4º Trimestre / 15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º Trimestre 2013 1 / 15"

Transcrição

1 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião da diretoria Nº 577 e reunião ordinária do conselho de administração Nº 100, realizadas no dia 18 de março de / 15

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO GESTÃO DE RISCOS - ASPECTOS QUALITATIVOS ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS Risco Operacional Objetivos Identificação e Avaliação Monitoramento Controle e Mitigação Risco de Mercado Risco da Carteira Banking Operações de Hedge Risco de Crédito Diretrizes para a Aplicação em Operações de Crédito Mecanismos de Mitigação de Risco de Crédito Classificação das Operações Rating Garantias Validação dos Instrumentos de Gerenciamento do Risco de Crédito Sistemas Modelos Procedimentos Risco de Liquidez Estrutura e Objetivos Ferramentas de Mensuração e Controle Estrutura de Comunicação e Informação de Riscos GESTÃO DE RISCOS - ASPECTOS QUANTITATIVOS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E ADEQUAÇÃO DO PR EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO DE CRÉDITO Distribuição da Exposição por Fator de Ponderação de Risco Média Trimestral das Exposições a Risco de Crédito por Setor Econômico Exposições ao Risco de Crédito - 10 Maiores Clientes e Provisões Constituídas Distribuição por Faixa de Atraso EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO OPERACIONAL / 15

3 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como finalidade a divulgação das informações da Agência de Fomento do Paraná S/A (Fomento Paraná) relativas à Gestão de Riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido e à adequação do Patrimônio de Referência (PR), em atendimento aos seguintes normativos do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do Banco Central do Brasil (BACEN): Circular BACEN nº 3.477/2009, que trata da referida divulgação; Resolução CMN nº 3.380/2006, que trata do Gerenciamento do Risco Operacional; Resolução CMN nº 3.464/2007, que trata do Gerenciamento do Risco de Mercado; Resolução CMN nº 3.721/2009, que trata do Gerenciamento do Risco de Crédito; Resolução CMN nº 4.090/2012, que trata do Gerenciamento do Risco de Liquidez; e Outros normativos complementares. A política de divulgação de informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e adequação do Patrimônio de Referência (PR), aprovada pelo Conselho de Administração da Fomento Paraná, autoriza a divulgação das referidas informações. 2. GESTÃO DE RISCOS - ASPECTOS QUALITATIVOS 2.1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS A estrutura de Gerenciamento de Riscos na Fomento Paraná é dividida em áreas segregadas, de acordo com a estrutura organizacional e níveis de responsabilidades. A política relativa à sua execução, revisada anualmente ou quando necessário, está alinhada aos objetivos da instituição e apresenta-se descrita em normativos internos, os quais definem as diretrizes e os controles a serem observados nas atividades operacionais, na gestão financeira e nas operações de concessão de crédito. A área tem como fundamentos o estabelecimento de limites e metas para as atividades a serem desenvolvidas na Fomento Paraná, padronização das rotinas das áreas, formalização das interações e responsabilidades a elas associadas, avaliação dos riscos inerentes aos processos, implantação de metodologias de monitoramento e na adoção de medidas de correção e prevenção para os desvios e riscos identificados. Esta estrutura de riscos contempla políticas, diretrizes, papéis e responsabilidades reconhecendo os Riscos Operacionais, de Crédito, de Mercado e de Liquidez como aqueles a serem, prioritariamente, gerenciados pela Instituição. A forma de atuação da gestão de riscos na Fomento Paraná está apoiada no entendimento de que os riscos dependem 3 / 15

4 exclusivamente do nível de eficácia com que são administrados os ativos e passivos, assim como o nível de eficiência e qualidade com que são gerenciados os processos operacionais da Instituição e seus controles. De maneira unificada ao desenvolvimento de suas atividades, e por meio de estrutura corporativa e de política de gestão organizacional, a Fomento Paraná tem procurado adotar as melhores práticas relacionadas ao contínuo aperfeiçoamento dos controles internos, o que tem sido profícuo no refinamento do processo de gestão de riscos na organização. Os principais papéis na estrutura de Gerenciamento de Riscos na Fomento Paraná cabem às seguintes instâncias: CAD Conselho de Administração Aprovar e revisar as políticas, estratégias e processos para o gerenciamento e relatórios da área de Riscos e Compliance; Deliberar sobre ações corretivas e preventivas para mitigação de riscos; Aprovar os regulamentos, limites e condições para concessões de operações de financiamentos. CFI Conselho Fiscal Propor e fiscalizar a orientação geral dos negócios da Fomento Paraná; Analisar os balancetes e demonstrações financeiras da instituição. CAU Comitê de Auditoria Recomendar à REDIR, Conselho Fiscal e/ou ao CAD, correções e aprimoramentos de políticas, práticas e procedimentos; Avaliar o cumprimento, pela administração da Fomento Paraná, das recomendações feitas pelos auditores. REDIR Diretoria Reunida Aprovar e propor ao CAD as políticas, estratégias, processos para o gerenciamento e relatórios da área de Riscos e Compliance. CGR Comitê de Gestão de Riscos Analisar os riscos identificados, indicando ações preventivas e corretivas a serem implementadas pelas respectivas áreas. CRC Comitê Interno de Risco de Crédito Atuar como foro técnico de suporte à diretoria e as áreas operacionais da Fomento Paraná no processo decisório de contratação e renegociação de operações de crédito. 4 / 15

5 PRESI Diretor-Presidente Coordenar, orientar, acompanhar e controlar as diretorias, fazendo cumprir as políticas e objetivos de acordo com o planejamento e execução fixados pelo CAD. Diretores Prover sua área e suas atividades com os controles internos requeridos pela legislação e órgãos reguladores. DIJUR Diretoria Jurídica, Riscos e Compliance Organizar e implementar as políticas de gestão de riscos de acordo com a legislação vigente; Assegurar em conjunto com as demais áreas a adequação, o fortalecimento e o funcionamento do sistema de controles internos. Gerência de Riscos e Compliance Identificar, analisar e avaliar os riscos da Fomento Paraná, quantificando e qualificando os mesmos; Realizar monitoramento e cálculos periódicos das exposições aos riscos; Monitorar e registrar as perdas financeiras; Avaliar e relatar atividades e condutas que possam ocasionar riscos à instituição. AUDIN Auditoria Interna Executar os programas de auditoria previstos no plano anual de auditoria interna emitindo relatórios às áreas auditadas com as propostas para regularização das não conformidades; Emitir relatórios de recomendação de controles internos e eficiência administrativa; Realizar auditorias avaliando a integridade, adequação, eficácia, eficiência e economicidade dos processos, dos sistemas de informações, de controles internos e de gerenciamento de riscos. Ouvidoria Propor ao CAD medidas corretivas ou de aprimoramento dos procedimentos e rotinas da Fomento Paraná Risco Operacional A Gestão dos Riscos Operacionais da Fomento Paraná está contemplada em normativos internos que dispõem sobre as diretrizes, rotinas e responsabilidades no 5 / 15

6 processo de identificação e análise de riscos, emissão de relatórios, deliberações de ações preventivas e corretivas, frequência de avaliação, assim como o registro de perdas financeiras decorrentes de falhas, deficiência ou inadequação de pessoas, processos internos, sistemas ou eventos externos. A divulgação interna e externa da política de gestão de riscos, assim como a emissão de pareceres sobre riscos em linhas e programas de crédito são igualmente contempladas nas mesmas diretrizes. Em consonância com os critérios estabelecidos na Resolução CMN nº 3.380/2006, a alocação mensal de capital para fazer face aos riscos operacionais, no cômputo do Patrimônio de Referência Exigido, se dá por meio do cálculo da parcela de risco operacional, apurada utilizando a metodologia Abordagem de Indicador Básico Objetivos O Gerenciamento do Risco Operacional na Fomento Paraná visa identificar, avaliar, monitorar, controlar e mitigar os eventos de risco nos procedimentos operacionais, além de posteriormente comunicar os resultados obtidos a todos os envolvidos na instituição Identificação e Avaliação A identificação dos riscos faz parte do Ciclo Anual de Avaliação de Riscos Operacionais. Este procedimento tem o objetivo de fazer verificações sistematizadas sobre os processos gerenciados e operacionalizados pela instituição, de forma a identificar, avaliar e promover o registro dos pontos vulneráveis a riscos e que devem ser monitorados e mitigados pelas áreas competentes Monitoramento O monitoramento dos riscos operacionais é uma atividade contínua de acompanhamento de processos e procedimentos da Fomento Paraná. Faz parte dessa atividade o acompanhamento e registro das perdas financeiras associadas aos riscos reportados Controle e Mitigação O Controle e Mitigação do Risco Operacional são atividades desenvolvidas com base nos níveis de risco dos processos mapeados no Ciclo Anual de Avaliação de Riscos Operacionais. Todo processo avaliado com gravidade alta ou média recebe por parte da área gestora ações efetivas de mitigação. 6 / 15

7 Risco de Mercado O risco de mercado é definido pela Resolução CMN nº 3.464/2007, como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de mudanças nos valores de mercado das operações das instituições financeiras. Na Fomento Paraná a alocação de capital para cobertura desse risco não se faz necessária, uma vez que as operações da instituição não estão classificadas na carteira de negociação e não estão sujeitas às exposições ao risco em: ouro, moedas estrangeiras, variações cambiais, preço de mercadorias (commodities) e volatilidade do mercado de ações. Havendo mudança na estrutura da carteira, a alocação será contemplada de forma a atender à legislação vigente. As exposições da Fomento Paraná ao risco de mercado são monitoradas mensalmente pela área de Riscos e Compliance, a quem compete a avaliação e emissão periódica de relatórios dirigidos à Presidência e Diretorias, com conhecimento ao Conselho de Administração, contendo estudos e cenários de exposição aos riscos de mercado Risco da Carteira Banking A carteira de não negociação é constituída pelas operações ativas e passivas que são mantidas pela Fomento Paraná até a data do vencimento, ou seja, as posições são assumidas sem intenção de negociação. A metodologia utilizada para mensuração do risco é o Value at Risk (VaR), que mede a perda máxima esperada com determinado nível de confiança, em um determinado prazo Operações de Hedge As aplicações da Fomento Paraná, por decisão estratégica, não contemplam operações que necessitem de alguma forma a implantação de políticas de hedge, não havendo assim uma política de hedge formalmente estabelecida Risco de Crédito As políticas e estratégias para o Gerenciamento do Risco de Crédito na Fomento Paraná foram estabelecidas de acordo com a Resolução CMN nº 3.721/2009 e regulamentação vigente, possibilitando transparência e segurança para a tomada de decisões. A gestão de risco de crédito é feita a partir da análise da carteira, isto é, no controle, no monitoramento e na recuperação de crédito da carteira, com base em cálculos estatísticos. O gerenciamento considera limites operacionais estabelecidos, mecanismos de mitigação de risco e procedimentos técnicos, tais como modelos e critérios observados nas 7 / 15

8 rotinas de concessão com o objetivo de manter a exposição ao risco de crédito em níveis considerados aceitáveis pela administração. Em um processo de gestão preventiva, contínua e integrada, o Gerenciamento de Risco de Crédito também leva em conta a regulamentação, as políticas e as práticas internas. Havendo algum sinal que aponte para elevação substancial do risco, desvio em relação à estratégia, à regulamentação, às políticas ou até mesmo oportunidades de aderência aos negócios da instituição, a área de Riscos e Compliance encaminhará o assunto à Diretoria Reunida, que adotará as providências necessárias Diretrizes para a Aplicação em Operações de Crédito A alocação de recursos e a contratação de operações, bem como a definição de linhas e programas, deverão atender às seguintes diretrizes: A contratação de operações deve garantir a manutenção de recursos disponíveis e aplicados segundo procedimentos internos; Os programas de crédito deverão, em sua composição, prever remuneração no mínimo igual ao da inflação medida no período atual acrescida de juros que cubram, no mínimo, os custos da Fomento Paraná. É, portanto, facultada a liberação de linhas subsidiadas tão somente se, no todo, forem compensadas por linhas mais rentáveis; A proposição de linhas e programas de crédito deverá ser apoiada por uma análise prévia da área de Riscos e Compliance, sobre a contribuição da linha proposta para o risco global; Os direitos da Fomento Paraná decorrentes de suas operações de crédito somente serão objeto de securitização ou cessão, por expressa aprovação do Conselho de Administração Mecanismos de Mitigação de Risco de Crédito As áreas da Fomento Paraná responsáveis pela decisão, execução da concessão de crédito e renegociação atendem às prescrições e determinações dos normativos internos relacionados à concessão de crédito e renegociação, assim como os limites operacionais, respeitando a adequação do nível de patrimônio de referência (PR), compatível com o risco de crédito estabelecido na Política de Crédito, às fontes de aplicação dos recursos, ao acompanhamento das operações, aos procedimentos de recuperação de crédito e às normas de órgãos reguladores / fiscalizadores. Fazem parte ainda dos mecanismos de mitigação do risco de crédito na Fomento Paraná: 8 / 15

9 Classificação das Operações As operações analisadas na Fomento Paraná atendem aos critérios legais, técnicos, econômicos e financeiros, objetivando a classificação nos diferentes níveis de risco estabelecidos em normativos internos, resultando no seu rating, com base na Resolução CMN nº 2.682/1999 e suas alterações Rating As operações analisadas têm suas classificações realizadas de acordo com Norma Corporativa Interna, com base na Resolução CMN nº 2.682/1999 e suas alterações, conforme as seguintes definições: Classificação inicial do risco de crédito (CIRC) - definida como rating inicial; Classificação após revisão mensal (CARM) - definida como rating de atraso; Classificação após revisão completa (CARC) - definida como rating final Garantias As exigências documentais, constituição e administração de garantias em operações de crédito, conforme determinação do Banco Central, estão definidas em normativos internos da Fomento Paraná para assegurar o retorno do capital emprestado Validação dos Instrumentos de Gerenciamento do Risco de Crédito Sistemas O Gerenciamento do Risco de Crédito na Fomento Paraná é otimizado com a utilização de sistema integrado de informação, com alimentação e compartilhamento de base de dados que dá suporte às informações necessárias às áreas executoras de concessão, cobrança do crédito e de seu monitoramento. A validação desse sistema é realizada por amostragem, conforme escopo de trabalho da auditoria de sistemas realizada anualmente no âmbito da instituição. Esse procedimento é planejado conjuntamente pela Auditoria Interna, com o apoio da Área de Tecnologia da Informação e da Área de Riscos e Compliance. A amostragem será realizada por área qualificada em tecnologia de informação e ausente de interesses. 9 / 15

10 Modelos A validação dos modelos adotados é realizada de forma contínua comparando-se: Classificação rating e inadimplência da carteira - análise crítica da classificação de risco de crédito/projeto (rating) observando o histórico de inadimplência da carteira; Inadimplência da carteira e provisão para devedores duvidosos - análise crítica da inadimplência efetiva da carteira de crédito, em relação às provisões constituídas em conformidade com a Resolução CMN nº 2.682/1999; Inadimplência da carteira comparada ao mercado - análise crítica da inadimplência da carteira de crédito em comparação à volatilidade do mercado (de acordo com porte, grupo econômico, setor de atividade, rating e localização geográfica) Procedimentos A validação dos procedimentos utilizados é realizada com base na aferição por amostragem dos dados e informações disponibilizadas no sistema informatizado e nos processos manuais, tendo em vista: Classificação manual da carteira (rating inicial ou final); Classificação automática da carteira (rating de atraso); Avaliação periódica do grau de suficiência das garantias; Avaliação do cumprimento à adequação dos níveis de Patrimônio de Referência (PR); Avaliação dos limites estabelecidos para operações sujeitas a risco de crédito Risco de Liquidez A gestão de risco de liquidez tem por objetivo a identificação, avaliação e monitoramento dos riscos de desequilíbrio do fluxo de caixa aos quais a Fomento Paraná poderá estar exposta. 10 / 15

11 Estrutura e Objetivos A Fomento Paraná estabelece em política interna os níveis de liquidez a serem cumpridos e a execução do plano de contingência em situações que, eventualmente, os níveis de liquidez atinjam padrões inferiores aos pré-estabelecidos Ferramentas de Mensuração e Controle As principais ferramentas e controles utilizados pela instituição são: Monitoramento diário do fluxo de caixa (projetado e realizado), o que inclui análise de cenários e indicadores; Revisão financeira semanal; Relatórios mensais de Risco de Liquidez Estrutura de Comunicação e Informação de Riscos O processo de comunicação dos riscos contempla divulgação interna e externa das diretrizes estabelecidas, da estrutura de Gerenciamento de Riscos e a manutenção dos relatórios e registros produzidos. As informações referentes a todos os riscos são arquivadas pela área de Riscos e Compliance e são disponibilizadas aos órgãos fiscalizadores. A Fomento Paraná disponibiliza em seu endereço eletrônico informações das diretrizes e políticas do gerenciamento do risco da empresa, responsabilidades e atribuições. Para cada modalidade de risco existem procedimentos específicos. 3. GESTÃO DE RISCOS - ASPECTOS QUANTITATIVOS 3.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS AO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) Em conformidade com a Resolução CMN nº 4.192/2013, a apuração do Patrimônio de Referência (PR) é composta, na Fomento Paraná, pelo somatório do capital de nível I e do capital de nível II, com as deduções previstas na referida norma, para fins de divulgação, apresentamos no Quadro 1 a seguir os detalhamentos do PR apurados para as demonstrações financeiras: 11 / 15

12 Quadro 1 R$ Mil Contas Patrimônio de Referência Patrimônio de Referência Nível I Patrimônio Líquido Ativo Permanente Diferido (6) (2) Patrimônio de Referência Nível II Deduções ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Capital Destacado para Operação com o Setor Público (1) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (1). Conforme artigo 3º da Res /2001, o destaque de PR não integra o PR para cálculo de limites operacionais PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E ADEQUAÇÃO DO PR A apuração do Patrimônio de Referência Exigido é definida pela Resolução CMN nº 3.490/2007, calculado conforme o Quadro 2 a seguir: Quadro 2 R$ Mil Contas Patrimônio de Referência Patrimônio de Referência Exigido Parcela de Risco de Crédito Parcela de Risco Operacional Parcela de Risco de Mercado (1) Risco da Carteira Banking (2) Margem Índice de Basileia 83,52 88,00 84,74 80,95 45,81 (1) - As operações da Fomento Paraná não estão classificadas na carteira de negociação e portanto não se sujeitam ao cálculo das parcelas PJUR, PCOM, PCAM e PACS. (2) - Capital para cobertura do Risco das operações sujeitas à variação de taxas de juros não classificadas na carteira de negociação conf. Res. nº / / 15

13 3.3. EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO DE CRÉDITO A parcela do capital regulatório referente à exigência de capital para risco de crédito é calculada conforme definido pela Circular Bacen nº 3.644/ Distribuição da Exposição por Fator de Ponderação de Risco Na sequência, apresentamos no Quadro 3 a composição da Parcela do Exposição ao Risco de Crédito, conforme definido na Circular Bacen nº 3.644/2013: Quadro 3 R$ Mil Descrição FATORES DE RISCO / VALOR EXPOSIÇÃO (1) Ponderação 0% Ponderação 20% Ponderação 50% Ponderação 100% Ponderação -100% ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) VALOR DA EPR VALOR DA PARCELA (APLICADO FATOR = 0,11) (1) - Valores apurados considerando os fatores de conversão Média Trimestral das Exposições a Risco de Crédito por Setor Econômico Demonstramos no Quadro 4 a seguir a informação da exposição ao risco de crédito de que trata a Circular Bacen nº 3.644/2013, segregada por setor econômico, fator de ponderação de risco - FPR e o valor da exposição média nos trimestres da carteira de financiamentos: 13 / 15

14 Quadro 4 FATOR PONDERAÇÃO 50% SETOR ECONÔMICO R$ Mil 4º Trim/12 1º Trim/13 2º Trim/13 3º Trim/13 4º Trim/13 VALOR EPR Intermediário Financeiro % Administração Direta Rural Indústria Comércio Outros Serviços Pessoas Físicas % (1) Administração Direta (1) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) MÉDIA TRIMESTRAL Valor das operações de crédito com órgãos e entidades do setor público municipal originárias de capital destacado Exposições ao Risco de Crédito - 10 Maiores Clientes e Provisões Constituídas No Quadro 5 a seguir, apresentamos a representação dos 10 maiores clientes em relação à exposição ao Risco de Crédito: Quadro 5 R$ Mil Descrição Total de Exposições Após Fator de Conversão Total de Exposições Ponderadas Pelo Risco Represent. Exposição dos 10 Maiores Clientes Provisões para Perdas Relativas às Exposições ,79% 15,02% 17,68% 16,12% 14,14% / 15

15 Distribuição por Faixa de Atraso Apresentamos no Quadro 6, a seguir, a distribuição das operações de crédito por faixa de atraso em dias: Quadro 6 R$ Mil Descrição Distribuição das Operações por Faixa de Atraso Até 60 dias Entre 61 a 90 dias Entre 91 a 180 dias Acima de 180 dias EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO OPERACIONAL Em atendimento ao disposto na Circular Bacen nº 3.640/2013, para calcular a parcela dos Ativos Ponderados pelo Risco referente ao Risco Operacional, a Fomento Paraná utiliza a Abordagem do Indicador Básico (BIA), que é apurada através da aplicação do fator 0,15 sobre o somatório dos valores semestrais, para cada período anual, das Receitas da Intermediação Financeira e das Receitas de Prestação de Serviços, deduzidas as Despesas da Intermediação Financeira, nos últimos três anos. A seguir, apresentamos no Quadro 7 o detalhamento do cálculo: Quadro 7 R$ Mil Descrição Indicador de Exposição em T Indicador de Exposição em T Indicador de Exposição em T Média do Indicador de Exposição (IE) Fator 0,15 0,15 0,15 0,15 0,15 Multiplicador z = 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 VALOR DA PARCELA O presente relatório foi elaborado pela Área de Riscos e Compliance da Fomento Paraná, em atendimento aos normativos citados na introdução deste relatório. 15 / 15

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital

Política de Gerenciamento de Capital 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES GERAIS... 2 4. DESCRIÇÃO... 2 4.1. Conceito... 2 4.2. Politica... 3 4.3. Estrutura... 3 4.4. Responsabilidades... 3 5. ANEXOS...

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL 2015 GERENCIAMENTO DE RISCOS Objetivo Este documento tem como objetivo definir políticas para o gerenciamento de riscos da Agoracred SA SCFI conforme Resoluções

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Setembro/2013 ÍNDICE 1. Definições, Base Legal e Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional de Gerenciamento do Risco de Liquidez... 4 3. Principais

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN 1. Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos no Banco Schahin S.A. é o processo onde: - São identificados os riscos existentes e potenciais de uma

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez Página 1 de 7 Política de Gerenciamento de Capital e Processos Página 2 de 7 SUMÁRIO Estrutura... 3 Definição do Processo de Gerenciamento de Capital... 4 Disposições Gerais do Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO 1) Objetivo 2) Abrangência 3) Responsabilidades 4) Políticas e Definições 5) Plano de alçadas 6) Regulamentação externa ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL...7

3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL...7 GERENCIAMENTO DE CAPITAL 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...3 1.1. BANCO BM&F...3 1.2. BASILÉIA...4 2. ESTRUTURA DE...5 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE...7 3.1. ORGANOGRAMA...7 3.2. RESPONSABILIDADES...8 3.2.1....8

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CAIXA VALE DO RIO DOCE Data de Competência: 27/01/2016 1. CNPJ 04.885.820/0001-69 2. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 2013 Sumário Finalidade... 3 Transparência... 3 Governança... 3 Diretrizes... 3 Classificados na Carteira de Negociação... 4 Instrumentos Financeiros não Classificados

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO Data de Competência: 07/06/2016 1. CNPJ 14.386.926/0001-71 2. PERIODICIDADE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Ecosol Petrolina Relatório da Administração 1. Identidade organizacional Missão: Fortalecer e estimular a interação solidária entre agricultores e cooperativas através do crédito orientado e da educação

Leia mais

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5 1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital: a) é elaborada por proposta da área de Controles Internos e Riscos da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob Confederação; b)

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 Agosto de 2013. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Política de Gestão de Risco Financeiro

Política de Gestão de Risco Financeiro Política de Gestão de Risco Financeiro Índice Introdução... 2 Objetivos... 2 Atribuições... 3 Descrição dos riscos financeiros... 4 Exposição às flutuações das taxas de juros... 4 Exposição às variações

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1 Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014 Setembro 2014 Disciplina de Mercado 1 ÍNDICE Página Índice de Tabelas 3 Introdução 4 Contexto Operacional 5

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO SET/2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

2º Trimestre de 2014 Basiléia III

2º Trimestre de 2014 Basiléia III Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2014 Basiléia III Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Comparativo entre Balanço Individual e Balanço Publicado... 4 Princípios da Gestão de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013 Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013 (Em milhares de reais) Esse relatório tem por objetivo a divulgação de informações qualitativas e quantitativas sobre gerenciamento

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2014 Índice Introdução... 3 Tipos de Riscos... 3 Risco Operacional... 3 Risco de Mercado... 4 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais