CONTABILIDADE GERENCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE GERENCIAL"

Transcrição

1 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 1º SEMESTRE/2014 APOSTILA DESENVOLVIDA COM BASE NA PRODUÇÃO DA PROF. MARISA GOMES DA COSTA

2 Caracterização da contabilidade gerencial A contabilidade gerencial pode ser caracterizada, superficialmente, como um enfoque especial conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos e tratados na contabilidade financeira, na contabilidade de custos, na análise financeira e de balanços, colocados numa perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, de maneira a auxiliar os gerentes das entidades em seu processo decisório. A contabilidade gerencial, num sentido mais profundo, está voltada única e exclusivamente para a administração da empresa, procurando suprir informações que se encaixem de maneira válida e efetiva no modelo decisório do administrador. A contabilidade gerencial também se vale, em suas aplicações, de outros campos de conhecimento não circunscritos à contabilidade. Atinge e aproveita conceitos da administração da produção, da estrutura organizacional, bem como da administração financeira, campo mais amplo, no qual toda a contabilidade empresarial se situa. De maneira geral, portanto, pode-se afirmar que todo procedimento, técnica, informação ou relatório contábeis feitos sob medida para que a administração os utilize na tomada de decisões entre alternativas conflitantes, ou na avaliação de desempenho, recai na contabilidade gerencial. Certos relatórios financeiros, todavia, são válidos tanto sob o ponto de vista do interessado externo à empresa quanto sob o ponto de vista da gerência. Diferenças entre a Contabilidade Gerencial e Financeira Embora as informações econômicas possam ser classificadas de várias maneiras, os contadores sempre dividem a informação contábil em dois tipos: financeira e gerencial. O diagrama abaixo ilustra as relações entre a contabilidade financeira e gerencial. Entender essas relações ajuda a entender as necessidades informacionais da gerência. Demonstrações Financeiras Relatórios Gerenciais Usuários: Usuários Externos e Administração Administração Características: Preparados conforme os princípios fundamentais da contabilidade (PFCs) Preparados de acordo com as necessidades gerenciais Preparados periodicamente Preparados periodicamente ou quando necessário As informações da contabilidade financeira são relatadas em demonstrativos financeiros úteis para pessoas ou instituições de fora ou externos à empresa. Exemplos de tais usuários incluem acionistas, credores, instituições governamentais e público em geral. Na medida em que a administração usa esses demonstrativos financeiros para dirigir operações atuais e planejar operações futuras, a administração freqüentemente começa a avaliar os resultados já contidos nas demonstrações financeiras. A administração financeira, objetiva e periodicamente, relata os resultados das operações e a condição financeira da empresa de acordo com os princípios fundamentais da contabilidade (PFCs). As informações da contabilidade gerencial incluem dados históricos e estimados usados pela administração na condução de operações diárias, no planejamento de operações futuras e no desenvolvimento de estratégias de negócios integradas. As características da contabilidade gerencial são influenciadas pelas variadas necessidades da administração. Primeiramente, os relatórios de contabilidade gerencial fornecem medidas objetivas de operações passadas e estimativas subjetivas de futuras decisões. O uso de estimativas subjetivas nesses relatórios auxilia a administração a responder

3 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 3 às oportunidades de negócios. Segundo, os relatórios gerenciais não precisam ser preparados conforme os princípios fundamentais da contabilidade. Já que somente a administração usa as informações da contabilidade gerencial, o contador pode fornecê-las de acordo com as necessidades da administração. Terceiro, os relatórios de contabilidade gerencial podem ser preparados periodicamente junto com a contabilidade financeira, ou a medida que a administração precisar das informações. Por exemplo, se um gerente sênior estiver tomando uma decisão sobre uma expansão geográfica, o relatório gerencial pode ser desenvolvido em seu formato e dentro de um período planejado que possa auxiliá-lo na decisão. Por último, os relatórios gerenciais podem conter informações para a empresa ou para um segmento dela, como divisão, produto, projeto ou território. Onde termina a contabilidade financeira e onde se inicia a contabilidade gerencial? O ponto de ruptura entre os dois grandes ramos da contabilidade não é tão fácil de ser discernido. Certos relatórios, cúpula do processo contábil-financeiro, tais como o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultados representam, de certa forma, a fronteira entre contabilidade financeira e gerencial. Não se pode afirmar, todavia, que tais peças contábeis, apenas por serem o último degrau ou a súmula do processo de contabilidade financeira, e por servirem preponderantemente aos interessados externos à empresa (bancos, agências governamentais e mesmo acionistas desligados da gerência), não sejam importantes, pelo menos como ponto de partida, para a contabilidade gerencial e para a administração. Assim serão à medida que sirvam como indicador válido do desempenho, mesmo que em largos traços, da empresa, e desde que possam ser utilizados no modelo previsional da gerência. A análise financeira e a de balanços, por exemplo, tanto podem servir para o emprestador de dinheiro na avaliação da segurança do retorno do empréstimo ou financiamento como para a gerência na avaliação de tendência da empresa. Provavelmente, ambos se utilizarão de um bom número de índices calculados da mesma forma, com ênfases diferenciadas. A contabilidade de custos, por sua vez, e todos os procedimentos contábeis e financeiros ligados a orçamento empresarial, a planejamento empresarial, a fornecimento de informes contábeis e financeiros para decisão entre cursos de ação alternativos recaem, sem sombra de dúvida, no campo da contabilidade gerencial. Decisões do último tipo, como fabricar ou comprar, substituição de equipamentos, expansão da planta, redução ou amento de volume, combinação de produtos, etc. requerem informações contábeis (além das de outras disciplinas) que não são facilmente encontradas nos registros da contabilidade financeira. Na melhor das hipóteses, requerem um esforço extra de classificação, agregação e refinamento para poderem ser utilizadas em tais decisões. Atitudes e características do contador gerencial Se nos fosse perguntado qual ou quais as características que distinguem o bom contador gerencial de outros profissionais ligados à área da contabilidade, diríamos que a fundamental é saber tratar, refinar e apresentar de maneira clara, resumida e operacional dados esparsos contidos nos registros da contabilidade financeira, de custos, etc., bem como juntar tais informes com outros conhecimentos não especificamente ligados à área contábil, para suprir a administração em seu processo decisório. Outros conceitos A contabilidade gerencial, segundo o professor Lopes de Sá, através de um sistema de informações, de métodos e conhecimento da organização e da utilização do planejamento, fornecerá informações para atender a necessidade de seus usuários, com relatórios que demonstram os resultados por atividades e global da empresa, comparando-se o planejado com o realizado, para análise da gestão empresarial e da necessidade de tomada de decisões, visando auxiliar a empresa a atingir seus objetivos. O professor Crepaldi define a contabilidade gerencial como o ramo da contabilidade que tem por objetivo fornecer instrumentos aos administradores de empresas que os auxiliem em funções gerenciais. É voltada para a melhor utilização dos recursos econômicos da empresa, através de um adequado controle dos insumos efetuados por um sistema de informações gerenciais.

4 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 4 A Contabilidade Gerencial é um processo com a finalidade de produzir informações estratégicas, econômicas e de gestão das operações, de custos e das demais atividades organizacionais que ocorrem na empresa, para o processo decisório e de controle, com medidas de desempenho e lucratividade. A contabilidade gerencial é definida por Atkinson como um processo de produzir informações operacionais e financeiras para funcionários e administradores. Que só deve ser direcionado pelas necessidades informacionais dos indivíduos internos da empresa e deve orientar suas decisões operacionais e de investimentos (...) Medidas da condição econômica da empresa, como as de custos e lucratividade dos produtos, dos serviços, dos clientes e das atividades das empresas, são obtidas do sistema de contabilidade gerencial (...) como medida de desempenho econômico de unidades operacionais descentralizadas, como as unidades de negócios, as divisões e os departamentos, ligando a estratégia da empresa à execução da estratégia individual de cada unidade operacional, sendo também, um dos meios primários pelo qual operadores/funcionários, gerentes intermediários e executivos recebem feedback sobre seus desempenhos, capacitando-os a aprenderem com o passado e melhorarem para o futuro. A seguir apresenta-se as distinções entre a contabilidade Gerencial e a contabilidade Financeira, segundo dois autores diferentes. Figura 1: Comparação entre a Contabilidade Financeira e a Contabilidade Gerencial USUÁRIOS PRIMÁRIOS LIBERDADE DE ESCOLHA IMPLICAÇÕES COMPORTAMENTAIS ENFOQUE DE TEMPO Horizonte de tempo Relatórios Delineamento de atividades Fonte: Horngren (2004, p.5) - adaptação Contabilidade Gerencial Gestores da organização em vários níveis. Sem restrições, exceto custos em relação a benefícios de melhores decisões gerenciais. Preocupação com a influencia que as mensurações e os relatórios exercerão sobre o comportamento cotidiano dos gestores. Orientação para o futuro: uso formal de orçamentos, bem como de registros históricos. Ex.: orçamento de 20X1 comparado com o desempenho real de 20X1. Flexível, com uma variação que vai de horas a 10 ou 15 anos. Detalhados; preocupam-se com detalhes de partes da entidade, produtos, departamentos, territórios etc. Campo de ação se define com menor precisão. Uso mais intenso de disciplinas como economia, ciências de decisão e comportamentais. Contabilidade Financeira Usuários externos, como investidores e agências governamentais, mas também gestores das organizações. Restringida pelos princípios de contabilidade geralmente aceitos. Preocupação em mensurar e comunicar fenômenos econômicos. As considerações comportamentais são secundárias, embora a compensação dos executivos baseada em resultados relatados possa ter impacto em seu comportamento. Orientação para o passado: avaliação histórica. Ex.: desempenho real de 20X2 comparado com o desempenho real de 20X1. Menos flexível: geralmente um ano ou um trimestre. Resumidos; preocupam-se primeiramente com a entidade como um todo. Campo de ação se define com maior precisão. Menor uso de disciplinas afins.

5 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 5 Figura 2: Comparação entre a Contabilidade Financeira e a Contabilidade Gerencial FATOR CONTABILILIDADE CONTABILIDADE GERENCIAL FINANCEIRA Usuários Externos e Internos. Internos. Objetivos dos relatórios Reportar o desempenho passado Facilitar o planejamento, controle, às partes externas, facilitando a avaliação de desempenho e tomada de análise financeira. decisão internamente. Freqüência dos relatórios Anual, trimestral, mensal. Quando necessário pela administração. Custos ou valores Históricos ( passados). Históricos e esperados (previsões) utilizados Bases de mensuração Moeda corrente. Várias (moeda corrente, moeda Restrições nas informações Regulamentada: dirigida por regras e princípios fundamentais da contabilidade e por autoridades governamentais. Natureza da Informação Objetiva, auditável, confiável, consistente e precisa. Perspectiva dos relatórios Orientação histórica. Fonte: Padoveze (p.39-40, 2005). estrangeira, índices, etc.). Desregulamentada: sistemas e informações determinadas pela administração para satisfazer necessidades estratégicas e operacionais. Mais subjetiva e sujeita a juízo de valor, válida, relevante e acurada. Atual, orientada para o futuro para facilitar o planejamento, controle a avaliação de desempenho. Bibliografia: Contabilidade Gerencial, Sérgio de Iudícibus, Editora Atlas e Contabilidade Gerencial, Warren, Reeve e Fess, Editora Pioneira. PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. Introdução ao Plano da Obra. 4 ed. São Paulo: Atlas, Pág HORNGREN, SUNDEM, STRATTON. Contabilidade Gerencial, 12ª edição, 2004.

6 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 6 1. PRINCIPAIS INDEXADORES USADOS NO BRASIL 1.2. INTRODUÇÃO A inflação pode ser definida como um processo duradouro de elevação dos preços. Tal processo pode ocorrer com maior intensidade em alguns setores da economia do que em outros e, também, algumas regiões de um país podem ser mais afetadas do que outras. A inflação pode ser medida por meio de um índice geral de preços, onde o adjetivo "geral" significa que esse indicador deve representar não apenas uma categoria específica de produtos, mas, ao contrário, deve incluir um conjunto amplo de bens e serviços. No Brasil, os principais índices de medida da inflação são calculados e publicados por entidades publicas e privadas tais como o IBGE, FGV, FIPE, DIEESE¹, entre outros. A metodologia e o conceito da cesta básica para a medida de inflação, bem como o período da coleta de preços, variam grandemente. Uma mesma entidade pode calcular diversos índices, específicos para diversas situações. O dólar é também usado muitas vezes como número índice, medindo-se a inflação em relação àquela moeda. Os principais indexadores utilizados no Brasil são: I. Índice Geral de Preços da Fundação Getúlio Vargas (IGP/FGV): - é composto por 3 índices: a. Índice de Preços por Atacado (IPA): representa 60% do IGP/FGV, registrando os aumentos de 431 produtos no mercado atacadista, em pesquisa que inclui dez mil cotações mensais. b. Índice de Preços ao Consumidor (IPC): constitui 30% do IGP/FGV, apurando a inflação de famílias que ganham na faixa de 1 a 33 salários mínimos, através de pesquisas de preços de 388 produtos, no Rio de Janeiro e em São Paulo. c. Índice Nacional do Custo da Construção (INCC): com peso de 10%. O IGP/FVG é calculado no período entre os dias 1 a 30 do mês em referencia e divulgado no dia 10. II. Índice Geral Dos Preços - Mercado (IGP-M /FGV): este índice, também calculado pela FGV, difere do IGP no período de coleta de preços que é feita do dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referencia, sendo divulgado no dia 30. É utilizado por todo o mercado financeiro. O IGP-M quando foi concebido teve como princípio ser um indicador para balizar as correções de alguns títulos emitidos pelo Tesouro Nacional e Depósitos Bancários com renda pós fixadas acima de um ano. Posteriormente passou a ser o índice utilizado para a correção de contratos de aluguel e como indexador de algumas tarifas como energia elétrica. III. Índice de Preços ao Consumidor da FIPE (IPC / FIPE): reflete a variação de preços apenas em São Paulo, baseado nas despesas de família que ganham de 2 a 6 salários mínimos. Não inclui bens duráveis. Sua estrutura é composta por 260 produtos, a partir de uma pesquisa mensal de 51 mil preços.

7 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 7 IV. Índice de Custo de Vida / DIEESE (ICV / DIEESE): Também reflete a variação de preços em São Paulo, mas com base em famílias com renda mensal entre 1 e 30 salários mínimos. Pesquisado entre os dias primeiro e trinta do mês de referência. A comparação entre índices deve ser feita cuidadosamente em função da diferença das cestas de medida e do período utilizadas para seu cálculo. Nunca podemos misturar índices diferentes numa mesma atualização ÍNDICE DE PREÇOS: CÁLCULO Consideremos um produto que, no instante inicial (chamado data-base), tenha um preço P data-base e que em instante posterior, tenha o preço P atual. Define-se índice de preços desse produto por: Índicedepreço P o, t ou Pt P o P P atual data base A variação percentual de preço, em relação à época base, é dada por: Exemplo: No início de janeiro de certo ano, o preço de um produto era R$ 30 e no início de fevereiro do mesmo ano o preço era R$ 31,05. a) Qual é o índice de preço deste produto entre as duas datas? b) Qual foi a variação percentual de preço correspondente?

8 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 8 A taxa acumulada de juros (ou variação acumulada) é dada por: Exemplo 1: Em dois anos sucessivos, o preço de determinado produto aumentou 10% e 12% respectivamente. Qual foi a taxa acumulada do período? Exemplo 2: Em dois anos sucessivos, o preço de determinado produto aumentou 10% e diminuiu 12% respectivamente. Qual foi a taxa acumulada do período? 1.4. EXERCÍCIOS 1) Em janeiro, o preço médio de uma cesta básica era R$ 150 e em fevereiro o preço médio era R$ 153. Qual foi a variação percentual de preço? 2) Em 1 o de março de certo ano o preço de um produto era R$ 70 e em 1 º de dezembro do mesmo ano o preço era R$ 60. Qual foi a variação percentual de preço? 3) Em agosto de um certo ano o preço de um produto aumentou 2% e em setembro do mesmo ano aumentou 3%. Qual é a taxa acumulada no bimestre? 4) Em setembro de certo ano o preço de um produto aumentou 3,5% e em outubro do mesmo ano diminuiu 2%. Qual é a taxa acumulada no período?

9 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 9 5) Em janeiro, fevereiro e março de um certo ano, as taxas de inflação foram respectivamente de 1,6%, 0,76% e 0,92%. Qual é a taxa acumulada do trimestre? 6) Uma empresa fabrica um só produto com os seguintes custos e respectivas inflações em determinado mês. Custo Unitário Inflação do mês (data-base) (R$) Material % Mão-de-obra % C.I.F % Custo Unitário total a) Calcule o custo unitário atual do produto. b) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a taxa de inflação do produto.

10 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO A INFLAÇÃO DA EMPRESA Inflação da empresa é a apuração da variação percentual média ponderada dos custos e despesas da empresa de um período para outro. É o que denominamos inflação interna da empresa. Os critérios para calcular a inflação da empresa são fundamentalmente os mesmos que são utilizados para o cálculo de qualquer índice medidor de inflação. Exemplo: Uma empresa produz dois produtos: X e Y, relativamente homogêneos, mas diferentes em tamanho e peso, com as seguintes estruturas de custos (data-base) e dados de inflação. Janeiro Fevereiro Produto X Produto Y % Inflação Materiais % Mão-de-obra % Custos Indiretos de Fabricação % Total a) Com os dados das inflações do último mês, obtidas para cada item da estrutura de custos, dos produtos X e Y, calcule o custo atualizado de cada produto no mês de fevereiro. Materiais Mão-de-obra C.I.F. Total Produto X Produto Y b) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a taxa de inflação do produto. Produto X Produto Y c) Considere que o volume de produção previsto seja de unidades do Produto X e 850 unidades do Produto Y. Calcule a inflação interna da empresa. Produto X Produto Y Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

11 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HAZZAN, Samuel. Matemática Financeira. Capítulo 5 Taxa real de juros. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial um enfoque em sistema de informação contábil. 4ª ed. São Paulo: Atlas, EXERCÍCIOS 1) Uma empresa produz dois produtos: X e Y, relativamente homogêneos, com as seguintes estruturas de custos (data-base) e dados de inflação. Janeiro Fevereiro Produto X Produto Y % Inflação Materiais ,5% Mão-de-obra ,5% Custos Indiretos de Fabricação % Total a) Com os dados das inflações do último mês, obtidas para cada item da estrutura de custos, dos produtos X e Y, calcule o custo atualizado de cada produto no mês de fevereiro. Materiais Mão-de-obra C.I.F. Total Produto X Produto Y b) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a taxa de inflação do produto. Produto X Produto Y c) Considere que o volume de produção previsto seja de unidades do Produto X e 500 unidades do Produto Y, calcule a inflação interna da empresa. Produto X Produto Y Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

12 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 12 2) Uma empresa produz dois produtos: A e B com as seguintes estruturas de custos e dados de inflação (ou deflação) do último mês: Produto A Produto B Inflação/Deflação Materiais ,5% Mão-de-obra ,5% Custos Indiretos de Fabricação ,5 Custo Total Pede-se: a) Com os dados de inflação/deflação do último mês, obtidas para cada item da estrutura de custos, dos produtos A e B, calcule o custo atualizado de cada produto no período. Materiais Mão-de-obra C.I.F. Total Produto A Produto B b) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a taxa de inflação (ou deflação) do produto. Produto A Produto B c) Considere que o volume de produção previsto seja de unidades do Produto X e unidades do Produto Y, calcule a inflação (ou deflação) da empresa. Produto A Produto B Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

13 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 13 3) Uma empresa produz dois produtos: P e Q com as seguintes estruturas de custos e dados de inflação (ou deflação) do último mês: Produto P Produto Q Preço data base Taxa de Inflação Preço data base Taxa de Deflação Materiais 680 5% 800-5% Mão-de-obra 320 6% 530-6% Custos Indiretos de Fabricação 400 7% 120-7% Custo Total Pede-se: a) Com os dados de inflação (ou deflação) do último mês, obtidas para cada item da estrutura de custos, dos produtos P e Q, calcule o custo atualizado de cada produto no período. Materiais Mão-de-obra C.I.F. Total Produto P Produto Q b) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a taxa de inflação (ou deflação) do produto. Produto P Produto Q c) Considere que o volume de produção previsto seja de unidades do Produto P e 500 unidades do Produto Q, calcule a inflação (ou deflação) interna da empresa. Produto P Produto Q Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

14 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 14 4) Uma empresa produz dois produtos: A e B. A seguir, são apresentados os dados obtidos por coleta de preços nos meses de janeiro e fevereiro, para cada item da estrutura de custos: Cotações de preços à vista Janeiro Fevereiro Produto A Produto B Produto A Produto B Materiais 0,32 1,12 0,40 1,15 Mão-de-obra 0,20 2,00 0,22 2,25 Custos Indiretos de Fabricação 1,12 6,10 1,15 6,70 Total 1,64 9,22 1,77 10,10 a) Calcule a variação percentual do custo do produto, ou seja, a inflação do produto. Produto A Produto B b) Calcule a inflação geral da empresa, considerando que os volumes de produção e de vendas sejam de unidades do Produto A e unidades do Produto B. Produto A Produto B Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

15 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 15 5) Uma empresa produz dois produtos: A e B. A seguir, são apresentados os dados obtidos por coleta de preços nos meses de janeiro e fevereiro, para cada item da estrutura de custos: Cotações de preços à vista Janeiro Fevereiro Produto A Produto B Produto A Produto B Materiais Mão-de-obra Custos Indiretos de Fabricação Total a) Calcule a variação percentual do custo do produto. Produto A Produto B b) Calcule a inflação (ou deflação) interna da empresa, considerando que os volumes de produção e de vendas sejam de 500 unidades do Produto A e unidades do Produto B. Produto A Produto B Custo Total Quantidade X Custo Unitário data-base Quantidade X Custo Unitário atual

16 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO INTERPRETAÇÃO DA CONTABILIDADE: A CUSTOS ORIGINAIS, A CUSTOS CORRIGIDOS E A CUSTOS DE REPOSIÇÃO O PROBLEMA DAS VARIAÇÕES DE PREÇOS NUMA OPERAÇÃO DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS Certa empresa, dispondo de um patrimônio líquido de R$ em X1, inteiramente aplicado em numerário, adquire certa mercadoria, à vista, por R$ Nesta primeira data, o índice geral de preços (escolhido como melhor indicador das flutuações do poder aquisitivo médio da moeda) está no nível de 100 (hipotético). Em 30/06/X2, 60% do lote físico da mercadoria foram vendidos à vista por R$ Sabe-se que, nesta última data, o índice geral de preços está no nível de 116 e que, se quiséssemos repor os 100% do lote físico inicialmente adquirido, teríamos de gastar R$ Você, como Contador Gerencial da empresa, está convidado a apresentar uma versão correta sobre as variações efetivas, decorrentes das operações descritas sobre patrimônio líquido da empresa A INTERPRETAÇÃO DA CONTABILIDADE A CUSTOS ORIGINAIS ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto Você, como Contador Gerencial, não se sentiu à vontade para apresentar estes resultados ao Diretor Financeiro. Afinal, sabia que, já por várias vezes, ele havia expedido críticas aos conceitos contábeis históricos em períodos de flutuações de preços. Nestas condições, quais teriam sido as alterações no patrimônio líquido se tivéssemos trabalhado com dados expressos em poder aquisitivo de uma mesma data? E se levássemos em conta o valor de reposição da mercadoria, qual seria o lucro? A INTERPRETAÇÃO DA CONTABILIDADE A CUSTOS ORIGINAIS CORRIGIDOS ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro Histórico Corrigido 31/12/X1 a 30/06/X2

17 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO A INTERPRETAÇÃO DA CONTABILIDADE A CUSTOS DE REPOSIÇÃO ( - ) Custo de Reposição Lucro Operacional (Lucro Distribuível) ( + ) Ganho realizado de estocagem Lucro Realizado ( + ) Valorização do Estoque (Ganho não realizado) Lucro Líquido 31/12/X1 a 30/06/X BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR IUDÍCIBUS. Sérgio de. Contabilidade Gerencial. 6ª ed. São Paulo: Atlas, EXERCÍCIOS 1) A Cia Flutuações, após a sua constituição, utiliza todo o capital, totalmente integralizado em dinheiro, para aquisição de mercadoria à vista, por $ , em 30/12/X1. Em 30/06/x2, a empresa vende 80% do lote físico da mercadoria por $ Outros dados: Período Índice Geral de Preços Preço Atual da Mercadoria 31/12/X /06/X Na posição de Contador Gerencial da Cia Flutuações, você está convidado a apresentar os seguintes relatórios à Diretoria em 30/06/X2: a) Resultado contábil a custos originais (históricos). ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto

18 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 18 b) Resultado contábil a custos históricos corrigidos. ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro ou Prejuízo Histórico Corrigido c) Resultado contábil a custos de reposição. ( - ) Custo de Reposição Lucro (prejuízo) Operacional (Lucro Distribuível) ( + ) Ganho realizado de estocagem Lucro Realizado ( + ) Valorização do Estoque (Ganho não realizado) Lucro Líquido 2) Determinada empresa, após a sua constituição, utiliza todo o capital, totalmente integralizado em dinheiro, na aquisição de 500 unidades de mercadorias para revenda a R$20,00 por unidade em 31 de dezembro de Em 31 de dezembro de 2003, foram vendidas 300 unidades a R$40,00 por unidade. Nesta ocasião, o custo de reposição dos estoques era de R$37,00 por unidade. O índice geral de preços era de 100 em 31 de dezembro de 2002 e de 114 em 31 de dezembro de Supondo que estas tenham sido as únicas transações, demonstre: a) Resultado contábil a custos originais (históricos) ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto b) Resultado contábil a custos históricos corrigidos. ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro Histórico Corrigido

19 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 19 c) Resultado contábil a custos de reposição. ( - ) Custo de Reposição Lucro Operacional (Lucro Distribuível) ( + ) Ganho realizado de estocagem Lucro Realizado ( + ) Valorização do Estoque (Ganho não realizado) Lucro Líquido 3) Determinada empresa, após a sua constituição, utiliza todo o capital, totalmente integralizado em dinheiro, na aquisição de unidades de mercadorias para revenda a R$ 35,00 por unidade em 31 de dezembro de Em 31 de dezembro de 2007, foram vendidas unidades a R$ 55,00 por unidade. Nesta ocasião, o custo de reposição dos estoques era de R$ 40,00 por unidade. a) Calcule e demonstre o resultado contábil a custos históricos corrigidos, considerando que a inflação tenha sido de 18%. ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro Histórico Corrigido b) Calcule e demonstre o resultado contábil a custos de reposição. ( - ) Custo de Reposição Lucro Operacional (Lucro Distribuível) ( + ) Ganho realizado de estocagem Lucro Realizado ( + ) Valorização do Estoque (Ganho não realizado) Lucro Líquido c) Se houvesse deflação de 15%, qual seria o resultado histórico corrigido. ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro Histórico Corrigido

20 CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 20 4) Determinada empresa, após a sua constituição, utiliza todo o capital, totalmente integralizado em dinheiro, na aquisição de unidades de mercadorias para revenda a R$ 210,00 por unidade em 31 de dezembro de Em 31 de dezembro de 2003, foram vendidas 505 unidades a R$ 240,00 por unidade. Nesta ocasião, reposição dos estoques era de R$ 226,00 por unidade. O índice geral de preços era de 100 em 31 de dezembro de 2002 e de 112 em 31 de dezembro de Supondo que estas tenham sido as únicas transações, calcular o lucro histórico corrigido. 5) Com base nos dados da questão anterior, calcule o ganho não realizado e o ganho realizado na valorização do estoque. 6) A Cia Beta, após a sua constituição, utiliza todo o capital, totalmente integralizado em dinheiro, para aquisição de mercadoria à vista, por R$ , em 30/12/X1. Em 30/06/x2, a empresa vende 75% do lote físico da mercadoria por R$ Nesta ocasião, o custo de reposição, de 100% do estoque, era de R$ Supondo que estas tenham sido as únicas transações, pede-se: a) Calcule e demonstre o resultado contábil a custos históricos corrigidos, considerando que a inflação tenha sido de 10%. ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Corrigido Lucro Histórico Corrigido b) Calcule e demonstre o resultado contábil a custos de reposição. ( - ) Custo de Reposição Lucro Operacional (Lucro Distribuível) ( + ) Ganho realizado de estocagem Lucro Realizado ( + ) Valorização do Estoque (Ganho não realizado) Lucro Líquido

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

UNIDADE Correção monetária

UNIDADE Correção monetária UNIDADE 5 Correção monetária Correção monetária Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai estudar: o conceito de inflação, bem como o conceito de correção monetária;

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Tópicos Unidade II Revisão Movimentos Unidade I Empréstimos Operações pré-fixadas Operações pós-fixadas Índices deflatores (diferenças) Aplicações

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial VALIDADE: a partir do 1º semestre de 007 TÉRMINO: CÓDIGO: ADM.0 Carga Horária: Total: 0 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales O orçamento como instrumento contábil de controle e apoio à gestão das organizações modernas: um estudo com concessionárias de veículos leves de Belo Horizonte Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS Professora Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Origem

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE AP. DOS ANJOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 5º PERÍODO CONTABILIDADE GERENCIAL As empresas devem ser dirigidas como organismos vivos, como entidades em continuidade, cujo objetivo é a criação de

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade

UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial

Leia mais

Medindo o custo de vida

Medindo o custo de vida Medindo o custo de vida Roberto Guena de Oliveira USP 11 de setembro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Medindo o custo de vida 11 de setembro de 2012 1 / 34 Sumário 1 Índice de preços ao consumidor

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda de um curso

Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda de um curso X Congresso Internacional de Custos Florianópolis. SC. Brasil, 28 a 30 de novembro de 2005 Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo. Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho

Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo. Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho Cliente - NTE-Nordeste Transmissora de Energia S.A. CÓDIGO - 02012697/0001

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

Publicação. Grupo TOTVS S.A. Produção. Equipe de documentação

Publicação. Grupo TOTVS S.A. Produção. Equipe de documentação Notas de Release Todos os direitos reservados. Partes deste trabalho não podem ser reproduzidas, de forma alguma ou por meio algum - gráfico, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópias, gravações, digitações

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais