Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa. 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa. 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos"

Transcrição

1 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos O objetivo desta aula é discutir o papel da análise incremental (análise de custos e receitas incrementais) nas decisões gerenciais, bem como compreender como utilizar esse conceito na análise das decisões. 2.1 Decisão sobre comprar ou produzir um produtor Uma decisão comprar ou produzir é qualquer decisão da empresa de adquirir determinado produto ou serviço interna ou externamente. Restaurantes geralmente servem refeições que utilizam ingredientes preparados no próprio restaurante, mas servem sobremesas adquiridas de terceiros; os restaurantes, então, produzem as refeições, mas compram as sobremesas. Uma siderúrgica que utiliza suas próprias jazidas de minério de ferro para fabricar ferro fundido produz ferro fundido; uma que adquire ferro fundido e o processa adicionalmente compra ferro fundido. A decisão comprar ou produzir muitas vezes é parte da estratégia de longo prazo da companhia. Algumas companhias decidem integrar-se verticalmente, para controlar as atividades que levam ao produto final; outras preferem adquirir alguns insumos de fontes externas, e especializam-se em apenas algumas etapas do processo de fabricação. A decisão de depender de fontes externas para o fornecimento de uma quantidade substancial de insumos envolve a consideração não somente de custos incrementais 1 mas também de outros fatores não facilmente quantificáveis, como confiabilidade do fornecedor e controle de qualidade. Embora a decisão comprar ou produzir pareça simples, tomada uma única vez, na realidade ela faz parte da análise estratégica da empresa, em que alta administração toma uma decisão sobre a política a ser seguida. Exemplo1: Determinada empresa fabrica raquetes de tênis. Atualmente, esta empresa fabrica, também, as capas das raquetes, com os seguintes custos: Por unidade (R$) Para unidades (R$) Custos Diretos Materiais diretos 2, Mão de obra direta 1, Custos Indiretos de fabricação variáveis 0, Custos Indiretos de fabricação fixos (identificados) Custos Indiretos de fabricação fixos (comuns rateados às capas) A produção esperada para este ano é de unidades, de modo que o custo total unitário de cada capa é de R$5,50 (R$ unidades). 1 Custos incrementais ou diferenciais: custos que se alteram em resposta a determinado curso de ação. 34

2 Um fabricante externo propôs à empresa fornecer qualquer volume de capas que ela deseje a R$4,10 por capa. A proposta deve ser aceita? Custos Diretos Fazer O Produto Comprar o Produto Diferença Materiais diretos Mão de obra direta Custos Indiretos de fabricação variáveis Custos Indiretos de fabricação fixos identificados Custos fixos comuns rateados às capas Custo total Decisão: Exemplo2: Prepare a análise de custos para o volume de produção e vendas de unidades Custos Diretos Fazer o Produto Comprar o Produto Diferença Materiais diretos Mão de obra direta Custos Indiretos de fabricação variáveis Custos Indiretos de fabricação fixos identificados Custos fixos comuns rateados às capas Custo total Decisão: 35

3 Exercícios 1) A Caloi fabrica bicicletas, inclusive o conjunto que compõe a roda traseira, cujo custo unitário é o seguinte: Por unidade (R$) Custos Diretos Materiais diretos 3,50 Mão de obra direta 15,00 Custos Indiretos de fabricação variáveis 6,00 Custos Indiretos de fabricação fixos 8,00 Custo Total 32,50 Esse custo baseia-se em uma produção anual de unidades. Recentemente, a Caloi recebeu uma proposta de uma empresa que deseja fornecer-lhe conjuntos de rodas traseiras por ano ao preço unitário de R$30,00. A aceitação da proposta fará com que a Caloi elimine R$ de custos fixos de produção. Pede-se: A Caloi deveria continuar fabricando os conjuntos ou passar a comprá-los deste fornecedor, se objetiva economizar pelo menos R$ por ano? Demonstre. Custos Diretos Fazer o Produto Comprar o Produto Diferença Materiais diretos Mão de obra direta Custos Indiretos de fabricação variáveis Custos Indiretos de fabricação fixos Custo total A estudar a proposta da Cia Caloi, pode-se concluir que: a) ( ) A proposta deve ser aceita, pois significará uma redução de custos de R$...,00. b) ( ) A proposta não deve ser aceita, pois significará um aumento de custos de R$...,00. 36

4 2) A Cia Fity fabrica unidades do produto X ao mês. Esse produto é composto por quatro componentes, todos fabricados internamente. O terceiro componente é fabricado com os seguintes gastos (para unidades): Material Direto Mão de obra Direta Custos Indiretos de Fabricação Variável Custos Indiretos de Fabricação Fixos R$ ,00 R$60.000,00 R$90.000,00 R$45.000,00 A empresa recebeu uma proposta da Cia Qualy para o fornecimento deste componente a R$16,00 cada. A empresa convocou você, o Contador de Custos, para decidir se poderia aceitar a proposta, mesmo sabendo que 70% dos custos indiretos de fabricação fixos não poderiam ser eliminados. Elabore o demonstrativo a seguir: Material Direto Fazer O Produto Comprar o Produto Diferença Mão de obra direta Custos Indiretos de Fabricação Variável Custos Indiretos de Fabricação Fixos Custo total A estudar a proposta da Cia Qualy, pode-se concluir que: c) ( ) A proposta deve ser aceita, pois significará uma redução de custos de R$...,00. d) ( ) A proposta não deve ser aceita, pois significará um aumento de custos de R$...,00. 3) (ENADE/2012): A Indústria Metalúrgica Sem Fronteiras S.A. fabrica unidades mensais de determinada peça cujo custo está discriminado na tabela a seguir: peças Unitário Materiais $ $5 Mão de obra Direta $ $3 Custos Indiretos Variáveis $ $2 Custos Fixos $ $10 Custo total $ $20 Essa empresa recebe uma proposta de comprar a peça diretamente de um fornecedor por $11 cada, porém, nesse caso, incorreria nos seguintes custos adicionais: Frete de $2 por unidade; Mão de obra indireta adicional para recepção, inspeção e manuseio das peças de $ mensais. Se parar de fabricar a peça, a empresa não conseguirá eliminar todos os custos atuais relacionados à fabricação do produto, restando, ainda, 40% dos custos fixos. 37

5 Caso a empresa deixe de fabricar a peça e passe a comprá-la do fornecedor, seu custo unitário será de: a) $19 b) $21 c) $23 d) $25 e) $ Decisão de Vendas baseada em Custos O problema de decidir o preço a ser fixado não é tarefa para solução só com dados de Custos. Necessária se torna uma gama de informações sobre o Mercado para que se possa, casando informes internos com externos, optar pelas decisões mais corretas. Também nessa hora o conceito de margem de contribuição pode também ser útil quando se tratar de simulações concernentes ao estabelecimento da quantidade produtiva e do preço de venda com a finalidade de se buscar a maior lucratividade empresarial para determinada situação. Considerando-se que, no período de análise, a situação dos custos fixos se mantém inalterada (curto prazo), o preço de venda estabelecido pode ser imperativo na determinação da demanda prevista para o mercado. Em consequência disso, a análise das margens de contribuição oferece a opção de maior rentabilidade. Exemplos Exemplo 1: Determinada empresa fez uma pesquisa de mercado para um de seus produtos o obteve as seguintes informações: se o produto for colocado a R$100,00 por unidade, provavelmente serão vendidas unidades por mês; se for colocado a R$80,00 por unidade, provavelmente unidades serão vendidas por mês. Considerando-se que os custos e despesas variáveis perfazem o total de R$60,00 por unidade, pergunta-se: Qual a melhor alternativa? Preço de Venda ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Situação 1: unidades Situação 2: unidades Decisão: 38

6 Exemplo2: Supondo que os custos e despesas variáveis perfazem o total de R$40,00 por unidade, qual seria a melhor alternativa? Preço de Venda ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Situação 1: unidades Situação 2: unidades Decisão: Exercícios 1) A NTN-D é uma empresa de prestação de serviços de telecomunicação que vem operando com um volume de pulsos de ligações por mês. Após fazer uma pesquisa de mercado, verificou que precisaria diminuir o preço do pulso de R$0,40 para R$0,30 para conseguir elevar o número de pulsos para mensais, atingindo assim a capacidade máxima de sua planta básica e de atendimento. A empresa possui a seguinte estrutura de custos, em média e por mês: Custos e despesas variáveis (por pulso) R$0,08 Tributos sobre as vendas 10% Nestas condições, a empresa deve reduzir o preço do pulso? Preço de Venda ( - ) Tributos sobre vendas ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Situação 1: Situação 2: Decisão: 39

7 2) Os administradores da Indústria Cofag, produtora de amortecedores para veículos pesados. A empresa vem conseguindo colocar no mercado cerca de unidades, ao preço líquido de R$220. Seus custos e despesas são os seguintes (em R$): Custos variáveis R$138,00 por unidade Custos e despesas fixos R$ ,00 por período Comissões sobre vendas 10% O Departamento de Marketing fez uma pesquisa de mercado para saber qual seria o volume de vendas em diversos níveis de preço. O resultado foi: Preço (R$/unidade) Quantidade que seria vendida no período Desconsiderando a incidência de tributos sobre a receita, calcule o valor máximo da Margem de Contribuição Total (MCT) que a empresa pode obter nas instalações atuais, e escolha a melhor alternativa de preço. Preço de Custos Despesas Margem de Quantidade Margem de Venda (R$) Variáveis Variáveis Contribuição/u Contribuição Total Decisão: 3) Em determinada clinica de bronzeamento, a diretoria está avaliando quatro níveis de preços por uma sessão semanal de bronzeamento. Suas estimativas de preço e de quantidade demandada são: 40 Quantidade Demandada Preço por serviço 320 R$15, R$14, R$13, R$12,00 Os gastos dos serviços de bronzeamento incluem tributos sobre à venda de serviços de 5%, custos e despesas variáveis de R$2,00 por serviço, e custos e despesas fixos de R$1.200,00 por mês.

8 Pergunta-se: Qual preço irá gerar o melhor resultado? Preço de Venda (R$) Tributos sobre Vendas Custos e despesas Variáveis Margem de Contribuição/u Quantidade Margem de Contribuição Total Decisão: 2.3 Decisão sobre Pedidos Especiais Os preços podem variar para os clientes no mesmo mercado. E as empresas frequentemente têm oportunidade de considerar pedidos especiais para clientes potenciais em mercados não atendidos costumeiramente. Decisões sobre pedidos especiais focalizam se um pedido com preço especial deve ser aceito ou rejeitado. A resposta a essa pergunta é: Se o pedido apresentar margem de contribuição positiva, então a empresa deve aceitá-lo. Exemplo: Suponha que a Cia Santo André fabrica doces na cidade de Palmas. A empresa tem capacidade para fabricar unidades mensalmente. A produção do mês de abril está em 80% de sua capacidade, ou seja, já fabricou 800 unidades. Seu produto é vendido a R$1,00 por unidade. Para fabricar os doces, a empresa realiza os seguintes gastos: custos variáveis R$0,40 por unidade, despesas variáveis R$0,10 por unidade e custo e despesas fixos R$200,00 por mês. Determinado cliente não habitual faz um pedido de 150 unidades a preço de R$ 0,70 por unidade. A empresa deve aceitar ou rejeitar este pedido? Receita Operacional Líquida (-) Custos Variáveis (-) Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Aceitar Rejeitar 41

9 Preço de Venda Análise do Pedido ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Decisão: Exercícios 1) A empresa J.Silva vende atualmente unidades mensais do produto JS. O preço de venda praticado é de R$20,00 por unidade e os gastos operacionais são: Custos variáveis R$10,00 por unidade Despesas variáveis 5% sobre o preço de venda Custos e despesas fixos ,00 por mês Um cliente do extremo norte do país fez uma consulta para adquirir unidades desse produto. Caso aceite esse pedido, será ocupada parte da capacidade ociosa da empresa, de modo que os custos fixos não serão modificados. O preço que este cliente está disposto a pagar é de R$15,00 a unidade. Pergunta-se: a) A empresa deve aceitar o novo pedido? Apresente os cálculos. Preço de Venda ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Decisão: 42

10 b) Caso, para atender esse pedido de peças, a empresa tivesse que alugar uma máquina ao custo de R$15.000,00, o pedido poderia ser aceito? Apresente os cálculos. (=) 1ª Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos Identificados (=) 2ª Margem de Contribuição Total Decisão: 2) A Bike & Cia fabrica bicicletas de vários modelos para crianças e adultos. Devido a uma retração da demanda, está operando com capacidade ociosa. Espera-se que daqui a alguns meses os níveis de produção e vendas sejam recuperados. O Diretor Comercial acaba de receber um pedido de compra de 500 bicicletas infantis de um cliente não habitual. No entanto, está disposto a recusá-lo, uma vez que o preço ofertado de R$45,00 cada unidade, está abaixo do custo de produção, R$47,00 cada unidade. Nenhuma despesa administrativa ou comercial será incorrida caso esse pedido seja aceito. Os dados de custos são: Matéria-prima R$18,00 M.O.D R$12,00 Custos Indiretos Variáveis R$8,00 Custos Indiretos Fixos Comuns Rateados R$ 9,00 Custo Total por unidade R$ 47,00 Pergunta-se: a) O pedido deve ser rejeitado? Apresente os cálculos. Preço de Venda ( - ) Custos e Despesas Variáveis /unidade ( = ) Margem de Contribuição Unitária Margem de Contribuição Total Decisão: b) Caso não seja rejeitado, em quanto aumentaria os lucros da empresa? 43

11 3 Análise Custo-Volume-Lucro O objetivo desta aula é identificar padrões de comportamento dos custos, realizar a análise custovolume-lucro para um único produto e para vários produtos, bem como, discutir o efeito da alavancagem operacional. A análise Custo-Volume-Lucro (CVL) é um método utilizado para analisar como as decisões operacionais e de marketing afetam o lucro líquido, baseado na compreensão da relação entre custos variáveis, custos fixos, preço de venda e nível de produção. As principais técnicas relacionadas à análise CVL são: margem de contribuição, ponto de equilíbrio, margem de segurança e alavancagem operacional. Estas técnicas serão estudadas a seguir. 3.1 A equação de Lucro A equação de lucro é fundamental para a análise CVL. Ela estabelece que o lucro seja igual à receita (preço de venda multiplicado pela quantidade) menos o custo/despesa variável (o custo/despesa variável por unidade multiplicado pela quantidade) menos o custo fixo total. Lucro = PV. Q CDV/u. Q CDF Onde: Q = quantidade de unidades produzidas e vendidas PV = preço unitário de venda CDV/u = Custos e despesas variáveis por unidade CDF = Custos e despesas fixos por período 3.2 Ponto de Equilíbrio (Break-even point) ou Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) O modelo do ponto de equilíbrio tem por objetivo determinar o nível de produção em termos de quantidade e/ou de valor que se traduz pelo equilíbrio entre a totalidade dos custos e das receitas. Para um nível abaixo desse ponto, a empresa estará na zona de prejuízo e acima dele, na zona de lucratividade. Nesse ponto, o nível de operação é tal que absorve a totalidade dos custos e despesas fixos, e acima dele somente incidem os custos e despesas variáveis. O PEC pode ser utilizado para: 44 Determinar o nível de atividades necessárias para cobrir todas as despesas e custos, tanto fixos quanto variáveis;

12 Avaliar a lucratividade associada aos diversos níveis possíveis de vendas, ou seja, aos vários níveis possíveis de atividade; Facilitar a análise dos efeitos sobre a lucratividade decorrente de alterações nas despesas e custos fixos e variáveis, no volume de vendas, no preço de vendas e na distribuição relativa de linhas de produtos vendidos. Gráfico: Ponto de Equilíbrio (Break-Even Point) O Ponto de Equilíbrio ou Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) é obtido quando há volume (monetário ou físico) suficiente para cobrir todos os custos e despesas fixos, ou seja, o ponto em que não há lucro ou prejuízo contábil. É o ponto de igualdade entre a Receita Total e o Custo e Despesa Total. O Ponto de Equilíbrio pode ser calculado da seguinte maneira: PEC (q) = CDF MC/u Exemplo: Preço de venda Custo e despesas variáveis Custos e despesas fixos Onde: CDF = Custos e despesas fixos MC/u = Margem de Contribuição Unitária = R$ 5,00 p/un. = R$ 2,50 p/un. = R$ 2.000,00 por mês 45

13 Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação 3.3 Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) O ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) ocorre quando existe lucro na empresa e este busca comparar e demonstrar esse lucro em relação à taxa de atratividade (custo de oportunidade) que o mercado financeiro oferece ao capital investido. Calcula-se da seguinte maneira: PEE (q) = CDF + Lucro Desejado MC/u Onde: CDF = Custos e despesas fixos MC/u = Margem de Contribuição Unitária Lucro Desejado antes do IR/CSLL Exemplo: Preço de venda = R$ 5,00 p/un. Custo e despesas variáveis = R$ 2,50 p/un. Custos e despesas fixos = R$ 2.000,00 por mês Lucro Operacional Desejado = R$ 500,00 Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação 46

14 3.4 Ponto de Equilíbrio Financeiro (PEF) Ponto de Equilíbrio Financeiro (PEF) é representado pelo volume de vendas necessárias para que a empresa possa cumprir com seus compromissos financeiros. Nem todos os custos de produção representam desembolsos. Desta forma, os resultados contábeis e econômicos não são iguais aos financeiros. PEF (q) = CDF CDFND + Amortizações de Empréstimos MC/u Onde: CDF = Custos e despesas fixos MC/u = Margem de Contribuição Unitária CDFNF = Custos e despesas fixos não desembolsáveis Exemplo: Preço de venda = R$ 5,00 p/un. Custo e despesas variáveis = R$ 2,5 p/un. Custos e despesas fixos = R$ 2.000,00 por mês Depreciação = R$ 400,00 por mês Amortizações de Empréstimos = R$ 1.000,00 Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (+) Depreciação (=) Amortização de Empréstimos Comprovação 47

15 3.5 Ponto de Equilíbrio em Valor de Receita Caso o objetivo seja conhecer o Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) expresso em valor monetário, a fórmula passa a ser: PEC (R$) = CDF Exemplo: % MC % Receita Operacional Líquida ( - ) Custos e despesas variáveis ( ) 70 Margem de Contribuição ( - ) Custos e Despesas Fixos ( ) Resultado Líquido do Exercício a) Qual é o valor da receita no ponto de equilíbrio? Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação b) Qual é o valor necessário de receita para a empresa obter o lucro de R$50.000? PEE (R$) = CDF + Lucro Desejado % MC 48 Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação

16 c) Qual é o valor necessário de receita para a empresa cobrir seus compromissos financeiros, sabendo-se que R$21.000,00 dos seus custos e despesas fixos são depreciações e que ela tem empréstimos R$5.000,00 no período? PEF (R$) = CDF CDFND + Amortizações de Empréstimos %MC Receita Líquida de Vendas (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (+) Depreciação (=) Amortização de Empréstimos Comprovação 3.6 Margem de segurança Operacional (MSO) Margem de segurança é a quantia (ou índice) excedente das vendas da empresa além do ponto de equilíbrio. Ela representa quanto as vendas podem cair sem que a empresa incorra em prejuízo, sendo expressa em quantidade, valor ou percentual. Exemplo: Quantidade vendida Preço de venda Custos e despesas variáveis Custos e despesas fixos = 10 unidades por mês = R$ 6.000,00 por unidade = R$ 4.000,00 por unidade = R$ ,00 por mês Em quantidade: Em até quantas unidades as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas de 10 unidades? MSO (q) = Volume Atual PEC(q) 49

17 Em valor: Até qual valor as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas de 10 unidades? MSO (R$) = Receita Atual PEC (R$) Em percentual: Até qual percentual as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas de 10 unidades? % MSO = Volume Atual PEC(q) X 100 Volume Atual Ou % MSO = Receita de Vendas Atual PEC(R$) X 100 Receita de Vendas 50

18 Exercícios 1) Suponha que determinado restaurante tenha custos e despesas fixos mensais de R$21.000,00. Sua média de faturamento (excluindo impostos e gorjetas) é de R$ 18,00 por cliente. Os custos e despesas variáveis médios atuais são de R$9,60 por refeição. a) Qual é o ponto de equilíbrio em número de refeições servidas por mês? b) Quantas refeições devem ser servidas para alcançar um lucro de R$ por mês? c) Qual é o ponto de equilíbrio financeiro, considerando que R$4.200,00 dos seus custos e despesas fixos são depreciações e que haja empréstimos a amortizar de R$ 5.880,00 no período? 2) A empresa Controlada Ltda. produz um só produto e possui a seguinte estrutura de preço e custo: Preço de venda por unidade: R$ 200,00 Custos e despesas variáveis por unidade: R$ 140,00 Custos e despesas fixos mensais: R$ ,00 a) Quantas unidades do produto a empresa precisará vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? b) Qual deverá ser o volume de vendas, em unidades, que irá resultar o lucro de R$ ,00? 51

19 c) Qual deverá ser o volume de vendas, em unidades, necessário para que a empresa possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$20.000,00 e os empréstimos a serem pagos no período são de R$50.000,00? 3) Uma indústria de televisores tem a seguinte estrutura de custos e despesas: Custos fixos R$ por mês Custos variáveis R$ por unidade Despesas fixas R$ por mês Despesas variáveis 10% das vendas Preço de venda R$ por unidade Sabendo que a empresa deseja um retorno mínimo de 10% ao ano sobre o Patrimônio Líquido de R$ ; 20% dos seus custos fixos são depreciações e que ela tem compromissos fixos para o ano de R$ mensais, a título de amortizações de dívidas, pede-se, calcule: a) O Ponto de Equilíbrio Contábil (em quantidade e em valor). b) O Ponto de Equilíbrio Econômico (em quantidade e em valor). c) O Ponto de Equilíbrio Financeiro (em quantidade e em valor). 52

20 4) A Confecção VMS Ltda. apresentou a seguinte demonstração de resultados relativa ao último ano: Receita Operacional Líquida ( - ) Custos e Despesas Variáveis (49.500) Margem de Contribuição ( - ) Custos e Despesas Fixos Resultado Líquido do Exercício R$ % Pergunta-se: a) Qual é o valor em receita do ponto de equilíbrio da empresa? b) Qual é o valor necessário de receita para a empresa obter o lucro de R$13.500,00? c) Qual é o valor necessário de receita para a empresa cobrir seus compromissos financeiros, sabendo-se que R$2.000,00 dos seus custos e despesas fixos são depreciações e que ela tem empréstimos de R$4.250,00 no período? 5) A Cia VMS apresentou a seguinte demonstração de resultados relativa ao último ano: R$ % Receita Operacional Líquida ( - ) Custos e Despesas Variáveis ( ) Margem de Contribuição ( - ) Custos e Despesas Fixos Resultado Líquido do Exercício Pergunta-se: a) Qual é o valor de receita do ponto de equilíbrio da empresa? 53

21 b) Qual é o valor necessário de receita para a empresa obter o lucro de R$65.000,00? c) Qual é o valor necessário de receita para a empresa cobrir seus compromissos financeiros, sabendo-se que R$4.500,00 dos seus custos e despesas fixos são depreciações e que ela tem empréstimos de R$10.500,00 no período? 6) Certa sociedade empresária produz alto-falantes estéreos. O preço de venda unitário é de R$800,00. Os custos e despesas variáveis são de R$300,00 por unidade e os custos e despesas fixos mensais é de R$50.000,00. A empresa espera vender em novembro 120 unidades de alto-falantes. Determine: a) Em até quantas unidades as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? b) Até qual valor as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? c) Até qual percentual as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? 54

22 7) Certa empresa produz e vende pacotes de algodão. O preço de venda é de R$35,00 por pacote. Os custos e despesas variáveis são de R$15,00 por pacote e os custos e despesas fixos mensais é de R$ ,00. A empresa espera vender em novembro pacotes de algodão. Determine: a) Em até quantas unidades as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? b) Até qual valor as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? c) Até qual percentual as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? d) Se conseguir uma redução de 20% sobre os custos e despesas fixas, o que acontecerá com a margem de segurança em termos percentuais? 55

23 8) Certa empresa produz e vende tênis para corredores profissionais. O preço de venda e os custos estimados para o próximo mês estão indicados a seguir: Preço de venda por unidade Custos e despesas variáveis unitários Custos e despesas fixos mensais R$200,00 R$70,00 R$16.000,00 Determine o volume de vendas, em quantidade e em valor, que resultará no lucro de 45% da receita de vendas. Faça a comprovação. Receita Operacional Líquida (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação 9) Na produção de unidades de um produto X, são incorridos custos variáveis de R$ , 5% de comissões sobre as vendas e custos fixos de R$ Considerando o preço unitário de venda de R$ 30,00, calcule o ponto de equilíbrio contábil. 56

24 3.7 Ponto de Equilíbrio: Múltiplos Produtos Os exemplos anteriores ilustraram o cálculo do ponto de equilíbrio para um único produto. No entanto, essa análise pode ser facilmente estendida para casos de vários produtos. EXEMPLO: Determinada empresa é especializada em preparar pratos, que são congelados e embarcados para os restaurantes finos. Quando um freguês pede um item de jantar, o restaurante aquece-o e serve. Os dados do orçamento para 2013 são: Frango Costela Preço de Venda para os restaurantes R$ 7 R$ 9 Custos e Despesas Variáveis R$ 4 R$ 5 Margem de Contribuição R$ 3 R$ 4 Vendas Esperadas (em unidades) Os itens são preparados na mesma cozinha, entregues no mesmo caminhão, e assim por diante. Consequentemente, os custos e despesas fixos de R$ 9.380,00 não são afetados pelos produtos específicos. Pede-se: a) Calcule os percentuais do mix de vendas. Produto Mix em Quantidade Mix em Percentual Frango Costela Total b) Aplicando os percentuais do mix na margem de contribuição unitária, calcule a margem de contribuição unitária média (margem de contribuição conjunta). c) Quantas unidades de cada produto a empresa precisará produzir e vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? Receita Operacional Líquida (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação 57

25 d) Quantas unidades de cada produto a empresa precisará produzir e vender para obter o lucro de R$4.020,00? Receita Operacional Líquida (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) Resultado Líquido do Exercício Comprovação e) Quantas unidades de cada produto a empresa precisará produzir e vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$880,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$1.215,00? Receita Operacional Líquida (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (+) Depreciação (=) Amortização de Empréstimos Comprovação 58

26 Exercícios 1) Uma revendedora de automóveis vende três modelos básicos: DeLuxo, Esporte e Popular. Tomando por base os dados de custos e vendas a seguir apresentados, calcule o ponto de equilíbrio em unidades. Deluxo Esporte Popular Preço unitário de venda R$ R$ R$ Custos e Despesas Variáveis por unidade R$ R$ R$5.000 Vendas Esperadas (em unidades) Custos e despesas fixos mensais R$ Pede-se: a) Calcule os percentuais do mix de vendas. b) Aplicando os percentuais do mix na margem de contribuição unitária, calcule a margem de contribuição conjunta dos produtos. c) Quantas unidades de cada modelo a empresa precisará produzir e vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? d) Quantas unidades de cada modelo a empresa precisará produzir e vender para obter o lucro de R$69.900,00 no mês? e) Quantas unidades de cada modelo a empresa precisará produzir e vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$25.600,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$72.200,00? 59

27 2) A Cia Ceará fabrica três produtos que têm as seguintes características: Produto I Produto II Produto III Preço unitário (R$) Custos e Despesas Variáveis por unidade (R$) Vendas esperadas (em unidades) Os custos e despesas fixos mensais da companhia são de R$ Supondo a combinação de produtos dada pelas vendas esperadas, determine: a) Calcule os percentuais do mix de vendas. b) Calcule a margem de contribuição conjunta dos produtos. c) Quantas unidades de cada produto, a empresa precisará vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? d) Quantas unidades de cada produto, a empresa precisará vender para obter o lucro de R$ ,00? e) Quantas unidades de cada modelo a empresa precisará vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$20.000,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$82.000,00? 60

28 3) Determinada lanchonete produz: sanduíches pequenos e sanduíches grandes, que têm as seguintes características: Pequeno Grande Preço de venda R$ 6,00 R$ 12,00 Custos Variáveis (por unidade) R$ 2,00 R$ 4,00 % Mix de Vendas 40% 60% Os custos e despesas fixos mensais da companhia são de R$ 1.280,00. Supondo a combinação de produtos apresentada, determine quantas unidades, de cada produto, devem ser vendidas para a empresa atingir o ponto de equilíbrio. a) Calcule a margem de contribuição conjunta dos produtos. b) Quantas unidades de cada produto, a lanchonete precisará vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? c) Quantas unidades de cada produto, a lanchonete precisará vender para obter o lucro de R$960,00? d) Quantas unidades de cada modelo, a lanchonete precisará vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$500,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$628,00? 61

29 4) O Boteco da Esquina tem o mix de vendas mensal conforme a seguir: X-salada Refrigerante Preço unitário de venda ($) R$12,00 R$3,00 Custo variável unitário ($) R$4,00 R$1,00 % Mix de Vendas 45% 55% Custos e despesas fixos mensais R$752,00 Pede-se: a) Calcule a margem de contribuição conjunta dos produtos. b) Quantas unidades de cada produto, o Boteco da Esquina precisará vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? c) Quantas unidades de cada produto, o Boteco da Esquina precisará vender para obter o lucro de R$1.504,00? d) Quantas unidades de cada modelo, o Boteco da Esquina precisará vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$110,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$486,00? 62

30 5) A Tostines fabrica e vende dois produtos: batatas fritas e biscoitos salgados. Os custos e despesas fixos são de R$28.830,00 e os percentuais do mix de vendas é de 65% de batatas fritas e 35% de biscoitos salgados. Os demais dados são: Batatas fritas Biscoitos Salgados Preço de Venda/un. 9,00 7,50 Custos e Despesas Variáveis/un. 4,00 3,50 Pede-se: a) Calcule a margem de contribuição unitária média. b) Quantas unidades de cada produto, a empresa precisará vender para cobrir todos os custos e despesas no mês? c) Quantas unidades de cada produto, a empresa precisará vender para obter o lucro de R$8.370,00? d) Quantas unidades de cada modelo, a empresa precisará vender para que a possa cumprir com seus compromissos financeiros, considerando que há depreciação inclusa nos custos e despesas fixos no valor de R$5.830,00 e os empréstimos serem pagos no período são de R$11.875,00? 63

31 3.8 Alavancagem Operacional O risco do negócio depende em parte do grau em que os custos de uma empresa são fixos. Se os custos fixos são altos, mesmo uma pequena queda nas vendas pode gerar uma grande redução nos lucros operacionais. Portanto, tudo o mais mantido constante, quando mais altos forem os custos fixos de uma empresa, mais alto será seu risco do negócio. Em física, alavancagem implica a utilização de uma alavanca para levantar um objeto pesado com um pequeno dispêndio de força. Na terminologia dos negócios, um alto grau de alavancagem operacional, tudo o mais mantido constante, significa que uma variação relativamente pequena nas vendas resultará em uma grande variação no lucro operacional. Se uma alta porcentagem dos custos totais de uma empresa são fixos, diz-se que a empresa tem um alto grau de alavancagem operacional. A Grau de Alavancagem Operacional (GAO) é um número índice que mede o efeito de uma variação nas vendas sobre o lucro operacional (LAJIR). Este índice é de extrema utilidade para as projeções dos resultados que determinada empresa obteria em diversos níveis de atividades de produção e de vendas, mantidas constantes as demais variáveis, tais como margem de contribuição, total das despesas e custos fixos, entre outras. O grau de alavancagem operacional (GAO) é definido como a variação percentual no lucro operacional (ou LAJIR - Lucro antes dos juros e do IR/CSSL) que resulta de uma dada variação percentual nas vendas: GAO = MCT LAJIR Onde: MCT = Margem de Contribuição Total LAJIR - Lucro antes dos juros e do IR/CSSL Exemplo 1: Suponha que os dados operacionais da Cia ABC sejam os seguintes: GAO Simulação Variação de vendas + 10% - 10% Receita Operacional Líquida (-) Custos e despesas variáveis (40.000) (44.000) (36.000) Margem de Contribuição (- ) Custos e Despesas Fixos ( ) ( ) ( ) Lucro antes dos juros e tributos (LAJIR) Determinar o grau de alavancagem operacional da empresa. Conclusão: Se as vendas aumentarem 10%, o LAJIR aumentará...%, ou seja,... vezes. Se as vendas diminuírem 10%, o LAJIR diminuirá...%, ou seja,... vezes. 64

32 3.9 Alavancagem Financeira A alavancagem operacional afeta os lucros antes dos juros e tributos (LAJIR), ao passo que a alavancagem financeira afeta os lucros líquidos de juros e tributos, ou os lucros disponíveis para os proprietários de ações ordinárias. O grau de alavancagem financeira (GAF) é definido como a variação percentual no lucro por ação, que resulta de uma dada variação percentual no lucro antes dos juros e impostos (LAJIR), é calculado da seguinte forma: GAF = LAJIR LAJIR Juros Exemplo: Considere os dados operacionais, da Cia ABC, apresentados no exemplo anterior: GAF Simulação variação de vendas + 10% - 10% Receita Operacional Líquida ( - ) Custos e despesas variáveis (40.000) (44.000) (36.000) Margem de Contribuição ( - ) Custos e Despesas Fixos ( ) ( ) LAJIR ( -) Juros (8.000) (8.000) Lucro antes dos tributos (LAIR) (-) Tributos (34%) (10.880) (16.320) (5.440) Resultado Líquido do Exercício Lucro por ação (LPA) sobre ações 21,12 31,68 10,56 Determinar o grau de alavancagem financeira da empresa. Conclusão: Se o LAJIR aumentar 40%, o Resultado do Exercício e o Lucro por ação aumentarão...%, ou seja,... vezes. Se o LAJIR diminuir 40%, o Resultado Líquido do Exercício e o lucro por ação diminuirão...%, ou seja,... vezes. No caso de não haver utilização de capital de terceiros, o grau de alavancagem financeira seria, por definição, igual a 1, de modo que um aumento de 100% no LAJIR produziria um aumento de exatamente 100% no LPA. 65

33 3.10 Alavancagem Combinada (Operacional e Financeira) Até agora, vimos que: a) Quanto maior for a utilização de custos operacionais fixos, mensurada pelo grau de alavancagem operacional, mais sensível será o LAJIR a variações nas vendas, e b) Quanto maior for a utilização do endividamento, mensurada pelo grau de alavancagem financeira, mais sensível será o LPA a variações no LAJIR. Portanto, se uma empresa utiliza uma quantidade considerável de alavancagem, tanto operacional quanto financeira, então até mesmo pequenas variações nas vendas causarão grandes flutuações no LPA. O grau de alavancagem operacional pode ser combinado com o grau de alavancagem financeira, para produzir o grau de alavancagem total (GAT), que mostra como uma dada variação nas vendas irá afetar o resultado líquido do período e o lucro por ação (LPA). Calcula-se da seguinte forma: GAT = GAO x GAF Exemplo: Considerando os dados da Cia ABC apresentados no exemplo anterior, determine o Grau de Alavancagem Total (GAT). Se as vendas aumentarem 10%, o Resultado Líquido do Exercício e o lucro por ação aumentarão...%, ou seja,... vezes. Se as vendas diminuírem 10%, o o Resultado Líquido do Exercício e o lucro por ação diminuirão...%, ou seja,... vezes. 66

34 EXERCÍCIOS 1) Determinada empresa apresentou os seguintes dados: Pede-se: Preço de Venda R$ 12 por unidade Quantidade unidades Custos e Despesas Variáveis R$ 9 por unidade Custos e Despesas Fixos R$ Juros R$ Alíquota I.R/CSLL 34% No. de ações a) Complete a Demonstração de Resultados a seguir: Receita Operacional Líquida ( - ) Margem de Contribuição ( - ) LAJIR ( - ) LAIR ( - ) Resultado Líquido do Exercício Lucro por ação (LPA) a) Calcule o grau de alavancagem operacional (GAO). b) Calcule o grau de alavancagem financeira (GAF). c) Calcule o grau de alavancagem total (GAT). d) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será a variação percentual no LAJIR, se as vendas aumentarem 12%? 67

35 e) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será a variação percentual no LPA, se as vendas aumentarem 12%? 2) A Cia. Estrela produz bolas de tênis e vende unidades por ano. Cada bola produzida tem custos e despesas variáveis de R$8,40 e é vendida ao preço de R$10,00. Os custos e despesas fixos são de R$ ,00. A empresa paga juros anuais de ,00, e a alíquota do imposto de renda é igual a 40%. Pede-se: a) Complete a Demonstração de Resultados a seguir: Receita Operacional Líquida ( - ) Margem de Contribuição ( - ) LAJIR ( - ) LAIR ( - ) Resultado Líquido do Exercício b) Calcule o grau de alavancagem operacional (GAO). c) Calcule o grau de alavancagem financeira (GAF). d) Calcule o grau de alavancagem total (GAT). e) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será a variação percentual no LAJIR, se as vendas diminuírem 10%? f) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será a variação percentual no LPA, se as vendas diminuírem 10%? 68

36 3) Certa empresa apresentou a seguinte demonstração de resultados relativa ao último ano: R$ Receita Operacional Líquida ( - ) Custos e Despesas Variáveis (8.100) Margem de Contribuição ( - ) Custos e Despesas Fixos (exceto Juros) LAJIR ( - ) Despesas Financeiras (Juros) Fixas (500) ( - ) IR/ CSLL 34% (510) Resultado Líquido do Exercício 990 Com base nestas informações, calcule: a) O Grau de Alavancagem Operacional (GAO). b) O Grau de Alavancagem Financeira (GAF). c) O Grau de Alavancagem Total (GAT). d) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será o aumento no LAJIR, se as vendas aumentarem 15%? e) Utilizando o conceito de alavancagem, responda: Qual será o aumento no LPA, se as vendas aumentarem 15%? f) Qual é o valor de receita do ponto de equilíbrio da empresa? 69

37 g) Até qual valor as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? h) Até qual percentual as vendas poderão ser reduzidas, sem provocar prejuízo, considerando o volume atual de vendas? i) Qual é o valor necessário de receita para a empresa obter o lucro de R$1.200,00 após IR/CSLL. Elabore a comprovação. Receita Operacional Líquida (-) Custos e Despesas Variáveis (=) Margem de Contribuição Total (-) Custos e Despesas Fixos (=) LAIR (-) IR/CSLL (34%) Resultado Líquido do Exercício Comprovação 70

38 4 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA Na realidade da economia global, administra-se num ambiente de competitividade e concorrência acirrada, na qual qualidade, eficiência, produtividade e flexibilidade são ferramentas necessárias para garantir a sobrevivência da empresa. O que está acontecendo em nível mundial e gradativamente no Brasil é uma crescente concorrência, aumento de importações, tendência a uma liberdade de preços, oportunidades de menor concentração de oferta e crescente demanda por qualidade e modernidade, aliadas ao fato de maior valorização e conscientização do consumidor e do mercado. Em condições de maior liberdade de mercado e aumento dos níveis de exigências, o poder de barganha do mercado cresce, de forma que o mesmo tende a sinalizar ou ditar o que está disposto a pagar por um produto ou serviço. Nestas condições, o preço é arbitrado pelo mercado, como um processo de influência externa sobre a empresa, levando em conta poder aquisitivo, valor do dinheiro, qualidade, alternativas de escolha e utilidade. Se o preço é arbitrado, por que então se preocupar com a Política de Formação de Preços? É sabido que o lucro provém dos preços e dos volumes de vendas; portanto, muito mais do que em qualquer outra situação, e de importância vital que a empresa conheça seu custos e despesas a fim de garantir o retorno adequado. Por retorno adequado, entenda-se a condição através da qual serão absorvidos todos os gastos efetuados e o lucro almejado, garantido. 4.1 Cálculo do Preço de Venda informações : Vamos analisar a composição do preço de venda de um produto a partir das seguintes R$ Matéria-prima 185,00 Materiais Secundários (Embalagens) 3,00 Mão de obra 42,00 Custos Indiretos de Fabricação 58,00 ICMS 18% PIS 1,65% COFINS 7,60% IPI 10% Despesas de Vendas 2% Despesas Administrativas 3,5% Margem de Lucro 10% 71

39 Por meio da fórmula a seguir, vamos calcular os preços de venda à vista e a prazo. Preço de Venda = Custo por unidade 1 - (%Despesas + %Tributos + %Margem de Lucro) 4.2 Fator de Formação do Preço de Venda (Markup) Suponha uma situação bastante simples que apresenta os seguintes dados: Custo Unitário R$ 8 IPI 10% Considere os seguintes valores fornecidos como uma percentagem do preço de venda: Tributos sobre vendas (ICMS, PIS, COFINS) 27,25% Despesas 15% Margem de Lucro 5% Calcule: a) O Markup Divisor. Markup Divisor = 1 - (%Despesas + %Tributos + %Margem de Lucro) b) O Markup Multiplicador. Markup Multiplicador = 1 Markup Divisor 72

40 c) O Preço de Venda.. EXERCÍCIOS 1) Determinar o preço de venda para um produto, considerando os seguintes dados: Custo por unidade R$ 10 ICMS 18% PIS 1,65% COFINS 7,6% IPI 6% Despesas 15% Margem de Lucro 12% Calcule: a) O Markup Divisor. b) O Markup Multiplicador. c) O Preço de Venda. 73

41 2) Um produto custa R$ 200,00 a unidade. Determine o preço de venda considerando os seguintes dados: Pede-se: ICMS 12% PIS 1,65% COFINS 7,6% IPI 5% Despesas 4% Margem de Lucro 15% a) Calcular o markup para a incorporação dos tributos sobre o preço de venda. b) Qual deve ser o preço de venda com todos os tributos inclusos? 3) A empresa ABC Telecomunicações incorreu nos seguintes gastos para produzir e vender um o aparelho STAR TEC. Matéria-prima R$ 700 MOD + CIF R$ 300 Custo total por unidade R$ Devem-se considerar as seguintes taxas para formar o markup: Tributos s/ vendas (ICMS, PIS e COFINS) 27,25% IPI 10% Despesas com Comissões 7% Despesas Administrativas e de Vendas 10% Margem de Lucro 15% Calcule o markup multiplicador, o markup divisor e o preço de venda a prazo para o produto STAR TEC a um custo financeiro efetivo de 3% a.m. para pagamento em 30 dias. 74

42 4) (Usar a Fórmula do Preço de Venda): A empresa ABC necessita determinar o preço de venda de seu produto à vista e para pagamento em 30 e 60. O custo financeiro mensal é de 2,5% e os seguintes dados deverão ser considerados: Tributos sobre Vendas: ICMS 18%, PIS 1,65%, COFINS 7,6% e IPI 8%; As despesas administrativas são de 1,5% por unidade; Os vendedores recebem 2% de comissões; A margem de lucro desejada pela empresa é de 25%. O custo por unidade é de R$ 1.230,00. a) Calcule o preço de venda a vista. b) Calcule os preços de venda a prazo. 5) (Usar a Fórmula do Preço de Venda): A Companhia Embaré apresenta os seguintes dados: Materiais Diretos por unidade R$ 25 Despesas Administrativas 12,00% M.O.D. por unidade R$ 15 Despesas de Vendas 6,00% C.I.F. variáveis por unidade R$ 2 Despesas Financeiras 3,75% C.I.F fixos por unidade R$ 8 Impostos e Contribuições sobre 27,25% vendas (ICMS, PIS e COFINS) Margem de Lucro Desejada 25% IPI 6% Taxa de juros para vendas a prazo 3%a.m. Pede-se, calcule: a) O preço de venda à vista. b) O preço de venda a prazo para pagamento em 30 dias. 75

43 Bibliografia HANSEN, Don R.; MOWEN, Maryanne M. Gestão de Custos: Contabilidade e Controle. Tradução: Robert Brian Taylor. Revisão Técnica Elias Pereira. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. HORNGREN, Charles T.; SUNDEM, Gary L.; STRATTON, William O. São Paulo: Pearson Prentice Hall, JIAMBALVO, James. Contabilidade Gerencial. 3ªed. Rio de Janeiro: LTC, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9ªed. São Paulo: Atlas, MEGLIORINI, Evandir. Análise e Gestão. 3ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall Brasil, PADOVEZE, Clovis Luis. Curso Básico Gerencial de Custos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SHANK, John K. A Revolução dos Custos. Rio de Janeiro: Campus

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Considerando-se esses aspectos, os preços podem ser fixados: com base nos custos, com base no mercado ou com base numa combinação de ambos.

Considerando-se esses aspectos, os preços podem ser fixados: com base nos custos, com base no mercado ou com base numa combinação de ambos. 52 7. FORMAÇÃO E CÁLCULO DE PREÇOS Para administrar preços de venda é necessário conhecer o custo do produto. Entretanto, essa informação, por si só, embora necessária, não é suficiente. Além do custo,

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Noções Preliminares 2. Fundamentos da Contabilidade de Custos Unidade II 4. Relação Custo

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO Alavancagem Operacional: Uma breve visão sobre a relação custo, volume

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: http://www.fabianocoelho.com.br, levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Esse instrumento de análise e coleta de dados tem sua importância enfatizada por Garrison e Norenn (2001, p.63):

Esse instrumento de análise e coleta de dados tem sua importância enfatizada por Garrison e Norenn (2001, p.63): 1 ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO EM EMPRESAS COMERCIAIS: ESTUDO DA VIABILIDADE DA FERRAMENTA APLICADA EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS DA CIDADE DE PONTA GROSSA Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio dos Custos Financeiros Para Investimento Em Inovações

Análise do Ponto de Equilíbrio dos Custos Financeiros Para Investimento Em Inovações Análise do Ponto de Equilíbrio dos Custos Financeiros Para Investimento Em Inovações Marcos Antônio De Souza Elias Pereira Resumo: Este artigo trata de uma técnica largamente abordada pela literatura atinente

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de CUSTOS Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 - PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, ECONÔMICO E FINANCEIRO A empresa Distribuidora

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva.

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE)

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Exercício 01 PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Dados para responder as questões sugeridas: Informações: Custos Fixos: R$ 800.000,00 Custo Variável Unitário: R$ 300,00 Receita Unitária: R$ 700,00 1) O ponto de equilíbrio

Leia mais

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO O que é Ponto de Equilíbrio? Quais são as hipóteses consideradas para análise do Ponto de Equilíbrio? Como determinar as várias modalidades do Ponto de Equilíbrio? Como elaborar

Leia mais

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1 GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS CONTEÚDO DO CURSO 1 - Gestão Estratégica de Custos 2 - Planejamento Tributário 3 - Custos para tomada de decisão 4 - Formação de Preços 5 Margem de segurança Só conseguimos gerir

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Roberto Biasio. Resumo:

Roberto Biasio. Resumo: ANÁLISE DAS RELAÇÕES CUSTO-VOLUME-LUCRO: TÉCNICAS E MODELOS MATEMÁTICOS PARA CALCULAR O PONTO DE EQUILIBRO E AS SUAS ALTERAÇÕES EM EMPRESAS MULTIPRODUTORAS Roberto Biasio Resumo: O estudo apresenta conceitos

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS Margarete Fatima Mezzomo Monteiro (FMGR) magamezzomo@hotmail.com Natalia Tomaz da

Leia mais

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br Custos... afinal, o que é isto? São essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO APLICAÇÃO DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO (CVL) NA DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA DE UNIDADE PRODUTIVA FAMILIAR LOCALIZADA EM PERIMETRO IRRIGADO DA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. RESUMO José Lincoln

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta 21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta Sejam bem-vindos Patrocínio Realização Programação 08:00 h Café de boas vindas 08:30 h Abertura 08:40 h Bloco K, sua empresa está preparada? 09:00 h Gestão de custos: a

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 1º SEMESTRE/2014 APOSTILA DESENVOLVIDA COM BASE NA PRODUÇÃO DA PROF. MARISA GOMES DA COSTA Caracterização da contabilidade gerencial A contabilidade

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE APOIO DIDÁTICO PEDAGÓGICO COMISSÃO PRÓPRIA DE MONITORIA PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

PRECIFICAÇÃO EM EMPRESA DE SERVIÇO DE CONSULTORIA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS

PRECIFICAÇÃO EM EMPRESA DE SERVIÇO DE CONSULTORIA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS PRECIFICAÇÃO EM EMPRESA DE SERVIÇO DE CONSULTORIA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS Jorge Eduardo Scarpin GILTON PAULO DA SILVA Resumo: Este estudo de caso foi feito numa empresa de consultoria em processos administrativos

Leia mais

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio WAGNER VIANA PEREIRA Apresentação Wagner Viana Pereira Consultor financeiro do Sebrae-SP; Professor titular das Faculdades Oswaldo Cruz; Graduado

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Aula Escrita Gestão de Custos

Aula Escrita Gestão de Custos Aula Escrita Gestão de Custos Uma das maiores dificuldades da precificação baseada em custo é o próprio cálculo do custo propriamente dito. A contabilidade possui basicamente dois modelos: absorção e variável.

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS Aline de Souza Malavazi (PG UEM) Dayane Eiko Fugita ( PG UEM) Paulo Moreira da Rosa, Dr. (UEM) Resumo Devido às novas complexidades

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Apostila Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial VALIDADE: a partir do 1º semestre de 007 TÉRMINO: CÓDIGO: ADM.0 Carga Horária: Total: 0 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: Ciências Contábeis MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2014.1 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Contabilidade Intermediária I FASE: 3ª fase FASE:

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais