UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. Ricardo Luís Raulik

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. Ricardo Luís Raulik"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Ricardo Luís Raulik A INFLUÊNCIA DO COMPORTAMENTO DO COMANDANTE NO TOCANTE A SEGURANÇA DE VÔO Curitiba PR Ano 2008

2 2 Ricardo Luís Raulik A INFLUÊNCIA DO COMPORTAMENTO DO COMANDANTE NO TOCANTE A SEGURANÇA DE VÔO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação: Tecnologia em Pilotagem Comercial de Aeronaves, da Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Aeronáuticas, como parte das exigências para a obtenção do título de Piloto Comercial de Aeronaves. Orientadora: Prof.ª Margareth Hasse Curitiba PR Ano 2008

3 3 TERMO DE APROVAÇÃO AUTOR TÍTULO Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado e aprovado para obtenção do Título de Tecnólogo em...da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, de de 20. Nome do Curso/do Programa Nome do Coordenador Faculdade de Ciências Aeronáuticas Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Prof. Dr. Instituição e Departamento

4 4 AGRADECIMENTOS Gostaria de deixar aqui registrado os meus agradecimentos à Professora Margareth Hasse que contribuiu de forma significativa e relevante para a confecção deste artigo.

5 5 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS 4 SUMARIO 5 RESUMO 6 INTRODUÇÃO 7 FIGURAS The Cockpit United Airlines - CRM 11 Fatores circunstanciais em aproximação e pouso 11 Abordagens entre chefe e líder 13 Tabela Grid 17 Profissional Culture 22 QUESTÃO PROBLEMA: O Comportamento 7 OBJETIVOS: Análise 9 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: Conceitos de Liderança 12 Grid / Crm 14 DISCUSSÃO / CONCLUSÕES 22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 24

6 6 RESUMO Este trabalho aborda aspectos de como o comportamento do comandante e o tratamento dispensado aos subordinados afetam a comunicação entre os tripulantes e, por conseguinte, a segurança de vôo. A análise do comportamento do comandante na relação interpessoal e na comunicação está baseada em conceitos atuais de CRM e estudos realizados por companhias ou empresas aéreas reconhecidamente atuantes no sistema da aviação mundial. Palavras-chave: Comunicação. Equipe. Liderança. CRM.

7 7 1. INTRODUÇÃO Na aviação, como em qualquer outro ramo de trabalho, existem pessoas que apresentam problemas de relacionamento com os colegas de equipe, os quais se manifestam na comunicação dentro da cabine de comando. Esse problema torna-se mais aparente quando o indivíduo ocupa cargos de liderança, já que, pelo status social que detém, podem dar ordens diretas sem levar em consideração se esta foi clara o suficiente para ser executada pelo subordinado (FISCHER U, ORASANU J. 2000). Este trabalho discute o comportamento do comandante no seu papel de líder, e como esse comportamento pode afetar diretamente a segurança de vôo. Em casos extremos, a atitude do comandante favorece o retraimento de todos os membros da tripulação a tal ponto que deixam de lado uma posição assertiva com contribuições relevantes às operações aéreas. Tem por objetivo identificar e remover este elo da corrente que pode levar a uma situação de risco ou até mesmo a um acidente aéreo O COMPORTAMENTO Vôo de check. O comandante checador apresenta-se para o vôo atrasado alegando problemas no trânsito. Não há mais tempo para o brieffing. A tripulação segue para o avião. É conhecido entre os colegas como pessoa complicada. Antes mesmo de fechar a porta, no primeiro contato com a chefe de cabine, ele coloca seus procedimentos (aqueles que deveriam ter sido brifados anteriormente) de maneira no mínimo indelicada. O primeiro elo.

8 8 Na primeira etapa, durante o procedimento de descida, o piloto que estava sendo checado tenta cumprir rigorosamente os padrões propostos pela empresa. O checador surta dizendo que estava inadequado e que seria outro procedimento. A partir daí a confusão instaura-se na cabine. O pouso foi completado da maneira conforme queria o checador. Em solo, ao invés de um debrieffing, cria-se um clima quase que insustentável entre os dois pilotos. O segundo elo. Mas os passageiros estão na porta. O vôo tem que prosseguir. O mecânico entra na cabine questionando se poderia adiantar o abastecimento. O checador olha para o checado delegando a decisão. Como a documentação do vôo ainda não havia chegado, o piloto solicita ao mecânico que aguarde um pouco. O checador manda iniciar. Sem diálogo e sem interação. Agora, o problema não seria mais acertar a operação conforme a rotina do fabricante da aeronave e normas da empresa, e sim como queria o avaliador. Mais um elo. Em um determinado momento, entre etapas, outro comissário passa pelo copiloto e, desculpando-se, informa que não entraria mais na cabine. Algo aconteceu. O quarto elo. A esta altura não existia mais uma tripulação, e sim vários tripulantes. O check pode ser dado como encerrado, pois nada do que se faça daí em diante estará correto. O vôo prossegue de todas as formas, menos normalmente. Em um céu cavok, uma nuvem cumulus-nimbus acompanha o avião. Cobranças infundadas, críticas inconsistentes, demonstrações de falta de conhecimento. Mas ele é o comandante instrutor e checador. Sangue azul.

9 ANÁLISE A situação do vôo de check acima relatada serve para a análise do comportamento do comandante e sua influencia na segurança de vôo que se pretende com este trabalho. Pensando dessa forma, qual o nível de segurança no referido vôo? A tripulação poderia ser chamada de equipe? Havia espaço para a assertividade? Os elos enfraquecidos estavam se unindo rapidamente na formação da corrente que poderia levar a um acidente. São inúmeros casos de investigações sobre erros na aviação onde um dos fatores contribuintes preponderantes foi o humano. O acidente ocorrido no Canadá em março de 1989 (disponível em: acabou por acidentar-se devido ao acúmulo de neve sobre as asas antes da decolagem. Um passageiro, piloto experiente, avisou a aeromoça, mas esta ficou receosa de repassar ao comandante. Em outro evento, acontecido em Manaus-AM, um Brasília EMB-120 (disponível em: inexplicavelmente colidiu contra o solo durante uma espera (CFIT). Os dois pilotos não se falavam. Estudos realizados pela NASA, universidades e empresas aéreas americanas mostram que 70% (HELMREICH R. L. 2000) dos acidentes são atribuídos aos erros humanos cometidos pela tripulação. Pesquisadores concluíram que esses dados indicavam a falta de treinamento na área de gerenciamento, liderança, trabalho em equipe e outros aspectos não relacionados à técnica de pilotagem em si.

10 10 Análises das causas de acidentes e incidentes de aviões a jato entre 1968 e 1976 (COOPER, WHITE & LAUBER, 1980; MURPHY, 1980), realizados por pesquisadores da NASA, concluíram que o erro do piloto refletia falhas na comunicação e coordenação entre a equipe (HELMREICH R. L. 2000). Nos últimos 20 anos, fatores ligados a comunicação interpessoal têm sido implicados em 70% a 80% do acidentes (HELMREICH R. L. 2000).. Visando reduzir o número de acidentes em que este fator estava fortemente envolvido, foi criado em 1979 pela NASA (COOPER, WHITE, & LAUBER, 1980) um programa inicialmente chamado CRM Cockpit Resourse Management e adotado por algumas companhias aéreas americanas e européias. Em pouco tempo o C passou a significar Crew, envolvendo também a tripulação comercial e logo depois Company, englobando mecânicos, despachantes operacionais, escala de vôo e todos aqueles envolvidos nas operações aéreas. É uma filosofia de treinamento que trata de adequar o comportamento efetivo de um piloto, através do reforço de suas habilidades de gerenciar os diversos recursos que dispõem de natureza técnica e de relacionamento entre os membros da tripulação. O CRM é um dos elementos críticos na estratégia organizacional para minimizar e gerenciar o erro humano (CULTURE, ERROR AND CREW RESOURCE MANAGEMENT - ROBERT L. HELMREICH, JOHN A. WILHELM, JAMES R. KLINECT, & ASHLEIGH C. MERRITT). O CRM não diminui a autoridade do comandante. Também não amotina os subordinados. Ele visa apenas à integração de todos com o único fim que é a segurança de vôo. O comandante, para suas tomadas de decisões, precisa ser abastecido com todas as informações e recursos disponíveis. Para isso, é necessário que o canal esteja aberto. As chances de se cometer um erro aumentam significativamente à medida que ele se isola atrás da posição. Com a soberba, o espaço para a assertividade

11 11 daqueles que detêm a informação acaba limitado ou mesmo excluído, levando à complacência. A falta de comunicação gera um bloqueio, violando o conceito CRM. Erros resultam fundamentalmente de problemas de processamento da informação recebida ou adquirida. Podem ser controlados melhorando a qualidade e a pertinência dessa informação. Hábitos interpessoais, tais como educação, caráter, previsibilidade, abertura à comunicação, maturidade, comprometimento, entre outros, são o primeiro passo no desenvolvimento de um perfil adequado e seguro. 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 Acidentes com perda total por milhão de horas voadas 0,1 0 Média da indústria United antes do CRM United pós CRM THE COCKPIT, UNITED AIRLINES, MARÇO E ABRIL DE 1986 (FIG. 1) FATORES CIRCUNSTANCIAIS EM APROXIMAÇÃO E POUSO DADOS FLIGHT SAFETY FOUNDATION (FIG. 2)

12 12 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. CONCEITOS DE LIDERANÇA Uma vez alguém disse: se algum dia você precisar dizer que é o comandante, é porque em algum momento você deixou de sê-lo. Durante uma jornada, a tarefa mais difícil é gerenciar as inúmeras situações encontradas. E as mais difíceis dentre elas são aquelas que envolvem os fatores humanos. Tripulantes, passageiros, mecânicos, empresa, pressa, metas, problemas familiares, financeiros, stress e fadiga são exemplos de problemas que tendem a aumentar a carga de trabalho sobre a equipe e conseqüentemente degradar o fator emocional. É onde se faz presente o líder, o comandante com a função de manter todos agregados e o bom andamento das operações. Liderança é a influência das idéias e ações sobre o comportamento do grupo. É o processo de conduzir um time para uma meta comum ou ainda a habilidade de motivar e influenciar os liderados para que contribuam, voluntariamente, da melhor forma com os objetivos (STONER & FREEMAN: 1995). Existe uma grande diferença entre liderança adquirida e autoridade designada. A situação ideal é quando essas duas estão combinadas em harmonia.

13 13 CHEFE: tem a visão de que LÍDER: tem a visão de que Administra recursos humanos Precisa ganhar sempre Lidera pessoas Precisa ganhar mais do que perder Tem competência Tem todo o poder Conflitos são aborrecimentos Crises são riscos Pessoas trabalham por dinheiro Conflitos são lições Crises são oportunidades Pessoas trabalham também por dinheiro Tem parceiros Tem subordinados e chefes Quadro 1 ABORDAGENS ENTRE CHEFE E LÍDER (FIG 3) A liderança envolve o trabalho de equipe e a qualidade desta depende do sucesso do relacionamento do líder com o time. A liderança hábil pode ser necessária para compreender e lidar com várias situações (disponível em: Por exemplo, conflitos dentro de uma tripulação complicam a tarefa do líder e pode influenciar tanto a eficiência quanto a segurança. Investigações de acidentes e incidentes com a aeronaves têm demonstrado que as diferenças de personalidade influenciam o comportamento e o desempenho dos membros da tripulação. Os fatores que têm sido demonstrados como afetando o clima emocional no qual o time opera inclui as percepções de segurança, clareza do trabalho e expectativas das tarefas, comunicação de apoio, participação e envolvimento, reconhecimento para a contribuição e liberdade de expressão (MANUAL DO FACILITADOR EM CRM ANAC disponível em: Enquanto o clima ou o ritmo da operação depende, numa grande extensão, da

14 14 atitude e da conduta do comandante, todos os membros da tripulação devem, todavia, estar conscientes da significação de um bom clima de trabalho, e se esforçar para colocar sem prática aqueles comportamentos que conduzem a ele. Nas literaturas, encontramos três tipos de liderança: a autocrática, a democrática e a liberal, esta também chamada de Laissez Faire (WIKIPEDIA.ORG/). A primeira delas, também denominada liderança autoritária ou diretiva, o líder toma decisões individuais, desconsiderando a opinião dos liderados. Na democrática (participativa ou consultiva), no processo decisório existe a participação de todos. É voltado para as pessoas. Por último, a liderança do tipo liberal é baseada no deixai fazer, deixar passar, ou seja, o líder é complascente e se exime das decisões e problemas. (LACOMBE, F.J.M.; HEILBORN, G.L.J. ADMINISTRAÇÃO: PRINCÍPIOS E TENDÊNCIAS - CHIAVENATO, IDALBERTO. INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO). Liderar não é uma tarefa simples. Pelo contrário. Liderança exige paciência, disciplina, humildade, respeito e compromisso, pois a organização é um ser vivo, dotado de colaboradores dos mais diferentes tipos. Não é difícil concluir que o líder, neste caso o comandante, dependente das informações a ele trazidas, deve enquadrar-se na democrática, sem contudo eximir-se da responsabilidade da decisão final que será sempre sua GRID CRM Historicamente falando, o treinamento do piloto tem-se concentrado em sua habilidade de pilotar e no conhecimento de sistemas, ignorando ou negligenciando outros fatores como a comunicação entre os tripulantes, a eficiência em compartilhar

15 15 informações e o processo de tomada de decisões. Não obstante o fato de que o piloto ficou liberado de numerosas funções rotineiras de vôo devido à tecnologia embarcada, ele passou a ser exigido mais freqüentemente para exercer habilidades de monitoramento e gerência. O papel do comandante foi ampliado para incluir, além de tarefas rotineiras de comando e eficiência de vôo, muitas outras funções, tais como estabelecimento de metas, gerência de equipe e desenvolvimento pessoal dos membros da tripulação. Estima-se, atualmente, que o mau gerenciamento dos recursos na cabine de comando é um fator causal em 60% dos acidentes fatais com jatos comerciais. (Grid/CRM pág. 07). Vejamos alguns exemplos: Vôo Universal 725 Boeing 727 Chicago O HARE Airport: Durante o brieffing o comandante informa que quer um vôo padrão. Comandante: Complete o check list. Mecânico de vôo: Completo... (O comandante aplica a potência de decolagem) Co-piloto: VR... V2 Comandante: Gear Up (No ponto de redução de potência) Mecânico de vôo: Posso trazer a potência para L.7 de EPR? Comandante: Se eu quisesse uma redução de potência, eu teria pedido. (Grid/CRM pág. 13). O comandante indicou que os padrões operacionais seriam seguidos mas, no entanto rejeitou qualquer tipo de questionamento quanto ao seu desvio do procedimento de abatimento de ruído na decolagem. Situações parecidas ocorrem com demasiada freqüência.

16 16 O GRID (BLAKE, ROBERT; MOUTON, JANE. GRID/CRM GERENCIAMENTO DE RECURSOS NA CABINE DE COMANDO. (RIO DE JANEIRO: CONCISA, 1990.) é um quadro de referência, que tem a finalidade de compreender diferentes abordagens do gerenciamento de recursos e o efeito desses estilos sobre a atuação dos outros membros da tripulação. O objetivo final é compreender de que forma o comportamento de cada tripulante tem influência sobre cada um dos outros membros, assim como a eficiência da cabine de comando de um modo geral. O GRID também sugere formas construtivas de enfrentar conflitos e tensões que podem ocorrer como resultado de formas diferentes e talvez menos eficientes de lidar com os problemas. O quadro GRID possui duas dimensões básicas de referência. A primeira, horizontal, é a orientação para o desempenho, que inclui economia, segurança e o desempenho do vôo propriamente dito. A vertical é a orientação para as pessoas: os indivíduos com quem uma pessoa interage em atividades de trabalho. Nesse contexto, incluem-se os outros membros da tripulação, pessoal de terra, mecânicos, diretores, administradores, etc. Na matriz, as orientações são graduadas de 1 a 9, sendo o nível 1 extremamente baixo e o 9 altíssimo nível de orientação. Essa matriz é usada para descrever atitudes e comportamentos. Os números servem para representar um padrão de comportamento. (BLAKE, ROBERT; MOUTON, JANE)

17 17 1,9 9,9 Orientação para pessoas > 5,5 1,1 9,1 Orientação para desempenho > Quadro 2 GRID/CRM pág. 17 (FIG. 4) Estilo 1,1 O tripulante que segue esta orientação permanece no emprego apenas esperando o dia de se aposentar. O que quer é ir levando. Os membros da tripulação de um comandante 1,1 não se sentem parte da equipe. Quando sentem necessidade de expressar uma idéia, acham muito difícil obter uma resposta que demonstre interesse por parte do superior. Estilo 1,9 Ressalta a extrema importância do bom relacionamento. Busca a aprovação dos outros os envolvendo em divertimentos externos e não pela sua capacitação profissional.

18 18 *Estilo 9,1 É sobre esse estilo de comportamento que se refere primordialmente este artigo. Um piloto que segue esta orientação esforça-se para conseguir desempenho máximo e pouco se interessa pelas atitudes, sentimentos e idéias dos outros membros da tripulação. A autoridade é usada para pressionar e controlar. A delegação de autoridade é feita no mínimo possível. É o exemplo citado anteriormente na introdução deste artigo e no aeroporto de Chicago O Hare. O comandante está seguro de que sabe qual a melhor forma de proceder, e transmite esse estado de espírito de forma imperativa e ríspida. Não ouve inputs e pode até tornar-se agressivo se achar que sua autoridade está em risco. Raramente revela o porquê. Analisemos o caso abaixo: A aeronave está em vôo de cruzeiro a 100 milhas do destino. Etapa do copiloto. Co-piloto Gostaria de começar a descer agora devido a turbulência, ao vento e ao tempo necessário para reduzir para 250 kt. Comandante - Não me agrada este planejamento. Co-piloto (90 milhas) Comandante, seria melhor começar a descer para podermos cumprir as restrições da descida. Comandante Comece a descer com 82 milhas fora de forma a atingir 250 kt a ft e com 40 milhas. Estamos tentando economizar combustível. (Grid/CRM pág. 32).

19 19 Neste exemplo, o comandante rejeita a sugestão do co-piloto sem explicar o porquê. Deixa de responder a preocupação do colega a respeito das condições meteorológicas. Quando o co-piloto tenta trazer de volta o assunto, recebe uma resposta autoritária com instruções específicas, deixando como única alternativa obedecer. Esta orientação pode dar origem a erros de procedimento e tais posições arbitrárias tenderão a reduzir a cooperação. A atitude dos outros passará a ser aquela que se resume na frase: se ele quer fazer tudo sozinho, que o faça. Vôo Universal 798 em aproximação para San Diego Torre Universal 798, autorizado o pouso na pista 27. Vento 270/07. Co-piloto Ciente. Universal 798. Autorizado pouso na pista 27 Co-piloto Comandante, estamos perto demais. Comandante Apenas abaixe o trem de pouso e faça o check list. Vou iniciar a redução agora. Já tenho a pista à vista. Co-piloto Comandante, com certeza não parece vento de proa aqui em cima. Comandante Flaps 2 Co-piloto Nós ainda estamos um pouco velozes para 2. (O comandante estende a mão e coloca os flaps em 2) Co-piloto Se efetuarmos a curva usual ao redor do hospital nós teremos espaço para desacelerar. Comandante Flaps 5. Co-piloto Nós ainda estamos um pouco rápido, mas a velocidade está começando a diminuir. (O comandante estende a mão e coloca os flaps em 5) (O comandante estende a mão e coloca os flaps em 25)

20 20 Co-piloto Estes flaps demoram um tempão para estender sempre que a gente precisa deles. Comandante Especialmente se você demora a comandá-los. Há considerável margem de segurança embutida na speed limit dos flaps e você precisa tirar vantagem disso. (O comandante estica a mão e coloca os flaps em 30) Co-piloto Você vai ouvir o ground warning proximity. A razão de descida é de pés por minuto. Você acha... Ah... Talvez nós devêssemos... (Após tocar além da marca de pés, o Universal 798 consegue parar próximo ao fim da pista graças ao forte emprego dos freios e da reversão). Torre Universal 798. Há fumaça saindo do seu trem de pouso. Você precisa que seja acionada a emergência? (Grid/CRM pág. 37) Nesse evento, se o comandante houvesse sido sensível à opinião do copiloto, por mais simples que fosse o comentário, ele estaria prevenido da complicação gerada por uma aproximação não estabilizada e poderia ter tomado uma ação corretiva. Esse comportamento pode ainda afetar a confiança dos outros membros da tripulação em seu comandante devido à má vontade deste em discutir ou mesmo ouvir problemas por menor que sejam. O estilo 9,1 baseia a liderança numa relação rígida de autoridade-obediência. Poucos se sentem a vontade e a maioria acaba por submeter-se ao seu domínio. Como conseqüência, a criatividade e o comprometimento comum estarão certamente comprometidos. Trata-se, na verdade, de rejeição de uma regra fundamental de segurança de vôo na cabine de comando.

21 21 Estilo 5,5 O indivíduo se ajusta ao sistema e ao ritmo de trabalho que os outros resolvem adotar. Quando surgem divergências, estas são resolvidas na medida do possível por concessões mútuas. Acomodação e ajuste para ambas as partes. Esta abordagem faz com que as pessoas mostrem serviço, o que evita problemas com pessoal. Consegue manter as exigências de desempenho num nível constante, mas não é capaz de otimizar nenhum dos dois aspectos. Estilo 9,9 Tem como base o envolvimento, a participação e o comprometimento. O piloto que segue esta orientação procura estabelecer e apoiar relações de confiança, respeito e compromisso comum, de modo que a operação atinja os mais elevados padrões de segurança e desempenho. Apresenta um posicionamento de ouvir e procurar opiniões, idéias e ações dos outros, estando pronto a mudar de idéia quando sentir-se convencido. Estilo 9+9 Paternalismo. Combina de modo cumulativo a alta preocupação pelo desempenho com a alta preocupação com as pessoas. Nesta orientação o comandante assume a responsabilidade pelos colegas como se estes fossem crianças. O paternalista colhe satisfação por demonstrar grande riqueza de sabedoria e conhecimentos dos quais outros poderão valer-se.

22 22 3. DISCUSSÃO / CONCLUSÕES Após essa breve explanação sobre como o comportamento do tripulante pode influenciar na segurança de vôo, pode-se ter uma idéia sobre a gravidade da situação que, embora rara, está presente no dia a dia do aeronauta. Hoje se sabe que a tripulação é uma equipe que deve andar de maneira coesa e compassada. Um questionamento de um tripulante a outro precisa ser visto como uma preocupação construtiva, não como uma disputa de autoridade. A partir do momento em que existe dúvida ou desconforto sobre um procedimento, esta deve ser exposta e expressada livremente. O comandante, por mais experiente e dono de si que possa ser, está sempre sujeito ao erro ou ao engano. Deve usar sua experiência para ter consciência disso e manter o canal da comunicação aberto, de modo que um possível elo enfraquecido seja prontamente identificado evitando conseqüências desastrosas. Robert L. Helmreich and Ashleigh C. Merritt University of Texas Aerospace Crew Research Project (FIG. 5)

23 23 A liderança e as contribuições provêm de todos os tripulantes. O melhor uso da autoridade é a mobilização de todos os recursos disponíveis. Cabe também às empresas aéreas identificar colaboradores com maior dificuldade em colocar em prática os conceitos de CRM, proporcionado a eles maior treinamento e suporte psicológico. De nada adianta manter aulas de CRM apenas como grade curricular, sem merecida atenção, valor e emprego prático. Os gráficos deixam isso bem claro. A falta deste conceito apresenta-se como um dos principais fatores contribuintes nos acidentes considerados. (THE COCKPIT, UNITED AIRLINES, MARÇO E ABRIL DE 1986 e FATORES CIRCUNSTANCIAIS EM APROXIMAÇÃO E POUSO DADOS FLIGHT SAFETY FOUNDATION). É válido frisar também que o princípio punitivo adotado em certas companhias não traz benefícios, pelo contrário, segue em desacordo com as tendências mundiais e acaba colaborando com a degradação da qualidade das operações, criando um clima ruim e prejudicial de trabalho. Nesse caso, perdem-se ainda valiosas informações da cultura fly safety, quando o tripulante se omite em relatar situações perigosas que poderiam acontecer ou que já tenham acontecido. Um aviador é um profissional altamente preparado e também de alto custo para a organização, portanto merece atenção e não deve ser descartado precipitadamente, sob pena de criar uma desmotivação profissional no grupo.

24 24 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Wikipédia Enciclopédia Livre CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: edição compacta. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, ISBN LACOMBE, F.J.M.; Heilborn, G.L.J. Administração: princípios e tendências. 1.ed. São Paulo: Saraiva, ISBN BOWDITCH, James L. & BUONO, Anthony F. Elementos de Comportamento Organizacional. Título Original "A Primer on Organization Behavior" São Paulo - Editora Pioneira. BLAKE, Robert; MOUTON, Jane. GRID/CRM Gerenciamento de recursos na cabine de comando. Rio de Janeiro: CONCISA, 1990.

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER?

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? AILA MORAIS V. DE CARVALHO ALAN CÁSSIO G. EVERTON BENFICA DOS SANTOS MARAISA DE LIMA BARCELOS SHÁDYA AMÁBILLE RAMOS LOPES FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

Leia mais

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano Prof. Cassimiro Nogueira Jr Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho

Leia mais

LIDERANÇA. CÊGA, Anderson. Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br

LIDERANÇA. CÊGA, Anderson. Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br LIDERANÇA CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça INTRODUÇÃO Ao longo

Leia mais

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL GRUPO DE TRANSPORTE ESPECIAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL Objetivo Reconhecer a importância da manutenção da Consciência Situacional elevada como aspecto básico de CRM entendendo sua

Leia mais

ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA

ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA Ref. Básica: ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 11. ed. SãoPaulo: Pearson PrenticeHall, 2005. ( Cap. 11 ) Prof. Germano G. Reis germanoglufkereis@yahoo.com.br

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL Figura 1 - Acidente em que a perda da Consciência Situacional foi um dos fatores contribuintes (BRASIL, 2009). A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 ÁVILA, Gabrielle Loureira de 2 ; MAGGIONI, Márcia Bandeira Landerdahl 3 ; 1 Trabalho de Pesquisa_FAMES 2 Acadêmica de Administração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Curso de Gestão Público Legislativa Disciplina: Gestão de Pessoas Profª. Drª. Meire Cachioni TEMA 3 Liderança e o comportamento organizacional Liderança: definições e afirmações teóricas Liderança: definições

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

Nova revolução para pequenas empresas. O nascimento de uma nova estratégia de negócios

Nova revolução para pequenas empresas. O nascimento de uma nova estratégia de negócios O DADO DAS EMPRESAS Nova revolução para pequenas empresas O trabalho é uma parte necessária e importante em nossas vidas. Ele pode ser o caminho para que cada trabalhador consiga atingir seu potencial

Leia mais

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL Resumo Silmara de Fátima Narciso Brancalhão Esse artigo problematiza a importância da escolha das estratégias a serem

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - Histórico Histórico Início da Decolagem Falha do motor Impacto Saída do solo - - - - Anais

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Digitais. Liderança, Negociação e Gestão de Conflitos

Gerenciamento de Projetos Digitais. Liderança, Negociação e Gestão de Conflitos Gerenciamento de Projetos Digitais Liderança, Negociação e fredpacheco@me.com FRED PACHECO! 14 anos de experiência no mercado de marketing online.! Palestrante e Consultor de mídia, planejamento e marketing.!

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-YHA MODELO: 206L-3 DATA: 22OUT2006 ADVERTÊNCIA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

L/O/G/O. Cultura Organizacional

L/O/G/O. Cultura Organizacional L/O/G/O Cultura Organizacional 1 Bibliografia Idalberto Chiavenato Gestão de Pessoas - 3ª edição editora Campus. Sylvia Constant Vergara Gestão de Pessoas 9ª edição editora Atlas. Stephen P. Robbins; Timothy

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 069/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-YEG 206B 24NOV2009 ADVERTÊNCIA

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 04 e liderança Conceito de liderança Segundo Robbins,

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Como liderar uma equipe?

Como liderar uma equipe? Como liderar uma equipe? Ricardo Mallet O cenário atual no mundo dos negócios tem colocado grande responsabilidade nas mãos dos líderes ao exigir a formação de equipes compostas por gerações, culturas

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

(a) O efeito em questão refere-se à conclusão dos pesquisadores de que trabalhadores trabalham e reagem de forma distinta quando são observados.

(a) O efeito em questão refere-se à conclusão dos pesquisadores de que trabalhadores trabalham e reagem de forma distinta quando são observados. Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Mecânica-Aeronáutica/Departamento de Organização MOG-61: Administração em Engenharia Turmas do Quinto Ano Prova Bimestral 12/09/2006 Prof. Damiani Aluno

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE A ÁREA DE CONHECIMENTO... 5 Mas afinal quem são os stakeholders do meu projeto?... 8 OS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DAS PARTES INTERESSADAS... 10 Grupo envolvido... 11 Afetados...

Leia mais

CURSO ONLINE LIDERANÇA

CURSO ONLINE LIDERANÇA CURSO ONLINE LIDERANÇA 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 LIDERANÇA _O que é Liderança _Liderança Formal e Informal _Funções do Líder 4 O QUE É LIDERANÇA?

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE Por que se importar 3 O melhor representante de atendimento 4 SUMÁRIO Escrevendo um anúncio de vaga de emprego Carta de apresentação

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Gerenciando erros humanos em operações químicas Ministrante: Fábio Rubens Soares Engenheiro Químico - Professor FAAP Contatos: frsoares@faap.br Apoio Campinas,

Leia mais

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER O PAPEL DO LÍDER O Que é Um Líder? Atualmente, e cada vez mais, as empresas investem nos funcionários, pois acreditam que essa é a melhor forma para a obtenção de bons resultados. Equipes são treinadas,

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Administração e Gerenciamento de Enfermagem

Administração e Gerenciamento de Enfermagem Administração e Gerenciamento de Enfermagem Questão 9 A Enfermagem utiliza o gerenciamento no seu processo de trabalho e vem, ao longo dos anos, buscando meios mais eficazes de adequar modelos administrativos

Leia mais

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo 5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012)

Leia mais

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO TÉCNICO GESTOR/COORNDENADOR LÍDER DE NOME Hoover (2006) PODER LÍDER FORMAL Montana (1998) CUMPRIMENTO DAS TAREFAS

Leia mais

U N I V E R S A L APERFEIÇOADA. Vários avaliadores SOCIAL STYLE. Perfil. Preparado para: Por: Sessão: Isabella Ruiz. Sample Organization

U N I V E R S A L APERFEIÇOADA. Vários avaliadores SOCIAL STYLE. Perfil. Preparado para: Por: Sessão: Isabella Ruiz. Sample Organization Vários avaliadores SOCIAL STYLE Perfil Preparado para: Isabella Ruiz Por: Sample Organization Sessão: Improving Interpersonal Effectiveness U N I V E R S A L APERFEIÇOADA 09 Abr 2014 SOCIAL STYLE, A empresa

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO INTEGRADOR SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE PESSOAS - MÓDULO II - GESTÃO DE PESSOAS DANIEL BOFF BORGES GOIÂNIA - NOVEMBRO 2015 Sumário

Leia mais

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO QUALIDADE NA EDUCAÇÃO Flavia Donel 1, Denise P. Botega 2, Raquel C. Scher 2, João Helvio Righi de Oliveira 3 Engenharia de Produção UFSM 1 Tuiuti, 19/ Santa Maria; RS donel@bol.com.br Universidade Federal

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES HUMANAS E DO TRABALHO EM EQUIPE

CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES HUMANAS E DO TRABALHO EM EQUIPE CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES HUMANAS E DO TRABALHO EM EQUIPE Relações Humanas: Aperfeiçoar o atendimento aos clientes é um desafio permanente para qualquer empresa. É uma questão de sobrevivência.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014

RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 014/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PR-MRG 525B 11NOV2012 O presente Relatório

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-358 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO MÓDULO - PREVENÇÃO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

O LÍDER E SUA IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA

O LÍDER E SUA IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA O LÍDER E SUA IMPORTÂNCIA PARA A EMPRESA ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 ALVES, Gleice Dias 2 ALMEIDA, Márcia Cristina de OLIVEIRA, Melina Cássia RAMOS, Patrícia Mateos RIBEIRO, Fernanda Passos SOUZA,

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE AERONÁUTICO PT

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais