Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial"

Transcrição

1 Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial Introdução Estrutura do Controlador PID Efeito da Ação Proporcional Efeito da Ação Integral Efeito da Ação Derivativa Sintonia de Controladores PID Problemas Bibliografia Introdução Controladores do tipo Proporcional, Integral e Derivativo, comumente denominados de PID, são controladores largamente utilizados no cenário industrial. Segundo Aströn [1], entre 90 e 95% dos problemas de controle são solucionados empregando tais controladores, podendo considerá-los como o pão e a manteiga da engenharia de controle. Tal utilização deve-se ao fato deste controlador ser facilmente implementável, de baixo custo e versátil com capacidade de alterar os comportamentos transitório e de regime permanente dos processos sob controle. Atualmente, a maioria dos processos automatizados que utilizam Controladores Lógicos Programáveis CLP s, possuem em suas malhas de controle algoritmos PID, cabendo aos engenheiros e técnicos resposáveis pelo processo a tarefa de sintonia dos parâmetros dos controladores. De acordo com [1], a principal razão para a baixa performance de processos automatizados está relacionada a problemas em válvulas, sensores e a sintonia incorreta dos controladores PID empregados junto aos processos. Nesta aula será apresentada a estrutura básica de um controlador do tipo PID, discutindo-se o efeito que cada uma das ações Proporcional, Integral e Derivativa causa sobre a variável do processo a ser controlada. Estrutura do Controlador PID De forma a apresentar a estrutura de um controlador PID, considera-se inicialmente o sistema de controle em malha-fechada apresentado na Figura 8.1. r(t) e(t) Controlador u(t) Processo y(t) _ Fig. 8.1: Diagrama de blocos de um sistema de controle em malha-fechada. Em linhas gerais a tarefa do controlador apresentado na Figura 8.1 é a de, com base no sinal de diferença existente entre o sinal de referência r(t) e o sinal de saída y(t), gerar em sua saída um sinal de controle u(t) que seja capaz de corrigir e se possível anular tal diferença. No caso específico do controlador PID, a lei de controle descrita pelo bloco do controlador é composta de três termos, i.e, Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 1

2 u(t) u (t) u (t) u (t) (8.1) p Cada um dos termos do lado direito da equação (8.1) são individualmente associados a cada um dos tipos de ações do controlador. Em nível de blocos, o controlador PID apresentado na Figura 8.1, pode ser representado conforme a Figura 8.2. Nesta representação observa-se que o sinal de erro e(t) é utilizado como entrada em três blocos distintos. i d K u p (t) e(t) K i (.) dt u i (t) u(t) d(.) K d dt u d (t) Controlador PID Fig. 8.2: Diagrama de blocos de um controlador do tipo PID. O bloco superior, constituído de uma constante K, é o responsável pela ação proporcional do controlador. O sinal de saída deste bloco é dado pela seguinte equação: u p (t) Ke(t) (8.2) De forma análoga, pode-se escrever os sinais de saída relativos aos blocos integral e derivativo, apresentados nas equações (8.3) e (8.4), i.e. u i (t) K i e(t) dt (8.3) de(t) u d (t) K d (8.4) dt O efeito de cada uma destas ações e suas implicações no comportamento dinâmico de um sistema de controle serão apresentados na seqüência. Efeito da Ação Proporcional O efeito das ações proporcional, integral e diferencial será analisado considerando-se com exemplo um sistema de controle de velocidade apresentado na Figura 8.3. r(t) _ e(t) K p u(t) Amplificador de Potência Motor e Carga s 100 s 36 y(t) Fig. 8.3: Exemplo de um sistema de controle de velocidade com controle proporcional. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 2

3 Consideremos, por simplicidade, que a análise do efeito da variação do ganho proporcional será realizada admitindo um sinal de referência r(t) do tipo degrau. Pode-se observar pelas Figuras 8.4 e 8.5, que o aumento do ganho proporcional tem impacto direto na rapidez da curva de resposta do sistema, na máxima sobrepassagem do sinal de saída e no valor do erro de regime permanente. A rapidez da curva de resposta do sistema e a máxima sobrepassagem devem-se ao fato de que o incremento do ganho proporcional ocasiona um incremento na freqüência 0dB tendo por conseqüência um aumento na largura de banda do sistema de controle em malha-fechada. Uma vez que a curva de fase do sistema permanecerá inalterada independentemente do valor associado ao ganho K p, a margem de fase deste sistema irá diminuir implicando aumento na máxima sobrepassagem. Fig. 8.4: Respostas ao degrau e seus respectivos sinais de controle para quatro valores distintos de ganhos proporcional: caso 1: K=100, caso 2: K=50, caso 3: K=20 e caso 4: K=10. Fig. 8.5: Respostas em freqüência do sistema de controle da Figura 8.3 para quatro valores distintos de ganhos proporcional: caso 1: K=100, caso 2: K=50, caso 3: K=20 e caso 4: K=10. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 3

4 O erro em regime permanente deste sistema pode ser analisado com base na sua função de transferência de malha-aberta, ou seja 100 G(s) K (s 100)(s 36) (8.5) Admitindo-se como referência um sinal do tipo degrau de amplitude unitária tem-se que o erro de regime permanente é dado por sendo 1 ess (8.6) 1 K p 100K K p lim G(s) s concluindo-se por (8.7) que o aumento do ganho do controlador proporcional diminuirá o erro de regime permanente apresentado na equação (8.6). Efeito da Ação Integral O efeito da ação integral será analisado com base em um controlador do tipo Proporcional Integral - PI. Neste caso será considerado constante o ganho proporcional K, variando-se apenas a constante de tempo de integral T i 1. A lei de controle associada a este tipo de controlador é apresentada na equação (8.8). 1 u(t) K e(t) e(t) dt Ti De forma similar a realizada no caso do controle puramente Proporcional, o efeito da variação da ação integral será observado nas curvas de resposta temporal da variável de saída do processo, Figura 8.6, e nas curvas de resposta em freqüência do sistema apresentadas nas Figuras 8.7. (8.7) (8.8) Fig. 8.6: Respostas ao degrau e seus respectivos sinais de controle para quatro valores distintos para a constante de tempo integral: caso 1: T i =0.05, caso 2: T i =0.02, caso 3: T i =0.01 e caso 4: T i =0.008, sendo em todos os casos admitido ganho proporcional K= Em muitas referências é citado o ganho integral como K i = K/T i. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 4

5 Observa-se que aumentando a ponderação da ação integral, o sistema fica mais oscilatório apresentando um sobrepasso mais elevado. Tal conclusão pode ser obtida diretamente da função de transferência do controlador PI, extraída da equação em (8.8), e das curvas de resposta em freqüência deste controlador para cada um dos casos estabelecidos na Figura 8.6, apresentados na Figura 8.8. s 1 Ti G PI (s) K (8.9) s Fig. 8.7: Resposta em freqüência do sistema de controle da Figura 8.3, com controlador PI, admitindo quatro valores distintos para a constante de tempo integral: caso 1: T i =0.05, caso 2: T i =0.02, caso 3: T i =0.01 e caso 4: T i =0.008, com ganho proporcional K=100. Fig. 8.8: Resposta em freqüência do controlador PI descrito em (8.9), para cada um dos casos considerados na Figura 8.7. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 5

6 1. Com base nas Figuras 8.7 e 8.8, explicar porque o sistema com controle Proporcional Integral torna-se mais oscilatório com o aumento do ganho integral K i. 2. Concluir, da mesma forma que foi realizado no caso do controle puramente proporcional, qual o influência no erro de regime permanente causada pelo controlador PI. As curvas de resposta em freqüência dos controladores proporcional, primeiro caso, e proporcional integral, segundo caso, diferem claramente em fase uma vez que a inclusão do pólo na origem ocasionada pela inserção do modo integral vem acompanhada de uma contribuição de fase de 90 o, impactando diretamente na margem de fase do sistema como um todo, controlador e processo. Observa-se também, nas curvas de resposta temporal apresentadas na Figura 8.6, que o aumento da ação integral fez com que o comportamento transitório do sistema em malha-fechada se torna-se predominante oscilatório. Efeito da Ação Derivativa Da mesma forma que no caso anterior, o efeito da ação derivativa será analisado com base em um controlador do tipo Proporcional Derivativo - PD. Neste caso será considerado constante o ganho proporcional K, variando-se apenas a constante de tempo derivativa T d. A lei de controle associada a este tipo de controlador é apresentada na equação (8.8), i.e. de(t) u(t) Ke(t) Td (8.8) dt A interpretação da ação derivativa pode ser realizada, admitindo-se a expansão em série de Taylor do sinal de erro predito T d segundos a frente do instante de tempo presente t, truncada no termo de primeiro ordem, dada por de(t) et Td e(t) Td (8.9) dt Fig. 8.9: Interpretação física da ação preditiva inserida pelo modo derivativo. Comparando as equações (8.8) e (8.9), observa-se que o sinal de controle resultante do controlador Proporcional Derivativo é proporcional ao valor do sinal de erro estimado T d segundos a frente, através de uma extrapolação linear ilustrada na Figura 8.9. Conforme observado em Aströn [1], em muitas aplicações práticas os sinais de referência são constantes por partes, significando que a parcela relativa a variável de referência, presente no sinal de erro, somente terá valor para a ação derivativa quando houver variação no Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 6

7 sinal de referência. Nestes instantes porém, a derivada tenderia a assumir valores infinitamente grandes, casos em que a extrapolação linear não se aplicaria. Da mesma forma, a extrapolação linear não é uma boa aproximação para sinais que variam rapidamente quando comparados ao horizonte de predição T d. De forma a minimizar tais problemas, o termo derivativo dos controladores Proporcionais Derivativos são comumentes realizados com base na seguinte função de transferência: KTds G d (s) (8.10) T 1 s d N Tal realização pode ser mais bem entendida como uma pré-filtragem, através de um filtro passa-baixas, do sinal de erro e(t), definido na Figura 8.1 como e(t) = r(t)-y(t). De forma similar a realizada no caso do controle puramente proporcional, o efeito da variação do ganho derivativo será observado nas curvas de resposta temporal da variável de saída do processo, Figura 8.10, e nas curvas de resposta em freqüência do sistema apresentadas nas Figuras 8.11, apresentadas na seqüência. Fig. 8.10: Respostas no tempo e em freqüência para quatro valores distintos de ganho derivativo: caso 1: T d =0.001, caso 2: T d =0.002, caso 3: T d =0.005 e caso 4: T d =0.01, sendo em todos os casos admitido ganho proporcional K=100. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 7

8 A Figura 8.11 apresentada a seguir, ilustra o comportamento em freqüência de um controlador Proporcional Derivativo, descrito pela função de transferência (8.11). KTds G PD (s) K (8.11) T 1 s d N Fig. 8.11: Resposta em freqüência do controlador PD, para cada um dos casos considerados na Figura 8.9, admitindo N= Conclua sobre o efeito da ação derivativa na resposta da variável de saída de um sistema operando em malha-fechada que utiliza um controlador do tipo PD. 2. Estabeleça as semelhanças existentes entre os controladores PI, PD e os controladores de atraso e avanço de fase. Estender a análise para o caso dos controladores PID e os controladores de atraso e avanço de fase. 3. Um dado sistema de controle apresenta as seguintes curvas de resposta em freqüência: Fig. 8.12: Diagrama de Bode de malha-aberta de um dado processo. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 8

9 i. Desenhar o diagrama de blocos do sistema operando apenas com o controlador PD (Proporcional e Derivativo), ressaltando o controlador e o processo; ii. Esquematizar o diagrama de blocos do controlador PD, com os blocos relativos a cada uma das ações, Proporcional e Derivativa; iii. Esboçar o sinal de saída de cada um destes blocos (bloco proporcional e bloco derivativo), admitindo como sinal de referência um degrau de amplitude unitária. iv. Com base no diagrama de bode do sistema, porque não é necessário empregar a ação integral do controlador PID para que este sistema siga um sinal de referência do tipo degrau com erro de regime permanente nulo. 4. Um motor de corrente contínua com excitação constante é representado por: v(t) di(t) Ri(t) L e(t) dt As grandezas v(t), i(t), R e L são, respectivamente, a tensão, a corrente, a resistência e a indutância de armadura do motor e e(t) é a tensão induzida na armadura, que é proporcional a velocidade do motor. No controle i(t), é utilizada uma fonte de tensão CC de saída variável que é modelada com um sistema de 1 ª ordem dado por: onde: Vr (s) V(s) stf 1 - V(s) e V r (s) são, respectivamente, as Transformadas de Laplace das tensões de saída da fonte de referência; - T f é a constante de tempo da fonte, igual a 0.5ms; Calcule os parâmetros K p e K i de um controlador PI contínuo para o controle i(t), conforme a Figura 8.12 abaixo, de forma a compensar por cancelamento, o pólo dominante do sistema s=-r/l e a definir um sistema de malha-fechada com pólos complexos s1,2 1 j 2Tf A tensão e(t) pode ser considerada nula no cálculo do controlador por variar lentamente. Os parâmetros do motor são R=0.5 e L=1.5 mh. Fig. 8.12: Diagrama de blocos do sistema de controle proposto. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 9

10 Sintonia de Controladores PID A tarefa de sintonia de controladores Proporcional, Integral e Derivativo, na maioria dos casos é realizada de forma empírica pelos operadores e técnicos responsáveis pelo processo sob controle. A tarefa basicamente consiste em variar os ganhos do controlador e avaliar o impacto destas variações junto a variável de saída do processo. Ainda assim, por vezes, encontrar o conjunto de ganhos satisfatórios para o início da operação de um dado processo pode resultar em uma tarefa enfadonha e nada sistemática. Visando sistematizar tal tarefa em 1942, Ziegler e Nichols [7] publicaram um trabalho que, com base em alguns dados experimentais do processo, o operador fosse capaz de determinar um conjunto de parâmetros iniciais, K p, K i e K d de controladores tipo PID. Este trabalho deu origem a dois métodos distintos de sintonia, conhecidos como métodos de Ziegler-Nichols, apresentados na seqüência. Primeiro Método Curva de Reação Com base nos métodos de modelagem de processos industriais através da análise do comportamento da variável de saída do processo operando em malha-aberta, empregando como sinal de referência um valor constante em sua entrada, apresenta-se nesta seção o procedimento para determinação dos parâmetros de sintonia de controladores PID baseado na função de transferência aproximada obtida por métodos de modelagem não-paramétrica de um processo dada pela equação s K ce Gp(s) (8.12) s 1 O conjunto de parâmetros iniciais que serão empregados no controlador PID, isto é, os ganhos proporcional, integral e derivativo, serão determinados com base nas tabelas 8.1 e 8.2. Observa-se que tais valores correspondem ao ponto inicial de ajuste dos parâmetros do controlador para aqueles processos que apresentam características de auto-regulação. Controlador Ziegler-Nichols Cohen-Coon 3C Proporcional KK c KK c KK c Proporcional Integral KK c 0.9 T i KK c T i KK c T i Tabela 8.1: Parâmetros do controlador P e PI. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 10

11 Controlador Ziegler-Nichols Cohen-Coon 3C Proporcional Integral Derivativo KK c 1.2 T i 2.0 T d KK c T i T d Tabela 8.2: Parâmetros do controlador PID. KK c T i T d A tabela 8.1 e 8.2 apresentam os procedimentos de cálculo a ser utilizado para determinação dos ganhos de controladores do tipo Proporcional, Proporcional Integral e Proporcional Integral e Derivativo, sendo Kp K, Ki = K / T i e Kd = KTd. 6. Determine um modelo equivalente de primeira ordem com atraso de transporte do processo representado pela função de transferencia G(s). O diagrama de simulação e a resposta temporal a uma entrada do tipo degrau unitário são apresentadas nas Figuras 8.13 e Preencha a tabela 8.3 empregando os métodos apresentados. 2 1 G(s) (s 0.5)(s 1)(s 1)(s 2) (8.13) Fig. 8.13: Sistema original e aproximado. 2 Este exercício foi desenvolvido na nota de aula nº 9. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 11

12 Fig. 8.14: Resposta temporal do sistema G(s) original. Método 1 Atraso de Transporte () Constante de Tempo (T) Ganho (K) Método 2 Método 3 Tabela 8.3: Parâmetros das funções de transferencias aproximadas utilizando os métodos apresentados. 7. Determine o ajuste do controlador (P, PI e PID), empregando as Tabelas 8.1 e 8.2, para o sistema de controle apresentado na Fig O processo G(s) é definido pela equação 8.13 e.os parâmetros do sistema aproximado são apresentados na tabela 8.3. ref(t) _ e(t) Controlador u(t) G(S) y(t) Fig.8.15: Sistema de controle em malha-fechada. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 12

13 Segundo Método - Sensibilidade Limiar Para empregar diretamente esse método de Ziegler-Nichols no ajuste dos ganhos do controlador PID é utilizado a representação do controlador PID apresentada na equação PID( s) K 1 Td s (8.14) Ti s onde K é o ganho do controlador, T i é a constante de tempo do modo integral e T d é a constante de tempo do modo derivativo. O método de Ziegler-Nichols consistem em ajustar um ganho K cr de maneira que o sistema apresente uma oscilação sustentada na saída para um sinal de referencia do tipo degrau. O diagrama de blocos para realizar este teste é apresentado na Fig Obtendo o valor de ganho critico e o período da oscilação do sinal de saída emprega-se a tabela 8.4 para encontrar os ganhos do controlador. - K CR G(s) H(s) P CR Fig. 8.16: Diagrama de blocos para identificar o ganho e período critico. Tipo Controlador K p T i T d P 0.5*K cr 0 PI 0.45*K cr (1/1.2)*P cr 0 PID 0.6*K cr 0.5*P cr 0.125*P cr Tabela 8.4: Método de Ziegler-Nichols para ajuste de PID. Para empregar este método o sistema deve ser capaz de instabilizar com o aumento do ganho. Um sistema que é naturalmente estável para qualquer ganho positivo não pode produzir uma oscilação sem amortecimento no sinal de saída. O procedimento para encontrar o ganho e o período critico é experimental, não há necessidade do conhecimento explicito da função de transferencia do sistema, basta conhecer sua resposta em freqüência. Entretanto, conhecida a função de transferencia do processo pode ser utilizado o critério de Routh para avaliar a estabilidade. Os valores encontrados de ganho não garantem uma característica de resposta temporal predeterminada, apenas indica uma região de operação favorável. Deve ser feito um ajuste manual em cada ganho para obter a característica de resposta desejada. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 13

14 8. Um dado sistema de controle apresenta na Figura 8.17, com a função de transferência do processo G(s) dada pela equação Determine: i. Empregar o método de ajuste de controladores Ziegler-Nichols - para determinação dos ganhos dos controladores P, PI e PID; ii. Especificar utilizando o método do LGR, a característica (sobresinal, erro de regime e tempo de estabilização) da resposta temporal do sistema com o controlador proporcional com o ganho ajustado no item i. Como é possível melhorar a performance deste sistema de controle? Justifique sua resposta. iii. Especificar utilizando o método do LGR, a característica (sobresinal, erro de regime e tempo de estabilização) da resposta temporal do sistema com o controlador proporcional e integral ( PI ) com os ganhos ajustados no item i. Como é possível melhorar a performance deste sistema de controle? Justifique sua resposta. iv. Especificar utilizando o método do LGR, a característica (sobresinal, erro de regime e tempo de estabilização) da resposta temporal do sistema com o controlador proporcional, integral e derivativo ( PID ) com os ganhos ajustados no item i. Como é possível melhorar a performance deste sistema de controle? Justifique sua resposta. R(s) E(s) Controlador U(s) G(s) Y(s) - Fig. 8.17: Sistema de controle K G(s) s(s 36)(s 100) (8.15) 9. Um dado sistema de controle apresenta as seguintes curvas de resposta em freqüência: Fig. 8.18: Resposta em freqüência de um sistema de controle. Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 14

15 i. Empregar o método de ajuste de controladores exposto em aula Ziegler-Nichols - para determinação dos ganhos do controlador PID; ii. Desenhar o diagrama de blocos do sistema operando apenas com o controlador PD (Proporcional e Derivativo), ressaltando o controlador e o processo; iii. Esquematizar o diagrama de blocos do controlador PD, com os blocos relativos a cada uma das ações, Proporcional e Derivativa; iv. Esboçar o sinal de saída de cada um destes blocos (bloco proporcional e bloco derivativo), admitindo como sinal de referência um degrau de amplitude unitária. v. Com base no diagrama de bode do sistema, porque não é necessário empregar a ação integral do controlador PID para que este sistema siga um sinal de referência do tipo degrau com erro de regime permanente nulo. Bibliografia [1] Aströn, K. J., Hägglund, T., PID Control, The Control Handbook, IEEE Press, [2] Aströn, K. J., Hägglund. T., PID Controllers, Theory, Design and Tuning, 2 º Edition, Instrument Society of America, [3] Wolovich, W.A., Automatic Control Systems, Saunders College Publishing. [4] Nise, N.S., Control System Engineering, Addison-Wesley Publishing Company, Second Edition. [5] Franklin, G.F., Powell, J.D. & Naeini, E., Feedback Control of Dynamics Systems, Addison-Wesley Publishing Company. [6] Dorf, R.C. & Bishop, R.H., Modern Control Systems, Addison-Wesley Publishing Company. [7] Ziegler, J.G. and Nichols, B.N., Optimum Settings for Automatic Controllers, Transactions of the ASME, Vol.64, n 11, Nov.1942 Professores: Luís Fernando Alves Pereira & José Felipe Haffner 15

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Sistemas de Controle com

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski ESCOLA NAVAL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Na aula passada vimos Compensação de sistemas Efeitos da Adição de pólos e zeros Compensadores de Avanço de Fase

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva Controlador Proporcional Controlador PI A Relação entre a saída e o

Leia mais

Projeto de sistemas de controle

Projeto de sistemas de controle Projeto de sistemas de controle Os controladores clássicos encontrados na literatura podem ser classificados como: Controladores de duas posições (ou on-off). Controladores proporcionais. Controladores

Leia mais

Métodos de Sintonização de Controladores PID

Métodos de Sintonização de Controladores PID 3ª Aula de Controlo Inteligente Controlo PI iscreto Métodos de Sintonização de Controladores PI Os controladores PI são muito utilizados em aplicações industrias. A função de transferência que define o

Leia mais

Função de Transferência de Malha Fechada

Função de Transferência de Malha Fechada Função de Transferência de Malha Fechada R(s) B(s) + - E(s) Controlador Gc(S) U(s) Sensor G(S) Planta C(s) C(s)=G(s)*U(s) H(S) C(s)=G(s)*Gc(s)*E(s) C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-B(s) ] C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-H(s)*C(s)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Sistemas Embarcados. Controladores PI, PD e PID

Sistemas Embarcados. Controladores PI, PD e PID Sistemas Embarcados Controladores PI, PD e PID Controladores PI, PD e PID O que são os controladores PI, PD e PID? Aplicações dos controladores Implementação analógica dos controladores Implementação digital

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Me todos de Ajuste de Controladores

Me todos de Ajuste de Controladores Me todos de Ajuste de Controladores Recapitulando aulas passadas Vimos algumas indicações para a escolha do tipo de controlador feedback dependendo da malha de controle que está sendo projetada. Vimos

Leia mais

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos Curso de Instrumentista de Sistemas Fundamentos de Controle Prof. Msc. Jean Carlos Ações de controle em malha fechada Controle automático contínuo em malha fechada Ação proporcional A característica da

Leia mais

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Hector Bessa Silveira e Daniel Coutinho 2012/2 1 Objetivos Neste próximos laboratórios, utilizar-se-á

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

Análise de Erro Estacionário

Análise de Erro Estacionário Análise de Erro Estacionário Sistema de controle pode apresentar erro estacionário devido a certos tipos de entrada. Um sistema pode não apresentar erro estacionário a uma determinada entrada, mas apresentar

Leia mais

TG-01-2012-EL. e-mail 1 : diego190103@gmail.com; e-mail 2 : ffpuccia@uol.com.br; e-mail 3 : peleggi@ig.com.br;

TG-01-2012-EL. e-mail 1 : diego190103@gmail.com; e-mail 2 : ffpuccia@uol.com.br; e-mail 3 : peleggi@ig.com.br; Controle de ângulos de azimute e de elevação num sistema Aeroestabilizador Diego Amorim 1 ; Filipe Puccia 2 & Regis Peleggi 3. Orientador: Alexandre Brincalepe Campo. TG-01-2012-EL 1, 2,3 Graduandos do

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Baseado no trabalho Controlo de Velocidade de um motor DC de E. Morgado, F. Garcia e J. Gaspar João Miguel Raposo Sanches 1 o

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG437 Sistemas de Controle Digitais Introdução Controladores PID Prof. Walter Fetter Lages 2 de maio

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS

CONTROLO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS Lugar Geométrico das Raízes PROJECTO E ANÁLISE DA RESPOSTA TRANSITÓRIA E ESTABILIDADE Parte 1/3 - Compensação

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

CONTROLE DE NÍVEL UTILIZANDO ALGORITMO PID IMPLEMENTADO NO CLP

CONTROLE DE NÍVEL UTILIZANDO ALGORITMO PID IMPLEMENTADO NO CLP CONTROLE DE NÍVEL UTILIZANDO ALGORITMO PID IMPLEMENTADO NO CLP Felipe Martins Guimarães felipem.guimaraes@hotmail.com Instituto Nacional de Telecomunicações Inatel Nataniele Thaís do Nascimento na.niele@tai.inatel.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos J. Franco M. Amaral, M. A. C. Pacheco, R. Tanscheit DEE-PUC-Rio, CP 38063, 22452-970 Rio de Janeiro, RJ e-mail: [jfranco, marco, ricardo]@ele.puc-rio.br

Leia mais

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2 REFERENCIAL TEÓRICO SINTONIA DE UM CONTROLADOR PID EM UM SISTEMA DE CONTROLE DE VAZÃO Vinícius Pereira Pires Aluno da Faculdade de Engenharia Curso de Engenharia Química Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU GABRIEL FONSECA FALEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU GABRIEL FONSECA FALEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU GABRIEL FONSECA FALEIROS HEURÍSTICA ITERATED LOCAL SEARCH APLICADA A PROBLEMAS DE SINTONIA

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2005/2006 Controlo de velocidade de um motor D.C. Elaborado por E. Morgado 1 e F. M. Garcia 2 Reformulado

Leia mais

Introdução AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. No domínio do tempo. No domínio da freqüência. Função de transferência. Módulo e fase da função de transferência

Introdução AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. No domínio do tempo. No domínio da freqüência. Função de transferência. Módulo e fase da função de transferência AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Introdução Introdução Análise no domínio do tempo Resposta ao degrau Resposta à rampa Aula anterior Resposta à parábola Análise no domínio da freqüência Diagramas de Bode Diagrama

Leia mais

Root Locus (Método do Lugar das Raízes)

Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Ambos a estabilidade e o comportamento da resposta transitória em um sistema de controle em malha fechada estão diretamente relacionadas com a localização das raízes

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE CONTROLE. Semestral 60 horas Sistema de avaliação: I

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE CONTROLE. Semestral 60 horas Sistema de avaliação: I PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE CONTROLE Semestral 60 horas Sistema de avaliação: I EMENTA Conceitos, definições, classificação, realimentação, descrição, terminologia, procedimentos de projeto e caracterização

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Aula 28 EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Prof. Ricardo C.L.F. Oliveira Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Controle II

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Controle II Universidade Presbiteriana Mackenzie Curso de Engenharia Elétrica Controle II Notas de Aula Prof. Marcio Eisencraft Segundo semestre de 004 Universidade Presbiteriana Mackenzie Curso de Engenharia Elétrica

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

Filtro de Kalman. Plano Básico Processos Estocásticos

Filtro de Kalman. Plano Básico Processos Estocásticos Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Educação Tutorial - PET Plano Básico Processos Estocásticos Filtro de Kalman Autores: Abnadan de Melo

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR Arthur Rosa, Everton Adriano Mombach e Rafael Bregalda. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Chapecó Santa Catarina Brasil Curso Superior de Engenharia

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA-AERONÁUTICA MPS-43: SISTEMAS DE CONTROLE APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Prof. Davi Antônio dos Santos (davists@ita.br) Departamento de Mecatrônica

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA UM AMBIENTE CONSTRUÍDO. Ives Soares de Oliveira*, Ronilson Rocha*,

Leia mais

Método analítico para o traçado da polar de arrasto de aeronaves leves subsônicas aplicações para a competição Sae-Aerodesign

Método analítico para o traçado da polar de arrasto de aeronaves leves subsônicas aplicações para a competição Sae-Aerodesign SIMPÓSIO INTERNAIONA E IÊNIAS INTEGRAAS A UNAERP AMPUS GUARUJÁ Método analítico para o traçado da polar de arrasto de aeronaves leves subsônicas aplicações para a competição Sae-Aerodesign uiz Eduardo

Leia mais

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Leonardo de Carvalho Vidal leonardo.carvalho.vidal@hotmail.com AEDB, UBM, UNIFEI Tiago Martins de Oliveira

Leia mais

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.4. Máquina de Corrente Contínua. regime de funcionamento. 1. Introdução 2004 / 2005

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.4. Máquina de Corrente Contínua. regime de funcionamento. 1. Introdução 2004 / 2005 TLME-2.4 1 MÁQUINS ELÉCTRICS II SE 2004 / 2005 FEUP LEEC TLME-2.4 Máquina de Corrente Contínua regime de funcionamento 1. Introdução Uma máquina eléctrica encontra-se a funcionar em regime permanente,

Leia mais

Tipos de controladores e funcionamento

Tipos de controladores e funcionamento Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ141- INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS custo Malhas Outros Processos de controle: de Separação Tipos de controladores e funcionamento

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

A função de transferência do processo, considerando um sistema de primeira ordem com atraso e invariante no tempo, é a seguinte:

A função de transferência do processo, considerando um sistema de primeira ordem com atraso e invariante no tempo, é a seguinte: Processo A função de transferência do processo, considerando um sistema de primeira ordem com atraso e invariante no tempo, é a seguinte: K=26.4 Ganho L=203 Atraso em ms τ=334 Constante de tempo em ms.

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLO. Objectivos Pedagógicos

SISTEMAS DE CONTROLO. Objectivos Pedagógicos SISTEMAS DE CONTROLO Responsável: Prof. Doutor João Miguel Gago Pontes de Brito Lima Atendimento (Gab. 2.63): Terça e Quarta das 11:00 à 13:00 Objectivos Pedagógicos Pretende-se com esta disciplina fornecer

Leia mais

Sintonia Automática e Adaptação

Sintonia Automática e Adaptação 1 Sintonia Automática e Adaptação 1. Introdução A sintonia automática é a combinação dos métodos de determinação da dinâmica do processo com os métodos de cálculo dos parâmetros de um controlador PID;

Leia mais

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1 Circuitos de 2 ª ordem: RLC Parte 1 Resposta natural de um circuito RLC paralelo Veja circuito RLC paralelo abaixo: A tensão é a mesma e aplicando a soma de correntes que saem do nó superior temos: v R

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Controle automático de processo Processos Contínuos: são aqueles que possuem saídas contínuas como, por exemplo, processos de geração de energia. Processos

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Alunos: Marcos Civiletti de Carvalho e Camila Schuina Orientador: Carlos Roberto Hall Barbosa

Leia mais

ALGORITMO GENÉTICO APLICADO NO CONTROLE DE POSIÇÃO DO ROTOR DE UM MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA COM REJEIÇÃO A DISTÚRBIOS POR AÇÃO FEEDFORWARD

ALGORITMO GENÉTICO APLICADO NO CONTROLE DE POSIÇÃO DO ROTOR DE UM MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA COM REJEIÇÃO A DISTÚRBIOS POR AÇÃO FEEDFORWARD UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO E AUTOMAÇÃO ÁDLLER DE OLIVEIRA GUIMARÃES ALGORITMO GENÉTICO APLICADO NO CONTROLE DE POSIÇÃO DO ROTOR DE UM

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES 1) MOTORES Motores de passo e servo-motores (com ou sem escovas) têm cada um suas respectivas vantagens e desvantagens. Em geral não existe

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB

ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB ELABORAÇÃO DE UM TOOLBOX DE CONTROLE PREDITIVO DO TIPO CONTROLE PREDITIVO POR MATRIZ DINÂMICA (DMC) NO SCILAB Mardoqueu de Oliveira Neto mardoqueu6@hotmail.com Gustavo Maia de Almeida gmaia@ifes.edu.br

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros

6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros 6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se um sistema de acompanhamento de alvos do tipo pan-tilt atuado por motores de corrente contínua e fixo em um corpo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Sinais e Sistemas CÓDIGO: MEE003 Validade: A partir do 1º semestre de 2009. Carga Horária: 5 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Modelagem e Controle de Sistemas / Disciplinas

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Sistemas e Controle

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Sistemas e Controle Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Sistemas e ontrole EES-5/ ELE/AES Engenharia de ontrole LAB : rojeto e Simulação de ontrolador com ealimentação de

Leia mais

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES José Alberto Naves Cocota Júnior cocota@em.ufop.br Ludmila Paola Pereira Iwasaki ludmilavpl@hotmail.com Pedro Henrique Lopes Faria lopesfaria@hotmail.com

Leia mais

PID control. (proportional, integral, derivative)

PID control. (proportional, integral, derivative) PID control (proportional, integral, derivative) Esta é uma matéria vasta e complexa, que envolve conceitos de matemática avançada (cálculo de integrais), para além do domínio de todas as variáveis onde

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Teórico-Práticas Mestrado em BBC, 2008/2009 1 Capítulo 1 Nos exercícios 1) e 2) suponha que o crescimento é exponencial. 1. Entre 1700 e 1800 a população humana

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência Introdução; Mapeamento de Contornos no Plano s; Critério de Nyquist; Estabilidade Relativa; Critério de Desempenho no Domínio do Tempo Especificado no Domínio da Freqüência;

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Programa de pós-graduação em engenharia de recursos hídricos e ambiental TH705 Mecânica dos fluidos ambiental II Prof. Fernando Oliveira de Andrade Problema do fechamento

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SINTONIA DE CONTROLADORES PID COM CONTROLE ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

SP 04/92 NT 141/92. Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo. Engº Luiz Henrique Piovesan. 1. Introdução

SP 04/92 NT 141/92. Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo. Engº Luiz Henrique Piovesan. 1. Introdução SP 04/92 NT 141/92 Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo Engº Luiz Henrique Piovesan 1. Introdução Apesar de velocidade ser um conceito claro para os profissionais de tráfego, há uma certa

Leia mais

Aula 11 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte I

Aula 11 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte I Aula 11 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte I Sistema de malha fechada G(s) G(s) G(s) Sistema de malha fechada K O Root Locus é o lugar geométrico dos polos do sistema de malha fechada,

Leia mais

Ajuste de Controle PID utilizando Algoritmo Genético

Ajuste de Controle PID utilizando Algoritmo Genético Centro Universitário de Brasília UniCEUB FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FATECS Curso de Engenharia da Computação Hugo de Souza Santos Ajuste de Controle PID utilizando Algoritmo

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL 1 DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL Carlos Henrique Gonçalves Campbell Camila Lobo Coutinho Jediael Pinto Júnior Associação Educacional Dom Bosco 1. Objetivo do Trabalho Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia Mecânica com linha de formação específica em Engenharia Mecatrônica

Engenharia Mecânica com linha de formação específica em Engenharia Mecatrônica Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica com linha de formação específica em Engenharia Mecatrônica Disciplina Circuitos Elétricos Professor(es) Cintia Bertoni Bueno Martha

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Aula 13 Análise no domínio da frequência

Aula 13 Análise no domínio da frequência Aula 13 Análise no domínio da frequência A resposta em frequência é a resposta do sistema em estado estacionário (ou em regime permanente) quando a entrada do sistema é sinusoidal. Métodos de análise de

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

Díodo de Junção Semicondutora

Díodo de Junção Semicondutora íodo de Junção emicondutora ispositivos Eletrónicos Licenciatura em Engenharia Electrónica C. Ferreira Fernandes 2012-13 Laboratório de ispositivos Electrónicos ÍOO E JUNÇÃO Material utilizado: Placa de

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES

ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA I PROFESSOR: LADEMIR DE J. S. OLIEIRA ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES 1. AMPLIFICADORES EM CASCATA Nos amplificadores em cascata o ganho sofre influência

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br

**Transformadores MEGA Ltda. Caixa Postal 6302 CEP 89068-970 - Blumenau - SC Fone/Fax 047 337 2000 mega@braznet.com.br Modelagem Estática e Dinâmica do Comportamento de Materiais Magnéticos sob Regimes Senoidais Puro e Com Harmônicos Sérgio H. L. Cabral* Thair I. Mustafa* André Carvalho** Jonas B. N. Coral** *Fundação

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais