ANÁLISE CRÍTICA DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA DISTRIBUIDORA DE TINTAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE CRÍTICA DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA DISTRIBUIDORA DE TINTAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS"

Transcrição

1 ISSN ANÁLISE CRÍTICA DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA DISTRIBUIDORA DE TINTAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Jefferson de Souza Pinto (IFSP) Olívio Novaski (UNICAMP) Vinicius Luiz Ferraz Minatogawa (UNICAMP) Élen Nara Carpim Besteiro (UNICAMP) Resumo Este trabalho apresenta uma análise crítica do desempenho dos processos de uma empresa distribuidora de tintas. O método de abordagem utilizado neste estudo foi o dedutivo, sendo utilizada a técnica de análise crítica de um problema. O estuudo de caso se desenvolve em uma distribuidora de tintas com atuação na Região Metropolitana de Campinas. Para o desenvolvimento do estudo foram levantados dados referentes à gestão do estoque de tintas da empresa, que atua em dois segmentos de mercado distintos - atacado e varejo. O estudo procura identificar possíveis gargalos na administração do estoque e, demonstrar que a priorização dos itens de maior importância do estoque podem melhorar a qualidade do seu gerenciamento. Dentre os métodos de análise de estoque foi selecionado a Curva ABC. A partir da aplicação do método, verifica-se uma maior adequação dos níveis de estoque com a realidade da empresa com o atendimento da demanda independente do mercado, o que impacta diretamente na satisfação dos seus clientes. Também é possível extrapolar o seu uso para outros itens que são comercializados pela empresa, além do mercado de tintas, gerando assim um ponto de equilíbrio entre quantidade a serem mantidas em estoque. Palavras-chaves: Logística; Gestão de Estoque; Curva ABC; Distribuidora de Tintas

2 1. INTRODUÇÃO O controle de estoque é um grande desafio para os administradores de produtos, isso por causa das mudanças de fatores que influenciam custos e demandas dos produtos como novas tendências de cores e novas tecnologias. Existe uma busca contínua por soluções, visando uma redução dos custos e a eficiência dos controles de estoque, e para isso criam-se adaptações de métodos que satisfaçam as políticas atuais da empresa. Fleury, Wanke e Fossati (2000, p. 177), apresentam a visão que: A resposta para cada uma dessas questões passa por diversas análises relativas ao valor agregado do produto, à previsibilidade de sua demanda e às exigências dos consumidores finais em termos de prazo de entrega e disponibilidade de produto. Na realidade, a decisão pela redução contínua dos níveis de estoque na cadeia de suprimentos depende necessariamente do aumento da eficiência operacional de diversas atividades, como transporte, armazenagem e processamento de pedidos. Os grandes fabricantes de tintas são multinacionais que investem continuamente em tecnologias inovadoras, em suas unidades fabris e no lançamento de novos produtos para o consumo. Com investimento vindo do exterior, o mercado de tinta é altamente dependente das variações existente no mercado financeiro. O mercado de tinta passou por uma grande crise entre os anos de 2002 e 2003 no qual quase não existiu investimento por parte dos fabricantes e não houve crescimento do mercado. Porém após a crise, nos últimos anos houve um grande crescimento no número de novas empresas no mercado e a partir de 2004, o mercado de tinta vem reagindo, é possível identificar ao longo desses anos o aumento da produção em litros de tinta nos setores imobiliário, automotivo, de repintura e de indústrias em geral (ABRAFATI, 2012; SITIVESP, 2012). Além do atendimento e a variedade de produtos, outros fatores de sucesso vem caracterizando o mercado como o tamanho das lojas, a flexibilidade no horário de funcionamento e a localização. A maior parte das vendas são realizadas pelo setor de televendas das empresas em contatos com Indústrias e Profissionais da área. O mercado a 2

3 curto e médio prazo trabalha com perspectivas positivas, pois existe déficit de moradia na cidade de Campinas e com a abertura de linha de crédito por parte do governo para financiamento no setor de construção civil e de imóveis para a população o mercado trabalha atualmente com uma grande demanda por produtos desde o básico ao acabamento. De acordo com Brown et al (2005, p. 167), manter estoque representa risco, pois temos os custos de armazenamento, o estoque pode ficar obsoleto e os materiais podem se deteriorar, e ocupam espaço valioso, mas por outro lado, significam certo nível de segurança para satisfazer as demandas dos clientes. Apesar dos custos para mantê-los e de outras desvantagens associadas a sua manutenção, eles facilitam a conciliação entre fornecimento e demanda. A partir deste contexto e os problemas enfrentados pela constante falta de produtos em seu depósito central, se estabelece o problema de pesquisa, verificar a necessidade de melhoria dos processos de controle do estoque de uma distribuidora de tintas da região metropolitana de Campinas. Em decorrência do problema apresentado, se tem como objetivos: identificar os processos de gerenciamento de produtos e controle dos estoques de produtos acabados na empresa objeto de estudo; e priorizar os itens mais importantes da empresa em função do mix de produtos da distribuidora de tintas. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA De acordo com Ballou (2006), conforme os sistemas logísticos fossem se aperfeiçoando, a produção e o consumo naturalmente experimentariam uma separação de regiões. Desta forma, cada região poderia se especializar em commodities para cuja produção tivesse melhor condição. Assim a produção poderia ser enviada a outras regiões consumidoras com vantagem econômica, e produtos escassos ou de difícil produção na região poderiam ser importados, isso seria o princípio da vantagem comparativa. E, sendo isto aplicado a mercados internacionais, explica-se o alto nível de transações no comércio internacional. Logística empresarial é um campo de estudo relativamente novo da gestão integrada. A novidade no campo da movimentação e armazenagem (transporte-estoque) resulta do conceito de gerenciamento coordenado das atividades relacionadas, ao contrário da prática histórica de coordená-las separadamente, e do conceito que a logística adiciona valor aos produtos ou aos 3

4 serviços que são essenciais para as vendas e a satisfação das necessidades dos clientes (BALLOU, 2006). Segundo Bowersox e Closs (2001, p. 20), a logística é [...] a integração de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais e embalagem e estas tarefas combinadas, tornam a logística uma profissão desafiante e compensadora. Uma definição mais fiel de logística aos dias atuais é a do Supply Chain Council (SCC) uma organização criada em por gestores, educadores e profissionais da área, que profere logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender as exigências dos clientes (STOCK, 1998). A própria definição sugere que a logística é um processo, e consequentemente inclui todas as atividades necessárias para tornar disponíveis bens e serviços, onde e quando os consumidores os quiserem disponíveis. Portanto, essa definição sugere que a logística empresarial é parte integrante da cadeia de suprimentos e não o processo inteiro (BALLOU, 2006). A Cadeia de Suprimentos é um conjunto de atividades funcionais (transportes, controle de estoques, etc.) que se repetem inúmeras vezes ao longo do canal pelo qual matérias-primas vão sendo convertidas em produtos acabados, aos quais se agrega valor ao consumidor (BALLOU, 2006, p. 29). Segundo Ballou (2006, p. 29), a Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain Management (SCM) é o intercâmbio que acontece entre as áreas de logística, marketing e produção em uma empresa e entre empresas legalmente separadas no âmbito do canal de fluxo de produtos, no qual a coordenação e cooperação dos integrantes são peças chaves para a busca de melhorias nos processos e serviços. 2.1 Planejamento e Controle do Estoque Tubino (2000) afirma que os estoques são criados para absorver problemas do sistema de produção. Alguns deles, como a sazonalidade, são insolúveis, porém outros como o atraso na entrega, podem ser resolvidos. Os estoques não agregam valor aos produtos, e quanto menor seu nível em um sistema produtivo, maior será a eficiência deste sistema. Segundo Ballou 4

5 (2006, p. 277), gerenciar estoque é também equilibrar a disponibilidade dos produtos, ou serviço ao consumidor. De acordo com Fleury, Wanke e Fossati (2000), são diversos os fatores que vêm determinando esse tipo de política, tais como: a) A diversidade crescente no número de produtos, que torna mais complexa e trabalhosa a contínua gestão dos níveis de estoque, dos pontos de pedido e dos estoques de segurança; Como exemplo o caso das tintas, que até 1985 ofereciam um único tipo de acabamento para parede (Látex) com poucas tonalidades e diversificaram-se os acabamentos também em (Acrílico Acetinado,, Acrílico Semi Brilho) e além de contar com grande número de tonalidades prontas e mais a disponibilidade da máquina tinto métrica com opção de mais de tonalidades; b) O elevado custo de oportunidade de capital, tem tornado a posse e a manutenção de estoques cada vez mais onerosos; c) O foco gerencial na redução do Capital Circulante Líquido, uma das medidas adotadas por diversas empresas que desejam maximizar seus indicadores de Valor Econômico Adicionado (Economic Value Added EVA). Há dois pontos de vista principais segundo os quais a gestão de estoques adquire grande importância e merece cuidado especial: o operacional e o financeiro (FLEURY,WANKE e FOSSATI, 2000). Do ponto de vista operacional os estoques permitem certas economias de produção e regulam as diferenças de ritmo entre os fluxos principais de uma empresa, seja do ramo industrial, seja do ramo comercial. Com frequência não se consegue responder rapidamente a aumentos bruscos da demanda, havendo necessidade de estoques para atender a esses aumentos. Por outro lado acumulam-se estoques sempre que a demanda apresentar-se abaixo das expectativas. De uma forma geral, o estoque faz o papel de elemento regulador de velocidade de fluxo de materiais na empresa (ibid). Do ponto de vista financeiro, é necessário lembrar que estoque é investimento e conta como parte do capital da empresa, quanto maiores os estoques, maior é o capital total. Como a taxa de retorno é computada como o quociente dos lucros brutos (antes da dedução do Imposto de Renda) pelo capital, é claro que, quanto maiores os estoques, sendo as outras condições idênticas, menor será a taxa de retorno, que é o indicador mais usado de eficiência na gestão (ibid). 5

6 Também sob a ótica financeira, outro conceito básico é o da rotação dos estoques definidos como o quociente do valor da produção anual pelo valor médio empatado em estoques de matérias primas, componente e material em processo, no caso do setor industrial (ibid). 2.2 Sistema de Controle de Estoque Segundo Bertaglia (2006, p. 327), existem dois padrões básicos de consumo de um item ao longo do tempo que são conhecidos como demanda dependente e demanda independente. São chamados itens de demanda independente aqueles que dependem das condições de mercado, que se encontram fora do controle da empresa, que é o caso que será estudado nesta pesquisa no qual os produtos estão sujeitos a riscos e incertezas fazendo-se necessárias previsões de demanda. A abordagem é de reposição de estoque, no qual à medida que o item usado, ele é reposto para se ter sempre produtos á mão para os consumidores. Torna-se fundamental conhecer pelo menos uma estimativa da demanda futura, para que se possa dizer o momento de reposição e também a quantidade a adquirir para o estoque. Enquanto que os itens de demanda dependente são aqueles que podem ser programados internamente na empresa que analisa o comportamento do mercado e faz uma previsão do consumo dos itens podendo efetuar uma produção fixada. Para itens de demanda independente pode-se trabalhar com o Lote Econômico de Compra, o Sistema de Revisão Contínua ou ainda o Sistema de Reposição Periódica. O MRP (Material Requirements Planning Planejamento de Necessidade de Material) é mais utilizado para itens de demanda dependente. 2.3 Ressuprimento / Reabastecimento Quando a empresa prefere minimizar seu estoque, existe a vantagem de não necessitar levantar grande valor em dinheiro para a aquisição de materiais. Por outro lado, a desvantagem está nos custos gerados por cada pedido emitido e na inconveniência do controle mais rígido da quantidade de produtos, que torna-se opção não atraente. 6

7 Contudo, quando a empresa opta por manter um estoque de produtos existe a vantagem de minimizar os custos envolvidos ao fazer os pedidos, porém a desvantagem está na grande quantidade de dinheiro necessário para cada compra e também existe a desvantagem da formação de estoque. Os gerentes precisam identificar os custos referentes à quantidade que pretendem comprar, e de acordo com Slack, Chambers e Johnston (2002, p. 386), os custos mais relevantes são referentes ao: custo de colocação de pedido; custos de desconto de preços; custos de falta de estoque; custos de capital de giro; custos de armazenagem; custos de obsolescência; e, custos de ineficiência de produção. Para as três primeiras categorias, podemos considerar que os custos diminuem à medida que o tamanho do pedido aumenta, e para as demais categorias, os custos aumentam à medida que é aumentado o tamanho do pedido (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2002, p. 386). Slack, Chambers e Johnston (2002, p. 385), adotam um exemplo para ilustrar ressuprimento, o de nossas vidas domésticas, pois de acordo com os autores, é o estoque mais comum que utilizamos. No gerenciamento deste estoque, implicitamente tomamos decisões de quantidade a pedir, isto é, quanto comprar em cada momento e na tomada de decisões equilibramos dois conjuntos de custos: o custo associado com sair para comprar os itens de comida e os custos associados com a manutenção dos estoques (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2002, p.385). 2.4 A Curva ou ABC Segundo Tubino (2000, p. 108), a classificação ABC, é um método de diferenciação dos estoques segundo sua maior ou menor abrangência em relação de separar os itens por classes de acordo com sua importância relativa. As organizações sustentam em seu estoque centenas ou milhares de itens, porém somente uma parcela deve ser administrada fortemente (BERTAGLIA, 2006 p. 338). Segundo Corrêa e Corrêa (2004, p. 541), quando a empresa passa a considerar que alguns itens de estoque têm custo de manutenção mais elevado que 7

8 outros, passam a ser conveniente pensar em formas de classificar estes itens e definir quais são os itens que merecem maior atenção. De acordo com Corrêa e Corrêa (2004), uma das formas de alcançar esta classificação de importância de itens é a técnica ABC que consiste em separar os itens em três classes de acordo com o valor total consumido. Esta técnica tem como objetivo definir diferentes grupos, para os quais serão aplicados sistemas de controle de estoque mais apropriado para cada um deles, resultando em um sistema total mais eficiente em custos. Segundo Balou (2006), o uso permanente do conceito e da classificação ABC é necessário para agrupar produtos de acordo com suas atividades de venda. O conceito refere-se que, 80% do custo ou faturamento correspondem a 20% dos produtos ou itens. 3. MÉTODO O procedimento técnico adotado é o da pesquisa documental como fonte de informações técnicas seguida pelo estudo de caso como forma de identificar ocorrências de falhas na empresa. Estas falhas muitas vezes podem ser identificadas através de relatórios disponíveis no sistema da empresa. Com o estudo de caso realizado dentro do setor de compras da empresa, geraram-se reflexões quanto à importância do gerenciamento de estoque da empresa, tema este pouco abordado desde então. De acordo com Gil (2002), a pesquisa documental utiliza-se de informações que ainda não receberam um tratamento analítico, ou que ainda podem ser re-elaborados de acordo com os objetos da pesquisa. Com relação à abordagem do problema, a presente pesquisa é classificada como qualitativa. Segundo Silva e Menezes (2001, p. 20), na pesquisa qualitativa, a fonte para coleta de dados vem direto do ambiente natural em que esta inserida o pesquisador que é o instrumento chave para o sucesso da pesquisa. Para os objetivos, podemos classificar a pesquisa como descritiva, pois serão consideradas as variáveis relacionadas ao tema. Para a análise do estoque, será levado em consideração o tempo de processamento e entrega do pedido, a quantidade e o tempo de venda do produto. Segundo Silva e Menezes (2001, p. 21), pesquisa descritiva são as características de determinada população ou fenômeno envolvendo o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados, assumindo em geral a forma de levantamento de dados. 8

9 Para Lakatos e Marconi (2001, p. 158), o levantamento dos dados é o primeiro passo de qualquer pesquisa cientifica, e pode ser realizado de três maneiras: pesquisa documental, pesquisa bibliográfica e contatos diretos. Esta é uma das partes mais importantes da pesquisa, pois é a partir deste momento que o objetivo da pesquisa começa a se delinear. A coleta de dados será basicamente de observação participante, pois pode-se exercer certa influência no comportamento da venda do produto e no ressuprimento do estoque, levando em consideração premissas como condições de pagamento e preço oferecido pelo fornecedor. O objeto de estudo deste trabalho é uma distribuidora de tinta da Região Metropolitana de Campinas. A empresa possui sete pontos de distribuição aos quais funcionam como filiais da rede, uma distribuidora de tintas e um depósito central,sendo que seu mercado é o de tintas e acessórios para pinturas imobiliárias, industriais e automotivas. 4. ANÁLISE DE DADOS O Depósito Central da empresa tem papel importante para o processo logístico da empresa, uma vez que tem a responsabilidade de ajudar no controle de estoque em dois momentos primordiais. Em um primeiro momento o Depósito Central é o local de referencia para receber e acondicionar de forma a evitar futuras avarias, todas as mercadorias comercializadas na empresa. Em um segundo instante após as mercadorias já estarem perfeitamente acondicionadas, passa a funcionar um dos processos mais importantes para a empresa, que é a continuidade do processo de venda, no qual são solicitadas as entregas e as reposições de mercadorias nos pontos de vendas. É no Depósito Central que funciona o processo de separação e entrega dos pedidos concluídos pelo televendas, pela Distribuidora de Tintas e as reposições das sete lojas da rede. A política e a estrutura do Sistema Logístico utilizado para atingir os objetivos em manter a quantidade de produtos suficiente para satisfazer os pedidos dos consumidores nos pontos de venda é parte fundamental da empresa e esta diretamente ligado à estratégia da mesma, o que corrobora com Christopher (2007, p. 14), que conceitua a missão do gerenciamento logístico sendo a arte de planejar e coordenar todos os processos e atividades necessárias para atingir os níveis de satisfação na qualidade e de serviços prestados ao menor custo possível. 9

10 4.1 Atuação no segmento varejista e atacadista A distribuidora de tintas teve em 2002 seu maior crescimento com a mudança de local da sua loja matriz e a abertura do Depósito Central passando a atuar não só no segmento de varejo, mais também no segmento do mercado atacadista. O Depósito Central, no processo logístico, é responsável por receber e acondicionar os produtos de seus fornecedores, tem em sua tarefa principal, a reposição rápida dos pedidos de compras gerados pelos pontos de vendas. Por ter uma demanda previsível na maior parte dos produtos comercializados, mesmo com o acréscimo das vendas nos pontos de vendas da empresa, o gerenciamento de estoque dentro da corporação era conceituado em um departamento comum aos demais em que seu foco principal estava em cuidar principalmente do recebimento e acondicionamento dos produtos. A distribuidora de tintas atuando no segmento de varejo tem um movimento em sua grande parte previsível, e que durante o movimento diário dos pontos de venda, o Sistema Integral de Gerenciamento (SIG), software utilizado pela empresa, emite em um intervalo de duas horas, pedidos de compra de reposição de mercadorias para o Depósito Central com os itens faltantes em estoque visando atender as necessidades de cada loja. O Depósito Central repõe com produtos os pontos de venda duas vezes ao dia, respeitando a sequência em que os pedidos foram recebidos pelo Depósito Central. Os pedidos recebidos até as 12 horas são repostos até as 17 horas do mesmo dia, enquanto os pedidos recebidos após as 12 horas são repostos na parte da manhã do dia seguinte. Enquanto a distribuidora de tintas atuou somente no segmento de varejo, seu gerenciamento de estoque funcionou adequadamente através de uma demanda previsível em grande parte de seus produtos. Com sua estruturada consolidada, a distribuidora de tintas no decorrer do ano de montou sua Distribuidora de Tintas e passou a atuar também no segmento atacadista. Com a atuação em um novo segmento de mercado, no começo a empresa começou atuando de forma restrita, até mesmo para conhecer e entender o novo mercado, uma vez que ao atuar nos dois segmentos de mercado, a principal preocupação da empresa foi em encontrar uma política estratégica adequada para não haver conflito entre os segmentos. 10

11 Segundo Kotler (1998, p. 523), a diferença fundamental entre varejo e atacado está no papel que cada um exerce no canal de distribuição. O varejista é o último negociante de um canal que liga fabricantes a consumidores. Contudo, quando se aborda varejo, associa-se imediatamente esse termo a comércio ou ao ato de praticar comércio. O termo adequado para expressar essa atividade econômica é comércio varejista, diferenciando-se assim do comércio atacadista. A partir do momento que a distribuidora de tintas passou a atuar em dois segmentos distintos, o Depósito Central da empresa passou a dividir suas atenções entre a reposição dos pontos de vendas e o atendimento de novas revendas de tintas. Com a mudança no histórico de saída de vários produtos, a empresa começou a encontrar problemas tanto logísticos como de falta de produtos em seu Depósito Central para atender principalmente os pontos de vendas, pois como o canal de distribuição esta localizado junto com o Depósito Central da empresa, os vendedores do canal de distribuição tem o privilegio das informações sobre os produtos que diariamente chegam ao Depósito Central. No segmento do varejo, mesmo que o movimento dos pontos de venda aumente, a maneira em que os produtos são vendidos permanece em sua maior parte de uma forma previsível, o que ajuda a manter os níveis de estoque dos pontos de venda a suprir a demanda. Enquanto que ao se iniciar as atividades direcionadas ao segmento de atacado, a Campinas Tintas, passou a se deparar com alguns problemas para gerenciar seu estoque principalmente devido a duas circunstâncias. Como a empresa também atua no segmento de varejo, os principais produtos comercializados no mercado por ter uma saída geralmente em grande volume, acabam que em algumas ocasiões haja a concorrência direta pela demanda do produto entre os pontos de venda e a distribuidora de Tintas. A segunda ocasião é que como a distribuidora de tintas é conhecida por trabalhar com todos os produtos das três grandes marcas do mercado, as revendas que são atendidas pela Distribuidora de Tinta, aproveitam para trabalhar com o estoque da Distribuidora em produtos de pouca saída, de pouco giro e em algumas ocasiões os pontos de venda deixam de efetivar a venda desses produtos porque ocorre a falta no estoque devido a venda efetuada pela Distribuidora de Tintas. Neste caso a empresa deixa de efetivar uma venda com um valor agregado maior, pois nestes produtos a empresa trabalha com uma margem maior e não faz valer do seu reconhecimento de mercado que é de ter em estoque todos os produtos das grandes marcas. 11

12 A divisão de atenção em que o Depósito Central passa a ter com os dois canais de saída de produtos existente que são os pontos de vendas e a distribuidora de tintas, que passou a atuar em dois segmentos de mercados, ambos com foco em suprir a necessidade dos consumidores do mercado de tintas, seja ele sendo o consumidor final ou o comércio de revendas atuante no varejo. Porém, mais importante do que uma definição dos termos de comercio varejista e de comércio atacadista, é o papel da empresa em assimilar a mudança e saber atuar nesses dois segmentos de mercado tão diferentes. Ao passar a atuar nesses dois segmentos, a distribuidora começou a encontrar dificuldades em gerenciar seu estoque e abastecer seus pontos de vendas ou para atender outras revendas situadas na Região Metropolitana de Campinas, devido a grande mudança no fluxo de saída de seus produtos. 4.2 Mudança do Fluxo de Saída de Produtos A distribuidora de tintas possui aproximadamente oitenta fornecedores de tintas e acessórios para pintura em geral e comercializa cerca de seis mil produtos em sua rede de lojas. Todos os produtos encontram-se acondicionados em estoque no Depósito Central da empresa que distribui os produtos através de pedidos emitidos pela Distribuidora de Tintas da empresa que atende outras revendas e pelos pedidos efetivados pelos pontos de venda que são filiais da rede e atendem o varejo, no qual cada ponto de venda tem a quantidade de seu estoque de acordo com a demanda gerada pelos consumidores. Com a Distribuidora de Tintas, a empresa começou a encontrar dificuldades em gerenciar seu estoque e começou a sofrer com a de falta de mercadorias principalmente nos pontos de vendas. A Distribuidora de Tinta por funcionar no mesmo local que o Depósito Central, tem o privilégio de averiguar em primeira mão o recebimento dos produtos e assim atender primeiramente os pedidos gerados por outras revendas, sem deixar em alguns casos que o produto possa chegar até os pontos de vendas. Em decorrência, a empresa começou a passar por dificuldades em gerenciar seu estoque e encontrar um ponto de equilíbrio para atender tanto os pedidos da empresa, quanto os pedidos gerados pelos pontos de vendas. A Fig. (1) demonstra a falta de um determinado produto nos pontos de vendas devido à solicitação desse produto por parte da empresa para atender a demanda gerada pelo segmento de atacado em que a empresa atua. 12

13 A Fig. (1) demonstra ainda a falta do produto tanto nos pontos de vendas quanto no próprio Depósito Central da empresa no qual o Sistema Integrado de Gerenciamento (SIG) demonstra que o saldo de estoque está negativo em 2 unidades e que existem 28 unidades compradas junto ao fornecedor. Nesse sistema é possível também verificar que a movimentação do item em questão pode ser identificado como um gargalo existente devido a alteração nas quantidades de saída, assim modificando o histórico de venda e influenciando a previsão de demanda da empresa. Alteração essa originada por uma venda realizada pela empresa. Ao verificar esse sistema também foi possível identificar a movimentação do item, sendo que sua reposição foi realizada pelo Depósito Central para os pontos de vendas, reposições que são constantes e em quantidades pequenas, o que demonstra uma demanda previsível por parte dos pontos de venda. Figura 1. Falta de Produto nos Pontos de Venda. Fonte: SIG (2012) Porém, ocorre que nessa reposição, também foram verificadas vendas para clientes das revendas. E ao ser efetivada a venda, encontra-se o gargalo existente no gerenciamento de estoque da empresa, uma vez que além de terminar com o estoque do Depósito Central, a Distribuidora de Tintas solicita também os estoques disponíveis em seus pontos de vendas. Neste caso como os pontos de vendas são filiais da rede, a distribuidora efetiva a venda mesmo sem ter toda a quantidade em estoque e solicita junto aos demais pontos de venda, a quantidade faltante para concluir a entrega. E ainda, verifica-se um estoque negativo em duas unidades, o qual justifica-se por ter produtos em trânsito a ser disponibilizado nos pontos de vendas pelo Depósito Central. A logística reversa de produtos solicitados pelo Depósito Central aos pontos de vendas segue o mesmo procedimento de reposição de produtos. 13

14 Itens Classificação IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 4.3 Busca pelo Ponto de Equilíbrio Para análise do estoque o departamento de compras da empresa utiliza a classificação ABC, identificando as linhas e os produtos que são mais importantes para a empresa. A partir do levantamento, verifica-se um estoque de aproximadamente mil itens de diversas linhas e produtos. Para identificar a linha e os produtos mais importantes, a empresa leva em consideração os conceitos de quociente peso-volume, quociente valor-peso e a substituibilidade. A distribuidora de tintas com base nos dados históricos da empresa e na experiência de mercado, buscou identificar os principais produtos, comercializados pela distribuidora de tintas nos segmentos de atacado e varejo. Quadro 1 Classificação ABC de 30 itens vendidos na distribuidora de tintas. Produtos Quantidade Anual de Venda Custo Unitário por Itens (R$) Quantidade x Custo Unitário Porcentagem por Itens (%) Porcentagem Acumulativa por Itens (%) 1 Branco Suvinil , ,00 10,34% 10,34% 2 Branco Suvinil , ,87 9,49% 19,82% 3 Esmalte Acetinado Branco Coral , ,08 6,43% 26,26% 4 Massa Corrida Futura , ,04 6,03% 32,28% 5 Branco Coralplus , ,02 5,36% 37,64% 6 Branco Metalatex , ,46 4,86% 42,49% 7 Massa Corrida Suvinil , ,30 4,73% 47,22% 8 Branco Coralatex , ,20 4,71% 51,93% 9 Massa Corrida Coral , ,84 4,65% 56,58% 10 Esmalte Brilhante Coral , ,60 4,57% 61,15% 11 Textura Rústica Base Coral , ,00 3,69% 64,84% 12 Selador Acrílico Suvinil , ,32 3,40% 68,24% 13 Selador Acrílico Futura , ,01 3,21% 71,44% 14 Selador Acrílico Coral , ,05 2,63% 74,08% 15 Verniz Solgard , ,97 2,54% 76,62% A B C 14

15 Acetinado Branco Futura Selador Acrílico Metalatex Esmalte Acetinado Branco Suvinil Massa Acrílica Coral Selador Acrílico Real Verniz Solgard Brilhante Massa Acrílica Futura Textura Rústica Natural Chromma Massa Acrílica Suvinil Textura Rústica Base Suvinil Esmalte Brilhante Suvinil Textura Rústica Branca Chromma Verniz Poliulack Acetinado Esmalte Acetinado Branco Futurit Verniz Poliulack Brilhante , ,32 2,50% 79,11% , ,63 2,13% 81,24% , ,13 2,12% 83,36% , ,76 1,74% 85,09% , ,34 1,73% 86,82% , ,50 1,51% 88,33% , ,46 1,47% 89,80% , ,80 1,46% 91,26% , ,44 1,45% 92,70% , ,54 1,43% 94,13% , ,85 1,42% 95,55% , ,00 1,31% 96,86% , ,00 1,28% 98,13% , ,70 1,01% 99,14% , ,30 0,86% 100,00% Total ,53 100,00% - Fonte: Dados da pesquisa Foram selecionados 30 produtos utilizados em diversos segmentos, desde produtos para preparação da superfície, como produtos utilizados para acabamento em madeira, ferro e parede. Sendo que as linhas de produtos selecionadas são: Linha de Acabamentos base Água e base Solvente e Linha de Complementos. O Quadro (1) demonstra o desempenho de cada item comparando a quantidade vendida anualmente com o custo unitário respectivamente de cada produto. O Quadro (1) demonstra que o resultado da utilização do método de classificação ABC sobre os trinta produtos comercializados pela distribuidora de tintas, vem a confirmar a importância de focar os esforços nos produtos de segmento Premium. Como empresa buscou conhecer pela primeira vez quais os produtos mais importantes em seu estoque, assim se obtêm um nivelamento na quantidade de saída dos produtos Premium em comparação com a saída dos produtos de baixo custo. Entre os dez primeiros produtos demonstrados no Quadro 15

16 Itens Classificação IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (1), sete produtos correspondem a linha de produtos acabamento, contra apenas três produtos da linha de complementos. De encontro ao apresentado no Quadro (1), no qual os dois primeiros itens encontrados correspondem a 19,82% do custo total e são produtos de acabamentos de um mesmo fabricante com características semelhantes de rendimento e acabamento, a distribuidora de tintas buscou coletar dados mais específicos desses dois produtos para identificar e classificar quais itens necessitam ser observados com maior atenção e que requerem um controle de estoque mais eficaz. O primeiro item encontrado no Quadro (1) é o acabamento Acrílico Fosco da Suvinil, que possui dezessete tonalidades em linha. Enquanto que o segundo item no Quadro (1) é o acabamento da Suvinil, que possui vinte tonalidades em linha. Quadro 2 Classificação ABC dos principais itens de acabamento. Produtos Acabamento Acrílico e PVA Suvinil Quantidade Anual de Venda Custo Unitário por Itens (R$) Quantidade Vendida x Custo Unitário Porcentagem Custo (%) Porcentagem Acumulativa (%) Porcentagem Itens(%) Branco Branco Neve Gelo Palha Gelo Atlantis Marfim Areia Marrocos Perola Alecrim Vanilla Pêssego Mel Palha , ,65 28,52% 28,52% 2,7% , ,30 20,48% 49,00% 5,4% , ,36 6,51% 55,50% 8,1% , ,82 6,22% 61,73% 10,8% , ,90 3,38% 65,11% 13,5% , ,30 3,32% 68,43% 16,2% , ,30 3,32% 71,75% 18,9% , ,93 2,86% 74,61% 21,6% , ,56 2,40% 77,01% 24,3% , ,56 2,40% 79,41% 27,0% , ,79 2,26% 81,67% 29,7% , ,49 2,10% 83,77% 32,4% , ,25 1,97% 85,74% 35,1% , ,72 1,96% 87,70% 37,8% , ,74 1,77% 89,48% 40,5% A B 16

17 Concreto Camurça Flamingo Areia Marfim Telha Azul Profundo Perola Am. Canario Pêssego Concreto Verde Musgo Camurça Flamingo Vanilla Lirio Verm. Cardinal Verde Agua Cerâmica Polar Preto , ,71 1,69% 91,17% 43,2% , ,52 1,33% 92,49% 45,9% , ,39 1,00% 93,49% 48,6% , ,66 0,65% 94,14% 51,4% , ,00 0,64% 94,78% 54,1% , ,55 0,55% 95,33% 56,8% , ,38 0,55% 95,88% 59,5% , ,06 0,52% 96,40% 62,2% , ,10 0,45% 96,85% 64,9% , ,10 0,45% 97,30% 67,6% , ,12 0,41% 97,70% 70,3% , ,46 0,40% 98,10% 73,0% , ,80 0,38% 98,48% 75,7% , ,80 0,38% 98,86% 78,4% , ,48 0,36% 99,22% 81,1% , ,18 0,29% 99,52% 83,8% , ,92 0,15% 99,67% 86,5% , ,92 0,15% 99,82% 89,2% 6 108,66 651,96 0,08% 99,90% 91,9% 4 134,53 538,12 0,06% 99,96% 94,6% 3 108,66 325,98 0,04% 100,00% 97,3% 37 Anil 0 108,66 0,00 0,00% 100,00% 100,0% Total ,88 100,00% - - Fonte: Dados da pesquisa C O Quadro (2) demonstra o desempenho de cada item comparando a quantidade vendida anualmente com o custo unitário respectivamente. No quadro se encontra todas as tonalidades disponíveis em catálogo dos produtos Premium e, ambos da marca Suvinil. O Quadro (2) apresenta a classificação ABC com os percentuais que representa cada produto na classificação por itens e na classificação por custo unitário no qual se dividem em: 17

18 a) Produtos com Classificação A: representam o volume 74,61% do total do custo unitário e 21,60% do volume total dos itens; b)produtos com Classificação B: representam o volume 19,53% do total do custo unitário e 29,80% do volume total dos itens; c) Produtos com Classificação C: representam o volume 5,86% do total do custo unitário e 48,60% do volume total dos itens. Os resultados apresentados no Quadro (2) são de extrema importância para a gestão e gerenciamento do estoque da empresa, pois demonstra nas duas linhas de produtos, quais as tonalidades merecem maior atenção, o que corrobora com o conceito der Corrêa e Corrêa (2004). Com base nos históricos de produtos e na experiência de mercado, os dados levantados sobre os produtos no Quadro (1) referem-se à cor branca, enquanto que no Quadro (2) são demonstradas todas as tonalidades disponíveis em catálogo dos produtos e para venda. O último item apresentado, não tem qualquer quantidade vendida no período de um ano, mas vale deixar registrado que esta tonalidade faz parte do último lançamento da Suvinil e por isso já conta em estoque na empresa, mas ainda não tem um dado histórico de venda. A distribuidora de tintas independente da quantidade vendida, conta com todas as tonalidades em estoque. Há normalmente uma variação na saída desses produtos devido às campanhas internas para direcionamento de venda para determinadas tonalidades e também a existência da tendência de mercado. Normalmente essa tendência de mercado se estabelece através de propagandas veiculadas em diversos meios de comunicações e de palestras orientas pelos fabricantes em conjuntos com seus revendedores demonstrando novas cores e produtos disponíveis no mercado. A Fig. (2) apresenta a classificação ABC os resultados acolhidos no Quadro (2), no qual o intervalo de dados referente aos produtos e às quantidades vendidas anualmente, sendo considerado o período de um ano para as análises dos produtos - e. 18

19 Figura 2 Curva ABC dos principais itens de acabamento Fonte: Dados da pesquisa A Curva ABC apresentada na Fig. (2), se refere aos dados apresentados no Quadro (2). Os dados apresentados no gráfico demonstram que 74,61% do total dos custos são provenientes de 21,60% do total de produtos, resultado que fica próximo do conceito Os resultados aferidos com a utilização da classificação ABC em duas linhas de produtos de acabamento comercializados, demonstra que a empresa ao utilizar a ferramenta para o controle de estoque, estará contribuindo para a melhoria de seus processos no gerenciamento de estoque. A empresa deve passar a utilizar a classificação ABC em todos os produtos comercializados, dividindo-os por segmentos de utilização. Com isso a empresa poderá focar maiores esforços nos produtos que realmente necessitam de um cuidado especial e assim a empresa poderá diminuir o gargalo existente no fluxo de saída de materiais. 5. CONCLUSÕES Um dos maiores desafios para o administrador no gerenciamento de estoque é encontrar soluções contínuas, visando à redução dos custos e a eficiência dos controles de estoque. Ao manter estoque, contemos certo nível de segurança, mas manter estoque representa risco. Encontrar o ponto de equilíbrio entre estoques e custos é importante para as empresas se manterem competitivas no mercado. As informações apresentadas neste trabalho foram baseadas nas características administrativas de gerenciamento do estoque da distribuidora de 19

20 tintas atuante na Região Metropolitana de Campinas, com foco na identificação e melhoria dos processos no gerenciamento e controle de estoque de produtos acabados comercializados na empresa. Na perspectiva da empresa abordada, fica contextualizado que mesmo tendo crescimento ao longo dos anos de forma projetada, apresenta deficiências em seu Sistema de Gerenciamento de Estoque. Especialmente a partir do momento em que a empresa passou a dividir seus esforços em atender não só o segmento de varejo, mas também o segmento de atacado. A partir deste momento é possível identificar falhas no controle de estoque da empresa, por decorrência de a mesma não utilizar em seus processos ferramentas de controle de estoque. Neste contexto pode-se ressaltar que a distribuidora de tintas necessita melhorar os processos no departamento de compras e gerenciamento de estoque e apreciar o departamento de forma especial, no qual a empresa deixa de se fortalecer e perde o equilíbrio da gestão estratégica entre seus objetivos ao não aproveitar a oportunidade de implementar melhorias em seus processos por não utilizar adequadamente ferramentas, dentre as quais pode-se citar o Lote Econômico de Compra (LEC) ou implementar novas ferramentas como a Classificação ABC de estoque. A empresa deve dividir seus produtos por setores de atuação e classificá-los de modo a identificar quais produtos merece maior atenção a fim de diminuir os gargalos existentes no fluxo de saída dos seus produtos. Percebe-se que a utilização da classificação ABC para priorizar os itens mais importantes é de extrema importância para alcançar uma melhoria contínua na empresa, mas há a necessita de buscar outras ferramentas existentes para auxiliar na previsão de demanda de seus produtos. Com relação à questão de pesquisa formulada, referente a necessidade de melhoria dos processos de controle de estoque, concluí-se que a distribuidora de tintas constatou-se que a empresa necessita melhorar os processos no departamento de compras e gerenciamento de estoque, aproveitando as oportunidades de implementar e utilizar ferramentas de forma mais efetiva e racional para o auxilio nas tomadas de decisão. Por se tratar de uma empresa que atua tanto no segmento de varejo quanto no segmento de atacado, acredita-se que as conclusões extraídas deste trabalho podem ser aplicadas a outras empresas que atuam no segmento. 20

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: FUNDAMENTOS DE LOGÍSTICA. Carga Horária:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Curso Superior de Tecnologia em Logística Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Professor: Roberto Cézar Datrino Carga horária semanal: 4 h/a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais