ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"

Transcrição

1 APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Finanças Empresariais pela Fundação Getulio Vargas com complemento na UCI, Administrador de Empresas e Contador pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Sua experiência profissional inclui 13 anos em bancos estrangeiros como gerente, diretor e consultor de empresas, conveniado da FGV em Blumenau e Itajaí por sete anos e atualmente sócio gerente da PowerSelf Desenvolvimento Pessoal e Power Training Consultoria e Treinamento Empresarial. Atua como docente em diversos cursos na área de finanças e contábil.

2 4 INSTRUMENTOS DE ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA Introdução Para uma adequada análise econômico-financeira é necessário um bom conhecimento dos índices. Estes são os principais instrumentos para a análise. No capítulo 3 demonstramos que é fundamental o estudo dos índices de atividade, pois estes demonstram uma visão dinâmica da empresa (sempre com continuidade nas operações) através dos prazos médios e giros. No entanto existem inúmeros outros índices estáticos que auxiliam de forma substancial a análise da empresa. Este capítulo objetiva demonstrar a forma de calcular os principais indicadores e buscar a correlação das contas do balanço patrimonial, demonstrativo de resultados e todos os indicadores relacionados a eles. Sendo assim, vamos estudar os Índices de liquidez, de endividamento, de lucratividade e citar (novamente) os de atividade. Antes de iniciarmos a apresentação dos índices cabe algumas recomendações que serão constantemente abordadas quando nos referimos à análise econômicofinanceira: O índice analisado isoladamente é insuficiente para se julgar o desempenho de uma empresa; Os índices analisados devem contemplar o mesmo período de apuração, a fim de evitar os problemas de sazonalidade; É preferível que as demonstrações financeiras sejam auditadas; As demonstrações financeiras não devem ter procedimentos contábeis diferentes de um ano para o outro. Índices Estáticos De acordo com a análise estática, a situação financeira da empresa é examinada num determinado instante com base no balanço patrimonial da empresa. Este é lido pelos analistas como o objetivo de obter indicações e tendências sobre a futura evolução empresarial. O ponto principal da análise do balanço patrimonial, através da construção de indicadores de liquidez e da estrutura patrimonial, é um possível ponto de partida da análise da situação financeira empresarial. Exercício 1 Preencher o quadro abaixo Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ativo Total Exigível a Longo Prazo Ativo Permanente Total do Passivo e P. Líquido Passivo Circulante Patrimônio Líquido Ativo Circulante

3 ÍNDICES DE LIQUIDEZ Os índices de liquidez servem para medir a capacidade da empresa atender a seus compromissos de curto prazo através da realização de seus ativos circulantes. A determinação dos níveis adequados de ativos circulantes e passivos circulantes, que por sua vez definem o nível do capital de giro, requer a tomada de decisão com relação ao risco e retorno. Para que uma empresa possa pagar as suas dívidas nos prazos previstos é fundamental o recebimento gerado através da rotação dos seus ativos circulantes. Quando uma empresa compra a prazo, ela sabe com antecedência as condições de crédito e as datas de vencimento das obrigações. A dificuldade existe em prever quando ocorrerão as entradas de caixa. Quanto mais imprevisíveis forem às entradas de caixa maior deverá ser o seu CCL - capital circulante líquido, ou seja, sua liquidez. Um financiador da empresa deseja que seus ativos circulantes excedam de forma adequada os passivos circulantes. De certo modo, esta é uma condição para que o reembolso dos passivos circulantes ocorra dentro dos prazos previstos, através da liquidez gerada dentro de um curto período pela venda dos bens estocados e pelos recebimentos dos créditos a clientes. Sendo assim, as principais medidas de liquidez são CCL capital circulante líquido, Índice de Liquidez Corrente, Índice de Liquidez Seca e Índice de Liquidez Imediata. CCL Capital Circulante Líquido embora não seja um índice é utilizado para medir a liquidez global da empresa. CCL = Ativo Circulante Passivo Circulante Liquidez Corrente mede a capacidade da empresa em satisfazer suas obrigações de curto prazo. Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante Ao considerarmos uma empresa que num determinado momento tenha $ de ativos circulantes e $ de passivos circulantes, o índice de liquidez corrente é igual a 1,5. Isto é, para cada $1,00 de dívidas vencíveis no curto prazo, a empresa dispõe de $ 1,50 de bens e direitos realizáveis a curto prazo. OBS: Deve-se tomar cuidado ao se olhar isoladamente o índice de liquidez corrente, pois este não revela a articulação entre os prazos de vencimentos das dívidas e os prazos de realização dos ativos, além de não revelar a sua qualidade. Dessa forma, a análise financeira correta deve se basear num estudo detalhado de todos os indicadores em conjunto.

4 Liquidez Seca mede a capacidade de pagamento a curto prazo excluindo os estoques do ativo circulante, por ser geralmente o ativo de menor liquidez. Assim, este índice pressupõe que os compromissos de curto prazo serão atendidos somente pela realização das duplicatas a receber e disponibilidades, considerando que os estoques são itens renováveis e não realizáveis. Liquidez Seca = (Ativo Circulante Estoques) / Passivo Circulante Liquidez Imediata mede a capacidade de pagamento a curto prazo, utilizando somente as disponibilidades (caixa, bancos e títulos de elevada liquidez). Liquidez Imediata = Disponibilidades / Passivo Circulante A administração da liquidez é um problema de grande importância na administração financeira. Voltando ao Capítulo 3 Risco e Lucratividade, verificamos os aspectos relacionados à forma de administrar a empresa no tangente a liquidez, associado a uma escolha entre risco e lucratividade. É necessário um comportamento equilibrado da liquidez e muito atenção para antecipações de situações que possam favorecer uma modificação de seu grau. Por exemplo, numa situação de escassez de crédito e elevadas taxas de juros com um mercado consumidor fraco, a empresa deve elevar seu grau de liquidez imediata, concentrando recursos em ativos financeiros de alta liquidez. No entanto, numa situação com taxas de juros mais baixas e mercado consumidor aquecido, deve-se esperar que a empresa reduza o seu grau de liquidez imediata e concentre recursos em estoques, duplicatas a receber e investimentos em Ativo Permanente, a fim de elevar a lucratividade. Exercício 2 Preencher o quadro abaixo considerando as informações recebidas Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ativo Circulante Ativo Permanente Ativo Total Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido Passivo Total e Patrimônio Líquido Ano 7 - Capital Circulante Líquido = Ano 8 - Liquidez Corrente = 1,25 Ano 9 - CCL = 1.948

5 ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO A situação de endividamento de uma empresa indica o montante de recursos de terceiros que está sendo usado, na tentativa de gerar lucros. Há dois tipos gerais de medidas de endividamento: o grau de endividamento e a capacidade para honrar as dívidas. O primeiro tipo de medida de endividamento é o grau de endividamento que mede o montante da dívida em relação a outras grandezas do balanço patrimonial. Os índices mais utilizados são o endividamento geral e o endividamento a curto prazo. Endividamento Geral mede a proporção de ativos totais da empresa financiada pelos credores. Quanto maior for este índice, maior será o montante de capital de terceiros financiando a atividade da empresa para gerar lucros. Endividamento Geral = Exigível Total / Ativo Total Exigível Total = Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo Este índice é apresentado em percentual. Quanto maior este índice maior a alavancagem financeira da empresa, pois se amplia o risco e o retorno ocasionados pelo uso de financiamentos a custos fixos, com dívidas e ações preferenciais. Endividamento a Curto Prazo mede a proporção de recursos a curto prazo no financiamento das atividades da empresa. Endividamento a Curto Prazo = Passivo Circulante / Ativo Total Endividamento a Longo Prazo mede a proporção de recursos a longo prazo no financiamento das atividades da empresa. Endividamento a Longo Prazo = Exigível a Longo Prazo / Ativo Total O segundo tipo de medida de endividamento é a capacidade para honrar as dívidas, o qual se refere à capacidade da empresa para efetuar os pagamentos contratuais requeridos, segundo uma dada programação, ao longo da vida da dívida. Com as dívidas vêm as obrigações de pagamentos fixos programados, relativos aos juros e ao principal. A capacidade da empresa em pagar certas obrigações fixas é medida pelos índices de cobertura. No entanto somente o índice de cobertura de juros está relacionado com a dívida. Índice de Cobertura de Juros mede a capacidade da empresa para realizar pagamento de juros contratuais. Quanto maior for este índice, maior será sua capacidade para liquidar as obrigações de juros. Índice de Cobertura de Juros = LAJIR / Despesas com Juros LAJIR = Lucro antes dos juros e do imposto de renda

6 Exercício 3 Preencher o quadro abaixo considerando as informações recebidas Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ativo Circulante Ativo Permanente Ativo Total Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido Passivo Total e Patrimônio Líquido Endividamento de Curto Prazo 33,4% Índice de Liquidez Corrente 1,58 1,83 Ano 7 Endividamento Geral = 61,4% Ano 8 Endividamento Geral = 77,8% ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE Existem muitas medidas de lucratividade. Cada uma delas relaciona os retornos da empresa a suas vendas, a seus ativos, ao seu patrimônio líquido, ou ao valor da ação. Uma forma popular para se avaliar a lucratividade em relação às vendas é a composição porcentual dos resultados. Nesta cada item é expresso como uma percentagem das vendas, permitindo uma fácil avaliação de receitas e despesas específicas. Esta visão é muito usada para a comparação entre anos. Exercício 4 - Preencher o quadro abaixo e calcular os percentuais em relação à receita de vendas. Ano 6 % Ano 7 % Receita de Vendas Custos dos Produtos Vendidos Lucro Bruto Despesas de Vendas e Administrativas Despesas Financeiras Lucro Operacional Despesas do Imposto de Renda Lucro Líquido 136 No exercício acima podemos observar três índices de lucratividade bastante utilizados: margem bruta, margem operacional e margem líquida. A seguir vamos detalhar cada um destes indicadores. Margem Bruta - Representa a porcentagem de cada real de venda que restou após a empresa ter deduzido os custos de suas mercadorias. Um aumento na margem bruta significa ou um aumento das vendas mais do que proporcional ao aumento do custo, ou queda do custo das mercadorias ou produtos vendidos.

7 Margem Bruta = Lucro Bruto / Receita de Vendas Líquidas As margens sempre são apresentadas em percentagem, assim devem ser multiplicadas por 100 A comparação da margem bruta entre empresas só faz sentido para empresas do mesmo ramo de atividades. Por exemplo, não se compara à margem bruta de um supermercado (bastante pequena) com a de uma joalheria (bastante elevada) ou de uma fábrica de brinquedos (que é também elevada). Ao se analisar a evolução da margem bruta de uma companhia ao longo do tempo, deve-se buscar as causas das variações, quando estas forem significativas. Por exemplo, um crescimento na margem bruta pode ser decorrência de um crescimento dos preços maior do que dos custos. É comum o crescimento da margem bruta devido à diluição dos custos fixos à medida que aumenta a quantidade vendida (custo unitário de produção menor). Uma queda na margem bruta pode ser originada por: o Um controle de preço exercido pelo governo; o Uma política liberal, com redução das tarifas de importação, de modo a pressionar a concorrência; o Redução do volume vendido e, conseqüentemente uma menor diluição dos custos fixos (isto é, a receita de vendas cairá mais do que os custos, pois a parcela de custos fixos independe da quantidade produzida); o Elevação de salários e preços de matérias-primas; o Perda de eficiência na produção; o Mudanças de critérios contábeis da empresa, de modo que este passe a computar como custo de produção itens que eram anteriormente considerados como despesas operacionais. Margem Operacional - Representa a porcentagem de cada real de venda que restou após a empresa ter deduzido os custos de suas mercadorias, suas despesas administrativas, tributárias e de venda e antes do efeito do custo financeiro e do imposto de renda. Margem Operacional = Lucro Operacional / Receita de Vendas Líquidas Lucro Operacional deve ser antes das Despesas Financeiras e I.R. As margens sempre são apresentadas em percentagem, assim devem ser multiplicadas por 100 Margem Líquida - Representa a porcentagem de cada real de venda que restou após a empresa ter deduzido todas as suas despesas, inclusive financeiras e imposto de renda. Margem Líquida = Lucro Líquido / Receita de Vendas Líquidas As margens sempre são apresentadas em percentagem, assim devem ser multiplicadas por 100 A margem líquida depende do setor. Deste modo, o analista antes de avaliar determinada margem de uma empresa, deve conhecer a média do setor. É importante verificar quanto às despesas e receitas não operacionais afetam o resultado líquido obtido e qual é a origem dos resultados de equivalência patrimonial.

8 Após analisar os retornos sobre as vendas, é fundamental o confronto do lucro sobre os ativos, o patrimônio líquido (investimento dos proprietários) e sobre o valor da ação. Taxa de Retorno sobre o Ativo Total (ROA) mede a eficiência global da administração quanto à obtenção de lucros com seus ativos disponíveis. Indica a lucratividade que a empresa propicia em relação aos investimentos totais. É usualmente chamada de retorno sobre o investimento da empresa ROA = Lucro Líquido / Ativo Total As margens sempre são apresentadas em percentagem, assim devem ser multiplicadas por 100 Como o ativo total é igual ao passivo total, este índice mede também a rentabilidade de todos os recursos à disposição da empresa, sejam eles pertencentes aos acionistas ou pertencentes s terceiros. Taxa de Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) mede o retorno obtido sobre o investimento (ações preferenciais e ordinárias) dos proprietários da empresa. ROE = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido As margens sempre são apresentadas em percentagem, assim devem ser multiplicadas por 100 Lucro por ação (LPA) representa o valor auferido sobre cada ação ordinária emitida. Não representa o montante de lucros efetivamente distribuídos aos acionistas. LPA = Lucro disponível aos acionistas ordinários / nr. ações ordinárias emitidas Este índice interessa aos acionistas atuais e potenciais e aos administradores. O público investidor acompanha-o atentamente e considera um importante indicador do sucesso da empresa. Índice preço/lucro (P/L) representa o montante que os investidores estariam dispostos a pagar por unidade de lucro da empresa. P/L=Preço de mercado da ação ordinária / Lucro por ação Não é considerada uma medida de lucratividade, mas é bastante usado para indicar a apreciação dos proprietários sobre o valor da ação. O valor do índice P/L indica o grau de confiança que os investidores têm sobre o futuro desempenho da empresa.

9 Exercício 5 - Preencher as lacunas vazias com o auxílio das fórmulas e das informações abaixo. Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ativo Circulante Ativo Permanente Ativo Total Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Capital Social Lucros Acumulados Passivo Total e Patrimônio Líquido Receita Operacional Líquida CMV Lucro Bruto Lucro Operacional (4.520) Lucro Líquido O lucro acumulado em todos os anos não contempla o lucro do exercício. No ano 1: O CMV representa 42,857% da receita operacional líquida Capital de terceiros representa 59,45% do total das aplicações, sendo que deste valor 46,876% é longo prazo. No ano 2: O valor do estoque soma e a Liquidez Seca é 0,45. O nível de imobilização é 2,5647 A margem líquida é negativa em 12,6695% e a margem bruta é 50,5788% No ano 3: O ROA é 23,0312% A margem líquida é 13,8209%, margem operacional é 16,077% e a margem bruta é 57,7535% A liquidez corrente é 1,5529 e o endividamento de longo prazo é 25,7222% Exercício 6 - Uma empresa apresentou lucro bruto de $ 35 que representa 25% do faturamento líquido. O ativo permanente é $ 20, o realizável a longo prazo $ 10 e o ativo circulante $ 40. O endividamento de curto prazo é 35% e o de longo prazo 15%. Estoque é $ 15 e o caixa $ 7. Se a margem de lucro líquida é 7,5% calcular: Liquidez Corrente Liquidez Geral Liquidez Seca Liquidez Imediata Nível de Imobilização ROA ROE COMO FOI INÚMERAS VEZES CITADO, NENHUM ÍNDICE POR SI SÓ É ADEQUADO PARA AVALIAR TODOS OS ASPECTOS RELATIVOS A

10 SITUAÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA. UMA ANÁLISE COMPLETA DOS ÍNDICES PODE SER FEITA ATRAVÉS DO SISTEMA DUPONT. SISTEMA DUPONT O Sistema DuPont (também conhecido como Taxa de Retorno sobre o Ativo Total ROA) é um método bastante utilizado para se analisar o desempenho econômico de uma empresa. Este método foi desenvolvido pelo grupo DuPont para avaliação e controle do desempenho de unidades integrantes de uma mesma empresa, podendo, entretanto, ser aplicado para medir o desempenho global da companhia. A taxa de retorno sobre o ativo total pode ser entendida como o custo financeiro máximo que uma empresa pode incorrer em suas captações de fundos. Caso uma empresa obtenha empréstimos à taxa de juros superiores ao retorno gerado pelos ativos, o resultado produzido pela aplicação desses recursos será naturalmente inferior à remuneração devida ao credor, prejudicando assim a rentabilidade dos proprietários. Os acionistas, devido ao maior risco que assumem nos negócios da empresa, devem ser remunerados a taxas privilegiadas. Caso isso ocorra, haverá um desestímulo ao investimento em capital de risco. Assim, é vantajoso para a empresa à captação de recursos de terceiros toda vez que o seu custo for inferior ao retorno produzido pelos seus ativos. Entretanto, deve-se considerar o fator risco, pois um empréstimo que hoje é favorável poderá não sê-lo amanhã se a taxa de juros subir, ou o retorno sobre o investimento total cair. A taxa de retorno sobre o ativo total se baseia na margem operacional e no giro do ativo total como podemos ver na apresentação abaixo:

11 SISTEMA DuPONT Vendas - CPV/CMV Desp.Oper. - - Desp.Fin. Lucro Líquido / Vendas Margem Líquida - Imp.Rend. X ROA - Taxa de Retorno do Ativo Total A.Circul. Vendas / Giro do Ativo Tot. + Ativo Total A.Perman. A margem líquida é obtida a partir do cálculo do lucro líquido onde são deduzidas das vendas todos os custos e despesas e dividindo o mesmo pelas próprias vendas. O giro do ativo total é o resultado da divisão de vendas sobre o ativo total. Ele indica quanto à empresa vendeu para cada R$ 1,00 de investimento. O que todo empresário deseja é minimizar a necessidade de ativos no seu negócio, para um determinado nível de vendas, isto é, elevar o giro do ativo. A empresa obterá tanto mais lucros quanto mais reais retornarem ao caixa, no menor tempo possível, para cada real que de lá saiu. Assim, quanto maior a margem de lucro obtido nas vendas e quanto mais acelerado for o giro dos componentes do ativo envolvido nas operações, maior será o lucro.

12 A partir da decomposição da taxa de retorno sobre o ativo total, uma empresa pode determinar estratégias de administração financeira: Controle dos custos e despesas de forma que os minimize, apurando com isso um lucro líquido maior e, se considerarmos o volume de vendas constante, uma margem líquida maior. Estabelecimento de um nível mínimo de aplicações, isto é, evitar estoques supérfluos, instalações exageradas, ociosidade de equipamentos, duplicatas incobráveis (só vender pára quem não paga), saldos inativos de caixa (a não ser para a obtenção de saldo médio no sistema financeiro), etc. Esses cuidados visam reduzir o Ativo Total sem com isso alterar negativamente no volume de vendas. Ao reduzimos o Ativo Total, estaremos elevando o Giro. A redução dos ativos deve ir até o ponto onde o risco não seja elevado. Um outro ponto importante refere-se ao custo compatível com a taxa de retorno sobre o ativo total. Se tais custos superarem essa taxa cria-se uma situação insustentável no médio e longo prazo, o que provocará uma redução progressiva do capital próprio da empresa, empobrecendo os seus acionistas e aumentando o risco empresarial. Para apuração de uma taxa de retorno maior, uma empresa pode querer sacrificar usa margem (o seu giro) em pró do giro (da margem). Por exemplo, um aumento das despesas de propaganda (menor margem) a fim de elevar suas vendas (maior giro).

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Copyright 2004 Pearson Education, Inc. Slide 2-0

Copyright 2004 Pearson Education, Inc. Slide 2-0 Capítulo 2 Demonstrações financeiras e sua análise Slide 2-0 Objetivos de aprendizagem 1. Rever o conteúdo do relatório da administração e os procedimentos para a consolidação internacional de demonstrações

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

TERRITORIAL SÃO PAULO MINERAÇÃO LTDA. Balanços patrimoniais (em Reais)

TERRITORIAL SÃO PAULO MINERAÇÃO LTDA. Balanços patrimoniais (em Reais) Balanços patrimoniais Ativo 2010 (não auditado) 2011 2012 2013 Novembro'14 Dezembro'14 Circulante Caixa e equivalentes de caixa 6.176.733 12.245.935 4.999.737 709.874 1.666.340 2.122.530 Contas a receber

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento

Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento Liquidez Atividade Endividamento Geral Composição do Endividamento Participação de Capitais de Terceiros sobre Recursos Próprios Exigível

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Análise Avançada das Demonstrações Financeiras

Análise Avançada das Demonstrações Financeiras Análise Avançada das Demonstrações Financeiras Como enxergar a realidade financeira e patrimonial da empresa através das análises estática e dinâmica das demonstrações financeiras Durante décadas as empresas

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade para Executivos

Fundamentos de Contabilidade para Executivos Fundamentos de Contabilidade para Executivos Um guia prático para entender os Demonstrativos Contábeis Este curso é eminentemente prático e é dirigido àqueles profissionais que não têm tempo para estudar

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Balanço Patrimonial - TAM

Balanço Patrimonial - TAM Balanço Patrimonial - TAM Grupo de Contas 2009 2009 2008 2008 2007 2007 Sem ajuste Com ajuste Sem ajuste Com ajuste Sem ajuste Com ajuste Ativo 3.794.414 3.794.414 3.670.788 3.670.788 4.127.250 4.127.250

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices Análise das Demonstrações Financeiras Análise de Índices Análise de Índices Relaciona itens e grupos de itens do Balanço Patrimonial e do Demonstrativo de Resultados. É útil para a análise de crédito e

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução Introdução A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades operacionais e financeiras Deve garantir a adequada consecução

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho.

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho. 1. Histórico Análise de Balanço: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Uérito Cruz Na década de 30, surgiu dentro da empresa Du Pont, de Nemours, um modelo de análise da rentabilidade de empresa que

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS

SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS 1 Lins (SP), 16 de Março de 2012 À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. Ilmo.Sr. Diretor - Presidente Encaminhamos em anexo, o Relatório

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Avaliação do desempenho dos investimentos na empresa

Avaliação do desempenho dos investimentos na empresa P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 64 C A P Í T U L O 6 Avaliação do desempenho dos investimentos na empresa O capítulo anterior mostrou como a geração de lucro impulsiona o balanço patrimonial

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

Boletim. Contabilidade Financeira. Manual de Procedimentos. Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte)

Boletim. Contabilidade Financeira. Manual de Procedimentos. Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte) Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Financeira Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Índices econômico-fi nanceiros para análise

Leia mais

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104:

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Dados da Cia. Comercial Santarém: 1 Balanço Patrimonial de 19x8 e 19x9 19x8 19x9 Disponibilidades 2.000 4.000 Estoques

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 49% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 35% MARGEM DE EBITDA ATINGIU 29% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 3T06. As demonstrações financeiras

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas Universidade Federal do Pará Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I Professor: Héber Lavor Moreira Aluna: Ivanete Silva Caldas Turma: 010 Turno: Manhã Semestre/ Ano: 7º Sem/ 2007 Análise Econômico-Financeira

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA DE INVESTIMENTOS UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS ANÁLISE FUNDAMENTALISTA DE INVESTIMENTOS UMA FERRAMENTA PARA O SUCESSO ELABORADO POR : LAURO BARILLARI

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade III AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade III 1) Fixaçao dos Indices Padrões Elaboração dos índices padrões Comparação com os índices padrões 2) Análise

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DADOS SOBRE A EMPRESA... 3 Histórico... 3 Perfil Corporativo... 4 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS JOÃO RICARDO PINTO MACIEL BELÉM 2007 RESUMO O Presente artigo tem o objetivo de enaltecer

Leia mais