FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS DAVID GRADVOHL DE MACÊDO ANÁLISE DOS ANTECEDENTES À RESISTÊNCIA A SISTEMAS EMPRESARIAIS: UMA ABORDAGEM EXPLANO-EXPLORATÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS DAVID GRADVOHL DE MACÊDO ANÁLISE DOS ANTECEDENTES À RESISTÊNCIA A SISTEMAS EMPRESARIAIS: UMA ABORDAGEM EXPLANO-EXPLORATÓRIA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS DAVID GRADVOHL DE MACÊDO ANÁLISE DOS ANTECEDENTES À RESISTÊNCIA A SISTEMAS EMPRESARIAIS: UMA ABORDAGEM EXPLANO-EXPLORATÓRIA Rio de Janeiro 2011

2 ii DAVID GRADVOHL DE MACÊDO ANÁLISE DOS ANTECEDENTES À RESISTÊNCIA A SISTEMAS EMPRESARIAIS: UMA ABORDAGEM EXPLANO-EXPLORATÓRIA Dissertação apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial. Orientador Acadêmico: Prof. Dr. Luiz Antonio Joia. Rio de Janeiro 2011

3 iii Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Mario Henrique Simonsen/FGV Macêdo, David Gradvohl Análise dos antecedentes à resistência a sistemas empresariais: uma abordagem explano-exploratória / David Gradvohl Macêdo f. Dissertação (mestrado) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. Orientador: Luiz Antonio Joia. Inclui bibliografia. 1. Desenvolvimento organizacional. 2. Comportamento organizacional. 3. Sistemas de informação gerencial. 4. Tecnologia da informação. I. Joia, Luiz Antonio. II. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. III. Título. CDD

4 iv DAVID GRADVOHL DE MACÊDO ANÁLISE DOS ANTECEDENTES À RESISTÊNCIA A SISTEMAS EMPRESARIAIS: UMA ABORDAGEM EXPLANO-EXPLORATÓRIA Dissertação apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial. APROVADA: 20 de abril de BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Luiz Antonio Joia EBAPE/FGV Prof. Dr. Rafael Guilherme Burstein Goldszmidt EBAPE/FGV Prof. Dr. Flavio Carvalho de Vasconcelos EBAPE/FGV Prof. Dr. Cesar Alexandre de Souza USP

5 v Dedicatória Para Hélio (in memorian) e Regina Macêdo

6 vi Agradecimentos Acredito que a consecução do alcance de objetivos nas diversas dimensões de nossas vidas ocorre principalmente por meio de esforços particulares, no entanto iniciativas isoladas são insuficientes caso não nos valhamos do auxílio de pessoas valorosas e importantes. Sem a pretensão de enumerar tais pessoas por ordem hierárquica de importância aproveito a oportunidade formal de oferecer meus agradecimentos: Ao professor orientador Dr. Luiz Antonio Joia pelos rumos indicados e orientações sempre realizadas com a polidez e presteza inerentes à sua personalidade, refletindo seu amor pela profissão, fatos que me proporcionaram bastante honra e satisfação em conhecer tão brilhante pessoa. Aos professores da EBAPE/FGV, em especial ao professor Rafael Goldszmidt pelos ensinamentos e suporte concernentes à análise multivariada de dados, ferramenta de fundamental importância para a execução do presente trabalho de pesquisa. Ao Mestre Luciano Gaete que colaborou com a formação da base de dados utilizada na realização da pesquisa. À Petróleo Brasileiro S/A (Petrobras) nas figuras de Daniel Lima de Oliveira, Luzimar Queirolo Thorstensen, Sonia Maria dos Santos Silva, Marta Miryam Bento Leal e Wagner Germano da Cunha, pelo apoio e patrocínio necessários para a realização dessa iniciativa. Às famílias dos tios Helder Bomfim de Macêdo, Socorro Bruno de Macêdo e Branca Gradvohl Stul que me auxiliaram a superar o período mais delicado de minha vida, causando em minha pessoa um sentimento de gratidão eterna.

7 vii Aos meus pais, fontes de inspiração para meus anseios acadêmicos e essenciais para minha formação no sentido lato do termo, pelo amor e afeto a mim dispensados. Nesse contexto, ressalto a importância de minha mãe, que a partir da ida precoce e repentina de meu pai, assumiu as funções desempenhadas por ambos, me apoiando durante os momentos mais lancinantes. Aos amigos, que conheci nos mais variados locais onde estive, pelo compartilhamento do aprendizado. Sem o apoio de todas as pessoas supracitadas, a conquista dessa realização pessoal e profissional seria simplesmente impossível.

8 viii Espere o melhor, prepare-se para o pior e receba o que vier. Provérbio Chinês

9 ix RESUMO O objetivo desse estudo explano-exploratório é determinar os antecedentes à resistência a sistemas empresariais. Com esse intuito, por meio de levantamento bibliográfico: (a) conceituou-se o comportamento de resistência, (b) identificaram-se os fatores que influenciam o comportamento de resistência, (c) definiu-se o objeto do comportamento de resistência, (d) elaborou-se um meta-modelo contendo os fatores que influenciam o comportamento de resistência e (e) desenvolveu-se o questionário estruturado como instrumento de coleta de dados. Durante o período de aplicação do instrumento de coleta de dados foram obtidos 169 questionários válidos, preenchidos por gestores de tecnologia da informação. A partir dos dados obtidos, a pesquisa valeu-se das técnicas de análise fatorial exploratória, análise fatorial confirmatória e modelagem de equações estruturais para confirmar o modelo proposto por teorias do campo de gerenciamento de sistemas de informação. No entanto, verificou-se que o meta-modelo de resistência a sistemas empresariais, apresentando: (a) as características idiossincráticas das pessoas ou grupos, (b) as características dos sistemas a serem implantados e (c) a interação das características pessoais e do sistema com o contexto organizacional, subdividida em interação sócio-técnica e interação poder e política, não se confirmou na realidade estudada. Dessa forma, após modificações no meta-modelo inicial, identificou-se um modelo onde os fatores Sistemas e Inclinação Pessoal explicaram aproximadamente 49% da variância do fenômeno de comportamento de resistência a sistemas empresariais. Palavras-chave: Resistência a Sistemas de Informação; Sistemas Integrados de Gestão; ERP; Tecnologia da Informação, Modelagem de Equações Estruturais.

10 x ABSTRACT The aim of this explanatory-exploratory study is to determine the predecessors to informational systems resistance. With this aim, by reviewing pertinent literature, (a) the behavior of resistance was conceptualized, (b) the factors that influence the behavior of resistance were identified, (c) the object of the behavior of resistance was set-up, (d) a metamodel containing the factors that influence the resistance behavior was built-up, and (e) a structured questionnaire was developed as a data collection instrument. During the application of the data collection instrument it was obtained 169 valid questionnaires filled by IT managers. From the data obtained, the research drew on exploratory factor analysis, confirmatory factor analysis and structural equation modeling techniques to confirm the model built on theories regarding the Management Information System (MIS) field. However, it was found that the meta-model showing: (a) the idiosyncratic characteristics of individuals or groups, (b) the characteristics of the systems to be deployed and (c) the interaction between personal characteristics and system attributes with the organizational context, subdivided in socio-technical interaction and power and politics interaction, was not confirmed in the study. Thus, after changes in the initial meta-model, it was identified a model whose Systems and Personal Inclination factors explain about 49% of the variance related to resistance to enterprise systems. Keyword: Information Systems Resistance; Integrated Management Software; ERP; Information Technology, Structural Equation Modeling.

11 xi SUMÁRIO FIGURAS, QUADROS E TABELAS... xiii 1. INTRODUÇÃO Contextualização Relevância do Problema Justificativa da Escolha do Tema PROBLEMÁTICA Pergunta de Pesquisa Objetivo Final Objetivos Intermediários Delimitação da Pesquisa Resultados Esperados REFERENCIAL TEÓRICO Definindo Resistência Fatores Antecedentes à Resistência a Sistemas de Informação Sistemas ERP MODELO PROPOSTO E HIPÓTESES DE PESQUISA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Objetivos Procedimentos Estatísticos Análise Fatorial Exploratória Universo e Amostra Coleta de Dados Tratamento dos Dados Premissas Básicas Adotadas Limitações do Método RESULTADOS Análise Fatorial Exploratória do Fator Dependente Análise Fatorial Exploratória dos Fatores Independentes Identificação dos Fatores Fator 1 Sistemas Fator 2 Poder e Política Fatores 3 e 4 Pessoas Análise Fatorial Confirmatória Modelo Estrutural Novo Modelo e Reformulação das Hipóteses de Pesquisa OBSERVAÇÕES FINAIS Discussão Implicações Gerenciais e Acadêmicas... 89

12 xii 7.3. Limitações da Pesquisa Recomendação para Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS ANEXO I AFC DO MODELO DE MENSURAÇÃO (AMOS OUTPUT) ANEXO II AFC APÓS RETIRADA DA DIMENSÃO PODER E POLÍTICA (AMOS OUTPUT) ANEXO III MODELO ESTRUTURAL APÓS AFC (AMOS OUTPUT) ANEXO IV MODELO ESTRUTURAL APÓS RETIRADA DA DIMENSÃO INTERESSE PESSOAL (AMOS OUTPUT)

13 xiii FIGURAS, QUADROS E TABELAS Figura 1 Meta-Modelo Teórico Figura 2 Etapas da SEM Figura 3 Estágios para a Realização da Análise Fatorial Exploratória Figura 4 Modelo de Mensuração (4 Fatores) Figura 5 Modelo Estrutural (3 Fatores) Figura 6 Modelo Estrutural (2 Fatores) Quadro 1 Fatores de Markus (1983) e Antecedentes de Hirschheim e Newman (1988) Quadro 2 Fatores do Modelo e seus Respectivos Indicadores Quadro 3 Classificação do Alfa de Cronbach Quadro 4 Parâmetros dos Índices de Ajuste do Modelo Quadro 5 Informações Demográficas Quadro 6 Características do Respondente e da Empresa Quadro 7 Definições da Escala Likert Quadro 8 Indicadores para o Fator Pessoas Quadro 9 Indicadores para o Fator Sistemas Quadro 10 Indicadores para o Fator Sócio-Técnico Quadro 11 Indicadores para o Fator Poder e Política Quadro 12 Indicadores de Percepção Geral da Resistência à Implantação do ERP Quadro 13 Fator Sistemas após AFE Quadro 14 Fator Poder e Política após AFE Quadro 15 Fator Interesse Pessoal após AFE Quadro 16 Fator Inclinação Pessoal após AFE Quadro 17 Medidas de Ajuste (Modelo de Mensuração 03 fatores) Quadro 18 Medidas de Adequação (Modelo Estrutural 02 fatores) Tabela 1 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fator Dependente) Tabela 2 Diagonal Principal da Matriz Anti-Imagem (Fator Dependente) Tabela 3 Comunalidades e Cargas Fatoriais (Fator Dependente) Tabela 4 Variância Explicada (Fator Dependente) Tabela 5 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 21 Indicadores)... 61

14 xiv Tabela 6 Diagonal Principal da Matriz Anti-Imagem (Fatores Independentes 21 Indicadores) Tabela 7 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 20 Indicadores) Tabela 8 Diagonal Principal da Matriz Anti-Imagem (Fatores Independentes 20 Indicadores) Tabela 9 Comunalidades (Fatores Independentes 20 Indicadores) Tabela 10 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 18 Indicadores) Tabela 11 Comunalidades (Fatores Independentes 18 Indicadores) Tabela 12 Matriz de Fatores Rotacionados (Fatores Independentes 18 Indicadores) Tabela 13 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 17 Indicadores) Tabela 14 Comunalidades (Fatores Independentes 17 Indicadores) Tabela 15 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 15 Indicadores) Tabela 16 Comunalidades (Fatores Independentes 15 Indicadores) Tabela 17 Medida de Adequação da Amostra e Teste de Esfericidade de Bartlett (Fatores Independentes 14 Indicadores) Tabela 18 Comunalidades (Fatores Independentes 14 Indicadores) Tabela 19 Matriz de Fatores Rotacionados (Fatores Independentes 14 Indicadores) Tabela 20 Alfa de Cronbach (Fatores Independentes 14 Indicadores) Tabela 21 Variância Explicada (Fatores Independentes 14 Indicadores) Tabela 22 Significância e Peso de Regressão (Modelo de Mensuração 04 Fatores) Tabela 23 Variância Extraída (Modelo de Mensuração 04 Fatores) Tabela 24 Significância e Peso de Regressão (Modelo de Mensuração 03 Fatores) Tabela 25 Comparação entre Variância Extraída e Quadrado da Correlação entre Fatores (Modelo de Mensuração 03 Fatores) Tabela 26 Significância e Peso de Regressão (Modelo Estrutural 03 Fatores) Tabela 27 Significância e Peso de Regressão (Modelo Estrutural 02 Fatores) Tabela 28 Correlações Múltiplas (Modelo Estrutural 02 Fatores)... 84

15 1 1. INTRODUÇÃO Atualmente, com o avanço da tecnologia nos diversos segmentos, a competição no mundo empresarial encontra-se cada vez mais globalizada. Empresas multinacionais podem possuir capacidades geradas internamente por atuarem em diversos países, diferenciando-se substancialmente de empresas locais. Devido a tal fato, houve um aumento da rivalidade competitiva entre as empresas (WIERSEMA; BOWEN, 2008). Em meio a esse aumento de competição, a Tecnologia da Informação TI possui papel fundamental na obtenção de vantagens estratégicas, pois lida com um dos ativos mais preciosos das empresas, qual seja, a informação (ANTUNES; ALVES, 2008). A eficácia na capacidade de obtenção, interpretação e utilização de informações possibilita a obtenção de vantagem competitiva, dado que a informação é um dos impulsionadores das atividades empresariais (ANTUNES; ALVES, 2008). Nesse contexto, a TI apresenta-se como um dos principais elementos que permitem o aproveitamento de grandes oportunidades no ambiente empresarial. Conseqüentemente, investimentos em TI apresentam impacto respeitável no orçamento das organizações, pois estão associados a custos de licença de uso de software, custos de hardware, entre outros (ALBERTIN; ALBERTIN, 2008). Como outra evidência da importância da TI, percebe-se a modificação da composição do Capital Expenditure (CAPEX) 1 das organizações. Na última década, as empresas sediadas nos Estados Unidos tiveram como maior impacto em seus orçamentos, os investimentos em TI (RANGANATHAN; BROWN, 2006). 1 Usualmente, investimentos necessitam de despesas imediatas e estas despesas provêem benefícios na forma de entradas futuras no fluxo de caixa. No caso de tais entradas de fluxo de caixa não se apresentarem no exercício corrente da despesa realizada, entende-se tal despesa como Capital Expenditure (PETERSON; FABOZZI, 2002).

16 2 Mesmo após a crise financeira ocorrida em 2008, as empresas não reduziram os investimentos em sistemas empresariais (ERP). Estima-se que dois terços de empresas norte americanas e européias continuaram a investir em projetos pilotos, implementações, expansões e upgrades deste tipo de aplicação (WAILGUM, 2009). Apesar das mudanças proporcionadas pela crise financeira, os sistemas empresariais (ERP) ainda representam a espinha dorsal das empresas, oferecendo suporte às atividades administrativas como: finanças, operações, gestão de ativos, cadeia de suprimentos e canais de distribuição (WAILGUM, 2009). Por sua vez, o mercado de sistemas ERP tem sido e continua a se mostrar um dos segmentos que mais crescem na indústria de tecnologia da informação. Nos últimos anos, o ambiente de globalização e competitividade nos negócios tem forçado as empresas a investir em recursos consideráveis na implantação de sistemas ERP (KARSAK; ÖZOGUL, 2009). Organizações escolhem e empregam sistemas ERP por razões estratégicas, buscando diversos benefícios tangíveis e intangíveis. Apesar dos altos custos e do tempo necessário para a instalação de sistemas ERP, seus benefícios geralmente são recompensadores (KARSAK; ÖZOGUL, 2009). No entanto, existem exemplos de organizações que não obtiveram sucesso em colher os benefícios potenciais que as motivaram a realizar grandes investimentos na implementação de sistemas ERP (KARSAK; ÖZOGUL, 2009), pois o insucesso do investimento em sistemas ERP pode ter sido causado pelo comportamento de resistência (KIM; KANKANHALLI 2009). Assim, como forma de mitigar o risco de ineficácia do projeto de implantação de um sistema integrado de gestão (ERP), é de fundamental importância que os gestores responsáveis pela

17 3 tecnologia da informação das empresas conheçam os fatores 2 que antecedem a resistência a esse tipo de sistema Contextualização O valor da TI para as organizações modernas se tornou importante e recorrente tópico para discussão e debate. Acadêmicos (e. g. BADESCU e GARCES-AYERBE, 2009; QUAN, QING e HART, 2003; MUKHOPADHYAY, LERCH e MANGAL, 1997; MUKHOPADHYAY e COOPER, 1992; WEILL, 1992; e ROACH, 1991) e praticantes têm buscado provas de que o uso da TI melhora a produtividade, aumenta a lucratividade e reduz os custos das empresas, possibilitando novos mecanismos de planejamento, organização e controle, suportando estratégias de negócios e proporcionando vantagem competitiva (BYRD et al., 2008). No sentido de melhorar o desempenho das organizações, um grande número de empresas continua a investir intensamente em TI. As razões desses investimentos variam, mas a principal crença é que a TI proporcionará uma vantagem competitiva em um ambiente empresarial extremamente dinâmico (KIM; KIM, 2009). Melville, Kraemer e Gurbaxan (2004), bem como Tippins e Sohi (2003), buscaram mostrar a importância da Tecnologia da Informação na performance das empresas. Segundo estes autores, a TI per si não confere vantagem competitiva às empresas ou impacta diretamente os resultados financeiros apresentados por elas. Na verdade, os recursos tecnológicos devem ser associados a outros recursos existentes dentro da empresa, para que então haja algum tipo de vantagem competitiva. 2 Fatores, também conhecidos como constructos, são as variáveis latentes ou não observáveis do modelo (ARANHA; ZAMBALDI, 2008).

18 4 Para Tippins e Sohi (2003), a TI gera impactos positivos nos resultados da empresa quando os gestores conseguem aliar as competências de TI conhecimentos, operações e objetos às características do aprendizado organizacional aquisição e disseminação da informação, interpretação compartilhada 3, memória informativa 4 e memória procedimental 5. Na visão de Melville, Kraemer e Gurbaxan (2004), além dos recursos de TI (recursos humanos e recursos tecnológicos), os demais recursos são essenciais para a melhoria dos processos e, conseqüentemente, para os resultados da empresa. No entanto, os autores acreditam que além dos recursos internos, os recursos externos, oriundos do ambiente competitivo 6 e do macro ambiente 7, também impactam os resultados apresentados. Tais pensamentos fundamentam-se na visão baseada em recursos, defendida por Barney em 1991 no seu trabalho Firm resources and sustained competitive advantage. Sob a ótica de Barney, compreende-se que a tecnologia da informação propriamente dita não representa uma vantagem competitiva sustentável, pois, dada a possibilidade de ser reproduzida pelos demais players existentes no mercado, tais recursos permitem a manutenção da vantagem competitiva por um período de tempo limitado (BYRD et al., 2008). À luz de diversos autores, Byrd et al. (2008) complementam a assertiva de Melville et al. (2004), mostrando que a gestão das empresas torna-se mais eficiente quando combina os recursos humanos envolvidos com TI com os recursos tecnológicos. 3 Refere-se à existência de consenso entre os membros da organização no que concerne ao significado da informação (TIPPINS; SOHI, 2003). 4 Refere-se ao conhecimento de fatos e eventos (e.g. conhecimento sobre os objetivos dos clientes, posições competitivas, e condições e estratégias de mercado) (TIPPINS; SOHI, 2003). 5 Refere-se ao conhecimento de procedimentos e rotinas da empresa (TIPPINS; SOHI, 2003). 6 O ambiente competitivo se dá pelas características da indústria e recursos e processos de negócios das partes integrantes de um determinado mercado (MELVILLE; KRAEMER; GURBAXAN 2004). 7 O macro ambiente é formado pelas características do país onde a empresa atua (MELVILLE; KRAEMER; GURBAXAN 2004).

19 5 Apesar de não se caracterizar como vantagem competitiva sustentável, na visão de alguns autores, a TI possibilita alcançá-la, pois os sistemas de informação auxiliam os gestores a administrar a empresa, otimizando a utilização de recursos disponíveis (Byrd et al., 2008; Melville, Kraemer e Gurbaxan, 2004; e Tippins e Sohi, 2003) Relevância do Problema A finalidade desta seção é mostrar a relevância deste estudo, apresentando as contribuições de ordem prática ou para o estado da arte na área. Com isso, pretende-se mostrar ao leitor, a importância do estudo para sua área de atuação, para a sociedade ou mesmo para a área em que o leitor busca sua formação acadêmica. (VERGARA, 2009). Pretende-se, portanto, apresentar a importância de trabalhos sobre resistência na área de gestão em tecnologia da informação, apontando possíveis contribuições de caráter prático. Investimentos em sistemas de informação são onerosos em termos financeiros e humanos podendo gerar impactos funcionais e disfuncionais que se estendem além da relação trabalhador-tecnologia (MARTINKO; HENRY; ZMUD, 1996). A implantação de sistemas ERP pode ser descomplicada quando organizações apresentam estruturas simples e operam em uma ou em poucas localidades. Mas quando as organizações possuem estruturas complexas e estão geograficamente dispersas, a implementação de sistemas ERP envolve dificuldades, escolhas e desafios técnicos e gerenciais (MARKUS; TANIS; VAN FENEMA, 2000). Os sistemas ERP prometem benefícios estratégicos e melhoria de processos, por meio da integração das áreas da empresa e otimização de suas atividades. Porém, notadamente apresentam desafios de implantação e conseqüências organizacionais problemáticas (MARKUS, 2004).

20 6 Segundo Padilha e Marins (2005), a implantação de sistemas de ERP apresenta custos elevados, tanto na aquisição de ativos tangíveis (e.g. hardwares e infra-estrutura), quanto na aquisição de serviços e ativos intangíveis (e.g. licença para o uso do sistema, treinamento dos empregados e consultoria especializada no sistema a ser implantado). O custo total de propriedade 8 encontra-se no intervalo entre 300 milhões e 400 mil dólares, possuindo custo total médio de 15 milhões de dólares (PADILHA; MARINS, 2005). Em grande parte, esses altos custos estão associados à complexidade apresentada pelo sistema escolhido e à necessidade dos profissionais responsáveis pela implantação conhecerem tanto o software selecionado, quanto o negócio para o qual a solução será desenvolvida (PADILHA; MARINS, 2005). Dentre os diversos custos apontados como de difícil mensuração por Padilha e Marins (2005), os mais relevante para o estudo realizado são os referentes a: treinamento, integração entre o sistema novo e o antigo, consultoria externa, e pessoal, pois de forma ampla, entende-se que ao compreender e, conseqüentemente, buscar mitigar os fatores que levam à resistência, podese reduzir os custos de implantação do novo sistema. Além do custo total de propriedade, os administradores necessitam considerar os custos indiretos da implantação de sistemas ERP. Em diversos casos, até o momento em que haja confiança suficiente para utilizar o novo sistema, faz-se necessária a utilização paralela do sistema antigo, gerando assim custos extras de manutenção (PADILHA; MARINS 2005). Na intenção de obter vantagens competitivas, diversas empresas (e.g. FoxMeyer Drugs, Mobile Europe, Dell Computadores, Dow Chemical) investiram recursos financeiros e tempo 8 Custos com aquisição de equipamentos, licença de utilização do sistema ERP, consultorias e demais custos de implantação (PADILHA; MARINS, 2005).

21 7 na implantação de sistemas de informação integrados, mas não obtiveram o resultado esperado (DAVENPORT, 1998). Segundo Kim e Kankanhalli (2009), uma pesquisa com 375 empresas ao redor do mundo indicou que a resistência a sistemas ERP ocupa o primeiro lugar no ranking dos desafios de implementação de sistemas de informação. Em resposta às mudanças, usuários podem resistir ao sistema de informação, gerando atrasos na finalização do projeto, estouro no valor orçado e subutilização do novo sistema (KIM; KANKANHALLI 2009). Dessa forma, ao conhecer os fatores que influenciam a resistência a sistemas de informação, os gestores poderão mitigar riscos de investimentos mal sucedidos em implantação de tais sistemas Justificativa da Escolha do Tema A escolha do tema pelo autor deve-se especificamente a quatro justificativas: (a) identificação de novos fatores que antecedam a resistência a sistemas de informação, (b) reforço da validade externa de estudos na área de resistência a sistemas de informação, (c) utilização de instrumento de coleta de dados objetivo, e (d) escassez de estudos quantitativos na área em questão. Enquanto perdas e ameaças têm sido percebidas como a causa da resistência dos usuários, o entendimento sobre os mecanismos psicológicos, bem como os de tomada de decisão, que permeiam a resistência a um determinado sistema de informação, ainda não foram bem compreendidos (KIM; KANKANHALLI, 2009). O estudo poderá complementar os trabalhos desenvolvidos por outros estudiosos da resistência a sistemas de informação e identificar novos fatores antecedentes à resistência a sistemas de informação.

22 8 Quanto a outros estudos da área (e.g. MARKUS, 1983; e LAPOINTE e RIVARD, 2005), pode-se perceber que os resultados obtidos só podem ser generalizados com cautela, pois necessitam de reforço na sua validade externa. Por meio da validade externa, pode-se determinar o domínio ao qual descobertas são passíveis de generalização (YIN, 1994). Para resolver essa limitação, sugere-se a replicação das teorias em diferentes casos ou a comparação com resultados apresentados por outros estudos congêneres. Ao verificar que a teoria se comprova em diferentes ambientes, denota-se uma maior capacidade de generalização das descobertas (YIN, 1994). Na visão de Kim e Kankanhalli (2009), grande parte dos estudos na área utiliza a metodologia de estudo de caso para desenvolver teorias, mostrando escassez de abordagens quantitativas que comprovem as teorias por validação empírica, justificando assim a utilização de procedimentos estatísticos multivariados neste trabalho. Outra possibilidade de proporcionar avanços na área refere-se aos dados coletados por meio do reporte dos entrevistados e não de forma mais objetiva. Dessa forma, o efeito halo 9 pode distorcer os resultados (DAVIS, 1989). Por esse motivo, utilizou-se um instrumento de coleta de dados objetivo. Diante dos hiatos metodológicos e teóricos apresentados, o trabalho realizado pode auxiliar no aumento do conhecimento na área em questão. 9 Define-se efeito halo como a influência das características pessoais de um indivíduo sobre a sua avaliação global, i.e. a afinidade do avaliador com o avaliado pode influenciar o resultado da avaliação (NISBETT; WILSON, 1977).

23 9 2. PROBLEMÁTICA Nesta seção, apresenta-se o problema de pesquisa norteador do trabalho realizado, bem como os objetivos final e específicos, i.e. onde se pretende chegar com o trabalho e fases necessárias para alcançar o objetivo final (VERGARA, 2009). Ao final, mostra-se a delimitação da pesquisa e os resultados esperados (VERGARA, 2009) Pergunta de Pesquisa A pesquisa acadêmica busca responder uma questão ou problema ainda não resolvido, podendo este problema, ou questão, encontrar-se associado a algum hiato metodológico ou epistemológico, à contestação de alguma teoria amplamente difundida ou à necessidade de testar alguns acontecimentos ligados ao cotidiano (VERGARA, 2009). Apesar da existência de diversos trabalhos versando sobre comportamento de resistência a sistemas de informação, denota-se a predominância de estudos de ordem qualitativa sobre tal tema (KIM; KANKANHALLI, 2009). Deseja-se, então, descobrir, por meio de estudo quantitativo: Quais os antecedentes à resistência a sistemas empresariais, sob a ótica dos gestores de TI? 2.2. Objetivo Final Entende-se o objetivo final como o resultado a se alcançar quando da conclusão do trabalho. Dessa forma o objetivo final retrata onde se pretende chegar com a realização do estudo (VERGARA, 2009). À luz da pergunta de pesquisa, tem-se por objetivo final da pesquisa realizada, determinar os antecedentes à resistência a sistemas empresariais sob a ótica dos gestores de TI.

24 10 No entanto, para alcançar o objetivo final da pesquisa, faz-se necessário atingir objetivos intermediários, i.e. as etapas que serão cumpridas para o alcance do objetivo final (VERGARA, 2009). Seguindo o formalismo acadêmico, tais objetivos são apresentados abaixo Objetivos Intermediários Com o intuito de alcançar o objetivo final, pretende-se: Conceituar o comportamento de resistência; Identificar, por meio de pesquisa bibliográfica, fatores que influenciam o comportamento de resistência; Definir o objeto do comportamento de resistência; Elaborar meta-modelo contendo os fatores que influenciam o comportamento de resistência, identificados anteriormente; Desenvolver, a partir do meta-modelo elaborado, questionário a ser utilizado como instrumento de coleta de dados; Aperfeiçoar o meta-modelo por meio de testes estatísticos.

25 Delimitação da Pesquisa Dadas as características históricas e a extrema complexidade do mundo real, um estudo não pode abordar todos os aspectos da realidade. Na delimitação do estudo faz-se necessário explicitar quais análises serão abordadas ou não pelo estudo realizado (VERGARA, 2009). A pesquisa pretende analisar o comportamento de resistência percebido pelos gestores de TI, atuantes no mercado brasileiro, que tenham participado, no mínimo, de um processo de implantação de sistemas ERP. No entanto, o estudo pretende identificar a influência de determinadas variáveis sobre o comportamento de resistência, em um dado momento, não considerando a variação da influência destas variáveis ao longo do tempo (abordagem longitudinal). Adicionalmente, dada a abrangência do assunto, existe a possibilidade de haver outras perspectivas não observadas pelo estudo realizado Resultados Esperados Ao final do estudo, pretende-se obter um meta-modelo válido para compreender os antecedentes ao comportamento de resistência a sistemas ERP, sob a ótica dos gestores de TI.

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Capítulo 13 COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 13.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação?

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais