Engenharia de Computação AUTOMAÇÃO DE ROTINAS DE VENDAS COM A UTILIZAÇÃO DO CONCEITO E-BUSINESS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Computação AUTOMAÇÃO DE ROTINAS DE VENDAS COM A UTILIZAÇÃO DO CONCEITO E-BUSINESS"

Transcrição

1 Engenharia de Computação AUTOMAÇÃO DE ROTINAS DE VENDAS COM A UTILIZAÇÃO DO CONCEITO E-BUSINESS Gustavo de Almeida Viana Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2009

2 Curso de Engenharia de Computação AUTOMAÇÃO DE ROTINAS DE VENDAS COM A UTILIZAÇÃO DO CONCEITO E-BUSINESS Gustavo de Almeida Viana Monografia apresentada à disciplina de Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia de Computação da Universidade São Francisco, sob a orientação do Prof. Dr. Claudio Kiyoshi Umezu, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Orientador: Prof. Dr. Claudio Kiyoshi Umezu Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2009

3 Dedico este trabalho a todos que me apoiaram e fizeram parte da elaboração de quem eu sou hoje.

4 .Agradecimentos Agradeço a todos os professores que fizeram parte da minha formação nestes anos de faculdade do inicio até o fim desta jornada. Ao meu orientador, Prof. Claudio, por todos os ensinamentos e dedicação de seu tempo na elaboração deste trabalho. Em especial agradeço a minha mãe, meu pai e meu irmão por sempre acreditarem no meu esforço. Sem eles, tenho certeza, que não iria desenvolver esse projeto. A Jessica, minha namorada, por sempre me apoiar nos momentos em que eu desacreditava de mim Aos meus grandes amigos Paulo, João, David, Márcio, Leandro e Rafael por todos os trabalhos desenvolvidos, pelas conversas e estudos. iv

5 Sumário Lista de Siglas... v Lista de Figuras... vii Resumo... viii Abstract... ix 1 Introdução Objetivo Motivação... 4 Automação empresarial Sobre a automação empresarial Descrição do problema Projeto Introdução Conceito do e-business Estrutura do e-business Desenvolvimento Ferramentas utilizadas Metodologia Descrição das rotinas a serem automatizadas Estruturas utilizadas do conceito e-business Descrição das Funcionalidades total do sistema Demonstração de algumas rotinas do sistema Nova rotina para os representantes Nova rotina para o comercial Conclusão Trabalhos futuros Referências Bibliográficas Bibliografia Consultada v

6 Lista de Siglas ASP Active Server Pages. e-bi Electronic Business Intelligence e-business Electronic Business e-commerce Electronic Commerce e-procurement Electronic Procurement e-scm Electronic Supply Chain Management e-crm Electronic Customer Relationship Management ERP Enterprise Resource Planning IBM International Business Machines OTC Medicamento de venda livre (Over-The-Counter) PHP Php Hypertext Preprocessor vi

7 Lista de Figuras FIGURA 1 GASTOS... 4 FIGURA 2 FLUXO DO PROBLEMA A SER RESOLVIDO... 6 FIGURA 3 REPRESENTAÇÃO PIRAMIDAL DO CONCEITO DO E-BUSINESS... 8 FIGURA 4 FLUXOGRAMA DA ROTINA DO REPRESENTANTE COM O PROJETO FIGURA 5 ESTRUTURAS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO FIGURA 6 REPRESENTAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DO PROJETO FIGURA 7 ACESSO AO PORTAL FIGURA 8 TELA INICIAL DO PORTAL FIGURA 9 TELA INICIAL DO REPRESENTANTE FIGURA 10 BARRA DE ENDEREÇOSDO NAVEGADOR FIGURA 11 TELA INICIAL DE INSERÇÃO DE PEDIDOS FIGURA 12 CABEÇALHO DE PEDIDO FIGURA 13 TELA DE TRATAMENTO DE INCONSISTÊNCIAS FIGURA 14 EXEMPLO DE CÓDIGO PARA TRATAMENTO DE INCONSISTÊNCIAS FIGURA 15 TELA DE FINALIZAÇÃO DE PEDIDO FIGURA 16 TELA COM ITENS DO PEDIDO FIGURA 17 ENVIADO PELO SISTEMA PARA O REPRESENTANTE E COMERCIAL FIGURA 18 TELA DE CONCLUSÃO DA SOLICITAÇÃO FIGURA 19 TELA DE LOGIN FIGURA 20 TELA DE SOLICITAÇÕES PARA O COMERCIAL FIGURA 21 TELA DE CONFIRMAÇÃO DE ENTRADA DE PEDIDO vii

8 Resumo A automação de uma empresa pode se dar de variadas formas - uma delas é a implantação do conceito e-business. Neste projeto de conclusão de curso foi abordado como o conceito de e- business auxilia na automação de processos, especificamente, processos administrativos de vendas rotineiros de uma empresa real do ramo farmacêutico. O termo e-business pode ser definido como uma forma segura, flexível e integrada de fornecer um valor diferencial na gestão administrativa pela combinação de sistemas e processos de forma simples e eficiente (FRANCO, 2005). Através da elaboração de um portal on-line pretende-se associar o conceito em uma aplicação visando demonstrar uma alternativa que pode reduzir gasto e automatizar tais processos do dia-a-dia ajudando nas tomadas de decisões com tratamento a partir de regras especificas. Muitas empresas, por meios de sistemas on-line, utilizam-se deste recurso para fazer a comunicação com filiais, fazer compras, vendas, propagandas, consultas ao mercado concorrente. Com esse levantamento de informações pode-se, através de análises detalhadas, auxiliar a empresa na tomada de decisões para atuar e trilhar o futuro no mercado. No projeto elaborado é demonstrado a automatização da empresa com seus representantes. PALAVRAS-CHAVE: E-Business, Automação Empresarial, Sistemas Empresariais, Sistemas On-line. viii

9 Abstract The automation of a company can give a variety of ways one is to introduce the concept of e-business. In this project of completion was discussed how the concept of e-business helps in process automation, specifically, the administrative routine sales of a company's actual pharmaceutical branch. The term e-business can be defined as "a safe, flexible and integrated to provide a differential value in the management of a combination of systems and processes in a simple and efficient" (Franco, 2005). By forming an online portal intended to associate the concept of an application to demonstrate an alternative that can reduce spending and automating these processes day-to-day help in making decisions on treatment from specific rules. Many companies, by means of online systems, we use this resource to communicate with affiliates, shopping, sales, advertising, consulting market competitor. With this collection of information can, through detailed analysis to assist the company in making decisions to act and walk in the future in the market. In the design guidelines is shown automation company with its representatives. KEYWORDS: E-Business, Business Automation, Business Systems, On-line Systems. ix

10 1 INTRODUÇÃO Neste trabalho de conclusão de curso foi abordada a implantação do conceito e- business, visando à automação de partes de processos administrativos de uma empresa real. O termo e-business é definido como uma forma segura, flexível e integrada de fornecer um valor diferencial na gestão administrativa pela combinação de sistemas e processos para administração e funcionamento de operações centrais, de forma simples e eficiente, alavancada pela aplicação de tecnologias de Internet (FRANCO, 2005). Este conceito vem ganhando adeptos no Brasil com o avanço da Internet. Muitas empresas, por meios de sistemas on-line, utilizam-se destas tecnologias para fazer a comunicação com filiais, fazer compras, vendas, propagandas e consultas ao mercado concorrente. Com todo esse levantamento de informações pode-se, através de análises, auxiliar a empresa a tomar decisões para atuar e trilhar o futuro no mercado. É possível deixar processos muito mais rápidos e ajudar nas tomadas de decisões. A elaboração de um sistema simples, que utiliza o conceito do e-business para automatizar processos e, ainda, seu aperfeiçoamento, pode fazer com que uma empresa venha a reduzir gastos. Este trabalho está dividido em seções, onde a seção 2 apresenta o objetivo do trabalho. A seção 3 apresenta a motivação do trabalho. A seção 4 descreve uma breve introdução sobre a idéia de automação empresarial. A seção 5 descreve o conceito e-business e o início do projeto com a descrição do problema a ser resolvido. A seção 6 finaliza com conclusões e possíveis contribuições para futuros trabalhos. 1

11 2 OBJETIVO Este trabalho de conclusão de curós tem como objetivo a implantação de um sistema on-line com base no conceito e-business para automatizar os processos de vendas de uma empresa que argumenta problemas no fluxo de finalização de seus pedidos. 3 MOTIVAÇÃO Em uma empresa real, do ramo farmacêutico, foi detectado um problema de fluxo de vendas. Então percebeu-se que tal problema poderia ser resolvido com a aplicação de conceitos simples de automação. Foi proposta uma estratégia que tivesse baixo custo e fácil implementação. Com aprovação da empresa para tal estratégia adotada teve-se início o desenvolvimento da solução. Utilizar os recursos já utilizado pela empresa, promover a redução de gastos para aumentar o investimento e melhorar o padrão de trabalho com auxilio da automação foram fatores que motivaram apresentar neste trabalho de conclusão de curso. 2

12 4 AUTOMAÇÃO EMPRESARIAL 4.1 Sobre a automação empresarial À medida que aumenta a complexidade interna e os negócios de uma empresa no ambiente em que ela atua, o processo de tomada de decisão tende se tornar também mais complexo, requerendo agilidade, dinamismo, utilidade e precisão das ações e informações empresariais (REZENDE, 2008). A atividade de tomada de decisão tem um papel crucial e complexo pelo fato de ser essencial em qualquer hierarquia, em qualquer departamento e a qualquer tempo. A automação empresarial parte do princípio de promover todos os recursos que possibilitem o aumento de fatores de lucratividade, competitividade e inteligência empresarial. Segundo Rezende (2008), os processos e procedimentos de seleção e organização de informações, para sua efetiva utilização e entendimento nas situações de mercado, em tempo hábil, são pontos em que são empregados sistemas informatizados, visando auxiliar as empresas nas complexas tomadas de decisão dos mais variados tipos como: estruturação de novos produtos; estudos de características de determinados clientes e regiões e podendo-se, por exemplo, focar em uma venda para retorno mais rápido de capital. Mesmo tendo a garantia da aquisição da informação, podem-se identificar possíveis falhas que levam a uma tomada de decisão prejudicial no resultado final esperado de um ou mais processos. As falhas são divididas em três partes: 1. Informações: Aparece quando as informações são apresentadas de maneira errada, levando a uma tomada de decisão errada. 2. Inteligência: Aparece quando não se consegue identificar, definir e categorizar as informações em tempo hábil. 3. Concepção: Após descrever as informações e as entender, a concepção é a falha que pode aparecer quando não se consegue quantificar possíveis problemas e descrever alternativas de soluções. Segundo Rezende (2008), há várias ferramentas e softwares, disponíveis hoje em dia, que visam a automação de uma empresa, seja ela de pequeno, médio ou grande porte. Editores de texto, planilhas eletrônicas, softwares de apresentação e banco de dados são exemplo de aplicativos que podem promover tais automações. 3

13 4.2 Descrição do problema Razão Social da Empresa: Brasterápica Indústria Farmacêutica. Localização: Atibaia SP. A Brasterápica é uma empresa brasileira, de médio porte, que atua no ramo farmacêutico, produzindo medicamentos OTC (isento de prescrição médica), Farma (tarja vermelha) e Hospitalar (tarja vermelha para hospitais e em grande escala). Atualmente suas vendas são destinadas para ao mercado interno, abrangendo todos os estados do Brasil. Cada estado conta com a presença de pelo menos um representante, tendo este que responder ao seu respectivo gerente. A empresa recebe ligações de seus representantes, originadas de telefone celular e fixo, para informações sobre o andamento de pedidos, já liberados ou não, e informações sobre o estoque de medicamentos disponíveis para a venda imediata. Assim, é comum a ocorrência de congestionamento nas linhas telefônicas, dificultando o seu uso para resolução de outros assuntos. Além disso, essas ligações são recebidas através do serviço de 0800 da própria empresa, ou seja, há uma geração de custos excessivos para uma empresa de médio porte, mostrado na Figura 1. Figura 1 Gastos telefônicos da empresa 4

14 Os pedidos de vendas são recebidos através de fax e serviço de 0800 no próprio departamento comercial e neste processo, normalmente muitas irregularidades são detectadas. Por exemplo, prazos de entrega que não são aceitáveis, produtos que estão em falta no estoque, preços promocionais que não são admissíveis ou que não conferem com a tabela liberada, etc. Dependendo das irregularidades e das negociações com o gerente, representante e coordenador do departamento comercial, uma solicitação de venda pode ficar parada por mais de uma semana sem ser inclusa no sistema. Com isso, os clientes recebem respostas de suas solicitações com atraso que variam de uma a duas semanas como mostrado na Figura 2. 5

15 Figura 2 Fluxo do problema a ser resolvido 6

16 5 PROJETO 5.1 Introdução Pode-se notar que o principal problema vivenciado pela empresa está no tempo desperdiçado com relação à comunicação entre o representante e a empresa. Com isso, pode haver uma excessiva demora na finalização de uma venda, gerando problemas tanto para a empresa como para o cliente. Visando a agilidade no processo e a otimização deste tempo de transação pode-se implementar o conceito e-business, onde, através da Internet, o representante pode inserir seus pedidos. Tais pedidos, por sua vez, passam por processos que, através de regras dadas pela empresa, podem ser bloqueados enquanto passam por uma análise de um superior. Os pedidos também podem ser enviados para faturamento direto, caso estejam de acordo com tais regras. O representante pode, a qualquer momento, consultar as posições dos pedidos e tratar cada cliente com particularidade. 5.2 Conceito do e-business O e-business foi o conceito adotado para uma possível solução para o problema anteriormente descrito. Segundo Franco (2005), a estrutura funcional do e-business é dividida em seis partes, conforme mostrado na Figura 3, sendo elas: o e-commerce (estrutura de comércio eletrônico), o e-bi (estrutura de inteligência de negócios), o e-procurement (estrutura de cotação eletrônica), o e-scm (estrutura de gerenciamento da cadeia de suprimentos), ERP (estrutura de gestão para empresa) e o e-crm (estrutura de relacionamento com o consumidor e não-consumidor). 7

17 Figura 3 Representação piramidal do conceito do E-business (FRANCO, 2005) 5.3 Estrutura do e-business E-commerce (Comércio Eletrônico) Segundo Franco (2005), o e-commerce é a parte mais visível de toda a estrutura do e- business, tanto que ambas as idéias ainda hoje são confundidas. A função do e-commerce é iniciar o ciclo de cliente empresa fornecedor e é a partir desta ponta será desencadear o instinto de consumo, compra e venda, onde não é preciso ter uma área física destinada para o comércio, para o início deste ciclo. E-BI (Electronic Business Intelligence Inteligência de Negócios Eletrônicos) Ao se iniciar o ciclo através do e-commerce, geram-se muitos tipos de informações e, dependendo destas informações e de suas combinações, pode-se estruturar a inteligência de negócios o e-bi. O e-bi é a estrutura do e-business que irá proporcionar o apoio à tomada de decisão. Com essa estrutura pode-se traçar os diferentes perfis de clientes e suas características com relação ao que compram, quanto compram, que tipo de produto mais compram, etc. Para gerar essas informações pode-se utilizar ferramentas de análise de banco de dados que aplica a idéia de Data-Mining (Mineração de Dados) e Data Warehousing (Armazenamento de Dados). 8

18 E-Procurement (Electronic Procurement Cotação eletrônica)o e-procurement é a estrutura na qual a empresa poderá realizar todas as suas transações com fornecedores, compradores, etc., via comunicação eletrônica. O e-procurement visa atender uma necessidade cada vez maior em reduzir os custos operacionais no processo de compras de qualquer tipo de material ou serviço especial. E-SCM (Electronic Supply Chain Management Gerenciamento de Cadeia de Suplementos Eletrônico) De acordo com a antiga CLM (Council of Logistics Management), atualmente CSCM (Council of Supply Chain Management), o gerenciamento da cadeia de suprimentos, o E- SCM, engloba o planejamento e a gestão de todas as atividades envolvidas em identificar fornecedores, comprar, fabricar, e gerenciar as atividades logísticas. O E-SCM é uma tecnologia de administração orientada para a integração entre os principais processos de negócios que existem entre os elementos de uma cadeia logística, desde os consumidores até os fornecedores, em um modelo de negócio harmônico e de alto desempenho. Seu objetivo é agregar o maior valor possível ao consumidor. A logística é a parcela do processo da cadeia de suprimentos que planeja, implanta e controla o fluxo de forma eficiente e eficaz de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relacionadas, desde seu ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos dos clientes. No e-business, o e-scm desempenha um papel importante, não somente pelas regras de logísticas nesta estrutura, mas pelo SCM desempenhar o papel de ligação entre empresa x cliente e empresa x fornecedor através da ponta como o e-commerce. ERP (Enterprise Resource Planning - Sistemas Integrados de Gestão Empresarial) Um sistema dito ERP tem a pretensão de suportar todas as necessidades da informação para uma tomada de decisão gerencial de um empreendimento como um todo. (CORRÊA et. al, 2001). É nesta estrutura que se gerencia a empresa, desde regras para os recursos humanos até o gerenciamento de matérias-primas no estoque para serem utilizadas na confecção de produtos acabados. Com base nessas informações, o ERP faz a interação e união de informações para serem consultadas por qualquer departamento de uma empresa. 9

19 A base de um projeto de e-business precisa ter o conceito do ERP muito bem desenvolvido para formar a base que irá receber as informações geradas pelo e-commerce e aprovadas ou rejeitadas pelo e-bi. E-CRM (Electronic Customer Relationship Management Gerenciamento de Relacionamento com o Consumidor) A idéia proposta por Franco (2005), é que o cliente, até então em todas as estruturas descritas, era tratado como uma entidade externa, e quando se tem a idéia da estrutura do e- CRM passa-se a tratar os clientes como se estivessem dentro da empresa. Em outras palavras, passa-se a tratar as informações de clientes e não clientes como fontes para desenvolverem-se táticas de como satisfazê-los. Segundo Haberkorn (2004), o CRM aplica a idéia de um tratamento profundo em cada cliente, desde seus desejos até sua capacidade financeira. O e-crm pode ser dividido em três tipos de gerenciamento de relacionamento : 1. Gerenciar os não-clientes : Com o estudo de não consumidores pode-se auxiliar a empresa ganhar mercado. 2. Gerenciar os clientes : Com o estudo de clientes pode-se auxiliar a empresa a manter seus clientes aprimorando produtos e atendimentos. 3. Gerenciar os clientes menos ativos: Com o estudo de clientes que não consomem muito pode-se auxiliar a empresa a melhorar os produtos e seus atendimentos para que tais clientes voltem a consumirem mais. 5.4 Desenvolvimento A etapa de desenvolvimento inicial do trabalho consistiu em uma ferramenta para que, através da Internet, um representante possa desenvolver suas rotinas como, por exemplo, conferir o status de seus pedidos de vendas, incluir pedidos de vendas, suas metas de vendas, verificar status de devedores, verificar como estão suas vendas e em que cliente deve-se focar. 10

20 A partir desta ferramenta foi possível automatizar o departamento comercial da empresa. Na Figura 4, pode-se ver a rotina e a área do problema já automatizado. Figura 4 Fluxograma da rotina do representante com o projeto 11

21 5.4.1 Ferramentas utilizadas Para o desenvolvimento do portal foram utilizados os seguintes aplicativos/ambientes: Software ERP (TOTVS Protheus v 8.11):Esta ferramenta já é utilizada na empresa para auxiliar em todos os processos internos, sendo assim, pode-se utilizar essa ferramenta para a aquisição dos dados. - Banco de dados (Microsoft SQL 2000): As informações inseridas no ERP são armazenadas neste banco de dados off-line, e o portal utiliza esta mesma ferramenta para os dados on-line. Software para desenvolvimento de páginas dinâmicas em linguagem ASP (Adobe Dreamweaver 8): Com essa ferramenta é elaborado o portal, dentro das páginas em ASP terá todos os códigos que implementa a estrutura do e-bi Software para desenvolvimento gráfico (Adobe Fireworks 8): Ferramanta gráfica para elaboração dos layouts Metodologia Sendo a Internet o principal meio de comunicação entre o representante e a empresa, optou-se pela elaboração de um portal on-line onde, com um login único, o representante pode acessar as informações e inserir informações, antes solicitadas via fax e telefone. Com a elaboração do portal, a comunicação é estabelecida independente das configurações de hardware e softwares dos representantes, bem como da empresa. Com o uso da Internet é necessário se pensar na segurança das informações desde o login até o acesso à base dados que irá receber as informações oriundas da empresa. Para garantir a segurança das informações do portal é conveniente se trabalhar com duas bases de dados uma on-line e outra off-line. A base on-line conta com informações unicamente para os representantes e a off-line com informações para a empresa. Através de agendamentos há uma migração dos dados da base off-line e transferência para a base de dados on-line. 12

22 5.4.3 Rotinas automatizadas Pelo portal o representante pode fazer todas as suas rotinas antes resolvidas por telefone ou fax, como por exemplo, inserção de pedidos, consultas a lista de clientes para possíveis atualizações de dados cadastrais, consulta o andamento do pedido, consulta os títulos vencidos de cada cliente, seus títulos em aberto e consultas de metas e se estas foram realizadas Estruturas do E-Business utilizadas Ao se implementar o conceito de e-business para o problema descrito, percebeu-se que não era necessário utilizar todas as seis partes da estrutura do e-business para essa automação, e sim, apenas quatro partes da estruturas. De acordo com a pirâmide do e-business, foram utilizadas as estruturas mostradas na Figura 5. Figura 5 Estruturas utilizadas no desenvolvimento do projeto - E-Commerce : é nesta estrutura que as operações dos representantes serão iniciadas e também tem a responsabilidade de exibir os status de suas solicitações. - E-BI (Electronic Business Intelligence): nesta estrutura são colocadas todas as lógicas e restrições de negócios para evitar possíveis operações que o representante venha a 13

23 fazer na estrutura do e-commerce e que não fazem parte da política da empresa. Assim, evitase processos errados e desperdício de tempo com relação às vendas. Além disso, no e-bi ficam centradas as tomadas de decisões padrões, por exemplo, o redirecionamento de pedidos com valores que não conferem com a tabela de preço padrão ao superior do representante. O conceito de e-bi será adotado na seleção dos dados off-line. - ERP (Enterprise Resource Planning): esta estrutura fornece os dados que o representante necessita para ficar sempre atualizado sobre as informações da empresa, evitando assim constantes gastos com serviço de telefonia e fax. - E-CRM (Customer Relationship Management): o representante precisa saber de suas metas e onde deve focar para atingi-las. É esta estrutura que dará todo esse suporte. Através de análises feitas pelo departamento comercial, dados são inseridos em uma base de dados off-line e enviados, após seleção do e-bi, para a base off-line, evitando assim, também, constantes gastos com serviço de telefonia e fax. E-Procurement (Electronic Procurement): por representar o conceito da implementação de uma ferramenta de cotação eletrônica, a mesma não atende ao que a empresa está almejando desenvolver no momento. Por esse motivo essa estrutura foi retirada do projeto. No caso do E-SCM ( Electronic Supply Chain Management), é uma ferramenta voltada para a logística e neste projeto não há tal necessidade, sendo assim também, retirada da estrutura do projeto Funcionalidade do sistema A análise da estrutura funcional inicia com a inserção de dados. Através de um sistema ERP, o funcionário inicia a inserção de informações no banco de dados da empresa tais como o lançamento de pedidos, itens de pedidos e outros tipos de dados relevantes para os representantes. Após a inserção de tais informações, o mesmo seleciona os dados de acordo com as regras da empresa, utilizando o conceito de e-bi. Os dados são colocados em uma base isolada para simples exportação. Os dados selecionados são exportados para um banco de dados externo que terá um sistema de e-commerce trabalhado para exibi-los de uma forma simples e acessível para os representantes. Com isso, não é exposto o banco de dados oficial da empresa, garantindo-se boa aplicação dos conceitos de segurança. 14

24 Figura 6 Representação do funcionamento do projeto Com a implantação do conceito de e-business, pode-se notar na Figura 6, que há uma, centralização das consultas e das inclusões das solicitações de vendas em um único recurso, sendo acessível em qualquer lugar através da Internet. Assim, pode-se conseguir uma dinamização do processo de vendas Demonstração de algumas rotinas do sistema Nova rotina para os representantes Ao acessar a página do portal, através do link onde no menu tem o item de portal, conforme mostrado na Figura 7, o representante é redirecionado para a tela de login, conforme mostrado na Figura 8, onde ele inicia sua identificação. Com essa identificação, a estrutura de e-bi, formada por regras estabelecidas no código dinâmico, 15

25 pode selecionar os clientes deste representante, os títulos em aberto e vencidos destes clientes, os pedidos vencidos inseridos e seus status e configurações. Figura 7 Acesso ao portal Figura 8 Tela inicial do portal O layout do aplicativo é simples e com imagens voltadas para web, ou seja, em caso de conexões lentas, via modem, por exemplo, o acesso é rápido. Na tela do representante, Figura 16

26 9, as rotinas que antes eram resolvidas via telefone ou fax estão no menu principal. Pensando na segurança das informações, foi montada uma página com intuito de indexar todas as páginas do portal. Com isso, pela barra de endereços no navegador (Figura 10) nota-se que não é possível definir a linguagem dinâmica utilizada. Figura 9 Tela inicial do representante Figura 10 Barra de endereço do navegador Ao inserir um pedido de venda, Figura 11, o representante encontra a listagem de todos os seus clientes trazidos pela regra de e-bi de seleção de dados específicos por representante, não deixando visíveis clientes de outros representantes, evitando assim problemas quanto a sigilo e de concorrência interna. 17

27 Figura 11 Tela inicial de inserção de pedidos A partir da escolha do cliente que solicitou a compra, na Figura 12, pode ser visto o início do preenchimento do cabeçalho, onde as informações básicas do cliente são disponibilizadas automaticamente. Figura 12 Cabeçalho do pedido 18

28 Na seqüência da elaboração do pedido, o e-bi que faz a seleção de condições de pagamento padrões por região, verifica se a data programada para a entrega respeita o limite mínimo imposto pela empresa e se todos os campos foram preenchidos. Caso haja alguma inconsistência, como mostrado na Figura 13, onde há falta de preenchimento do campo Recolher GNR, é gerado um log e o representante é levado de volta à página anterior para correção da inconsistência. O código utilizado na implementação é mostrado na Figura 14. Figura 13 Tela de tratamento de inconsistências. Figura 14 Exemplo de código para tratamento de inconsistências Após tratar todas as possíveis inconsistências, o e-bi permite o redirecionamento para a página de inserção de itens para o pedido, conforme mostrado na Figura 15. Ao se inserir os itens no pedido, conforme a Figura 16, o e-bi, de forma dinâmica, recupera os valores de uma 19

29 tabela padrão da empresa para que o representante confirme se o preço que está sendo sugerido está muito fora do padrão. Caso esteja com um grande desvio no preço, o e-bi insere no banco de dados as informações do pedido deixando o status em análise e manda um para o gerente verificar se haverá liberação para o departamento comercial faturar ou não o pedido, poupando assim demoras no processamento de pedidos com preços abaixo da tabela. Caso não haja grandes desvios de preço, é emitido um recibo do pedido para o do representante (como pode ser visto na Figura 17) e o departamento comercial, também via e- mail é notificado que há um pedido para ser faturado. Figura 15 Tela de finalização do pedido Figura 16 Tela com itens de pedido 20

30 Figura 17 enviado pelo sistema para o representante e comercial Após todos os tratamentos do e-bi, o representante retorna a tela inicial recebendo a mensagem de solicitação de pedido enviado com sucesso, conforme a Figura 18. Figura 18 Tela de conclusão de solicitação 21

31 Nova rotina para o departamento comercial O novo procedimento implementado dispensa o recebimento de ligações. A partir do recebimento do do representante, conforme visto anteriormente, o colaborador do departamento comercial acessa a intranet da empresa pelo navegador de Internet, conforme Figura 19. Na sua tela, específica para o departamento comercial, o colaborador acessa o link de solicitações e na sua direita é exibida a solicitação pendente em verde conforme a Figura 20. Figura 19 Tela de login da intranet Figura 20 Tela de solicitações para o comercial 22

32 Ao visualizar a solicitação, conforme a Figura 21, o colaborador verifica se há alguma irregularidade e, se não houver, a solicitação é inserida no sistema ERP da empresa vindo a ser liberada totalmente ou parcialmente para se finalizar a compra e continuar todo o fluxo normal. Figura 21 Tela de confirmação de entrada de pedido 23

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source 978 Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source Keoma Gomes de Souza 1, Carlos Mário Dal Col Zeve 2 1 Acadêmico do Curso

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Manual de Integração E-Commerce CiaShop x SIGALOJA

Manual de Integração E-Commerce CiaShop x SIGALOJA Manual de Integração E-Commerce CiaShop x SIGALOJA Janeiro/2015 Sumário Título do documento 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 4 5. Pré-requisitos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT.

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT. 1 A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as funções ou processos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS.

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde ebook GRÁTIS PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde Primeiros passos para a otimização do call center em clínicas

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil 88 Estudo de Caso Aplicado na Gestão da Cadeia de Suprimentos de uma Indústria de Cereais Matinais Modelagem e Desenvolvimento de um Sistema de Informação para a Gestão da Cadeia de Suprimentos João Victor

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Sistema de Compras TV Globo

Sistema de Compras TV Globo Sistema de Compras TV Globo Guia de Uso - v. PÁGINA Índice Índice Negociações Sistema de Compras O que é o Sistema de Compras TV Globo Criar a sua cotação (Cota) Salvar Rascunho 7 Cadastro no Sistema Cotar

Leia mais

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI Departamento de Informática & Estatística Curso de Ciência da Computação GESTÃO DO CONHECIMENTO Vinicius Ponte Machado Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação TECNOLOGIA Clique

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico

Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico Ana Carolina de Almeida anacarolina@snt.com.br UBM Djavan Wallace Almeida Dias djavandias@gmail.com UBM Jonas de Souza Carvalho jonass_carvalho@hotmail.com

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Após a operação: Capital Social da Próxima:

Após a operação: Capital Social da Próxima: Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.005543/2007-71 Requerentes: Datasul S/A e Próxima Software e Serviços S/A. Advogados: Fabíola Carolina

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistema de E-Commerce, gerenciado por um Eis

Sistema de E-Commerce, gerenciado por um Eis Sistema de E-Commerce, gerenciado por um Eis Jordan Laus¹, Ricardo Alencar de Azambuja², Oscar Dalfovo², Paulo Roberto Dias² ¹ Curso de Ciências da Computação - Universidade Regional de Blumenau (Furb).

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Sistemas de Informação Aula 2

Sistemas de Informação Aula 2 Sistemas de Informação Aula 2 Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Leitura p/ aula 3 Sugestão: Para preparação anterior ler capítulo 3 do Laudon e Laudon Posterior a aula,

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PRAIA GRANDE 2010 1 JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Quem Somos O HANT é uma vertical da empresa NDDigital, com foco em desenvolver soluções através de software e serviços direcionados a atender a cadeia de compra das empresas, desde

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Sistema de Informação Sistemas de Informação em Negócios e SIG Francisco Rodrigues Sistemas de Informação em Negócios Ajudam os funcionários na execução das tarefas, principalmente

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. M.Sc. Anderson Pazin Aula 01 Sistema Sistema é um conjunto de elementos dinamicamente relacionados formando uma atividade para atingir um objetivo sobre

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

OpenERP Completo Preço Acessível Modular Flexível Nova Geração Open Source

OpenERP  Completo Preço Acessível Modular Flexível Nova Geração Open Source OpenERP OpenERP é uma ampla gama de aplicações empresariais que incluem Vendas, Gestão de Relacionamento com o Cliente, Gestão de projetos, Gestão de Armazém, Produção, Contabilidade e Recursos Humanos.

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1-

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1- Módulo de Gestão de Custos -1- A crescente necessidade das empresas, em melhorar o desempenho dos seus projetos, leva automaticamente a uma melhor gestão dos processos de Controle de Custo. O vem para

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

CAPÍTULO 2 Processos de negócios, informação e sistemas de informação 39

CAPÍTULO 2 Processos de negócios, informação e sistemas de informação 39 Sumário Introdução 17 PARTE I OsSIG evocê 21 CAPÍTULO 1 A importância do SIG 23 1.1 Existem aplicativos de negócios para Facebook e Twitter que ofereçam uma boa relação custo-benefício? 25 1.2 Como conquistar

Leia mais