ou ideia inovadora: Programa Canal de Ideias, sistema de sugestões. 2. Caracterização

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

Versão 1.0 Recife, 6 de maio de 2014. Control Book UNIREMA

Versão 1.0 Recife, 6 de maio de 2014. Control Book UNIREMA Fevereiro D.GNS.CB.UNI Versão 1.0 Recife, 6 de maio de 2014 Control Book UNIREMA 2 Control Book UNIREMA Histórico de revisões Versão Data Autores Descrição Aprovado por 1.0 28/03/2014 Luíses Almeida Versão

Leia mais

SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Incidentes de TI Não conformidade da Qualidade

SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Incidentes de TI Não conformidade da Qualidade SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Para aumentar a fidelidade do cliente, aprofundar o relacionamento com o cliente, aumentar a força da marca e diferenciação sólida, as empresas

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA jpureza@comusa.com.br Responsável pelo setor de operação da Companhia, Eng Civil formado

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS. Mobilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS. Mobilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Mobilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes 2012 1 Diretoria da Presidência Diretoria Administrativa Diretoria

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL Teledata Indíce analítico 1. Prefácio...3 2. Funcionalidades...3 3. Abrir chamados...7 4. Atribuir chamados...9 5. Consultar chamados...10 6. Fechar chamados...12 7. Relatórios...15

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE VISITAS RELATÓRIO DE VISITAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE VISITAS RELATÓRIO DE VISITAS 22/03/203. INTRODUÇÃO A Política de Visitas Divisão Institucional tem por objetivo controlar e auditar as visitas dos consultores em nossos clientes, as ações de manutenções tomadas e comprovar a presença

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Manual do SINASC Módulo SISNET MANUAL SISNET. Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1

Manual do SINASC Módulo SISNET MANUAL SISNET. Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 MANUAL SISNET Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo SISNET Capitulo 01 - Introdução O SISNET efetua a transferência dos dados existentes nos sistemas locais para o nível superior

Leia mais

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE Brasília/DF Agosto/2015 Sumário Introdução... 2 1 Sistema de Gestão Estratégica... 3 2 Colegiados Em Rede... 5 2.1 Menu Cadastro... 6 2.1.1 Dados do Colegiado... 7 2.1.2 Composição

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança da Informação CILL

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE

SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE OBJETIVO O SAD foi desenvolvido para aprimorar e permitir o rastreamento dos registros de contatos realizados entre a Datamace e seus clientes. Permite administrar a

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

Processo Atendimento N1

Processo Atendimento N1 Dono do processo Regiane Mendes Barbosa Substituto: Gustavo de Castro Ventura Aprovado por Analisado criticamente por Comitê da qualidade Chefe do Departamento de Atendimento ao Usuário e Representante

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Manual da Nota Fiscal Eletrônica

Manual da Nota Fiscal Eletrônica Manual da Nota Fiscal Eletrônica Memory Informática Tabela de Conteúdos Meu Usuário Meu Perfil --------------------------------------------------------- 4 Minha Empresa Configurar Minha Empresa -------------------------------------

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO 2.1.3.5 Resultados. a) Aumento da arrecadação tributária do Estado - excluído o crescimento econômico, variações de alíquotas e bases de cálculo, etc; b) Redução do tempo de julgamento administrativo dos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

Manual do sistema Perfil de Usuário

Manual do sistema Perfil de Usuário Manual do sistema Perfil de Usuário MANUAL DO SISTEMA PERFIL DE USUÁRIO Universidade Federal de Alfenas Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Computação Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

Manual Cadastro Completo

Manual Cadastro Completo Manual Cadastro Completo Índice 1. Objetivo... 3 2. O Projeto e-suprir... 3 3. Fluxo do Processo de Cadastro... 3 4. Cadastro Simples... 4 5. Recebendo Usuário e Senha... 7 6. Cadastro Completo... 7 7.

Leia mais

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Atenção: Os requerimentos de segunda oportunidade, matrícula em disciplina, rematrícula, matrícula em dependência e trabalhos orientados só poderão ser abertos

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos mediação, ouvidoria e gestão de relacionamentos A Ouvidoria nas Empresas Ferramenta

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

FROTA FÁCIL NETWORK 1.0 2008/ 2013

FROTA FÁCIL NETWORK 1.0 2008/ 2013 FROTA FÁCIL NETWORK 1.0 2008/ 2013 O Frota Fácil Network 1.0 foi concebido em 2008 com a finalidade de gerir os custos com a sua frota de veículos. Com estruturas modulares simples e funcionais, procuramos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O A V I S O PROCESSO EMERGENCIAL COM ETAPA DE LANCES OBJETO: Contratação emergencial do serviço de manutenção do sistema de alerta e alarme da Região Serrana/RJ LOCAL: Departamento Geral de Administração

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

Para preencher sua inscrição você precisará de dois ítens que devem ser obtidos com antecipação:

Para preencher sua inscrição você precisará de dois ítens que devem ser obtidos com antecipação: INSCRIÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES O sistema de inscrições do FEMUSC foi criado especialmente para as necessidades do festival. As informações contidas nesta ficha de inscrição acompanharão o participante

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais