UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS EMPRESAS PELA APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO NAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS DO BRASIL. Por: Teles da Silva, Eduardo Orientador Prof. Mário Luiz Rio de Janeiro 2014

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS EMPRESAS PELA APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE: UM ESTUDO DE CASO NAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS DO BRASIL. Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Estratégica e Qualidade. Por: Teles da Silva, Eduardo.

3 3 AGRADECIMENTOS...acima de todas as coisas, Deus, Fonte de tudo o que é visível e invisível aos olhos humanos, Criador daquilo que existiu, do que existe, e do que ainda há de existir, eu Vos agradeço; à minha esposa Ruth; aos enteados Claudinei, Everton, Vanessa e Viviane que me acolheram todos com muita boa vontade...

4 4 DEDICATÓRIA...dedica-se a todos para quem este trabalho tenha significado, empresários, consultores, auditores, pesquisadores e em especial à ABCVP Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas, da qual tive a honra de ser presidente, no período 2011 a

5 5 RESUMO Neste trabalho dentro do tema Gestão da Qualidade e Seus Benefícios, avaliamos dois grupos de empresas: um deles somente com empresas certificadas em Gestão da Qualidade ISO 9001 na versão 2008; e outro grupo com predominância de empresas que não possuem tal certificação. O objetivo, utilizando-se de indicadores de desempenho variados, é deixar claro se os resultados conseguidos pelas empresas certificadas é ou não melhor do que empresas sem certificação. Parte-se da pergunta: Qual o efeito das certificações ISO 9001 no desempenho das empresas prestadoras de serviço em Controle de Pragas no Brasil? A relevância do tema está no fato de que a alta competição do mundo globalizado exige que as empresas sejam velozes, eficazes e eficientes, sob o risco de desaparecerem do mapa, ou sobreviverem em bolsões ou guetos impostos pelas circunstâncias. É um mundo de mudanças e de competição intensa e é preciso que as empresas aprendam a viver nesse cenário. A aplicação de princípios da Gestão da Qualidade pode trazer um desempenho superior às empresas analisadas. Além da comparação dos dados entre os dois grupos de empresas, o trabalho apresenta ainda uma comparação dos resultados iniciais das empresas certificadas com resultados mais recentes delas mesmas, visando constatar se as empresas certificadas conseguem melhorar seu desempenho com o passar do tempo. Nos capítulos finais, cada indicador é comentado, tem seus resultados avaliados e uma breve explicação sobre o que eles representam em forma de Vantagens Competitivas no mercado.

6 6 METODOLOGIA Metodologia: Pesquisa de Campo com coleta de dados provenientes de duas fontes: Os do grupo das empresas certificadas provém de pesquisa de campo realizada pelo autor do trabalho junto a cada empresa. Tamanho da amostra: 10 empresas de todo o Brasil, representando em torno de 2,5% sobre o faturamento setorial base Já os dados do grupo onde há empresas não certificadas é acessado através de pesquisa de mercado feita por empresa especializada chamada PHC Foco, com sede no Rio de Janeiro, que divulga os dados para assinantes pelo site que passam a ter Login e Senha para consulta. Sendo este grupo bem maior em número de empresas, representa em torno de 20% sobre o faturamento setorial base A distribuição geográfica das empresas pesquisadas: Região Estado Grupo com só empresas certificadas Norte 3 Nordeste 6 Centro Oeste 7 Sudeste 54 Sul 10 Grupo com 80% não certificadas Amazonas - AM 1 Pará - PA 1 Maranhão - MA 1 Alagoas - AL 1 Bahia BA 1 BA 2 Ceará - CE 1 Pernambuco PE 1 PE 2 Distr. Federal - DF 2 Goiás - GO 3 Mato Grosso MT 1 MT 2 Minas Gerais MG 1 MG 7 Rio de Janeiro RJ 2 RJ 18 São Paulo SP 1 SP 29 Paraná PR 1 PR 2 Santa Catarina SC 1 SC 4 Rio Grande do Sul RS 1 RS 4 O modelo de formulário adotado para a coleta de dados na pesquisa de campo, desenvolvido em planilha excel é o que segue:

7 7

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 9 CAPÍTULO I - Qualidade Sistêmica num ciclo PDCA 12 CAPÍTULO II - Hipercompetição e Inteligência Competitiva 19 CAPÍTULO III Apresentação do Mercado e do Perfil das empresas 24 CAPÍTULO IV Analise através dos indicadores de desempenho: explicação de cada um e os resultados obtidos pelos dois grupos de empresas 29 CONCLUSÃO Considerações Finais 48 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 51 BIBLIOGRAFIA CITADA (opcional) 52 ANEXOS 54 ÍNDICE 65

9 9 INTRODUÇÃO O tema desta monografia é Gestão da Qualidade e seus Benefícios. O trabalho se intitula Avaliação do Desempenho das empresas pela aplicação dos princípios da Gestão da Qualidade: Um estudo de caso das empresas de controle de pragas no Brasil. A questão central deste estudo é a avaliação do desempenho das empresas quando aplicam os princípios da Gestão da Qualidade. Qual o efeito das certificações ISO 9001 no desempenho das empresas prestadoras de serviço em Controle de Pragas no Brasil? A alta competição exige que as empresas sejam velozes, eficazes e eficientes, sob o risco de desaparecerem do mapa, ou sobreviverem em bolsões ou guetos impostos pelas circunstâncias. É um mundo de mudanças e de competição intensa e é preciso que as empresas aprendam a viver nesse cenário. A aplicação de princípios da Gestão da Qualidade pode trazer um desempenho superior às empresas analisadas. A relevância do tema ganha maior dimensão quando consideramos que as empresas do mercado de Controle de Pragas são, em sua imensa maioria, empresas pequenas, com restrições de orçamento para investir, quadros de pessoal reduzidos, com carência de pessoal de alta qualificação para lidar com as práticas necessárias. São, portanto, objetivos desta pesquisa, comparar resultados de desempenho em alguns indicadores entre dois grupos de empresas Controladoras de Pragas: um grupo tem 100% das empresas certificadas ISO 9001; outro grupo é misto, com predominância de empresas que não possuem tal certificação da Qualidade, cerca de 80% e analisar através de indicadores de desempenho sobre o efeito gerado quando empresas de serviços decidem implantar os princípios de Gestão da Qualidade através de certificação ISO 9001 quanto ao resultado que conseguem obter em relação a seu próprio desempenho anterior, como em relação ao outro grupo com empresas certificadas. As hipóteses que podem surgir depois das avaliações dos indicadores, são:

10 10 a) O grupo de empresas certificadas pode apresentar desempenho superior a seus próprios resultados passados; b) o grupo de empresas certificadas pode conseguir desempenhos superiores ao grupo onde há empresas não certificadas; ou c) o grupo de empresas certificadas pode obter ambos os desempenhos melhores: c1) em relação a seus próprios resultados passados; e c2) em relação aos resultados do grupo onde há empresas não certificadas. d) o grupo de empresas certificadas não obter, em qualquer instância, resultados melhores do que o grupo onde há empresas não certificadas. Fatores de influência conhecidos podem dar origem a questões secundárias, procurando definir as razões para altos ou baixos desempenhos: Empresas certificadas há mais tempo têm práticas mais consolidadas que podem se refletir em melhores resultados; empresas certificadas que não estão sabendo usar as vantagens competitivas trazidas pelos princípios de Gestão da Qualidade; empresas que não possuem certificação da Qualidade oficialmente, mas possuem todas as melhores práticas. O Capítulo I - Qualidade Sistêmica num ciclo PDCA, abordará a filosofia da metodologia PDCA, no qual se baseia a norma ISO 9001 versão O Capítulo II - Hipercompetição e Inteligência Competitiva apresentarão o ambiente de Hipercompetição e a importância do uso de dados, informação e conhecimento para obtenção de vantagens competitivas pelas empresas. O capítulo III - Apresentação do Mercado e do Perfil das empresas apresentará o mercado das empresas controladoras de pragas e o perfil médio típico das empresas que compõem este mercado. O Capítulo IV Análise dos indicadores através de desempenho irá apresentar os números de diversos indicadores de desempenho empresarial. Esses números estabelecem uma comparação entre os dois grupos de empresas e também uma comparação entre o desempenho anterior com o desempenho presente para o grupo com as empresas certificadas.

11 11 CONCLUSÃO- Considerações Finais: Verificação dos resultados e comentários sobre o que cada um significa em termos de possibilidade de vantagem competitiva para as empresas são comentados os resultados verificados e o que eles significam. Para finalizar, o Capítulo VI - Demonstração dos benefícios na adoção dos princípios de Gestão da Qualidade para Empresas Prestadoras de Serviço e os esforços requeridos para implementar a sistemática, são feitas as abordagens sobre benefícios da certificação da qualidade ISO 9001 e os desafios principais enfrentados pelas empresas.

12 12 CAPÍTULO I QUALIDADE SISTÊMICA NUM CICLO PDCA... O que muda o destino de uma guerra não são táticas simples, mas sim estratégias bem planejadas... Lelouch Lamperouge O PDCA foi criado em 1924 por Walter Shewhart, como uma forma sistêmica de realizar qualquer trabalho, de maneira sistêmica e organizada, onde o nascedouro Plan, é a antevisão do que vai ocorrer. A realização da tarefa Do, de acordo com as disposições planejadas. Em etapas apropriadas da realização, uma conferência da qualidade chamada Check. E levando em conta o resultado dessa avaliação, se tomam-se ações de melhoria Act. Essas melhorias servem de entrada para o início do ciclo seguinte, devendo ser abordadas no próximo Planejamento Plan. Empresas de qualquer tamanho no mundo globalizado competitivo são exigidas quanto a atender e até mesmo superar as expectativas e necessidades de clientes atuais e futuros e as exigências estatutárias e regulamentares e das partes interessadas: funcionários, acionistas, comunidade onde ela está inserida, seus fornecedores e órgãos reguladores. Isso de forma sustentável economicamente, ambientalmente e socialmente. Gerir pessoas, processos, recursos de infra estrutura, financeiros e tecnológicos para a realização de um produto que gere a satisfação do cliente e das partes interessadas. No anexo B da citada norma, estão elencados oito princípios que norteiam todo o Sistema de Gestão da Qualidade:...1) Foco no cliente: Organizações dependem de seus clientes e, portanto, convém que entendam as necessidades atuais e futuras do cliente, os seus requisitos e procurem exceder as suas expectativas.

13 13 2) Liderança: Líderes estabelecem unidade de propósito e o rumo da organização. Convém que eles criem e mantenham um ambiente interno, no qual as pessoas possam estar totalmente envolvidas no propósito de atingir os objetivos da organização. 3) Envolvimento de pessoas: Pessoas de todos os níveis são a essência de uma organização e seu total envolvimento possibilite que as suas habilidades sejam usadas para o benefício da organização. 4) Abordagem de processo: Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um processo. 5) Abordagem sistêmica para a gestão: Identificar, entender e gerenciar processos inter-relacionados como um sistema, contribui para a eficácia e eficiência da organização, no sentido do atingimento de seus objetivos. 6) Melhoria contínua: Convém que a melhoria contínua do desempenho global da organização seja o seu objetivo permanente. 7) Abordagem factual para a tomada de decisão: Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. 8) Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores: Uma organização e seus fornecedores são interdependentes e uma relação de benefícios mútuos aumenta a habilidade de ambos em agregar

14 14 valor. (Aqui, no lugar de fornecedores tem sido usado o termo partes interessadas)... (NORMA ABNT ISO 9004, 2010.) Figura 1 Ciclo PDCA.

15 15 A norma ABNT NBR ISO 9001: 2008, obedecendo à filosofia PDCA e aos oito princípios para um SGQ - Sistema de Gestão da Qualidade, possui 5 capítulos que estabelecem requisitos de planejamento, operação, controle da qualidade e tomada de ações: No capítulo 4 é tratada a estrutura do SGQ: A empresa ISO 9001 deve: a) determinar seus processos-chave, (Plan); b) a sequência e interação desses processos, (Plan); c) critérios e métodos necessários para assegurar eficácia dos processos, Plan; d) assegurar a disponibilidade de recursos necessários, (Plan); e) monitorar, medir e analisar os processos, (Check); f) implementar ações para atingir os resultados planejados, (Act). Há requisitos para que toda a sistemática seja documentada, incluindo: a) uma Política da Qualidade e objetivos numéricos mensuráveis; b) um Manual da Qualidade; c) procedimentos documentados e registros das atividades; d) documentos necessários para assegurar o planejamento, operação e controle de seus processos. Vale a pena comentar que, o foco da Qualidade Sistêmica passou a ser não somente no produto ou serviço oferecido aos clientes, mas sim nos processos através dos quais é obtido esse produto ou serviço. No capítulo 5 da ISO 9001:2008 é tratada a Responsabilidade da Direção: a) comunicar a todos na Organização, sobre a importância de atender requisitos dos clientes e de legislação aplicável; b) estabelecer e divulgar a Política da Qualidade; c) estabelecer objetivos e metas numéricos para controle; d) conduzir análises críticas a intervalos planejados; e) assegurar a disponibilidade de recursos. O comentário é que sem a participação do nível mais alto de uma Organização, os esforços de todos tendem a fracassar.

16 16 No capítulo 6 da ISO 9001:2008 são abordados os Recursos para: a) implementar e manter operando um SGQ, melhorando continuamente sua eficácia; b) aumentar a satisfação dos clientes mediante atendimento a seus requisitos. Especial atenção é dada aos Recursos Humanos, o corpo de pessoas que forma a Organização: a) determinando a competência necessária para cada cargo na empresa; b) provendo treinamento ou outras ações para atingir a competência; c) avaliando a eficácia de treinamentos e ações; d) assegurando que o pessoal está consciente da pertinência e importância de suas atividades e de como elas contribuem para o resultado planejado; e) mantendo registro de educação, treinamento, habilidade e experiência do pessoal. Dentro dos Recursos estão ainda aspectos de Infraestrutura e Ambiente de Trabalho. No capítulo 7 da ISO 9001:2008, o mais extenso, são tratados requisitos para: o Planejamento da Realização do Produto ou Serviço; os Processos Relacionados a Clientes; Projetos de Produtos; Aquisição ou Compras; Produção e Controle de Equipamento de Monitoramento e Medição. A Realização do Produto ou Serviços deve ser feita sob condições previamente planejadas, e deve haver: a) requisitos de qualidade para o produto; b) processos de produção necessários, documentos e recursos específicos; c) verificação, validação, monitoramento, medição, inspeção e atividades de ensaio específicos e critérios de aceitação; d) registros para prover evidências de que o processo e o produto resultante atendem aos requisitos planejados. Os Processos Relacionados a Clientes envolvem a identificação das necessidades e expectativas de cada cliente, uma análise crítica sobre a

17 17 capacidade de atender aquilo que o cliente precisa desde a relação comercial como preço, formas de pagamento e prazos de entrega; bem como as de aspecto técnico, levando em conta a capacitação do pessoal, meios de produção e atendimento à legislação. Se um produto necessitar ser projetado antes da sua execução, a Organização assume responsabilidade pelo projeto atendendo o item 7.3 da ISO 9001:2008. Esse item normativo estabelece as regras para um projeto seguro. Quando executando projetos de terceiros, ou em prestação de serviços, esse item é considerado não aplicável ou excluído do escopo de certificação. Compras ou Aquisições por importação, por empréstimo, ou por qualquer que seja a modalidade, também possuem parâmetros a serem seguidos: que os fornecedores atestem formalmente sua capacidade em atender requisitos; que o produto a ser adquirido possua informações precisas ao fornecedor; e que seja verificado em inspeção de recebimento quando da sua chegada à Organização. Para a produção são considerados cuidados relativos a: a) Controle da Produção expresso pelo uso de Ordens de Fabricação ou Ordens de Serviço, por exemplo; b) uma Validação quando a saída resultante não puder passar por verificação da qualidade final e deficiências serem possíveis de ocorrer depois de entregue o produto ou serviço; c) identificação e rastreabilidade, devendo todo material possuir identificação, e ser possível saber qual material foi usado em qual cliente, pessoas que atuaram, equipamentos e regulagens de controle de processo efetivamente utilizadas. d) Cuidados com propriedade do cliente disponível nos processos; e) Preservação e manuseio de produtos. O Controle de Equipamentos de monitoramento e medição estabelece condições para se utilizar equipamentos confiáveis, aferidos ou calibrados, que ao medirem alguma característica garantam que o resultado é fidedigno.

18 18 No capítulo 8 da norma NBR ISO 9001:2008 encontramos deveres da empresa certificada para com Medição, Análise e Melhoria: a) Satisfação do Cliente Pesquisas; b) Auditorias Internas uma das formas de se conferir se as sistemáticas previstas estão atuantes; c) Monitoramento e medição dos processos normalmente via indicadores de desempenho; d) Monitoramento e medição dos produtos Inspeção de Controle da Qualidade; e) Controle de produto não conforme o que fazer quando produtos ou serviços não atendem aos requisitos de qualidade especificados; f) Análise de dados para demonstrar a adequação e eficácia do SGQ; g) Ações Corretivas e Preventivas como são disparadas, qual forma de registro, quem são os responsáveis para conduzir os tratamentos e gerar as melhorias necessárias. Podemos considerar que empresas certificadas necessariamente possuem as características descritas neste capítulo. As não certificadas podem até ter algumas dessas práticas previstas, não lhes sendo, contudo, obrigatórias. Veremos neste trabalho em resultados práticos o que a adoção desse modelo organizativo pode trazer de benefícios.

19 19 CAPÍTULO II HIPERCOMPETIÇÃO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA...A estratégia sem tática é o caminho mais lento para a vitória. Tática sem estratégia é o ruído antes da derrota... Sun Tzu Este capítulo tem a finalidade de mostrar a importância de se conhecer os números de mercado para poder operar de forma estratégica. O professor Clóvis Massaud, do Rio Grande Sul, já dizia em aulas que a dimensão estratégica exige que saibamos números de mercado, senão o planejamento jamais será estratégico, e sim apenas tático ou operacional. Kotler (1980) quando aborda a inteligência de marketing, alerta que há necessidade de as empresas organizarem as informações e desenvolverem rotinas para obter novas informações de mercado, se quiserem se planejar de maneira estratégica e obter vantagens competitivas. Segundo D Aveni (1995)......nos últimos 30 anos, o mundo dos negócios inseriu-se num processo de transformação de uma economia industrial para uma economia de informação ou do conhecimento. Um ambiente onde a informação aciona a criação de riquezas e prosperidade, e onde a organização passa a ter a necessidade essencial de ser ágil, veloz e competente no uso dessa informação... Hipercompetição, segundo D AVENI (1995)...

20 20...é um ambiente carregado de movimentos competitivos, intensos e rápidos, no qual os concorrentes têm que se movimentar rapidamente para construir vantagens e erodir as vantagens de seus adversários. As organizações só conseguem aumentar sua competitividade e eficiência se utilizarem a informação ou conhecimento como ferramenta estratégica. Daí o grande esforço que vêm empreendendo no sentido de gerenciar adequadamente essa informação... Esse processo acelera as interações estratégicas entre os agentes envolvidos nos negócios, sejam concorrentes ou aliados. Antes da ambiência da hipercompetição, as organizações conseguiam proteger suas vantagens competitivas durante longos períodos, até que os concorrentes se reposicionassem, agindo em contra-ataque e destruindo estas vantagens. Na hipercompetição tem-se verificado que, em muitas ocasiões, a melhor defesa é um ataque forte. Isto tem levado as organizações a terem uma postura hipercompetitiva, que é um processo de gerar continuamente novas vantagens competitivas (estratégia competitiva dinâmica), de forma a destruir ou neutralizar a vantagem competitiva do concorrente, gerando um desequilíbrio e destruindo a ambiência de concorrência perfeita, rompendo-se assim, o status quo do mercado. A criação de riquezas passou a ser um evento cerebral, baseado no conhecimento aplicado ao trabalho para criar valor. Agregar valor passou a ser a mola mestra do processo de crescimento. Esse valor entendido como algo mensurável e perceptível pelos atores envolvidos no mundo dos negócios, em especial os clientes das organizações. Valor agregado, que diferencia um produto ou serviço de um outro, segundo D Aveni, tem sido gerado por:

21 21 Customização; (adaptar para satisfazer os clientes, ao qual chamamos anteriormente de atributos de Qualidade). Capacidade e a agilidade de resposta às demandas; (se os clientes querem, vamos fazer, ao qual chamamos de atributos de Velocidade) Valoração; (criação de valor agregado econômico-financeiro, ao que chamamos de Custo x Benefício) Intensidade de conhecimento em bens e serviços; (Reputação e Confiabilidade) Inovação; (capacidade de criar e implantar coisas novas, ao que chamamos de flexibilidade) e Aplicação de boas práticas (qualidade, housekeeping e produtividade, que podem ser representados por certificações segundo padrões estabelecidos). Durante nossa pesquisa, encontramos um trabalho de Márcia Freire de Oliveira e Edmundo Escrivão Filho, da USP de São Carlos SP, chamado Pequenas Empresas e Insucesso de Programas de Qualidade: uma proposta de ajustes ao programa Sebrae de Qualidade Total. Esse trabalho aparece nos anais do II EGEPE em Londrina PR Encontro de Estudos e Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, de Novembro de 2001, no qual os autores apontam:...apesar de vários esforços para implantar a Gestão da Qualidade Total estarem sendo feitos, dentre eles a implantação de programas da qualidade, muitos desses esforços têm falhado, trazendo decepção e desconfiança a respeito da sua real efetividade... (MARTINS & TOLEDO, 1998). Os autores fazem citações de outros autores que afirmam que muitas organizações fracassam totalmente em seus esforços pela qualidade,

22 22 enquanto outras obtém resultados medíocres, podendo dar a impressão geral que a Gestão da Qualidade Total é outro modismo em declínio (OISHI et. al., 1998). As causas de insucesso na implementação de Programas de Qualidade levantadas pelos autores CROSBY (1993), TOLOVI JR. (1994), WOOD JR. & URDAN (1996), VALLE (1995), TATIKONDA & TATIKONDA (1996), BACKES (1998) e TAMIMI E SEBASTIANELLI (1998) são expostas numa tabela, cujo conteúdo resumiremos a seguir. Por unanimidade dentre os citados autores, o motivo mais frequente é a Falta de comprometimento da Alta-Direção. Em seguida, com cinco citações vem o Treinamento inadequado. Em terceiro, com 4 citações estão a Resistência do Pessoal às Mudanças; e o Não reconhecimento pelo corpo funcional pelas iniciativas de qualidade. Com três citações temos: Qualidade não é medida em termos financeiros Ausência de foco no consumidor Ausência de planejamento Há ainda outras questões citadas pelos autores, que por menores pontuações deixaremos de abordar neste trabalho. É senso comum que Sistemas de Gestão da Qualidade são importantes e deveriam ser implementados pelas pequenas empresas, e esforços deveriam sempre ser feitos para que isso ocorresse com baixo custo para não afugentar essa base da pirâmide composta por pequenas organizações. Por essa razão o Sebrae adotou uma sistemática na qual o GQT Gestão da Qualidade Total é auto implantável, na filosofia do it yourself, ou faça você mesmo, em grupos de empresas, diminuindo os custos de implantação. Estudos são apresentados pelos autores do trabalho, sobre as causas de insucesso, realizados pelo SEBRAE (1995), ALENCAR FILHO (1995), CÂNDIDO (1998), ORTEGA (1998) e PANIGAS (1998), esses estudos levantaram as seguintes causas, expostas resumidamente: Falta de envolvimento pela Alta Direção com a implantação

23 23 Incompatibilidade do programa com diferentes atividades empresariais dentro do grupo Falta de envolvimento dos funcionários (resistência) Falta de acompanhamento por consultores Falta de tempo do pequeno empresário e dos funcionários Dificuldade do pessoal em utilizar ferramentas e técnicas Nas considerações finais do trabalho, os autores reafirmam a importância da Gestão da Qualidade para a competitividade das empresas....tratar as pequenas empresas de modo semelhante às grandes é desconsiderar suas características estruturais; é receitar remédio metodológico padronizado para situações muito diferentes; é centrar erroneamente o insucesso na pessoa do pequeno empresário... (MÁRCIA FREIRE & EDMUNDO ESCRIVÃO JR) 2001.

24 24 CAPÍTULO III APRESENTAÇÃO DO MERCADO E DO PERFIL DAS EMPRESAS...Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas... Sun Tzu O perfil do mercado e das empresas é o seguinte: Há cerca de empresas Operadoras de Controle de Pragas no Brasil, considerando-se a emissão da RAIS Relação Anual de Informações Sociais em 2012, de acordo com informação do Ministério do Trabalho. Dessas RAIS, são positivas, ou seja, possuem vínculos empregatícios. As restantes, são negativas, não tem funcionários registrados, o que pode significar que são irregulares quanto à contratação de mão-de-obra, ou que o dono trabalha sozinho, podendo igualmente não atender a legislação que pede um responsável técnico com formação superior em Biologia, Agronomia, Veterinária, Química, Engenharia de Alimentos, Florestal, dentre outras. Em 2009 a empresa de Pesquisa de Mercado neste setor, a PHC Foco Consultoria, com sede no Rio de Janeiro RJ, estimou em empresas e estratificou por faixa de faturamento essas empresas, chegando a um movimento estimado de mais de R$ 858 milhões de reais por ano, conforme figura a seguir:

25 25 Percebe-se no quadro acima que apenas 29 empresas faturam mais de R$ 150 mil por mês, ou R$ 1,8 milhões por ano. Em número, essas 29 empresas representam apenas 0,8% das existentes, mas em faturamento esse grupo representa 16,3% dos R$ 858,15 milhões do mercado. Na outra extremidade, com faturamento de menos de R$ 10 mil por mês, ou R$ 120 mil por ano, temos empresas ou 62,7% em número. Em faturamento esse imenso grupo representa 17%, quase o mesmo que o grupo com apenas 29 empresas. O crescimento desse mercado supera em muito o da economia brasileira, como demonstra a figura a seguir, que serve para atualizar desde 2010 a movimentação das operações comerciais em Controle Profissional de Pragas, que vai a mais de R$ um bilhão e meio anuais. (17% em 2010 na figura a seguir e os crescimentos seguintes representam 74,8% de aumento em relação aos números de 2009).

26 26 A atividade de controle de pragas começou a ser feita exclusivamente pelo governo através das áreas de zoonoses até a década de 50, quando então apareceram as empresas da iniciativa privada. Até hoje o governo continua como agente de controle de pragas, como vemos no caso da dengue, por exemplo, inclusive tendo a eficácia e eficiência de suas ações questionadas. Mais de dois terços das empresas têm mais de dez anos de operação, e a entrada de novos competidores é lenta e gradual, conforme demonstra a figura a seguir: Dois terços das empresas possuem até 15 funcionários, média ponderada 13,34 pessoas sendo em sua maioria pequenas e micro empresas, conforme demonstra o quadro a seguir:

27 27 Sobre o perfil dos consumidores dessas empresas, Paulo Henrique Costa, em seu livro Análise Setorial Vetores e Pragas 2004 Ferramenta de Apoio a Tomada de Decisão, divulga na pág. 97, resultado de pesquisa realizada com consumidores do serviço, da qual resumimos aqui os 12 principais quesitos que são levados em consideração na compra do serviço de controle de pragas: CLIENTE QUER da % dos FATOR EMPRESA clientes COMENTÁRIO Eficácia / Resultado / Eficiência QUALIDADE 40% Eficácia = Resolver o problema; Eficiência = de forma mais econômica possível, são conceitos da Qualidade Forma de pagamento CUSTO 33% Mais pelo lado financeiro. parcelado Segurança contra roubo CONFIABILIDADE 32% Aqui o atributo se guia pela reputação. Efeito prolongado QUALIDADE 30% Aqui o atributo só é conhecido no final. Reputação do Aqui o atributo pode ser conhecido CONFIABILIDADE 29% controlador pelo clientes antes da compra. Suporte / pronto A palavra pronto quer dizer que não há VELOCIDADE 24% atendimento esperas indevidas. Prazo adequado de Relativo ao tempo de garantia de QUALIDADE 18% garantia. assistência técnica gratuita. Risco de intoxicação QUALIDADE 16% Conhecimento técnico. Conhecimento Pessoas treinadas, que seguem QUALIDADE 15% técnico procedimentos de Qualidade.

28 28 Relatório sobre o serviço, controle QUALIDADE 7% Resultado imediato VELOCIDADE 6% Reputação do fabricante CONFIABILIDADE 6% Aqui o atributo funciona como manter registro do que foi produzido. Velocidade no resultado, sem ter que esperar. Marca dos produtos utilizados no combate às pragas. A partir do conjunto das respostas todas da pesquisa, propusemos a classificação e enquadramento de cada resposta em um dos quatro atributos abaixo, os quais, poderíamos dizer que poderiam ser sucesso em vendas, uma vez percebidos pelos clientes. Para se obter o percentual foram somadas todas as preferências acima e sobre essa soma é dado o percentual: 1.o QUALIDADE 49,2% 2.o CONFIABILIDADE 26,2% 3.o CUSTO 12,9% 4.o VELOCIDADE 11,7% O fato de a Qualidade estar em primeiro lugar por larga margem dentre os atributos, julgada pelos consumidores, já justifica a adoção de Qualidade Certificada ISO 9001 pelas empresas, como uma das formas de obter vantagens competitivas em relação às suas concorrentes. Elas passariam a ter algo que os compradores costumam dar valor. Dentro do atributo Qualidade, os dois mais pontuados são: 1) o resultado pretendido, a eficácia, que é não haver pragas no ambiente contratado, com um serviço feito com eficiência, utilizando os recursos de forma correta. E 2) o efeito prolongado. Quem adquire o serviço, quer que haja durabilidade e valoriza isso. Foi interessante confirmar que a questão custo, que são o preço e a forma de pagar, não são as mais decisivas para um comprador desse tipo de serviço. Aspectos como Confiabilidade pesam muito, pois pessoas estranhas entram no ambiente do cliente, e é preciso tentar garantir ao máximo que elas não representam risco de roubo ou de ações que possam causar danos ao patrimônio.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E INSUCESSO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE: UMA PROPOSIÇÃO DE AJUSTES AO PROGRAMA SEBRAE DE QUALIDADE TOTAL

PEQUENAS EMPRESAS E INSUCESSO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE: UMA PROPOSIÇÃO DE AJUSTES AO PROGRAMA SEBRAE DE QUALIDADE TOTAL ANAIS DO II EGEPE, p. 411-420, Londrina/PR, Novembro/2001 (ISSN 1518-4382) PEQUENAS EMPRESAS E INSUCESSO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE: UMA PROPOSIÇÃO DE AJUSTES AO PROGRAMA SEBRAE DE QUALIDADE TOTAL Márcia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

F r a n c h i s i n g

F r a n c h i s i n g F r a n c h i s i n g F r a n c h i s i n g www.ambientec.com franchising@ambientec.com Fone: 41 3352 5352 Franchising Com 20 anos de experiência na prestação de consultoria e serviços de Engenharia de

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO HISTÓRICO 1990 Mudanças no Pais e no Setor da Construção Civil - Abertura do

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM OPERADOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS Por: Natalia da Costa Daher Orientador Profa.

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 O estudo foi realizado no mês de novembro de 2012, e contou com a participação de 224 empresas de diferentes portes e segmentos de negócio. Podemos

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ JOÃO AQUILINO SCHMITT JUNIOR AUDITORIA INTERNA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM INDÚSTRIAS: DESAFIOS BÁSICOS NOVEMBRO 2014 CURITIBA PARANÁ JOÃO AQUILINO SCHMITT JUNIOR

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais